2 bandeira

 

16. Serviços de Saúde Ocupacional

Editores de Capítulo:  Igor A. Fedotov, Marianne Saux e Jorma Rantanen


 

Conteúdo

Figuras e Tabelas

Padrões, Princípios e Abordagens em Serviços de Saúde Ocupacional
Jorma Rantanen e Igor A. Fedotov

Serviços e práticas de saúde ocupacional
Georges H. Coppée

Inspeção médica de locais de trabalho e trabalhadores na França
Marianne Saux

Serviços de saúde ocupacional em empresas de pequeno porte
Jorma Rantanen e Leon J. Warshaw

Seguro de Acidentes e Serviços de Saúde Ocupacional na Alemanha
Wilfried Coenen e Edith Perlebach

Serviços de Saúde Ocupacional nos Estados Unidos: Introdução
Sharon L. Morris e Peter Orris

Agências Governamentais de Saúde Ocupacional nos Estados Unidos
Sharon L. Morris e Linda Rosenstock

Serviços Corporativos de Saúde Ocupacional nos Estados Unidos: Serviços Prestados Internamente
William B. Bunn e Robert J. McCunney

Contrato de serviços de saúde ocupacional nos Estados Unidos
Penny Higgins

Atividades baseadas em sindicatos nos Estados Unidos
Lamont Byrd

Serviços de saúde ocupacional de base acadêmica nos Estados Unidos
Reitor B. Baker

Serviços de saúde ocupacional no Japão
Ken Takahashi

Proteção do Trabalho na Federação Russa: Lei e Prática
Nikolai F. Izmerov e Igor A. Fedotov

A prática do serviço de saúde ocupacional na República Popular da China
Zhi Su

Segurança e saúde ocupacional na República Tcheca
Vladimír Bencko e Daniela Pelclová

Praticando Saúde Ocupacional na Índia
TK Joshi

Tabelas

Clique em um link abaixo para visualizar a tabela no contexto do artigo.

1.  Princípios para a prática de saúde ocupacional
2.  Médicos com conhecimento especializado em occ. medicamento
3.  Atendimento por serviços médicos ocupacionais externos
4.  Força de trabalho sindicalizada dos EUA
5.  Requisitos mínimos, fitossanidade
6.  Exames periódicos de exposições a poeira   
7.  Exames físicos de riscos ocupacionais
8.  Resultados do monitoramento ambiental
9.  Silicose e exposição, Yiao Gang Xian Tungsten Mine
10. Silicose na empresa Ansham Steel

figuras

Aponte para uma miniatura para ver a legenda da figura, clique para ver a figura no contexto do artigo.

OHS100F1OHS162T1OHS162T2OHS130F4OHS130F5OHS130F6OHS130F7OHS140F1OHS140F2OHS140F3


Clique para voltar ao topo da página

Este artigo é baseado nos padrões, princípios e abordagens incorporados na Convenção da OIT sobre Serviços de Saúde Ocupacional, 1985 (nº 161) e sua recomendação acompanhante (nº 171); Convenção da OIT sobre Segurança e Saúde Ocupacional, 1981 (No. 155) e sua Recomendação acompanhante (No. 164); e o Documento de Trabalho da Décima Segunda Sessão do Comitê Conjunto OIT/OMS sobre Saúde Ocupacional, 5-7 de abril de 1995.

A Convenção de Serviços de Saúde Ocupacional da OIT (nº 161) define “serviços de saúde ocupacional” como serviços incumbidos de funções essencialmente preventivas e responsáveis ​​por aconselhar o empregador, os trabalhadores e seus representantes na empresa sobre os requisitos para estabelecer e manter um ambiente seguro e saudável ambiente de trabalho que facilite uma ótima saúde física e mental em relação ao trabalho e a adaptação do trabalho às capacidades dos trabalhadores em função de seu estado de saúde física e mental.

Prestação de serviços de saúde ocupacional significa a realização de atividades no local de trabalho com o objetivo de proteger e promover a segurança, saúde e bem-estar dos trabalhadores, bem como melhorar as condições e o ambiente de trabalho. Estes serviços são prestados por profissionais de medicina do trabalho a funcionar a título individual ou integrados em unidades de atendimento especiais da empresa ou de serviços externos.

A prática de saúde ocupacional é mais ampla e não consiste apenas nas atividades realizadas pelo serviço de saúde ocupacional. É uma atividade multidisciplinar e multissetorial que envolve para além dos profissionais de segurança e saúde no trabalho outros especialistas dentro e fora da empresa, bem como as autoridades competentes, os empregadores, os trabalhadores e os seus representantes. Tal envolvimento requer um sistema bem desenvolvido e bem coordenado no local de trabalho. A infraestrutura necessária deve incluir todos os sistemas administrativos, organizacionais e operacionais necessários para conduzir a prática de saúde ocupacional com sucesso e garantir seu desenvolvimento sistemático e melhoria contínua.

A infra-estrutura mais elaborada para a prática de saúde ocupacional é descrita na Convenção de Saúde e Segurança Ocupacional da OIT, 1981 (nº 155) e na Convenção de Serviços de Saúde Ocupacional, 1985 (nº 161). A criação de serviços de saúde ocupacional de acordo com os modelos preconizados pela Convenção nº 161 e sua correspondente Recomendação nº 171 é uma das opções. No entanto, é evidente que os serviços de saúde ocupacional mais avançados estão de acordo com os instrumentos da OIT. Podem ser utilizados outros tipos de infraestruturas. A medicina do trabalho, a higiene do trabalho e a segurança do trabalho podem ser exercidas isoladamente ou em conjunto no mesmo serviço de medicina do trabalho. O serviço de saúde ocupacional pode ser uma única entidade integrada ou um composto de diferentes unidades de saúde e segurança ocupacional unificadas por uma preocupação comum com a saúde e o bem-estar dos trabalhadores.

Disponibilidade de Serviços de Saúde Ocupacional

Os serviços de saúde ocupacional estão distribuídos de forma desigual no mundo (OMS 1995b). Na Região Européia, cerca de metade da população trabalhadora permanece coberta por serviços de saúde ocupacional competentes; a variação entre os países é muito grande, com coberturas variando entre 5% e 90% da força de trabalho. Os países da Europa Central e Oriental em transição estão tendo problemas na prestação de serviços devido à reorganização de suas atividades econômicas e à fragmentação das grandes indústrias centralizadas em unidades menores.

Números de menor cobertura são encontrados em outros continentes. Apenas alguns países (Estados Unidos, Canadá, Japão, Austrália, Israel) apresentam índices de cobertura comparáveis ​​aos da Europa Ocidental. Em regiões em desenvolvimento típicas, a cobertura por serviços de saúde para empregados varia de 5% a 10%, na melhor das hipóteses, com serviços sendo encontrados principalmente em empresas manufatureiras, enquanto alguns setores da indústria, agricultura, autônomos, pequenas empresas e empresas informais geralmente não são cobertos. Mesmo em países onde as taxas de cobertura são altas, existem lacunas, com pequenas empresas, alguns trabalhadores móveis, construção, agricultura e autônomos sendo mal atendidos.

Assim, há uma necessidade universal de aumentar a cobertura dos trabalhadores pelos serviços de saúde ocupacional em todo o mundo. Em vários países, programas de intervenção para aumentar a cobertura demonstraram que é possível melhorar substancialmente a disponibilidade de serviços de saúde ocupacional em um tempo relativamente curto e a um custo razoável. Verificou-se que tais intervenções melhoram o acesso dos trabalhadores aos serviços e a relação custo-eficácia dos serviços prestados.

Impacto da Política de Instrumentos Internacionais

A chamada reforma do ambiente de trabalho, ocorrida na maioria dos países industrializados nas décadas de 1970 e 1980, produziu importantes instrumentos e diretrizes internacionais. Eles refletiram as respostas das políticas de saúde ocupacional às novas necessidades da vida profissional e a obtenção de um consenso internacional sobre o desenvolvimento da segurança e saúde ocupacional.

O Programa Internacional para a Melhoria das Condições de Trabalho e Meio Ambiente (PIACT) foi lançado pela OIT em 1976 (Melhorando as Condições de Trabalho e Meio Ambiente: Um Programa Internacional (PIACT) 1984; 71ª Sessão da Conferência Internacional do Trabalho 1985). A Convenção da OIT sobre Segurança e Saúde Ocupacional, 1981 (No. 155), com sua Recomendação acompanhante (No. 164), e a Convenção da OIT sobre Serviços de Saúde Ocupacional, 1985 (No. 161) e sua Recomendação acompanhante (No. 171), ampliada o impacto da OIT no desenvolvimento da segurança e saúde ocupacional. Até 31 de maio de 1995, haviam sido registradas 40 ratificações dessas convenções, mas seu impacto prático foi muito maior do que o número de ratificações, pois muitos países haviam implementado os princípios contidos nesses instrumentos, embora não tivessem conseguido ratificá-los.

Simultaneamente, a Estratégia Global da OMS Saúde para Todos no Ano 2000 (HFA) (1981), lançada pela primeira vez em 1979, foi seguida na década de 1980 pela introdução e implementação de estratégias regionais e nacionais de HFA nas quais a saúde dos trabalhadores constituiu uma parte essencial. Em 1987, a OMS lançou um Programa de Ação para a Saúde dos Trabalhadores e, em 1994, os Centros Colaboradores da OMS em Saúde Ocupacional desenvolveram a Estratégia Global para Saúde Ocupacional para Todos (1995), que foi endossada pelo Conselho Executivo da OMS (EB97.R6) e adotado por unanimidade pela Assembléia Mundial da Saúde em maio de 1996 (WHA 49.12).

As características mais importantes do consenso internacional sobre segurança e saúde ocupacional são:

  • foco na saúde e segurança ocupacional para todos os trabalhadores, independentemente do setor da economia, do tipo de emprego (trabalhador assalariado ou autônomo), do tamanho da empresa ou empresa (indústria, setor público, serviços, agricultura e assim por diante) )
  • a responsabilidade dos governos pelo estabelecimento de infraestruturas adequadas para a prática da saúde ocupacional por meio de legislação, acordos coletivos ou qualquer outro mecanismo aceitável pelo governo após consulta às organizações representativas de empregadores e trabalhadores
  • a responsabilidade dos governos pelo desenvolvimento e implementação de políticas de segurança e saúde ocupacional em colaboração tripartida com organizações de empregadores e trabalhadores
  • a responsabilidade primária do empregador pela prestação de serviços de saúde ocupacional no nível da empresa, que deve envolver profissionais de saúde ocupacional competentes para implementar as disposições estipuladas pela legislação nacional ou pelos acordos coletivos
  • a prevenção dos acidentes de trabalho e das doenças profissionais e o controlo dos riscos no local de trabalho, bem como o desenvolvimento de um ambiente de trabalho e de trabalho propício à saúde dos trabalhadores constituem a principal finalidade dos serviços de saúde ocupacional.

 

A Cúpula das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento no Rio de Janeiro em 1993 abordou vários aspectos do ambiente humano que têm relevância para a saúde ocupacional (OMS 1993). Sua Agenda 21 contém elementos sobre prestação de serviços para trabalhadores carentes e garantia da segurança química no local de trabalho. A Declaração do Rio enfatizou o direito das pessoas de levar “vidas saudáveis ​​e produtivas em harmonia com a natureza”, o que exigiria que o trabalho e o ambiente de trabalho atendessem a certos padrões mínimos de saúde e segurança.

Tais instrumentos e programas internacionais estimularam direta ou indiretamente a inclusão da prestação de serviços de saúde ocupacional nos programas nacionais de Saúde para Todos no Ano 2000 e outros programas de desenvolvimento nacional. Assim, os instrumentos internacionais serviram como diretrizes para o desenvolvimento de legislações e programas nacionais.

Um papel significativo no desenvolvimento global da saúde ocupacional foi desempenhado pelo Comitê Conjunto da OIT/OMS sobre Saúde Ocupacional, que, em suas doze reuniões realizadas desde 1950, fez importantes contribuições para a definição de conceitos e sua transferência para as normas nacionais e locais. práticas.

Estruturas Legislativas para Prática de Saúde Ocupacional

A maioria dos países tem leis que regem a prestação de serviços de saúde ocupacional, mas a estrutura da legislação, seu conteúdo e os trabalhadores abrangidos por ela variam amplamente (Rantanen 1990; OMS 1989c). As leis mais tradicionais consideram os serviços de saúde ocupacional como um conjunto de atividades especializadas e separadas, como assistência à saúde ocupacional, serviços de segurança e higiene ocupacional, programas de promoção da saúde no trabalho e assim por diante. Em muitos países, em vez de estipular o que pode ser considerado como programas, a legislação estipula a responsabilidade dos empregadores de fornecer avaliações de risco à saúde, exames de saúde dos trabalhadores ou outras atividades individuais relacionadas à saúde e segurança dos trabalhadores.

Leis mais recentes que refletem diretrizes internacionais como as contidas na Convenção da OIT sobre Serviços de Saúde Ocupacional (nº 161) consideram o serviço de saúde ocupacional como uma equipe integrada, abrangente e multidisciplinar, contendo todos os elementos necessários para a melhoria da saúde no trabalho, melhoria do ambiente de trabalho, promoção da saúde dos trabalhadores e desenvolvimento global dos aspectos estruturais e gerenciais do local de trabalho necessários para a saúde e segurança.

A legislação geralmente delega a autoridade para estabelecer, implementar e inspecionar serviços de saúde ocupacional a ministérios ou agências como Trabalho, Saúde ou Seguridade Social (OMS 1990).

Existem dois tipos principais de legislação que regulam os serviços de saúde ocupacional:

Considera-se o serviço de saúde ocupacional como uma infraestrutura integrada de serviços multidisciplinares e estipulam-se os objetivos, atividades, obrigações e direitos dos diversos parceiros, as condições de funcionamento, bem como a qualificação do seu pessoal. Exemplos incluem a Diretiva-Quadro da União Européia No. 89/391/EEC sobre Segurança e Saúde Ocupacional (CEC 1989; Neal e Wright 1992), a Lei ARBO Holandesa (Kroon e Overeynder 1991) e a Lei Finlandesa sobre Serviços de Saúde Ocupacional (Tradução de a Lei de Assistência à Saúde do Trabalhador e o Decreto do Conselho Estadual nº 1009 de 1979). Existem poucos exemplos de organização de sistemas de serviços de saúde ocupacional no mundo industrializado que estão de acordo com este tipo de legislação, mas espera-se que seu número cresça com a implementação progressiva da Diretiva-Quadro da União Européia (89/391/ CEE).

O outro tipo de legislação é encontrado na maioria dos países industrializados e é mais fragmentado. Em vez de uma única lei que estipula o serviço de saúde ocupacional como uma entidade, envolve uma série de leis que simplesmente obrigam os empregadores a realizar determinadas atividades. Estes podem ser estipulados de forma bastante específica ou meramente geral, deixando em aberto questões de sua organização e condições de funcionamento (OMS 1989c). Em muitos países em desenvolvimento, esta legislação é aplicável apenas aos principais setores industriais, enquanto um grande número de outros setores, bem como agricultura, pequenas empresas e o setor informal, permanecem não cobertos.

Durante a década de 1980, particularmente nos países industrializados, os desenvolvimentos sociais e demográficos, como o envelhecimento da população ativa, o aumento das pensões de invalidez e do absentismo por doença e a dificuldade em controlar os orçamentos da segurança social levaram a algumas reformas interessantes dos sistemas nacionais de saúde ocupacional. Estas centraram-se na prevenção de incapacidades de curto e longo prazo, na preservação da capacidade de trabalho, em particular dos trabalhadores mais velhos, e na redução da reforma antecipada.

Por exemplo, a emenda da Lei ARBO holandesa (Kroon e Overeynder 1991), juntamente com três outras leis sociais destinadas à prevenção de incapacidades de curto e longo prazo, estipularam novos requisitos importantes para serviços de saúde e segurança ocupacional no nível da fábrica. Eles incluíram:

  • requisitos mínimos para procedimentos, diretrizes e instalações
  • requisitos mínimos para o número, composição e competência das equipes de serviços de saúde ocupacional, incluindo especialistas como médicos com competência em saúde ocupacional, especialistas em segurança sênior, higienistas ocupacionais e consultores de gestão
  • requisitos que especificam a organização dos serviços e suas atividades
  • exigência de sistemas de garantia de qualidade, incluindo auditorias apropriadas
  • exigência de que os especialistas que trabalham no serviço sejam certificados por autoridades competentes e que o próprio serviço seja certificado com base em auditoria externa.

 

Este novo sistema será implementado gradualmente e deverá estar maduro antes do final da década de 1990.

Emendas da Lei Finlandesa sobre Serviços de Saúde Ocupacional em 1991 e 1994 introduziram a manutenção da capacidade de trabalho, particularmente de trabalhadores idosos, como um novo elemento nas atividades preventivas baseadas na legislação dos serviços de saúde ocupacional. Implementado através da estreita colaboração de todos os intervenientes no local de trabalho (gestão, trabalhadores, serviços de saúde e segurança), envolve a melhoria e adaptação do trabalho, ambiente de trabalho e equipamentos ao trabalhador, melhorando e mantendo a capacidade de trabalho físico e mental do trabalhador trabalhador, e tornando a organização do trabalho mais propícia à manutenção da capacidade laborativa do trabalhador. Atualmente, os esforços estão sendo direcionados para o desenvolvimento e avaliação de métodos práticos para atingir esses objetivos.

A adoção em 1987 do Ato Único Europeu deu um novo impulso às medidas de saúde e segurança ocupacional adotadas pelas Comunidades Européias. Esta foi a primeira vez que a saúde e a segurança no trabalho foram diretamente incluídas no Tratado CEE de 1957 e foi feito através do novo artigo 118.º-A. De importância significativa para o nível de proteção é que as diretivas adotadas pelos Estados-Membros nos termos do artigo 118.º-A estabelecem requisitos mínimos em matéria de saúde e segurança no trabalho. De acordo com este princípio, os Estados-Membros devem aumentar o seu nível de proteção se este for inferior aos requisitos mínimos estabelecidos pelas diretivas. Além disso, eles têm o direito e são incentivados a manter e introduzir medidas de proteção mais rigorosas do que as exigidas pelas diretivas.

Em junho de 1989, foi adotada a primeira e provavelmente a mais importante diretiva que estabelece os requisitos mínimos relativos à saúde e segurança no trabalho nos termos do artigo 118a: Diretiva-quadro 89/391/EEC sobre a introdução de medidas para incentivar melhorias na segurança e saúde dos trabalhadores No trabalho. É a estratégia central de saúde e segurança sobre a qual todas as diretivas subsequentes serão construídas. A Diretiva-Quadro deve ser complementada por diretivas individuais que cobrem áreas específicas e também estabelece o quadro geral para futuras diretivas relacionadas a ela.

A Diretiva-Quadro 89/391/EEC contém muitas características das Convenções da OIT Nºs 155 e 161 que os 15 países da União Européia irão implementar em suas leis e práticas nacionais. As principais disposições relevantes para a prática de saúde ocupacional incluem:

  • o desenvolvimento de uma política de prevenção global coerente ao nível da empresa que abranja o ambiente de trabalho, a tecnologia, a organização do trabalho, as condições de trabalho e as relações sociais
  • é responsabilidade do empregador garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores em todos os aspectos relacionados ao trabalho, incluindo prevenção de riscos ocupacionais, fornecimento de informações e treinamento, bem como fornecimento da necessária organização do trabalho, medidas de controle e meios que a saúde ocupacional atividades devem ser realizadas em colaboração entre empregadores e trabalhadores
  • que os trabalhadores recebam vigilância sanitária adequada aos riscos à saúde em que incorrem no trabalho
  • que os trabalhadores têm o direito de receber todas as informações necessárias sobre os riscos de segurança e saúde, bem como medidas preventivas e de proteção, tanto no que diz respeito à empresa em geral quanto a cada tipo de posto de trabalho e prática de trabalho
  • que o planejamento e a introdução de novas tecnologias devem ser objeto de consulta aos trabalhadores e/ou seus representantes, no que diz respeito à escolha de equipamentos, condições de trabalho e ambiente de trabalho para segurança e saúde dos trabalhadores
  • que os princípios gerais de prevenção devem incluir a eliminação de riscos ocupacionais; avaliação de perigos que não podem ser evitados; combater os riscos na fonte; a adaptação do trabalho ao indivíduo, nomeadamente no que diz respeito à conceção dos locais de trabalho, à escolha dos equipamentos e métodos de trabalho e produção; adaptação ao progresso técnico; substituição de substâncias perigosas por outras não perigosas ou menos perigosas; priorizar as medidas de proteção coletiva sobre as medidas de proteção individual; dando instruções apropriadas aos trabalhadores.

 

Nos últimos anos, foi introduzida uma grande quantidade de legislação da União Europeia, incluindo uma série de diretivas individuais baseadas nos princípios formulados na Diretiva-Quadro, algumas complementando aquelas que foram objeto de medidas de harmonização técnica em preparação, e outras abrangendo riscos e setores de alto risco. Exemplos do primeiro grupo são as diretivas relativas aos requisitos mínimos de segurança e saúde para o local de trabalho, para o uso de equipamentos de trabalho pelos trabalhadores no trabalho, para o uso de equipamentos de proteção individual, para movimentação manual de cargas, para trabalhos com equipamentos de exibição , para a sinalização de segurança e saúde no trabalho e para a implementação dos requisitos mínimos de segurança e saúde em obras temporárias ou móveis. O segundo grupo inclui directivas como a protecção dos trabalhadores contra os riscos relacionados com a exposição ao monómero de cloreto de vinilo, chumbo metálico e seus compostos iónicos, amianto no trabalho, agentes cancerígenos no trabalho, agentes biológicos no trabalho, protecção dos trabalhadores pela proibição de certos agentes especificados e/ou certas atividades de trabalho, e alguns outros (Neal e Wright 1992; EC 1994).

Recentemente, foram apresentadas propostas de adopção de outras directivas (nomeadamente as directivas sobre agentes físicos, agentes químicos, actividades e locais de trabalho de transporte e equipamentos de trabalho) no sentido de consolidar algumas directivas existentes e racionalizar a abordagem global da segurança e saúde dos trabalhadores nestas áreas (EC 1994).

Muitos elementos novos na legislação e nas práticas nacionais respondem aos problemas emergentes da vida profissional de hoje e contêm provisões para um maior desenvolvimento das infra-estruturas de saúde ocupacional. Isto diz especialmente respeito à programação, a nível nacional e empresarial, de atividades mais abrangentes no que diz respeito aos aspetos psicossociais, organizacionais e de capacidade de trabalho e com particular ênfase no princípio da participação. Prevêem também a aplicação de sistemas de gestão da qualidade, auditoria e certificação tanto da competência dos peritos como dos serviços para cumprir os requisitos da legislação em matéria de segurança e saúde no trabalho. Assim, tais legislações nacionais, ao absorverem o conteúdo substantivo dos instrumentos da OIT, sejam eles ratificados ou não, conduzem à implementação gradual dos objetivos e princípios consagrados nas Convenções nºs 155 e 161 da OIT e na OMS Estratégia HFA.

Objetivos da Prática de Saúde Ocupacional

Os objetivos da prática de saúde ocupacional que foram originalmente definidos em 1950 pelo Comitê Conjunto OIT/OMS sobre Saúde Ocupacional afirmavam que:

A saúde ocupacional deve visar a promoção e manutenção do mais alto grau de bem-estar físico, mental e social dos trabalhadores em todas as ocupações; a prevenção entre os trabalhadores de afastamentos da saúde causados ​​por suas condições de trabalho; a proteção dos trabalhadores em seu emprego contra riscos decorrentes de fatores adversos à saúde; a colocação e manutenção do trabalhador em ambiente ocupacional adaptado às suas capacidades fisiológicas e psicológicas; e, resumindo: a adaptação do trabalho ao homem e de cada homem ao seu ofício.

Em 1959, com base nas discussões do comitê tripartite especial da OIT (representando governos, empregadores e trabalhadores), a Quadragésima Terceira Sessão da Conferência Internacional do Trabalho adotou a Recomendação nº 112 (OIT 1959) que definia um serviço de saúde ocupacional como um serviço estabelecido em ou perto de um local de trabalho para fins de:

  • proteger os trabalhadores contra qualquer perigo para a saúde que possa resultar do seu trabalho ou das condições em que é realizado
  • contribuir para o ajustamento físico e mental dos trabalhadores, nomeadamente pela adaptação do trabalho aos trabalhadores e pela sua afectação a postos de trabalho para os quais estão aptos
  • contribuir para o estabelecimento e manutenção do mais alto grau possível de bem-estar físico e mental dos trabalhadores.

 

Em 1985, a OIT adotou novos instrumentos internacionais - a Convenção sobre Serviços de Saúde Ocupacional (nº 161) e sua Recomendação (nº 171) (ILO 1985a, 1985b) - que definiam os serviços de saúde ocupacional como serviços encarregados de funções essencialmente preventivas e responsáveis para aconselhar o empregador, os trabalhadores e seus representantes na empresa sobre: ​​os requisitos para estabelecer e manter um ambiente de trabalho seguro e saudável que facilite a saúde física e mental ideal em relação ao trabalho; e a adaptação do trabalho às capacidades dos trabalhadores em função do seu estado de saúde física e mental.

Em 1980, o Grupo de Trabalho da OMS/Euro sobre Avaliação de Saúde Ocupacional e Serviços de Higiene Industrial (OMS 1982) definiu o objetivo final de tais serviços como “promover condições de trabalho que garantam o mais alto grau de qualidade de vida no trabalho, protegendo a saúde dos trabalhadores , melhorando o seu bem-estar físico, mental e social e prevenindo problemas de saúde e acidentes”.

A extensa pesquisa de serviços de saúde ocupacional nos 32 países da Região Europeia realizada em 1985 pelo Escritório Regional da OMS para a Europa (Rantanen 1990) identificou os seguintes princípios como objetivos da prática de saúde ocupacional:

  • proteger a saúde dos trabalhadores contra os riscos no trabalho (princípio da proteção e prevenção)
  • adaptar o trabalho e o ambiente de trabalho às capacidades dos trabalhadores (o princípio da adaptação)
  • melhorar o bem-estar físico, mental e social dos trabalhadores (princípio da promoção da saúde)
  • minimizar as consequências dos riscos ocupacionais, acidentes e lesões e doenças ocupacionais e relacionadas ao trabalho (princípio da cura e reabilitação)
  • prestação de cuidados gerais de saúde aos trabalhadores e suas famílias, tanto curativos como preventivos, no local de trabalho ou em estabelecimentos próximos (princípio geral dos cuidados primários de saúde).

 

Tais princípios ainda podem ser considerados relevantes no que diz respeito aos novos desenvolvimentos nas políticas e legislações dos países. Por outro lado, a formulação dos objetivos da prática de saúde ocupacional conforme se encontram nas leis nacionais recentes e o desenvolvimento de novas necessidades para a vida profissional parecem enfatizar as seguintes tendências (OMS 1995a, 1995b; Rantanen, Lehtinen e Mikheev 1994):

  • O escopo da saúde ocupacional está se expandindo para cobrir não apenas a saúde e a segurança, mas também o bem-estar psicológico e social e a capacidade de conduzir uma vida social e economicamente produtiva.
  • A gama completa de objetivos se estende além do escopo das questões tradicionais de saúde e segurança ocupacional.
  • Os novos princípios vão além da mera prevenção e controle dos efeitos adversos à saúde e segurança dos trabalhadores para a promoção positiva da saúde, a melhoria do ambiente de trabalho e da organização do trabalho.

 

Assim, certamente existe uma tendência de ampliação do escopo dos objetivos da prática da saúde ocupacional para novos tipos de questões com consequências sociais e econômicas para os trabalhadores.

Funções e Atividades dos Serviços de Saúde Ocupacional

Para proteger e promover a saúde dos trabalhadores, um serviço de saúde ocupacional deve atender às necessidades especiais da empresa que atende e dos trabalhadores nela empregados. Com a enorme variedade e alcance das atividades industriais, manufatureiras, comerciais, agrícolas e outras atividades econômicas, não é possível estabelecer um programa detalhado de atividades ou padrão de organização e condições de operação para um serviço de saúde ocupacional que deva ser adequado para todos empresas e em todas as circunstâncias. De acordo com a Convenção de Saúde e Segurança Ocupacional da OIT (nº 155) e a Convenção de Serviços de Saúde Ocupacional da OIT (nº 161), a responsabilidade principal pela saúde e segurança dos trabalhadores é dos empregadores. As funções de um serviço de saúde ocupacional são proteger e promover a saúde dos trabalhadores, melhorar as condições de trabalho e o ambiente de trabalho e manter a saúde da empresa como um todo, fornecendo serviços de saúde ocupacional aos trabalhadores e consultoria especializada ao empregador sobre como atingir os mais altos padrões possíveis de saúde e segurança no interesse da comunidade de trabalho específica da qual faz parte.

A Convenção n.º 161 da OIT e a respetiva Recomendação n.º 171, que a acompanha, prevêem os serviços de saúde ocupacional como multidisciplinares, integrais e, embora essencialmente preventivos, também permitem a realização de atividades curativas. Os documentos da OMS que pedem serviços para pequenas empresas, autônomos e trabalhadores agrícolas incentivam a prestação de serviços por unidades de atenção primária à saúde (Rantanen, Lehtinen e Mikheev 1994). Os documentos descritos acima e as leis e programas nacionais recomendam uma implementação gradual para que as atividades de saúde ocupacional possam ser ajustadas às necessidades nacionais e locais e às circunstâncias prevalecentes.

Idealmente, um serviço de saúde ocupacional deve estabelecer e atuar de acordo com um programa de atividades adaptado às necessidades da empresa onde atua. As suas funções devem ser adequadas e adequadas aos riscos profissionais e à saúde da empresa que serve, dando especial atenção aos problemas específicos do ramo de atividade económica em causa. A seguir, estão representadas as funções básicas e as atividades mais típicas de um serviço de saúde ocupacional.

Orientação preliminar ao empreendimento

Se os serviços de saúde ocupacional não tiverem sido prestados anteriormente ou quando novos membros da equipe de serviços de saúde ocupacional forem recrutados, é necessária uma orientação preliminar sobre a situação de segurança e saúde ocupacional da empresa. Isso envolve as seguintes etapas:

  • A análise do tipo de produção indicará os tipos de perigos típicos da atividade econômica, trabalho ou ocupação que, portanto, se espera encontrar no empreendimento e pode ajudar a identificar aqueles que podem exigir atenção especial.
  • A análise dos problemas identificados pelos profissionais de saúde ocupacional, gestão, trabalhadores ou outros especialistas e as medidas de saúde ocupacional que foram realizadas anteriormente no local de trabalho indicarão a percepção dos problemas pela empresa. Isso deve incluir o exame de relatórios de atividades de saúde e segurança ocupacional, medições de higiene industrial, dados de monitoramento biológico e assim por diante.
  • A revisão das características da força de trabalho (ou seja, números por idade, sexo, etnia, relações familiares, classificações ocupacionais, histórico de trabalho e, se disponível, problemas de saúde relacionados) ajudará a identificar grupos vulneráveis ​​e aqueles com necessidades especiais.
  • Devem ser examinados os dados disponíveis sobre doenças e acidentes profissionais e absentismo por doença agrupados, se possível, por departamento, ocupação e tipo de trabalho, fatores causais e tipo de lesão ou doença.
  • Dados sobre métodos de trabalho, substâncias químicas manuseadas no trabalho, medições recentes de exposição e número de trabalhadores expostos a riscos especiais são necessários para a identificação dos problemas prioritários.
  • O conhecimento dos trabalhadores sobre problemas de saúde ocupacional, a extensão de seu treinamento em medidas de emergência e primeiros socorros e as perspectivas de um comitê eficaz de segurança e saúde ocupacional devem ser explorados.
  • Finalmente, os planos pendentes de mudanças nos sistemas de produção, instalação de novas instalações, máquinas e equipamentos, introdução de novos materiais e mudanças na organização do trabalho devem ser examinados como base para mudar a prática de saúde ocupacional no futuro.

 

Vigilância do ambiente de trabalho

A qualidade do ambiente de trabalho através do cumprimento das normas de segurança e saúde deve ser assegurada pela vigilância no local de trabalho. De acordo com a Convenção nº 161 da OIT, a vigilância do ambiente de trabalho é uma das principais atribuições dos serviços de saúde ocupacional.

Com base nas informações obtidas na orientação prévia ao empreendimento, é realizada uma vistoria do local de trabalho, preferencialmente por equipe multidisciplinar de saúde ocupacional complementada por representantes dos empregadores e dos trabalhadores. Isso deve incluir entrevistas com gerentes, capatazes e trabalhadores. Quando necessário, podem ser realizadas verificações especiais de segurança, higiene, ergonomia ou psicológicas.

Listas de verificação e diretrizes especiais estão disponíveis e são recomendadas para tais pesquisas. As observações podem indicar a necessidade de medições ou verificações específicas que devem ser realizadas por especialistas em higiene ocupacional, ergonomia, toxicologia, engenharia de segurança ou psicologia que podem ser membros da equipe de saúde ocupacional da empresa ou podem ter que ser contratados externamente. Essas medições ou verificações especiais podem estar além dos recursos de empresas de pequena escala, que teriam que se basear em observações feitas durante a pesquisa suplementadas por dados qualitativos ou, na melhor das hipóteses, também por dados semiquantitativos.

Como uma lista de verificação básica para a identificação de riscos potenciais à saúde, pode ser recomendada a Lista de Doenças Ocupacionais (emendada em 1980) anexada à Convenção da OIT sobre Benefícios por Acidentes de Trabalho, 1964 (No. 121). Ele lista as principais causas conhecidas de doenças ocupacionais e, embora tenha como principal objetivo orientar a compensação das doenças ocupacionais, também pode servir para a sua prevenção. Perigos não mencionados na lista podem ser adicionados de acordo com as condições nacionais ou locais.

O escopo da vigilância do ambiente de trabalho, conforme definido pela Recomendação de Serviços de Saúde Ocupacional da OIT (nº 171), é o seguinte:

  • identificação e avaliação dos fatores ambientais que podem afetar a saúde do trabalhador
  • avaliação das condições de higiene ocupacional e dos fatores da organização do trabalho que possam acarretar riscos à saúde dos trabalhadores
  • avaliação de equipamentos de proteção coletiva e individual
  • avaliação, quando apropriado, por métodos de monitoramento válidos e geralmente aceitos, da exposição dos trabalhadores a agentes perigosos
  • avaliação de sistemas de controle projetados para eliminar ou reduzir a exposição.

 

Como resultado da vistoria, deve ser elaborado um inventário de perigos, identificando cada perigo inerente ao empreendimento. Este inventário é necessário para estimar um potencial de exposição e sugerir medidas de controle. Para fins deste inventário e para facilitar o desenho, implementação e avaliação dos controles, os perigos devem ser classificados de acordo com os riscos que apresentam para a saúde dos trabalhadores com resultados agudos ou crônicos e por tipo de perigo (ou seja, químico, físico, biológico, psicológico ou ergonômico).

O próximo passo é uma avaliação quantitativa da exposição, que é necessária para uma avaliação mais exata dos riscos à saúde. Consiste em medir a intensidade ou concentração, a variação no tempo, a duração total da exposição, bem como o número de trabalhadores expostos. A medição e avaliação da exposição são geralmente conduzidas por higienistas ocupacionais, ergonomistas e especialistas em controle de lesões. Eles são baseados nos princípios de monitoramento ambiental e devem incluir, quando necessário, monitoramento ambiental para coletar dados sobre a exposição em um determinado ambiente de trabalho e monitoramento da exposição pessoal de um trabalhador individual ou de um grupo de trabalhadores (por exemplo, expostos a riscos específicos). . A medição da exposição é necessária sempre que houver suspeita ou razoavelmente previsível de perigos, e deve ser baseada no inventário de perigos completo combinado com uma avaliação das práticas de trabalho. O conhecimento dos efeitos potenciais causados ​​por cada perigo deve ser usado para estabelecer prioridades de intervenção.

A avaliação dos riscos à saúde no local de trabalho deve ser realizada considerando o quadro completo de exposições em comparação com os padrões de exposição ocupacional estabelecidos. Tais padrões são expressos em termos de níveis permissíveis e limites de exposição e são estabelecidos por meio de numerosos estudos científicos que correlacionam a exposição com os efeitos produzidos na saúde. Alguns deles se tornaram padrões estaduais e são legalmente executáveis ​​de acordo com a lei e a prática nacional. Exemplos são as Concentrações Máximas Admissíveis (MAKs na Alemanha, MACs nos países do Leste Europeu) e Limites de Exposição Permissíveis (PELs, Estados Unidos). Existem PELs para cerca de 600 substâncias químicas comumente encontradas no local de trabalho. Há também limites de exposição média ponderada no tempo, limites de exposição de curto prazo (STELs), tetos e para algumas condições difíceis que podem resultar em absorção pela pele.

A vigilância no ambiente de trabalho inclui o monitoramento tanto das exposições perigosas quanto dos resultados de saúde. Se a exposição a perigos for excessiva, ela deve ser controlada independentemente do resultado, e a saúde dos trabalhadores expostos deve ser avaliada. A exposição é considerada excessiva se se aproximar ou exceder os limites estabelecidos, como os mencionados acima.

A vigilância do ambiente de trabalho fornece informações sobre as necessidades de saúde ocupacional do empreendimento e indica prioridades para ações preventivas e de controle. A maioria dos instrumentos que orientam os serviços de saúde do trabalhador enfatiza a necessidade de realizar a vigilância antes de iniciar os serviços, periodicamente no decorrer das atividades e sempre que ocorrerem mudanças substanciais no trabalho ou no ambiente laboral.

Os resultados obtidos fornecem os dados necessários para estimar se as ações preventivas contra os agravos à saúde são eficazes, bem como se os trabalhadores são colocados em empregos adequados às suas capacidades. Esses dados também são usados ​​pelo serviço de saúde ocupacional para garantir que seja mantida uma proteção confiável contra exposições e para formular conselhos sobre como implementar controles para melhorar o ambiente de trabalho. Além disso, a informação acumulada é utilizada para levantamentos epidemiológicos, para a revisão dos níveis de exposição permitidos, bem como para a avaliação da eficácia das medidas de controle de engenharia e outros métodos de vários programas preventivos.

Informar o empregador, a administração da empresa e os trabalhadores sobre os riscos à saúde ocupacional

À medida que se obtêm informações sobre os perigos potenciais para a saúde no local de trabalho, estas devem ser comunicadas aos responsáveis ​​pela implementação de medidas preventivas e de controlo, bem como aos trabalhadores expostos a esses perigos. A informação deve ser tão precisa e quantitativa quanto possível, descrevendo as medidas preventivas que estão a ser tomadas e explicando o que os trabalhadores devem fazer para garantir a sua eficácia.

A Recomendação de Serviços de Saúde Ocupacional da OIT, 1985 (No. 171) estabelece que, de acordo com a legislação e prática nacionais, os dados resultantes da vigilância do ambiente de trabalho devem ser registrados de maneira apropriada e estar disponíveis para o empregador, os trabalhadores e seus representantes, ou ao comitê de segurança e saúde, quando houver. Esses dados devem ser usados ​​de forma confidencial apenas para fornecer orientação e aconselhamento sobre medidas para melhorar o ambiente de trabalho e a segurança e saúde dos trabalhadores. A autoridade competente também deve ter acesso a esses dados. Eles podem ser comunicados a terceiros pelo serviço de saúde ocupacional somente com o acordo do empregador e dos trabalhadores. Os trabalhadores em questão devem ser informados de forma adequada e adequada sobre os resultados da vigilância e devem ter o direito de solicitar o monitoramento do ambiente de trabalho.

Avaliação de riscos para a saúde

Para avaliar os riscos de saúde ocupacional, as informações da vigilância do ambiente de trabalho são combinadas com informações de outras fontes, como pesquisas epidemiológicas sobre ocupações e exposições específicas, valores de referência como limites de exposição ocupacional e estatísticas disponíveis. Dados qualitativos (por exemplo, se a substância é cancerígena) e, quando possível, quantitativos (por exemplo, qual é o grau de exposição) podem demonstrar que os trabalhadores enfrentam riscos à saúde e indicar a necessidade de medidas preventivas e de controle.

As etapas de uma avaliação de risco de saúde ocupacional incluem:

  • identificação de riscos à saúde ocupacional (realizada como resultado da vigilância do ambiente de trabalho)
  • análise de como o perigo pode afetar o trabalhador (formas de entrada e tipo de exposição, valores-limite, relações dose-resposta, efeitos adversos à saúde que pode causar e assim por diante)
  • identificação de trabalhadores ou grupo de trabalhadores expostos a perigos específicos
  • identificação de indivíduos e grupos com vulnerabilidades especiais
  • avaliação das medidas de prevenção e controle de perigos disponíveis
  • tirar conclusões e documentar os resultados da avaliação
  • revisão periódica e, se necessário, reavaliação.

 

Vigilância da saúde do trabalhador

Devido a limitações de natureza tecnológica e econômica, muitas vezes não é possível eliminar todos os riscos à saúde no local de trabalho. É nessas circunstâncias que a vigilância em saúde do trabalhador assume um papel importante. Abrange muitas formas de avaliação médica dos efeitos na saúde desenvolvidos como resultado da exposição dos trabalhadores a riscos ocupacionais para a saúde.

As principais finalidades dos exames de saúde são avaliar a aptidão do trabalhador para o exercício de determinadas funções, avaliar eventuais agravos à saúde que possam estar relacionados com a exposição a agentes nocivos inerentes ao processo de trabalho e identificar casos de doenças profissionais de acordo com o disposto no art. Legislação nacional.

Os exames de saúde não podem proteger os trabalhadores contra agravos à saúde e não podem substituir medidas de controle adequadas, que ocupam o primeiro lugar na hierarquia das ações. Os exames de saúde ajudam a identificar condições que podem tornar o trabalhador mais suscetível aos efeitos de agentes perigosos ou detectar precocemente sinais de comprometimento da saúde causados ​​por esses agentes. Devem ser realizadas paralelamente à vigilância do ambiente de trabalho, que fornece informações sobre a exposição potencial no local de trabalho e é utilizada pelos profissionais de saúde ocupacional para avaliar os resultados obtidos na vigilância da saúde dos trabalhadores expostos.

A vigilância em saúde dos trabalhadores pode ser passiva e ativa

No caso de vigilância passiva da saúde, os trabalhadores doentes ou afetados são obrigados a consultar profissionais de saúde ocupacional. A vigilância passiva geralmente detecta apenas doenças sintomáticas e requer que os profissionais de saúde ocupacional sejam capazes de diferenciar os efeitos das exposições ocupacionais dos efeitos similares das exposições não ocupacionais.

No caso de vigilância ativa da saúde, os profissionais de saúde ocupacional selecionam e examinam os trabalhadores com alto risco de doenças ou lesões relacionadas ao trabalho. Pode ser realizado de várias formas, incluindo exames médicos periódicos para todos os trabalhadores, exames médicos para trabalhadores expostos a riscos de saúde específicos, triagem e monitoramento biológico de grupos selecionados de trabalhadores. Formas específicas de vigilância da saúde dependem em grande parte dos possíveis efeitos à saúde resultantes de uma determinada exposição ocupacional. A vigilância ativa é mais apropriada para trabalhadores com histórico de múltiplas exposições e aqueles com maior risco de doenças ou lesões.

Detalhes sobre a vigilância da saúde são fornecidos na Convenção No. 161 e na Recomendação No. 171 da OIT. Esses instrumentos especificam que a vigilância da saúde do trabalhador deve incluir, nos casos e nas condições especificadas pela autoridade competente, todas as avaliações necessárias para proteger o saúde dos trabalhadores, que pode incluir:

  • avaliação da saúde dos trabalhadores antes da sua atribuição a tarefas específicas que possam envolver um perigo para a sua saúde ou a de outras pessoas
  • avaliação de saúde em intervalos periódicos durante o emprego que envolva exposição a um perigo específico para a saúde
  • avaliação de saúde no reinício do trabalho após uma ausência prolongada por motivos de saúde, para efeitos de determinação de possíveis causas profissionais, recomendando as medidas adequadas para proteger os trabalhadores e determinando a aptidão dos trabalhadores para o trabalho e as necessidades de atribuição e reabilitação
  • avaliação de saúde durante e após o término da atribuição envolvendo perigos que possam causar ou contribuir para danos futuros à saúde.

 

A avaliação do estado de saúde dos trabalhadores é de extrema importância quando a prática de saúde ocupacional é iniciada, quando novos trabalhadores são recrutados, quando novas práticas de trabalho são adotadas, quando novas tecnologias são introduzidas, quando exposições especiais são identificadas e quando trabalhadores individuais apresentam características de saúde que precisam de acompanhamento. Vários países têm regulamentos ou diretrizes especiais que especificam quando e como os exames de saúde devem ser realizados. Os exames de saúde devem ser monitorados e continuamente desenvolvidos para identificar os efeitos na saúde relacionados ao trabalho em seu estágio inicial de desenvolvimento.

Exames de saúde pré-atribuição (pré-emprego)

Este tipo de avaliação de saúde é realizada antes da colocação profissional dos trabalhadores ou da sua atribuição a tarefas específicas que possam implicar perigo para a sua saúde ou de terceiros. O objetivo desta avaliação de saúde é determinar se uma pessoa está física e psicologicamente apta para desempenhar um determinado trabalho e garantir que sua colocação nesse trabalho não represente um perigo para sua saúde ou para a saúde de outros trabalhadores . Na maioria dos casos, uma revisão do histórico médico, um exame físico geral e exames laboratoriais de rotina (por exemplo, hemograma simples e exame de urina) serão suficientes, mas em alguns casos a presença de um problema de saúde ou os requisitos incomuns de um determinado trabalho serão suficientes. requerem extensos exames funcionais ou testes diagnósticos.

Há uma série de problemas de saúde que podem tornar um determinado trabalho perigoso para o trabalhador ou incorrer em risco para o público ou outros trabalhadores. Por estas razões, pode ser necessário, por exemplo, excluir trabalhadores com hipertensão não controlada ou diabetes instável de certos trabalhos perigosos (por exemplo, pilotos aéreos e marítimos, motoristas de veículos públicos e pesados, motoristas de guindastes). O daltonismo pode justificar a exclusão de empregos que exijam discriminação de cores para fins de segurança (por exemplo, leitura de sinais de trânsito). Em empregos que exigem um alto padrão de condicionamento físico geral, como mergulho em águas profundas, combate a incêndios, serviço policial e pilotagem de aeronaves, apenas trabalhadores capazes de atender aos requisitos de desempenho seriam aceitáveis. A possibilidade de que doenças crônicas possam ser agravadas pelas exposições envolvidas em um determinado trabalho também deve ser considerada. É essencial, portanto, que o examinador tenha um conhecimento detalhado do trabalho e do ambiente de trabalho e esteja ciente de que as descrições de trabalho padronizadas podem ser muito superficiais ou até mesmo enganosas.

Após a conclusão de uma avaliação de saúde prescrita, o médico do trabalho deve comunicar os resultados por escrito ao trabalhador e ao empregador. Estas conclusões comunicadas ao empregador não devem conter qualquer informação de natureza médica. Devem conter uma conclusão sobre a aptidão da pessoa examinada para a atribuição proposta ou realizada e especificar os tipos de empregos e as condições de trabalho que são medicamente contra-indicados temporária ou permanentemente.

O exame médico pré-emprego é importante para a história ocupacional posterior do trabalhador, pois fornece as informações clínicas e laboratoriais necessárias sobre o estado de saúde do trabalhador no momento da entrada no emprego. Também representa uma linha de base indispensável para a avaliação posterior de quaisquer alterações no estado de saúde que possam ocorrer posteriormente.

Exames periódicos de saúde

Estes são realizados em intervalos periódicos durante o emprego, o que envolve exposição a riscos potenciais que não podem ser totalmente eliminados por medidas preventivas e de controle. O objetivo dos exames periódicos de saúde é monitorar a saúde dos trabalhadores durante o exercício de suas funções. Visa verificar a aptidão dos trabalhadores em relação ao trabalho e detectar o mais precocemente possível qualquer sinal de doença que possa ser devida ao trabalho. Muitas vezes são complementados por outros exames de acordo com a natureza dos perigos observados.

Seus objetivos incluem:

  • identificar o mais cedo possível quaisquer efeitos adversos à saúde causados ​​por práticas de trabalho ou exposições a riscos potenciais
  • detectar o possível aparecimento de uma doença profissional
  • verificar se a saúde de um trabalhador especialmente vulnerável ou com doença crônica está sendo prejudicada pelo trabalho ou pelo ambiente de trabalho
  • monitorar a exposição pessoal com a ajuda do monitoramento biológico
  • verificar a eficácia das medidas preventivas e de controle
  • identificar possíveis efeitos na saúde de mudanças nas práticas de trabalho, tecnologia ou substâncias usadas na empresa.

 

Esses objetivos determinarão a frequência, o conteúdo e os métodos dos exames periódicos de saúde, que podem ser realizados a cada um a três meses ou a cada poucos anos, dependendo da natureza da exposição, da resposta biológica esperada, das oportunidades de prevenção medidas e a viabilidade do método de exame. Eles podem ser abrangentes ou limitados a apenas alguns testes ou determinações. Diretrizes especiais sobre a finalidade, frequência, conteúdo e metodologia desses exames estão disponíveis em vários países.

Exames de saúde de regresso ao trabalho

Este tipo de avaliação de saúde é necessária para autorizar o reinício do trabalho após uma longa ausência por motivos de saúde. Este exame de saúde determina a aptidão do trabalhador para o trabalho, recomenda ações adequadas para protegê-lo contra exposições futuras e identifica se há necessidade de remanejamento ou reabilitação especial.

Da mesma forma, quando um trabalhador muda de emprego, o médico do trabalho é obrigado a certificar que o trabalhador está apto para o exercício das novas funções. O objetivo do exame, a necessidade e o uso dos resultados determinam seu conteúdo e métodos e o contexto em que é realizado.

Exames gerais de saúde

Em muitas empresas, os exames gerais de saúde podem ser realizados pelo serviço de saúde ocupacional. Eles geralmente são voluntários e podem estar disponíveis para toda a força de trabalho ou apenas para determinados grupos determinados por idade, tempo de emprego, status na organização e assim por diante. Eles podem ser abrangentes ou limitados a exames para doenças específicas ou riscos à saúde. Seus objetivos determinam sua frequência, conteúdos e métodos utilizados.

Exames de saúde após o término do serviço

Este tipo de avaliação de saúde é realizado após o término da atribuição envolvendo perigos que podem causar ou contribuir para danos futuros à saúde. O objetivo desta avaliação de saúde é fazer uma avaliação final da saúde dos trabalhadores, compará-la com exames médicos anteriores e avaliar como as atribuições de trabalho anteriores podem ter afetado sua saúde.

Observações gerais

As observações gerais resumidas abaixo se aplicam a todos os tipos de exames de saúde.

Os exames de saúde dos trabalhadores devem ser realizados por pessoal profissionalmente qualificado e treinado em saúde ocupacional. Esses profissionais de saúde devem estar familiarizados com as exposições no trabalho, requisitos físicos e outras condições de trabalho na empresa e experientes no uso de técnicas e instrumentos de exame médico apropriados, bem como na manutenção de formulários de registro corretos.

O exame de saúde não substitui a ação de prevenção ou controle de exposições perigosas no ambiente de trabalho. Se a prevenção foi bem-sucedida, menos exames são necessários.

Todos os dados coletados em relação aos exames de saúde são confidenciais e devem ser registrados pelo serviço de saúde ocupacional em um arquivo pessoal de saúde confidencial. Dados pessoais relativos a avaliações de saúde podem ser comunicados a terceiros apenas com o consentimento informado do trabalhador em questão. Quando o trabalhador deseja que os dados sejam encaminhados a um médico pessoal, ele dá autorização formal para isso.

As conclusões sobre a adequação de um trabalhador para um determinado trabalho ou sobre os efeitos do trabalho na saúde devem ser comunicadas ao empregador de forma que não viole o princípio da confidencialidade dos dados pessoais de saúde.

O uso de exames de saúde e seus resultados para qualquer tipo de discriminação contra os trabalhadores não pode ser tolerado e deve ser estritamente proibido.

Iniciativas para medidas preventivas e de controle

Os serviços de saúde ocupacional são responsáveis ​​não só pela identificação e avaliação dos riscos potenciais para a saúde dos trabalhadores, mas também pelo aconselhamento sobre medidas preventivas e de controlo que ajudem a evitar os riscos.

Depois de analisar os resultados da vigilância do ambiente de trabalho, incluindo, quando necessário, a monitorização da exposição pessoal dos trabalhadores, e os resultados da vigilância da saúde dos trabalhadores, incluindo, quando necessário, os resultados da monitorização biológica, os serviços de saúde no trabalho devem estar em condições de avaliar possíveis ligações entre a exposição a riscos ocupacionais e os danos à saúde resultantes e propor medidas de controle adequadas para proteger a saúde dos trabalhadores. Estas medidas são recomendadas em conjunto com outros serviços técnicos na empresa após consulta à direção da empresa, empregadores, trabalhadores ou seus representantes.

As medidas de controle devem ser adequadas para evitar exposição desnecessária durante condições normais de operação, bem como durante acidentes e emergências. As modificações planejadas nos processos de trabalho também devem ser levadas em consideração e as recomendações devem ser adaptáveis ​​às necessidades futuras.

Medidas de controle de riscos à saúde são usadas para eliminar a exposição ocupacional, minimizar ou, em qualquer caso, reduzi-la a limites permitidos. Eles incluem principalmente engenharia, controles de engenharia no ambiente de trabalho, mudanças em tecnologia, substâncias e materiais e como medidas preventivas secundárias, controles de comportamento humano, equipamentos de proteção individual, controle integrado e outros.

A formulação de recomendações para medidas de controle é um processo complicado que inclui a análise de informações sobre os riscos à saúde existentes na empresa e a consideração dos requisitos e necessidades de segurança e saúde ocupacional. Para análise de viabilidade e custos versus benefícios deve-se considerar o fato de que os investimentos feitos em saúde e segurança podem ser pagos em longos períodos no futuro, mas não necessariamente de forma imediata.

Os instrumentos da OIT incluem a exigência de que empregadores, trabalhadores e seus representantes cooperem e participem da implementação de tais recomendações. Eles geralmente são discutidos pelo comitê de segurança e saúde em grandes empresas, ou em empresas menores pelos representantes dos empregadores e dos trabalhadores. É importante documentar as recomendações propostas para que haja um acompanhamento de sua implementação. Tal documentação deve enfatizar a responsabilidade da administração pelas ações preventivas e de controle do empreendimento.

Função consultiva

Os serviços de saúde ocupacional têm uma importante tarefa a desempenhar, prestando assessoria à administração da empresa, aos empregadores, aos trabalhadores e aos comitês de saúde e segurança em suas capacidades coletivas e individuais. Isso precisa ser reconhecido e utilizado nos processos de tomada de decisão, pois muitas vezes os profissionais de saúde ocupacional não estão diretamente envolvidos na tomada de decisão.

A Convenção da OIT sobre Serviços de Saúde Ocupacional (nº 161) e a Recomendação (nº 171) promovem o papel consultivo dos profissionais de saúde ocupacional na empresa. Para promover a adaptação do trabalho aos trabalhadores e melhorar as condições e ambiente de trabalho, os serviços de saúde ocupacional devem atuar como assessores em saúde ocupacional, higiene, ergonomia, equipamentos de proteção coletiva e individual aos empregadores, aos trabalhadores e seus representantes na empresa, e à comissão de segurança e saúde, devendo colaborar com outros serviços que já atuem como conselheiros nestes domínios. Devem aconselhar sobre o planeamento e organização do trabalho, a concepção dos locais de trabalho, sobre a escolha, manutenção e estado das máquinas e outros equipamentos, bem como sobre as substâncias e materiais utilizados na empresa. Devem também participar no desenvolvimento de programas de melhoria das práticas de trabalho, bem como no teste e avaliação dos aspectos de saúde dos novos equipamentos.

Os serviços de saúde ocupacional devem fornecer aos trabalhadores aconselhamento pessoal sobre sua saúde em relação ao trabalho.

Outra tarefa importante é prestar aconselhamento e informação relacionada com a integração dos trabalhadores vítimas de acidentes ou doenças de trabalho, de modo a ajudá-los na sua rápida reabilitação, proteger a sua capacidade de trabalho, reduzir o absentismo e restabelecer um bom clima psicossocial na empresa .

As atividades educativas e formativas estão estreitamente ligadas à atividade de assessoria que os profissionais de saúde ocupacional desempenham junto das entidades patronais e dos trabalhadores. Revestem-se de particular importância quando se prevê a modificação de instalações existentes ou a introdução de novos equipamentos, ou quando possam ocorrer alterações na disposição dos locais de trabalho, postos de trabalho e na organização do trabalho. Tais atividades apresentam vantagens quando iniciadas no momento certo, pois permitem uma melhor consideração dos fatores humanos e princípios ergonômicos na melhoria das condições e do ambiente de trabalho.

Os serviços de assessoria técnica no local de trabalho constituem uma importante função preventiva dos serviços de saúde ocupacional. Devem dar prioridade à sensibilização para os riscos profissionais e ao envolvimento dos empregadores e dos trabalhadores no controlo dos riscos e na melhoria do ambiente de trabalho.

Serviços de primeiros socorros e preparação para emergências

A organização de primeiros socorros e tratamentos de emergência é uma responsabilidade tradicional dos serviços de saúde ocupacional. A Convenção n.º 161 da OIT e a Recomendação n.º 171 da OIT estipulam que o serviço de saúde ocupacional deve prestar primeiros socorros e tratamento de emergência em caso de acidente ou indisposição dos trabalhadores no local de trabalho e deve colaborar na organização dos primeiros socorros.

Abrange a preparação para acidentes e condições agudas de saúde de trabalhadores individuais, bem como a prontidão para resposta em colaboração com outros serviços de emergência em casos de acidentes graves que afetem toda a empresa. O treinamento em primeiros socorros é um dever primordial dos serviços de saúde ocupacional, e o pessoal desses serviços está entre os primeiros a responder.

O serviço de saúde ocupacional deve tomar providências preliminares apropriadas para serviços de ambulância e com bombeiros comunitários, polícia e unidades de resgate e hospitais locais, a fim de evitar atrasos e confusões que possam ameaçar a sobrevivência de trabalhadores gravemente feridos ou afetados. Esses arranjos, complementados por exercícios quando possível, são particularmente importantes na preparação para grandes emergências, como incêndios, explosões, emissões tóxicas e outras catástrofes que podem envolver muitas pessoas na empresa, bem como na vizinhança e podem resultar em várias vítimas. .

Cuidados de saúde ocupacional, serviços gerais de saúde preventiva e curativa

Os serviços de saúde ocupacional podem estar envolvidos no diagnóstico, tratamento e reabilitação de lesões e doenças ocupacionais. O conhecimento das doenças e lesões profissionais aliado ao conhecimento do posto de trabalho, do ambiente de trabalho e das exposições ocupacionais presentes no local de trabalho permitem que os profissionais de saúde ocupacional desempenhem um papel fundamental na gestão dos problemas de saúde relacionados com o trabalho.

De acordo com o escopo das atividades e conforme exigido pela legislação nacional ou com base na prática nacional, os serviços de saúde ocupacional se enquadram em três categorias principais:

  • serviços de medicina do trabalho com funções essencialmente preventivas, nomeadamente visitas laborais, exames de saúde e prestação de primeiros socorros
  • serviços de saúde ocupacional com funções preventivas complementadas por serviços curativos seletivos e serviços gerais de saúde
  • serviços de saúde ocupacional com uma ampla gama de atividades, incluindo atividades preventivas e curativas abrangentes e de reabilitação.

 

A Recomendação de Serviços de Saúde Ocupacional da OIT (No. 171) promove a prestação de serviços de saúde curativos e gerais como funções dos serviços de saúde ocupacional onde forem considerados apropriados. Com base na legislação e prática nacionais, o serviço de saúde ocupacional pode realizar ou participar de uma ou mais das seguintes atividades curativas em relação a doenças ocupacionais:

  • tratamento dos trabalhadores que não interromperam o trabalho ou que retomaram o trabalho após uma ausência
  • tratamento de trabalhadores com doenças profissionais ou problemas de saúde agravados pelo trabalho
  • tratamento de vítimas de acidentes e lesões ocupacionais
  • aspectos médicos da reeducação e reabilitação profissional.

 

A prestação de cuidados gerais de saúde preventivos e curativos inclui a prevenção e tratamento de doenças não profissionais e outros serviços de saúde primários relevantes. Normalmente, os serviços gerais de saúde preventiva incluem imunizações, maternidade e puericultura, higiene geral e serviços sanitários, enquanto os serviços gerais de saúde curativa incluem práticas convencionais de nível clínico geral. Aqui, a Recomendação nº 171 da OIT prescreve que o serviço de saúde ocupacional pode, levando em consideração a organização da medicina preventiva em nível nacional, cumprir as seguintes funções:

  • realizar imunizações em relação aos riscos biológicos no ambiente de trabalho
  • participar de campanhas voltadas para a proteção da saúde do trabalhador
  • colaborar com as autoridades de saúde no âmbito dos programas de saúde pública.

 

Os serviços de saúde ocupacional estabelecidos por grandes empresas, bem como aqueles que operam em áreas remotas ou carentes de atendimento médico, podem ser chamados a fornecer cuidados gerais de saúde não ocupacional não apenas para trabalhadores, mas também para suas famílias. A extensão desses serviços depende da infraestrutura dos serviços de saúde na comunidade e da capacidade dos empreendimentos. Quando as empresas industriais são estabelecidas em áreas pouco desenvolvidas, pode até ser conveniente fornecer tais serviços juntamente com cuidados de saúde ocupacional.

Em alguns países, os serviços de saúde ocupacional oferecem tratamento ambulatorial durante o horário de trabalho, normalmente prestado por um clínico geral. Geralmente diz respeito a formas simples de tratamento, ou pode ser uma assistência médica mais abrangente se a empresa tiver um acordo com a segurança social ou outras instituições de seguro que preveja o reembolso do custo do tratamento dos trabalhadores.

Reabilitação

A participação dos serviços de saúde ocupacional é particularmente importante para orientar a reabilitação do trabalhador e seu retorno ao trabalho. Isso está se tornando cada vez mais importante devido ao grande número de acidentes de trabalho nos países em desenvolvimento e ao envelhecimento da população trabalhadora nas sociedades industrializadas. Os serviços de reabilitação são geralmente prestados por unidades externas, que podem ser autônomas ou hospitalares e compostas por especialistas em reabilitação, terapeutas ocupacionais, conselheiros vocacionais e assim por diante.

Existem alguns aspectos importantes sobre a participação dos serviços de saúde ocupacional na reabilitação de trabalhadores acidentados.

Em primeiro lugar, o serviço de saúde ocupacional pode desempenhar um papel importante ao garantir que os trabalhadores que se recuperam de lesões ou doenças sejam encaminhados a eles prontamente. É muito preferível, quando possível, que o trabalhador retorne ao seu local de trabalho de origem, sendo importante função do serviço de saúde ocupacional manter contato durante o período de incapacidade com os responsáveis ​​pelo tratamento nas fases agudas a fim de identificar o momento em que um retorno ao trabalho pode ser considerado.

Em segundo lugar, o serviço de saúde ocupacional pode facilitar um retorno precoce ao trabalho, colaborando com a unidade de reabilitação no planejamento. Seu conhecimento do trabalho e do ambiente de trabalho será útil para explorar as possibilidades de modificar o trabalho original (por exemplo, mudanças na designação de trabalho, horário limitado, períodos de descanso, equipamento especial e assim por diante) ou arranjar um substituto temporário alternativo.

Finalmente, ao acompanhar o progresso do trabalhador, o serviço de saúde ocupacional pode manter a administração informada sobre a provável duração da ausência ou capacidade limitada, ou a extensão de qualquer incapacidade residual, de modo que arranjos de pessoal alternativo possam ser feitos com impacto mínimo nos cronogramas de produção. Por outro lado, o serviço de saúde ocupacional mantém um vínculo com os trabalhadores e muitas vezes com seus familiares, facilitando e preparando melhor seu retorno ao trabalho.

Adaptação do trabalho aos trabalhadores

Para facilitar a adaptação do trabalho aos trabalhadores e melhorar as condições e ambiente de trabalho, os serviços de saúde no trabalho devem aconselhar o empregador, os trabalhadores e a comissão de segurança e saúde da empresa em questões de saúde ocupacional, higiene ocupacional e ergonomia. As recomendações podem incluir modificações no trabalho, no equipamento e no ambiente de trabalho que permitirão ao trabalhador realizar de forma eficaz e segura. Isso pode envolver a redução da carga de trabalho física de um trabalhador idoso, o fornecimento de equipamentos especiais para trabalhadores com deficiências sensoriais ou locomotoras ou a adaptação de equipamentos ou práticas de trabalho às dimensões antropométricas do trabalhador. As adaptações podem ser necessárias temporariamente no caso de trabalhadores em recuperação de lesão ou doença. Vários países têm disposições legais que exigem adaptações no local de trabalho.

Proteção de grupos vulneráveis

O serviço de saúde ocupacional é responsável por recomendações que irão proteger grupos vulneráveis ​​de trabalhadores, como aqueles com hipersensibilidade ou doenças crônicas e aqueles com certas deficiências. Isso pode incluir a seleção de um trabalho que minimize os efeitos adversos, fornecimento de equipamentos especiais ou dispositivos de proteção, prescrição de licença médica e assim por diante. As recomendações devem ser viáveis ​​à luz das circunstâncias de um determinado local de trabalho, e os trabalhadores podem ser obrigados a receber treinamento especial em práticas de trabalho adequadas e no uso de equipamentos de proteção individual.

Informação, educação e formação

Os serviços de saúde ocupacional devem desempenhar um papel ativo no fornecimento de informações relevantes e na organização de educação e treinamento em relação ao trabalho.

A Convenção (No. 161) e a Recomendação (No. 171) da OIT sobre Serviços de Saúde Ocupacional prevêem a participação dos serviços de saúde ocupacional na concepção e implementação de programas de informação, educação e treinamento no campo da segurança e saúde ocupacional para o pessoal do empreendimento. Devem participar na formação progressiva e contínua de todos os trabalhadores da empresa que contribuem para a segurança e saúde no trabalho.

Os profissionais de saúde ocupacional podem ajudar a aumentar a conscientização dos trabalhadores sobre os riscos ocupacionais aos quais estão expostos, discutir com eles os riscos de saúde existentes e aconselhar os trabalhadores sobre a proteção de sua saúde, incluindo medidas de proteção e uso adequado de equipamentos de proteção individual. Cada contato com os trabalhadores oferece uma oportunidade para fornecer informações úteis e incentivar um comportamento saudável no local de trabalho.

Os serviços de saúde ocupacional devem fornecer todas as informações sobre os riscos ocupacionais presentes no empreendimento, bem como sobre as normas de segurança e saúde pertinentes à situação local. Esta informação deve ser escrita em linguagem compreensível pelos trabalhadores. Deve ser fornecido periodicamente e especialmente quando novas substâncias ou equipamentos estão sendo introduzidos ou mudanças estão sendo feitas no ambiente de trabalho.

A educação e a formação podem desempenhar um papel fundamental na melhoria das condições e do ambiente de trabalho. Os esforços para melhorar a segurança, a saúde e o bem-estar no trabalho são muitas vezes substancialmente limitados devido à falta de conscientização, conhecimento técnico e know-how. A educação e a formação em domínios específicos da segurança e saúde no trabalho e das condições de trabalho podem facilitar tanto o diagnóstico de problemas como a implementação de soluções, podendo assim contribuir para a superação dessas limitações.

As Convenções nºs 155 e 161 da OIT e as Recomendações que as acompanham enfatizam o papel fundamental da educação e do treinamento na empresa. A formação é essencial para cumprir as obrigações tanto dos empregadores como dos trabalhadores. Os empregadores são responsáveis ​​pela organização do treinamento em segurança e saúde ocupacional na fábrica, e os trabalhadores e seus representantes na empresa devem cooperar plenamente com eles a esse respeito.

A formação em segurança e saúde no trabalho deve ser organizada como parte integrante dos esforços globais para melhorar as condições e o ambiente de trabalho, devendo os serviços de saúde no trabalho desempenhar um papel importante a este respeito. Deve visar a resolução de vários problemas que afetam o bem-estar físico e mental dos trabalhadores e deve abordar a adaptação à tecnologia e equipamentos, melhoria do ambiente de trabalho, ergonomia, horários de trabalho, organização do trabalho, conteúdo do trabalho e bem-estar dos trabalhadores.

Atividades de promoção da saúde

Há alguma tendência, particularmente na América do Norte, de incorporar atividades de promoção do bem-estar na forma de programas de saúde ocupacional. Esses programas são, no entanto, essencialmente programas gerais de promoção da saúde que podem incluir elementos como educação em saúde, gerenciamento de estresse e avaliação de riscos à saúde. Eles geralmente visam mudar as práticas de saúde pessoal, como abuso de álcool e drogas, tabagismo, dieta e exercício físico, com vistas a melhorar o estado geral de saúde e reduzir o absenteísmo. Embora tais programas supostamente melhorem a produtividade e reduzam os custos com saúde, eles não foram devidamente avaliados até agora. Esses programas, concebidos como programas de promoção da saúde, embora valiosos como tal, não são geralmente considerados como programas de saúde ocupacional, mas como serviços de saúde pública prestados no local de trabalho, porque concentram atenção e recursos em hábitos de saúde pessoais, em vez de na proteção dos trabalhadores contra doenças ocupacionais. perigos.

Deve-se reconhecer que a implementação de programas de promoção da saúde é um importante fator que contribui para a melhoria da saúde dos trabalhadores da empresa. Em alguns países, a “promoção da saúde no local de trabalho” é considerada uma disciplina separada e é realizada por grupos completamente independentes de profissionais de saúde, exceto profissionais de saúde ocupacional. Neste caso, suas atividades devem ser coordenadas com as atividades do serviço de saúde ocupacional, cuja equipe pode garantir sua relevância, viabilidade e efeito sustentável. A participação dos serviços de saúde ocupacional na realização de programas de promoção da saúde não deve limitar o desempenho de suas funções principais como serviços de saúde especializados criados para proteger os trabalhadores contra exposições nocivas e condições insalubres de trabalho no local de trabalho.

Um desenvolvimento muito recente em alguns países (por exemplo, Holanda, Finlândia) é o estabelecimento de atividades de promoção da saúde ocupacional nos serviços de saúde ocupacional. Tais atividades visam à promoção e manutenção da capacidade para o trabalho dos trabalhadores, direcionando ações de prevenção e promoção precoces aos trabalhadores e sua saúde, ao ambiente de trabalho e à organização do trabalho. Os resultados dessas atividades são altamente positivos.

Coleta de dados e manutenção de registros

É importante que todos os contatos médicos, avaliações, avaliações e pesquisas sejam devidamente documentados e os registros armazenados com segurança para que, se necessário para exames de acompanhamento de saúde, fins legais ou de pesquisa, possam ser recuperados anos e até décadas depois.

A Recomendação de Serviços de Saúde Ocupacional da OIT (nº 171) estabelece que os serviços de saúde ocupacional devem registrar dados sobre a saúde dos trabalhadores em arquivos pessoais confidenciais. Esses arquivos também devem conter informações sobre os empregos ocupados pelos trabalhadores, sobre a exposição a riscos ocupacionais envolvidos em seu trabalho e sobre os resultados de qualquer avaliação da exposição dos trabalhadores a esses riscos. Dados pessoais relativos a avaliações de saúde podem ser comunicados a terceiros apenas com o consentimento informado do trabalhador em questão.

As condições e o tempo durante os quais os registros contendo dados de saúde dos trabalhadores devem ser mantidos, comunicados ou transferidos, e as medidas necessárias para mantê-los confidenciais, especialmente quando esses dados são informatizados, geralmente são prescritos por leis ou regulamentos nacionais ou pelos órgãos competentes autoridade e regidas por diretrizes éticas reconhecidas.

Estudos

De acordo com a Recomendação de Serviços de Saúde Ocupacional da OIT (nº 171), os serviços de saúde ocupacional, em consulta com os representantes dos empregadores e dos trabalhadores, devem contribuir para a pesquisa dentro dos limites de seus recursos, participando de estudos na empresa ou no ramo da atividade econômica (por exemplo, para coletar dados para fins epidemiológicos ou participar de programas nacionais de pesquisa). Os médicos do trabalho envolvidos na implementação de projetos de pesquisa estarão, portanto, vinculados às considerações éticas aplicadas a tais projetos pela Associação Médica Mundial (WMA) e pelo Conselho de Organizações Internacionais de Ciências Médicas (CIOMS). A pesquisa no ambiente de trabalho pode envolver “voluntários” saudáveis, devendo o serviço de saúde ocupacional esclarecê-los cabalmente sobre o objetivo e a natureza da pesquisa. Cada participante deve dar consentimento individual para a participação no projeto. O consentimento coletivo fornecido pelo sindicato dos trabalhadores na empresa não é suficiente. Os trabalhadores devem se sentir livres para desistir da investigação a qualquer momento e o serviço de saúde ocupacional deve se responsabilizar para que eles não sejam submetidos a pressões indevidas para permanecer no projeto contra sua vontade.

Relacionamento e Comunicações

Um serviço de saúde ocupacional bem-sucedido está necessariamente envolvido em comunicações de vários tipos.

Colaboração interna

O serviço de saúde ocupacional é parte integrante do aparato produtivo da empresa. Deve coordenar estreitamente suas atividades com higiene ocupacional, segurança ocupacional, educação em saúde e promoção da saúde e demais serviços diretamente relacionados à saúde do trabalhador, quando estes funcionarem separadamente. Além disso, deve colaborar com todos os serviços na operação da empresa: administração de pessoal, finanças, relações com funcionários, planejamento e design, engenharia de produção, manutenção de fábrica e assim por diante. Não deve haver obstáculos para entrar em contato com qualquer departamento da empresa quando questões de saúde e segurança do trabalhador estiverem envolvidas. Ao mesmo tempo, o serviço de saúde ocupacional deve responder às necessidades e ser sensível às limitações de todos os outros departamentos. E, se não se reportar a um executivo sênior, deve ter o privilégio de acesso direto à alta administração nos casos em que recomendações importantes relacionadas à saúde dos trabalhadores não forem devidamente consideradas.

Para funcionar de forma eficaz, o serviço de saúde ocupacional precisa do apoio da direção da empresa, do empregador, dos trabalhadores e de seus representantes. Os instrumentos da OIT (OIT 1981a, 1981b, 1985a, 1985b) exigem que o empregador e os trabalhadores cooperem e participem na implementação das medidas organizacionais e outras relativas aos serviços de saúde ocupacional de forma equitativa.

O empregador deve colaborar com o serviço de medicina do trabalho na prossecução dos seus objetivos, nomeadamente:

  • fornecer informações gerais sobre saúde e segurança ocupacional na empresa
  • fornecer informações sobre quaisquer fatores conhecidos ou suspeitos que possam afetar a saúde dos trabalhadores
  • fornecer ao serviço de saúde ocupacional recursos adequados em termos de instalações, equipamentos e suprimentos e pessoal qualificado
  • fornecendo autoridade apropriada para permitir que o serviço de saúde ocupacional desempenhe suas funções
  • permitir livre acesso a todas as partes e instalações do empreendimento (incluindo plantas separadas e unidades de campo) e fornecer informações sobre planos de mudanças em equipamentos e suprimentos de produção, bem como processos de trabalho e organização do trabalho, para que medidas preventivas possam ser tomadas antes que os trabalhadores sejam expostos a quaisquer perigos potenciais
  • considerando prontamente quaisquer recomendações feitas pelo serviço de saúde ocupacional para o controle de riscos ocupacionais e proteção da saúde dos trabalhadores, e garantindo sua implementação
  • salvaguardar a independência profissional dos profissionais de saúde no trabalho, incentivando e, sempre que possível, subsidiando a sua educação e formação contínua.

 

Quando for necessário um programa especial de nível de fábrica para atividades de saúde ocupacional, a colaboração entre o empregador e o serviço de saúde ocupacional é crucial na preparação de tal programa e no relatório de atividades.

Os serviços de saúde ocupacional são estabelecidos para proteger e promover a saúde dos trabalhadores, prevenindo acidentes de trabalho e doenças ocupacionais. Muitas funções dos serviços de saúde ocupacional não podem ser realizadas sem a cooperação dos trabalhadores. De acordo com os instrumentos da OIT, os trabalhadores e suas organizações devem cooperar com os serviços de saúde ocupacional e prestar apoio a esses serviços no desempenho de suas funções (OIT, 1981a, 1981b, 1985a, 1985b). Os trabalhadores devem cooperar com os serviços de saúde ocupacional, em particular:

  • informar o serviço de saúde ocupacional sobre quaisquer fatores conhecidos ou suspeitos no trabalho e no ambiente de trabalho que possam ter efeitos adversos em sua saúde
  • auxiliar o pessoal de saúde ocupacional no desempenho de suas funções no local de trabalho
  • participar em exames de saúde, inquéritos e outras atividades realizadas pelo serviço de saúde ocupacional
  • obedecer as regras e regulamentos de saúde e segurança
  • manter equipamentos de segurança e dispositivos de proteção individual, bem como suprimentos de primeiros socorros e equipamentos de emergência, e aprender a usá-los adequadamente
  • participando de exercícios de educação em saúde e treinamento de segurança no local de trabalho
  • relatórios sobre a eficácia das medidas de segurança e saúde no trabalho
  • participar da organização, planejamento, execução e avaliação das atividades dos serviços de saúde do trabalhador.

 

Os instrumentos da OIT recomendam a colaboração entre empregadores e trabalhadores em questões de segurança e saúde ocupacional (ILO 1981a,1981b,1985a,1985b). Esta colaboração realiza-se na comissão de segurança e saúde no trabalho das empresas, que integra os representantes dos trabalhadores e da entidade patronal e constitui um fórum de discussão de matérias relativas à segurança e saúde no trabalho. O estabelecimento de tal comitê pode ser prescrito por legislação ou acordos coletivos em empresas com 50 ou mais trabalhadores. Nas empresas menores, suas funções devem ser cumpridas por meio de discussões menos formais entre os delegados de segurança dos trabalhadores e o empregador.

O comitê tem uma ampla gama de funções (ILO 1981b), que podem incluir:

  • participando das decisões relativas ao estabelecimento, organização, pessoal e operação do serviço de saúde ocupacional
  • contribuir com o programa de saúde e segurança ocupacional da empresa
  • prestar apoio ao serviço de medicina do trabalho no desempenho das suas funções
  • participando da avaliação das atividades do serviço de saúde ocupacional e contribuindo com seus relatórios submetidos aos órgãos subsidiários, diretoria empresarial e autoridades externas
  • facilitar a comunicação de informações sobre questões de saúde e segurança ocupacional entre os diferentes serviços da empresa
  • proporcionar um fórum para discussões e decisões sobre ações colaborativas na empresa em questões de segurança e saúde ocupacional
  • avaliar o estado geral de saúde e segurança ocupacional na empresa.

 

O princípio da participação dos trabalhadores nas decisões relativas à sua própria saúde e segurança, nas mudanças de empregos e ambientes de trabalho e nas atividades de segurança e saúde é enfatizado em diretrizes recentes sobre práticas de saúde ocupacional. Também exige que os trabalhadores tenham acesso a informações sobre as atividades da empresa relacionadas à segurança e saúde ocupacional e sobre qualquer risco potencial à saúde que possam encontrar no local de trabalho. Assim, o princípio do “direito de saber” e os princípios da transparência foram estabelecidos ou fortalecidos pela legislação em muitos países.

Colaboração externa

Os serviços de saúde no trabalho devem estabelecer relações estreitas com serviços e instituições externas. Acima de tudo, estão as relações com o sistema público de saúde do país como um todo e as instituições e instalações nas comunidades locais. Isto começa ao nível das unidades de cuidados de saúde primários e estende-se ao nível dos serviços especializados hospitalares, alguns dos quais também podem prestar serviços de saúde ocupacional. Tais relações são importantes quando é necessário encaminhar os trabalhadores para serviços de saúde especializados para avaliação e tratamento adequados de lesões e doenças ocupacionais, e também para oportunizar a mitigação dos possíveis efeitos adversos de problemas de saúde não ocupacionais no atendimento e desempenho no trabalho. A colaboração com a saúde pública, bem como com os serviços de saúde ambiental, é importante. Convidar os médicos de clínica geral e outros profissionais de saúde a visitarem o serviço de medicina do trabalho e a familiarizarem-se com as exigências que as profissões ou os riscos a que estão sujeitos colocam os seus doentes, não só ajudará a estabelecer relações de amizade, como também será uma oportunidade para os sensibilizar às particularidades das questões de saúde ocupacional que normalmente seriam ignoradas no tratamento de trabalhadores para os quais prestam serviços gerais de saúde.

Os institutos de reabilitação são um parceiro colaborador frequente, especialmente no caso de trabalhadores com deficiências ou incapacidades crónicas que possam requerer esforços especiais para aumentar e manter as suas capacidades de trabalho. Tal colaboração é especialmente importante na recomendação de modificações temporárias no trabalho que acelerem e facilitem o retorno ao trabalho de indivíduos em recuperação de lesões ou doenças graves, de etiologia ocupacional ou não ocupacional.

Organizações de resposta a emergências e prestadores de primeiros socorros, como serviços de ambulância, ambulatórios hospitalares e clínicas de emergência, centros de controle de envenenamento, polícia e bombeiros e organizações de resgate cívico podem garantir o tratamento rápido de lesões e doenças agudas e auxiliar no planejamento e resposta a grandes emergências.

Ligações adequadas com instituições de segurança social e de seguro de saúde podem facilitar a administração de benefícios e o funcionamento do sistema de compensação dos trabalhadores.

As autoridades competentes em matéria de segurança e saúde e as inspeções do trabalho são os principais parceiros de colaboração dos serviços de saúde ocupacional. Além de agilizar as inspeções formais, os relacionamentos apropriados podem fornecer suporte para atividades internas de saúde e segurança ocupacional e oferecer oportunidades para contribuir com a formulação de regulamentos e métodos de fiscalização.

A participação em sociedades profissionais e em atividades de institutos de educação/treinamento e universidades é valiosa para organizar a educação continuada dos profissionais. O ideal é que o tempo e as despesas sejam subsidiados pela empresa. Além disso, os contatos colegiados com profissionais de saúde ocupacional que atendem a outras empresas podem fornecer informações e insights estratégicos e podem levar a parcerias para coleta e pesquisa de dados significativos.

Os tipos de colaboração descritos acima devem ser iniciados desde o início da operação do serviço de saúde ocupacional e ser continuados e expandidos conforme apropriado. Eles podem não apenas facilitar o alcance dos objetivos do serviço de saúde ocupacional, mas também contribuir para os esforços de relações públicas e comunitárias da empresa.

Infraestruturas para Serviços de Saúde Ocupacional

As infraestruturas para a prestação de serviços de saúde ocupacional são insuficientemente desenvolvidas na maior parte do mundo, incluindo países desenvolvidos e em desenvolvimento. A necessidade de serviços de saúde ocupacional é particularmente aguda nos países em desenvolvimento e recém-industrializados, que contêm oito em cada dez trabalhadores do mundo. Se organizados de forma adequada e eficaz, tais serviços contribuiriam significativamente não apenas para a saúde dos trabalhadores, mas também para o desenvolvimento socioeconômico geral, produtividade, saúde ambiental e bem-estar dos países, comunidades e famílias (OMS 1995b; Jeyaratnam e Chia 1994). Serviços eficazes de saúde ocupacional podem não apenas reduzir o absenteísmo por doenças evitáveis ​​e a incapacidade para o trabalho, mas também ajudar a controlar os custos dos cuidados de saúde e da previdência social. Assim, justifica-se plenamente o desenvolvimento de serviços de saúde ocupacional que abranjam todos os trabalhadores, tanto no que diz respeito à saúde do trabalhador quanto à economia.

As infraestruturas para a prestação de serviços de saúde ocupacional devem permitir a implementação efetiva das atividades necessárias para atingir os objetivos da saúde ocupacional (OIT 1985a, 1985b; Rantanen, Lehtinen e Mikheev 1994; OMS 1989b). Para permitir a flexibilidade necessária, o Artigo 7 da Convenção No. 161 da OIT prevê que os serviços de saúde ocupacional podem ser organizados como um serviço para uma única empresa ou como um serviço comum a várias empresas. Ou, de acordo com as condições e práticas nacionais, os serviços de medicina do trabalho podem ser organizados pelas empresas ou grupos de empresas em causa, autoridades públicas ou serviços oficiais, instituições de segurança social, quaisquer outros organismos autorizados pela autoridade competente ou qualquer combinação dos anteriores .

Alguns países têm regulamentos que relacionam a organização dos serviços de saúde ocupacional com o tamanho da empresa. Por exemplo, empresas maiores precisam estabelecer seu próprio serviço de saúde ocupacional na fábrica, enquanto empresas de médio e pequeno porte são obrigadas a aderir a serviços de grupo. Via de regra, a legislação permite flexibilidade na escolha dos modelos estruturais dos serviços de saúde ocupacional de forma a atender às condições e práticas locais.

Modelos de Serviços de Saúde Ocupacional

Para atender às necessidades de saúde ocupacional das empresas, que variam amplamente com relação ao tipo de indústria, tamanho, tipo de atividade, estrutura e assim por diante, vários modelos diferentes de serviços de saúde ocupacional foram desenvolvidos (Rantanen, Lehtinen e Mikheev 1994; OMS 1989). Em países em desenvolvimento e recém-industrializados, por exemplo, onde os cuidados de saúde para a população em geral podem ser deficientes, o serviço de saúde ocupacional pode fornecer cuidados primários de saúde não ocupacionais também aos funcionários e suas famílias. Isso também foi implementado com sucesso na Finlândia, Suécia e Itália (Rantanen 1990; OMS 1990). Por outro lado, o alto nível de cobertura de trabalhadores na Finlândia foi possível graças à organização de centros de saúde municipais (unidades de APS) que fornecem serviços de saúde ocupacional para trabalhadores de pequenas empresas, autônomos e até pequenos locais de trabalho operados por grandes empresas que estão espalhados por todo o país.

Modelo in-plant (in-company)

Muitas grandes empresas industriais e não industriais, tanto no setor público quanto no privado, têm um serviço integrado e abrangente de saúde ocupacional em suas instalações, que não apenas fornece uma gama completa de serviços de saúde ocupacional, mas também pode fornecer serviços de saúde não ocupacional a trabalhadores e suas famílias, e podem realizar pesquisas. Essas unidades geralmente possuem equipes multidisciplinares que podem incluir não apenas médicos do trabalho e enfermeiros, mas também higienistas ocupacionais, ergonomistas, toxicologistas, fisiologistas ocupacionais, técnicos de laboratório e raio-x e possivelmente fisioterapeutas, assistentes sociais, educadores de saúde, conselheiros e psicólogos industriais. Os serviços de higiene e segurança no trabalho podem ser prestados pelo pessoal do serviço de medicina do trabalho ou por unidades distintas da empresa. Essas unidades multidisciplinares geralmente são oferecidas apenas por grandes empresas (muitas vezes multinacionais) e sua qualidade de serviços e impacto na saúde e segurança são mais convincentes.

As empresas mais pequenas podem ter uma unidade interna com um ou mais enfermeiros do trabalho e um médico do trabalho a tempo parcial que visita a unidade durante várias horas por dia ou várias vezes por semana. Uma variante é a unidade composta por um ou mais enfermeiros do trabalho com um médico “de plantão” que visita a unidade apenas quando convocado e geralmente fornece “ordens permanentes” que autorizam o enfermeiro a realizar procedimentos e dispensar medicamentos que normalmente são prerrogativas apenas de médicos licenciados. Em alguns casos nos Estados Unidos e na Inglaterra, essas unidades são operadas e supervisionadas por um contratado externo, como um hospital local ou uma organização empresarial privada.

Devido a várias razões, o pessoal de saúde ocupacional pode, por vezes, tornar-se cada vez mais separado da estrutura operacional central da empresa e, como resultado, a gama de serviços que presta tende a reduzir-se a primeiros socorros e tratamento de lesões e doenças profissionais agudas e a realização de exames médicos de rotina. Médicos em tempo parcial e principalmente de plantão muitas vezes não adquirem a familiaridade necessária com os detalhes dos tipos de trabalho executados ou do ambiente de trabalho e podem não ter contato suficiente com os gerentes e o comitê de segurança ou não ter autoridade suficiente para efetivamente recomendar medidas preventivas adequadas.

Como parte das reduções na força de trabalho observadas em tempos de recessão, algumas grandes empresas estão reduzindo seus serviços de saúde ocupacional e, em alguns casos, eliminando-os totalmente. Este último pode ocorrer quando uma empresa com um serviço de saúde ocupacional estabelecido é adquirida por uma empresa que não o mantinha. Nesses casos, a empresa pode contratar recursos externos para operar as instalações internas e contratar consultores ad hoc para fornecer serviços especializados como higiene ocupacional, toxicologia e engenharia de segurança. Algumas empresas optam por manter um especialista em saúde ocupacional e ambiental para atuar como diretor médico interno ou gerente para coordenar os serviços dos fornecedores externos, monitorar seu desempenho e aconselhar a alta administração em questões relacionadas à saúde e segurança dos funcionários e preocupações ambientais.

Modelo de grupo ou interempresa

O compartilhamento de serviços de saúde ocupacional por grupos de pequenas ou médias empresas tem sido amplamente utilizado em países industrializados como Suécia, Noruega, Finlândia, Dinamarca, Holanda, França e Bélgica. Isso permite que empresas individualmente pequenas demais para ter seus próprios serviços aproveitem as vantagens de um serviço abrangente bem equipado e bem equipado. O Slough Plan, organizado há algumas décadas em uma comunidade industrial da Inglaterra, foi pioneiro nesse tipo de arranjo. Na década de 1980, experimentos interessantes com centros regionais de saúde ocupacional organizados na Suécia mostraram-se viáveis ​​e particularmente úteis para empresas de médio porte, e alguns países, como a Dinamarca, fizeram esforços para aumentar o tamanho das unidades compartilhadas para permitir que para fornecer uma gama mais ampla de serviços em vez de dividi-los em unidades monodisciplinares menores.

Uma desvantagem frequentemente encontrada do modelo de grupo em comparação com o modelo in plant de empresas maiores é a distância entre o local de trabalho e o serviço de saúde ocupacional. Isto é importante não só nos casos que requerem primeiros socorros para lesões mais graves (às vezes é mais prudente enviar esses casos diretamente para um hospital local, contornando a unidade de saúde ocupacional), mas porque geralmente se perde mais tempo quando os trabalhadores são forçados a se ausentar as dependências ao procurar os serviços de saúde durante o horário de trabalho. Outro problema surge quando as empresas participantes são incapazes de contribuir com fundos suficientes para sustentar a unidade que é forçada a fechar quando as concessões governamentais ou de fundações privadas que podem ter subsidiado seu início não estão mais disponíveis.

Modelo orientado para a indústria (específico da filial)

Uma variante do modelo grupal é a utilização conjunta de um serviço de saúde ocupacional por várias empresas do mesmo setor, comércio ou atividade econômica. Construção, alimentos, agricultura, bancos e seguros são exemplos de setores que fizeram tais arranjos na Europa; tais modelos são encontrados na Suécia, Holanda e França. A vantagem desse modelo é a oportunidade para o serviço de saúde ocupacional se concentrar no setor específico e acumular competência especial na abordagem de seus problemas. Esse modelo para a indústria da construção na Suécia fornece serviços sofisticados, de alta qualidade e multidisciplinares para todo o país e tem sido capaz de realizar pesquisas e desenvolver programas que lidam com problemas específicos dessa indústria.

Ambulatórios hospitalares

Os ambulatórios hospitalares e as salas de emergência tradicionalmente prestam serviços a trabalhadores feridos ou doentes que procuram atendimento. Uma desvantagem notável é a falta de familiaridade com as doenças ocupacionais por parte do pessoal habitual e dos médicos assistentes. Em alguns casos, conforme observado acima, os serviços de saúde ocupacional fizeram acordos com hospitais locais para fornecer determinados serviços especializados e preencher a lacuna colaborando no atendimento ou educando a equipe do hospital sobre os tipos de casos que podem ser encaminhados a eles.

Mais recentemente, os hospitais começaram a operar clínicas ou serviços especiais de saúde ocupacional que são comparados favoravelmente aos grandes serviços internos ou em grupo descritos acima. Contam com médicos especialistas em saúde ocupacional, que também podem realizar pesquisas envolvendo os tipos de problemas que atendem. Na Suécia, por exemplo, existem oito clínicas regionais de medicina ocupacional, várias das quais filiadas a uma universidade ou faculdade de medicina, cada uma prestando serviços a empresas em diversas comunidades. Vários possuem uma unidade especial para atender pequenos empreendimentos.

Uma diferença significativa entre os serviços grupais e a atividade hospitalar é que, no caso do primeiro, as empresas participantes geralmente compartilham a propriedade do serviço de saúde ocupacional e têm poder de decisão sobre como ele opera, enquanto o segundo funciona como uma policlínica privada ou pública que tenha uma relação prestador-cliente com as empresas clientes. Isso limita, por exemplo, até que ponto a participação e a colaboração entre empregadores e trabalhadores podem influenciar o funcionamento da unidade.

Centros de saúde privados

O modelo de centro de saúde privado é uma unidade geralmente organizada por um grupo de médicos (pode ser organizado por uma organização empresarial privada que emprega os médicos) para fornecer vários tipos de serviços de saúde ambulatoriais e, às vezes, também hospitalares. Os centros maiores costumam ter uma equipe multidisciplinar e podem oferecer serviços de higiene ocupacional e fisioterapia, enquanto as unidades menores geralmente fornecem apenas serviços médicos. Assim como no modelo de clínica hospitalar, a relação prestador-cliente com as empresas participantes pode dificultar a implementação do princípio do envolvimento do empregador e do trabalhador na formulação de políticas e procedimentos.

Em alguns países, os centros de saúde privados têm sido criticados por serem muito orientados para serviços clínicos curativos prestados pelos médicos. Tal crítica é justificada no caso de centros menores onde os serviços são prestados por médicos generalistas e não por profissionais de saúde com experiência na prática de saúde ocupacional.

unidades básicas de saúde

As unidades de cuidados de saúde primários são geralmente organizadas por autoridades municipais ou outras autoridades locais ou pelo serviço nacional de saúde e prestam serviços preventivos e cuidados de saúde primários. Este é o modelo fortemente recomendado pela OMS como meio de prestação de serviços às pequenas empresas e, em particular, às empresas agrícolas, ao sector informal e aos trabalhadores por conta própria. Uma vez que médicos generalistas e enfermeiros geralmente carecem de especialização e experiência em saúde ocupacional, o sucesso desse modelo depende criticamente de quanto treinamento em saúde ocupacional e medicina ocupacional pode ser providenciado para os profissionais de saúde.

Uma vantagem desse modelo é sua boa cobertura do país e sua localização nas comunidades onde trabalham e vivem as pessoas a quem atende. Esta é uma vantagem particular ao atender trabalhadores agrícolas e autônomos.

Um ponto fraco é a sua concentração em serviços gerais de saúde curativa e tratamento de emergências com capacidade limitada para realizar vigilância do ambiente de trabalho e instituir medidas preventivas necessárias no local de trabalho. A experiência na Finlândia, onde grandes unidades de atenção primária à saúde empregam equipes de especialistas treinados para fornecer serviços de saúde ocupacional, é, no entanto, altamente positiva. Novos modelos interessantes para fornecer serviços de saúde ocupacional por unidades de atenção primária à saúde foram testados na área de Xangai, na China.

modelo de previdência social

Em Israel, México, Espanha e alguns países africanos, por exemplo, os serviços de saúde ocupacional são prestados por unidades especiais organizadas e operadas pelo sistema de seguridade social. Em Israel, esse modelo é essencialmente semelhante em estrutura e operação ao modelo de grupo, enquanto em outros lugares é geralmente mais orientado para cuidados de saúde curativos. A particularidade deste modelo é o facto de ser gerido pela organização responsável pela indemnização dos trabalhadores por acidentes e doenças profissionais. Embora sejam prestados serviços curativos e reabilitadores, a ênfase no controle dos custos previdenciários tem levado à prioridade dos serviços preventivos.

Selecionando um modelo para serviços de saúde ocupacional

A decisão primária de ter ou não um serviço de saúde ocupacional pode ser determinada por lei, por um contrato de trabalho-gerência ou por preocupações da administração com a saúde e segurança dos funcionários. Enquanto muitas empresas são motivadas a uma decisão positiva pela consciência do valor de um serviço de saúde ocupacional na manutenção de seu aparato produtivo, outras são impelidas por considerações econômicas como controlar os custos dos benefícios trabalhistas, absenteísmo e invalidez evitáveis ​​por doença, aposentadoria precoce por motivos de saúde, penalidades regulatórias, litígios e assim por diante.

O modelo de prestação de serviços de saúde ocupacional pode ser ditado por leis ou regulamentos que podem ser gerais ou aplicáveis ​​apenas a determinados setores. Este é geralmente o caso do modelo previdenciário, no qual as empresas clientes não têm outra opção.

Na maioria dos casos, o modelo selecionado é determinado por fatores como o tamanho da força de trabalho e suas características demográficas, os tipos de trabalho que realizam e os riscos no local de trabalho que encontram, a localização do(s) local(is) de trabalho, o tipo e a qualidade dos serviços de saúde disponíveis na comunidade e, talvez o mais importante, a riqueza da empresa e sua capacidade de fornecer o suporte financeiro necessário. Às vezes, uma empresa lança uma unidade mínima e amplia e expande suas atividades à medida que prova seu valor e conquista a aceitação dos trabalhadores. Apenas alguns estudos comparativos foram conduzidos até agora sobre a operação de vários modelos de serviços de saúde ocupacional em diferentes situações.

serviços de higiene ocupacional

Instrumentos e diretrizes internacionais recomendam fortemente a inclusão dos serviços de higiene ocupacional no serviço multiprofissional de saúde do trabalhador. Em alguns países, no entanto, a higiene ocupacional é tradicionalmente realizada como uma atividade separada e independente. Nessas circunstâncias, é necessária a colaboração com outros serviços envolvidos em atividades de segurança e saúde ocupacional.

Serviços de segurança

Os serviços de segurança são tradicionalmente executados como uma atividade separada por oficiais de segurança ou engenheiros de segurança que são funcionários da empresa (ILO 1981a; Bird e Germain 1990) ou por alguma forma de acordo de consultoria. No serviço de segurança na fábrica, o oficial de segurança também é frequentemente o principal responsável pela segurança na empresa e representa o empregador nessas questões. Novamente, a tendência moderna é integrar a segurança junto com a higiene ocupacional e a saúde ocupacional e outros serviços envolvidos nas atividades de saúde ocupacional, a fim de formar uma entidade multidisciplinar.

Quando as atividades de segurança são realizadas em paralelo com as de saúde ocupacional e higiene ocupacional, a colaboração é necessária principalmente no que diz respeito à identificação de riscos de acidentes, avaliação de riscos, planejamento e implementação de medidas preventivas e de controle, educação e treinamento de gerentes, supervisores e trabalhadores, e recolher, manter e registar os registos dos acidentes, bem como o funcionamento das medidas de controlo instituídas.

Pessoal do Serviço de Saúde Ocupacional

Tradicionalmente, o serviço de saúde ocupacional conta com apenas um médico do trabalho, ou um médico e uma enfermeira que, talvez com a adição de um higienista industrial, podem ser designados como a equipe “central”. As disposições mais recentes, no entanto, exigem que, sempre que possível, a equipe de saúde ocupacional seja de composição multidisciplinar.

O quadro de pessoal pode ser alargado a uma equipa multidisciplinar completa em função do modelo de serviço, da natureza da indústria e dos tipos de trabalho envolvidos, da disponibilidade dos vários especialistas ou dos programas de formação dos mesmos e da dimensão das disponibilidades financeiras Recursos. Quando não estão realmente no quadro de funcionários, os cargos de quadro suplementar podem ser preenchidos por serviços externos de apoio (OMS 1989a, 1989b). Eles podem incluir engenheiros de segurança, especialistas em saúde mental (por exemplo, psicólogos, conselheiros), fisiologistas do trabalho, ergonomistas, fisioterapeutas, toxicologistas, epidemiologistas e educadores de saúde. A maioria destes raramente é incluída no pessoal a tempo inteiro do serviço de saúde ocupacional e está envolvida a tempo parcial ou “conforme necessário” (Rantanen 1990).

Uma vez que as necessidades quantitativas de pessoal de saúde no trabalho variam muito consoante a empresa em causa, o modelo de organização e os serviços prestados pelo serviço de saúde no trabalho, bem como a disponibilidade de apoios e serviços paralelos, não é possível ser categórico quanto à tamanho numérico da equipe (Rantanen 1990; Rantanen, Lehtinen e Mikheev 1994). Por exemplo, 3,000 trabalhadores em uma grande empresa exigem uma equipe menor do que seria necessária para fornecer uma gama semelhante de serviços para 300 locais de trabalho com 10 funcionários cada. Observou-se, entretanto, que atualmente na Europa, a proporção usual é de um médico e duas enfermeiras para atender de 2,000 a 3,000 trabalhadores. A variação é ampla, variando de 1 por 500 a 1 por 5,000. Em alguns países, as decisões sobre o pessoal do serviço de saúde ocupacional são tomadas pelo empregador com base nos tipos e volume de serviços prestados, enquanto em vários países o número e a composição do pessoal de saúde ocupacional são estipulados pela legislação. Por exemplo, a legislação recente na Holanda exige que a equipa de saúde ocupacional seja composta, pelo menos, por um médico, um higienista, um engenheiro de segurança e um especialista em relações laborais/organizacionais (Ministerial Order on the Certification of SST Services and Expertise Requirements for SSHW Serviços 1993).

Muitos países formularam critérios de competência oficiais ou semioficiais para médicos e enfermeiros do trabalho, mas não foram estabelecidos para as outras disciplinas. Os novos princípios da União Européia exigem a confirmação da competência de todos os especialistas em saúde ocupacional, e alguns países estabeleceram sistemas de certificação para eles (CEC 1989; Ordem Ministerial sobre a Certificação de Serviços SHW e Requisitos de Especialização para Serviços SHW 1993).

Currículos de treinamento para especialistas em saúde ocupacional não são bem desenvolvidos, exceto aqueles para médicos do trabalho, enfermeiras e, em alguns países, higienistas ocupacionais (Rantanen 1990). O estabelecimento de currículos em todos os níveis para todas as categorias de especialistas, incluindo programas de educação básica, de pós-graduação e continuada, tem sido encorajado. Considera-se também desejável a inclusão de elementos de formação em saúde ocupacional ao nível do ensino básico, não só nas escolas médicas mas também noutras instituições como universidades técnicas, faculdades de ciências e outras. Além do conhecimento científico e das habilidades práticas necessárias para a prática da saúde ocupacional, o treinamento deve incluir o desenvolvimento de atitudes apropriadas para a proteção da saúde dos trabalhadores. O treinamento em colaboração com especialistas em outras disciplinas permitiria uma abordagem multidisciplinar. A formação em colaboração com as autoridades competentes e empregadores é também considerada necessária.

A identidade profissional dos especialistas em saúde ocupacional precisa ser apoiada de forma equitativa entre as várias disciplinas. O fortalecimento da independência profissional é crucial para o desempenho eficiente de suas funções e pode aumentar o interesse de outros profissionais de saúde em desenvolver carreiras vitalícias em saúde ocupacional. É importante que os currículos de treinamento sejam reorganizados enquanto os países estão desenvolvendo novos critérios de competência e certificação para especialistas em saúde ocupacional.

Infraestruturas para Serviços de Apoio

A maioria das empresas não pode pagar o serviço de saúde ocupacional multidisciplinar abrangente necessário para seus programas de saúde e segurança ocupacional. Além dos serviços básicos fornecidos para a empresa, o próprio serviço de saúde ocupacional pode precisar de conhecimento técnico em áreas como (Kroon e Overeynder 1991; CEC 1989; Rantanen, Lehtinen e Mikheev 1994):

  • higiene ocupacional (medição e análise)
  • ergonomia
  • informações e conselhos sobre novos problemas e abordagens para sua solução
  • desenvolvimento organizacional
  • psicologia e gestão do stress
  • desenvolvimentos mais recentes em medidas de controle e equipamentos
  • apoio à pesquisa.

 

Os países têm usado abordagens diferentes para a organização de tais serviços. Por exemplo, a Finlândia tem um Instituto de Saúde Ocupacional com seis institutos regionais para fornecer suporte especializado para serviços de saúde ocupacional de primeira linha. A maioria dos países industrializados tem um instituto nacional ou uma estrutura comparável com serviços de pesquisa, treinamento, informação e consulta como suas principais funções; eles são raros nos países em desenvolvimento. Onde tal instituto não existe, esses serviços podem ser prestados por grupos de pesquisa universitários, instituições de previdência social, sistemas nacionais de serviços de saúde, autoridades governamentais de saúde e segurança ocupacional e consultores privados.

As experiências dos países industrializados demonstraram a conveniência de criar em cada país em processo de industrialização e em desenvolvimento um centro especial de pesquisa e desenvolvimento em saúde ocupacional que possa:

  • fornecer apoio para o desenvolvimento, avaliação e monitoramento de políticas
  • fornecer suporte científico contínuo para estabelecer padrões e limites de exposição ocupacional
  • desenvolver e implementar critérios para avaliar a competência nas várias disciplinas de saúde ocupacional
  • fornecer e promover a criação de programas educacionais e de treinamento para aumentar o número e a competência de especialistas em saúde ocupacional
  • fornecer informações e conselhos sobre questões de saúde ocupacional não apenas para os profissionais, mas também para gerentes, sindicatos, órgãos governamentais e público em geral
  • realizar ou encomendar pesquisas necessárias em saúde e segurança ocupacional.

 

Quando um instituto individual não é capaz de fornecer todos os serviços necessários, pode ser necessária uma rede entre várias unidades de serviço, como universidades, instituições de pesquisa e outras organizações semelhantes.

Financiamento de Serviços de Saúde Ocupacional

De acordo com os instrumentos da OIT, a responsabilidade primária pelo financiamento dos serviços de saúde e segurança ocupacional é do empregador, sem ônus para os trabalhadores. Em alguns países, no entanto, há modificações desses princípios. Por exemplo, os custos com a prestação de serviços de saúde ocupacional podem ser substancialmente subsidiados pela instituição de segurança social. Um exemplo é a Finlândia, onde a responsabilidade financeira principal é do empregador, mas 50% dos custos serão reembolsados ​​pela instituição de seguro social, desde que haja evidência de conformidade com os regulamentos de saúde e segurança ocupacional e o comitê de segurança e saúde ocupacional da empresa confirma que os serviços de saúde ocupacional foram prestados adequadamente.

Na maioria dos países, esses sistemas nacionais de reembolso estão disponíveis. No modelo de centro comunitário de saúde para a prestação de serviços de saúde ocupacional, os custos iniciais de instalações, equipamentos e pessoal são cobertos pela comunidade, mas os custos operacionais são cobertos pela cobrança de taxas dos empregadores e dos autônomos.

Os sistemas de reembolso ou subsídio destinam-se a encorajar a disponibilidade de serviços para empresas com restrições econômicas e, particularmente, para empresas de pequena escala que raramente conseguem recursos adequados. A eficácia de tal sistema é demonstrada pela experiência na Suécia na década de 1980, em que a alocação de quantias substanciais de financiamento do governo para subsidiar serviços de saúde ocupacional para empresas em geral e particularmente para pequenas empresas aumentou a proporção de trabalhadores cobertos de 60% a mais de 80%.

Sistemas de Qualidade e Avaliação de Serviços de Saúde Ocupacional

O serviço de saúde ocupacional deve avaliar continuamente por si mesmo seus objetivos, atividades e resultados alcançados no que diz respeito à proteção da saúde do trabalhador e à melhoria do ambiente de trabalho. Muitas empresas têm acordos para auditorias independentes periódicas por especialistas da organização ou por consultores externos. Em alguns países, existem mecanismos governamentais ou privados para recertificação periódica com base em protocolos formais de auditoria. Em algumas empresas, pesquisas periódicas com funcionários fornecem indicações úteis sobre a consideração dos trabalhadores pelo serviço de saúde ocupacional e sua satisfação com os serviços prestados. Para ser realmente valioso, deve haver um feedback dos resultados de tais pesquisas para os funcionários participantes e evidências de que ações apropriadas estão sendo tomadas para resolver quaisquer problemas que eles revelarem.

Muitos dos países industrializados (por exemplo, Holanda e Finlândia) iniciaram o uso dos padrões da série ISO 9000 no desenvolvimento de sistemas de qualidade para serviços de saúde em geral, bem como para serviços de saúde ocupacional. Isso é particularmente apropriado porque muitas empresas clientes estão aplicando tais padrões em seus processos de produção. Algumas empresas que incluíram seus serviços de saúde ocupacional na aplicação da Gestão da Qualidade Total (também conhecida como Melhoria Contínua da Qualidade) em suas organizações relataram uma experiência positiva em termos de melhoria da qualidade e operação mais suave dos serviços.

Na prática, a aplicação de um programa de melhoria contínua da qualidade significa que cada departamento ou unidade da empresa analisa suas funções e desempenho, e institui as mudanças necessárias para levar sua qualidade a um nível ótimo. O serviço de saúde ocupacional não deve apenas ser um participante voluntário neste esforço, mas deve estar disponível para garantir que as considerações de saúde e segurança dos trabalhadores não sejam negligenciadas neste processo.

A avaliação da qualidade dos serviços de saúde ocupacional não serve apenas aos interesses dos empregadores, trabalhadores e autoridades competentes, mas também aos interesses dos prestadores de serviços. Vários esquemas para tal avaliação foram desenvolvidos em vários países. Para fins práticos, a autoavaliação pelo próprio pessoal do serviço de saúde ocupacional pode ser o mais prático, principalmente quando existe uma comissão de saúde e segurança para avaliar os resultados dessa avaliação.

Há um interesse crescente em examinar os aspectos econômicos dos serviços de saúde e segurança ocupacional e validar sua relação custo-efetividade, mas poucos estudos desse tipo foram relatados.

Desenvolvimento gradual de serviços de saúde ocupacional

A Convenção da OIT sobre Serviços de Saúde Ocupacional, 1985 (Nº 161) e sua Recomendação acompanhante (Nº 171) incentivam os países a desenvolver progressivamente serviços de saúde ocupacional para todos os trabalhadores, em todos os ramos de atividade econômica e em todos os empreendimentos, incluindo os públicos setor e os membros de cooperativas de produção. Alguns países já desenvolveram serviços bem organizados com base em disposições estipuladas por sua legislação.

Começando pelos serviços estabelecidos, existem três estratégias para um maior desenvolvimento: alargar todo o espectro de actividades para abranger mais empresas e mais trabalhadores; expandir o conteúdo dos serviços de saúde ocupacional oferecendo apenas serviços básicos; e expansão gradual do conteúdo e da cobertura.

Há discussões sobre as atividades mínimas que devem ser fornecidas por um serviço de saúde ocupacional. Em alguns países, limitam-se a exames de saúde realizados por médicos especialmente autorizados. Em 1989, a Consulta Europeia/OMS sobre Serviços de Saúde Ocupacional (OMS 1989b) propôs que o mínimo deveria incluir as seguintes atividades principais:

  • avaliação das necessidades de saúde ocupacional
  • ações preventivas e de controle voltadas ao ambiente de trabalho
  • atividades preventivas dirigidas ao trabalhador
  • atividades curativas limitadas a primeiros socorros, diagnóstico de doenças profissionais, reabilitação no retorno ao trabalho
  • acompanhamento e avaliação das estatísticas de acidentes e doenças ocupacionais.

 

Na prática, existe um grande número de locais de trabalho em todo o mundo que ainda não conseguiram fornecer nenhum serviço aos seus trabalhadores. Consequentemente, o primeiro passo para um programa nacional pode limitar-se apenas a estabelecer serviços de saúde ocupacional que forneçam essas atividades básicas para os mais necessitados.

Perspectivas Futuras para o Desenvolvimento dos Serviços de Saúde Ocupacional

O desenvolvimento futuro dos serviços de saúde ocupacional depende de uma série de fatores no mundo do trabalho e também das economias e políticas nacionais. As tendências mais importantes nos países industrializados incluem o envelhecimento da força de trabalho, aumento dos padrões irregulares de emprego e horários de trabalho, trabalho distante (teletrabalho), locais de trabalho móveis e o aumento constante de pequenas empresas e autônomos. Novas tecnologias são introduzidas, novas substâncias e materiais são usados ​​e novas formas de organização do trabalho aparecem. Existe uma pressão para aumentar simultaneamente a produtividade e a qualidade, resultando na necessidade de manter uma forte motivação para o trabalho face ao ritmo crescente das mudanças, e a necessidade de aprender novas práticas e métodos de trabalho cresce a passos largos.

Embora as medidas de combate aos riscos ocupacionais tradicionais tenham sido bem-sucedidas, principalmente nos países industrializados, é improvável que esses riscos desapareçam totalmente em um futuro próximo e ainda representem perigo, mesmo para populações menores de trabalhadores. Problemas psicológicos e psicossociais estão se tornando riscos ocupacionais dominantes. A globalização da economia mundial, a regionalização e o crescimento das economias e empresas multinacionais estão criando uma força de trabalho internacionalmente móvel e resultando na exportação de riscos ocupacionais para áreas nas quais os regulamentos e restrições de proteção são fracos ou inexistentes.

Em resposta a essas tendências, a Segunda Reunião dos Centros Colaboradores da OMS em Saúde Ocupacional (a Rede dos 52 Institutos Nacionais de Saúde Ocupacional), realizada em outubro de 1994, desenvolveu a Estratégia Global de Saúde Ocupacional para Todos, com particular relevância para o desenvolvimento futuro da saúde ocupacional prática. No que diz respeito ao desenvolvimento adicional dos serviços de saúde ocupacional, as seguintes questões emergentes terão que ser atendidas no futuro:

  • desenvolvimento universal da saúde ocupacional para todos, a fim de igualar as condições de trabalho e saúde em todas as partes do mundo
  • desenvolver melhores métodos preditivos para avaliar antecipadamente os riscos de exposição à saúde e fornecer critérios de saúde e segurança para planejadores industriais, designers e engenheiros
  • melhorar a integração dos serviços de saúde ocupacional com outros serviços da empresa
  • desenvolver sistemas aprimorados para fornecer serviços de saúde ocupacional a pequenas empresas, trabalhadores agrícolas e autônomos
  • acelerar e melhorar a avaliação dos perigos potenciais introduzidos por novas tecnologias, materiais e substâncias
  • fortalecer as estratégias e metodologias aplicáveis ​​no tratamento dos aspectos psicossociais do trabalho, com atenção especial ao controle dos riscos e prevenção de seus efeitos adversos
  • melhorar a capacidade de prevenir e controlar distúrbios músculo-esqueléticos, lesões por esforço cumulativo e estresse ocupacional
  • aumentar a atenção às necessidades dos trabalhadores idosos e melhorar os métodos para a sua adaptação ao trabalho e a manutenção das capacidades de trabalho
  • desenvolver e melhorar programas para manter as capacidades de trabalho dos desempregados e facilitar a sua reemprego
  • aumentando o número e a competência de profissionais em muitas disciplinas envolvidas em saúde e segurança ocupacional e reconhecendo a necessidade de envolvimento de novas disciplinas como a ciência da organização do trabalho, gestão da qualidade e economia da saúde.

 

Para resumir, os serviços de saúde ocupacional enfrentarão desafios formidáveis ​​durante a próxima década e além, além das pressões econômicas, políticas e sociais inerentes às mudanças nas configurações nacionais e industriais. Eles incluem os problemas de saúde ocupacional relacionados com novas tecnologias de informação e automação, novas substâncias químicas e novas formas de energia física, os riscos de novas biotecnologias, relocalização e transferência internacional de tecnologias perigosas, envelhecimento da força de trabalho, os problemas especiais de tais grupos vulneráveis como os doentes crónicos e deficientes, bem como o desemprego e as deslocalizações forçadas pela procura de emprego, e o aparecimento de novas e até agora desconhecidas doenças que podem afectar a força de trabalho.

Conclusões

As infraestruturas de saúde ocupacional são insuficientemente desenvolvidas para atender às necessidades dos trabalhadores em todas as partes do mundo. A necessidade de serviços eficazes de saúde ocupacional está crescendo em vez de diminuir. Os instrumentos da OIT sobre serviços de saúde ocupacional e as estratégias paralelas da OMS fornecem uma base válida para o desenvolvimento significativo dos serviços de saúde ocupacional e devem ser usados ​​por cada país, pois estabelecem objetivos políticos para garantir a saúde e a segurança dos trabalhadores no país.

Os países em desenvolvimento e recém-industrializados contêm aproximadamente 8 em cada 10 trabalhadores do mundo, e não mais do que 5 a 10% dessa população trabalhadora tem acesso a serviços de saúde ocupacional adequados. Em muitos países industrializados, essa proporção não passa de 20 a 50%. Se tais serviços pudessem ser organizados e prestados a todos os trabalhadores, isso não apenas influenciaria favoravelmente a saúde dos trabalhadores, mas também teria uma influência positiva no bem-estar e na situação econômica dos países, de suas comunidades e de toda a população. Isso também ajudaria a controlar os custos do absenteísmo e invalidez evitáveis ​​e conteria a escalada dos custos com saúde e seguridade social.

Diretrizes internacionais para políticas e programas eficazes de saúde ocupacional estão disponíveis, mas insuficientemente aplicadas nos níveis nacional e local. A colaboração entre os países e as organizações internacionais e entre os próprios países deve ser fomentada para fornecer o apoio financeiro, técnico e profissional necessário para aumentar o acesso aos serviços de saúde ocupacional.

A gama e a quantidade de serviços de saúde ocupacional exigidos por uma empresa variam amplamente, dependendo das condições do país e da comunidade, da natureza da indústria e dos processos e materiais utilizados, bem como das características da força de trabalho. Os serviços preventivos devem receber a mais alta prioridade e um nível aceitável de qualidade deve ser assegurado.

Estão disponíveis vários modelos para organizar os serviços de saúde ocupacional e criar as respetivas infraestruturas. A escolha deve ser determinada pelas características do empreendimento, os recursos disponíveis em termos financeiros, instalações, pessoal qualificado, os tipos de problemas previstos e o que está disponível na comunidade. Mais pesquisas sobre a adequação de vários modelos em diferentes situações são necessárias.

A prestação de serviços de saúde ocupacional de alta qualidade geralmente requer o envolvimento de uma ampla gama de disciplinas de saúde e segurança ocupacional, saúde geral e psicossocial. O serviço ideal é constituído por uma equipa multidisciplinar onde estão representadas várias destas especialidades. No entanto, mesmo esses serviços devem recorrer a fontes externas quando são necessários especialistas pouco utilizados. Para atender à crescente necessidade de tais especialistas, um número adequado deve ser recrutado, treinado e dotado da especialização em saúde ocupacional necessária para a eficácia ideal no mundo do trabalho. A colaboração internacional deve ser incentivada na coleta de informações disponíveis e no desenho de sua aplicação em circunstâncias variadas, e sua disseminação através de redes já estabelecidas amplamente promovida.

As atividades de pesquisa em saúde ocupacional têm sido tradicionalmente focadas em áreas como toxicologia, epidemiologia e diagnóstico e tratamento de problemas de saúde. Mais pesquisas são necessárias sobre a eficácia de vários modelos e mecanismos para a prestação de serviços de saúde ocupacional, sobre sua relação custo-benefício e sua adaptabilidade a diferentes circunstâncias.

Há uma série de metas e objetivos dos serviços de saúde ocupacional, alguns dos quais podem precisar ser reconsiderados devido ao mundo do trabalho em constante mudança. Estes devem ser revistos e revistos pelos organismos internacionais de maior autoridade à luz dos novos e emergentes problemas de saúde e segurança no trabalho e dos novos modos de promover e proteger a saúde dos trabalhadores.

As Convenções e Recomendações de Saúde e Segurança Ocupacional da OIT, as abordagens e normas nelas incorporadas, as estratégias e resoluções da OMS, bem como os programas internacionais de ambas as organizações constituem uma base sólida para o trabalho nacional e ampla cooperação internacional no desenvolvimento e melhoria da saúde ocupacional. serviços e práticas de saúde. Tais instrumentos e sua devida implementação são particularmente necessários em todo o mundo em tempos de mudanças rápidas na vida profissional; na implementação de novas tecnologias; e sob o risco crescente de colocar os objetivos econômicos e materiais de curto prazo acima dos valores de saúde e segurança.

 

Voltar

Sexta-feira, fevereiro 11 2011 20: 05

Serviços e práticas de saúde ocupacional

Infraestruturas, Práticas e Abordagens em Saúde Ocupacional

Embora muito progresso tenha sido feito desde a década de 1980 em direção a uma abordagem abrangente em saúde ocupacional, onde a proteção e promoção da saúde dos trabalhadores são buscadas juntamente com a manutenção e promoção de sua capacidade de trabalho, com ênfase especial no estabelecimento e manutenção de um ambiente seguro e ambiente de trabalho saudável para todos, há muito espaço para discussão sobre a forma como a saúde ocupacional é realmente implementada. A expressão prática de saúde ocupacional é atualmente usado para cobrir todo o espectro de atividades realizadas por empregadores, trabalhadores e suas organizações, designers e arquitetos, fabricantes e fornecedores, legisladores e parlamentares, inspetores de trabalho e saúde, analistas de trabalho e especialistas em organização do trabalho, organizações de padronização, universidades e instituições de pesquisa proteger a saúde e promover a segurança e a saúde no trabalho.

A expressão prática de saúde ocupacional inclui a contribuição dos profissionais de saúde ocupacional, mas não se limita à sua prática de saúde ocupacional.

A confusão geralmente ocorre porque o termo serviços de saúde ocupacional pode ser usado para denotar:

  • a provisão de serviços de saúde ocupacional (ou seja, a contribuição dos profissionais de saúde ocupacional para a segurança e saúde ocupacional)
  • os arranjos organizacionais institucionalizados para fornecer tais serviços (ou seja, o serviços de saúde ocupacional que fazem parte da infraestrutura de proteção e promoção da saúde do trabalhador).

 

A fim de superar essa dificuldade e várias outras causas comuns de mal-entendidos, a seguinte redação foi usada para o segundo ponto da agenda da Décima Segunda Sessão do Comitê Conjunto OIT/OMS sobre Saúde Ocupacional: “Infraestruturas para a prática de saúde ocupacional: opções e modelos para políticas nacionais, abordagens de atenção primária à saúde, estratégias e programas e funções de serviços de saúde ocupacional” (1995b) com o seguinte entendimento dos termos:

  • prática de saúde ocupacional abrange as atividades de todos aqueles que contribuem para a proteção e promoção da saúde dos trabalhadores e para a melhoria das condições e do ambiente de trabalho; esses termos não devem ser entendidos apenas como a prática dos profissionais de saúde ocupacional.
  • Abordagens de saúde ocupacional incorpora uma série de princípios e abordagens para orientar a ação, como o princípio geral de atenção primária à saúde defendido pela OMS e a melhoria das condições e do ambiente de trabalho defendida pela OIT.
  • Infraestruturas para a prática de saúde ocupacional significa os arranjos organizacionais para implementar uma política nacional e conduzir ações no nível empresarial; as infra-estruturas podem assumir a forma de serviços de saúde ocupacional “institucionalizados” e incluir muitos outros órgãos, como institutos nacionais de segurança e saúde ocupacional.

 

O uso das palavras-chave infraestruturas, prática e se aproxima permite que os vários atores e parceiros na prevenção desempenhem seus papéis individuais em seus respectivos campos de competência e também atuem em conjunto.

Serviços de saúde ocupacional contribuir para o prática de saúde ocupacional, que é intrinsecamente multidisciplinar e intersetorial e envolve outros especialistas dentro e fora da empresa, além de profissionais de saúde e segurança ocupacional, bem como as autoridades governamentais competentes, empregadores, trabalhadores e seus representantes. Funcionalmente, os serviços de saúde ocupacional devem ser considerados como parte das infraestruturas de saúde a nível nacional, bem como das infraestruturas existentes para a implementação da legislação relevante sobre segurança e saúde ocupacional. É uma decisão nacional determinar se tais serviços devem estar sob a supervisão do ministério do trabalho, do ministério da saúde, das instituições de previdência social, de um comitê nacional tripartido ou de outros órgãos.

Há um grande número de modelos de serviços de saúde ocupacional. Um deles conta com o apoio de um grande consenso em nível internacional: o modelo proposto pela Convenção da OIT sobre Serviços de Saúde Ocupacional (nº 161) e Recomendação (nº 171) adotada pela Conferência Internacional do Trabalho em 1985. Os países devem considerar isso modelo como um objetivo para o qual se deve avançar, levando em consideração, é claro, as diferenças locais e a disponibilidade de pessoal especializado e recursos financeiros. Deve ser adotada uma política nacional para desenvolver progressivamente os serviços de saúde ocupacional para todos os trabalhadores, levando em consideração os riscos específicos dos empreendimentos. Tal política deve ser formulada, implementada e revisada periodicamente à luz das condições e práticas nacionais em consulta com as organizações mais representativas de empregadores e trabalhadores. Devem ser elaborados planos que indiquem as providências a serem tomadas quando os serviços de saúde ocupacional não puderem ser imediatamente implantados para todas as empresas.

Cooperação multidisciplinar e colaboração intersetorial: uma perspectiva geral

A OIT e a OMS têm uma definição comum de saúde ocupacional (ver quadro), que foi adotada pelo Comitê Conjunto OIT/OMS sobre Saúde Ocupacional em sua primeira sessão (1950) e revisada em sua décima segunda sessão (1995).

Os governos, em colaboração com as organizações de empregadores e trabalhadores e organizações profissionais interessadas, devem elaborar políticas, programas e planos de ação adequados e apropriados para o desenvolvimento da saúde ocupacional com conteúdo multidisciplinar e cobertura abrangente. Em cada país, o alcance e o conteúdo dos programas devem ser adaptados às necessidades nacionais, devem levar em conta as condições locais e devem ser incorporados aos planos nacionais de desenvolvimento. O Comitê Conjunto OIT/OMS enfatizou que os princípios incorporados nas Convenções nº 155 e nº 161 da OIT e suas recomendações acompanhantes, bem como as resoluções, diretrizes e abordagens da OMS relacionadas à saúde ocupacional, fornecem um guia universalmente aceito para o design de tais políticas e programas (Comitê Conjunto OIT/OMS sobre Saúde Ocupacional 1992).

 


 

Definição de saúde ocupacional adotada pela Joint
Comitê de Saúde Ocupacional da OIT/OMS (1950)

A saúde ocupacional deve visar a promoção e manutenção do mais alto grau de bem-estar físico, mental e social dos trabalhadores em todas as ocupações; a prevenção entre os trabalhadores de afastamentos da saúde causados ​​por suas condições de trabalho; a proteção dos trabalhadores em seu emprego contra riscos decorrentes de fatores adversos à saúde; a colocação e manutenção do trabalhador em ambiente ocupacional adaptado às suas capacidades fisiológicas e psicológicas e; resumindo: a adaptação do trabalho ao homem e de cada homem ao seu ofício.

O foco principal da saúde ocupacional está em três objetivos distintos: (i) a manutenção e promoção da saúde e capacidade de trabalho dos trabalhadores; (ii) a melhoria do ambiente de trabalho e do trabalho para se tornar propício à segurança e saúde e (iii) desenvolvimento de organizações de trabalho e culturas de trabalho em uma direção que apoie a saúde e a segurança no trabalho e, ao fazê-lo, também promova um clima social positivo e suave operação e pode aumentar a produtividade dos empreendimentos. O conceito de cultura de trabalho pretende, neste contexto, significar um reflexo dos sistemas de valores essenciais adotados pela empresa em questão. Tal cultura se reflete na prática nos sistemas de gestão, política de pessoal, princípios de participação, políticas de treinamento e gestão da qualidade do empreendimento.

 


 

Existem características semelhantes entre a estratégia da OIT para a melhoria das condições e do ambiente de trabalho e o princípio geral de atenção primária à saúde da OMS. Ambos se baseiam em considerações técnicas, éticas e sociais semelhantes e ambos:

  • visam todos os interessados, trabalhadores ou o público
  • definir políticas, estratégias e meios de ação
  • insistir na responsabilidade de cada empregador pela saúde e segurança dos trabalhadores em seu emprego
  • enfatizar a prevenção primária e o controle do risco na fonte
  • dar especial importância à informação, educação para a saúde e formação
  • indicam a necessidade de desenvolver uma prática de saúde ocupacional que seja facilmente acessível a todos e disponível no local de trabalho
  • reconhecer o lugar central da participação, participação da comunidade nos programas de saúde, participação intersetorial e participação dos trabalhadores na melhoria das condições de trabalho e do ambiente de trabalho
  • destacam as interações entre saúde, meio ambiente e desenvolvimento, bem como entre segurança e saúde ocupacional e emprego produtivo.

 

O foco principal da atividade da OIT tem sido o fornecimento de diretrizes internacionais e um quadro legal para o desenvolvimento de políticas e infraestruturas de saúde ocupacional de forma tripartida (incluindo governos, empregadores e trabalhadores) e o apoio prático para ações de melhoria no local de trabalho, enquanto a OMS concentrou-se no fornecimento de bases científicas, metodologias, apoio técnico e no treinamento de saúde e mão-de-obra relacionada para a saúde ocupacional (Comitê Conjunto OIT/OMS sobre Saúde Ocupacional 1992).

cooperação multidisciplinar

Para a OMS, saúde Ocupacional inclui segurança no trabalho. A higiene é conceituada como voltada para a prevenção de doenças enquanto a segurança é pensada como a disciplina que previne lesões corporais decorrentes de acidentes. Para a OIT, segurança e saúde ocupacional é considerada uma disciplina que visa a prevenção de acidentes de trabalho (doenças e acidentes profissionais) e a melhoria das condições de trabalho e do ambiente. Os termos segurança no trabalho, saúde ocupacional, medicina ocupacional, higiene ocupacional e enfermagem do trabalho são usados ​​para reconhecer a contribuição de diferentes profissões (p. bem como comitês de segurança e saúde.

Até certo ponto, segurança no trabalho e prevenção primária estão mais diretamente ligadas à tecnologia utilizada, ao processo de produção e à gestão cotidiana do que saúde Ocupacional, que se concentra mais nas relações entre trabalho e saúde, em particular na vigilância do ambiente de trabalho e da saúde do trabalhador (prevenção secundária), bem como nos fatores humanos e nos aspectos ergonômicos. Além disso, ao nível da empresa, os engenheiros são uma presença necessária e integram a linha de gestão (engenheiros de produção, manutenção, técnicos, etc.), enquanto a saúde e higiene no trabalho exige a intervenção de especialistas da área da saúde que não necessitam de estar presente ao funcionamento da empresa, mas podem ser consultores ou pertencer a um serviço externo de saúde ocupacional.

Quaisquer que sejam os arranjos organizacionais e a terminologia utilizada, o mais importante é que os profissionais de segurança e saúde no trabalho trabalhem em equipe. Eles não precisam necessariamente estar na mesma unidade ou serviço, embora isso possa ser desejável quando apropriado. A ênfase não deve estar na estrutura dos serviços, mas na execução de suas funções no nível empresarial de maneira sólida (do ponto de vista científico, técnico e ético). A ênfase deve estar na cooperação e coordenação na elaboração e implementação de um programa de ação, bem como no desenvolvimento de conceitos unificadores, como “culturas de trabalho” (cultura de segurança, cultura de proteção ao trabalho, cultura corporativa) que conduzam à segurança e saúde no trabalho e “melhoria contínua da qualidade” das condições e do ambiente de trabalho.

Em 1992, o Comitê Conjunto OIT/OMS enfatizou que o escopo da saúde ocupacional é muito amplo (conforme mostrado na tabela 1), abrangendo disciplinas como medicina ocupacional, enfermagem ocupacional, higiene ocupacional, segurança ocupacional, ergonomia, engenharia, toxicologia, meio ambiente higiene, psicologia ocupacional e gestão de pessoal. A colaboração e participação de empregadores e trabalhadores em programas de saúde ocupacional é um pré-requisito essencial para uma prática de saúde ocupacional bem-sucedida.

Tabela 1. Seis princípios e três níveis para uma boa prática de saúde ocupacional

 

Princípios

Níveis

Prevenção

pós-colheita

Adaptação

Promoção

Mitigação

Indivíduos (diversidade)

Prevenção de Acidentes

Higiene industrial

1920s

Medicina industrial

Equipamento de proteção pessoal

1930s

Organização científica do trabalho

análise de trabalho

1950s

Programas de assistência a funcionários

1950s

Compensação de tratamento

1910s

Grupos (grupos expostos, necessidades especiais)

Ambiente de trabalho seguro e saudável

Segurança incorporada

1970s

Medicina Ocupacional

Proteção de máquinas

1940s

Ergonomia incluindo design

1950s

Programas de promoção da saúde do trabalhador

1980s

Planejamento e preparação para emergências

1970s

Sociedade e todos os trabalhadores
(princípio geral dos cuidados de saúde primários)

tecnologias de controle

gestão de saúde ambiental

1970s

Saúde Ambiental

Epidemiologia

Cuidados de saúde preventivos

1960s

Tecnologias apropriadas

proteção do consumidor

1970s

Programas de educação e promoção da saúde

1970s

Curativo

assistência médica
Reabilitação

1920s

Nota: As horas (1910, 1920, etc.) são arbitrárias. As datas são fornecidas apenas para dar uma ideia da escala de tempo para o desenvolvimento progressivo de uma abordagem abrangente em saúde ocupacional. As datas variam de país para país e podem indicar o início ou o pleno desenvolvimento de uma disciplina ou o surgimento de novos termos ou abordagens para uma prática que vem sendo realizada há muitos anos. Esta tabela não pretende delinear as disciplinas exatas envolvidas no processo, mas apresentar de forma concisa suas relações no âmbito de uma abordagem multidisciplinar e cooperação intersetorial, em direção a um ambiente de trabalho seguro e saudável e saúde para todos, com abordagem participativa e o objetivo de novas formas de desenvolvimento que devem ser equitativas para serem sustentáveis.

 

A definição de um objetivo comum é uma das soluções para evitar a armadilha de uma excessiva compartimentalização das disciplinas. Essa compartimentalização das disciplinas pode às vezes ser uma vantagem, pois permite uma análise especializada e aprofundada dos problemas. Muitas vezes pode ser um fator negativo, pois impede o desenvolvimento de uma abordagem multidisciplinar. É preciso desenvolver conceitos unificadores que abram campos de cooperação. A nova definição de saúde ocupacional adotada pelo Comitê Conjunto em 1995 atende a esse propósito.

Às vezes pode haver discussões acaloradas sobre se a saúde ocupacional é uma disciplina em si, ou se faz parte da proteção do trabalho, da saúde ambiental ou da saúde pública. Quando a questão é mais do que acadêmica e envolve decisões como qual organização ou ministério é competente para áreas específicas, o resultado pode ter consequências significativas no que diz respeito à alocação de fundos e distribuição de recursos disponíveis na forma de expertise e equipamentos.

Uma das soluções para tal problema é defender abordagens convergentes baseadas nos mesmos valores com um objetivo comum. A abordagem da OMS de atenção primária à saúde e a abordagem da OIT de melhorar as condições e o ambiente de trabalho podem servir a esse propósito. Com valores comuns de equidade, solidariedade, saúde e justiça social em mente, essas abordagens podem ser traduzidas em estratégias (a estratégia de saúde ocupacional para todos da OMS) e programas (o Programa Internacional da OIT para a Melhoria das Condições de Trabalho e Meio Ambiente), bem como como em planos de ação e atividades implementadas ou realizadas em nível empresarial, nacional e internacional por todos os parceiros na prevenção, proteção e promoção da saúde dos trabalhadores, de forma independente ou conjunta.

Existem outras possibilidades. A International Social Security Association (ISSA) propõe o “conceito de prevenção” como um caminho de ouro para a segurança social para abordar a “segurança mundial” no trabalho e em casa, na estrada e durante o lazer. A Comissão Internacional de Saúde Ocupacional (ICOH) está desenvolvendo uma abordagem de ética em saúde ocupacional e catalisa uma aproximação e fertilização cruzada entre saúde ocupacional e saúde ambiental. Uma tendência semelhante pode ser observada em muitos países onde, por exemplo, associações profissionais agora reúnem especialistas em saúde ocupacional e saúde ambiental.

Colaboração intersetorial

Em 1984, a Conferência Internacional do Trabalho da OIT adotou uma resolução relativa à melhoria das condições e do ambiente de trabalho incorporando o conceito de que a melhoria das condições e do ambiente de trabalho é um elemento essencial para a promoção da justiça social. Sublinhou que a melhoria das condições de trabalho e do ambiente são um contributo positivo para o desenvolvimento nacional e representam uma medida de sucesso de qualquer política económica e social. Ela enunciava três princípios fundamentais:

  • O trabalho deve ocorrer em um ambiente seguro e saudável.
  • As condições de trabalho devem ser compatíveis com o bem-estar dos trabalhadores e a dignidade humana.
  • O trabalho deve oferecer possibilidades reais de realização pessoal, auto-realização e serviço à sociedade.

 

Durante a década de 1980 ocorreu uma mudança do conceito de desenvolvimento para o conceito de “desenvolvimento sustentável”, que inclui “o direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia com a natureza”, conforme indicado no primeiro princípio da Declaração do Rio (Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento—UNCED 1992). O objetivo de um meio ambiente seguro e saudável tornou-se, assim, parte integrante do conceito de desenvolvimento sustentável, o que também implica equilibrar a proteção do meio ambiente com a geração de oportunidades de emprego, melhores meios de subsistência e saúde para todos. Tanto a saúde ambiental quanto a saúde ocupacional contribuem para tornar o desenvolvimento sustentável, equitativo e sólido não apenas do ponto de vista econômico, mas também humano, social e ético. Essa mudança de paradigma é ilustrada na figura 1.

Figura 1. Uma abordagem multidisciplinar para um desenvolvimento sustentável e equitativo

OHS100F1

O objetivo desta figura é ilustrar a interação entre saúde ocupacional e saúde ambiental e sua contribuição de apoio mútuo para um desenvolvimento sustentável. Identifica uma zona que representa a integração dos objectivos económicos e sociais que podem ser alcançados, tendo simultaneamente em conta o ambiente, o emprego e a saúde.

A Comissão de Saúde e Meio Ambiente da OMS reconheceu ainda que “o tipo de desenvolvimento necessário para salvaguardar a saúde e o bem-estar dependerá de muitas condições, incluindo o respeito pelo meio ambiente, enquanto o desenvolvimento sem consideração pelo meio ambiente resultaria inevitavelmente em danos à saúde humana” (OMS 1992). No mesmo sentido, a saúde no trabalho deve ser reconhecida como uma “mais-valia”, ou seja, um contributo positivo para o desenvolvimento nacional e condição da sua sustentabilidade.

De particular importância para o trabalho da OIT e da OMS são a Declaração e o Programa de Ação adotados pela Cúpula Mundial para o Desenvolvimento Social realizada em Copenhague em 1995. A Declaração compromete as nações do mundo a perseguir a meta de um desenvolvimento pleno, produtivo e o emprego livremente escolhido como prioridade básica de suas políticas econômicas e sociais. A Cúpula indicou claramente que o objetivo não deve ser a criação de qualquer tipo de emprego, mas empregos de qualidade que resguardem os direitos e interesses básicos dos trabalhadores. Deixou claro que a criação de empregos de boa qualidade deve incluir medidas para alcançar um ambiente de trabalho saudável e seguro, para eliminar os riscos à saúde ambiental e prover saúde e segurança ocupacional. Esta é uma indicação de que o futuro da saúde ocupacional pode muito bem ser uma parceria ativa na reconciliação de emprego, saúde e meio ambiente para um desenvolvimento equitativo e sustentável.

A abordagem de cuidados primários de saúde enfatiza a igualdade social, acessibilidade e acessibilidade, participação e envolvimento da comunidade, conforme observado pelo Comitê Conjunto OIT/OMS sobre Saúde Ocupacional em 1995. Esses valores morais e éticos básicos são comuns à OIT e à OMS. A abordagem dos cuidados de saúde primários é inovadora porque aplica valores sociais aos cuidados de saúde preventivos e curativos. Esta complementaridade nem sempre foi claramente compreendida; por vezes, a confusão deve-se à interpretação de palavras comuns, o que levou a um certo grau de mal-entendido na discussão dos papéis e atividades reais a serem realizados pela OIT e pela OMS, que são complementares e se apoiam mutuamente.

A atenção primária à saúde pode ser considerada baseada nos princípios de equidade social, autoconfiança e desenvolvimento comunitário. Também pode ser considerada uma estratégia de reorientação dos sistemas de saúde, de forma a promover o envolvimento individual e comunitário e a colaboração entre todos os setores envolvidos com a saúde. Um princípio geral deve ser que os cuidados primários de saúde devem incorporar uma componente de saúde ocupacional e os serviços especializados de saúde ocupacional devem aplicar o princípio geral dos cuidados primários de saúde, independentemente do modelo estrutural em vigor.

Existem muitos parceiros na prevenção, partilhando a filosofia da OIT e da OMS, que devem fornecer os insumos necessários para implementar uma boa prática ocupacional. O Comitê Conjunto OIT/OMS indicou que a OIT e a OMS devem promover uma abordagem inclusiva para a saúde ocupacional em seus países membros. Se tal abordagem for utilizada, a saúde ocupacional pode ser vista como um assunto multidisciplinar e integrado. Nesta perspectiva, as atividades de diferentes organizações e ministérios não serão competitivas ou contraditórias, mas complementares e solidárias, trabalhando para um desenvolvimento equitativo e sustentável. A ênfase deve estar em objetivos comuns, conceitos unificados e valores básicos.

Conforme apontado pelo Comitê Conjunto OIT/OMS em 1995, há a necessidade de desenvolver indicadores de saúde ocupacional para a promoção e monitoramento da progressão em direção à saúde e ao desenvolvimento sustentável. As formas de desenvolvimento que comprometem a saúde não podem reivindicar a qualidade de serem equitativas ou sustentáveis. Indicadores de “sustentabilidade” necessariamente incluem indicadores de saúde, pois a UNCED enfatizou que o compromisso de “proteger e promover a saúde humana” é um princípio fundamental para o desenvolvimento sustentável (Agenda 21, Capítulo 6). A OMS assumiu um papel de liderança no desenvolvimento tanto do conceito quanto do uso de indicadores de saúde ambiental, alguns dos quais dizem respeito à saúde e ao ambiente de trabalho.

Espera-se que a OMS e a OIT desenvolvam indicadores de saúde ocupacional que possam ajudar os países na avaliação, retrospectiva e prospectiva, de sua prática de saúde ocupacional e auxiliá-los no monitoramento do progresso feito em direção aos objetivos estabelecidos pelas políticas nacionais de segurança ocupacional, saúde ocupacional e ambiente de trabalho. O desenvolvimento de tais indicadores com foco nas interações entre trabalho e saúde também pode ajudar os serviços de saúde ocupacional a avaliar e orientar seus programas e suas atividades para melhorar as condições e o ambiente de trabalho (ou seja, monitorar a eficiência e a maneira como realizam suas funções).

Padrões e Orientações

As Convenções e Recomendações da OIT sobre segurança e saúde ocupacional definem os direitos dos trabalhadores e atribuem deveres e responsabilidades às autoridades competentes, aos empregadores e aos trabalhadores no campo da segurança e saúde ocupacional. As Convenções e Recomendações da OIT adotadas pela Conferência Internacional do Trabalho, em seu conjunto, constituem o Código Internacional do Trabalho que define padrões mínimos no campo do trabalho.

A política da OIT sobre saúde e segurança no trabalho está essencialmente contida em duas convenções internacionais e nas recomendações que as acompanham. A Convenção da OIT sobre Segurança e Saúde Ocupacional (No. 155) e sua Recomendação (No. 164), 1981, prevê a adoção de uma política nacional de segurança e saúde ocupacional em nível nacional e descreve as ações necessárias no nível nacional e no nível empresarial para promover a segurança e saúde no trabalho e para melhorar o ambiente de trabalho. A Convenção da OIT sobre Serviços de Saúde Ocupacional (No. 161) e sua Recomendação (No. 171), 1985, prevêem o estabelecimento de serviços de saúde ocupacional que contribuirão para a implementação da política de segurança e saúde ocupacional e desempenharão suas funções no no âmbito da empresa.

Esses instrumentos fornecem uma abordagem abrangente para a saúde ocupacional que inclui prevenção primária, secundária e terciária e é consistente com os princípios gerais da atenção primária à saúde. Eles indicam a maneira pela qual os cuidados de saúde ocupacional devem ser prestados idealmente às populações trabalhadoras e propõem um modelo que canalize para o local de trabalho atividades organizadas que requerem pessoal especializado para catalisar uma interação entre várias disciplinas para promover a cooperação entre todos os parceiros na prevenção . Esses instrumentos também fornecem uma estrutura organizacional em que os profissionais de saúde ocupacional podem fornecer serviços de qualidade com eficiência para garantir a proteção e promoção da saúde dos trabalhadores e contribuir para a saúde das empresas.

Funções

A Convenção nº 161 define serviços de saúde ocupacional como serviços dedicados a funções essencialmente preventivas e responsáveis ​​por aconselhar empregadores, trabalhadores e seus representantes na empresa sobre os requisitos para estabelecer e manter um ambiente de trabalho seguro e saudável que otimize a saúde física e mental em relação ao trabalho e na adaptação do trabalho às capacidades dos trabalhadores, levando em consideração seu estado de saúde física e mental.

A Convenção especifica que os serviços de saúde ocupacional devem incluir as seguintes funções que sejam adequadas e apropriadas aos riscos ocupacionais no local de trabalho:

  • identificação e avaliação dos riscos de perigos para a saúde no local de trabalho
  • vigilância dos factores do ambiente de trabalho e das práticas laborais que possam afectar a saúde dos trabalhadores, incluindo as instalações sanitárias, refeitórios e habitações sempre que essas instalações sejam fornecidas pelo empregador
  • aconselhamento sobre planeamento e organização do trabalho, incluindo a concepção dos locais de trabalho, sobre a escolha, manutenção e estado das máquinas e outros equipamentos e sobre as substâncias utilizadas no trabalho
  • participação no desenvolvimento de programas de melhoria das práticas de trabalho, bem como testes e avaliação de aspectos de saúde de novos equipamentos
  • assessoria em saúde, segurança e higiene ocupacional e em ergonomia e equipamentos de proteção individual e coletivo
  • vigilância da saúde do trabalhador em relação ao trabalho
  • promover a adaptação do trabalho ao trabalhador
  • contribuir para medidas de reabilitação profissional
  • colaborando na informação, formação e educação nas áreas da higiene e saúde no trabalho e ergonomia
  • organização de primeiros socorros e tratamento de emergência
  • participar na análise de acidentes de trabalho e doenças profissionais.

 

A Convenção e Recomendação da OIT são muito flexíveis no que diz respeito às formas de organização dos serviços de saúde ocupacional. O estabelecimento de serviços de saúde ocupacional pode ser feito por leis ou regulamentos, por acordos coletivos ou de qualquer outra forma aprovada pela autoridade apropriada, após consulta às organizações representativas dos empregadores e trabalhadores envolvidos. Os serviços de saúde ocupacional podem ser organizados como um serviço para uma única empresa ou como um serviço comum a várias empresas. Na medida do possível, os serviços de saúde ocupacional devem estar localizados próximos ao local de trabalho ou devem ser organizados para garantir seu funcionamento adequado no local de trabalho. Podem ser organizadas pelas empresas em causa, pelas autoridades públicas ou serviços oficiais, pelas instituições de segurança social, por quaisquer outros organismos autorizados pelas autoridades ou, ainda, pela combinação de qualquer um destes. Isso oferece um grande grau de flexibilidade e, mesmo no mesmo país, vários ou todos esses métodos podem ser usados, de acordo com as condições e práticas locais.

A flexibilidade da Convenção demonstra que o espírito dos instrumentos da OIT sobre serviços de saúde ocupacional é colocar mais ênfase em seus objetivos do que nas regras administrativas para alcançá-los. É importante garantir a saúde ocupacional a todos os trabalhadores, ou pelo menos avançar nesse objetivo. Tal progresso é geralmente alcançável gradualmente, mas é necessário fazer algum progresso para atingir esses objetivos e mobilizar recursos da maneira mais eficiente para esse fim.

Existem vários métodos de financiamento da saúde ocupacional. Em muitos países, a obrigação de estabelecer e manter serviços de saúde ocupacional cabe aos empregadores. Noutros países, fazem parte dos regimes nacionais de saúde ou dos serviços públicos de saúde. Pessoal, financiamento e treinamento de pessoal não são detalhados na Convenção, mas são abordagens nacionais individuais.

Existem muitos exemplos de serviços de saúde ocupacional criados por instituições de segurança social ou financiados por regimes especiais de seguro de trabalhadores. Às vezes, seu financiamento é regido por um acordo acordado entre o ministério do trabalho e o ministério da saúde ou pelas instituições de previdência social. Em alguns países, os sindicatos administram serviços de saúde ocupacional. Existem também acordos especiais em que os fundos são arrecadados dos empregadores por uma instituição central ou órgão tripartido e depois desembolsados ​​para fornecer cuidados de saúde ocupacional ou distribuídos para financiar o funcionamento dos serviços de saúde ocupacional.

As fontes de financiamento dos serviços de saúde ocupacional também podem variar de acordo com suas atividades. Por exemplo, quando exercem atividades curativas, a previdência social pode contribuir para o seu financiamento. Se os serviços de saúde ocupacional participarem de programas de saúde pública e de atividades de promoção da saúde ou de pesquisa, outras fontes de financiamento poderão ser encontradas ou disponibilizadas. O financiamento dependerá não só do modelo estrutural escolhido para organizar os serviços de saúde ocupacional, mas também do valor que a sociedade atribui à proteção e promoção da saúde e da sua vontade de investir na saúde ocupacional e na prevenção dos riscos profissionais.

Condições de Operação

Uma ênfase especial é dada às condições de funcionamento dos serviços de saúde ocupacional. Não é apenas necessário que os serviços de saúde ocupacional executem uma série de tarefas, mas é igualmente importante que essas tarefas sejam executadas de maneira adequada, levando em consideração aspectos técnicos e éticos.

Existem alguns requisitos básicos quanto ao funcionamento dos serviços de saúde ocupacional que estão expressos na Convenção da OIT, e especialmente na Recomendação sobre Serviços de Saúde Ocupacional. Estes podem ser resumidos da seguinte forma:

  • O pessoal dos serviços de medicina do trabalho deve ser qualificado e gozar de plena independência profissional.
  • A confidencialidade deve ser assegurada.
  • Os trabalhadores devem ser informados sobre as atividades dos serviços e sobre os resultados de suas avaliações de saúde.
  • Os empregadores, os trabalhadores e os seus representantes devem participar no funcionamento dos serviços e na conceção dos seus programas.

 

As dimensões éticas da saúde ocupacional são cada vez mais levadas em consideração, e a ênfase é colocada na necessidade de qualidade e avaliação contínua dos serviços de saúde ocupacional. Não é apenas necessário determinar o que deve ser feito, mas também para que finalidade e em que condições. A Recomendação da OIT sobre Serviços de Saúde Ocupacional (n.º 171) introduziu um primeiro conjunto de princípios a este respeito. Orientações adicionais são fornecidas pelo Código Internacional de Ética para Profissionais de Saúde Ocupacional, adotado pela Comissão Internacional de Saúde Ocupacional (ICOH 1992).

Em 1995, o Comitê Conjunto OIT/OMS sobre Saúde Ocupacional enfatizou que “a garantia de qualidade dos serviços deve ser parte integrante do desenvolvimento dos serviços de saúde ocupacional. É antiético prestar um serviço de má qualidade”. O Código de Ética da ICOH prescreve que “os profissionais de saúde ocupacional devem instituir um programa de auditoria profissional de suas próprias atividades, a fim de garantir que os padrões apropriados sejam estabelecidos, que sejam cumpridos e que as deficiências, se houver, sejam detectadas e corrigidas” .

Metas e valores comuns

O papel dos serviços de saúde ocupacional institucionalizados deve ser visto no quadro mais amplo das políticas e infra-estruturas sociais e de saúde. As funções dos serviços de saúde ocupacional contribuem para a implementação das políticas nacionais de segurança ocupacional, saúde ocupacional e meio ambiente de trabalho preconizadas pela Convenção da OIT sobre Segurança e Saúde Ocupacional (nº 155) e Recomendação (nº 164), 1981. Saúde ocupacional os serviços contribuem também para a consecução dos objetivos consagrados na estratégia “Saúde para Todos” preconizada pela OMS como política de equidade, solidariedade e saúde.

Há sinais de uma tendência crescente para mobilizar conhecimentos e recursos no âmbito de acordos de rede e joint ventures. A nível internacional, tal já é o caso da segurança química, onde existe um mecanismo interorganizacional para a segurança química: o Inter-Organization Program for the Sound Management of Chemicals (IOMC). Existem muitos outros campos em que novas formas flexíveis de cooperação internacional entre países e organizações internacionais estão surgindo ou poderiam ser desenvolvidas, como proteção radiológica e segurança biológica.

A formação de redes abre novos campos de cooperação que podem ser adaptados de forma flexível ao tema a ser abordado, como estresse ocupacional, coordenando pesquisas ou atualizando este enciclopédia. A ênfase é colocada nas interações e não mais na compartimentalização vertical das disciplinas. O conceito de liderança dá lugar à parceria ativa. A rede internacional de segurança e saúde no trabalho está se desenvolvendo rapidamente e pode ser desenvolvida com base nas estruturas existentes que podem ser interconectadas. Os papéis da OIT e da OMS podem ser iniciar redes internacionais projetadas para atender às necessidades e demandas de seus constituintes e atingir o objetivo comum de proteger as pessoas no trabalho.

Os valores sociais e éticos acordados pela comunidade internacional estão incorporados nas Convenções e Recomendações da OIT, bem como na política da OMS sobre “Saúde para Todos”. Desde a década de 1980, o conceito de desenvolvimento sustentável emergiu progressivamente e, após a Conferência do Rio e a Cúpula Social de Copenhague, agora leva em consideração as inter-relações entre emprego, saúde e meio ambiente. O objetivo comum de um ambiente de trabalho seguro e saudável para todos reforçará a determinação de todos os envolvidos na segurança e saúde ocupacional para melhor servir a saúde dos trabalhadores e contribuir para um desenvolvimento sustentável e equitativo para todos. Um dos principais desafios na saúde ocupacional pode muito bem ser resolver o conflito entre valores como o direito à saúde e o direito ao trabalho, tanto no nível do indivíduo quanto de todos os trabalhadores, com o objetivo de proteger a saúde e permitir o emprego.

 

Voltar

HISTÓRIA

Na década de 1930, a aplicação na França de certas cláusulas do código do trabalho relativas à higiene ocupacional demonstrou o valor de fornecer aos inspetores do trabalho acesso a médicos consultores.

As leis de 17 de julho de 1937 e 10 de maio de 1946 (artigos L 611-7 e R 611-4) autorizaram o Departamento de Inspeção do Trabalho a ordenar intervenções médicas temporárias. Ao longo do tempo, essas intervenções, originalmente concebidas como intermitentes, evoluíram para atividades contínuas complementares e realizadas simultaneamente à inspeção do trabalho.

A promulgação da lei de 11 de Outubro de 1946 relativa à medicina do trabalho foi logo seguida da criação de um quadro técnico permanente de inspecção médica dos locais de trabalho e dos trabalhadores. O decreto de 16 de janeiro de 1947 estabeleceu o contexto, as tabelas salariais, o estatuto e as funções dos inspetores médicos dos locais de trabalho e dos trabalhadores.

Desde 1947, no entanto, o desenvolvimento técnico nesta área tem sido irregular e esporádico, e o número de inspetores médicos não conseguiu acompanhar o número de tarefas de inspeção; o último também se aplica às inspeções no local de trabalho. Assim, enquanto os departamentos médicos criados ao abrigo da lei de 11 de Outubro de 1946 aumentavam em prevalência e importância, o número de inspectores médicos foi gradualmente reduzido de 44, o número originalmente exigido em 1947, para 21. Estas tendências contraditórias explicam em parte algumas das as críticas que o sistema de medicina do trabalho tem enfrentado.

No entanto, desde 1970, e particularmente desde 1975, tem havido um esforço significativo para a criação de um Departamento de Inspecção Médica do Trabalho capaz de responder às necessidades dos cerca de 6,000 médicos responsáveis ​​por mais de 12 milhões de trabalhadores. Em 1980, os serviços de fiscalização ocupavam 39 cargos remunerados, dos quais 36 foram efetivamente preenchidos. Em 1995, estavam disponíveis 43 vagas. O Plano de Ação Prioritário Nº 12 do VII Plano prevê 45 médicos inspetores; isso elevará os níveis de pessoal aos níveis originalmente previstos em 1947.

Ao mesmo tempo que as autoridades francesas reconheciam a necessidade de estabelecer um departamento de inspeção especializado responsável pela aplicação das diretrizes legislativas e regulamentares relativas à higiene e medicina ocupacional, conclusões idênticas eram tiradas em outros países. Em resposta a esse consenso crescente, a OIT, em colaboração com a OMS, convocou um colóquio internacional sobre a inspeção médica dos locais de trabalho, em Genebra, em 1963. Entre os resultados notáveis ​​do colóquio estão a definição das responsabilidades, deveres e conhecimentos e requisitos de treinamento de inspetores médicos e as técnicas e métodos de inspeção médica.

Organização Geral

O gabinete central do Departamento de Inspecção Médica do Trabalho e do Trabalho está integrado no Departamento de Relações Laborais e depende directamente do Director Regional de Relações Laborais e Inspecção Médica. O Diretor Regional, por sua vez, integra o Conselho Regional do Trabalho e Emprego e se reporta diretamente ao Diretor Regional do Trabalho e Emprego. O número de profissionais e trabalhadores na França em 1995 foram:

  • 12.5 milhões de trabalhadores beneficiados com cobertura geral
  • 6,337 médicos, dos quais 2,500 em tempo integral
  • 4,000 enfermeiros
  • 1,500 departamentos médicos
  • 90% dos trabalhadores são acompanhados por departamentos médicos setoriais.

 

O número de inspetores médicos em cada região depende do número de cargos assalariados de medicina do trabalho naquela região. Em geral, cada inspetor médico regional deve ser responsável por cerca de 300,000 trabalhadores. Esta regra geral está, no entanto, sujeita a modificações em qualquer direção, dependendo do tamanho e da geografia de cada região.

Missão

Embora muitas das suas cláusulas já não sejam relevantes ou tenham caducado, não deixa de ser útil rever as responsabilidades dos inspectores médicos previstas no referido decreto de 16 de Janeiro de 1947.

O médico responsável pelo departamento é responsável, entre outras coisas, pela coordenação de todos os problemas médicos nos vários departamentos do Ministério do Trabalho e Previdência Social. Suas funções podem ser estendidas por decreto.

O Inspetor Médico dos Locais de Trabalho e Trabalhadores irá:

    1. manter, com as Comissões Técnicas das Cooperativas de Crédito da Previdência Social, contato direto e permanente com o Departamento de Inspeção do Trabalho e zelar pela aplicação da legislação relativa à higiene ocupacional e à proteção da saúde do trabalhador
    2. realizar, de forma contínua, atividades destinadas a proteger a saúde do trabalhador no local de trabalho; estas atividades incluirão, entre outras coisas, a supervisão dos Departamentos de Medicina do Trabalho criados por força da lei de 11 de outubro de 1946
    3. supervisionar, em estreita colaboração com os serviços psicotécnicos, os exames médicos destinados a determinar a aptidão para o trabalho dos trabalhadores, bem como reclassificar e encaminhar para centros de reabilitação os trabalhadores temporariamente incapacitados para o trabalho ou portadores de deficiência física
    4. supervisionar, em colaboração com as Comissões Técnicas das Cooperativas de Crédito da Previdência Social, a elaboração, compilação e utilização de estatísticas referentes às características fisiopatológicas da força de trabalho.

           

          O Inspetor Médico do Trabalho comunicará às Comissões Técnicas das Cooperativas de Crédito da Segurança Social as informações de que disponha sobre o risco de doenças e acidentes profissionais nas diversas empresas. A nota de 15 de setembro de 1976 relativa à organização dos Departamentos de Relações Laborais atribui as seguintes competências ao Departamento de Inspeção Médica do Trabalho e do Trabalho:

          • a investigação de aspectos técnicos de medicina do trabalho, patologia, fisiologia do trabalho e ergonomia
          • a investigação de questões relacionadas à proteção da saúde dos trabalhadores e às condições de trabalho
          • a investigação dos aspectos médicos do trabalho
          • o acompanhamento do progresso na medicina, fisiologia e ergonomia
          • a coordenação da coleta regional de informações.

           

          A gestão de inspetores médicos envolve:

          • a coordenação de inspetores médicos regionais
          • o desenvolvimento e aplicação de relatórios, estudos técnicos e pesquisas realizadas regionalmente ou transregionalmente e, em última instância, de grupos de trabalho especializados
          • a organização de reuniões que proporcionem aos membros do Departamento de Inspecção Médica do Trabalho e do Trabalho a oportunidade de confrontar experiências e definir abordagens consistentes para novos problemas
          • a preparação de procedimentos de recrutamento e treinamento para inspetores médicos de locais de trabalho e trabalhadores
          • a educação continuada de todos os inspetores médicos regionais.

           

          Para além destas atividades essenciais, o Departamento de Inspeção Médica do Trabalho e do Trabalho colabora ainda com os departamentos de relações laborais e de recursos humanos em todos os processos que envolvam aspetos médicos do trabalho (especialmente os que envolvam trabalhadores com deficiência, candidatos à formação continuada e candidatos a emprego) e é responsável para gerenciar, coordenar, recrutar e treinar inspetores médicos regionais e garantir sua educação técnica contínua. Finalmente, o escritório central do Departamento também exerce atividades de consultoria e é o representante oficial do governo em assuntos relacionados à medicina do trabalho.

          Os Departamentos centrais ou regionais de Inspecção Médica do Trabalho e do Trabalho do Departamento do Trabalho podem ser chamados a intervir quando outros departamentos governamentais sem serviços de inspecção médica próprios (nomeadamente o Departamento de Saúde e Segurança Social) se deparam com problemas relacionados com a prevenção ou correção de riscos à saúde ocupacional; esses departamentos do Ministério do Trabalho também podem auxiliar no estabelecimento de um departamento de prevenção médica. Exceto nos casos em que o solicitante é outro serviço governamental de fiscalização do trabalho, a função do Departamento costuma limitar-se a uma função consultiva.

          De 7 a 10 de junho de 1994, cerca de 1,500 pessoas compareceram à XIII Jornadas nacionais de medicina do trabalho (23º Congresso Nacional de Medicina do Trabalho) organizado pela Société et l'Institut de médecine du travail et d'ergonomie de Franche-Comté (Sociedade e Instituto de Medicina do Trabalho e Ergonomia de Franche-Comté). Foram discutidos os seguintes assuntos:

          • neurotoxicidade da exposição a solventes de baixo nível
          • saúde e a precariedade da saúde e do trabalho
          • estresse e tensão do trabalho contemporâneo - o papel do médico do trabalho.

           

          O Departamento é o representante do governo em agências ou instituições médico-sociais, científicas e profissionais na área de medicina do trabalho. Estes incluem o Conseil National de l'Ordre des Médecins (Conselho Nacional da Ordem dos Médicos), le Haut Comité d'Études et d'Information contre l'alcoolisme (o Alto Comissariado para Pesquisa e Informação sobre Alcoolismo) e várias instituições universitárias e científicas. Além disso, o Departamento Central de Inspeção Médica do Trabalho e do Trabalho é freqüentemente chamado para apresentar a posição do governo francês sobre questões médicas à Comunidade Econômica Européia, à OMS e à OIT. Os departamentos regionais têm atribuições semelhantes, de acordo com a Circular DRT n.º 18-79, de 6 de julho de 1979, sobre o papel da cooperação entre os inspetores do trabalho e os médicos inspetores dos locais de trabalho na prevenção dos riscos profissionais. A circular identifica as atividades de orientação, informação, supervisão, gestão e intervenção a realizar, quando necessário, em colaboração com os departamentos regionais, departamentais ou locais de inspeção laboral.

          Embora tanto os inspetores do trabalho quanto os inspetores médicos compartilhem objetivos comuns – a prevenção de riscos à saúde ocupacional – suas intervenções específicas podem diferir, dependendo do conhecimento técnico necessário. Outras circunstâncias podem, pelo contrário, exigir a sua colaboração.

          Nova Circular Proposta

          Uma circular em preparação reitera e actualiza as cláusulas da circular de 6 de Julho de 1979. Refira-se que, a 1 de Janeiro de 1995, as Direcções de Formação Profissional assumiram as competências das Direcções Regionais do Trabalho e Emprego. A função, o papel e a missão dos inspetores médicos dos locais de trabalho devem, portanto, ser revistos.

          Em síntese, podemos dizer que, por volta de 1980, os departamentos de inspecção médica tinham, para todos os efeitos, readquirido o papel e as funções originalmente previstas para eles no período 1946-47. O próximo passo mais provável na inspeção médica é aumentar a ênfase na promoção, gestão e pesquisa nos locais de trabalho. Essa evolução, deve-se notar, é paralela à da própria medicina ocupacional. Após um longo período de desenvolvimento e implementação que já pode ser considerado praticamente concluído, a medicina ocupacional deve agora embarcar em uma nova era de melhoria qualitativa e avanço científico.

           

          Voltar

          A cobertura de trabalhadores em pequenas empresas (SSEs) é talvez o desafio mais assustador para os sistemas de prestação de serviços de saúde ocupacional. Na maioria dos países, as ESS compreendem a grande maioria dos empreendimentos comerciais e industriais – chegando a 90% em alguns dos países em desenvolvimento e recém-industrializados – e são encontradas em todos os setores da economia. Eles empregam em média cerca de 40% da força de trabalho nos países industrializados pertencentes à Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico e até 60% da força de trabalho nos países em desenvolvimento e recém-industrializados. Embora seus trabalhadores estejam expostos talvez a uma gama ainda maior de perigos do que seus equivalentes em grandes empresas (Reverente 1992; Hasle et al. 1986), eles geralmente têm pouco ou nenhum acesso a serviços modernos de saúde e segurança ocupacional.

          Definição de empresas de pequena escala

          As empresas são categorizadas como de pequena escala com base em características como o tamanho de seu investimento de capital, o valor de suas receitas anuais ou o número de funcionários. Dependendo do contexto, o número da última categoria varia de um a 500 funcionários. Neste artigo, o termo SSE será aplicado a empresas com 50 empregados ou menos, a definição mais amplamente aceita (ILO 1986).

          As ESS estão ganhando importância nas economias nacionais. Eles são intensivos em empregos, flexíveis na adaptação a situações de mercado em rápida mudança e oferecem oportunidades de emprego para muitos que, de outra forma, estariam desempregados. Seus requisitos de capital geralmente são baixos e eles podem produzir bens e serviços perto do consumidor ou cliente.

          Também apresentam desvantagens. Seu tempo de vida é muitas vezes breve, dificultando o monitoramento de suas atividades e, muitas vezes, suas pequenas margens de lucro são alcançadas apenas às custas de seus trabalhadores (que muitas vezes são também seus proprietários) em termos de horas e intensidade de cargas de trabalho e exposição a riscos ocupacionais. Riscos de saúde.

          A força de trabalho das SSEs

          A força de trabalho das ESS é caracterizada pela sua diversidade. Em muitos casos, inclui o gerente, bem como membros de sua família. As ESS oferecem entrada no mundo do trabalho para jovens e atividades significativas para idosos e trabalhadores redundantes que foram separados de grandes empresas. Como resultado, muitas vezes expõem grupos vulneráveis ​​como crianças, mulheres grávidas e idosos a riscos de saúde ocupacional. Além disso, como muitos SSEs são realizados dentro ou perto de casa, eles frequentemente expõem familiares e vizinhos aos riscos físicos e químicos de seus locais de trabalho e apresentam problemas de saúde pública por meio da contaminação do ar ou da água ou de alimentos cultivados próximo às instalações.

          O nível educacional e o status socioeconômico dos trabalhadores da ESS variam muito, mas geralmente são inferiores às médias de toda a força de trabalho. De particular relevância é o fato de que seus proprietários/gerentes podem ter tido pouca formação em operação e gestão e menos ainda em reconhecimento, prevenção e controle de riscos à saúde ocupacional. Mesmo onde recursos educacionais apropriados são disponibilizados, muitas vezes eles não têm tempo, energia e recursos financeiros para fazer uso deles.

          Riscos ocupacionais em SSEs e o estado de saúde de seus trabalhadores

          Como todos os outros aspectos das ESS, suas condições de trabalho variam amplamente, dependendo da natureza geral da empresa, do tipo de produção, da propriedade e da localização. Em geral, os riscos de saúde e segurança ocupacional são praticamente os mesmos encontrados em grandes empresas, mas, conforme observado acima, as exposições a eles são muitas vezes substancialmente mais altas do que em grandes empresas. Ocasionalmente, porém, as condições de trabalho nas ESS podem ser muito melhores do que em empresas maiores com um tipo de produção semelhante (Paoli 1992).

          Embora poucos estudos tenham sido relatados, não é surpreendente que pesquisas sobre a saúde de trabalhadores em SSEs em países industrializados como Finlândia (Huuskonen e Rantala 1985) e Alemanha (Hauss 1992) tenham revelado uma incidência relativamente alta de problemas de saúde, muitos dos quais estavam associados a uma capacidade reduzida para o trabalho e/ou tinham origem relacionada com o trabalho. Em SSEs em países em desenvolvimento, foi relatada uma prevalência ainda maior de doenças ocupacionais e problemas de saúde relacionados ao trabalho (Reverente 1992).

          Barreiras aos Serviços de Saúde Ocupacional para SSEs

          Existem enormes barreiras estruturais, económicas e psicológicas à prestação de serviços de saúde ocupacional às ESS. Eles incluem o seguinte:

            1. Tradicionalmente, a legislação de segurança e saúde ocupacional na maioria dos países isenta SSEs e geralmente é aplicável apenas às indústrias de manufatura. O “setor informal” (isso incluiria, digamos, os autônomos) e a agricultura não foram cobertos. Mesmo onde a legislação tinha cobertura mais ampla, ela não era aplicável a empresas com pequeno número de funcionários – 500 funcionários era o limite mínimo usual. Recentemente, alguns países (por exemplo, França, Bélgica e países nórdicos) promulgaram legislação exigindo a prestação de serviços de saúde ocupacional para todas as empresas, independentemente do tamanho ou setor da economia (Rantanen 1990).
            2. SSEs, conforme definido para este artigo, são muito pequenos para justificar um serviço de saúde ocupacional na fábrica. Sua grande diversidade quanto ao tipo de indústria e métodos de produção, bem como estilo de organização e operação, aliada ao fato de estarem espalhados por amplas áreas geográficas, dificulta a organização de serviços de saúde ocupacional que atendam a todas as suas necessidades.
            3. As barreiras econômicas são substanciais. Muitas SSEs estão à beira da sobrevivência e simplesmente não podem arcar com quaisquer acréscimos aos seus custos operacionais, embora possam prometer economias significativas no futuro. Além disso, eles podem não ter condições de pagar educação e treinamento em reconhecimento, prevenção e controle de perigos para seus proprietários/gerentes, muito menos para seus funcionários. Alguns países abordaram o problema econômico fornecendo subsídios de agências governamentais ou instituições de seguridade social (Rantanen 1994) ou incluíram serviços de saúde ocupacional em programas que promovem o desenvolvimento econômico e social geral das ESS (Kogi, Phoon e Thurman 1988).
            4. Mesmo quando as restrições financeiras não são inibidoras, muitas vezes há uma relutância entre os proprietários/gerentes de ESS em dedicar o tempo e a energia necessários para adquirir a compreensão básica necessária das relações entre trabalho e saúde. Uma vez adquiridos, no entanto, os SSEs podem ter muito sucesso na aplicação das informações e habilidades em seus locais de trabalho (Niemi e Notkola 1991; Niemi et al. 1991).
            5. As empresas do setor informal e da agricultura familiar raramente são registradas e seus vínculos formais com órgãos oficiais podem ser fracos ou inexistentes. As atividades realizadas como um negócio podem ser difíceis de distinguir daquelas envolvendo o lar privado e a família. Como resultado, pode haver preocupações com a privacidade e resistência a intervenções de “estranhos”. Muitas vezes, as ESS resistem a se envolver em associações comerciais e organizações comunitárias e, talvez, na maioria dos casos, seus funcionários não são membros de sindicatos. Para superar tais barreiras, alguns países têm utilizado organizações de extensão para a distribuição de informações, a criação de oportunidades especiais de treinamento para as ESS por agências oficiais de segurança e saúde ocupacional e a adoção do modelo de atenção primária para a prestação de serviços de saúde ocupacional ( Jeyaratnam 1992).
            6. Muitos SSEs estão localizados em comunidades que fornecem acesso imediato a serviços de emergência e cuidados primários. No entanto, a falta de conhecimento e experiência de médicos e enfermeiros em relação aos riscos ocupacionais e seus efeitos muitas vezes resulta em falha no reconhecimento de doenças ocupacionais e, provavelmente mais importante, perda de oportunidades para instalar as medidas de prevenção e controle necessárias.

                       

                      Instrumentos Internacionais Cobrindo Segurança Ocupacional e Serviços de Saúde

                      Em alguns países, as atividades de segurança e saúde ocupacional estão sob a jurisdição dos ministérios do trabalho e são regulamentadas por uma autoridade especial de segurança e saúde ocupacional; em outros, essa responsabilidade é compartilhada por seus ministérios do trabalho, saúde e/ou assuntos sociais. Em alguns países, como a Itália, os regulamentos que abrangem os serviços de saúde ocupacional estão incorporados na legislação de saúde ou, como na Finlândia, em um ato especial. Nos Estados Unidos e na Inglaterra, a prestação de serviços de saúde ocupacional é voluntária, enquanto na Suécia, entre outros, já foi regulamentada por acordo coletivo.

                      A Convenção da OIT sobre Segurança e Saúde Ocupacional (No. 155) (ILO 1981a) exige que os governos organizem uma política de segurança e saúde ocupacional aplicável a todas as empresas em todos os setores da economia a ser implementada por uma autoridade competente. Esta Convenção estipula as responsabilidades das autoridades, empregadores e trabalhadores e, complementada pela concomitante Recomendação n.º 164, define as principais atividades de segurança e saúde ocupacional de todos os atores relevantes, tanto a nível nacional como local.

                      A OIT as complementou em 1985 com a Convenção Internacional No. 161 e a Recomendação No. 171 sobre Serviços de Saúde Ocupacional. Estes contêm disposições sobre a formulação de políticas, administração, inspeção e colaboração dos serviços de saúde ocupacional, atividades das equipes de segurança e saúde ocupacional, condições de funcionamento e responsabilidades dos empregadores e trabalhadores, além de oferecer diretrizes para a organização dos serviços de saúde ocupacional no nível de a empresa. Embora não especifiquem os SSEs, foram desenvolvidos tendo em mente estes, uma vez que não foram estabelecidos limites de tamanho para os serviços de saúde ocupacional e foi enfatizada a necessária flexibilidade em sua organização.

                      Infelizmente, a ratificação desses instrumentos da OIT tem sido limitada, principalmente nos países em desenvolvimento. Com base na experiência dos países industrializados, é provável que, sem ações especiais e apoio das autoridades governamentais, a implementação dos princípios da OIT não ocorra nas ESS.

                      A OMS tem sido ativa na promoção do desenvolvimento de serviços de saúde ocupacional. O exame dos requisitos legais foi realizado em uma consulta em 1989 (OMS 1989a), e uma série de cerca de 20 documentos técnicos sobre vários aspectos dos serviços de saúde ocupacional foi publicada pela sede da OMS. Em 1985 e novamente em 1992, o Escritório Regional da OMS na Europa realizou e relatou pesquisas de serviços de saúde ocupacional na Europa, enquanto a Organização Pan-Americana da Saúde designou 1992 como um ano especial para a saúde ocupacional, promovendo atividades de saúde ocupacional em geral e realizando um programa especial na América Central e do Sul.

                      A União Européia emitiu 16 diretivas relativas à segurança e saúde ocupacional, a mais importante das quais é a Diretiva 391/1989, que foi chamada de “Diretiva-Quadro” (CEC 1989). Estes contêm disposições para medidas específicas, como exigir que os empregadores organizem avaliações de risco de saúde de diferentes instalações técnicas ou forneçam exames de saúde de trabalhadores expostos a riscos especiais. Eles também cobrem a proteção dos trabalhadores contra riscos físicos, químicos e biológicos, incluindo o manuseio de cargas pesadas e o trabalho em unidades de exibição de vídeo.

                      Embora todos esses instrumentos e esforços internacionais tenham sido desenvolvidos tendo em mente as ESS, o fato é que a maioria de suas provisões são práticas apenas para empresas maiores. Modelos eficazes para organizar um nível semelhante de serviços de saúde ocupacional para SSEs ainda precisam ser desenvolvidos.

                      Organização de Serviços de Saúde Ocupacional para SSEs

                      Conforme observado acima, seu pequeno tamanho, dispersão geográfica e grande variação de tipos e condições de trabalho, aliados a grandes limitações de recursos econômicos e humanos, dificultam a organização eficiente dos serviços de saúde ocupacional para as ESS. Apenas alguns dos vários modelos de prestação de serviços de saúde ocupacional descritos em detalhes neste capítulo são adaptáveis ​​às ESS.

                      Talvez as únicas exceções sejam as SSEs que são unidades operacionais dispersas de grandes empresas. Estes geralmente são regidos por políticas estabelecidas para toda a organização, participam de atividades educacionais e de treinamento em toda a empresa e têm acesso a uma equipe multidisciplinar de especialistas em saúde ocupacional localizada em um serviço central de saúde ocupacional, geralmente baseado na sede da empreendimento. Um fator importante para o sucesso deste modelo é ter todos os custos das atividades de segurança e saúde ocupacional cobertos pela unidade central de saúde ocupacional ou pelo orçamento geral da empresa. Quando, como é cada vez mais comum, os custos são alocados ao orçamento operacional da ESS, pode haver dificuldade em contar com a total colaboração de seu gestor local, cuja atuação pode ser julgada com base na lucratividade daquele empreendimento.

                      Os serviços do grupo organizados em conjunto por várias pequenas ou médias empresas foram implementados com sucesso em vários países europeus - Finlândia, Suécia, Noruega, Dinamarca, Holanda e França. Em alguns outros países, eles foram experimentados, com a ajuda de subsídios governamentais ou fundações privadas, mas não sobreviveram após o término dos subsídios.

                      Uma modificação interessante do modelo de serviço em grupo é o serviço orientado a agências, que presta serviços para um grande número de empresas operando todas no mesmo tipo de indústria, como construção, silvicultura, agricultura, indústria alimentícia e assim por diante. O modelo permite que as unidades de atendimento se especializem nos problemas típicos do ramo e, assim, acumulem alta competência no setor que atendem. Um exemplo famoso desse modelo é o sueco Bygghälsan, que presta serviços para indústrias de construção.

                      Uma exceção notável é o arranjo organizado por um sindicato cujos membros estão empregados em SSEs amplamente dispersas em uma única indústria (por exemplo, trabalhadores da saúde, cortadores de carne, trabalhadores de escritório e trabalhadores do vestuário). Geralmente organizados sob um acordo coletivo, são financiados pelas contribuições dos empregadores, mas geralmente são regidos por um conselho composto por representantes dos empregadores e dos trabalhadores. Alguns operam centros de saúde locais que fornecem uma ampla gama de serviços clínicos primários e especializados não apenas para trabalhadores, mas também para seus dependentes.

                      Em alguns casos, os serviços de saúde ocupacional estão sendo prestados por ambulatórios hospitalares, centros de saúde privados e centros comunitários de atenção primária. Eles tendem a se concentrar no tratamento de lesões e doenças agudas relacionadas ao trabalho e, exceto talvez para exames médicos de rotina, oferecem poucos serviços preventivos. Suas equipes geralmente têm um baixo nível de sofisticação em segurança e saúde ocupacional, e o fato de serem geralmente pagos com base em honorários por serviço não oferece grande incentivo para seu envolvimento na vigilância, prevenção e controle de riscos no local de trabalho.

                      Uma desvantagem particular desses acordos de “serviços externos” é que o cliente ou o relacionamento do cliente com aqueles que os utilizam geralmente impede a participação e colaboração de empregadores e trabalhadores no planejamento e monitoramento desses serviços que são estipulados nas Convenções da OIT e outras convenções internacionais. instrumentos criados para orientar os serviços de segurança e saúde no trabalho.

                      Outra variante é o “modelo previdenciário”, no qual os serviços de saúde ocupacional são prestados pela mesma entidade responsável pelo custeio das indenizações por doenças e lesões ocupacionais. Isso facilita a disponibilidade de recursos para financiar os serviços nos quais, embora se destaquem os serviços curativos e reabilitadores, muitas vezes são priorizados os serviços preventivos.

                      Um extenso estudo realizado na Finlândia (Kalimo et al. 1989), uma das poucas tentativas de avaliar os serviços de saúde ocupacional, mostrou que os centros de saúde municipais e os centros de saúde privados eram os provedores dominantes de serviços de saúde ocupacional para SSEs, seguidos pelo grupos ou centros compartilhados. Quanto menor a empresa, maior a probabilidade de usar o posto municipal de saúde; até 70% das ESS com um a cinco trabalhadores eram atendidas pelos centros de saúde municipais. Achados significativos do estudo incluíram a verificação do valor das visitas ao local de trabalho pelo pessoal dos centros que atendem as ESS para obter conhecimento (1) das condições de trabalho e dos problemas de saúde ocupacional específicos das empresas clientes e (2) da necessidade proporcionar-lhes uma formação especial em segurança e saúde no trabalho antes de iniciarem a prestação dos serviços.

                      Tipos de Atividades para Serviços de Saúde Ocupacional para ESS

                      Os serviços de saúde ocupacional destinados às ESS variam amplamente de acordo com as leis e práticas nacionais, os tipos de trabalho e ambientes de trabalho envolvidos, as características e o estado de saúde dos trabalhadores e a disponibilidade de recursos (tanto em termos da capacidade das ESS de pagar os serviços de saúde ocupacional e a disponibilidade de instalações e profissionais de saúde na localidade). Com base nos instrumentos internacionais citados acima e em seminários e consultas regionais, foi desenvolvida uma lista de atividades para serviços abrangentes de saúde ocupacional (Rantanen 1989; OMS 1989a, 1989b). Uma série de atividades-chave que sempre devem ser encontradas em um programa de serviços de saúde ocupacional e que são relevantes para as ESS podem ser retiradas desses relatórios. Eles incluem por exemplo:

                      Avaliação das necessidades de saúde ocupacional da empresa

                      • análise preliminar das atividades da empresa e identificação dos riscos à saúde e segurança comuns a esses locais de trabalho
                      • inspeção e vigilância do local de trabalho para identificar e quantificar os perigos realmente presentes na empresa em questão
                      • avaliação da extensão dos riscos que apresentam e classificando-os em ordem de urgência e prioridade
                      • repetir a avaliação de perigo sempre que houver mudanças nos métodos de produção, equipamentos e materiais.

                       

                      Atividades de prevenção e controle no local de trabalho

                      • comunicação dos resultados da avaliação aos proprietários/gerentes e aos representantes dos trabalhadores
                      • identificação das medidas de prevenção e controle necessárias e disponíveis, atribuindo-lhes relativa prioridade em termos de urgência e viabilidade
                      • supervisionando sua instalação e implementação
                      • monitoramento de sua eficácia contínua.

                       

                      Atividades preventivas voltadas para os trabalhadores

                      • avaliação e vigilância do estado de saúde dos trabalhadores por pré-colocação, triagem e exames periódicos que podem ser gerais, bem como focados nos efeitos biológicos de riscos específicos aos quais os trabalhadores podem ter sido expostos
                      • adaptação do posto de trabalho, do posto de trabalho e do ambiente de trabalho para promover a saúde e a segurança contínuas dos trabalhadores, com atenção especial a grupos vulneráveis ​​como os muito jovens, os idosos e os portadores de doenças adquiridas e deficiências
                      • fornecer aos trabalhadores educação em saúde e treinamento em práticas de trabalho adequadas
                      • fornecer educação e treinamento para proprietários/gerentes e supervisores que irão inculcar a conscientização sobre as necessidades de saúde dos trabalhadores e a motivação para iniciar medidas apropriadas de prevenção e controle.

                       

                      atividades curativas

                      • fornecer ou providenciar a entrega de serviços diagnósticos, terapêuticos e de reabilitação apropriados para lesões e doenças ocupacionais
                      • fornecer ou providenciar reabilitação precoce para evitar incapacidade evitável e incentivar e supervisionar ajustes no trabalho que permitirão o retorno precoce ao trabalho
                      • fornecer educação e treinamento (e retreinamento periódico) em primeiros socorros e procedimentos de emergência
                      • estabelecer procedimentos e realizar exercícios de treinamento para lidar com emergências graves, como derramamentos, incêndios, explosões e assim por diante
                      • fornecer ou organizar o envolvimento dos trabalhadores em programas que promovam a saúde geral e o bem-estar.

                       

                      Manutenção de registros e avaliação

                      • fazer e manter registros apropriados sobre acidentes, lesões e doenças ocupacionais e, se possível, sobre exposição; avaliar o estado geral de saúde e segurança da empresa com base nesses dados
                      • monitorar a eficácia das medidas de prevenção e controle de perigos.

                       

                      Implícito na lista acima de atividades principais está a disponibilidade apropriada de aconselhamento e consultas em especialidades de segurança e saúde ocupacional, como higiene ocupacional, ergonomia, fisiologia do trabalho, engenharia de segurança, psiquiatria e psicologia ocupacional e assim por diante. Esses especialistas provavelmente não estão representados no pessoal das instalações que fornecem serviços de saúde ocupacional para as ESS, mas, quando necessário, geralmente podem ser fornecidos por agências governamentais, universidades e recursos de consultoria privados.

                      Devido à sua falta de sofisticação e tempo, os proprietários/gerentes de SSEs são forçados a confiar mais fortemente nos fornecedores de equipamentos de segurança para a eficácia e confiabilidade de seus produtos, e nos fornecedores de produtos químicos e outros materiais de produção para obter informações completas e claras (por exemplo, folhas de dados) sobre os perigos que podem apresentar e como podem ser evitados ou controlados. É importante, portanto, que haja leis e regulamentos nacionais que abranjam rotulagem adequada, qualidade e confiabilidade do produto e o fornecimento de informações de fácil compreensão (no idioma local) sobre o uso e manutenção do equipamento, bem como o uso e armazenamento do produto. Como um backup, as organizações comerciais e comunitárias das quais as SSEs são frequentemente membros devem apresentar informações sobre a prevenção e controle de exposições potencialmente perigosas em seus boletins e outras comunicações.

                      Conclusões

                      Apesar de sua importância para a economia nacional e de seu papel como empregador da maioria da força de trabalho do país, as ESS, os autônomos e a agricultura são setores normalmente mal atendidos pelos serviços de saúde ocupacional. A Convenção No. 161 da OIT e a Recomendação No. 171 fornecem diretrizes relevantes para o desenvolvimento de tais serviços para SSEs e devem ser ratificadas e implementadas por todos os países. Os governos nacionais devem desenvolver os mecanismos legais, administrativos e financeiros necessários para fornecer a todos os locais de trabalho serviços de segurança e saúde ocupacional que efetivamente identifiquem, previnam e controlem as exposições a perigos potenciais e promovam a melhoria e manutenção de níveis ótimos de estado de saúde, bem-estar e capacidade produtiva de todos os trabalhadores. A colaboração nos níveis internacional, regional e sub-regional, como a fornecida pela OIT e pela OMS, deve ser incentivada para promover o intercâmbio de informações e experiências, o desenvolvimento de padrões e diretrizes apropriados e a realização de programas de treinamento e pesquisa relevantes.

                      As ESS podem, em muitos casos, relutar em procurar ativamente os serviços de unidades de saúde ocupacional, embora possam ser os melhores beneficiários de tais serviços. Diante disso, alguns governos e instituições, principalmente nos países nórdicos, adotaram uma nova estratégia iniciando intervenções em larga escala para estabelecimento ou desenvolvimento de serviços. Por exemplo, o Instituto Finlandês de Saúde Ocupacional implementa atualmente um Programa de Ação, para 600 SSEs que empregam 16,000 trabalhadores, visando o desenvolvimento de serviços de saúde ocupacional, manutenção da capacidade de trabalho, prevenção de riscos ambientais na vizinhança e melhoria da competência das SSEs em saúde e segurança.

                       

                      Voltar

                      Todo empregador é contratualmente obrigado a tomar precauções para garantir a segurança de seus funcionários. As normas e regulamentos trabalhistas aos quais se deve prestar atenção são necessariamente tão diversos quanto os perigos presentes no local de trabalho. Por esta razão, a Lei de Segurança Ocupacional (ASiG) da República Federal da Alemanha inclui entre os deveres dos empregadores a obrigação legal de consultar profissionais especializados em questões de segurança ocupacional. Isso significa que o empregador é obrigado a nomear não apenas pessoal especializado (especialmente para soluções técnicas), mas também médicos da empresa para aspectos médicos de segurança no trabalho.

                      A Lei de Segurança Ocupacional está em vigor desde dezembro de 1973. Na época, havia na RFA apenas cerca de 500 médicos formados no que se chamava medicina ocupacional. O sistema do seguro legal de acidentes teve um papel decisivo no desenvolvimento e construção do actual sistema, através do qual a medicina do trabalho se estabeleceu nas empresas na pessoa dos médicos da empresa.

                      Sistema dual de saúde e segurança ocupacional na República Federal da Alemanha

                      Como um dos cinco ramos do seguro social, o sistema legal de seguro de acidentes prioriza a tarefa de tomar todas as medidas apropriadas para garantir a prevenção de acidentes de trabalho e doenças profissionais por meio da detecção e eliminação de riscos à saúde relacionados ao trabalho. A fim de cumprir este mandato legal, os legisladores concederam ampla autoridade a um sistema autônomo de seguro de acidentes para promulgar suas próprias regras e regulamentos, concretizando e moldando as precauções preventivas necessárias. Por esta razão, o sistema legal de seguro contra acidentes assumiu - dentro dos limites da lei pública existente - o papel de determinar quando um empregador é obrigado a contratar um médico da empresa, quais qualificações especializadas em medicina do trabalho o empregador pode exigir da empresa médico e quanto tempo o empregador pode estimar que o médico terá de despender no atendimento de seus empregados.

                      O primeiro esboço deste regulamento de prevenção de acidentes data de 1978. Naquela época, o número de médicos disponíveis com especialização em medicina do trabalho não parecia suficiente para fornecer a todas as empresas o atendimento de médicos corporativos. Assim, foi tomada a decisão inicial de estabelecer condições concretas para os negócios maiores. Na época, é verdade, muitas vezes as empresas pertencentes à grande indústria já haviam feito seus próprios arranjos para médicos de empresa, arranjos que já atendiam ou até superavam os requisitos estabelecidos nos regulamentos de prevenção de acidentes.

                      Contratação de um médico da empresa

                      As horas alocadas nas empresas para o cuidado dos empregados - chamadas tempos de atribuição— são estabelecidos pelo sistema legal de seguro de acidentes. O conhecimento de que dispõem as seguradoras sobre os riscos para a saúde existentes nos vários ramos serviu de base ao cálculo dos tempos de atribuição. A classificação das empresas em relação a determinadas seguradoras e a avaliação dos possíveis riscos de saúde por elas assumidos foram, assim, a base para a nomeação de um médico de empresa.

                      Sendo o atendimento prestado pelos médicos da empresa uma medida de segurança no trabalho, o empregador deve arcar com os custos de alocação desses médicos. O número de funcionários dentro de cada uma das diversas áreas de risco multiplicado pelo tempo destinado ao atendimento determina o somatório dos gastos financeiros. O resultado é uma variedade de formas de atendimento, pois pode pagar – dependendo do tamanho da empresa – contratar um médico ou médicos em tempo integral, ou seja, como próprios da empresa, ou em meio período, com serviços prestados de hora em hora. Essa variedade de requisitos levou a uma variedade de formas organizacionais nas quais os serviços médicos ocupacionais são oferecidos.

                      Os deveres de um médico de empresa

                      Em princípio, deve ser feita uma distinção, por razões legais, entre as provisões feitas pelas empresas para cuidar dos empregados e o trabalho feito pelos médicos do sistema público de saúde responsáveis ​​pela assistência médica geral da população.

                      Com o intuito de diferenciar claramente quais os serviços de medicina do trabalho a cargo dos empregadores, que constam da figura 1, a Lei da Segurança do Trabalho já consagrou na lei um catálogo de atribuições dos médicos da empresa. O médico de empresa não está sujeito às ordens da entidade patronal no cumprimento destas tarefas; ainda assim, os médicos da empresa tiveram que lutar contra a imagem de um médico nomeado pelo empregador até os dias atuais.

                      Figura 1. Atribuições dos médicos do trabalho contratados por empresas na Alemanha

                      OHS162T1

                      Uma das atribuições essenciais do médico da empresa é o exame médico ocupacional dos empregados. Este exame pode tornar-se necessário de acordo com as especificidades de uma determinada empresa, se existirem condições de trabalho particulares que levem o médico da empresa a oferecer, por sua própria iniciativa, um exame aos trabalhadores envolvidos. Ele não pode, no entanto, obrigar um funcionário a se deixar examinar por ele, mas deve convencê-lo por meio da confiança.

                      Exames Preventivos Especiais em Medicina do Trabalho

                      Existe, além deste tipo de exame, o check-up preventivo especial, cuja participação do empregado é esperada pelo empregador por motivos legais. Esses exames preventivos especiais terminam com a emissão de atestado médico, no qual o médico legista atesta que, com base no exame realizado, não tem objeções à contratação do empregado no local de trabalho em questão. O empregador pode ceder o empregado apenas uma vez para cada certificado emitido.

                      Exames preventivos especiais em medicina ocupacional são legalmente prescritos se ocorrer exposição a materiais perigosos específicos no local de trabalho ou se atividades perigosas específicas pertencerem à prática de trabalho e tais riscos à saúde não puderem ser excluídos por meio de precauções de segurança ocupacional apropriadas. Somente em circunstâncias excepcionais - como é o caso, por exemplo, dos exames de radioproteção - a exigência legal de realizar um exame é complementada por normas legais sobre o que o médico que realiza o exame deve observar, quais métodos deve aplicar, quais critérios ele deve usar para interpretar o resultado do exame e quais critérios ele deve aplicar para julgar o estado de saúde em relação às atribuições de trabalho.

                      É por isso que em 1972 o associações comerciais, composta por associações comerciais que fornecem o seguro de acidentes para o comércio e a indústria, autorizou uma comissão de especialistas a elaborar recomendações adequadas aos médicos que trabalham na medicina do trabalho. Essas recomendações existem há mais de 20 anos. o associações comerciais As Orientações para os Exames Preventivos Especiais, enumeradas na figura 2, apresentam agora um total de 43 procedimentos de exame para os diversos agravos à saúde que podem ser combatidos, com base no conhecimento atual, com medidas médicas preventivas adequadas para evitar o desenvolvimento de doenças.

                      Figura 2. Informações resumidas sobre serviços externos da Berufgenossenschaften na indústria de construção alemã

                      OHS162T2

                      A associações comerciais deduzir o mandato para disponibilizar tais recomendações de seu dever de tomar todas as medidas adequadas para prevenir o surgimento de doenças profissionais. Estas Diretrizes para Exames Preventivos Especiais são um trabalho padrão no campo da medicina ocupacional. Eles encontram aplicação em todas as esferas de atividade, não apenas em empresas na esfera do comércio e da indústria.

                      Em conexão com o fornecimento de tais recomendações médicas ocupacionais, o associações comerciais também tomou medidas desde o início para garantir que, nas empresas que não tivessem seu próprio médico, o empregador fosse obrigado a providenciar esses exames preventivos. Sujeito a certos requisitos básicos relacionados principalmente com o conhecimento especializado do médico, mas também com as facilidades disponíveis em sua prática, mesmo os médicos sem experiência em medicina do trabalho podem adquirir autoridade para oferecer às empresas seus serviços na realização de exames preventivos, dependente de uma política administrada pelo associações comerciais. Esta foi a pré-condição para a disponibilidade atual do total de 13,000 médicos autorizados na Alemanha que realizam os 3.8 milhões de exames preventivos realizados anualmente.

                      Foi a oferta de um número suficiente de médicos que também tornou possível legalmente exigir que os empregadores iniciassem esses exames preventivos especiais com total independência da questão de a empresa contratar ou não um médico preparado para fazer esses exames. Desta forma, tornou-se possível utilizar o sistema de seguro obrigatório de acidentes para garantir a aplicação de algumas medidas de protecção da saúde no trabalho, mesmo ao nível das pequenas empresas. As normas legais pertinentes podem ser encontradas na Portaria sobre Substâncias Perigosas e, de forma abrangente, no regulamento de prevenção de acidentes, que regula os direitos e deveres do empregador e do empregado examinado e a função do médico licenciado.

                      Atendimento Prestado por Médicos da Empresa

                      As estatísticas divulgadas anualmente pelo Conselho Federal de Médicos (Associação Médica Federal) mostram que, para o ano de 1994, mais de 11,500 médicos preencheram os requisitos, sob a forma de conhecimentos especializados em medicina industrial, para serem médicos de empresa (ver tabela 1). Na República Federal da Alemanha, a organização Standesvertretung A representação da profissão médica regula autonomamente quais as qualificações que os médicos devem cumprir no que diz respeito ao estudo e posterior desenvolvimento profissional antes de poderem exercer a profissão de médico numa determinada área médica.

                      Tabela 1. Médicos com conhecimento especializado em medicina do trabalho

                       

                      Sessão*

                      Percentagem*

                      Designação de campo “medicina do trabalho”

                      3,776

                      31.4

                      Designação adicional “medicina corporativa”

                      5,732

                      47.6

                      Conhecimento especializado em medicina do trabalho
                      de acordo com outras qualificações

                      2,526

                      21.0

                      Total

                      12,034

                      100

                      * Em 31 de dezembro de 1995.

                      A satisfação destes pré-requisitos para o exercício da actividade de médico de empresa representa ou a obtenção da denominação de domínio “medicina do trabalho” ou da denominação acessória “medicina empresarial” - ou seja, quatro anos de estudos aprofundados após a licença para exercer a profissão exercer a actividade exclusivamente como médico do trabalho, ou três anos de estudo complementar, findos os quais a actividade de médico de empresa só é permitida na medida em que esteja relacionada com a actividade médica noutra área (por exemplo, como internista). Os médicos tendem a preferir a segunda variante. Isso significa, no entanto, que eles próprios veem a ênfase principal de seu trabalho profissional como médicos em um campo clássico de atividade médica, não na prática médica ocupacional.

                      Para esses médicos, a medicina do trabalho tem o significado de fonte auxiliar de renda. Isso explica, ao mesmo tempo, porque o elemento médico do exame médico continua a dominar o exercício prático da profissão de médico de empresa, embora o próprio legislador e o sistema legal de seguro de acidentes enfatizem a inspeção de empresas e os conselhos médicos dados a empregadores e empregados .

                      Além disso, ainda existe um grupo de médicos que, tendo adquirido conhecimentos especializados em medicina do trabalho em anos anteriores, cumpriam diferentes requisitos na época. De particular importância a este respeito são as normas que os médicos da ex-República Democrática Alemã eram obrigados a cumprir para poderem exercer a profissão de médicos de empresa.

                      Organização do Atendimento Prestado pelos Médicos da Empresa

                      Em princípio, cabe ao empregador escolher livremente um médico de empresa para a empresa de entre os que prestam serviços de medicina do trabalho. Uma vez que esta oferta ainda não estava disponível após o estabelecimento, no início dos anos 1970, das pré-condições legais relevantes, o sistema legal de seguro de acidentes tomou a iniciativa de regular a economia de mercado de oferta e demanda.

                      A associações comerciais da construção civil instituíram seus próprios serviços de medicina do trabalho, contratando médicos com conhecimento especializado em medicina do trabalho em contratos de prestação de assistência, como médicos de empresa, às empresas a eles filiadas. Por meio de seus estatutos, o associações comerciais providenciaram para que cada uma de suas empresas fosse atendida por seu próprio serviço médico ocupacional. Os custos incorridos foram distribuídos entre todas as empresas através de formas de financiamento adequadas. Um resumo das informações relativas aos serviços médicos ocupacionais externos da associações comerciais da indústria da construção é dada na tabela 2.

                      Tabela 2. Cuidados médicos da empresa prestados por serviços externos de medicina do trabalho, 1994

                       

                      Médicos que prestam cuidados como ocupação principal

                      Médicos que prestam cuidados como ocupação secundária

                      Centros

                      Funcionários cuidados

                      ARGE Bau1

                      221

                       

                      83 celular: 46

                       

                      BAD2

                      485

                      72

                      175 celular: 7

                      1.64 milhões

                      IAS3

                      183

                       

                      58

                      500,000

                      TÜV4

                         

                      72

                       

                      AMD Würzburg5

                      60-70

                       

                      30-35

                       

                      1 ARGE Bau = Comunidade Operária da Berufgenossenschaften das Associações Comerciais da Indústria da Construção.
                      2 TAM = Serviço de Medicina do Trabalho do Berufgenossenschaften.
                      3 IAS = Instituto de Medicina do Trabalho e Social.
                      4 TÜV = Associação de Controle Técnico.
                      5 AMD Würzburg = Serviço Médico Ocupacional do Berufgenossenschaften.

                       

                      A associações comerciais para a indústria marítima e para a navegação nacional também fundaram seus próprios serviços médicos ocupacionais para seus negócios. É uma característica de todos eles que as idiossincrasias dos negócios em seu ramo - empresas não estacionárias com requisitos profissionais especiais - foram um fator decisivo para que eles tomassem a iniciativa de deixar claro para suas empresas a necessidade de médicos de empresa.

                      Considerações semelhantes ocasionaram o restante associações comerciais se unirem em confederação para fundar o Serviço de Medicina do Trabalho da associações comerciais (MAU). Esta organização de serviços, que oferece os seus serviços a todas as empresas do mercado, foi desde cedo viabilizada pela garantia financeira prestada pela associações comerciais estar presente em toda a área da República Federal da Alemanha. Sua ampla abrangência, no que diz respeito à representatividade, visava garantir que mesmo as empresas localizadas nos estados da Federação, ou estados de atividade econômica relativamente fraca, da República Federativa tivessem acesso a um médico da empresa em sua área. Este princípio foi mantido até o presente. O BAD é considerado, entretanto, o maior prestador de serviços de medicina ocupacional. No entanto, é forçada pela economia de mercado a afirmar-se face à concorrência de outros prestadores, nomeadamente no seio dos aglomerados urbanos, mantendo um elevado nível de qualidade naquilo que presta.

                      Os serviços médicos ocupacionais da Associação de Controle Técnico (TÜV) e do Instituto de Medicina Ocupacional e Social (IAS) são o segundo e o terceiro maiores provedores transregionais. Além disso, existem inúmeras empresas menores e ativas regionalmente em todos os Estados Federados da Alemanha.

                      Cooperação com Outros Prestadores de Serviços em Saúde e Segurança Ocupacional

                      A Lei de Segurança do Trabalho, como fundamento legal da assistência prestada às empresas por médicos de empresa, prevê também a supervisão profissional da segurança do trabalho, especialmente para garantir que os aspectos de segurança do trabalho sejam tratados por pessoal treinado em precauções técnicas. As exigências da prática industrial mudaram de tal forma que o conhecimento técnico sobre questões de segurança ocupacional deve agora ser complementado cada vez mais pela familiaridade com questões de toxicologia dos materiais utilizados. Além disso, questões de organização ergonômica das condições de trabalho e dos efeitos fisiológicos dos agentes biológicos desempenham um papel cada vez maior nas avaliações de estresse em um local de trabalho.

                      O conhecimento necessário pode ser reunido apenas através da cooperação interdisciplinar de especialistas na área de saúde e segurança no trabalho. Portanto, o sistema de seguro legal de acidentes apoia particularmente o desenvolvimento de formas de organização que levam em consideração essa cooperação interdisciplinar no estágio organizacional e cria em sua própria estrutura as pré-condições para essa cooperação redesenhando seus departamentos administrativos de maneira adequada. O que antes era chamado de Serviço de Inspeção Técnica do sistema de seguro obrigatório de acidentes torna-se um campo de prevenção, no qual não apenas engenheiros técnicos, mas também químicos, biólogos e, cada vez mais, médicos atuam juntos no desenho de soluções para problemas de segurança do trabalho.

                      Este é um dos pré-requisitos indispensáveis ​​para criar uma base para o tipo de organização de cooperação interdisciplinar - dentro das empresas e entre organizações de serviços de tecnologia de segurança e médicos da empresa - necessária para a solução eficiente dos problemas imediatos de saúde e segurança ocupacional.

                      Além disso, a supervisão no que diz respeito à tecnologia de segurança deve ser avançada, em todas as empresas, tanto quanto a supervisão pelos médicos da empresa. Especialistas em segurança devem ser contratados por empresas sob a mesma base legal - a Lei de Segurança Ocupacional - ou pessoal adequadamente treinado afiliado ao setor deve ser fornecido pelas próprias empresas. Assim como no caso do acompanhamento por médicos da empresa, o regulamento de prevenção de acidentes, Especialistas em Segurança do Trabalho (VBG 122), formulou os requisitos segundo os quais as empresas devem contratar especialistas em segurança. Também no caso da supervisão técnica de segurança das empresas, esses requisitos contemplam todos os cuidados necessários para incorporar cada uma das 2.6 milhões de empresas que atualmente compõem a economia comercial e também as do setor público.

                      Cerca de dois milhões dessas empresas têm menos de 20 funcionários e são classificadas como pequenas indústrias. Com a supervisão total de todas as empresas, ou seja, incluindo as menores e menores empresas, o sistema de seguro legal de acidentes cria para si uma plataforma para o estabelecimento de saúde e segurança ocupacional em todas as áreas.

                       

                      Voltar

                      HISTÓRIA

                      Os serviços de saúde ocupacional nos Estados Unidos sempre foram divididos em função e controle. Até que ponto o governo, em qualquer nível, deve fazer regras que afetem as condições de trabalho tem sido uma questão de contínua controvérsia. Além disso, tem havido uma tensão desconfortável entre os governos estadual e federal sobre quem deve assumir a responsabilidade primária pelos serviços preventivos com base principalmente nas leis que regem a segurança e saúde no local de trabalho. A compensação monetária por lesões e doenças no local de trabalho tem sido principalmente de responsabilidade de companhias de seguros privadas, e a educação em saúde e segurança, com apenas mudanças recentes, foi deixada em grande parte para sindicatos e corporações.

                      Foi no nível estadual que ocorreu o primeiro esforço governamental para regulamentar as condições de trabalho. As leis de segurança e saúde ocupacional começaram a ser promulgadas pelos estados em 1800, quando os níveis crescentes de produção industrial começaram a ser acompanhados por altas taxas de acidentes. A Pensilvânia promulgou a primeira lei de inspeção de minas de carvão em 1869, e Massachusetts foi o primeiro estado a aprovar uma lei de inspeção de fábrica em 1877.

                      Em 1900, os estados mais industrializados tinham algumas leis em vigor regulando alguns riscos no local de trabalho. No início do século XX, Nova York e Wisconsin lideraram o país no desenvolvimento de programas de segurança e saúde ocupacional mais abrangentes.

                      A maioria dos estados adotou leis de compensação do trabalhador obrigando o seguro privado sem culpa entre 1910 e 1920. Alguns estados, como Washington, fornecem um sistema estatal que permite a coleta de dados e o direcionamento de metas de pesquisa. As leis de compensação variavam muito de estado para estado, geralmente não eram bem aplicadas e omitiam muitos trabalhadores, como trabalhadores agrícolas, da cobertura. Apenas trabalhadores ferroviários, portuários e portuários e funcionários federais têm sistemas nacionais de compensação do trabalhador.

                      Nas primeiras décadas do século XX, o papel federal na segurança e saúde ocupacional era amplamente restrito à pesquisa e consulta. Em 1910, o Federal Bureau of Mines foi estabelecido no Departamento do Interior para investigar acidentes; consultar a indústria; realizar pesquisas de segurança e produção; e fornecer treinamento em prevenção de acidentes, primeiros socorros e resgate em minas. O Escritório de Higiene e Saneamento Industrial foi criado no Serviço de Saúde Pública em 1914 para realizar pesquisas e auxiliar os estados na solução de problemas de segurança e saúde ocupacional. Ele estava localizado em Pittsburgh por causa de sua estreita associação com o Bureau of Mines e seu foco em lesões e doenças nas indústrias de mineração e aço.

                      Em 1913, um Departamento de Trabalho separado foi estabelecido; o Bureau of Labor Standards e o Interdepartmental Safety Council foram organizados em 1934. Em 1936, o Departamento do Trabalho começou a assumir um papel regulador sob a Lei Walsh-Healey de Contratos Públicos, que exigia que certos contratados federais atendessem aos padrões mínimos de segurança e saúde. A aplicação desses padrões muitas vezes era realizada pelos estados com graus variados de eficácia, sob acordos de cooperação com o Departamento do Trabalho. Muitos achavam que essa colcha de retalhos de leis estaduais e federais não era eficaz na prevenção de lesões e doenças no local de trabalho.

                      A Era Moderna

                      As primeiras leis federais abrangentes de segurança e saúde ocupacional foram aprovadas em 1969 e 1970. Em novembro de 1968, uma explosão em Farmington, Virgínia Ocidental, matou 78 mineiros, dando impulso às demandas dos mineiros por uma legislação federal mais rígida. Em 1969, foi aprovada a Lei Federal de Saúde e Segurança em Minas de Carvão, que estabeleceu padrões obrigatórios de saúde e segurança para minas de carvão subterrâneas. O Federal Mine Safety and Health Act de 1977 combinou e expandiu o Coal Mine Act de 1969 com outras leis de mineração anteriores e criou a Mine Safety and Health Administration (MSHA) para estabelecer e fazer cumprir os padrões de segurança e saúde para todas as minas nos Estados Unidos.

                      Não foi um único desastre, mas um aumento constante nas taxas de lesões durante a década de 1960 que ajudou a estimular a aprovação da Lei de Saúde e Segurança Ocupacional de 1970. Uma consciência ambiental emergente e uma década de legislação progressiva garantiram a nova lei geral. A lei abrange a maioria dos locais de trabalho nos Estados Unidos. Ele estabeleceu a Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA) no Departamento do Trabalho para definir e fazer cumprir os padrões federais de segurança e saúde no local de trabalho. A lei não foi uma ruptura completa com o passado, pois continha um mecanismo pelo qual os estados poderiam administrar seus próprios programas da OSHA. A Lei também estabeleceu o Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH), no que é hoje o Departamento de Saúde e Serviços Humanos, para realizar pesquisas, treinar profissionais de segurança e saúde e desenvolver padrões recomendados de segurança e saúde.

                      Atualmente, nos Estados Unidos, os serviços de saúde e segurança ocupacional são responsabilidade dividida de diversos setores. Nas grandes empresas, os serviços de tratamento, prevenção e educação são prestados principalmente pelos departamentos médicos corporativos. Em empresas menores, esses serviços geralmente são prestados por hospitais, clínicas ou consultórios médicos.

                      Avaliações médicas toxicológicas e independentes são fornecidas por médicos individuais, bem como por clínicas acadêmicas e do setor público. Finalmente, as entidades governamentais fornecem a aplicação, financiamento de pesquisa, educação e estabelecimento de padrões exigidos pelas leis de saúde e segurança ocupacional.

                      Este sistema complexo é descrito nos seguintes artigos. Drs. Bunn e McCunney, da Mobil Oil Corporation e do Massachusetts Institute of Technology, respectivamente, relatam serviços corporativos. Penny Higgins, RN, BS, da Northwest Community Healthcare em Arlington Heights, Illinois, delineia os programas hospitalares. As atividades clínicas acadêmicas são revisadas por Dean Baker, MD, MPH, Diretor da Universidade da Califórnia, Centro de Irvine para Saúde Ocupacional e Ambiental. A Dra. Linda Rosenstock, Diretora do Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional, e Sharon L. Morris, Diretora Assistente de Divulgação Comunitária do Departamento de Saúde Ambiental da Universidade de Washington, resumem as atividades governamentais nos níveis federal, estadual e local. LaMont Byrd, o Diretor de Saúde e Segurança da International Brotherhood of Teamsters, AFL-CIO, descreve as várias atividades oferecidas aos membros deste sindicato internacional por seu escritório.

                      Essa divisão de responsabilidades na saúde ocupacional muitas vezes leva à sobreposição e, no caso da remuneração dos trabalhadores, a requisitos e serviços inconsistentes. Essa abordagem pluralista é tanto a força quanto a fraqueza do sistema nos Estados Unidos. Ele promove várias abordagens para problemas, mas pode confundir todos, exceto o usuário mais sofisticado. É um sistema que muitas vezes está em fluxo, com o equilíbrio de poder oscilando entre os principais atores - indústria privada, sindicatos e governos estaduais ou federais.

                       

                      Voltar

                      Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA)

                      Finalidade e organização

                      A OSHA foi criada para incentivar empregadores e trabalhadores a reduzir os riscos no local de trabalho e a implementar programas eficazes de segurança e saúde. Isso é feito estabelecendo e aplicando padrões, monitorando o desempenho dos programas estaduais da OSHA, exigindo que os empregadores mantenham registros de lesões e doenças relacionadas ao trabalho, fornecendo treinamento de segurança e saúde para empregadores e funcionários e investigando reclamações de trabalhadores que afirmam ter sido discriminados. contra por relatar riscos de segurança ou saúde.

                      A OSHA é dirigida por um Secretário Adjunto do Trabalho para Segurança e Saúde Ocupacional, que se reporta ao Secretário do Trabalho. A sede da OSHA fica em Washington, DC, com dez escritórios regionais e cerca de 85 escritórios de área. Cerca de metade dos estados administram seus próprios programas estaduais de segurança e saúde, com a OSHA federal responsável pela aplicação em estados sem programas estaduais aprovados. A Lei de Saúde e Segurança Ocupacional também exige que cada agência do governo federal mantenha um programa de segurança e saúde consistente com os padrões da OSHA.

                      Programa e serviços

                      Os padrões formam a base do programa de execução da OSHA, estabelecendo os requisitos que os empregadores devem cumprir para estar em conformidade. Os padrões propostos são publicados no Federal Register com oportunidades para comentários e audiências públicas. Os padrões finais também são publicados no Registro Federal e podem ser contestados em um Tribunal de Apelações dos Estados Unidos.

                      Em áreas onde a OSHA não estabeleceu um padrão, os empregadores são obrigados a seguir a cláusula de dever geral da Lei de Segurança e Saúde Ocupacional, que afirma que cada empregador deve fornecer “um local de trabalho livre de riscos reconhecidos que estão causando ou provavelmente causar a morte ou danos físicos graves aos seus empregados”.

                      A OSHA tem o direito de entrar no local de trabalho para determinar se um empregador está em conformidade com os requisitos da Lei. A OSHA coloca a mais alta prioridade na investigação de situações de perigo iminente, catástrofes e acidentes fatais, reclamações de funcionários e inspeções programadas em indústrias altamente perigosas.

                      Se o empregador recusar a entrada, o inspetor pode ser solicitado a obter um mandado de busca de um juiz distrital ou magistrado dos EUA. Tanto os representantes dos trabalhadores quanto dos empregadores têm o direito de acompanhar os inspetores da OSHA em suas visitas às fábricas. O fiscal emite citações e propõe penalidades para as infrações constatadas durante a fiscalização e estabelece prazo para sua correção.

                      O empregador pode contestar a citação à Comissão de Revisão de Saúde e Segurança Ocupacional, um órgão independente criado para ouvir as contestações às citações da OSHA e propostas de multas. O empregador também pode recorrer de uma decisão desfavorável da Comissão de Revisão a um tribunal federal.

                      A assistência de consulta está disponível gratuitamente para os empregadores que concordam em corrigir quaisquer perigos graves identificados pelo consultor. Pode ser prestada assistência no desenvolvimento de programas de segurança e saúde e no treinamento de trabalhadores. Esse serviço, voltado para empregadores menores, é amplamente financiado pela OSHA e fornecido por agências governamentais estaduais ou universidades.

                      A OSHA tem um programa de proteção voluntária (VPP), que isenta os locais de trabalho de inspeções programadas se atenderem a certos critérios e concordarem em desenvolver seus próprios programas abrangentes de segurança e saúde. Esses locais de trabalho devem ter taxas de acidentes abaixo da média e programas de segurança escritos, disponibilizar registros de lesões e exposições à OSHA e notificar os trabalhadores sobre seus direitos.

                      Recursos

                      Em 1995, o orçamento da OSHA era de US$ 312 milhões, com cerca de 2,300 funcionários. Esses recursos destinam-se a fornecer cobertura para mais de 90 milhões de trabalhadores nos Estados Unidos.

                      Programas Estaduais da OSHA

                      Finalidade e organização

                      A Lei de Saúde e Segurança Ocupacional de 1970 deu aos governos estaduais a opção de regulamentação da segurança e saúde no trabalho.

                      Os estados conduzem seus próprios programas para estabelecer e fazer cumprir os padrões de segurança e saúde, submetendo um plano estadual à OSHA para aprovação. O plano estadual detalha como o estado propõe estabelecer e aplicar padrões que sejam “pelo menos tão eficazes” quanto os da OSHA e assumir jurisdição sobre funcionários públicos estaduais, municipais e outros (não federais) que a própria OSHA não cobre. Nesses estados, o governo federal abre mão de responsabilidades regulatórias diretas e, em vez disso, fornece financiamento parcial para os programas estaduais e monitora as atividades estaduais para conformidade com os padrões nacionais.

                      Programa e serviços

                      Aproximadamente metade dos estados optou por administrar seus próprios programas. Dois outros estados, Nova York e Connecticut, optaram por manter a jurisdição federal em seus estados, mas acrescentar um sistema estadual de segurança e saúde no local de trabalho que oferece proteção aos funcionários públicos.

                      Os programas estaduais da OSHA permitem que os estados adaptem recursos e direcionem esforços regulatórios para atender às necessidades especiais em seus estados. Por exemplo, a exploração madeireira é feita de forma diferente no leste e no oeste dos Estados Unidos. A Carolina do Norte, que administra seu próprio programa OSHA, conseguiu direcionar seus regulamentos de extração de madeira, divulgação, treinamento e programas de fiscalização para atender às necessidades de segurança e saúde dos madeireiros naquele estado.

                      O estado de Washington, que tem uma grande base econômica agrícola, desenvolveu requisitos de segurança agrícola que excedem os mínimos nacionais obrigatórios e traduziu as informações de segurança para o espanhol para atender às necessidades dos trabalhadores agrícolas de língua espanhola.

                      Além de desenvolver programas que atendam às suas necessidades especiais, os estados podem desenvolver programas e promulgar regulamentos para os quais pode não haver apoio suficiente no nível federal. Califórnia, Utah, Vermont e Washington têm restrições quanto à exposição do ambiente de trabalho à fumaça do tabaco; O estado de Washington e o Oregon exigem que cada empregador desenvolva planos de prevenção de doenças e lesões específicos para o local de trabalho; O padrão de Utah para perfuração de petróleo e gás e fabricação de explosivos excede os padrões federais da OSHA.

                      Os programas estaduais têm permissão para realizar programas de consulta que fornecem assistência gratuita aos empregadores na identificação e correção de riscos no local de trabalho. Essas consultas, que são feitas apenas a pedido do empregador, são mantidas separadas dos programas de fiscalização.

                      Recursos

                      Em 1993, os programas administrados pelo estado tinham um total de cerca de 1,170 agentes de fiscalização, de acordo com a Associação do Plano Estadual de Segurança e Saúde Ocupacional. Além disso, contavam com cerca de 300 consultores de segurança e saúde e cerca de 60 coordenadores de treinamento e educação. A maioria desses programas está nas secretarias estaduais de trabalho.

                      Administração de Segurança e Saúde de Minas (MSHA)

                      Finalidade e organização

                      A Mine Safety and Health Administration (MSHA) estabelece e aplica padrões para reduzir lesões, doenças e mortes em minas e operações de processamento mineral, independentemente do tamanho, número de funcionários ou método de extração. A MSHA é obrigada a inspecionar todas as minas subterrâneas pelo menos quatro vezes por ano e todas as minas de superfície pelo menos duas vezes por ano.

                      Além dos programas de fiscalização, a Lei de Segurança e Saúde nas Minas exige que a agência estabeleça regulamentos sobre treinamento em segurança e saúde para mineiros, atualize e fortaleça as leis de segurança e saúde nas minas e incentive a participação dos mineiros e seus representantes nas atividades de segurança. A MSHA também trabalha com os operadores de minas para resolver problemas de segurança e saúde por meio de programas de educação e treinamento e desenvolvimento de controles de engenharia para reduzir lesões.

                      Como a OSHA, a MSHA é dirigida por um Secretário Adjunto do Trabalho. As atividades de segurança e saúde nas minas de carvão são administradas por meio de dez escritórios distritais nas regiões de mineração de carvão. As atividades de segurança e saúde em minas metálicas e não metálicas são administradas por meio de seis escritórios distritais nas áreas de mineração do país.

                      Vários escritórios de pessoal que auxiliam na administração das responsabilidades da agência estão localizados na sede em Arlington, Virgínia. Estes incluem o Escritório de Padrões, Regulamentos e Variações; o Escritório de Avaliações; a diretoria de Suporte Técnico; e o Escritório de Política do Programa. Além disso, o Educational Policy and Development Office supervisiona o programa de treinamento da agência na National Mine Health and Safety Academy em Beckley, West Virginia, que é a maior instituição do mundo inteiramente dedicada ao treinamento em segurança e saúde nas minas.

                      Programa e serviços

                      As mortes e lesões na mineração diminuíram significativamente durante os últimos cem anos. De 1880 a 1910, milhares de mineiros de carvão foram mortos, com 3,242 mortos apenas em 1907. Um grande número de mineiros também foi morto em outros tipos de minas. O número médio de mortes na mineração diminuiu ao longo dos anos para menos de 100 por ano hoje.

                      A MSHA aplica as disposições da lei de minas que exigem que os operadores de mina tenham um plano de treinamento de segurança e saúde aprovado que forneça 40 horas de treinamento básico para novos mineiros subterrâneos, 24 horas de treinamento para novos mineiros de superfície, 8 horas de treinamento anual de atualização para todos os mineiros e treinamento de tarefas relacionadas à segurança para mineiros designados para novos trabalhos. A National Mine Health and Safety Academy oferece uma ampla variedade de cursos de segurança e saúde. A MSHA oferece programas especiais de treinamento para gerentes e trabalhadores em pequenas operações de mineração. Os materiais de treinamento da MSHA, incluindo fitas de vídeo, filmes, publicações e materiais técnicos estão disponíveis na Academia e nos escritórios distritais.

                      Recursos

                      Em 1995, a MSHA tinha um orçamento de cerca de US$ 200 milhões e cerca de 2,500 funcionários. Esses recursos foram responsáveis ​​por garantir a saúde e a segurança de cerca de 113,000 mineradores de carvão e 197,000 mineradores de minas metálicas e não metálicas.

                      Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH)

                      Finalidade e organização

                      O National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) é a agência federal responsável por conduzir pesquisas sobre lesões e doenças ocupacionais e transmitir os padrões recomendados à OSHA. O NIOSH financia programas de educação para profissionais de segurança e saúde ocupacional por meio de Centros de Recursos Educacionais (ERCs) e projetos de treinamento em universidades nos Estados Unidos. De acordo com a Lei Federal de Saúde e Segurança de Minas de 1977, o NIOSH também realiza pesquisas e avaliações de riscos à saúde e recomenda padrões de saúde de minas para a Administração de Saúde e Segurança de Minas.

                      O Diretor do NIOSH se reporta ao Diretor dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças do Departamento de Saúde e Serviços Humanos. A sede do NIOSH fica em Washington, DC, com escritórios administrativos em Atlanta, Geórgia, e laboratórios em Cincinnati, Ohio, e Morgantown, West Virginia.

                      Programa e serviços

                      A pesquisa do NIOSH é conduzida tanto no campo quanto no laboratório. Programas de vigilância identificam a ocorrência de lesões e doenças relacionadas ao trabalho. Isso inclui coleta de dados direcionados a condições específicas, como níveis elevados de chumbo no sangue em adultos ou lesões entre trabalhadores adolescentes. O NIOSH também vincula dados coletados por estados e outras agências federais para tornar cada vez mais viável a obtenção de um quadro nacional dos efeitos dos riscos ocupacionais.

                      A pesquisa de campo é realizada em locais de trabalho nos Estados Unidos. Estes estudos permitem identificar os perigos, avaliar a extensão das exposições e determinar a eficácia das medidas preventivas. O direito de entrada no local de trabalho é essencial para a capacidade do Instituto de conduzir esta pesquisa. Esta pesquisa de campo resulta em artigos na literatura científica, bem como recomendações para prevenir riscos em locais de trabalho específicos.

                      Trabalhando com os departamentos estaduais de saúde, o NIOSH investiga fatalidades no local de trabalho por causas específicas, incluindo eletrocussões, quedas, incidentes relacionados a máquinas e acidentes de entrada em espaços confinados. O NIOSH tem um programa especial para ajudar pequenas empresas desenvolvendo tecnologias baratas e eficazes para controlar exposições perigosas na fonte.

                      O NIOSH realiza pesquisas de laboratório para estudar os riscos no local de trabalho sob condições controladas. Esta pesquisa ajuda o NIOSH a determinar as causas e mecanismos de doenças e lesões no local de trabalho, desenvolvendo ferramentas para medir e monitorar exposições e desenvolver e avaliar tecnologia de controle e equipamentos de proteção individual.

                      Cerca de 17% do orçamento do NIOSH é dedicado ao financiamento de atividades de serviço. Muitas dessas atividades de serviço também são baseadas em pesquisas, como o programa de avaliação de riscos à saúde. O NIOSH realiza centenas de avaliações de riscos à saúde a cada ano, quando solicitado por empregadores, trabalhadores ou agências federais e estaduais. Depois de avaliar o local de trabalho, o NIOSH fornece aos trabalhadores e empregadores recomendações para reduzir as exposições.

                      O NIOSH também responde a solicitações de informações por meio de um número de telefone gratuito. Por meio desse número, os chamadores podem obter informações sobre segurança e saúde ocupacional, solicitar uma avaliação de riscos à saúde ou obter uma publicação do NIOSH. A página inicial do NIOSH na World Wide Web também é uma boa fonte de informações sobre o NIOSH.

                      O NIOSH mantém vários bancos de dados, incluindo o NIOSHTIC, um banco de dados bibliográfico de literatura de segurança e saúde ocupacional, e o Registro de Efeitos Tóxicos de Substâncias Químicas (RTECS), que é um compêndio de dados toxicológicos extraídos da literatura científica que cumpre o mandato do NIOSH para “listar todas as substâncias tóxicas conhecidas e concentrações nas quais a toxicidade é conhecida”.

                      O NIOSH também testa os respiradores e certifica que eles atendem aos padrões nacionais estabelecidos. Isso auxilia os empregadores e trabalhadores na escolha do respirador mais adequado para ambientes perigosos específicos.

                      O NIOSH financia programas em universidades nos Estados Unidos para treinar médicos de medicina ocupacional, enfermeiras de saúde ocupacional, higienistas industriais e profissionais de segurança. O NIOSH também financia programas para introduzir segurança e saúde em escolas de negócios, engenharia e vocacional. Esses programas, que são ERCs multidisciplinares ou bolsas de treinamento de projeto de disciplina única, deram uma contribuição significativa para o desenvolvimento da saúde ocupacional como disciplina e para atender à necessidade de profissionais qualificados de segurança e saúde.

                      Recursos

                      O NIOSH tinha cerca de 900 funcionários e um orçamento de US$ 133 milhões em 1995. O NIOSH é a única agência federal com responsabilidade estatutária de conduzir pesquisas sobre segurança e saúde ocupacional e treinamento profissional.

                      O futuro dos programas de segurança e saúde ocupacional

                      O futuro desses programas federais de segurança e saúde ocupacional nos Estados Unidos é muito duvidoso no clima anti-regulatório da década de 1990. Continua a haver propostas sérias do Congresso que mudariam drasticamente a forma como esses programas operam.

                      Uma proposta exigiria que as agências reguladoras se concentrassem mais na educação e na consulta e menos no estabelecimento e aplicação de padrões. Outro estabeleceria requisitos para análises complexas de custo-benefício que deveriam ser conduzidas antes que os padrões pudessem ser estabelecidos. O NIOSH foi ameaçado de abolição ou fusão com o OSHA. E todas essas agências foram alvo de reduções orçamentárias.

                      Se aprovadas, essas propostas diminuiriam muito o papel federal na condução de pesquisas e na definição e aplicação de padrões uniformes de segurança e saúde ocupacional em todos os Estados Unidos.

                       

                       

                      Voltar

                      Os programas médicos industriais variam em conteúdo e estrutura. É uma concepção comum que os programas médicos industriais são apoiados apenas por grandes corporações e são abrangentes o suficiente para avaliar todos os trabalhadores para todos os possíveis efeitos adversos. No entanto, os programas implementados pelas indústrias variam consideravelmente em seu escopo. Alguns programas oferecem apenas triagem pré-colocação, enquanto outros oferecem vigilância médica total, promoção da saúde e outros serviços especiais. Além disso, as estruturas dos programas diferem entre si, assim como os integrantes das equipes de segurança e saúde. Alguns programas contratam um médico externo para realizar serviços médicos, enquanto outros têm uma unidade de saúde no local composta por médicos e pessoal de enfermagem e apoiada por uma equipe de higienistas industriais, engenheiros, toxicologistas e epidemiologistas. As atribuições e responsabilidades desses membros da equipe de segurança e saúde variam de acordo com o setor e o risco envolvido.

                      Motivação para Programas Médicos Industriais

                      O acompanhamento médico dos trabalhadores é motivado por múltiplos fatores. Em primeiro lugar, existe a preocupação com a segurança e saúde geral do empregado. Em segundo lugar, um benefício monetário resulta de um esforço de vigilância por meio do aumento da produtividade do funcionário e redução dos custos de assistência médica. Em terceiro lugar, a conformidade com a Lei de Saúde e Segurança Ocupacional (OSHA), com os requisitos de igualdade de oportunidades de emprego (EEO), a Lei dos Americanos com Deficiências (ADA) e outras diretrizes estatutárias é obrigatória. Finalmente, há o espectro de litígios civis e criminais se programas adequados não forem estabelecidos ou forem considerados inadequados (McCunney 1995; Bunn 1985).

                      Tipos de serviços e programas de saúde ocupacional

                      Os serviços de saúde ocupacional são determinados por meio de uma avaliação de necessidades. Os fatores que afetam o tipo de serviço de saúde ocupacional a ser utilizado incluem os riscos potenciais das operações normais, a demografia da força de trabalho e o interesse da administração na saúde ocupacional. Os serviços de saúde dependem do tipo de indústria, dos riscos físicos, químicos ou biológicos presentes e dos métodos usados ​​para prevenir a exposição, bem como dos padrões, regulamentos e decisões do governo e da indústria.

                      Tarefas importantes dos serviços gerais de saúde incluem o seguinte:

                      • avaliação da capacidade dos funcionários de desempenhar suas funções de maneira segura (por meio de avaliações pré-colocação)
                      • reconhecimento dos primeiros sintomas e sinais de efeitos na saúde relacionados ao trabalho e intervenção apropriada (exames de vigilância médica podem revelá-los)
                      • prestação de tratamento e reabilitação para lesões e doenças ocupacionais e distúrbios não ocupacionais que afetam o desempenho no trabalho (lesões relacionadas ao trabalho)
                      • promoção e manutenção da saúde dos colaboradores (bem-estar)
                      • avaliação da capacidade de trabalho de uma pessoa à luz de um distúrbio médico crônico (um exame médico independente é necessário em tal caso)
                      • supervisão de políticas e programas relacionados à saúde e segurança no local de trabalho.

                       

                      Localização das Instalações de Serviços de Saúde

                      Instalações no local

                      Atualmente, a prestação de serviços de saúde ocupacional é cada vez mais fornecida por prestadores de serviços e instalações médicas locais. No entanto, os serviços no local formados pelos empregadores eram a abordagem tradicional adotada pela indústria. Em ambientes com um número substancial de funcionários ou certos riscos à saúde, os serviços no local são econômicos e fornecem serviços de alta qualidade. A extensão desses programas varia consideravelmente, variando de suporte de enfermagem em meio período a instalações médicas com equipe completa e médicos em período integral.

                      A necessidade de serviço médico no local geralmente é determinada pela natureza dos negócios da empresa e pelos riscos potenciais à saúde presentes no local de trabalho. Por exemplo, uma empresa que usa benzeno como matéria-prima ou ingrediente em seu processo de fabricação provavelmente precisará de um programa de vigilância médica. Além disso, muitos outros produtos químicos manuseados ou produzidos pela mesma planta podem ser tóxicos. Nessas circunstâncias, pode ser economicamente viável, bem como clinicamente aconselhável, fornecer serviços médicos no local. Alguns serviços no local fornecem apoio de enfermagem ocupacional durante o horário de trabalho diurno e também podem cobrir o segundo e terceiro turnos ou fins de semana.

                      Os serviços presenciais devem ser realizados em áreas da planta compatíveis com a prática da medicina. A instalação médica deve estar localizada centralmente para ser acessível a todos os funcionários. As necessidades de aquecimento e resfriamento devem ser consideradas para permitir o uso mais econômico da instalação. Uma regra prática que tem sido usada na alocação de espaço para uma unidade médica interna é de um metro quadrado por funcionário para unidades que atendem até 1,000 funcionários; este número provavelmente deve incluir um mínimo de 300 pés quadrados. O custo do espaço e várias considerações de projeto relevantes foram descritos por especialistas (McCunney 1995; Felton 1976).

                      Para algumas instalações de fabricação localizadas em áreas rurais ou remotas, os serviços podem ser prestados de forma útil em uma van móvel. Se tal instalação for disponibilizada, as seguintes recomendações podem ser feitas:

                      • A assistência deve ser prestada às empresas cujos serviços médicos internos não estejam totalmente equipados para atender programas de vigilância médica que exijam o uso de equipamentos especiais, como audiômetros, espirômetros ou aparelhos de raio-x.
                      • Programas de vigilância médica devem ser disponibilizados em áreas geográficas remotas, especialmente para garantir uniformidade nos dados coletados para estudos epidemiológicos. Por exemplo, para aumentar a precisão científica de um estudo de distúrbios pulmonares ocupacionais, um espirômetro semelhante deve ser usado e a preparação de radiografias torácicas deve ser realizada de acordo com os padrões internacionais apropriados, como os da Organização Internacional do Trabalho (OIT).
                      • Os dados de diferentes sites devem ser coordenados para entrada em um programa de software de computador.

                       

                      Uma empresa que depende de um serviço de van móvel, no entanto, ainda exigirá um médico para realizar exames pré-colocação e garantir a qualidade dos serviços prestados pela empresa de van móvel.

                      Serviços mais comumente executados nas instalações internas

                      Uma avaliação no local é essencial para determinar o tipo de serviços de saúde apropriados para uma instalação. Os serviços mais comuns prestados no ambiente de saúde ocupacional são avaliações pré-colocação, avaliação de lesões ou doenças relacionadas ao trabalho e exames de vigilância médica.

                      Avaliações pré-colocação

                      O exame de pré-colocação é realizado depois que uma pessoa recebe uma oferta condicional de emprego. A ADA usa pré-emprego para significar que a pessoa será contratada se passar no exame físico.

                      O exame de pré-colocação deve ser realizado com atenção às obrigações do cargo, incluindo requisitos físicos e cognitivos (para sensibilidade de segurança) e exposição potencial a materiais perigosos. O conteúdo do exame depende do trabalho e da avaliação do local de trabalho. Por exemplo, trabalhos que exigem o uso de equipamento de proteção individual, como respirador, geralmente incluem um estudo de função pulmonar (teste de respiração) como parte do exame de pré-colocação. Aqueles envolvidos nas atividades do Departamento de Transportes dos EUA (DOT) geralmente requerem testes urinários de drogas. Para evitar erros no conteúdo ou no contexto do exame, é aconselhável desenvolver protocolos padrão com os quais a empresa e o médico examinador concordem.

                      Após o exame, o médico fornece um opinião escrita sobre a aptidão da pessoa para realizar o trabalho sem risco à saúde ou segurança para si ou para os outros. Em circunstâncias normais, as informações médicas não devem ser divulgadas neste formulário, apenas a adequação ao dever. Esta forma de comunicação pode ser um formulário padrão que deve ser colocado no arquivo do funcionário. Registros médicos específicos, no entanto, permanecem na unidade de saúde e são mantidos apenas por um médico ou enfermeiro.

                      Lesões e doenças relacionadas ao trabalho

                      Atendimento médico imediato e de qualidade é essencial para o funcionário que sofre uma lesão ou doença ocupacional relacionada ao trabalho. A unidade médica ou médico contratado deve tratar os funcionários feridos no trabalho ou que apresentam sintomas relacionados ao trabalho. O serviço médico da empresa tem um papel importante a desempenhar na gestão dos custos com acidentes de trabalho, especialmente na realização de avaliações de regresso ao trabalho após ausência por doença ou lesão. Uma das principais funções do profissional médico é a coordenação dos serviços de reabilitação de tais ausentes para garantir um retorno tranquilo ao trabalho. Os programas de reabilitação mais eficazes utilizam tarefas modificadas ou atribuições alternativas.

                      Uma tarefa importante do consultor médico da empresa é determinar a relação entre a exposição a agentes perigosos e doenças, lesões ou deficiências. Em alguns estados, o funcionário pode escolher seu médico assistente, enquanto em outros estados o empregador pode direcionar ou pelo menos sugerir a avaliação por um médico ou estabelecimento de saúde específico. O empregador geralmente tem o direito de indicar um médico para realizar um exame de “segunda opinião”, especialmente no contexto de uma recuperação prolongada ou distúrbio médico grave.

                      A enfermeira ou o médico aconselha a administração sobre o registro de lesões e doenças ocupacionais de acordo com os requisitos de manutenção de registros da OSHA e precisa estar familiarizado com as diretrizes da OSHA e do Bureau of Labor Statistics (BLS). A administração deve garantir que o prestador de cuidados de saúde esteja totalmente familiarizado com essas diretrizes.

                      Exames de vigilância médica

                      Os exames de vigilância médica são exigidos por alguns padrões da OSHA para exposição a algumas substâncias (amianto, chumbo e assim por diante) e são recomendados como estando de acordo com as boas práticas médicas para exposição a outros, como solventes, metais e poeiras como a sílica. Os empregadores devem disponibilizar esses exames, quando exigidos pelos padrões da OSHA, sem nenhum custo para os funcionários. Embora o empregado possa se recusar a participar de um exame, o empregador pode especificar que o exame é uma condição de emprego.

                      O objetivo da vigilância médica é prevenir doenças relacionadas ao trabalho por meio do reconhecimento precoce de problemas, como exames laboratoriais anormais que podem estar associados aos estágios iniciais de uma doença. O funcionário é então reavaliado em intervalos subsequentes. A consistência no acompanhamento médico das anormalidades descobertas durante os exames de vigilância médica é essencial. Embora a gerência deva ser informada sobre quaisquer distúrbios médicos relacionados ao trabalho, as condições médicas não decorrentes do local de trabalho devem permanecer confidenciais e ser tratadas pelo médico de família. Em todos os casos, os funcionários devem ser informados de seus resultados (McCunney 1995; Bunn 1985, 1995; Felton 1976).

                      Consulta de Gestão

                      Embora o médico e a enfermeira de saúde ocupacional sejam mais prontamente reconhecidos por suas habilidades médicas práticas, eles também podem oferecer conselhos médicos significativos para qualquer empresa. O profissional de saúde pode desenvolver procedimentos e práticas para programas médicos, incluindo promoção da saúde, detecção e treinamento de abuso de substâncias e manutenção de registros médicos.

                      Para instalações com um programa médico interno, é necessária uma política para o gerenciamento de manuseio de resíduos médicos e atividades relacionadas, de acordo com o padrão de patógenos transmitidos pelo sangue da OSHA. O treinamento em relação a certos padrões da OSHA, como o Padrão de Comunicação de Perigos, o Padrão da OSHA sobre Acesso à Exposição e Registros Médicos e os requisitos de manutenção de registros da OSHA, é um ingrediente essencial para um programa bem gerenciado.

                      Os procedimentos de resposta a emergências devem ser desenvolvidos para qualquer instalação que esteja em maior risco de desastre natural ou que manuseie, use ou fabrique materiais potencialmente perigosos, de acordo com a Emenda de Reautorização do Superfund Act (SARA). Os princípios de resposta a emergências médicas e gerenciamento de desastres devem, com a assistência do médico da empresa, ser incorporados a qualquer plano de resposta a emergências do local. Como os procedimentos de emergência variam dependendo do risco, o médico e a enfermeira devem estar preparados para lidar com riscos físicos, como os que ocorrem em um acidente de radiação, e riscos químicos.

                      Promoção de saúde

                      Programas de promoção da saúde e bem-estar para educar as pessoas sobre os efeitos adversos à saúde de certos estilos de vida (como tabagismo, má alimentação e falta de exercícios) estão se tornando mais comuns na indústria. Embora não sejam essenciais para um programa de saúde ocupacional, esses serviços podem ser valiosos para os funcionários.

                      A incorporação de planos de bem-estar e promoção da saúde no programa médico é recomendada sempre que possível. Os objetivos desse programa são uma força de trabalho produtiva e preocupada com a saúde. Os custos com saúde podem ser reduzidos como resultado de iniciativas de promoção da saúde.

                      Programas de Detecção de Abuso de Substâncias

                      Nos últimos anos, especialmente desde a decisão do Departamento de Transportes (DOT) dos EUA sobre testes de drogas (1988), muitas organizações desenvolveram programas de testes de drogas. Nas indústrias químicas e de outras manufaturas, o tipo mais comum de teste urinário de drogas é realizado na avaliação pré-colocação. As decisões do DOT sobre testes de drogas para caminhões interestaduais, operações de transmissão de gás (oleodutos) e indústrias ferroviárias, guarda costeira e aviação são consideravelmente mais amplas e incluem testes periódicos “por justa causa”, isto é, por motivos de suspeita de abuso de substâncias. Os médicos estão envolvidos em programas de triagem de drogas, revisando os resultados para garantir que outras razões além do uso de drogas ilícitas sejam eliminadas para indivíduos com testes positivos. Eles devem garantir a integridade do processo de teste e confirmar qualquer teste positivo com o funcionário antes de liberar os resultados para a administração. Um programa de assistência ao funcionário e uma política uniforme da empresa são essenciais.

                      Registros médicos

                      Os registros médicos são documentos confidenciais que devem ser mantidos por um médico ou enfermeiro do trabalho e armazenados de forma a proteger sua confidencialidade. Alguns registros, como uma carta indicando a aptidão de uma pessoa para o uso do respirador, devem ser mantidos no local em caso de auditoria regulatória. Resultados de testes médicos específicos, no entanto, devem ser excluídos de tais arquivos. O acesso a tais registros deve ser limitado ao profissional de saúde, ao funcionário e a outras pessoas designadas pelo funcionário. Em alguns casos, como a apresentação de uma reivindicação de indenização trabalhista, a confidencialidade é dispensada. O padrão OSHA Access to Employee Exposure and Medical Records (29 CFR 1910.120) exige que os funcionários sejam informados anualmente sobre seu direito de acesso a seus registros médicos e a localização de tais registros.

                      A confidencialidade dos registros médicos deve ser preservada de acordo com as diretrizes legais, éticas e regulamentares. Os funcionários devem ser informados quando as informações médicas forem divulgadas à gerência. Idealmente, um funcionário deverá assinar um formulário médico que autorize a liberação de certas informações médicas, incluindo exames laboratoriais ou material de diagnóstico.

                      O primeiro item do Colégio Americano de Medicina Ocupacional e Ambiental Código de Ética exige que “os médicos devam dar a mais alta prioridade à saúde e à segurança dos indivíduos, tanto no local de trabalho quanto no meio ambiente”. Na prática da medicina ocupacional, tanto o empregador quanto o empregado se beneficiam se os médicos forem imparciais e objetivos e aplicarem princípios médicos, científicos e humanitários sólidos.

                      Programas Internacionais

                      Na medicina ocupacional e ambiental internacional, os médicos que trabalham para as indústrias dos EUA terão não apenas as responsabilidades tradicionais dos médicos ocupacionais e ambientais, mas também terão responsabilidades significativas de gerenciamento clínico. A responsabilidade do departamento médico incluirá o atendimento clínico dos funcionários e comumente dos cônjuges e filhos dos funcionários. Os empregados, a família alargada e a comunidade são muitas vezes incluídos nas responsabilidades clínicas. Além disso, o médico do trabalho também terá responsabilidades por programas ocupacionais relacionados a exposições e riscos no local de trabalho. Programas de vigilância médica, bem como exames pré-emprego e periódicos são componentes críticos do programa.

                      A elaboração de programas apropriados de promoção e prevenção da saúde também é uma grande responsabilidade. Na arena internacional, esses programas de prevenção incluirão questões além das questões de estilo de vida comumente consideradas nos Estados Unidos ou na Europa Ocidental. As doenças infecciosas requerem uma abordagem sistemática à vacinação e quimioprofilaxia necessárias. Os programas educacionais para prevenção devem incluir atenção aos patógenos transmitidos por alimentos, água e sangue e ao saneamento geral. Programas de prevenção de acidentes devem ser considerados devido ao alto risco de mortes relacionadas ao trânsito em muitos países em desenvolvimento. Questões especiais, como evacuação e atendimento de emergência, devem receber um exame minucioso e programas apropriados implementados. A exposição ambiental a perigos químicos, biológicos e físicos costuma aumentar nos países em desenvolvimento. Os programas de prevenção ambiental são baseados em planos de educação em várias etapas com testes biológicos indicados. Os programas clínicos a desenvolver internacionalmente podem incluir gestão de internamento, ambulatório, emergência e cuidados intensivos de expatriados e colaboradores nacionais.

                      Um programa auxiliar para médicos do trabalho internacionais é a medicina do viajante. A segurança de viajantes rotativos de curta duração ou residentes estrangeiros requer um conhecimento especial das vacinas indicadas e outras medidas preventivas em nível global. Além das vacinas recomendadas, é imprescindível o conhecimento dos requisitos médicos para vistos. Muitos países exigem testes sorológicos ou radiografias de tórax, e alguns países podem levar em consideração qualquer condição médica significativa na decisão de emitir um visto de trabalho ou como requisito de residência.

                      A assistência aos funcionários e os programas marítimos e de aviação também são comumente incluídos nas responsabilidades do médico do trabalho internacional. O planejamento de emergência e o fornecimento de medicamentos apropriados e treinamento em seu uso são questões desafiadoras para embarcações marítimas e aéreas. O apoio psicológico de funcionários expatriados e nacionais é frequentemente desejável e/ou necessário. Os programas de assistência ao empregado podem ser estendidos aos expatriados e um suporte especial dado aos familiares. Os programas de drogas e álcool devem ser considerados dentro do contexto social do país em questão (Bunn 1995).

                      Conclusão

                      Em conclusão, o escopo e a organização dos programas corporativos de saúde ocupacional podem variar amplamente. No entanto, se discutidos e implementados adequadamente, esses programas são econômicos, protegem a empresa de responsabilidades legais e promovem a saúde ocupacional e geral da força de trabalho.

                       

                      Voltar

                      Configuração

                      Os empregadores nos Estados Unidos há muito fornecem assistência médica para trabalhadores feridos por meio do uso de médicos particulares, clínicas, instalações de atendimento imediato e departamentos de emergência hospitalar. Esse atendimento, em sua maioria, tem sido episódico e raramente coordenado, pois somente as grandes corporações poderiam fornecer serviços internos de saúde ocupacional.

                      Uma pesquisa recente com 22,457 empresas com menos de 5,000 funcionários em uma área suburbana de Chicago constatou que 93% tinham menos de 50 funcionários e apenas 1% empregava mais de 250 funcionários. Desse grupo, 52% utilizavam um provedor específico para seus acidentes de trabalho, 24% não utilizavam um provedor específico e outros 24% permitiam que o empregado procurasse seu próprio provedor. Apenas 1% das empresas utilizava um diretor médico para prestar atendimento. Essas empresas representam 99% de todos os empregadores na área pesquisada, representando mais de 524,000 funcionários (Sistemas Nacionais de Saúde 1992).

                      Desde a aprovação da lei que criou a Administração de Segurança e Saúde Ocupacional em 1970, e com as mudanças concomitantes no financiamento dos cuidados de saúde que ocorreram desde então, o foco e as prioridades dos cuidados mudaram. Os custos de seguro para acidentes de trabalho e cuidados de saúde em grupo aumentaram de 14 para 26% anualmente de 1988 a 1991 (BNA 1991). Em 1990, os custos de assistência médica representaram a maior parte dos $ 53 bilhões gastos nos Estados Unidos para benefícios de compensação de trabalhadores e, em 1995, os benefícios médicos devem atingir 50% de um preço total de $ 100 bilhões para compensação de trabalhadores custos (Resnick 1992).

                      Os custos do prêmio variam de acordo com o estado devido a diferentes regulamentos de compensação dos trabalhadores. o Carta de Kiplinger Washington de 9 de setembro de 1994 afirma: “Em Montana, os empreiteiros pagam uma média de $ 35.29 em seguro de compensação para cada $ 100 de folha de pagamento. Na Flórida, custa US$ 21.99. Illinois, US$ 19.48. A mesma cobertura custa US$ 5.55 em Indiana ou US$ 9.55 na Carolina do Sul.” Como a necessidade de cuidados econômicos de compensação dos trabalhadores evoluiu, os empregadores estão exigindo mais assistência de seus prestadores de cuidados de saúde.

                      A maior parte desses cuidados médicos é prestada por instalações médicas de propriedade independente. Os empregadores podem contratar esse atendimento, desenvolver um relacionamento com um provedor ou garanti-lo conforme a necessidade. A maior parte dos cuidados é prestada com base no pagamento por serviço, com o início da captação e da contratação direta emergindo na segunda metade da década de 1990.

                      Tipos de serviços

                      Os empregadores exigem universalmente que os serviços de saúde ocupacional incluam tratamento agudo de lesões e doenças, como entorses, distensões, lesões nas costas e nos olhos e lacerações. Estes constituem a maioria dos casos agudos vistos em um programa de saúde ocupacional.

                      Frequentemente, exames são solicitados antes da colocação ou depois de uma oferta de emprego, para determinar a capacidade dos possíveis funcionários de executar com segurança o trabalho necessário sem causar danos a si mesmos ou a outras pessoas. Esses exames devem ser avaliados de forma consistente com a lei dos EUA, conforme consagrado na Lei dos Americanos Portadores de Deficiência. Esta lei proíbe a discriminação na contratação com base em uma deficiência que não impeça um indivíduo de desempenhar as funções essenciais do trabalho em perspectiva. Espera-se ainda que o empregador faça uma “adaptação razoável” a um funcionário deficiente (EEOC e Departamento de Justiça 1991).

                      Embora exigido por lei apenas para certas categorias de trabalho, o teste de abuso de substâncias para drogas e/ou álcool agora é realizado por 98% das empresas da Fortune 200 nos Estados Unidos. Esses testes podem incluir medições de urina, sangue e respiração para níveis de drogas ilícitas ou álcool (BNA 1994).

                      Além disso, um empregador pode exigir serviços especializados, como testes de vigilância médica exigidos pela OSHA – por exemplo, exames de condicionamento do respirador, com base na capacidade física e na função pulmonar do trabalhador, avaliando a capacidade do trabalhador de usar um respirador com segurança; exames de amianto e outros testes de exposição química, adaptados para avaliar o estado de saúde de um indivíduo com relação à possível exposição e efeitos de longo prazo de um determinado agente na saúde geral da pessoa.

                      Para avaliar o estado de saúde dos funcionários-chave, algumas empresas contratam exames físicos para seus executivos. Esses exames são geralmente de natureza preventiva e oferecem uma extensa avaliação de saúde, incluindo testes laboratoriais, raios-x, teste de estresse cardíaco, triagem de câncer e aconselhamento sobre estilo de vida. A frequência desses exames geralmente é baseada na idade e não no tipo de trabalho.

                      Exames periódicos de condicionamento físico são frequentemente contratados pelos municípios para avaliar o estado de saúde de bombeiros e policiais, que geralmente são testados para medir sua capacidade física para lidar com situações fisicamente estressantes e para determinar se ocorreram exposições no local de trabalho.

                      Um empregador também pode contratar serviços de reabilitação, incluindo fisioterapia, endurecimento do trabalho, avaliações ergonômicas no local de trabalho, bem como terapias vocacionais e ocupacionais.

                      Mais recentemente, como um benefício para os funcionários e em um esforço para diminuir os custos com assistência médica, os empregadores estão contratando programas de bem-estar. Essas triagens e programas educacionais orientados para a prevenção buscam avaliar a saúde para que intervenções apropriadas possam ser oferecidas para alterar estilos de vida que contribuem para a doença. Os programas incluem triagem de colesterol, avaliações de risco à saúde, cessação do tabagismo, controle do estresse e educação nutricional.

                      Programas estão sendo desenvolvidos em todas as áreas da saúde para atender às necessidades dos colaboradores. O programa de assistência ao funcionário (EAP) é outro programa recente desenvolvido para fornecer serviços de aconselhamento e encaminhamento a funcionários com abuso de substâncias, problemas emocionais, familiares e/ou financeiros que os empregadores determinaram ter um efeito na capacidade produtiva do funcionário.

                      Um serviço relativamente novo para a saúde ocupacional é o gerenciamento de casos. Este serviço, normalmente prestado por enfermeiros ou pessoal de escritório supervisionado por enfermeiros, reduziu eficazmente os custos ao mesmo tempo que assegura cuidados de qualidade adequados ao trabalhador acidentado. As companhias de seguros há muito fornecem gerenciamento de custos de sinistros (os dólares gastos em casos de compensação dos trabalhadores) no momento em que o trabalhador ferido fica afastado do trabalho por um período de tempo especificado ou quando um determinado valor em dólares é atingido. O gerenciamento de caso é um processo mais proativo e simultâneo que pode ser aplicado desde o primeiro dia da lesão. Os gerentes de caso direcionam o paciente para o nível de cuidado adequado, interagem com o médico assistente para determinar quais tipos de trabalho modificado o paciente é clinicamente capaz de realizar e trabalham com o empregador para garantir que o paciente esteja realizando um trabalho que não piore o quadro clínico. ferimentos. O foco do gerente de caso é retornar o funcionário a um mínimo de serviço modificado o mais rápido possível, bem como identificar médicos de boa qualidade cujos resultados melhor beneficiem o paciente.

                      Os Provedores

                      Os serviços estão disponíveis através de uma variedade de provedores com diferentes graus de especialização. O consultório médico particular pode oferecer exames pré-colocação e testes de abuso de substâncias, bem como acompanhamento de lesões agudas. O consultório médico geralmente exige agendamento e tem horário de atendimento limitado. Se houver recursos, o médico particular também pode oferecer exames executivos ou pode encaminhar o paciente a um hospital próximo para exames laboratoriais, de raio-x e de estresse.

                      A clínica industrial geralmente oferece cuidados agudos de lesões (incluindo cuidados de acompanhamento), exames pré-colocação e testes de abuso de substâncias. Eles geralmente têm recursos de raio-x e laboratório e podem ter médicos com experiência em avaliar o local de trabalho. Novamente, suas horas são geralmente limitadas ao horário comercial, de modo que os empregadores com operações de segundo e terceiro turnos podem precisar utilizar um departamento de emergência durante a noite e fins de semana. A clínica industrial raramente atende o paciente particular e geralmente é vista como o “médico da empresa”, uma vez que os arranjos são geralmente feitos para cobrar diretamente do empregador ou da seguradora da empresa.

                      As instalações de cuidados imediatos são outro local de entrega alternativo. Essas instalações são provedores de atendimento médico geral e não exigem agendamento. Essas instalações geralmente são equipadas com recursos de raio-x e laboratoriais e médicos com experiência em medicina de emergência, medicina interna ou prática familiar. O tipo de cliente varia desde o paciente pediátrico até o adulto com dor de garganta. Além do tratamento de lesões agudas e acompanhamento menor de funcionários feridos, essas instalações podem realizar exames físicos pré-colocação e testes de abuso de substâncias. As instalações que desenvolveram um componente de saúde ocupacional geralmente fornecem exames periódicos e exames exigidos pela OSHA e podem ter relações contratuais com fornecedores adicionais para serviços que eles próprios não oferecem.

                      A sala de emergência do hospital é muitas vezes o local de escolha para o tratamento de lesões agudas e geralmente tem sido capaz de fazer pouco mais em termos de serviços de saúde ocupacional. Isso tem acontecido, embora o hospital tenha recursos para fornecer a maioria dos serviços necessários, exceto aqueles oferecidos por médicos com experiência em medicina do trabalho. No entanto, um departamento de emergência por si só carece do atendimento gerenciado e da experiência de retorno ao trabalho que agora é exigida pela indústria.

                      Programas hospitalares

                      As administrações hospitalares tornaram-se conscientes de que não apenas têm os recursos e a tecnologia disponíveis, mas também que a compensação dos trabalhadores foi um dos últimos programas de “seguro” que pagariam taxas pelo serviço, aumentando assim as receitas prejudicadas pelo desconto de acordos feitos com o seguro de assistência gerenciada. empresas como HMOs e PPOs. Essas empresas de assistência gerenciada, bem como os programas Medicare e Medicaid financiados pelo governo federal e estadual para assistência médica geral, exigiram estadias mais curtas e impuseram um sistema de pagamento baseado em “agrupamento relacionado ao diagnóstico” (DRG). Esses esquemas forçaram os hospitais a reduzir custos, buscando uma melhor coordenação dos cuidados e novos produtos geradores de receita. Surgiram temores de que os custos seriam transferidos dos cuidados gerenciados de saúde em grupo para a compensação dos trabalhadores; em muitos casos, esses temores eram bem fundamentados, com custos para tratar uma lesão nas costas sob a compensação dos trabalhadores duas a três vezes o custo dos planos de saúde em grupo. Um estudo do Departamento de Trabalho e Indústria de Minnesota de 1990 relatou que os custos de tratamento para entorses e distensões foram 1.95 vezes maiores, e aqueles para lesões nas costas 2.3 vezes maiores, sob a remuneração dos trabalhadores do que sob planos de seguro de saúde em grupo (Zaldman 1990).

                      Vários modelos diferentes de parto hospitalar evoluíram. Estes incluem a clínica de propriedade do hospital (no campus ou fora), o departamento de emergência, o “rápido” (departamento de emergência não aguda) e serviços de saúde ocupacional gerenciados administrativamente. A American Hospital Association relatou que a Ryan Associates e a Occupational Health Research estudaram 119 programas de saúde ocupacional nos Estados Unidos (Newkirk 1993). Eles descobriram que:

                      • 25.2% eram baseados no departamento de emergência do hospital
                      • 24.4% eram baseados em departamentos não emergenciais do hospital
                      • 28.6% eram clínicas autônomas de hospitais
                      • 10.9% eram clínicas autônomas de propriedade independente
                      • 10.9% eram outros tipos de programas.

                       

                      Todos esses programas avaliavam os custos com base em taxa por serviço e ofereciam uma variedade de serviços que, além do tratamento de trabalhadores gravemente feridos, incluíam exames pré-colocação, testes de drogas e álcool, reabilitação, consultoria no local de trabalho, requisitos exigidos pela OSHA vigilância médica, exames físicos executivos e programas de bem-estar. Além disso, alguns ofereciam programas de assistência aos funcionários, enfermagem no local, RCP, primeiros socorros e gerenciamento de casos.

                      Hoje em dia, com mais frequência, os programas hospitalares de saúde ocupacional estão adicionando um modelo de enfermagem de gerenciamento de casos. Dentro de tal modelo incorporando gestão médica integrada, os custos totais de compensação dos trabalhadores podem ser reduzidos em 50%, o que é um incentivo significativo para o empregador utilizar provedores que ofereçam este serviço (Tweed 1994). Estas reduções de custos são geradas por um forte foco na necessidade de retorno precoce ao trabalho e de consulta sobre programas de trabalho modificados. As enfermeiras trabalham com os especialistas para ajudar a definir o trabalho clinicamente aceitável que um funcionário ferido pode realizar com segurança e com restrições.

                      Na maioria dos estados, os trabalhadores norte-americanos recebem dois terços de seus salários enquanto recebem compensação temporária de trabalhadores por invalidez total. Quando voltam ao trabalho modificado, continuam a prestar um serviço aos seus empregadores e mantêm a sua auto-estima através do trabalho. Os trabalhadores que estiveram afastados do trabalho por seis semanas ou mais frequentemente nunca retornam ao seu pleno emprego e muitas vezes são forçados a realizar trabalhos com salários mais baixos e menos qualificados.

                      O objetivo final de um programa de saúde ocupacional baseado em hospital é permitir que os pacientes tenham acesso ao hospital para tratamento de acidentes de trabalho e continuem com o hospital como seu principal provedor de todos os serviços de saúde. À medida que os Estados Unidos se movem para um sistema de saúde capitado, o número de vidas cobertas que um hospital atende torna-se o principal indicador de sucesso.

                      Sob esta forma capitada de financiamento de cuidados de saúde, os empregadores pagam uma taxa per capita aos provedores de todos os serviços de saúde que seus empregados e seus dependentes possam precisar. Se os indivíduos cobertos por esse plano permanecerem saudáveis, o provedor poderá lucrar. Se as vidas cobertas forem grandes usuárias de serviços, o provedor pode não obter receita suficiente dos prêmios para cobrir os custos dos cuidados e, portanto, pode perder dinheiro. Vários estados nos Estados Unidos estão adotando a capitação para seguro de saúde em grupo e alguns estão testando cobertura 24 horas para todos os cuidados de saúde, incluindo benefícios médicos de compensação de trabalhadores. Os hospitais não julgarão mais o sucesso com base no censo de pacientes, mas com base na proporção de vidas cobertas em relação aos custos.

                      Programas abrangentes de saúde ocupacional baseados em hospitais são projetados para preencher a necessidade de um programa abrangente de medicina ocupacional de alta qualidade para a comunidade industrial e corporativa. O projeto baseia-se na premissa de que o tratamento de lesões e os exames médicos pré-colocação são importantes, mas sozinhos não constituem um programa de medicina ocupacional. Um hospital que atende muitas empresas pode pagar um médico de medicina ocupacional para supervisionar os serviços médicos e, portanto, um foco ocupacional mais amplo pode ser obtido, permitindo consultas de toxicologia, avaliações no local de trabalho e exames exigidos pela OSHA para contaminantes como amianto ou chumbo e para equipamentos como respiradores, além dos serviços habituais de tratamento de acidentes de trabalho, exames físicos e triagem de drogas. Os hospitais também têm os recursos necessários para fornecer um banco de dados computadorizado e um sistema de gerenciamento de casos.

                      Ao fornecer aos empregadores um único centro de serviço completo para as necessidades de saúde de seus funcionários, o programa de saúde ocupacional pode garantir melhor que o funcionário receba cuidados de saúde compassivos e de qualidade no ambiente mais apropriado, ao mesmo tempo em que reduz os custos para o empregador. Os provedores de saúde ocupacional podem monitorar as tendências dentro de uma empresa ou setor e fazer recomendações para reduzir os acidentes de trabalho e melhorar a segurança.

                      Um programa abrangente de saúde ocupacional baseado em hospital permite que o pequeno empregador compartilhe os serviços de um departamento médico corporativo. Tal programa oferece prevenção e bem-estar, bem como serviços de cuidados intensivos e permite um foco mais nítido na promoção da saúde para os trabalhadores americanos e suas famílias.

                       

                      Voltar

                      Sexta-feira, fevereiro 11 2011 20: 34

                      Atividades baseadas em sindicatos nos Estados Unidos

                      Em 1995, o Departamento de Trabalho dos EUA, Bureau of Labor Statistics, publicou um relatório indicando que 18.8 milhões de trabalhadores, ou aproximadamente 16% da força de trabalho dos Estados Unidos, são membros de sindicatos ou trabalhadores que não declaram filiação sindical, mas são cobertos por um sindicato contrato (Departamento do Trabalho dos Estados Unidos 1995). A Tabela 1 baseia-se neste relatório para caracterizar a força de trabalho sindicalizada por setor. A maioria desses trabalhadores é representada por sindicatos afiliados à Federação Americana do Trabalho e ao Congresso de Organizações Industriais (AFL-CIO), que compreende 86 sindicatos nacionais e internacionais (Resumo Estatístico dos Estados Unidos 1994). Os sindicatos são normalmente organizados em sedes internacionais ou nacionais, escritórios regionais e distritais e sindicatos locais.

                      Tabela 1. Distribuição de 1994 da força de trabalho sindicalizada dos EUA de acordo com a indústria

                      Ocupação
                      ou indústria

                      Total empregado

                      Membros de sindicatos*

                      Representada por sindicatos**

                         

                      Empregado

                      Total (%)

                      Empregado

                      Total (%)

                      salário agrícola
                      e trabalhadores assalariados

                      1,487

                      34

                      2.3

                      42

                      2.8

                      Trabalhadores assalariados e não agrícolas privados

                      88,163

                      9,620

                      10.9

                      10,612

                      12

                      Mineração

                      652

                      102

                      15.7

                      111

                      17.1

                      Construção

                      4,866

                      916

                      18.8

                      966

                      19.9

                      Indústria​

                      19,267

                      3,514

                      18.2

                      3,787

                      19.7

                      Bens duráveis

                      11,285

                      2,153

                      19.1

                      2,327

                      20.6

                      Bens perecíveis

                      7,983

                      1,361

                      17

                      1,460

                      18.3

                      Transporte e serviços públicos

                      6,512

                      1,848

                      28.4

                      1,997

                      30.7

                      Transporte

                      3,925

                      1,090

                      27.8

                      1,152

                      29.3

                      Comunicações e serviços públicos

                      2,587

                      758

                      29.3

                      846

                      32.7

                      Comércio por atacado e varejo

                      22,319

                      1,379

                      6.2

                      1,524

                      6.8

                      Comércio grossista

                      3,991

                      260

                      6.5

                      289

                      7.2

                      Comercio de varejo

                      18,328

                      1,120

                      6.1

                      1,236

                      6.7

                      Finanças, seguros e imóveis

                      6,897

                      156

                      2.3

                      215

                      3.1

                      Serviços

                      27,649

                      1,704

                      6.2

                      2,012

                      7.3

                      Trabalhadores do governo

                      18,339

                      7,094

                      38.7

                      8,195

                      44.7

                      Os dados referem-se a membros de um sindicato ou associação de empregados semelhante a um sindicato.
                      ** Os dados referem-se aos membros de um sindicato ou associação de trabalhadores equiparada a um sindicato, bem como aos trabalhadores que não declaram filiação sindical, mas cujas funções são abrangidas por um sindicato ou por um contrato de associação de trabalhadores.

                      Nota: Os dados referem-se ao emprego único ou principal dos trabalhadores a tempo inteiro ou a tempo parcial. Excluídos estão os trabalhadores autônomos cujos negócios são incorporados, embora se qualifiquem tecnicamente como trabalhadores assalariados e assalariados. Os dados de 1994 não são diretamente comparáveis ​​com os dados de 1993 e anos anteriores. Para obter informações adicionais, consulte “Revisões na pesquisa populacional atual em vigor em janeiro de 1994”, na edição de fevereiro de 1994 da Emprego e Rendimentos.

                       

                      Os sindicatos fornecem serviços abrangentes de segurança e saúde aos trabalhadores que são membros dos sindicatos. Por meio do desenvolvimento de acordos coletivos de trabalho e da prestação de serviços técnicos e relacionados, os sindicatos atendem às necessidades e preocupações de seus membros.

                      Nos níveis nacional e internacional, dirigentes sindicais e funcionários (profissionais de segurança e saúde, advogados, lobistas e outros) trabalham para influenciar os representantes eleitos a aprovar leis e regras de segurança e saúde que protejam os trabalhadores. Os representantes sindicais também elaboram e negociam acordos coletivos de trabalho com empregadores que contenham linguagem contratual de segurança e saúde juridicamente vinculativa.

                      Os sindicatos garantem que os trabalhadores tenham ambientes de trabalho seguros e saudáveis ​​por meio de acordos coletivos de trabalho. Idealmente, esses acordos também fornecem aos trabalhadores um meio de abordar questões de segurança e saúde ou de resolver disputas de segurança e saúde que possam surgir no local de trabalho.

                      Assistência técnica

                      No escritório central, os sindicatos frequentemente empregam ou contratam higienistas industriais profissionais, ergonomistas, médicos do trabalho, engenheiros e outros profissionais de segurança e saúde para fornecer assistência técnica aos trabalhadores. Esses profissionais prestam serviços como conduzir investigações de reclamações; realização de avaliações de segurança e saúde no local de trabalho; e interpretar e traduzir dados de monitoramento ambiental, resultados médicos e outras informações técnicas em linguagem compreensível para o trabalhador médio.

                      Investigações de reclamações de segurança e saúde são rotineiramente conduzidas por profissionais ou consultores sindicais. Trabalhando em conjunto com representantes de funcionários designados do sindicato local afetado, esses profissionais abordam questões como exposição dos trabalhadores a riscos químicos ou físicos, doenças e lesões musculoesqueléticas e não conformidade com os regulamentos de segurança e saúde aplicáveis.

                      Além disso, os sindicatos podem se envolver em investigações de acidentes em situações em que os resultados da investigação do empregador sejam contestados pelos funcionários afetados.

                      Os representantes sindicais podem usar as informações obtidas durante essas investigações para resolver reclamações de segurança e saúde trabalhando com o empregador por meio do processo de negociação coletiva. Os sindicatos podem utilizar o procedimento de reclamação ou a linguagem específica do contrato de segurança e saúde para proteger os trabalhadores. No entanto, o sindicato pode optar por entrar em contato com uma agência reguladora federal ou estadual se o empregador não estiver em conformidade com as leis, regras ou regulamentos estabelecidos.

                      Profissionais de segurança e saúde sindicais e/ou representantes treinados designados no local de trabalho do sindicato - por exemplo, membros do comitê local de segurança e saúde do sindicato ou delegados sindicais - conduzem pesquisas no local de trabalho para avaliar os perigos do ambiente de trabalho.

                      Durante os levantamentos, são avaliados os processos de fabricação ou outras operações dentro do canteiro de obras. Registros de segurança e saúde (por exemplo, OSHA 200 Logs, relatórios de acidentes do Departamento de Transporte (DOT), resultados de monitoramento ambiental e programas escritos) são revisados ​​para determinar a conformidade com acordos coletivos de trabalho e normas e regulamentos governamentais. Os resultados das pesquisas são documentados e eventuais problemas são resolvidos por meio de negociação coletiva ou contato com um órgão regulador do governo.

                      Os próprios trabalhadores geralmente solicitam informações e relatórios técnicos ou regulamentares - por exemplo, fichas técnicas de produtos químicos, resultados de monitoramento ambiental, resultados de monitoramento biológico ou regulamentos federais ou estaduais de segurança e saúde. Devido à natureza técnica dessas informações, o trabalhador pode precisar de ajuda para entender o assunto e como ele se aplica ao seu local de trabalho. A equipe sindical de segurança e saúde pode fornecer assistência aos trabalhadores na compreensão das informações técnicas. A forma como a assistência é prestada depende das necessidades do trabalhador.

                      Os sindicatos também atuam como uma central de atendimento ou assistência médica especializada para uso em audiências de indenização trabalhista. Os sindicatos geralmente mantêm listas de nomes e endereços de médicos independentes respeitáveis ​​aos quais o trabalhador pode ser encaminhado, se necessário.

                      Atividades Legislativas e Regulamentadoras

                      O envolvimento ativo na regulamentação governamental de segurança e saúde é uma preocupação muito importante dos sindicatos trabalhistas; eles incentivam seus membros a se envolverem em atividades legislativas e de regulamentação de segurança e saúde em vários níveis.

                      Os sindicatos procuram influenciar os políticos a propor legislação para estabelecer padrões adequados de segurança e saúde no local de trabalho; responder a propostas de regulamentação de segurança e saúde apresentadas por agências reguladoras governamentais; influenciar a maneira pela qual as agências reguladoras governamentais impõem os regulamentos de segurança e saúde no local de trabalho; ou organizar apoio para agências reguladoras governamentais sujeitas a reduções orçamentárias ou mudanças operacionais pelo Congresso dos EUA.

                      Lobistas sindicais, profissionais técnicos, pesquisadores e membros da equipe jurídica são os principais envolvidos nessas atividades. Esses funcionários são responsáveis ​​por coletar, analisar e organizar os dados necessários para desenvolver uma posição sindical sobre atividades legislativas ou normativas. Eles também fazem os contatos necessários com agências ou indivíduos para garantir que a posição do sindicato seja apresentada aos representantes eleitos.

                      Os membros da equipe de segurança e saúde do sindicato podem encontrar um problema de segurança e saúde que afeta os trabalhadores, mas não é regulamentado por uma agência governamental. Nesse caso, o sindicato pode desenvolver comentários escritos e/ou depoimentos orais a serem apresentados durante as audiências públicas. A intenção dos comentários ou depoimentos é educar os funcionários relevantes e incentivá-los a redigir uma legislação para resolver o problema.

                      As agências que aplicam os regulamentos de segurança e saúde são, ocasionalmente, alvo de reduções orçamentárias. Frequentemente, esses cortes orçamentários são vistos como adversos à proteção da segurança e saúde dos trabalhadores no trabalho. Os sindicatos desenvolvem e implementam estratégias para evitar tais reduções. Isso pode ser feito trabalhando com lobistas sindicais para educar funcionários legislativos e outros sobre os efeitos adversos que as reduções terão sobre os trabalhadores. Além disso, existem “esforços de base” que incluem organizar e mobilizar trabalhadores para escrever cartas a seus representantes eleitos destacando sua oposição aos cortes propostos.

                      Além disso, os sindicatos estão muito envolvidos na preparação e entrega de comentários escritos e testemunhos orais em resposta à proposta de regulamentação de segurança e saúde promulgada por agências reguladoras federais e estaduais. É de vital importância que os trabalhadores tenham oportunidades de participação significativa no processo de regulamentação. Os sindicatos são os meios que os trabalhadores podem usar para participar plenamente do processo de regulamentação.

                      Acordos coletivos

                      O acordo coletivo de trabalho é a principal ferramenta utilizada pelos sindicatos para implementar serviços aos associados. Os sindicatos utilizam a expertise técnica de higienistas industriais, ergonomistas, engenheiros, médicos do trabalho e outros profissionais de segurança e saúde para coletar e analisar informações de segurança e saúde, a fim de preparar os representantes sindicais responsáveis ​​pela negociação dos acordos coletivos de trabalho.

                      Os sindicatos utilizam acordos coletivos de trabalho como documentos legais e vinculativos para fornecer segurança ocupacional e proteção à saúde dos trabalhadores. Os principais objetivos dos acordos são fornecer proteção aos trabalhadores que não estão cobertos pelos padrões e regulamentos federais ou estaduais de segurança e saúde no local de trabalho, ou fornecer proteção aos trabalhadores além dos padrões mínimos estaduais e federais.

                      Para se preparar para a negociação, os sindicatos coletam informações para documentar as questões de segurança e saúde que afetam os membros. Isso pode ser feito realizando pesquisas de adesão, trabalhando com a equipe técnica e/ou consultores para identificar riscos no local de trabalho, revisando informações relativas a reclamações ou investigações de segurança e saúde que possam ter sido realizadas e revisando e avaliando dados de compensação de trabalhadores, monitoramento ambiental pesquisas ou registros de lesões e doenças.

                      Nas etapas finais de preparação para a negociação, o comitê de negociação prioriza as questões de segurança e saúde e considera soluções viáveis ​​para os problemas.

                      Educação e Treinamento do Trabalhador

                      Os sindicatos têm um papel muito importante no fornecimento de treinamento e educação em segurança e saúde para seus membros.

                      O tipo de treinamento fornecido varia de direitos básicos de segurança no local de trabalho (por exemplo, comunicação de perigo) a treinamento específico extensivo do setor, como o fornecido a trabalhadores envolvidos em projetos de remediação de resíduos perigosos. Este treinamento é de vital importância para os trabalhadores que trabalham em ambientes de trabalho em rápida mudança.

                      O treinamento de trabalhadores fornecido pelos sindicatos geralmente é financiado por meio de cotas dos membros, subsídios federais e estaduais e fundos de treinamento estabelecidos pelos empregadores, conforme negociado em acordos coletivos de trabalho. Os cursos de treinamento e educação dos trabalhadores são desenvolvidos por profissionais e consultores, juntamente com ampla contribuição dos trabalhadores. Freqüentemente, cursos de treinamento de instrutores são fornecidos para permitir o treinamento de pares.

                      Esforços de pesquisa

                      Os sindicatos trabalham com instituições como universidades e agências governamentais para realizar pesquisas específicas de segurança e saúde ocupacional. Os esforços de pesquisa são normalmente financiados pelo sindicato ou pelos empregadores ou por meio de subsídios estaduais ou federais.

                      Os sindicatos usam os resultados dos estudos no processo de regulamentação de segurança e saúde para negociar a linguagem contratual a fim de eliminar ou reduzir significativamente os riscos no local de trabalho ou, alternativamente, desenvolver intervenções para eliminar ou reduzir significativamente o risco excessivo para os membros do sindicato - por exemplo por exemplo, para fornecer cursos de cessação do tabagismo entre os trabalhadores expostos ao amianto. Além disso, os resultados da pesquisa podem ser usados ​​para desenvolver ou modificar vários tipos de equipamentos usados ​​no trabalho.

                      Os serviços de segurança e saúde ocupacional prestados pelos sindicatos são prioritariamente preventivos e exigem a união de esforços de profissionais técnicos, médicos do trabalho, advogados, lobistas e sindicalistas. Ao fornecer esses serviços, os sindicatos podem efetivamente garantir a segurança e a saúde de seus membros e de outros trabalhadores no local de trabalho.

                       

                      Voltar

                      Página 1 de 2

                      " ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

                      Conteúdo