enarzh-TWfrdeitjaptrusressw

5 bandeira

 

Teorias do Estresse no Trabalho

 

Terça-feira, 11 Janeiro 2011 20: 25

Fatores Psicossociais, Estresse e Saúde

Na linguagem da engenharia, o estresse é “uma força que deforma os corpos”. Na biologia e na medicina, o termo geralmente se refere a um processo no corpo, ao plano geral do corpo para se adaptar a todas as influências, mudanças, demandas e tensões a que está exposto. Este plano entra em ação, por exemplo, quando uma pessoa é agredida na rua, mas também quando alguém é exposto a substâncias tóxicas ou a calor ou frio extremos. No entanto, não são apenas as exposições físicas que ativam esse plano; mentais e sociais também o fazem. Por exemplo, se formos insultados por nosso supervisor, lembrados de uma experiência desagradável, esperados para conseguir algo de que não acreditamos ser capazes, ou se, com ou sem motivo, nos preocuparmos com nosso trabalho ou casamento.

Há algo comum a todos esses casos na forma como o corpo tenta se adaptar. Esse denominador comum – uma espécie de “acelerar” ou “pisar no acelerador” – é o estresse. O estresse é, então, um estereótipo nas respostas do corpo a influências, demandas ou tensões. Algum nível de estresse sempre pode ser encontrado no corpo, assim como, para traçar um paralelo aproximado, um país mantém um certo estado de prontidão militar, mesmo em tempos de paz. Ocasionalmente, essa preparação é intensificada, às vezes com uma boa causa e outras vezes sem.

Desta forma, o nível de estresse afeta a taxa em que ocorrem os processos de desgaste do corpo. Quanto mais “gás” for fornecido, maior será a taxa na qual o motor do corpo é acionado e, portanto, mais rapidamente o “combustível” é usado e o “motor” se desgasta. Outra metáfora também se aplica: se você queimar uma vela com chama alta, em ambas as extremidades, ela emitirá uma luz mais brilhante, mas também queimará mais rapidamente. Uma certa quantidade de combustível é necessária, caso contrário, o motor ficará parado, a vela se apagará; ou seja, o organismo estaria morto. Assim, o problema não é que o corpo tenha uma resposta ao estresse, mas que o grau de estresse - a taxa de desgaste - ao qual está sujeito pode ser muito grande. Essa resposta ao estresse varia de um minuto para outro, mesmo em um indivíduo, a variação dependendo em parte da natureza e do estado do corpo e em parte das influências e demandas externas - os estressores - aos quais o corpo está exposto. (Um estressor é, portanto, algo que produz estresse.)

Às vezes é difícil determinar se o estresse em uma determinada situação é bom ou ruim. Veja, por exemplo, o atleta exausto no estande do vencedor, ou o executivo recém-nomeado, mas estressado. Ambos alcançaram seus objetivos. Em termos de realização pura, seria preciso dizer que seus resultados valeram o esforço. Em termos psicológicos, entretanto, tal conclusão é mais duvidosa. Muito tormento pode ter sido necessário para chegar até aqui, envolvendo longos anos de treinamento ou horas extras sem fim, geralmente às custas da vida familiar. Do ponto de vista médico, pode-se considerar que tais empreendedores queimaram suas velas em ambas as extremidades. O resultado pode ser fisiológico; o atleta pode romper um ou dois músculos e o executivo desenvolver pressão alta ou sofrer um ataque cardíaco.

Estresse em relação ao trabalho

Um exemplo pode esclarecer como as reações de estresse podem surgir no trabalho e o que elas podem acarretar em termos de saúde e qualidade de vida. Imaginemos a seguinte situação para um trabalhador hipotético. Com base em considerações econômicas e técnicas, a administração decidiu dividir um processo de produção em elementos muito simples e primitivos que devem ser executados em uma linha de montagem. Através desta decisão, uma estrutura social é criada e um processo posto em movimento que pode constituir o ponto de partida em uma seqüência de eventos produtores de estresse e doença. A nova situação torna-se um estímulo psicossocial para o trabalhador, quando ele a percebe pela primeira vez. Essas percepções podem ser ainda mais influenciadas pelo fato de que o trabalhador pode ter recebido treinamento extensivo anteriormente e, portanto, esperava uma atribuição de trabalho que exigia qualificações mais altas, e não níveis de habilidade reduzidos. Além disso, a experiência anterior de trabalho em uma linha de montagem foi fortemente negativa (ou seja, experiências ambientais anteriores influenciarão a reação à nova situação). Além disso, os fatores hereditários do trabalhador o tornam mais propenso a reagir a estressores com aumento da pressão arterial. Por ser mais irritável, talvez sua esposa o critique por aceitar sua nova designação e trazer seus problemas para casa. Em decorrência de todos esses fatores, o trabalhador reage aos sentimentos de angústia, talvez com aumento do consumo de álcool ou experimentando reações fisiológicas indesejáveis, como a elevação da pressão arterial. Os problemas no trabalho e na família continuam, e suas reações, originalmente de tipo transitório, tornam-se constantes. Eventualmente, ele pode entrar em um estado de ansiedade crônica ou desenvolver alcoolismo ou doença hipertensiva crônica. Esses problemas, por sua vez, aumentam suas dificuldades no trabalho e com a família, podendo também aumentar sua vulnerabilidade fisiológica. Pode-se estabelecer um ciclo vicioso que pode terminar em um acidente vascular cerebral, acidente de trabalho ou até suicídio. Este exemplo ilustra o ambiente programação envolvidos na forma como um trabalhador reage comportamentalmente, fisiologicamente e socialmente, levando ao aumento da vulnerabilidade, problemas de saúde e até mesmo a morte.

Condições psicossociais na vida profissional atual

De acordo com uma importante resolução da Organização Internacional do Trabalho (OIT) (1975), o trabalho não deve apenas respeitar a vida e a saúde dos trabalhadores e deixá-los com tempo livre para descanso e lazer, mas também permitir que eles sirvam à sociedade e alcancem a auto-realização, desenvolvendo suas capacidades pessoais. Esses princípios também foram estabelecidos já em 1963, em um relatório do London Tavistock Institute (Documento No. T813) que forneceu as seguintes diretrizes gerais para o projeto de trabalho:

  1.  O trabalho deve ser razoavelmente exigente em termos diferentes de pura resistência e fornecer pelo menos um mínimo de variedade.
  2.  O trabalhador deve ser capaz de aprender no trabalho e continuar aprendendo.
  3.  O trabalho deve incluir alguma área de tomada de decisão que o indivíduo possa chamar de sua.
  4.  Deve haver algum grau de apoio social e reconhecimento no local de trabalho.
  5.  O trabalhador deve ser capaz de relacionar o que faz ou produz com a vida social.
  6.  O trabalhador deve sentir que o trabalho leva a algum tipo de futuro desejável.

 

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), no entanto, traça um quadro menos esperançoso da realidade da vida profissional, apontando que:

  • O trabalho tem sido aceito como um dever e uma necessidade para a maioria dos adultos.
  • O trabalho e os locais de trabalho foram projetados quase exclusivamente com referência a critérios de eficiência e custo.
  • Os recursos tecnológicos e de capital têm sido aceitos como os determinantes imperativos da natureza ótima dos empregos e dos sistemas de trabalho.
  • As mudanças foram motivadas em grande parte por aspirações de crescimento econômico ilimitado.
  • O julgamento dos melhores projetos de empregos e escolha dos objetivos de trabalho tem residido quase inteiramente com gerentes e tecnólogos, com apenas uma ligeira intrusão de negociação coletiva e legislação protetora.
  • Outras instituições sociais assumiram formas que servem para sustentar esse tipo de sistema de trabalho.

 

 No curto prazo, os benefícios dos desenvolvimentos que procederam de acordo com esta lista da OCDE trouxeram mais produtividade a um custo menor, bem como um aumento da riqueza. No entanto, as desvantagens de longo prazo de tais desenvolvimentos são muitas vezes mais insatisfação do trabalhador, alienação e possivelmente problemas de saúde que, ao considerar a sociedade em geral, por sua vez, podem afetar a esfera econômica, embora os custos econômicos desses efeitos só recentemente tenham sido considerados em consideração (Cooper, Luikkonen e Cartwright 1996; Levi e Lunde-Jensen 1996).

Também tendemos a esquecer que, biologicamente, a humanidade não mudou muito durante os últimos 100,000 anos, enquanto o meio ambiente – e em particular o ambiente de trabalho – mudou dramaticamente, particularmente durante o último século e décadas. Essa mudança foi em parte para melhor; no entanto, algumas dessas “melhorias” foram acompanhadas por efeitos colaterais inesperados. Por exemplo, dados coletados pelo National Swedish Central Bureau of Statistics durante a década de 1980 mostraram que:

  • 11% de todos os funcionários suecos estão continuamente expostos a ruídos ensurdecedores.
  • 15% têm trabalhos que os deixam muito sujos (óleo, tinta, etc.).
  • 17% têm horários de trabalho inconvenientes, ou seja, não só o trabalho diurno, mas também o trabalho noturno, o trabalho por turnos ou outros horários irregulares.
  • 9% têm horas brutas de trabalho superiores a 11 horas por dia (este conceito inclui as horas de trabalho, as pausas, as deslocações, as horas extraordinárias, etc., ou seja, a parte do dia destinada ao trabalho).
  • 11% têm trabalhos considerados “agitados” e “monótonos”.
  • 34% consideram seu trabalho “mentalmente exigente”.
  • 40% consideram-se “sem influência na marcação de horários para pausas”.
  • 45% se consideram sem “oportunidades de aprender coisas novas” em seu trabalho.
  • 26% têm uma atitude instrumental em relação ao seu trabalho. Eles consideram “seu trabalho não rende nada além do salário – ou seja, nenhum sentimento de satisfação pessoal”. O trabalho é considerado apenas como um instrumento para obter uma renda.


Em seu maior estudo sobre as condições de trabalho nos 12 Estados membros da União Européia na época (1991/92), a European Foundation (Paoli 1992) constatou que 30% da força de trabalho considerava seu trabalho um risco para a saúde, 23 milhões ter trabalho noturno mais de 25% do total de horas trabalhadas, cada terço relatar trabalho altamente repetitivo e monótono, cada quinto homem e cada sexta mulher trabalhar sob “pressão de tempo contínua” e cada quarto trabalhador carregar cargas pesadas ou trabalhar em uma posição torcida ou dolorosa mais de 50% de seu tempo de trabalho.

Principais estressores psicossociais no trabalho

Como já indicado, o estresse é causado por uma má “adaptação pessoa-ambiente”, objetiva, subjetiva ou ambas, no trabalho ou em outro lugar e em uma interação com fatores genéticos. É como um sapato mal ajustado: as demandas ambientais não correspondem às habilidades individuais ou as oportunidades ambientais não atendem às necessidades e expectativas individuais. Por exemplo, o indivíduo é capaz de realizar uma certa quantidade de trabalho, mas muito mais é exigido ou, por outro lado, nenhum trabalho é oferecido. Outro exemplo seria que o trabalhador precisa fazer parte de uma rede social, para experimentar um sentimento de pertencimento, um sentimento de que a vida tem sentido, mas pode não haver oportunidade de atender a essas necessidades no ambiente existente e o “encaixe” torna-se mau.

Qualquer ajuste dependerá tanto do “sapato” quanto do “pé”, de fatores situacionais, bem como de características individuais e de grupo. Os fatores situacionais mais importantes que dão origem ao “desajuste” podem ser categorizados da seguinte forma:

Sobrecarga quantitativa. Muita coisa para fazer, pressão de tempo e fluxo de trabalho repetitivo. Esta é, em grande parte, a característica típica da tecnologia de produção em massa e do trabalho de escritório rotineiro.

Subcarga qualitativa. Conteúdo do trabalho muito estreito e unilateral, falta de variação de estímulo, nenhuma demanda de criatividade ou solução de problemas ou poucas oportunidades de interação social. Esses trabalhos parecem se tornar mais comuns com a automação projetada de maneira inadequada e o aumento do uso de computadores nos escritórios e na manufatura, embora possa haver situações opostas.

Conflitos de função. Todos ocupam vários papéis simultaneamente. Somos os superiores de algumas pessoas e os subordinados de outras. Somos filhos, pais, parceiros conjugais, amigos e membros de clubes ou sindicatos. Conflitos surgem facilmente entre nossos vários papéis e muitas vezes evocam estresse, como quando, por exemplo, as demandas no trabalho se chocam com as de um pai ou filho doente ou quando um supervisor está dividido entre a lealdade aos superiores e aos colegas de trabalho e subordinados.

Falta de controle sobre a própria situação. Quando outra pessoa decide o que fazer, quando e como; por exemplo, em relação ao ritmo de trabalho e métodos de trabalho, quando o trabalhador não tem influência, não tem controle, não tem voz. Ou quando há incerteza ou falta de qualquer estrutura óbvia na situação de trabalho.

Falta de suporte social em casa e de seu chefe ou colegas de trabalho.

Estressores físicos. Tais fatores podem influenciar o trabalhador tanto fisicamente quanto quimicamente, por exemplo, efeitos diretos no cérebro de solventes orgânicos. Os efeitos psicossociais secundários também podem se originar do sofrimento causado por, digamos, odores, ofuscamento, ruído, temperaturas ou umidade extremas do ar e assim por diante. Esses efeitos também podem ser devidos à consciência, suspeita ou medo do trabalhador de que ele esteja exposto a perigos químicos com risco de vida ou a riscos de acidentes.

Finalmente, as condições da vida real no trabalho e fora do trabalho geralmente implicam uma combinação de muitas exposições. Estes podem se sobrepor uns aos outros de forma aditiva ou sinérgica. A palha que quebra as costas do camelo pode, portanto, ser um fator ambiental bastante trivial, mas que se soma a uma carga ambiental preexistente muito considerável.

Alguns dos estressores específicos na indústria merecem discussão especial, ou seja, aqueles característicos de:

  • tecnologia de produção em massa
  • processos de trabalho altamente automatizados
  • trabalho por turnos


Tecnologia de produção em massa. Ao longo do século passado, o trabalho tornou-se fragmentado em muitos locais de trabalho, passando de uma atividade de trabalho bem definida com um produto final distinto e reconhecido para numerosas subunidades estreitas e altamente especificadas que têm pouca relação aparente com o produto final. O tamanho crescente de muitas unidades fabris tendeu a resultar em uma longa cadeia de comando entre a administração e os trabalhadores individuais, acentuando o distanciamento entre os dois grupos. O trabalhador também se afasta do consumidor, pois as rápidas elaborações para comercialização, distribuição e venda interpõem muitas etapas entre o produtor e o consumidor.

A produção em massa, portanto, normalmente envolve não apenas uma fragmentação pronunciada do processo de trabalho, mas também uma diminuição no controle do processo pelo trabalhador. Isso ocorre em parte porque a organização do trabalho, o conteúdo do trabalho e o ritmo do trabalho são determinados pelo sistema da máquina. Todos esses fatores geralmente resultam em monotonia, isolamento social, falta de liberdade e pressão de tempo, com possíveis efeitos de longo prazo na saúde e no bem-estar.

A produção em massa, além disso, favorece a introdução de preços por peça. Nesse sentido, pode-se supor que o desejo – ou necessidade – de ganhar mais pode, por algum tempo, induzir o indivíduo a trabalhar mais do que é bom para o organismo e a ignorar “avisos” mentais e físicos, como um sentimento de cansaço, problemas nervosos e distúrbios funcionais em vários órgãos ou sistemas de órgãos. Outro efeito possível é que o empregado, empenhado em aumentar a produção e os ganhos, infringe as normas de segurança, aumentando assim o risco de doenças ocupacionais e de acidentes para si e para os outros (por exemplo, motoristas de caminhão pagos por peça).

Processos de trabalho altamente automatizados. No trabalho automatizado, os elementos repetitivos e manuais são assumidos por máquinas, e os trabalhadores são deixados com funções principalmente de supervisão, monitoramento e controle. Este tipo de trabalho é geralmente bastante especializado, não regulamentado em detalhes e o trabalhador é livre para se movimentar. Assim, a introdução da automação elimina muitas das desvantagens da tecnologia de produção em massa. No entanto, isso vale principalmente para aquelas etapas de automação em que o operador é realmente assistido pelo computador e mantém algum controle sobre seus serviços. Se, no entanto, as habilidades e conhecimentos do operador forem gradualmente assumidos pelo computador - um desenvolvimento provável se a tomada de decisão for deixada para os economistas e tecnólogos - pode ocorrer um novo empobrecimento do trabalho, com a reintrodução da monotonia, isolamento social e falta de ao controle.

O monitoramento de um processo geralmente exige atenção sustentada e prontidão para agir durante um período monótono de serviço, uma exigência que não corresponde à necessidade do cérebro de um fluxo razoavelmente variado de estímulos para manter o estado de alerta ideal. Está bem documentado que a capacidade de detectar sinais críticos diminui rapidamente mesmo durante a primeira meia hora em um ambiente monótono. Isso pode aumentar a tensão inerente à consciência de que a desatenção temporária e até mesmo um pequeno erro podem ter consequências econômicas extensas e outras consequências desastrosas.

Outros aspectos críticos do controle do processo estão associados a demandas muito especiais de habilidade mental. Os operadores estão preocupados com símbolos, sinais abstratos em matrizes de instrumentos e não estão em contato com o produto real de seu trabalho.

Trabalho por turnos. No caso do trabalho por turnos, as alterações biológicas rítmicas não coincidem necessariamente com as exigências ambientais correspondentes. Aqui, o organismo pode “pisar no acelerador” e a ativação ocorre no momento em que o trabalhador precisa dormir (por exemplo, durante o dia após o turno da noite), e a desativação ocorre correspondentemente à noite, quando o trabalhador pode precisar trabalhar e fique alerta.

Uma complicação adicional surge porque os trabalhadores geralmente vivem em um ambiente social que não é projetado para as necessidades dos trabalhadores por turnos. Por último, mas não menos importante, os trabalhadores por turnos muitas vezes devem se adaptar a mudanças regulares ou irregulares nas demandas ambientais, como no caso de turnos rotativos.

Em resumo, as demandas psicossociais do local de trabalho moderno frequentemente divergem das necessidades e capacidades dos trabalhadores, levando ao estresse e problemas de saúde. Esta discussão fornece apenas um instantâneo dos estressores psicossociais no trabalho e como essas condições insalubres podem surgir no local de trabalho atual. Nas seções a seguir, os estressores psicossociais são analisados ​​com mais detalhes no que diz respeito às suas fontes nos sistemas e tecnologias modernas de trabalho e no que diz respeito à sua avaliação e controle.


Voltar

Quarta-feira, 12 janeiro 2011 18: 48

Apoio social: um modelo de estresse interativo

O conceito de estresse

Várias definições de estresse foram formuladas desde que o conceito foi nomeado e descrito pela primeira vez por Hans Selye (Selye 1960). Quase invariavelmente, essas definições falharam em capturar o que é percebido como a essência do conceito por uma grande proporção de pesquisadores do estresse.

A falha em chegar a uma definição comum e geralmente aceitável pode ter várias explicações; uma delas pode ser que o conceito tenha se tornado tão difundido e tenha sido usado em tantas situações e contextos diferentes e por tantos pesquisadores, profissionais e leigos que não seja mais possível chegar a uma definição comum. Outra explicação é que realmente não há base empírica para uma única definição comum. O conceito pode ser tão diverso que um único processo simplesmente não explica todo o fenômeno. Uma coisa é clara: para examinar os efeitos do estresse na saúde, o conceito precisa incluir mais de um componente. A definição de Selye estava preocupada com a reação fisiológica de luta ou fuga em resposta a uma ameaça ou desafio do ambiente. Assim, sua definição envolvia apenas a resposta fisiológica individual. Na década de 1960 surgiu um grande interesse pelos chamados eventos de vida, ou seja, grandes experiências estressantes que ocorrem na vida de um indivíduo. O trabalho de Holmes e Rahe (1967) demonstrou muito bem que o acúmulo de eventos da vida é prejudicial à saúde. Esses efeitos foram encontrados principalmente em estudos retrospectivos. Confirmar os achados prospectivamente provou ser mais difícil (Rahe 1988).

Na década de 1970, outro conceito foi introduzido no referencial teórico, o de vulnerabilidade ou resistência do indivíduo que foi exposto a estímulos estressantes. Cassel (1976) levantou a hipótese de que a resistência do hospedeiro era um fator crucial no resultado do estresse ou no impacto do estresse na saúde. O fato de a resistência do hospedeiro não ter sido levada em consideração em muitos estudos pode explicar por que tantos resultados inconsistentes e contraditórios foram obtidos sobre o efeito do estresse na saúde. De acordo com Cassel, dois fatores eram essenciais para determinar o grau de resistência do hospedeiro de uma pessoa: sua capacidade de enfrentamento e seus suportes sociais.

A definição de hoje inclui consideravelmente mais do que as reações fisiológicas de “estresse Selye”. Ambos os efeitos socioambientais representados por (por exemplo) eventos da vida e a resistência ou vulnerabilidade do indivíduo exposto aos eventos da vida estão incluídos.

Figura 1. Componentes do estresse no modelo estresse-doença de Kagan e Levi (1971)

No modelo de estresse-doença proposto por Kagan e Levi (1971), várias distinções entre diferentes componentes são feitas (figura 1). Esses componentes são:

  • fatores estressantes ou estressores no ambiente - estímulos sociais ou psicológicos que evocam certas reações prejudiciais
  • o programa psicobiológico individual, predeterminado tanto por fatores genéticos quanto por experiências e aprendizagem precoces
  • reações individuais de estresse fisiológico (reações de “estresse de Selye”). A combinação desses três fatores pode levar a
  • precursores que podem eventualmente provocar o resultado final, nomeadamente 
  • manifestar doença física.

 

É importante observar que, ao contrário das crenças de Selye, vários caminhos fisiológicos diferentes foram identificados como mediadores dos efeitos dos estressores nos resultados da saúde física. Estes incluem não apenas a reação simpato-adreno-medular originalmente descrita, mas também a ação do eixo simpático-adreno-cortical, que pode ser de igual importância, e o contrapeso fornecido pela regulação neuro-hormonal gastrointestinal parassimpática, que foi observada para amortecer e amortecer os efeitos nocivos do estresse. Para que um estressor evoque tais reações, é necessária uma influência nociva do programa psicobiológico, ou seja, uma propensão individual para reagir aos estressores deve estar presente. Essa propensão individual é geneticamente determinada e baseada nas experiências e aprendizado da primeira infância.

Se as reações de estresse fisiológico forem severas e duradouras o suficiente, elas podem eventualmente levar a estados crônicos ou se tornar precursoras de doenças. Um exemplo desse precursor é a hipertensão, que geralmente está relacionada ao estresse e pode levar a doenças somáticas manifestas, como derrame ou doença cardíaca.

Outra característica importante do modelo é que os efeitos de interação das variáveis ​​intervenientes são antecipados a cada passo, aumentando ainda mais a complexidade do modelo. Essa complexidade é ilustrada por loops de feedback de todos os estágios e fatores do modelo para todos os outros estágios ou fatores. Assim, o modelo é complexo — mas a natureza também.

Nosso conhecimento empírico sobre a precisão deste modelo ainda é insuficiente e pouco claro nesta fase, mas uma visão mais aprofundada será obtida aplicando o modelo interativo à pesquisa de estresse. Por exemplo, nossa capacidade de prever doenças pode aumentar se for feita uma tentativa de aplicar o modelo.

Evidências empíricas sobre a resistência do hospedeiro

Em nosso grupo de pesquisadores do Karolinska Institute em Estocolmo, pesquisas recentes têm se concentrado em fatores que promovem a resistência do hospedeiro. Levantamos a hipótese de que um desses fatores poderosos são os efeitos de promoção da saúde do bom funcionamento das redes sociais e do apoio social.

Nosso primeiro esforço para investigar os efeitos das redes sociais na saúde foi focado em toda a população sueca a partir de um nível “macroscópico”. Em cooperação com o Central Swedish Bureau of Statistics, pudemos avaliar os efeitos das interações de redes sociais autoavaliadas sobre os resultados de saúde, neste caso sobre a sobrevivência (Orth-Gomér e Johnson 1987).

Representando uma amostra aleatória da população sueca adulta, 17,433 homens e mulheres responderam a um questionário sobre seus laços sociais e redes sociais. O questionário foi incluído em dois dos Inquéritos às Condições de Vida na Suécia, que foram concebidos para avaliar e medir o bem-estar da nação em termos materiais, bem como sociais e psicológicos. Com base no questionário, criamos um índice abrangente de interação na rede social que incluía o número de membros na rede e a frequência de contatos com cada membro. Através da análise fatorial foram identificadas sete fontes de contato: pais, irmãos, família nuclear (cônjuge e filhos), parentes próximos, colegas de trabalho, vizinhos, parentes distantes e amigos. Os contatos com cada fonte foram calculados e somados até uma pontuação total do índice, que variou de zero a 106.

Ao vincular o Inquéritos às Condições de Vida com o registro nacional de óbitos, pudemos investigar o impacto do índice de interação nas redes sociais sobre a mortalidade. Dividindo a população do estudo em tercis de acordo com sua pontuação do índice, descobrimos que os homens e mulheres que estavam no tercil inferior tinham um risco de mortalidade invariavelmente maior do que aqueles que estavam nos tercis médio e superior da pontuação do índice.

O risco de morrer se alguém estivesse no tercil inferior era quatro a cinco vezes maior do que nos outros tercis, embora muitos outros fatores possam explicar essa associação, como o fato de que o aumento da idade está associado a um maior risco de morrer. Além disso, à medida que envelhecemos, o número de contatos sociais diminui. Se alguém está doente e incapacitado, o risco de mortalidade aumenta e é provável que a extensão da rede social diminua. A morbidade e a mortalidade também são maiores nas classes sociais mais baixas, e as redes sociais também são menores e os contatos sociais menos abundantes. Assim, o controle desses e de outros fatores de risco de mortalidade é necessário em qualquer análise. Mesmo quando esses fatores foram levados em consideração, um aumento estatisticamente significativo de 40% no risco foi associado a uma rede social esparsa entre aqueles no terço mais baixo da população. É interessante notar que não houve efeito adicional de promoção da saúde de estar no tercil mais alto em comparação com o médio. Possivelmente, um grande número de contatos pode representar um desgaste para o indivíduo, bem como proteção contra efeitos nocivos à saúde.

Assim, mesmo sem saber mais sobre os estressores na vida desses homens e mulheres, pudemos confirmar um efeito promotor de saúde das redes sociais.

As redes sociais sozinhas não podem explicar os efeitos na saúde observados. É provável que o modo de funcionamento de uma rede social e a base de apoio que os membros da rede fornecem sejam mais importantes do que o número real de pessoas incluídas na rede. Além disso, é possível um efeito interativo de diferentes estressores. Por exemplo, descobriu-se que os efeitos do estresse relacionado ao trabalho pioram quando há também falta de apoio social e interação social no trabalho (Karasek e Theorell 1990).

Para explorar as questões de interação, estudos de pesquisa foram realizados usando várias medidas para avaliar os aspectos qualitativos e quantitativos do apoio social. Foram obtidos vários resultados interessantes que ilustram os efeitos na saúde associados ao apoio social. Por exemplo, um estudo de doença cardíaca (infarto do miocárdio e morte cardíaca súbita) em uma população de 776 homens de cinquenta anos nascidos em Gotemburgo, selecionados aleatoriamente da população geral e considerados saudáveis ​​no exame inicial, tabagismo e falta de apoio social foram considerados os preditores mais fortes de doença (Orth-Gomér, Rosengren e Wilheemsen 1993). Outros fatores de risco incluíam pressão arterial elevada, lipídios, fibrinogênio e estilo de vida sedentário.

No mesmo estudo, foi demonstrado que apenas naqueles homens que careciam de apoio, em particular apoio emocional de um cônjuge, parentes próximos ou amigos, os efeitos de eventos estressantes da vida eram prejudiciais. Homens que careciam de apoio e haviam vivenciado vários eventos graves na vida tinham uma mortalidade cinco vezes maior do que os homens que desfrutavam de apoio próximo e emocional (Rosengren et al. 1993).

Outro exemplo de efeitos interativos foi oferecido em um estudo de pacientes cardíacos que foram examinados quanto a fatores psicossociais, como integração social e isolamento social, bem como indicadores miocárdicos de prognóstico desfavorável e depois acompanhados por um período de dez anos. A personalidade e o tipo de comportamento, em particular o padrão de comportamento Tipo A, também foram avaliados.

O tipo de comportamento em si não teve impacto no prognóstico desses pacientes. Dos homens do Tipo A, 24% morreram em comparação com 22% dos homens do Tipo B. Mas ao considerar os efeitos interativos com o isolamento social, outro quadro surgiu.

Usando um diário de atividades durante uma semana normal, os homens que participaram do estudo foram solicitados a descrever qualquer coisa que fariam à noite e nos fins de semana de uma semana normal. As atividades foram então divididas entre aquelas que envolviam exercícios físicos, aquelas que envolviam principalmente o relaxamento e eram realizadas em casa e aquelas que eram realizadas para recreação em conjunto com outras pessoas. Desses tipos de atividade, a falta de atividade recreativa social foi o preditor mais forte de mortalidade. Homens que nunca se envolveram em tais atividades – chamadas socialmente isoladas no estudo – tiveram um risco de mortalidade cerca de três vezes maior do que aqueles que eram socialmente ativos. Além disso, os homens do Tipo A que estavam socialmente isolados tinham um risco de mortalidade ainda maior do que aqueles em qualquer uma das outras categorias (Orth-Gomér, Undén e Edwards 1988).

Esses estudos demonstram a necessidade de considerar vários aspectos do ambiente psicossocial, fatores individuais, bem como, é claro, os mecanismos fisiológicos de estresse. Eles também demonstram que o apoio social é um fator importante nos resultados de saúde relacionados ao estresse.

 

Voltar

A maioria das teorias de estresse anteriores foram desenvolvidas para descrever reações ao estresse agudo “inevitável” em situações que ameaçam a sobrevivência biológica (Cannon 1935; Selye 1936). No entanto, o Modelo de demanda/controle foi desenvolvido para ambientes de trabalho onde os “estressores” são crônicos, inicialmente não ameaçam a vida e são o produto de uma sofisticada tomada de decisão organizacional humana. Aqui, a controlabilidade do estressor é muito importante e se torna mais importante à medida que desenvolvemos organizações sociais cada vez mais complexas e integradas, com limitações cada vez mais complexas no comportamento individual. O modelo Demanda/Controle (Karasek 1976; Karasek 1979; Karasek e Theorell 1990), discutido a seguir, é baseado nas características psicossociais do trabalho: as demandas psicológicas do trabalho e uma medida combinada de controle da tarefa e uso de habilidades (latitude de decisão). O modelo prevê, em primeiro lugar, o risco de doenças relacionadas ao estresse e, em segundo lugar, os correlatos comportamentais ativos/passivos dos empregos. Tem sido usado principalmente em estudos epidemiológicos de doenças crônicas, como doenças cardíacas coronárias.

Pedagogicamente, é um modelo simples que pode ajudar a demonstrar claramente várias questões importantes e relevantes para discussões de políticas sociais de saúde e segurança ocupacional:

  1. que as características sociais de organização do trabalho, e não apenas os riscos físicos, levam a doenças e lesões
  2. que as consequências relacionadas ao estresse estão relacionadas à organização social da atividade laboral e não apenas às suas demandas
  3. que a atividade social do trabalho afeta os riscos relacionados ao estresse, não apenas as características pessoais
  4. que a possibilidade de “estresse positivo” e “estresse negativo” pode ser explicada em termos de combinações de demandas e controle
  5. que pode fornecer o modelo simples - com validade de aparência básica - para iniciar discussões sobre a resposta pessoal ao estresse para trabalhadores de chão de fábrica, funcionários administrativos e outros leigos para quem este é um tópico delicado.

 

Além das consequências do trabalho para a saúde, o modelo também capta as perspectivas dos organizadores do trabalho preocupados com os resultados da produtividade. A dimensão da demanda psicológica refere-se a “como os trabalhadores trabalham duro”; a dimensão da latitude de decisão reflete questões de organização do trabalho sobre quem toma decisões e quem executa quais tarefas. A hipótese de aprendizagem ativa do modelo descreve os processos de motivação do trabalho de alto desempenho. A lógica econômica da extrema especialização do trabalho, a sabedoria convencional do passado sobre o design do trabalho produtivo é contrariada pelas consequências adversas à saúde no modelo Demanda/Controle. O modelo implica perspectivas alternativas de promoção da saúde na organização do trabalho que enfatizam amplas habilidades e participação dos trabalhadores, e que também podem trazer vantagens econômicas para a manufatura inovadora e para as indústrias de serviços por causa do aumento das possibilidades de aprendizado e participação.

Hipóteses do Modelo de Demanda/Controle

Funcionamento psicossocial no local de trabalho, baseado em demandas psicológicas e latitude de decisão

Hipótese de tensão no trabalho

A primeira hipótese é que as reações mais adversas de tensão psicológica ocorrem (fadiga, ansiedade, depressão e doença física) quando as demandas psicológicas do trabalho são altas e a latitude de decisão do trabalhador na tarefa é baixa (figura 1, célula inferior direita) . Essas reações indesejáveis ​​semelhantes ao estresse, que resultam quando a excitação é combinada com oportunidades restritas de ação ou enfrentamento do estressor, são chamadas de tensão psicológica (o termo estresse não é usado neste momento, pois é definido de forma diferente por muitos grupos).

Figura 1. Modelo de demanda psicológica/latitude de decisão

Por exemplo, o trabalhador da linha de montagem tem quase todos os comportamentos rigidamente restritos. Em uma situação de demandas crescentes (“aceleração”), mais do que apenas uma resposta construtiva de excitação, ocorre a resposta muitas vezes impotente, duradoura e vivenciada negativamente de tensão psicológica residual. Quando ocorre o pico da hora do almoço (Whyte, 1948), é o funcionário do restaurante que não sabe como “controlar” o comportamento de seus clientes (“dar um salto sobre o cliente”) que experimenta a maior tensão no trabalho. Kerckhoff e Back (1968) descrevem os trabalhadores de vestuário sob forte pressão de prazo e a subsequente ameaça de demissão. Eles concluem que quando as ações normalmente necessárias para lidar com as pressões do trabalho não podem ser tomadas, ocorrem os sintomas comportamentais mais graves de tensão (desmaio, histeria, contágio social). Não é apenas a liberdade de ação sobre como realizar a tarefa formal de trabalho que alivia a tensão, pode ser também a liberdade de se engajar nos “rituais” informais, a pausa para o café, a pausa para fumar ou a inquietação, que servem como complemento” Mecanismos de liberação de tensão” durante o dia de trabalho (Csikszentmihalyi 1975). Estas são frequentemente atividades sociais com outros trabalhadores – precisamente aquelas atividades eliminadas como “movimentos desperdiçados” e “soldados” pelos métodos de Frederick Taylor (1911 (1967)). Isso implica uma necessária expansão do modelo para incluir as relações sociais e o apoio social.

No modelo, a latitude de decisão refere-se à capacidade do trabalhador de controlar suas próprias atividades e uso de habilidades, não de controlar os outros. As escalas de latitude de decisão têm dois componentes: autoridade de tarefa— um controle socialmente predeterminado sobre aspectos detalhados do desempenho da tarefa (também chamado de autonomia); e critério de habilidade— controle sobre o uso de habilidades pelo indivíduo, também determinado socialmente no trabalho (e muitas vezes chamado de variedade ou “complexidade substantiva” (Hackman e Lawler 1971; Kohn e Schooler 1973)). Nas hierarquias organizacionais modernas, os níveis mais altos de conhecimento legitimam o exercício dos níveis mais altos de autoridade, e os trabalhadores com tarefas especializadas e limitadas são coordenados por gerentes com níveis mais altos de autoridade. A discrição de habilidades e a autoridade sobre as decisões estão tão intimamente relacionadas teórica e empiricamente que muitas vezes são combinadas.

Exemplos de demandas psicológicas do trabalho – “o quanto você trabalha” – incluem a presença de prazos, a excitação ou estimulação mental necessária para realizar a tarefa ou sobrecargas de coordenação. As exigências físicas do trabalho não estão incluídas (embora a excitação psicológica venha com o esforço físico). Outros componentes das demandas psicológicas do trabalho são estressores decorrentes de conflitos pessoais. O medo de perder o emprego ou a obsolescência de habilidades podem obviamente contribuir. No geral, Buck (1972) observa que os “requisitos da tarefa” (carga de trabalho) são o componente central das demandas psicológicas do trabalho para a maioria dos trabalhadores, apesar da diversidade acima. Embora medidas simples de horas de trabalho, em faixas moderadas, não pareçam prever fortemente doenças, uma dessas medidas, o trabalho em turnos - especialmente o trabalho em turnos rotativos - está associado a problemas sociais substanciais, bem como ao aumento de doenças.

Embora algum nível de “exigências” seja necessário para alcançar um novo aprendizado e desempenho efetivo no trabalho (ou seja, interesse), um nível muito alto é obviamente prejudicial. Isso implicou a curva “em forma de U” invertida do nível “ótimo” de demandas na conhecida Síndrome de Adaptação Geral de Selye (1936) e teorias clássicas relacionadas de Yerkes e Dodson (1908) e Wundt (1922) sobre estresse e desempenho.* No entanto, nossas descobertas mostram que a maioria das situações de trabalho tem um problema de sobrecarga, em vez de subcarga.

* Embora a associação “em forma de U” de Selye entre demandas e estresse pretendesse ser unidimensional ao longo de um eixo estressor, provavelmente também incluía uma segunda dimensão de restrição em seus experimentos com animais - e, portanto, era realmente um modelo composto de deterioração fisiológica relacionada ao estresse - potencialmente semelhante à situação de alta demanda e baixo controle, como outros pesquisadores descobriram (Weiss 1971).

Hipótese de aprendizagem ativa

Quando o controle no trabalho é alto e as demandas psicológicas também são altas, mas não esmagadoras (fig. 34.2 célula superior direita), o aprendizado e o crescimento são os resultados comportamentais previstos (ou seja, a hipótese do aprendizado ativo). Tal trabalho é chamado de “trabalho ativo”, uma vez que a pesquisa em populações suecas e americanas mostrou que este é o grupo mais ativo fora do trabalho no lazer e na atividade política, apesar das pesadas demandas de trabalho (Karasek e Theorell 1990). . Apenas a tensão psicológica média é prevista para o 'trabalho ativo' porque grande parte da energia despertada pelos muitos estressores do trabalho ("desafios") é traduzida em ação direta - solução eficaz de problemas - com pouca tensão residual para causar perturbação. Essa hipótese é paralela ao “conceito de competência” de White (1959): o estado psicológico dos indivíduos em circunstâncias desafiadoras é aprimorado por “exigências” crescentes, uma teoria da motivação baseada no ambiente. O modelo também prevê que os estímulos de crescimento e aprendizado dessas configurações, quando ocorrem em um contexto de trabalho, são propícios à alta produtividade.

No modelo Demanda/Controle, a aprendizagem ocorre em situações que exigem tanto o dispêndio individual de energia psicológica (exigências ou desafios) quanto o exercício da capacidade de decisão. À medida que o indivíduo com latitude de tomada de decisão faz uma “escolha” sobre a melhor forma de lidar com um novo estressor, essa nova resposta de comportamento, se eficaz, será incorporada ao repertório de estratégias de enfrentamento do indivíduo (ou seja, será “aprendida ”). O nível de atividade potencial no futuro será elevado devido à ampliação do leque de soluções para os desafios ambientais, gerando um aumento na motivação. Oportunidades para reforço construtivo de padrões de comportamento são ótimas quando os desafios na situação são correspondidos pelo controle do indivíduo sobre alternativas ou habilidade em lidar com esses desafios (Csikszentmihalyi 1975). A situação não será incrivelmente simples (portanto, sem importância) nem tão exigente que ações apropriadas não possam ser tomadas devido ao alto nível de ansiedade (a situação de “tensão” psicológica).

O modelo Demanda/Controle prevê que situações de baixa demanda e baixo controle (Figura 1 extremidade oposta da diagonal B) causam um ambiente de trabalho muito “desmotivador” que leva a “aprendizagem negativa” ou perda gradual de habilidades previamente adquiridas. As evidências mostram que o afastamento do lazer e da atividade política fora do trabalho parece aumentar ao longo do tempo em tais empregos (Karasek e Theorell 1990). Esses trabalhos “passivos”, podem ser resultado do “desamparo aprendido”, discutido por Seligman (1975) a partir de uma sequência de situações de trabalho que rejeitam as iniciativas do trabalhador.

O fato de que as demandas ambientais podem ser conceituadas tanto em termos positivos quanto negativos é congruente com o entendimento comum de que existe estresse “bom” e “ruim”. A evidência de que pelo menos dois mecanismos separáveis ​​devem ser usados ​​para descrever o “funcionamento psicológico” no trabalho é uma das principais validações da estrutura multidimensional do modelo “Demanda/Controle”. A diagonal B “ativa”-“passiva” implica que os mecanismos de aprendizagem são independentes (ou seja, ortogonais) dos mecanismos de tensão psicológica. Isso produz um modelo parcimonioso com duas dimensões amplas de atividade de trabalho e dois mecanismos psicológicos principais (a principal razão para chamá-lo de modelo de “interação” (Southwood 1978)). (As interações multiplicativas para os eixos são um teste muito restritivo para a maioria dos tamanhos de amostra.)

Esclarecendo as definições de Demanda e Controle

O modelo de Demanda/Controle às vezes é considerado congruente com um modelo de “demandas e recursos”, permitindo um ajuste simples com o pensamento comum de “custo/benefício” – onde os “benefícios” positivos dos recursos são subtraídos dos “benefícios” negativos. custos” das demandas. “Recursos” permite a inclusão de muitos fatores fora da experiência de tarefa imediata do trabalhador de importância óbvia. No entanto, a lógica das hipóteses do modelo Demanda/Controle não pode ser reduzida a uma forma unidimensional. A distinção entre latitude de decisão e estressores psicológicos deve ser mantida porque o modelo prevê tanto o aprendizado quanto a tensão no trabalho – a partir de duas combinações diferentes de demandas e controle que não são simplesmente matematicamente aditivas. O “controle” do trabalho não é apenas um estressor negativo, e as “exigências e desafios” associados à falta de controle não estão associados ao aumento do aprendizado. Ter latitude de decisão sobre o processo de trabalho reduzirá o estresse do trabalhador, mas aumentará seu aprendizado, enquanto as demandas psicológicas aumentariam tanto o aprendizado quanto o estresse. Essa distinção entre demandas e controle permite entender a previsão pouco clara dos efeitos de: (a) “responsabilidade”, que na verdade combina altas demandas e alta latitude de decisão; (b) “exigências qualitativas de trabalho”, que também mede a possibilidade de tomada de decisão sobre quais habilidades empregar; e (c) “trabalho por peça”, em que a latitude de decisão para trabalhar mais rápido quase diretamente traz consigo maiores demandas.

Expandindo o Modelo

Hipóteses de apoio social

O modelo de Demanda/Controle foi utilmente expandido por Johnson pela adição de suporte social como uma terceira dimensão (Johnson 1986; Kristensen 1995). A hipótese primária, de que empregos com alta demanda, baixo controle – e também baixo apoio social no trabalho (alta “isotensão”) carregam os maiores riscos de doenças, foi empiricamente bem-sucedida em vários estudos de doenças crônicas . A adição reconhece claramente a necessidade de qualquer teoria de estresse no trabalho para avaliar as relações sociais no local de trabalho (Karasek e Theorell 1990; Johnson e Hall 1988). O “amortecimento” do suporte social da tensão psicológica pode depender do grau de integração social e emocional e da confiança entre colegas de trabalho, supervisores, etc. – “apoio socioemocional” (Israel e Antonnuci, 1987). A adição de suporte social também torna a perspectiva Demanda/Controle mais útil no redesenho do trabalho. Mudanças nas relações sociais entre os trabalhadores (isto é, grupos de trabalho autônomos) e mudanças na liberdade de decisão são quase inseparáveis ​​nos processos de redesenho do trabalho, particularmente nos processos “participativos” (House, 1981).

No entanto, um tratamento teórico completo do impacto das relações sociais tanto no estresse quanto no comportamento no trabalho é um problema muito complexo que precisa de mais estudos. As associações com medidas de interações entre colegas de trabalho e supervisores e doenças crônicas são menos consistentes do que para latitude de decisão, e as relações sociais podem aumentar fortemente, bem como diminuir, a ativação do sistema nervoso que pode ser o elo indutor de risco entre situação social e doença. As dimensões da experiência de trabalho que reduzem o estresse no trabalho não seriam necessariamente as mesmas dimensões relevantes para o comportamento ativo no modelo Demanda/Controle. Facilitar formas coletivas de comportamento ativo provavelmente se concentraria na distribuição e capacidade de usar competências, estrutura e habilidades de comunicação, possibilidades de coordenação, “habilidades de inteligência emocional” (Goleman 1995) – bem como a confiança importante para o apoio social.

Ocupação e características psicossociais do trabalho

As características do trabalho podem ser exibidas em um diagrama de quatro quadrantes usando as características médias do trabalho das ocupações nos códigos de ocupação do Censo dos EUA (Karasek e Theorell 1990). O quadrante de trabalho “ativo”, com alta demanda e alto controle, tem ocupações de alto prestígio: advogados, juízes, médicos, professores, engenheiros, enfermeiros e gerentes de todos os tipos. O quadrante de trabalho “passivo”, com baixa demanda e baixo controle, tem trabalhadores de escritório, como balconistas de estoque e cobrança, operadores de transporte e pessoal de serviço de baixo status, como zeladores. O quadrante de “alta tensão”, com altas demandas e baixo controle, possui trabalhadores com ritmo de máquina, como montadores, operadores de corte, inspetores e carregadores, bem como outros trabalhadores de serviços de baixo status, como garçons ou cozinheiros. Ocupações predominantemente femininas são frequentes (costuradores de roupas, garçonetes, telefonistas e outros trabalhadores de automação de escritório). Ocupações individualizadas de “baixa tensão”, como reparadores, balconistas, silvicultores, eletricistas e cientistas naturais, muitas vezes envolvem treinamento significativo e autoavaliação.

Assim, executivos e profissionais têm um nível moderado de estresse, e não o mais alto nível de estresse, como muitas vezes se acredita. Embora o “estresse gerencial” certamente exista por causa das altas demandas psicológicas que acompanham esses empregos, parece que as frequentes ocasiões de tomada de decisão e decisão de como realizar o trabalho são um moderador significativo do estresse. É claro que, nos níveis de status mais altos, os cargos executivos consistem na tomada de decisões como a principal demanda psicológica e, então, o modelo Demanda/Controle falha. No entanto, a implicação aqui é que os executivos poderiam reduzir seu estresse se tomassem menos decisões, e os trabalhadores de status inferior estariam em melhor situação com mais oportunidades de decisão, de modo que todos os grupos poderiam estar em melhor situação com uma parcela mais igualitária do poder de decisão.

Os homens são mais propensos do que as mulheres a ter alto controle sobre seu processo de trabalho no nível da tarefa, com uma diferença tão grande quanto os diferenciais salariais (Karasek e Theorell 1990). Outra grande diferença de gênero é a correlação negativa entre a latitude de decisão e as demandas das mulheres: as mulheres com baixo controle também têm maiores demandas de trabalho. Isso significa que as mulheres têm várias vezes mais chances de manter empregos de alta tensão em toda a população ativa. Por outro lado, os empregos de alta demanda para homens geralmente são acompanhados por uma latitude de decisão um pouco maior (“autoridade proporcional à responsabilidade”)

Ligações teóricas entre o modelo Demanda/Controle e outras perspectivas teóricas

Os modelos de Demanda/Controle surgem da integração teórica de várias direções científicas díspares. Assim, está fora dos limites de várias tradições científicas estabelecidas das quais obteve contribuições ou com as quais é frequentemente contrastada: epidemiologia e sociologia da saúde mental e fisiologia do estresse, psicologia cognitiva e psicologia da personalidade. Algumas dessas teorias de estresse anteriores se concentraram em uma explicação causal baseada na pessoa, enquanto o modelo Demanda/Controle prevê uma resposta de estresse a ambientes sociais e psicológicos. No entanto, o modelo Demanda/Controle tentou fornecer um conjunto de hipóteses de interface com perspectivas baseadas na pessoa. Além disso, também foi proposta a vinculação a questões macro-sociais organizacionais e políticas econômicas, como classe social. Essas integrações e contrastes teóricos com outras teorias são discutidos abaixo em vários níveis. As ligações abaixo fornecem o pano de fundo para um conjunto estendido de hipóteses científicas.

Contraste entre o modelo Demanda/Controle e o modelo psicológico cognitivo

Uma área da teoria do estresse surge do campo atualmente popular da psicologia cognitiva. O princípio central do modelo cognitivo do funcionamento psicológico humano é que são os processos de percepção e interpretação do mundo externo que determinam o desenvolvimento de estados psicológicos no indivíduo. A carga de trabalho mental é definida como a carga total de informações que o trabalhador precisa perceber e interpretar durante a execução das tarefas de trabalho (Sanders e McCormick 1993; Wickens 1984). A “sobrecarga” e o estresse ocorrem quando essa carga de processamento de informações humanas é muito grande para as capacidades de processamento de informações do indivíduo. Este modelo tem desfrutado de grande aceitação desde a modelagem das funções mentais humanas no mesmo modelo conceitual grosseiro que os computadores modernos utilizam e, portanto, se encaixa em uma concepção de engenharia de projeto de trabalho. Este modelo nos alerta para a importância das sobrecargas de informação, dificuldades de comunicação e problemas de memória. Ele se sai bem no projeto de alguns aspectos das interfaces humano/computador e no monitoramento humano de processos complexos.

No entanto, a perspectiva psicológica cognitiva tende a minimizar a importância dos estressores “objetivos” no local de trabalho, por exemplo, e enfatizar, em vez disso, a importância da interpretação da situação pelos indivíduos estressados. Na “abordagem de coping” de base cognitiva, Lazarus e Folkman (1986) defendem que o indivíduo “reinterpreta cognitivamente” a situação de uma forma que a faça parecer menos ameaçadora, reduzindo assim o stress vivenciado. No entanto, essa abordagem pode ser prejudicial aos trabalhadores em situações em que os estressores ambientais são “objetivamente” reais e devem ser modificados. Outra variante da abordagem cognitiva, mais consistente com o empoderamento do trabalhador, é a teoria da “autoeficácia/motivação” de Bandura (1977), que enfatiza o aumento da auto-estima que ocorre quando os indivíduos: (a) definem uma meta para um processo de mudança; (b) receber feedback sobre os resultados positivos do meio ambiente; e (c) alcançar progresso incremental com sucesso.

Várias omissões no modelo cognitivo são problemáticas para uma perspectiva de saúde ocupacional sobre estresse e conflito com o modelo Demanda/Controle:

  • Não há papel para as “exigências” sociais e mentais do trabalho que não se traduzem em cargas de informação (ou seja, não há papel para tarefas que exigem demandas sociais de organização, conflitos e muitos prazos não intelectuais).
  • O modelo cognitivo prevê que situações que exigem muitas decisões são estressantes porque podem sobrecarregar a capacidade de processamento de informações do indivíduo. Isso contradiz diretamente o modelo de Demanda/Controle que prevê menor esforço em situações exigentes que permitem liberdade de tomada de decisão. A maioria das evidências epidemiológicas de estudos de campo apóia o modelo Demanda/Controle, mas testes de laboratório também podem gerar efeito de sobrecarga cognitiva baseada em decisões.
  • O modelo cognitivo também omite impulsos fisiológicos e emoções primitivas, que muitas vezes dominam a resposta cognitiva em situações desafiadoras. Há pouca discussão sobre como as emoções negativas ou o comportamento baseado na aprendizagem (exceto para Bandura, acima) surgem em situações sociais adultas comuns.

 

Embora negligenciada no modelo cognitivo, a resposta emocional é central para a noção de “estresse”, uma vez que o problema inicial de estresse é frequentemente o que leva a estados emocionais desagradáveis, como ansiedade, medo e depressão. Os “impulsos” e as emoções são afetados de forma mais central pelas regiões límbicas do cérebro – uma região cerebral diferente e mais primitiva do que o córtex cerebral tratado pela maioria dos processos descritos pela psicologia cognitiva. Possivelmente, a falha em desenvolver uma perspectiva integrada sobre o funcionamento psicológico reflete a dificuldade de integrar diferentes especializações de pesquisa com foco em dois sistemas neurológicos diferentes no cérebro. No entanto, recentemente, começaram a se acumular evidências sobre os efeitos conjuntos da emoção e da cognição. A conclusão parece ser que a emoção é um determinante subjacente da força da memória e cognição do padrão de comportamento (Damasio 1994; Goleman 1995).

Integrando Perspectivas de Estresse Sociológico e Emocional

Desenvolvimento do modelo de Demanda/Controle

O objetivo do modelo de Demanda/Controle tem sido integrar a compreensão da situação social com evidências de resposta emocional, sintomas de doenças psicossomáticas e desenvolvimento de comportamento ativo nas principais esferas da atividade da vida adulta, particularmente na situação de trabalho altamente estruturada socialmente. No entanto, quando o modelo estava sendo desenvolvido, uma plataforma provável para este trabalho, a pesquisa sociológica que explora a doença em grandes estudos populacionais, muitas vezes omitiu o nível detalhado de dados de resposta social ou pessoal da pesquisa de estresse e, portanto, muito trabalho de integração foi necessário para desenvolver o modelo. modelo.

A primeira ideia integradora Demanda/Controle — para situação social e resposta emocional — envolvia sintomas de estresse e ligava duas tradições de pesquisa sociológica e sociopsicológica relativamente unidimensionais. Primeiro, a tradição do estresse/doença da vida (Holmes e Rahe 1967; Dohrenwend e Dohrenwend 1974) previu que a doença se baseava apenas em demandas sociais e psicológicas, sem mencionar o controle sobre os estressores. Em segundo lugar, a importância do controle no local de trabalho foi claramente reconhecida na literatura sobre satisfação no trabalho (Kornhauser, 1965): a autonomia da tarefa e a variedade de habilidades foram usadas para prever a satisfação no trabalho, o absenteísmo ou a produtividade, com adições limitadas refletindo a relação social dos trabalhadores com o trabalho - mas houve pouca menção de cargas de trabalho de trabalho. A integração de estudos ajudou a preencher as lacunas na área de doença e tensão mental. Sundbom (1971) observou sintomas de tensão psicológica em “trabalho mentalmente pesado” – que na verdade foi medido por questões relacionadas a pressões mentais pesadas e trabalho monótono (presumivelmente também representando controle restrito). O insight combinado desses dois estudos e tradições de pesquisa foi que um modelo bidimensional era necessário para prever doenças: o nível de demandas psicológicas determinava se o baixo controle poderia levar a dois tipos significativamente diferentes de problemas: tensão psicológica ou abstinência passiva.

A segunda integração Demanda/Controle previu padrões de comportamento relacionados à experiência de trabalho. Os resultados comportamentais da atividade de trabalho também pareciam ser afetados pelas mesmas duas características amplas do trabalho – mas em uma combinação diferente. Kohn e Schooler (1973) observaram que as orientações ativas para o trabalho eram consequência de altos níveis de habilidade e autonomia, além de um trabalho psicologicamente exigente. Medidas de classe social foram correlatos importantes aqui. Meissner (1971) também descobriu que o comportamento de lazer estava positivamente associado a oportunidades tanto para tomar decisões no trabalho quanto para realizar um trabalho mentalmente desafiador. O insight combinado desses estudos foi que o “desafio” ou excitação mental era necessário, por um lado, para uma aprendizagem eficaz e, por outro, poderia contribuir para a tensão psicológica. “Controle” foi a variável moderadora crucial que determinou se as demandas ambientais levariam a consequências de aprendizagem “positivas” ou consequências de tensão “negativas”.

A combinação dessas duas hipóteses integradoras, prevendo resultados de saúde e comportamentais, é a base do modelo Demanda/Controle. Os níveis de “exigência” são o fator contingente que determina se o baixo controle leva à passividade ou à tensão psicológica; e os níveis de “controle” são o fator contingente que determina se as demandas levam à aprendizagem ativa ou à tensão psicológica (Karasek 1976; 1979). O modelo foi então testado em uma amostra nacional representativa de suecos (Karasek 1976) para prever tanto os sintomas da doença quanto os correlatos de lazer e comportamento político das condições psicossociais de trabalho. As hipóteses foram confirmadas em ambas as áreas, embora muitos fatores de confusão obviamente compartilhem desses resultados. Logo após essas confirmações empíricas, surgiram duas outras formulações conceituais, consistentes com o modelo Demanda/Controle, que confirmaram a robustez das hipóteses gerais. Seligman (1976) observou depressão e desamparo aprendido em condições de intensa demanda com controle restrito. Simultaneamente, Csikszentmihalyi (1975) descobriu que uma “experiência ativa” (“fluxo”) resultava de situações que envolviam tanto desafios psicológicos quanto altos níveis de competência. O uso desse modelo integrado foi capaz de resolver alguns paradoxos na pesquisa de satisfação no trabalho e tensão mental (Karasek 1979): por exemplo, que as cargas de trabalho qualitativas eram frequentemente associadas negativamente à tensão (porque também refletiam o controle do indivíduo sobre o uso de suas habilidades ). A aceitação mais ampla do modelo por outros pesquisadores ocorreu em 1979, após a expansão da predição empírica para doença coronariana, com a ajuda do colega Tores Theorell, médico com formação significativa em epidemiologia cardiovascular.

Uma segunda integração do modelo de demanda/controle - resposta fisiológica

Pesquisas adicionais permitiram um segundo nível de integração ligando o modelo de demanda/controle à resposta fisiológica.  Os principais desenvolvimentos da pesquisa em pesquisa fisiológica identificaram dois padrões de adaptação de um organismo ao seu ambiente. A resposta de luta-fuga de Cannon (1914) está mais associada à estimulação da medula adrenal - e à secreção de adrenalina. Esse padrão, ocorrendo em conjunto com a ativação simpática do sistema cardiovascular, é claramente um modo de resposta ativo e energético em que o corpo humano é capaz de usar a energia metabólica máxima para suportar o esforço mental e físico necessário para escapar das principais ameaças à sua sobrevivência. No segundo padrão de resposta fisiológica, a resposta adrenocortical é uma resposta à derrota ou retirada em uma situação com pouca possibilidade de vitória. A pesquisa de Selye (1936) sobre estresse lidou com a resposta adrenocortical a animais em uma condição estressada, mas passiva (ou seja, seus sujeitos animais foram contidos enquanto estavam estressados, não em uma situação de luta e fuga). Henry e Stephens (1977) descrevem esse comportamento como a derrota ou perda de vínculos sociais, o que leva a um retraimento e submissão nas interações sociais.

* Um grande estímulo para o desenvolvimento da hipótese de tensão do modelo de Demanda/Controle em 1974 foram as observações de Dement (1969) de que o relaxamento vital relacionado ao sonho REM era inibido se gatos privados de sono fossem “constringidos” por uma esteira (talvez como um linha de montagem) após períodos de extrema exposição a estressores psicológicos. As ações combinadas de estressores ambientais e baixo controle ambiental foram elementos essenciais na produção desses efeitos. Os impactos negativos, em termos de desarranjo mental, foram catastróficos e levaram à incapacidade de coordenar os processos fisiológicos mais básicos.

No início da década de 1980, a pesquisa de Frankenhaeuser (1986) demonstrou a congruência desses dois padrões de resposta fisiológica com as principais hipóteses do modelo de Demanda/Controle - permitindo a ligação entre resposta fisiológica e situação social e padrões de resposta emocional. Em situações de alta tensão, as secreções de cortisol do córtex adrenal e adrenalina da medula adrenal são elevadas, enquanto em uma situação em que o sujeito tem um estressor controlável e previsível, a secreção de adrenalina sozinha é elevada (Frankenhaeuser, Lundberg e Forsman 1980 ). Isso demonstrou uma diferenciação significativa da resposta psicoendócrina associada a diferentes situações ambientais. Frankenhaeuser usou um modelo bidimensional com a mesma estrutura do modelo Demanda/Controle, mas com dimensões que identificam a resposta emocional pessoal. “Esforço” descreve a atividade estimulante adrenal-medular (exigências no modelo Demanda/Controle) e “angústia” descreve a atividade estimulante adrenocortical (falta de liberdade de decisão no modelo Demanda/Controle). As categorias de resposta emocional de Frankenhaeuser iluminam uma ligação mais clara entre emoção e resposta fisiológica, mas desta forma o modelo Demanda/Controle falha em iluminar a associação entre sociologia do trabalho e resposta fisiológica, que tem sido outro ponto forte do modelo.

Integrando a teoria do estresse baseada na pessoa: a versão dinâmica do modelo de demanda/controle

Um dos desafios por trás do desenvolvimento do modelo Demanda/Controle foi desenvolver uma alternativa para a explicação socialmente conservadora de que a percepção do trabalhador ou as orientações de resposta são as principais responsáveis ​​pelo estresse – a alegação de algumas teorias de estresse baseadas na pessoa. Por exemplo, é difícil aceitar as alegações, estendidas por modelos de estresse baseados na personalidade, de que a maioria das reações de estresse se desenvolve porque os tipos de personalidade individuais comuns habitualmente interpretam mal os estresses do mundo real ou são hipersensíveis a eles, e que esses tipos de personalidade podem ser identificados com base em testes simples. De fato, as evidências de tais efeitos de personalidade foram misturadas, na melhor das hipóteses, até mesmo com as medidas mais comuns (embora uma personalidade de negação do estresse tenha sido identificada - alexitimia (Henry e Stephens, 1977). O padrão de comportamento Tipo A, por exemplo, foi originalmente interpretado como o propensão do indivíduo para selecionar atividades estressantes, mas a pesquisa nesta área agora mudou para a personalidade "propensa à raiva" (Williams 1987). Claro, a resposta à raiva pode ter um componente significativo de resposta ao ambiente. Uma versão mais generalizada da abordagem da personalidade é encontrado no modelo de “ajuste pessoa-ambiente” (Harrison 1978), que postula que uma boa combinação entre a pessoa e o ambiente é o que reduz o estresse. Aqui também tem sido difícil especificar as características específicas de personalidade a serem medidas. No entanto , as abordagens baseadas na resposta pessoal/personalidade abordaram o fato óbvio de que: (a) as percepções baseadas na pessoa são uma parte importante do processo no qual o ambiente onmentos afetam os indivíduos; e (b) existem diferenças de longo prazo nas respostas pessoais aos ambientes. Assim, foi desenvolvido um ambiente integrado, dinâmico no tempo e uma versão baseada na pessoa do modelo de Demanda/Controle.

A versão dinâmica do modelo de Demanda/Controle (figura 2) integra os efeitos do ambiente com os fenômenos baseados na pessoa, como o desenvolvimento da auto-estima e a exaustão de longo prazo. A versão dinâmica integra fatores ambientais e baseados na pessoa construindo duas hipóteses combinadas sobre a tensão original e os mecanismos de aprendizado: (a) que o estresse inibe o aprendizado; e (b) que o aprendizado, a longo prazo, pode inibir o estresse. A primeira hipótese é que altos níveis de exigência podem inibir a capacidade normal de aceitar um desafio e, assim, inibir novos aprendizados. Esses níveis de alta tensão podem ser o resultado de uma tensão psicológica duradoura acumulada ao longo do tempo - e refletida em medidas baseadas na pessoa (figura 2, seta diagonal B). A segunda hipótese é que o novo aprendizado pode levar a sentimentos de domínio ou confiança – uma medida baseada na pessoa. Esses sentimentos de domínio, por sua vez, podem levar a percepções reduzidas de eventos como estressantes e maior sucesso de enfrentamento (figura 3, seta diagonal A). Assim, os fatores ambientais, a longo prazo, determinam parcialmente a personalidade e, posteriormente, os efeitos ambientais são moderados por essas orientações de personalidade previamente desenvolvidas. Esse modelo amplo poderia incorporar as seguintes medidas mais específicas de resposta pessoal: sentimentos de domínio, negação, alexitimia, traço de ansiedade, traço de raiva, exaustão vital, esgotamento, implicações cumulativas de estresse na vida e, possivelmente, componentes de comportamento do Tipo A.

Figura 2. Associações dinâmicas que ligam tensão ambiental e aprendizagem à evolução da personalidade

O modelo dinâmico oferece a possibilidade de duas “espirais” dinâmicas de longo prazo de comportamento. A dinâmica comportamental positiva começa com o ambiente de trabalho ativo, o aumento da “sensação de domínio” e o aumento da capacidade de lidar com os estressores inevitáveis ​​do trabalho. Estes, por sua vez, reduzem a ansiedade acumulada e, assim, aumentam a capacidade de aceitar ainda mais desafios de aprendizagem — produzindo ainda mais mudanças positivas de personalidade e maior bem-estar. A dinâmica comportamental indesejável começa com o trabalho de alta exigência, a alta tensão residual acumulada e a capacidade restrita de aceitar desafios de aprendizagem. Estes, por sua vez, levam à diminuição da auto-estima e ao aumento das percepções de estresse – produzindo ainda mais mudanças negativas de personalidade e diminuição do bem-estar. A evidência de submecanismos é discutida em Karasek e Theorell (1990), embora o modelo completo não tenha sido testado. Duas direções de pesquisa promissoras que poderiam ser facilmente integradas com a pesquisa de Demanda/Controle são a pesquisa de “exaustão vital” integrada com respostas variáveis ​​às demandas da vida (Appels 1990) e os métodos de “auto-eficácia” de Bandura (1977), que integram o desenvolvimento de habilidades e a auto-estima. desenvolvimento da estima.

O modelo Demanda/Controle e a dinâmica do sistema de estresse fisiológico

Um próximo passo necessário para a pesquisa de Demanda/Controle é uma especificação mais abrangente das vias fisiológicas da causação da doença. A resposta fisiológica está sendo cada vez mais entendida como uma resposta complexa do sistema. A fisiologia da resposta humana ao estresse – para realizar, por exemplo, um comportamento de luta ou fuga – é uma combinação altamente integrada de mudanças na produção cardiovascular, regulação do tronco cerebral, interação respiratória, controle do sistema límbico da resposta endócrina, ativação cortical geral e alterações do sistema circulatório periférico. O conceito de "estresse" é muito possivelmente mais relevante para sistemas complexos - que envolvem múltiplos subsistemas em interação e causalidade complexa.*  Acompanhando essa nova perspectiva dos princípios dinâmicos de sistemas em fisiologia, estão as definições de muitas doenças como distúrbios da regulação do sistema (Henry e Stephens 1977; Weiner 1977) e a investigação dos resultados de ajustes multifatoriais dependentes do tempo para o equilíbrio do sistema ou, alternativamente, sua ausência no “caos”.

* Em vez de uma ligação de causa e efeito única e inequívoca, como nas "ciências duras" (ou ciência dura mitologicamente), nos modelos de estresse as associações causais são mais complexas: pode haver muitas causas que "se acumulam" para contribuir para um único efeito ; uma única causa ("estressor") pode ter muitos efeitos; ou efeitos que ocorrem apenas após atrasos de tempo significativos.

Interpretando tais observações a partir da perspectiva de um modelo de Demanda/Controle “generalizado”, poderíamos dizer que o estresse se refere a um desequilíbrio do sistema como um todo, mesmo quando partes do sistema estão funcionando. Todos os organismos devem ter mecanismos de controle para integrar as ações de subsistemas separados (ou seja, o cérebro, o coração e o sistema imunológico). O estresse (ou tensão no trabalho) seria uma condição de sobrecarga experimentada pelo “sistema de controle” do organismo quando ele tenta manter o funcionamento integrado diante de muitos desafios ambientais (“altas demandas”), e quando a capacidade do sistema de controle integrado de seus submecanismos falham (“alta tensão”). Para impor ordem em seu ambiente caótico, os sistemas de controle fisiológico interno do indivíduo devem “fazer o trabalho” de manter uma regularidade fisiológica coordenada (ou seja, uma frequência cardíaca constante) diante de demandas ambientais irregulares. Quando a capacidade de controle do organismo se esgota após muita “organização” (uma condição de baixa entropia, por analogia com a termodinâmica), demandas adicionais levam a fadiga excessiva ou tensão debilitante. Além disso, todos os organismos devem retornar periodicamente seus sistemas de controle ao estado de repouso – períodos de sono ou relaxamento (um estado de desordem relaxada ou alta entropia) – para serem capazes de realizar a próxima rodada de tarefas de coordenação. Os processos de coordenação do sistema ou suas tentativas de relaxamento podem ser inibidos caso ele não consiga seguir seu próprio curso ótimo de ação, ou seja, caso não tenha possibilidades de controlar sua situação ou encontrar um estado de equilíbrio interno satisfatório. Em geral, a “falta de controle” pode representar a restrição da capacidade do organismo de usar todos os seus mecanismos adaptativos para manter o equilíbrio fisiológico diante das demandas, levando ao aumento da carga a longo prazo e ao risco de doenças. Esta é uma direção para futuras pesquisas fisiológicas de Demanda/Controle.

Uma descoberta potencialmente consistente é que, embora o modelo de Demanda/Controle preveja a mortalidade cardiovascular, nenhum fator de risco convencional ou indicador fisiológico isolado parece ser o principal caminho desse risco. Pesquisas futuras podem mostrar se “falhas dinâmicas de sistemas” são o caminho.

Implicações macrossociais do modelo de demanda/controle

Modelos que integram várias esferas de pesquisa permitem previsões mais amplas sobre as consequências para a saúde das instituições sociais humanas. Por exemplo, Henry e Stephens (1977) observam que no mundo animal as “exigências psicológicas” resultam das responsabilidades completamente “sociais” de encontrar comida e abrigo para a família e de criar e defender a prole; seria difícil imaginar situações de cobranças forçadas aliadas ao isolamento social. No entanto, o mundo humano do trabalho é tão organizado que as demandas podem ocorrer sem nenhuma filiação social. De fato, de acordo com Frederick Taylor Princípios de Gestão Científica (1911 (1967)), o aumento das demandas de trabalho dos trabalhadores muitas vezes deve ser feito de forma isolada, caso contrário, os trabalhadores se revoltariam contra o processo - e retornariam à socialização que desperdiçava tempo! Além de mostrar a utilidade de um modelo integrado, este exemplo mostra a necessidade de expandir ainda mais a compreensão social da resposta humana ao estresse (por exemplo, adicionando uma dimensão de suporte social ao modelo Demanda/Controle).

Uma compreensão integrada e socialmente ancorada da resposta humana ao estresse é particularmente necessária para entender o futuro desenvolvimento econômico e político. Modelos menos abrangentes podem ser enganosos. Por exemplo, de acordo com o modelo cognitivo que tem dominado os diálogos públicos sobre o futuro desenvolvimento social e industrial (ou seja, a direção das habilidades dos trabalhadores, a vida na sociedade da informação, etc.), um indivíduo tem liberdade para interpretar – ou seja, reprogramar – sua percepção de eventos do mundo real como estressantes ou não estressantes. A implicação social é que, literalmente, podemos projetar para nós mesmos qualquer arranjo social – e devemos assumir a responsabilidade de nos adaptar a qualquer estresse que isso possa causar. No entanto, muitas das consequências fisiológicas do estresse estão relacionadas ao “cérebro emocional” no sistema límbico, que possui uma estrutura determinista com claras limitações nas demandas gerais. Definitivamente, não é “infinitamente” reprogramável, como indicam claramente os estudos da síndrome de estresse pós-traumático (Goleman 1995). Negligenciar os limites do sistema límbico — e a integração da resposta emocional e da integração social — pode levar a um conjunto bastante moderno de conflitos básicos para o desenvolvimento humano. Podemos estar desenvolvendo sistemas sociais com base nas capacidades cognitivas extraordinárias de nosso córtex cerebral que colocam demandas impossíveis nas funções cerebrais límbicas mais básicas em termos de sobrecargas: laços sociais perdidos, falta de possibilidades de controle interno e capacidade restrita de ver o "foto inteira". Em suma, parece que corremos o risco de desenvolver organizações de trabalho para as quais somos sociobiologicamente desajustados. Esses resultados não são apenas consequência de modelos científicos incompletos, mas também facilitam os tipos errados de processos sociais – processos em que os interesses de alguns grupos com poder social são atendidos à custa de outros níveis previamente inexperientes de disfunção social e pessoal.

Medidas de classe social e trabalho psicossocial

Em muitos casos, os estressores de nível individual podem ser modelados como o resultado causal de processos sociais, dinâmicos e político-econômicos em larga escala. Assim, ligações teóricas com conceitos como classe social também são necessárias. A avaliação de associações entre situação social e doença levanta a questão da relação entre fatores psicossociais de demanda/controle e medidas amplas de circunstâncias sociais, como classe social. A medida da latitude de decisão no trabalho está, de fato, claramente correlacionada com a educação e outras medidas de classe social. No entanto, a classe social convencionalmente mede os efeitos da renda e da educação que operam por meio de mecanismos diferentes dos caminhos psicossociais do modelo Demanda/Controle. É importante ressaltar que a construção da tensão no trabalho é quase ortogonal à maioria das medidas de classe social em populações nacionais (no entanto, a dimensão ativa/passiva está altamente correlacionada com a classe social entre trabalhadores de alto status (apenas)) (Karasek e Theorell 1990). Os aspectos de baixa latitude de decisão de empregos de baixo status parecem ser um contribuinte mais importante para a tensão psicológica do que a distinção entre carga de trabalho mental e física, o determinante convencional do status de colarinho branco/azul. De fato, o esforço físico comum em muitos empregos de colarinho azul pode proteger a tensão psicológica em algumas circunstâncias. Embora a tensão no trabalho seja de fato mais comum em empregos de baixo status, as dimensões psicossociais do trabalho definem um quadro de risco de tensão que é significativamente independente das medidas convencionais de classe social.

Embora tenha sido sugerido que as associações de Demanda/Controle trabalho/doença observadas meramente refletem diferenças de classe social (Ganster 1989; Spector 1986), uma revisão das evidências rejeita essa visão (Karasek e Theorell 1990). A maior parte da pesquisa de Demanda/Controle controlou simultaneamente a classe social, e as associações de Demanda/Controle persistem dentro dos grupos de classe social. No entanto, associações de colarinho azul com o modelo são confirmadas de forma mais consistente, e a força das associações de colarinho branco varia (consulte “Esforço profissional e doença cardiovascular”, abaixo) entre os estudos, com estudos de ocupação única de colarinho branco sendo um pouco menos robustos. (É claro que, para os gerentes e profissionais de status mais elevado, a tomada de decisões pode se tornar uma demanda significativa em si.)

O fato de que as medidas convencionais de “classe social” muitas vezes encontram associações mais fracas com sofrimento mental e resultados de doenças do que o modelo Demanda/Controle, na verdade, justifica novas concepções de classe social. Karasek e Theorell (1990) definem um novo conjunto de trabalhadores psicossocialmente favorecidos e desfavorecidos, com estresse no trabalho “perdedores” em trabalhos rotineiros, comercializados e burocratizados, e “vencedores” em trabalhos intelectuais altamente criativos focados na aprendizagem. Tal definição é consistente com uma nova produção industrial baseada em habilidades na “sociedade da informação” e uma nova perspectiva sobre a política de classe.

Questões Metodológicas

Objetividade das medidas psicossociais do trabalho

Os questionários de autorrelato administrados aos trabalhadores têm sido o método mais comum de coleta de dados sobre as características psicossociais do trabalho, uma vez que são simples de administrar e podem ser facilmente projetados para explorar conceitos centrais também nos esforços de redesenho do trabalho (Hackman e Oldham's JDS 1975), Job Questionário de conteúdo (Karasek 1985), o questionário Statshalsan sueco. Embora projetados para medir o trabalho objetivo, esses instrumentos de questionário inevitavelmente medem as características do trabalho conforme percebidas pelo trabalhador. O viés de auto-relato dos resultados pode ocorrer com variáveis ​​dependentes auto-relatadas, como depressão, exaustão e insatisfação. Uma solução é agregar respostas de autorrelato de grupos de trabalho com situações de trabalho semelhantes – diluindo preconceitos individuais (Kristensen 1995). Esta é a base de sistemas amplamente utilizados que ligam as características psicossociais do trabalho às ocupações (Johnson et al. 1996).

Há também evidências que avaliam a validade “objetiva” das escalas psicossociais autorrelatadas: as correlações entre o autorrelato e os dados de observação de especialistas são tipicamente 0.70 ou mais para latitude de decisão e correlações mais baixas (0.35) para demandas de trabalho (Frese e Zapf 1988). . Também apoiando a validade objetiva estão as altas variações entre ocupações de (40 a 45%) das escalas de latitude de decisão, que se comparam favoravelmente com 21% para renda e 25% para o esforço físico, que variam dramaticamente por ocupação (Karasek e Theorell 1990). No entanto, apenas 7% e 4%, das demandas psicológicas e da variação da escala de suporte social, respectivamente, estão entre as ocupações, deixando a possibilidade de um grande componente baseado na pessoa de auto-relatos dessas medidas.

Estratégias de medição mais objetivas seriam desejáveis. Alguns métodos de avaliação objetiva bem conhecidos são congruentes com o modelo Demanda/Controle (para latitude de decisão: VERA, Volpert et al. (1983)). No entanto, as observações de especialistas também têm problemas: as observações são caras, demoradas e, na avaliação das interações sociais, obviamente não geram medidas mais precisas. Há também vieses teóricos envolvidos no próprio conceito de medidas padrão de “especialistas”: é muito mais fácil “medir” a qualidade facilmente observada e repetitiva dos empregos de trabalhadores de linha de montagem de baixo status do que as diversas tarefas de gerentes de alto status ou profissionais. Assim, a objetividade das medidas psicossociais está inversamente relacionada à liberdade de decisão do sujeito.

Algumas revisões de evidências empíricas para o modelo Demanda/Controle

Tensão no trabalho e doenças cardiovasculares (DCV)

As associações de estresse no trabalho e doenças cardíacas representam a base mais ampla de suporte empírico para o modelo. Revisões abrangentes recentes foram feitas por Schnall, Landsbergis e Baker (1994), Landsbergis et al. (1993) e Kristensen (1995). Resumindo Schnall, Landsbergis e Baker(1994) (atualizado por Landsbergis, comunicação pessoal, outono de 1995): 16 de 22 estudos confirmaram uma associação de tensão no trabalho com mortalidade cardiovascular usando uma ampla gama de metodologias, incluindo 7 de 11 estudos de coorte; 2 de 3 estudos transversais; 4 de 4 estudos de caso-controle; e 3 de 3 estudos utilizando indicadores de sintomas da doença. A maioria dos estudos negativos foram em populações mais velhas (principalmente com mais de 55 anos, alguns com muito tempo pós-aposentadoria) e são baseados principalmente em pontuações agregadas de ocupação que, embora minimizem o viés de autorrelato, são fracos em poder estatístico. A hipótese da tensão no trabalho parece ser um pouco mais consistente ao prever a DCV de colarinho azul do que de colarinho branco (Marmot e Theorell, 1988). Os fatores de risco de DCV convencionais, como colesterol sérico, tabagismo e até pressão arterial, quando medidos de maneira convencional, até agora mostraram apenas efeitos inconsistentes ou fracos de tensão no trabalho. No entanto, métodos mais sofisticados (pressões sanguíneas ambulatoriais) mostram resultados positivos substanciais (Theorell e Karasek 1996).

Tensão no trabalho e sofrimento/comportamento psicológico, absenteísmo

Os achados de transtornos psicológicos são revisados ​​em Karasek e Theorell (1990). A maioria dos estudos confirma uma associação de estresse no trabalho e é de populações amplamente representativas ou nacionalmente representativas em vários países. As limitações comuns do estudo são o desenho transversal e o problema difícil de evitar do trabalho auto-relatado e questionários de tensão psicológica, embora alguns estudos também incluam avaliação objetiva do observador de situações de trabalho e também há estudos longitudinais de apoio. Embora alguns tenham afirmado que uma tendência baseada na pessoa em relação ao afeto negativo aumenta as associações trabalho-tensão mental (Brief et al. 1988), isso não pode ser verdade para várias descobertas fortes sobre absenteísmo (North et al. 1996; Vahtera Uutela e Pentii 1996 ). As associações em alguns estudos são muito fortes e, em vários estudos, são baseadas em um sistema de ligação que minimiza o potencial viés de autorrelato (com risco de perda de poder estatístico). Esses estudos confirmam associações para uma ampla gama de resultados de tensão psicológica: formas moderadamente graves de depressão, exaustão, consumo de drogas e insatisfação com a vida e o trabalho, mas os resultados também diferem de acordo com o resultado. Há também alguma diferenciação de afeto negativo pelas dimensões do modelo de demanda/controle. Exaustão, ritmo acelerado ou simplesmente relatos de “sentir-se estressado” estão mais fortemente relacionados às demandas psicológicas – e são maiores para gerentes e profissionais. Sintomas de tensão mais graves, como depressão, perda de auto-estima e doença física, parecem estar mais fortemente associados à baixa latitude de decisão - um problema maior para trabalhadores de baixo status.

Tensão no trabalho e distúrbios musculoesqueléticos e outras doenças crônicas

A evidência da utilidade do modelo Demanda/Controle está se acumulando em outras áreas (ver Karasek e Theorell 1990). A previsão de doença musculoesquelética ocupacional é revisada para 27 estudos por Bongers et al. (1993) e outros pesquisadores (Leino e Häøninen 1995; Faucett e Rempel 1994). Este trabalho apóia a utilidade preditiva do modelo de demanda/controle/suporte, particularmente para distúrbios da extremidade superior. Estudos recentes sobre distúrbios da gravidez (Fenster et al. 1995; Brandt e Nielsen 1992) também mostram associações de estresse no trabalho.

Resumo e direções futuras

O modelo Demanda/Controle/suporte tem estimulado muitas pesquisas nos últimos anos. O modelo ajudou a documentar mais especificamente a importância dos fatores sociais e psicológicos na estrutura das ocupações atuais como fator de risco para as doenças e condições sociais mais onerosas da sociedade industrial. Empiricamente, o modelo foi bem-sucedido: foi estabelecida uma relação clara entre condições adversas de trabalho (particularmente baixa latitude de decisão) e doença cardíaca coronária.

No entanto, ainda é difícil precisar quais aspectos das demandas psicológicas, ou latitude de decisão, são mais importantes no modelo e para quais categorias de trabalhadores. As respostas a essas perguntas exigem uma explicação mais aprofundada dos efeitos fisiológicos e microcomportamentais das demandas psicológicas, latitude de decisão e apoio social do que a formulação original do modelo fornecida e exigem testes simultâneos da versão dinâmica do modelo, incluindo o ativo/passivo hipóteses. A utilidade futura da pesquisa de Demanda/Controle pode ser aprimorada por um conjunto expandido de hipóteses bem estruturadas, desenvolvidas por meio da integração com outras áreas intelectuais, conforme descrito acima (também em Karasek e Theorell 1990). As hipóteses ativa/passiva, em particular, receberam muito pouca atenção na pesquisa de resultados de saúde.

Outras áreas de progresso também são necessárias, particularmente novas abordagens metodológicas na área de demanda psicológica. Além disso, mais estudos longitudinais são necessários, avanços metodológicos são necessários para lidar com o viés de autorrelato e novas tecnologias de monitoramento fisiológico devem ser introduzidas. No nível macro, os fatores ocupacionais macrossociais, como a influência e o apoio à decisão coletiva e organizacional dos trabalhadores, as limitações de comunicação e a insegurança no trabalho e na renda, precisam ser mais claramente integrados ao modelo. As ligações com os conceitos de classe social precisam ser mais exploradas, e a força do modelo para as mulheres e a estrutura das ligações trabalho/família precisam ser mais investigadas. Grupos populacionais em regimes de trabalho inseguros, que têm os níveis mais altos de estresse, devem ser cobertos por novos tipos de projetos de estudo – especialmente relevantes à medida que a economia global muda a natureza das relações de trabalho. Como estamos mais expostos às tensões da economia global, novas medidas em níveis macro são necessárias para testar a falta de controle local e o aumento da intensidade da atividade de trabalho – aparentemente tornando a forma geral do modelo Demanda/Controle relevante no futuro.

 

Voltar

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Prefácio
Parte I. O Corpo
Sangue
Câncer
Sistema Cardiovascular
Perigos Físicos, Químicos e Biológicos
Sistema digestório
Saúde Mental
Humor e Afeto
Sistema musculo-esquelético
Sistema nervoso
Sistema Renal-Urinário
Sistema Reprodutor
Sistema respiratório
Sistemas sensoriais
Doenças de pele
Condições Sistemáticas
Parte II. Cuidados de saúde
Serviços médicos de primeiros socorros e emergências
Proteção e promoção da saúde
Serviços de Saúde Ocupacional
Parte III. Política de gerenciamento
Deficiência e Trabalho
Educação e Formação
Estudos de Caso
Problemas éticos
Desenvolvimento, Tecnologia e Comércio
Relações Trabalhistas e Gestão de Recursos Humanos
Recursos: Informação e SST
Recursos, Institucionais, Estruturais e Jurídicos
nível da comunidade
Exemplos Regionais e Nacionais
Saúde e Segurança Internacional, Governamental e Não Governamental
Trabalho e Trabalhadores
Sistemas de compensação do trabalhador
Tópicos em Sistemas de Compensação de Trabalhadores
Parte IV. Ferramentas e Abordagens
Monitoramento Biológico
Epidemiologia e Estatística
Ergonomia
Objetivos, Princípios e Métodos
Aspectos Físicos e Fisiológicos
Aspectos Organizacionais do Trabalho
Projeto de sistemas de trabalho
Projetando para todos
Diversidade e importância da ergonomia
Higiene Ocupacional
Proteção pessoal
Sistemas de Registro e Vigilância
Toxicologia
Princípios Gerais de Toxicologia
Mecanismos de Toxicidade
Métodos de Teste Toxicológico
Toxicologia Regulatória
Parte V. Fatores Psicossociais e Organizacionais
Fatores Psicossociais e Organizacionais
Teorias do Estresse no Trabalho
Prevenção
Efeitos Crônicos na Saúde
Reações de Estresse
Fatores Individuais
Desenvolvimento de Carreira
Fatores macroorganizacionais
Seguro desemprego
Fatores Interpessoais
Fatores Intrínsecos ao Trabalho
Organizações e Saúde e Segurança
Parte VI. Perigos Gerais
Pressão barométrica aumentada
Pressão barométrica reduzida
Riscos Biológicos
Desastres Naturais e Tecnológicos
Eletricidade
Fogo
Calor e Frio
Horas de trabalho
Qualidade do ar interno
Controle Ambiental Interno
Iluminação
Ruído
Radiação: Ionizante
Radiação: Não Ionizante
vibração
Violência
Unidades de exibição visual
Parte VII. O ambiente
Riscos de saúde ambiental
Politica ambiental
Controle de Poluição Ambiental
Parte VIII. Gestão de Acidentes e Segurança
Prevenção de Acidentes
Auditorias, Inspeções e Investigações
Aplicações de segurança
Política de Segurança e Liderança
Programas de Segurança
Parte IX. Produtos químicos
Uso, armazenamento e transporte de produtos químicos
Minerais e produtos químicos agrícolas
Metais: Propriedades Químicas e Toxicidade
Parte X. Indústrias Baseadas em Recursos Biológicos
Indústrias Baseadas em Agricultura e Recursos Naturais
Sistemas Agropecuários
Culturas de Alimentos e Fibras
Culturas de árvores, amoras e vinhas
Culturas Especiais
Culturas de bebidas
Questões de Saúde e Meio Ambiente
Indústria de bebidas
Pescaria
Indústria Alimentar
Visão geral e efeitos na saúde
Setores de processamento de alimentos
Silvicultura
Caça
Pecuária
Lumber
Indústria de Papel e Celulose
Principais Setores e Processos
Padrões de Doenças e Lesões
Parte XI. Indústrias Baseadas em Recursos Naturais
Ferro e aço
Mineração e Pedreira
Exploração e Distribuição de Petróleo
Geração e distribuição de energia
Parte XII. Indústrias Químicas
Processamento químico
Exemplos de operações de processamento químico
Petróleo e Gás Natural
Indústria farmacêutica
Indústria de Borracha
Parte XIII. Indústrias manufatureiras
Aparelhos e equipamentos elétricos
Indústria de processamento de metais e indústria metalúrgica
Operações de fundição e refino
Processamento de metais e trabalho de metais
Microeletrônica e Semicondutores
Vidro, cerâmica e materiais relacionados
Indústria de impressão, fotografia e reprodução
Carpintaria
Parte XIV. Indústrias Têxteis e de Confecção
Vestuário e Produtos Têxteis Acabados
Couro, Peles e Calçados
Indústria de Artigos Têxteis
Parte XV. Indústrias de transporte
Fabricação e manutenção aeroespacial
Veículos motorizados e equipamentos pesados
Construção e Reparação de Navios e Barcos
Parte XVI. Construção
Construção
Saúde, Prevenção e Gestão
Principais setores e seus perigos
Ferramentas, Equipamentos e Materiais
Parte XVII. Serviços e Comércio
Serviços de educação e treinamento
Serviços de Emergência e Segurança
Recursos de serviços de emergência e segurança
Entretenimento e artes
Artes
Artes Cênicas e Mídia
Entretenimento
Recursos de entretenimento e artes
Instalações e Serviços de Saúde
Ergonomia e Saúde
O Ambiente Físico e os Cuidados de Saúde
Profissionais de saúde e doenças infecciosas
Produtos Químicos no Ambiente de Cuidados de Saúde
O Ambiente Hospitalar
Recursos de instalações e serviços de saúde
Hotéis e restaurantes
Escritório e Comércio Varejista
Serviços pessoais e comunitários
Serviços Públicos e Governamentais
Indústria de Transporte e Armazenagem
Transporte aéreo
Transporte rodoviário
Transporte ferroviário
Transporte de água
Armazenamento
Parte XVIII. Guias
Guia de Ocupações
Guia de Produtos Químicos
Guia de Unidades e Abreviaturas