Sexta-feira, Março 25 2011 03: 40

Visão geral

Novas tecnologias da informação estão sendo introduzidas em todos os setores industriais, embora em graus variados. Em alguns casos, os custos da informatização dos processos produtivos podem constituir um impedimento à inovação, principalmente nas pequenas e médias empresas e nos países em desenvolvimento. Os computadores possibilitam a rápida coleta, armazenamento, processamento e disseminação de grandes quantidades de informações. Sua utilidade é ainda reforçada por sua integração em redes de computadores, que permitem que os recursos sejam compartilhados (Young 1993).

A informatização exerce efeitos significativos sobre a natureza do emprego e sobre as condições de trabalho. A partir de meados da década de 1980, foi reconhecido que a informatização do local de trabalho pode levar a mudanças na estrutura de tarefas e na organização do trabalho e, por extensão, nos requisitos de trabalho, planejamento de carreira e estresse sofrido pelo pessoal de produção e gerenciamento. A informatização pode exercer efeitos positivos ou negativos na saúde e segurança ocupacional. Em alguns casos, a introdução de computadores tornou o trabalho mais interessante e resultou em melhorias no ambiente de trabalho e redução da carga de trabalho. Em outros, porém, o resultado da inovação tecnológica tem sido o aumento da repetitividade e da intensidade das tarefas, a redução da margem de iniciativa individual e o isolamento do trabalhador. Além disso, várias empresas têm aumentado o número de turnos de trabalho na tentativa de extrair o maior benefício econômico possível de seu investimento financeiro (ILO 1984).

Tanto quanto pudemos determinar, a partir de 1994, as estatísticas sobre o uso mundial de computadores estão disponíveis em apenas uma fonte:Almanaque da Indústria de Computadores (Juliussen e Petska-Juliussen 1994). Além das estatísticas sobre a atual distribuição internacional do uso do computador, esta publicação também relata os resultados de análises retrospectivas e prospectivas. Os números reportados na última edição indicam que o número de computadores está a aumentar exponencialmente, sendo o aumento particularmente acentuado no início dos anos 1980, altura em que os computadores pessoais começaram a ganhar grande popularidade. Desde 1987, o poder total de processamento do computador, medido em termos do número de milhões de instruções executadas por segundo (MIPS), aumentou 14 vezes, graças ao desenvolvimento de novos microprocessadores (componentes transistorizados de microcomputadores que realizam cálculos aritméticos e lógicos). No final de 1993, o poder total de computação atingiu 357 milhões de MIPS.

Infelizmente, as estatísticas disponíveis não diferenciam entre computadores usados ​​para fins profissionais e pessoais, e as estatísticas não estão disponíveis para alguns setores industriais. Essas lacunas de conhecimento provavelmente se devem a problemas metodológicos relacionados à coleta de dados válidos e confiáveis. No entanto, os relatórios dos comitês setoriais tripartites da Organização Internacional do Trabalho contêm informações relevantes e abrangentes sobre a natureza e a extensão da penetração de novas tecnologias em vários setores industriais.

Em 1986, 66 milhões de computadores estavam em uso em todo o mundo. Três anos depois, havia mais de 100 milhões e, em 1997, estima-se que 275 a 300 milhões de computadores estarão em uso, com esse número chegando a 400 milhões em 2000. Essas previsões assumem a ampla adoção de multimídia, autoestrada da informação, tecnologias de reconhecimento de voz e realidade virtual. o AlmanaqueOs autores da revista consideram que a maioria das televisões estará equipada com computadores pessoais dentro de dez anos após a publicação, a fim de simplificar o acesso à via da informação.

De acordo com Almanaque, em 1993, a proporção geral de computador:população em 43 países em 5 continentes era de 3.1 por 100. No entanto, deve-se notar que a África do Sul foi o único país africano a relatar e que o México foi o único país da América Central a relatar. Como as estatísticas indicam, há uma variação internacional muito ampla na extensão da informatização, a razão computador:população variando de 0.07 por 100 a 28.7 por 100.

A razão computador:população de menos de 1 por 100 nos países em desenvolvimento reflete o nível geralmente baixo de informatização que prevalece lá (tabela 1) (Juliussen e Petska-Juliussen 1994). Esses países não apenas produzem poucos computadores e pouco software, como a falta de recursos financeiros pode, em alguns casos, impedi-los de importar esses produtos. Além disso, seus serviços públicos de telefonia e eletricidade muitas vezes rudimentares são muitas vezes barreiras para o uso mais difundido do computador. Finalmente, há pouco software lingüístico e culturalmente apropriado disponível, e o treinamento em áreas relacionadas à computação é frequentemente problemático (Young 1993).

 


Tabela 1. Distribuição dos computadores nas diversas regiões do mundo

 

REGIÃO

COMPUTADORES POR 100 PESSOAS

   

AMÉRICA DO NORTE

 

   Estados Unidos

28.7

   Localização: Canadá

8.8

AMÉRICA CENTRAL

 

   México

1.7

AMÉRICA DO SUL

 

   Argentina

1.3

   Brazil

0.6

   Chile

2.6

   Venezuela

1.9

EUROPA OCIDENTAL

 

   Áustria

9.5

   Bélgica

11.7

   Dinamarca

16.8

   Finlândia

16.7

   França

12.9

   Alemanha

12.8

   Grécia

2.3

   Irlanda

13.8

   Itália

7.4

   Nederland

13.6

   Noruega

17.3

   Portugal

4.4

   Espanha

7.9

   Suécia

15

   Suíça

14

   Reino Unido

16.2

EUROPA ORIENTAL

 

   República Checa

2.2

   Hungria

2.7

   Polônia

1.7

   Federação Russa

0.78

   Ucrânia

0.2

OCEANIA

 

   Australia

19.2

   Nova Zelândia

14.7

ÁFRICA

 

   África do Sul

1

ÁSIA

 

   China

0.09

   Índia

0.07

   Indonésia

0.17

   Israel

8.3

   Japão

9.7

   Republica da Coréia

3.7

   Filipinas

0.4

   Arábia Saudita

2.4

   Singapore

12.5

   Taiwan

7.4

   ประเทศไทย

0.9

   Peru

0.8

Menos de 1

1 - 5   6 - 10   11 - 15   16-20   21 - 30

Fonte: Juliussen e Petska-Juliussen 1994.


 

A informatização aumentou significativamente nos países da antiga União Soviética desde o fim da Guerra Fria. Estima-se que a Federação Russa, por exemplo, tenha aumentado seu estoque de computadores de 0.3 milhão em 1989 para 1.2 milhão em 1993.

A maior concentração de computadores encontra-se nos países industrializados, especialmente na América do Norte, Austrália, Escandinávia e Grã-Bretanha (Juliussen e Petska-Juliussen 1994). Foi principalmente nestes países que surgiram os primeiros relatos de temores dos operadores de unidades de exibição visual (VDU) em relação aos riscos à saúde e as pesquisas iniciais destinadas a determinar a prevalência de efeitos à saúde e identificar os fatores de risco realizados. Os problemas de saúde estudados se enquadram nas seguintes categorias: problemas visuais e oculares, problemas musculoesqueléticos, problemas de pele, problemas reprodutivos e estresse.

Logo ficou evidente que os efeitos na saúde observados entre os operadores de VDU dependiam não apenas das características da tela e do layout da estação de trabalho, mas também da natureza e estrutura das tarefas, organização do trabalho e maneira como a tecnologia foi introduzida (ILO 1989). Vários estudos relataram uma maior prevalência de sintomas entre mulheres operadoras de VDU do que entre homens. De acordo com estudos recentes, essa diferença reflete mais o fato de que as operadoras geralmente têm menos controle sobre seu trabalho do que os homens do que verdadeiras diferenças biológicas. Acredita-se que essa falta de controle resulte em níveis mais altos de estresse, o que, por sua vez, resulta em maior prevalência de sintomas em mulheres operadoras de VDU.

Os VDUs foram introduzidos de forma generalizada no setor terciário, onde eram usados ​​essencialmente para trabalho de escritório, mais especificamente entrada de dados e processamento de texto. Não devemos, portanto, nos surpreender que a maioria dos estudos de VDUs tenha se concentrado em trabalhadores de escritório. Nos países industrializados, no entanto, a informatização se espalhou para os setores primário e secundário. Além disso, embora os VDUs fossem usados ​​quase exclusivamente por trabalhadores da produção, eles agora penetraram em todos os níveis organizacionais. Nos últimos anos, os pesquisadores começaram, portanto, a estudar uma gama mais ampla de usuários de VDU, na tentativa de superar a falta de informação científica adequada sobre essas situações.

A maioria das estações de trabalho computadorizadas são equipadas com um VDU e um teclado ou mouse para transmitir informações e instruções ao computador. O software medeia a troca de informações entre o operador e o computador e define o formato com que as informações são exibidas na tela. Para estabelecer os riscos potenciais associados ao uso do VDU, primeiro é necessário entender não apenas as características do VDU, mas também as dos outros componentes do ambiente de trabalho. Em 1979, Çakir, Hart e Stewart publicaram a primeira análise abrangente neste campo.

É útil visualizar o hardware usado pelos operadores de VDU como componentes aninhados que interagem entre si (IRSST 1984). Esses componentes incluem o próprio terminal, a estação de trabalho (incluindo ferramentas de trabalho e móveis), a sala em que o trabalho é realizado e a iluminação. O segundo artigo deste capítulo revisa as principais características dos postos de trabalho e sua iluminação. São oferecidas várias recomendações destinadas a otimizar as condições de trabalho, tendo em conta as variações individuais e as variações nas tarefas e na organização do trabalho. Ênfase apropriada é colocada na importância de escolher equipamentos e móveis que permitam layouts flexíveis. Esta flexibilidade é extremamente importante face à concorrência internacional e ao desenvolvimento tecnológico em rápida evolução, que constantemente impulsiona as empresas a introduzir inovações e, simultaneamente, obriga-as a adaptar-se às mudanças que essas inovações trazem.

Os próximos seis artigos discutem os problemas de saúde estudados em resposta aos medos expressos pelos operadores de VDU. A literatura científica relevante é revisada e o valor e as limitações dos resultados da pesquisa são destacados. A pesquisa neste campo baseia-se em numerosas disciplinas, incluindo epidemiologia, ergonomia, medicina, engenharia, psicologia, física e sociologia. Dada a complexidade dos problemas e, mais especificamente, a sua natureza multifatorial, a investigação necessária tem sido muitas vezes realizada por equipas de investigação multidisciplinares. Desde a década de 1980, esses esforços de pesquisa foram complementados por congressos internacionais regularmente organizados, como Interação Humano-Computador e Trabalhar com unidades de exibição, que oferecem uma oportunidade para divulgar os resultados da pesquisa e promover a troca de informações entre pesquisadores, projetistas de VDU, produtores de VDU e usuários de VDU.

O oitavo artigo discute especificamente a interação humano-computador. São apresentados os princípios e métodos subjacentes ao desenvolvimento e avaliação de ferramentas de interface. Este artigo será útil não apenas para o pessoal de produção, mas também para os interessados ​​nos critérios usados ​​para selecionar ferramentas de interface.

Por fim, o nono artigo revisa os padrões ergonômicos internacionais a partir de 1995, relacionados ao projeto e layout de postos de trabalho informatizados. Esses padrões foram produzidos para eliminar os perigos aos quais os operadores de VDU podem estar expostos durante seu trabalho. Os padrões fornecem diretrizes para empresas que produzem componentes VDU, empregadores responsáveis ​​pela compra e layout de estações de trabalho e funcionários com responsabilidades de tomada de decisão. Eles também podem ser úteis como ferramentas para avaliar os postos de trabalho existentes e identificar as modificações necessárias para otimizar as condições de trabalho dos operadores.

 

Voltar

Projeto de estação de trabalho

Em estações de trabalho com unidades de exibição visual

Exibições visuais com imagens geradas eletronicamente (unidades de exibição visual ou VDUs) representam o elemento mais característico do equipamento de trabalho computadorizado, tanto no local de trabalho quanto na vida privada. Uma estação de trabalho pode ser projetada para acomodar apenas um VDU e um dispositivo de entrada (normalmente um teclado), no mínimo; no entanto, também pode fornecer espaço para diversos equipamentos técnicos, incluindo várias telas, dispositivos de entrada e saída, etc. Até o início dos anos 1980, a entrada de dados era a tarefa mais comum dos usuários de computador. Em muitos países industrializados, no entanto, esse tipo de trabalho agora é realizado por um número relativamente pequeno de usuários. Cada vez mais, jornalistas, gerentes e até executivos se tornaram “usuários de VDU”.

A maioria das estações de trabalho VDU ​​é projetada para trabalho sedentário, mas trabalhar em pé pode oferecer alguns benefícios para os usuários. Assim, há alguma necessidade de diretrizes genéricas de design aplicáveis ​​a estações de trabalho simples e complexas usadas tanto sentado quanto em pé. Essas diretrizes serão formuladas a seguir e aplicadas a alguns locais de trabalho típicos.

Diretrizes de design

O design do local de trabalho e a seleção de equipamentos devem considerar não apenas as necessidades do usuário real para uma determinada tarefa e a variabilidade das tarefas dos usuários durante o ciclo de vida relativamente longo do mobiliário (com duração de 15 anos ou mais), mas também fatores relacionados à manutenção ou mudança do equipamento. O padrão ISO 9241, parte 5, apresenta quatro princípios orientadores a serem aplicados ao projeto da estação de trabalho:

Diretriz 1: Versatilidade e flexibilidade.

Uma estação de trabalho deve permitir que seu usuário execute uma série de tarefas de maneira confortável e eficiente. Esta diretriz leva em consideração o fato de que as tarefas dos usuários podem variar frequentemente; assim, a chance de adoção universal de diretrizes para o ambiente de trabalho será pequena.

Diretriz 2: Ajuste.

O projeto de uma estação de trabalho e seus componentes devem garantir um “ajuste” a ser alcançado para uma variedade de usuários e uma variedade de requisitos de tarefas. O conceito de ajuste diz respeito à medida em que móveis e equipamentos podem acomodar as várias necessidades de um usuário individual, ou seja, permanecer confortável, livre de desconforto visual e tensão postural. Se não for projetado para uma população de usuários específica, por exemplo, operadores de sala de controle europeus do sexo masculino com menos de 40 anos de idade, o conceito de estação de trabalho deve garantir a adequação para toda a população trabalhadora, incluindo usuários com necessidades especiais, por exemplo, pessoas com deficiência. A maioria das normas existentes para o mobiliário ou para a concepção dos locais de trabalho considera apenas partes da população trabalhadora (por exemplo, trabalhadores “saudáveis” entre o 5º e o 95º percentil, com idade entre 16 e 60 anos, conforme a norma alemã DIN 33 402), negligenciando aqueles que podem precisar de mais atenção.

Além disso, embora algumas práticas de design ainda sejam baseadas na ideia de um usuário “médio”, é necessária uma ênfase no ajuste individual. No que diz respeito ao mobiliário de estação de trabalho, o ajuste necessário pode ser obtido por meio de ajustes, design de vários tamanhos ou até mesmo por equipamentos sob medida. Garantir um bom ajuste é crucial para a saúde e segurança do usuário individual, uma vez que problemas musculoesqueléticos associados ao uso de VDUs são comuns e significativos.

Diretriz 3: Mudança postural.

O design do posto de trabalho deve encorajar o movimento, uma vez que a carga muscular estática leva à fadiga e desconforto e pode induzir problemas musculoesqueléticos crônicos. Uma cadeira que permite fácil movimentação da metade superior do corpo e espaço suficiente para colocar e usar documentos em papel, bem como teclados em posições variadas durante o dia, são estratégias típicas para facilitar o movimento do corpo ao trabalhar com um VDU.

Diretriz 4: Manutenibilidade—adaptabilidade.

O projeto da estação de trabalho deve levar em consideração fatores como manutenção, acessibilidade e a capacidade do local de trabalho de se adaptar às mudanças de requisitos, como a capacidade de mover o equipamento de trabalho se uma tarefa diferente for executada. Os objetivos desta diretriz não têm recebido muita atenção na literatura ergonômica, pois os problemas relacionados a eles são considerados resolvidos antes que os usuários comecem a trabalhar em uma estação de trabalho. Na realidade, no entanto, uma estação de trabalho é um ambiente em constante mudança, e espaços de trabalho desordenados, parcial ou totalmente inadequados para as tarefas em questão, muitas vezes não são o resultado de seu processo de design inicial, mas o resultado de mudanças posteriores.

Aplicando as diretrizes

Análise de tarefas.

O projeto do local de trabalho deve ser precedido de uma análise de tarefas, que fornece informações sobre as principais tarefas a serem executadas no posto de trabalho e os equipamentos necessários para elas. Em tal análise, a prioridade dada às fontes de informação (por exemplo, documentos em papel, VDUs, dispositivos de entrada), a frequência de seu uso e possíveis restrições (por exemplo, espaço limitado) devem ser determinadas. A análise deve incluir tarefas principais e suas relações no espaço e no tempo, áreas de atenção visual (quantos objetos visuais devem ser usados?) e a posição e uso das mãos (escrever, digitar, apontar?).

Recomendações gerais de design

Altura das superfícies de trabalho.

Se forem usadas superfícies de trabalho de altura fixa, a folga mínima entre o piso e a superfície deve ser maior que a soma dos altura poplítea (a distância entre o chão e a parte de trás do joelho) e altura livre da coxa (sentado), mais espaço para calçado (25 mm para usuários do sexo masculino e 45 mm para usuários do sexo feminino). Se a estação de trabalho for projetada para uso geral, a altura poplítea e a altura livre da coxa devem ser selecionadas para a população masculina de percentil 95. A altura resultante para a folga sob a superfície da mesa é de 690 mm para a população do norte da Europa e para usuários norte-americanos de origem européia. Para outras populações, a folga mínima necessária deve ser determinada de acordo com as características antropométricas da população específica.

Se a altura do espaço para as pernas for selecionada dessa maneira, a parte superior das superfícies de trabalho será muito alta para uma grande proporção de usuários pretendidos e pelo menos 30% deles precisarão de um apoio para os pés.

Se as superfícies de trabalho forem ajustáveis ​​em altura, a faixa necessária para ajuste pode ser calculada a partir das dimensões antropométricas de usuários do sexo feminino (5º ou 2.5º percentil para altura mínima) e usuários do sexo masculino (95º ou 97.5º percentil para altura máxima). Uma estação de trabalho com essas dimensões geralmente será capaz de acomodar uma grande proporção de pessoas com pouca ou nenhuma mudança. O resultado desse cálculo fornece uma faixa entre 600 mm e 800 mm para países com uma população de usuários etnicamente variada. Uma vez que a realização técnica desta gama pode causar alguns problemas mecânicos, o melhor ajuste também pode ser alcançado, por exemplo, combinando a capacidade de ajuste com equipamentos de tamanhos diferentes.

A espessura mínima aceitável da superfície de trabalho depende das propriedades mecânicas do material. Do ponto de vista técnico, uma espessura entre 14 mm (plástico durável ou metal) e 30 mm (madeira) é alcançável.

Tamanho e forma da superfície de trabalho.

O tamanho e a forma de uma superfície de trabalho são determinados principalmente pelas tarefas a serem executadas e pelo equipamento necessário para essas tarefas.

Para tarefas de entrada de dados, uma superfície retangular de 800 mm por 1200 mm fornece espaço suficiente para colocar o equipamento (VDU, teclado, documentos de origem e suporte de cópia) adequadamente e reorganizar o layout de acordo com as necessidades pessoais. Tarefas mais complexas podem exigir espaço adicional. Portanto, o tamanho da superfície de trabalho deve exceder 800 mm por 1,600 mm. A profundidade da superfície deve permitir a colocação do VDU ​​dentro da superfície, o que significa que os VDUs com tubos de raios catódicos podem exigir uma profundidade de até 1,000 mm.

Em princípio, o layout exibido na figura 1 oferece flexibilidade máxima para organizar o espaço de trabalho para várias tarefas. No entanto, as estações de trabalho com esse layout não são fáceis de construir. Assim, a melhor aproximação do layout ideal é mostrada na figura 2. Esse layout permite arranjos com um ou dois VDUs, dispositivos de entrada adicionais e assim por diante. A área mínima da superfície de trabalho deve ser superior a 1.3 m2.

Figura 1. Layout de uma estação de trabalho flexível que pode ser adaptada para atender às necessidades dos usuários com diferentes tarefas

VDU020F1

Figura 2. Layout flexível

VDU020F2

Organizando o espaço de trabalho.

A distribuição espacial dos equipamentos no espaço de trabalho deve ser planejada após a realização de uma análise de tarefas determinando a importância e frequência de uso de cada elemento (tabela 1). O display visual usado com mais frequência deve estar localizado dentro do espaço visual central, que é a área sombreada da figura 3, enquanto os controles mais importantes e usados ​​com mais frequência (como o teclado) devem estar localizados dentro do alcance ideal. No ambiente de trabalho representado pela análise de tarefas (tabela 1), o teclado e o mouse são de longe os equipamentos mais manuseados. Portanto, eles devem receber a mais alta prioridade dentro da área de alcance. Documentos que são consultados com frequência, mas não requerem muito tratamento, devem receber prioridade de acordo com sua importância (por exemplo, correções manuscritas). Colocá-los no lado direito do teclado resolveria o problema, mas criaria um conflito com o uso frequente do mouse, que também deve estar localizado à direita do teclado. Como o VDU ​​pode não precisar de ajuste frequente, ele pode ser colocado à direita ou à esquerda do campo de visão central, permitindo que os documentos sejam colocados em um porta-documentos plano atrás do teclado. Esta é uma solução possível, embora não perfeita, “otimizada”.

Tabela 1. Frequência e importância dos elementos do equipamento para uma determinada tarefa

VDU020T1

Figura 3. Faixa visual do local de trabalho

VDU020F3

Como muitos elementos do equipamento possuem dimensões comparáveis ​​às partes correspondentes do corpo humano, o uso de vários elementos em uma mesma tarefa sempre estará associado a alguns problemas. Também pode exigir alguns movimentos entre as partes da estação de trabalho; portanto, um layout como o mostrado na figura 1 é importante para várias tarefas.

Ao longo das últimas duas décadas, o poder do computador que precisaria de um salão de baile no início foi miniaturizado com sucesso e condensado em uma caixa simples. No entanto, ao contrário das esperanças de muitos profissionais de que a miniaturização do equipamento resolveria a maioria dos problemas associados ao layout do local de trabalho, os VDUs continuaram a crescer: em 1975, o tamanho de tela mais comum era de 15"; em 1995, as pessoas compravam de 17" a 21": monitores, e nenhum teclado se tornou muito menor do que aqueles projetados em 1973. Análises de tarefas executadas com cuidado para projetar estações de trabalho complexas ainda são de importância crescente. Além disso, embora novos dispositivos de entrada tenham surgido, eles não substituíram o teclado e exigem ainda mais espaço na superfície de trabalho, às vezes de dimensões substanciais, por exemplo, tablets gráficos em formato A3.

A gestão eficiente do espaço dentro dos limites de um posto de trabalho, bem como dentro das salas de trabalho, pode auxiliar no desenvolvimento de postos de trabalho aceitáveis ​​do ponto de vista ergonômico, evitando assim o surgimento de diversos problemas de saúde e segurança.

O gerenciamento eficiente do espaço não significa economizar espaço em detrimento da usabilidade dos dispositivos de entrada e principalmente da visão. O uso de móveis extras, como uma mesa de retorno ou um suporte especial para monitor preso à mesa, pode parecer uma boa maneira de economizar espaço na mesa; no entanto, pode prejudicar a postura (braços levantados) e a visão (aumentar a linha de visão a partir da posição relaxada). As estratégias de economia de espaço devem garantir a manutenção de uma distância visual adequada (aproximadamente 600 mm a 800 mm), bem como uma linha de visão ideal, obtida a partir de uma inclinação de aproximadamente 35º da horizontal (20º cabeça e 15º olhos) .

Novos conceitos de mobiliário.

Tradicionalmente, o mobiliário de escritório era adaptado às necessidades das empresas, supostamente refletindo a hierarquia de tais organizações: grandes mesas para executivos que trabalhavam em escritórios “cerimoniais” em uma ponta da escala e pequenos móveis de datilógrafos para escritórios “funcionais” na outra. O design básico do mobiliário de escritório não mudou por décadas. A situação mudou substancialmente com a introdução da tecnologia da informação e surgiu um conceito de mobiliário completamente novo: o mobiliário de sistemas.

O mobiliário de sistemas foi desenvolvido quando as pessoas perceberam que as mudanças no equipamento de trabalho e na organização do trabalho não podiam ser acompanhadas pelas capacidades limitadas do mobiliário existente para se adaptar às novas necessidades. A Furniture hoje oferece uma caixa de ferramentas que permite que as organizações de usuários criem espaço de trabalho conforme necessário, desde um espaço mínimo para apenas um VDU e um teclado até estações de trabalho complexas que podem acomodar vários elementos de equipamento e possivelmente também grupos de usuários. Esses móveis são projetados para mudanças e incorporam recursos de gerenciamento de cabos eficientes e flexíveis. Enquanto a primeira geração de móveis de sistemas não fez muito mais do que adicionar uma mesa auxiliar para o VDU ​​a uma mesa existente, a terceira geração rompeu completamente seus laços com o escritório tradicional. Esta nova abordagem oferece grande flexibilidade na concepção de espaços de trabalho, limitada apenas pelo espaço disponível e pelas habilidades das organizações para usar essa flexibilidade.

Radiação

Radiação no contexto de aplicações VDU

Radiação é a emissão ou transferência de energia radiante. A emissão de energia radiante na forma de luz como finalidade pretendida para o uso de VDUs pode ser acompanhada por vários subprodutos indesejados, como calor, som, radiação infravermelha e ultravioleta, ondas de rádio ou raios x, para citar alguns. Enquanto algumas formas de radiação, como a luz visível, podem afetar os seres humanos de forma positiva, algumas emissões de energia podem ter efeitos biológicos negativos ou mesmo destrutivos, especialmente quando a intensidade é alta e a duração da exposição é longa. Algumas décadas atrás, limites de exposição para diferentes formas de radiação foram introduzidos para proteger as pessoas. No entanto, alguns desses limites de exposição são questionados hoje e, para campos magnéticos alternados de baixa frequência, nenhum limite de exposição pode ser dado com base nos níveis de radiação natural de fundo.

Radiofrequência e radiação de micro-ondas de VDUs

Radiação eletromagnética com uma faixa de frequência de alguns kHz a 109 Hertz (a chamada banda de radiofrequência, ou RF, com comprimentos de onda que variam de alguns quilômetros a 30 cm) podem ser emitidos por VDUs; no entanto, a energia total emitida depende das características do circuito. Na prática, no entanto, a intensidade do campo desse tipo de radiação provavelmente será pequena e confinada à vizinhança imediata da fonte. Uma comparação da intensidade de campos elétricos alternados na faixa de 20 Hz a 400 kHz indica que os VDUs que usam a tecnologia de tubo de raios catódicos (CRT) emitem, em geral, níveis mais altos do que outros monitores.

A radiação “microondas” cobre a região entre 3x108 Hz para 3x1011 Hz (comprimentos de onda de 100 cm a 1 mm). Não há fontes de radiação de microondas em VDUs que emitam uma quantidade detectável de energia dentro desta banda.

Campos magnéticos

Os campos magnéticos de um VDU se originam das mesmas fontes que os campos elétricos alternados. Embora os campos magnéticos não sejam “radiação”, campos elétricos e magnéticos alternados não podem ser separados na prática, pois um induz o outro. Uma razão pela qual os campos magnéticos são discutidos separadamente é que eles são suspeitos de terem efeitos teratogênicos (ver discussão mais adiante neste capítulo).

Embora os campos induzidos pelos VDUs sejam mais fracos do que os induzidos por algumas outras fontes, como linhas de alta tensão, usinas elétricas, locomotivas elétricas, fornos de aço e equipamentos de soldagem, a exposição total produzida pelos VDUs pode ser semelhante, pois as pessoas podem trabalhar oito ou mais horas nas proximidades de um VDU, mas raramente perto de linhas de energia ou motores elétricos. A questão da relação entre campos eletromagnéticos e câncer, no entanto, ainda é motivo de debate.

Radiação ótica

A radiação “óptica” cobre a radiação visível (ou seja, luz) com comprimentos de onda de 380 nm (azul) a 780 nm (vermelho) e as bandas vizinhas no espectro eletromagnético (infravermelho de 3x1011 Hz para 4x1014 Hz, comprimentos de onda de 780 nm a 1 mm; ultravioleta de 8x1014 Hz para 3x1017 Hz). A radiação visível é emitida em níveis moderados de intensidade, comparáveis ​​aos emitidos pelas superfícies das salas (»100 cd/m2). No entanto, a radiação ultravioleta é retida pelo vidro da face do tubo (CRTs) ou não é emitida (outras tecnologias de exibição). Os níveis de radiação ultravioleta, se detectáveis, ficam bem abaixo dos padrões de exposição ocupacional, assim como os da radiação infravermelha.

Raios X

Os CRTs são fontes bem conhecidas de raios X, enquanto outras tecnologias, como monitores de cristal líquido (LCDs), não emitem nenhum. Os processos físicos por trás das emissões desse tipo de radiação são bem compreendidos, e os tubos e circuitos são projetados para manter os níveis emitidos muito abaixo dos limites de exposição ocupacional, se não abaixo dos níveis detectáveis. A radiação emitida por uma fonte só pode ser detectada se seu nível exceder o nível de fundo. No caso dos raios x, como no caso de outras radiações ionizantes, o nível de fundo é fornecido pela radiação cósmica e pela radiação de materiais radioativos no solo e nos edifícios. Em operação normal, um VDU não emite raios X que excedam o nível de radiação de fundo (50 nGy/h).

Recomendações de radiação

Na Suécia, a antiga organização MPR (Statens Mät och Provråd, o Conselho Nacional de Metrologia e Testes), agora SWEDAC, elaborou recomendações para avaliar VDUs. Um de seus principais objetivos era limitar qualquer subproduto indesejado a níveis que pudessem ser alcançados por meios técnicos razoáveis. Essa abordagem vai além da abordagem clássica de limitar as exposições perigosas a níveis em que a probabilidade de comprometimento da saúde e da segurança pareça ser aceitavelmente baixa.

No início, algumas recomendações do MPR levaram ao efeito indesejado de reduzir a qualidade óptica dos monitores CRT. No entanto, atualmente, apenas alguns produtos com resolução extremamente alta podem sofrer qualquer degradação se o fabricante tentar cumprir o MPR (agora MPR-II). As recomendações incluem limites para eletricidade estática, campos magnéticos e elétricos alternados, parâmetros visuais, etc.

Qualidade da Imagem

Definições para qualidade de imagem

O termo qualidade descreve o ajuste dos atributos distintivos de um objeto para um propósito definido. Assim, a qualidade de imagem de um display inclui todas as propriedades da representação óptica relativas à perceptibilidade dos símbolos em geral e à legibilidade ou legibilidade dos símbolos alfanuméricos. Nesse sentido, os termos óticos usados ​​pelos fabricantes de tubos, como resolução ou tamanho mínimo do ponto, descrevem critérios básicos de qualidade relativos à capacidade de um determinado dispositivo em exibir linhas finas ou caracteres pequenos. Tais critérios de qualidade são comparáveis ​​à espessura de um lápis ou pincel para uma determinada tarefa de escrita ou pintura.

Alguns dos critérios de qualidade usados ​​pelos ergonomistas descrevem propriedades óticas relevantes para a legibilidade, por exemplo, contraste, enquanto outros, como tamanho dos caracteres ou largura do traço, referem-se mais a recursos tipográficos. Além disso, alguns recursos dependentes de tecnologia, como a cintilação de imagens, a persistência de imagens ou a uniformidade de contraste dentro de um determinado display também são considerados na ergonomia (veja a figura 4).

Figura 4. Critérios para avaliação da imagem

VDU020F4

A tipografia é a arte de compor “tipo”, que não é apenas moldar as fontes, mas também selecionar e configurar o tipo. Aqui, o termo tipografia é usado no primeiro significado.

Características básicas

Resolução.

A resolução é definida como o menor detalhe discernível ou mensurável em uma apresentação visual. Por exemplo, a resolução de um monitor CRT pode ser expressa pelo número máximo de linhas que podem ser exibidas em um determinado espaço, como geralmente é feito com a resolução de filmes fotográficos. Pode-se também descrever o tamanho mínimo do ponto que um dispositivo pode exibir em uma determinada luminância (brilho). Quanto menor o ponto mínimo, melhor o dispositivo. Assim, o número de pontos de tamanho mínimo (elementos de imagem—também conhecidos como pixels) por polegada (dpi) representa a qualidade do dispositivo, por exemplo, um dispositivo de 72 dpi é inferior a um monitor de 200 dpi.

Em geral, a resolução da maioria dos monitores de computador fica bem abaixo de 100 dpi: alguns monitores gráficos podem atingir 150 dpi, porém, apenas com brilho limitado. Isso significa que, se for necessário um alto contraste, a resolução será menor. Em comparação com a resolução de impressão, por exemplo, 300 dpi ou 600 dpi para impressoras a laser, a qualidade dos VDUs é inferior. (Uma imagem com 300 dpi tem 9 vezes mais elementos no mesmo espaço do que uma imagem de 100 dpi.)

Endereçabilidade.

A capacidade de endereçamento descreve o número de pontos individuais no campo que o dispositivo é capaz de especificar. Endereçamento, que muitas vezes é confundido com resolução (às vezes de forma proposital), é uma especificação dada para os dispositivos: “800 x 600” significa que a placa gráfica pode endereçar 800 pontos em cada uma das 600 linhas horizontais. Como são necessários pelo menos 15 elementos na direção vertical para escrever números, letras e outros caracteres com ascendentes e descendentes, essa tela pode exibir no máximo 40 linhas de texto. Hoje, as melhores telas disponíveis podem endereçar 1,600 x 1,200 pontos; no entanto, a maioria dos monitores usados ​​na indústria abordam 800 x 600 pontos ou até menos.

Em exibições dos chamados dispositivos “orientados a caracteres”, não são pontos (pontos) da tela que são endereçados, mas caixas de caracteres. Na maioria desses dispositivos, existem 25 linhas com 80 posições de caracteres cada uma no visor. Nessas telas, cada símbolo ocupa o mesmo espaço independente de sua largura. Na indústria, o menor número de pixels em uma caixa é 5 de largura por 7 de altura. Esta caixa permite caracteres maiúsculos e minúsculos, embora os descendentes em “p”, “q” e “g” e os ascendentes acima de “Ä” ou “Á” não possam ser exibidos. Qualidade consideravelmente melhor é fornecida com a caixa 7 x 9, que é “padrão” desde meados da década de 1980. Para obter boa legibilidade e formatos de caracteres razoavelmente bons, o tamanho da caixa de caracteres deve ser de pelo menos 12 x 16.

Flicker e taxa de atualização.

As imagens nos CRTs e em alguns outros tipos de VDU não são imagens persistentes, como no papel. Eles só parecem estar firmes aproveitando um artefato do olho. Isso, no entanto, não é isento de penalidades, pois a tela tende a piscar se a imagem não for atualizada constantemente. A cintilação pode influenciar o desempenho e o conforto do usuário e deve sempre ser evitada.

Flicker é a percepção do brilho variando ao longo do tempo. A gravidade da oscilação depende de vários fatores, como as características do fósforo, tamanho e brilho da imagem oscilante, etc. Pesquisas recentes mostram que taxas de atualização de até 90 Hz podem ser necessárias para satisfazer 99% dos usuários, enquanto em versões anteriores pesquisa, as taxas de atualização bem abaixo de 50 Hz foram consideradas satisfatórias. Dependendo de vários recursos da tela, uma imagem sem cintilação pode ser obtida por taxas de atualização entre 70 Hz e 90 Hz; monitores com fundo claro (polaridade positiva) precisam de um mínimo de 80 Hz para serem percebidos como sem cintilação.

Alguns dispositivos modernos oferecem uma taxa de atualização ajustável; infelizmente, taxas de atualização mais altas são combinadas com resolução ou endereçamento mais baixas. A capacidade de um dispositivo de exibir imagens de alta “resolução” com altas taxas de atualização pode ser avaliada por sua largura de banda de vídeo. Para monitores de alta qualidade, a largura de banda máxima de vídeo fica acima de 150 MHz, enquanto alguns monitores oferecem menos de 40 MHz.

Para conseguir uma imagem sem tremulação e alta resolução com aparelhos de menor largura de banda de vídeo, os fabricantes aplicam um truque que vem da TV comercial: o modo entrelaçado. Nesse caso, cada segunda linha do visor é atualizada com uma determinada frequência. O resultado, porém, não é satisfatório se forem exibidas imagens estáticas, como texto e gráficos, e a taxa de atualização for inferior a 2 x 45 Hz. Infelizmente, a tentativa de suprimir o efeito perturbador da cintilação pode induzir alguns outros efeitos negativos.

Tremor.

Jitter é o resultado da instabilidade espacial da imagem; um determinado elemento de imagem não é exibido no mesmo local na tela após cada processo de atualização. A percepção do jitter não pode ser separada da percepção do flicker.

O jitter pode ter sua causa no próprio VDU, mas também pode ser induzido pela interação com outros equipamentos no local de trabalho, como uma impressora ou outros VDUs ou dispositivos que geram campos magnéticos.

Contraste.

O contraste de brilho, a relação entre a luminância de um determinado objeto e seus arredores, representa o recurso fotométrico mais importante para legibilidade e legibilidade. Embora a maioria dos padrões exija uma proporção mínima de 3:1 (caracteres claros em fundo escuro) ou 1:3 (caracteres escuros em fundo claro), o contraste ideal é, na verdade, cerca de 10:1, e dispositivos de boa qualidade atingem valores mais altos mesmo em ambientes claros. ambientes.

O contraste dos visores “ativos” é prejudicado quando a luz ambiente é aumentada, enquanto os visores “passivos” (por exemplo, LCDs) perdem contraste em ambientes escuros. Displays passivos com iluminação de fundo podem oferecer boa visibilidade em todos os ambientes em que as pessoas possam trabalhar.

Nitidez.

A nitidez de uma imagem é um recurso bem conhecido, mas ainda mal definido. Portanto, não há um método acordado para medir a nitidez como uma característica relevante para legibilidade e legibilidade.

características tipográficas

Legibilidade e legibilidade.

A legibilidade refere-se a se um texto é compreensível como uma série de imagens conectadas, enquanto a legibilidade se refere à percepção de caracteres únicos ou agrupados. Assim, uma boa legibilidade é, em geral, uma pré-condição para a legibilidade.

A legibilidade do texto depende de vários fatores: alguns foram investigados minuciosamente, enquanto outros fatores relevantes, como formatos de caracteres, ainda não foram classificados. Uma das razões para isso é que o olho humano representa um instrumento muito poderoso e robusto, e as medidas usadas para desempenho e taxas de erro muitas vezes não ajudam a distinguir entre diferentes fontes. Assim, até certo ponto, a tipografia ainda permanece uma arte e não uma ciência.

Fontes e legibilidade.

Uma fonte é uma família de caracteres, projetada para produzir legibilidade ideal em um determinado meio, por exemplo, papel, display eletrônico ou display de projeção, ou alguma qualidade estética desejada, ou ambos. Embora o número de fontes disponíveis exceda dez mil, acredita-se que apenas algumas fontes, numeradas em dezenas, sejam “legíveis”. Uma vez que a legibilidade e a legibilidade de uma fonte também são afetadas pela experiência do leitor – acredita-se que algumas fontes “legíveis” tenham se tornado assim por causa de décadas ou mesmo séculos de uso sem alterar sua forma – a mesma fonte pode ser menos legível em um tela do que no papel, simplesmente porque seus personagens parecem “novos”. Este, porém, não é o principal motivo da baixa legibilidade das telas.

Em geral, o design de fontes de tela é limitado por deficiências de tecnologia. Algumas tecnologias impõem limites muito estreitos no design de caracteres, por exemplo, LEDs ou outras telas rasterizadas com número limitado de pontos por exibição. Mesmo os melhores monitores CRT raramente podem competir com a impressão (figura 5). Nos últimos anos, pesquisas mostraram que a velocidade e a precisão da leitura nas telas são cerca de 30% menores do que no papel, mas ainda não se sabe se isso se deve às características do visor ou a outros fatores.

Figura 5. Aparência de uma carta em várias resoluções de tela e no papel (à direita)

VDU020F5

Características com efeitos mensuráveis.

Os efeitos de algumas características das representações alfanuméricas são mensuráveis, por exemplo, tamanho aparente dos caracteres, relação altura/largura, relação largura/tamanho do traço, linha, palavra e espaçamento entre caracteres.

O tamanho aparente dos caracteres, medido em minutos de arco, mostra um ótimo de 20' a 22'; isso corresponde a cerca de 3 mm a 3.3 mm de altura em condições normais de visualização em escritórios. Personagens menores podem levar a erros aumentados, tensão visual e também a mais tensão postural devido à distância de visualização restrita. Assim, o texto não deve ser representado em um tamanho aparente inferior a 16'.

No entanto, as representações gráficas podem exigir que um texto de tamanho menor seja exibido. Para evitar erros, por um lado, e uma grande carga visual para o usuário, por outro, as partes do texto a serem editadas devem ser exibidas em uma janela separada para garantir uma boa legibilidade. Caracteres com tamanho aparente inferior a 12' não devem ser exibidos como texto legível, mas substituídos por um bloco cinza retangular. Bons programas permitem que o usuário selecione o tamanho real mínimo dos caracteres que serão exibidos como alfanuméricos.

A relação altura/largura ideal dos caracteres é de cerca de 1:0.8; a legibilidade é prejudicada se a relação for superior a 1:0.5. Para uma boa impressão legível e também para telas CRT, a proporção entre a altura do caractere e a largura do traço é de cerca de 10:1. No entanto, esta é apenas uma regra de ouro; caracteres legíveis de alto valor estético geralmente apresentam diferentes larguras de traço (consulte a figura 5).

O espaçamento ideal entre linhas é muito importante para facilitar a leitura, mas também para economizar espaço, se uma determinada quantidade de informações for exibida em um espaço limitado. O melhor exemplo disso é o jornal diário, onde uma quantidade enorme de informações é exibida em uma página, mas ainda legível. O espaçamento ideal entre linhas é de cerca de 20% da altura do caractere entre os descendentes de uma linha e os ascendentes da seguinte; esta é uma distância de cerca de 100% da altura do caractere entre a linha de base de uma linha de texto e os ascendentes da próxima. Se o comprimento da linha for reduzido, o espaço entre as linhas também pode ser reduzido, sem perder a legibilidade.

O espaçamento dos caracteres é invariável em telas orientadas a caracteres, tornando-as inferiores em legibilidade e qualidade estética em telas com espaço variável. O espaçamento proporcional dependendo da forma e largura dos caracteres é preferível. No entanto, uma qualidade tipográfica comparável a fontes impressas bem projetadas é alcançável apenas em alguns monitores e ao usar programas específicos.

Iluminação ambiente

Os problemas específicos das estações de trabalho VDU

Durante os últimos 90 anos da história industrial, as teorias sobre a iluminação de nossos locais de trabalho foram regidas pela noção de que mais luz melhorará a visão, reduzirá o estresse e a fadiga, além de melhorar o desempenho. “Mais luz”, corretamente “mais luz do sol”, foi o lema dos habitantes de Hamburgo, na Alemanha, há mais de 60 anos, quando saíram às ruas para lutar por moradias melhores e mais saudáveis. Em alguns países como a Dinamarca ou a Alemanha, os trabalhadores hoje têm direito a alguma luz do dia em seus locais de trabalho.

O advento da tecnologia da informação, com o surgimento dos primeiros VDUs nas áreas de trabalho, foi presumivelmente o primeiro evento em que trabalhadores e cientistas começaram a reclamar muita luz nas áreas de trabalho. A discussão foi alimentada pelo fato facilmente detectável de que a maioria dos VDUs estava equipada com CRTs, que têm superfícies de vidro curvas propensas a reflexos ocultos. Esses dispositivos, às vezes chamados de “displays ativos”, perdem o contraste quando o nível de iluminação ambiente aumenta. Redesenhar a iluminação para reduzir as deficiências visuais causadas por esses efeitos, no entanto, é complicado pelo fato de que a maioria dos usuários também usa fontes de informação baseadas em papel, que geralmente exigem níveis maiores de luz ambiente para uma boa visibilidade.

O papel da luz ambiente

A luz ambiente encontrada nas proximidades das estações de trabalho VDU ​​serve a dois propósitos diferentes. Primeiro, ilumina o espaço de trabalho e os materiais de trabalho como papel, telefones, etc. (efeito primário). Em segundo lugar, ilumina a sala, dando-lhe a sua forma visível e dando aos utilizadores a impressão de uma luz envolvente (efeito secundário). Como a maioria das instalações de iluminação é planejada de acordo com o conceito de iluminação geral, as mesmas fontes de iluminação atendem a ambos os propósitos. O efeito primário, iluminando objetos visuais passivos para torná-los visíveis ou legíveis, tornou-se questionável quando as pessoas começaram a usar telas ativas que não precisam de luz ambiente para serem visíveis. O benefício restante da iluminação da sala foi reduzido ao efeito secundário, se o VDU ​​for a principal fonte de informação.

A função dos VDUs, tanto dos CRTs (telas ativas) quanto das LCDs (telas passivas), é prejudicada pela luz ambiente de maneiras específicas:

CRTs:

  • A superfície curva do vidro reflete objetos brilhantes no ambiente, e forma uma espécie de “ruído” visual.
  • Dependendo da intensidade da iluminação ambiente, o contraste dos objetos exibidos é reduzido a um grau que prejudica a leitura ou legibilidade dos objetos.
  • As imagens em CRTs coloridos sofrem uma degradação dupla: primeiro, o contraste de brilho de todos os objetos exibidos é reduzido, como em CRTs monocromáticos. Em segundo lugar, as cores são alteradas para que o contraste das cores também seja reduzido. Além disso, o número de cores distinguíveis é reduzido.

 

LCDs (e outros monitores passivos):

  • Os reflexos em LCDs causam menos preocupação do que em superfícies CRT, já que esses monitores possuem superfícies planas.
  • Ao contrário dos monitores ativos, os LCDs (sem luz de fundo) perdem o contraste sob níveis baixos de iluminação ambiente.
  • Devido às características direcionais ruins de algumas tecnologias de exibição, a visibilidade ou legibilidade dos objetos exibidos é substancialmente reduzida se a direção principal da incidência de luz for desfavorável.

 

A extensão em que tais deficiências exercem estresse sobre os usuários ou levam a uma redução substancial da visibilidade/legibilidade/legibilidade de objetos visuais em ambientes de trabalho reais varia muito. Por exemplo, o contraste de caracteres alfanuméricos em monitores monocromáticos (CRT) é reduzido em princípio, mas, se a iluminância na tela for dez vezes maior do que em ambientes normais de trabalho, muitas telas ainda terão um contraste suficiente para ler caracteres alfanuméricos. Por outro lado, as telas coloridas dos sistemas de desenho assistido por computador (CAD) diminuem substancialmente a visibilidade, de modo que a maioria dos usuários prefere diminuir a iluminação artificial ou mesmo desligá-la e, além disso, manter a luz do dia fora de seu trabalho. área.

Possíveis soluções

Alterando os níveis de iluminação.

Desde 1974, numerosos estudos foram realizados que levaram a recomendações para reduzir a iluminância no local de trabalho. No entanto, essas recomendações foram baseadas principalmente em estudos com telas insatisfatórias. Os níveis recomendados situam-se entre 100 lux e 1,000 lx e, geralmente, têm sido discutidos níveis bem abaixo das recomendações dos padrões existentes para iluminação de escritórios (por exemplo, 200 lx ou 300 a 500 lx).

Quando telas positivas com uma luminância de aproximadamente 100 cd/m2 brilho e algum tipo de tratamento anti-reflexo eficiente, a utilização de um VDU não limita o nível de iluminância aceitável, pois os usuários consideram níveis de iluminância de até 1,500 lx aceitáveis, valor muito raro em áreas de trabalho.

Se as características relevantes dos VDUs não permitirem um trabalho confortável sob iluminação normal de escritório, como pode ocorrer ao trabalhar com tubos de armazenamento, leitores de microimagem, telas coloridas etc., as condições visuais podem ser melhoradas substancialmente com a introdução de iluminação de dois componentes. A iluminação de dois componentes é uma combinação de iluminação indireta da sala (efeito secundário) e iluminação direta da tarefa. Ambos os componentes devem ser controláveis ​​pelos usuários.

Controlando o brilho nas telas.

Controlar o brilho nas telas é uma tarefa difícil, pois quase todos os remédios que melhoram as condições visuais provavelmente prejudicam alguma outra característica importante da tela. Alguns remédios, propostos há muitos anos, como filtros de malha, removem os reflexos das telas, mas também prejudicam a legibilidade da tela. As luminárias de baixa luminância causam menos brilho refletido nas telas, mas a qualidade dessa iluminação geralmente é julgada pelos usuários como pior do que qualquer outro tipo de iluminação.

Por este motivo, quaisquer medidas (ver figura 6) devem ser aplicadas com cautela, e somente após análise da real causa do incômodo ou distúrbio. Três formas possíveis de controlar o ofuscamento nas telas são: seleção da localização correta da tela em relação às fontes de ofuscamento; seleção de equipamentos adequados ou adição de elementos a eles; e uso de iluminação. Os custos das medidas a serem tomadas são da mesma ordem: não custa quase nada colocar as telas de forma a eliminar o brilho refletido. No entanto, isso pode não ser possível em todos os casos; assim, as medidas relacionadas ao equipamento serão mais caras, mas podem ser necessárias em vários ambientes de trabalho. O controle de ofuscamento por iluminação é frequentemente recomendado por especialistas em iluminação; no entanto, esse método é o mais caro, mas não o mais bem-sucedido, de controlar o brilho.

Figura 6. Estratégias para controlar o brilho nas telas

VDU020F6

A medida mais promissora atualmente é a introdução de telas positivas (displays com fundo brilhante) com um tratamento anti-reflexo adicional para a superfície de vidro. Ainda mais bem-sucedido do que isso será a introdução de telas planas com superfície quase fosca e fundo claro; tais telas, no entanto, não estão disponíveis para uso geral hoje.

Adicionar capuzes aos monitores é a última relação dos ergonomistas para ambientes de trabalho difíceis, como áreas de produção, torres de aeroportos ou cabines de operação de guindastes, etc. Se os capôs ​​forem realmente necessários, é provável que haja problemas mais graves com a iluminação do que apenas o brilho refletido nas exibições visuais.

A alteração do design da luminária é realizada principalmente de duas maneiras: primeiro, reduzindo a luminância (correspondente ao brilho aparente) de partes das luminárias (a chamada “iluminação VDU”) e, segundo, introduzindo luz indireta em vez de luz direta. Os resultados da pesquisa atual mostram que a introdução de luz indireta produz melhorias substanciais para os usuários, reduz a carga visual e é bem aceita pelos usuários.

 

Voltar

Sexta-feira, Março 25 2011 04: 00

Problemas oculares e visuais

Há um número comparativamente grande de estudos dedicados ao desconforto visual em trabalhadores de unidades de exibição visual (VDU), muitos dos quais produziram resultados contraditórios. De uma pesquisa para outra, há discrepâncias na prevalência relatada de distúrbios variando de praticamente 0 por cento a 80 por cento ou mais (Dainoff 1982). Tais diferenças não devem ser consideradas muito surpreendentes porque refletem o grande número de variáveis ​​que podem influenciar as queixas de desconforto ou incapacidade ocular.

Estudos epidemiológicos corretos de desconforto visual devem levar em consideração diversas variáveis ​​populacionais, como sexo, idade, deficiências oculares ou uso de lentes, bem como o nível socioeconômico. A natureza do trabalho realizado com o VDU ​​e as características do layout da estação de trabalho e da organização do trabalho também são importantes e muitas dessas variáveis ​​estão inter-relacionadas.

Na maioria das vezes, os questionários têm sido usados ​​para avaliar o desconforto ocular dos operadores de VDU. A prevalência de desconforto visual difere, portanto, com o conteúdo dos questionários e sua análise estatística. Perguntas apropriadas para pesquisas dizem respeito à extensão dos sintomas de astenopia de angústia sofridos por operadores de VDU. Os sintomas desta condição são bem conhecidos e podem incluir coceira, vermelhidão, queimação e lacrimejamento dos olhos. Esses sintomas estão relacionados à fadiga da função acomodativa do olho. Às vezes, esses sintomas oculares são acompanhados de dor de cabeça, com a dor localizada na parte frontal da cabeça. Também pode haver distúrbios na função ocular, com sintomas como visão dupla e capacidade de acomodação reduzida. A acuidade visual em si, no entanto, raramente é deprimida, desde que as condições de medição sejam realizadas com um tamanho de pupila constante.

Se uma pesquisa incluir perguntas gerais, como “Você se sente bem no final do dia de trabalho?” ou “Você já teve problemas visuais ao trabalhar com VDUs?” a prevalência de respostas positivas pode ser maior do que quando são avaliados sintomas isolados relacionados à astenopia.

Outros sintomas também podem estar fortemente associados à astenopia. Dores no pescoço, ombros e braços são freqüentemente encontradas. Existem duas razões principais pelas quais esses sintomas podem ocorrer junto com sintomas oculares. Os músculos do pescoço participam mantendo uma distância constante entre o olho e a tela no trabalho VDU ​​e o trabalho VDU ​​tem dois componentes principais: tela e teclado, o que significa que os ombros e braços e os olhos estão trabalhando ao mesmo tempo e, portanto, podem estar sujeito a tensões semelhantes relacionadas com o trabalho.

Variáveis ​​do usuário relacionadas ao conforto visual

sexo e idade

Na maioria das pesquisas, as mulheres relatam mais desconforto ocular do que os homens. Em um estudo francês, por exemplo, 35.6% das mulheres reclamaram de desconforto ocular, contra 21.8% dos homens (nível de significância p J 05) (Dorard 1988). Em outro estudo (Sjödren e Elfstrom 1990) observou-se que, embora a diferença no grau de desconforto entre mulheres (41%) e homens (24%) fosse grande, “era mais pronunciada para aqueles que trabalhavam 5-8 horas por dia do que para aqueles que trabalham 1-4 horas por dia”. Tais diferenças não são necessariamente relacionadas ao sexo, uma vez que mulheres e homens raramente compartilham tarefas semelhantes. Por exemplo, em uma fábrica de computadores estudada, quando mulheres e homens estavam ocupados em um “trabalho de mulher” tradicional, ambos os sexos apresentavam a mesma quantidade de desconforto visual. Além disso, quando as mulheres trabalhavam em “trabalhos masculinos” tradicionais, elas não relataram mais desconforto do que os homens. Em geral, independentemente do sexo, o número de queixas visuais entre trabalhadores qualificados que usam VDUs em seus trabalhos é muito menor do que o número de queixas de trabalhadores em trabalhos agitados e não qualificados, como entrada de dados ou processamento de texto (Rey e Bousquet 1989). . Alguns desses dados são fornecidos na tabela 1.

Tabela 1. Prevalência de sintomas oculares em 196 operadores de VDU de acordo com 4 categorias

Categorias

Porcentagem de sintomas (%)

Mulheres em empregos "femininos"

81

Homens em empregos "femininos"

75

Homens em empregos "masculinos"

68

Mulheres em empregos "masculinos"

65

Fonte: De Dorard 1988 e Rey e Bousquet 1989.

O maior número de queixas visuais costuma surgir na faixa etária de 40 a 50 anos, provavelmente porque é nessa época que as mudanças na capacidade de acomodação do olho estão ocorrendo rapidamente. No entanto, embora os operadores mais velhos sejam percebidos como tendo mais queixas visuais do que os trabalhadores mais jovens e, como consequência, a presbiopia (deficiência visual devido ao envelhecimento) seja frequentemente citada como o principal defeito visual associado ao desconforto visual nas estações de trabalho VDU, é importante consideram que também existe uma forte associação entre ter adquirido habilidades avançadas no trabalho VDU ​​e idade. Geralmente, há uma proporção maior de mulheres mais velhas entre as operadoras de VDU não qualificadas, e os trabalhadores mais jovens tendem a ser empregados com mais frequência em empregos qualificados. Portanto, antes que amplas generalizações sobre idade e problemas visuais associados ao VDU ​​possam ser feitas, os números devem ser ajustados para levar em consideração a natureza comparativa e o nível de habilidade do trabalho que está sendo feito no VDU.

Defeitos oculares e lentes corretivas

Em geral, cerca de metade de todos os operadores de VDU apresentam algum tipo de deficiência ocular e a maioria dessas pessoas usa lentes prescritivas de um tipo ou outro. Freqüentemente, as populações de usuários de VDU não diferem da população de trabalho no que diz respeito aos defeitos oculares e à correção ocular. Por exemplo, uma pesquisa (Rubino 1990) realizada entre operadores de VDU italianos revelou que cerca de 46% tinham visão normal e 38% eram míopes (míopes), o que é consistente com os números observados entre operadores de VDU suíços e franceses (Meyer e Bousquet 1990). As estimativas da prevalência de defeitos oculares variam de acordo com a técnica de avaliação utilizada (Çakir 1981).

A maioria dos especialistas acredita que a presbiopia em si não parece ter uma influência significativa na incidência de astenopia (cansaço persistente dos olhos). Em vez disso, o uso de lentes inadequadas parece induzir fadiga ocular e desconforto. Há algum desacordo sobre os efeitos em jovens míopes. Rubino não observou nenhum efeito enquanto, de acordo com Meyer e Bousquet (1990), os operadores míopes se queixam prontamente de subcorreção da distância entre o olho e a tela (geralmente 70 cm). Rubino também propôs que as pessoas que sofrem de deficiência na coordenação ocular podem ter maior probabilidade de sofrer de problemas visuais no trabalho com VDU.

Uma observação interessante que resultou de um estudo francês envolvendo um exame oftalmológico completo por oftalmologistas de 275 operadores de VDU e 65 controles foi que 32% dos examinados poderiam ter sua visão melhorada por uma boa correção. Neste estudo, 68% tinham visão normal, 24% eram míopes e 8% hipermetropia (Boissin et al., 1991). Assim, embora os países industrializados estejam, em geral, bem equipados para fornecer cuidados oftalmológicos excelentes, a correção ocular provavelmente é completamente negligenciada ou inadequada para aqueles que trabalham em um VDU. Um achado interessante neste estudo foi que mais casos de conjuntivite foram encontrados nos operadores de VDU (48%) do que nos controles. Como a conjuntivite e a visão deficiente estão correlacionadas, isso implica que é necessária uma melhor correção ocular.

Fatores físicos e organizacionais que afetam o conforto visual

É claro que, para avaliar, corrigir e prevenir o desconforto visual no trabalho com VDU, é essencial uma abordagem que leve em consideração os diversos fatores descritos aqui e em outras partes deste capítulo. Fadiga e desconforto ocular podem ser o resultado de dificuldades fisiológicas individuais na acomodação normal e convergência no olho, de conjuntivite ou do uso de óculos mal corrigidos para distância. O desconforto visual pode estar relacionado ao próprio posto de trabalho e também pode estar ligado a fatores da organização do trabalho, como monotonia e tempo gasto no trabalho com e sem pausa. Iluminação inadequada, reflexos na tela, trepidação e muita luminância dos personagens também podem aumentar o risco de desconforto ocular. A Figura 1 ilustra alguns desses pontos.

Figura 1. Fatores que aumentam o risco de fadiga ocular entre trabalhadores de VDU

VDU030F1

Muitas das características apropriadas do layout da estação de trabalho são descritas mais detalhadamente no início do capítulo.

A melhor distância de visualização para conforto visual que ainda deixa espaço suficiente para o teclado parece ser de cerca de 65 cm. No entanto, de acordo com muitos especialistas, como Akabri e Konz (1991), idealmente, “seria melhor determinar o foco escuro de um indivíduo para que as estações de trabalho pudessem ser ajustadas a indivíduos específicos e não a meios populacionais”. No que diz respeito aos próprios personagens, em geral, uma boa regra é “quanto maior, melhor”. Normalmente, o tamanho da letra aumenta com o tamanho da tela, e sempre há um compromisso entre a legibilidade das letras e o número de palavras e frases que podem ser exibidas na tela ao mesmo tempo. O próprio VDU ​​deve ser selecionado de acordo com os requisitos da tarefa e deve tentar maximizar o conforto do usuário.

Além do design da estação de trabalho e do próprio VDU, há a necessidade de permitir que os olhos descansem. Isso é particularmente importante em empregos não qualificados, nos quais a liberdade de “movimentar-se” é geralmente muito menor do que em empregos qualificados. O trabalho de entrada de dados ou outras atividades do mesmo tipo geralmente são realizados sob pressão de tempo, às vezes até acompanhados de supervisão eletrônica, que cronometra a saída do operador com muita precisão. Em outros trabalhos VDU interativos que envolvem o uso de bancos de dados, os operadores são obrigados a aguardar uma resposta do computador e, portanto, devem permanecer em seus postos.

Cintilação e desconforto ocular

Flicker é a mudança no brilho dos caracteres na tela ao longo do tempo e é descrito mais detalhadamente acima. Quando os personagens não se atualizam com frequência suficiente, alguns operadores conseguem perceber a cintilação. Trabalhadores mais jovens podem ser mais afetados, uma vez que sua frequência de fusão cintilante é maior do que a de pessoas mais velhas (Grandjean 1987). A taxa de cintilação aumenta com o aumento do brilho, que é uma das razões pelas quais muitos operadores de VDU geralmente não fazem uso de toda a gama de brilho da tela que está disponível. Em geral, um VDU com uma taxa de atualização de pelo menos 70 Hz deve “encaixar” as necessidades visuais de uma grande proporção de operadores de VDU.

A sensibilidade dos olhos à cintilação é aprimorada pelo aumento do brilho e do contraste entre a área flutuante e a área circundante. O tamanho da área flutuante também afeta a sensibilidade porque quanto maior a área a ser visualizada, maior a área da retina que é estimulada. O ângulo em que a luz da área flutuante atinge o olho e a amplitude de modulação da área flutuante são outras variáveis ​​importantes.

Quanto mais velho o usuário do VDU, menos sensível o olho, porque os olhos mais velhos são menos transparentes e a retina é menos excitável. Isso também é verdade em pessoas doentes. Achados de laboratório como esses ajudam a explicar as observações feitas em campo. Por exemplo, descobriu-se que os operadores são incomodados pela oscilação da tela ao ler documentos em papel (Isensee e Bennett citados em Grandjean 1987), e a combinação de flutuação da tela e flutuação da luz fluorescente foi considerada particularmente perturbador.

Iluminação

O olho funciona melhor quando o contraste entre o alvo visual e seu fundo é máximo, como por exemplo, com uma letra preta em papel branco. A eficiência aumenta ainda mais quando a borda externa do campo visual é exposta a níveis ligeiramente mais baixos de brilho. Infelizmente, com um VDU a situação é exatamente o inverso disso, que é uma das razões pelas quais tantos operadores de VDU tentam proteger seus olhos contra o excesso de luz.

Contrastes inadequados de brilho e reflexos desagradáveis ​​produzidos por luz fluorescente, por exemplo, podem levar a reclamações visuais entre os operadores de VDU. Em um estudo, 40% de 409 trabalhadores de VDUs fizeram tais reclamações (Läubli et al., 1989).

A fim de minimizar os problemas com a iluminação, assim como com as distâncias de visualização, a flexibilidade é importante. Deve-se ser capaz de adaptar as fontes de luz à sensibilidade visual dos indivíduos. Os locais de trabalho devem ser fornecidos para oferecer aos indivíduos a oportunidade de ajustar sua iluminação.

Características do trabalho

Os trabalhos executados sob pressão de tempo, especialmente se não qualificados e monótonos, são muitas vezes acompanhados por sensações de fadiga geral, que, por sua vez, podem originar queixas de desconforto visual. No laboratório dos autores, verificou-se que o desconforto visual aumentava com o número de mudanças acomodativas que os olhos precisavam fazer para realizar a tarefa. Isso ocorreu com mais frequência na entrada de dados ou processamento de texto do que em tarefas que envolviam diálogos com o computador. Trabalhos que são sedentários e oferecem poucas oportunidades de movimentação também oferecem menos oportunidades de recuperação muscular e, portanto, aumentam a probabilidade de desconforto visual.

organização do trabalho

Desconforto ocular é apenas um aspecto dos problemas físicos e mentais que podem estar associados a muitos empregos, conforme descrito mais detalhadamente em outra parte deste capítulo. Não é surpreendente, portanto, encontrar uma alta correlação entre o nível de desconforto ocular e a satisfação no trabalho. Embora o trabalho noturno ainda não seja amplamente praticado no trabalho de escritório, seus efeitos sobre o desconforto ocular no trabalho com VDU podem ser inesperados. Isso ocorre porque, embora haja poucos dados disponíveis para confirmar isso, por um lado, a capacidade ocular durante o turno da noite pode ser de alguma forma deprimida e, portanto, mais vulnerável aos efeitos do VDU, enquanto, por outro lado, o ambiente de iluminação é mais fácil para ajustar sem interferência da iluminação natural, desde que os reflexos das lâmpadas fluorescentes nas janelas escuras sejam eliminados.

Indivíduos que usam VDUs para trabalhar em casa devem garantir que eles tenham o equipamento e as condições de iluminação apropriados para evitar os fatores ambientais adversos encontrados em muitos locais de trabalho formais.

Vigilância médica

Nenhum agente perigoso específico foi identificado como um risco visual. A astenopia entre os operadores de VDU parece ser um fenômeno agudo, embora haja alguma crença de que possa ocorrer tensão sustentada de acomodação. Ao contrário de muitas outras doenças crônicas, o desajuste ao trabalho VDU ​​geralmente é percebido muito em breve pelo “paciente”, que pode ser mais propenso a procurar atendimento médico do que os trabalhadores em outras situações de trabalho. Após essas visitas, óculos são frequentemente prescritos, mas infelizmente eles às vezes são mal adaptados às necessidades do local de trabalho que foram descritas aqui. É essencial que os profissionais sejam especialmente treinados para cuidar de pacientes que trabalham com VDUs. Um curso especial, por exemplo, foi criado no Swiss Federal Institute of Technology em Zurique apenas para esse fim.

Os seguintes fatores devem ser levados em consideração ao cuidar de trabalhadores VDU. Em comparação com o trabalho de escritório tradicional, a distância entre o olho e o alvo visual, a tela, costuma ser de 50 a 70 cm e não pode ser alterada. Portanto, devem ser prescritas lentes que levem em consideração essa distância de visualização estável. As lentes bifocais são inadequadas porque exigirão uma extensão dolorosa do pescoço para que o usuário possa ler a tela. As lentes multifocais são melhores, mas como limitam os movimentos rápidos dos olhos, seu uso pode levar a mais movimentos da cabeça, produzindo tensão adicional.

A correção ocular deve ser a mais precisa possível, levando em consideração os menores defeitos visuais (por exemplo, astigmatismo) e também a distância de visualização do VDU. Óculos coloridos que reduzem o nível de iluminação no centro do campo visual não devem ser prescritos. Óculos parcialmente coloridos não são úteis, pois os olhos no local de trabalho estão sempre se movendo em todas as direções. Oferecer óculos especiais aos funcionários, no entanto, não deve significar que outras queixas de desconforto visual dos trabalhadores possam ser ignoradas, uma vez que as queixas podem ser justificadas pelo design ergonômico deficiente da estação de trabalho e do equipamento.

Deve-se dizer, finalmente, que os operadores que sofrem mais desconforto são aqueles que precisam de níveis de iluminação elevados para trabalhos de detalhe e que, ao mesmo tempo, possuem maior sensibilidade ao brilho. Os operadores com olhos subcorrigidos exibirão, portanto, uma tendência de se aproximar da tela para obter mais luz e, dessa forma, estarão mais expostos à cintilação.

Rastreamento e prevenção secundária

Os princípios usuais de prevenção secundária em saúde pública são aplicáveis ​​ao ambiente de trabalho. A triagem, portanto, deve ser direcionada para perigos conhecidos e é mais útil para doenças com longos períodos de latência. A triagem deve ocorrer antes de qualquer evidência de doença evitável e apenas testes com alta sensibilidade, alta especificidade e alto poder preditivo são úteis. Os resultados dos exames de triagem podem ser usados ​​para avaliar a extensão da exposição tanto de indivíduos quanto de grupos.

Como nenhum efeito adverso grave sobre os olhos foi identificado no trabalho com VDUs e como nenhum nível perigoso de radiação associado a problemas visuais foi detectado, foi acordado que não há indicação de que o trabalho com VDUs “cause doenças ou danos aos olhos” (OMS 1987). A fadiga ocular e o desconforto ocular relatados em operadores de VDU não são os tipos de efeitos à saúde que geralmente formam a base da vigilância médica em um programa de prevenção secundária.

No entanto, exames médicos visuais pré-emprego de operadores de VDU são comuns na maioria dos países membros da Organização Internacional do Trabalho, uma exigência apoiada por sindicatos e empregadores (ILO 1986). Em muitos países europeus (incluindo França, Holanda e Reino Unido), a vigilância médica para operadores de VDU, incluindo testes oculares, também foi instituída após a emissão da Diretiva 90/270/EEC sobre o trabalho com equipamentos de exibição.

Se um programa para a vigilância médica dos operadores de VDU for estabelecido, as seguintes questões devem ser abordadas além de decidir sobre o conteúdo do programa de triagem e os procedimentos de teste apropriados:

  • Qual é o significado da vigilância e como devem ser interpretados os seus resultados?
  • Todos os operadores de VDU precisam de vigilância?
  • Quaisquer efeitos oculares observados são apropriados para um programa de prevenção secundária?

 

A maioria dos testes de triagem visual de rotina disponíveis para o médico do trabalho tem baixa sensibilidade e poder preditivo para desconforto ocular associado ao trabalho de VDU (Rey e Bousquet 1990). Os gráficos de teste visual de Snellen são particularmente inadequados para a medição da acuidade visual dos operadores de VDU e para prever seu desconforto ocular. Nos gráficos de Snellen, os alvos visuais são letras escuras e precisas em um fundo claro e bem iluminado, nada parecido com as condições típicas de visualização de VDU. De fato, devido à inaplicabilidade de outros métodos, um procedimento de teste foi desenvolvido pelos autores (o dispositivo C45) que simula as condições de leitura e iluminação de um VDU no local de trabalho. Infelizmente, isso permanece por enquanto uma configuração de laboratório. É importante perceber, no entanto, que os exames de triagem não substituem um local de trabalho bem projetado e uma boa organização do trabalho.

Estratégias ergonômicas para reduzir o desconforto visual

Embora a triagem ocular sistemática e as visitas sistemáticas ao oftalmologista não tenham se mostrado eficazes na redução da sintomatologia visual, elas foram amplamente incorporadas aos programas de saúde ocupacional para trabalhadores de VDU. Uma estratégia mais econômica poderia incluir uma análise ergonômica intensiva do trabalho e do local de trabalho. Trabalhadores com doenças oculares conhecidas devem tentar evitar o máximo possível o trabalho intensivo com VDU. A visão mal corrigida é outra causa potencial de reclamações do operador e deve ser investigada se tais reclamações ocorrerem. A melhoria da ergonomia do local de trabalho, que pode incluir um baixo ângulo de leitura para evitar a diminuição da taxa de piscar e extensão do pescoço, e proporcionar a oportunidade de descansar e se movimentar no trabalho, são outras estratégias eficazes. Novos dispositivos, com teclados separados, permitem o ajuste de distâncias. O VDU também pode ser feito para ser móvel, por exemplo, colocando-o em um braço móvel. A fadiga ocular será assim reduzida ao permitir alterações na distância de visualização que correspondam às correções do olho. Frequentemente, as medidas tomadas para reduzir a dor muscular nos braços, ombros e costas permitirão ao mesmo tempo que o ergonomista reduza o esforço visual. Além do design do equipamento, a qualidade do ar pode afetar a visão. O ar seco leva a olhos secos, de modo que a umidificação adequada é necessária.

Em geral, as seguintes variáveis ​​físicas devem ser abordadas:

  • a distância entre a tela e o olho
  • o ângulo de leitura, que determina a posição da cabeça e do pescoço
  • a distância para paredes e janelas
  • a qualidade dos documentos em papel (muitas vezes muito pobre)
  • luminâncias de tela e arredores (para iluminação artificial e natural)
  • efeitos de cintilação
  • fontes de brilho e reflexos
  • o nível de umidade.

 

Entre as variáveis ​​organizacionais que devem ser abordadas na melhoria das condições visuais de trabalho estão:

  • conteúdo da tarefa, nível de responsabilidade
  • horários, trabalho noturno, duração do trabalho
  • liberdade de “movimentar-se”
  • empregos a tempo inteiro ou a tempo parcial, etc.

 

Voltar

Sexta-feira, Março 25 2011 04: 03

Riscos Reprodutivos - Dados Experimentais

O objetivo dos estudos experimentais descritos aqui, usando modelos animais, é, em parte, responder à questão de saber se as exposições a campos magnéticos de frequência extremamente baixa (ELF) em níveis semelhantes aos das estações de trabalho VDU ​​podem afetar as funções reprodutivas em animais de uma forma que pode ser equiparada a um risco para a saúde humana.

Os estudos aqui considerados limitam-se a in vivo estudos (realizados em animais vivos) de reprodução em mamíferos expostos a campos magnéticos de frequência muito baixa (VLF) com frequências apropriadas, excluindo, portanto, estudos sobre os efeitos biológicos em geral dos campos magnéticos VLF ou ELF. Esses estudos em animais experimentais falham em demonstrar inequivocamente que os campos magnéticos, como os encontrados ao redor dos VDUs, afetam a reprodução. Além disso, como pode ser visto considerando os estudos experimentais descritos com algum detalhe abaixo, os dados em animais não lançam uma luz clara sobre os possíveis mecanismos dos efeitos reprodutivos humanos do uso de VDU. Esses dados complementam a relativa ausência de indicações de um efeito mensurável do uso de VDU em resultados reprodutivos de estudos de população humana.

Estudos de Efeitos Reprodutivos de Campos Magnéticos VLF em Roedores

Os campos magnéticos VLF semelhantes aos dos VDUs foram usados ​​em cinco estudos teratológicos, três com camundongos e dois com ratos. Os resultados desses estudos estão resumidos na tabela 1. Apenas um estudo (Tribukait e Cekan 1987) encontrou um aumento no número de fetos com malformações externas. Stuchly et ai. (1988) e Huuskonen, Juutilainen e Komulainen (1993) relataram um aumento significativo no número de fetos com anormalidades esqueléticas, mas apenas quando a análise foi baseada no feto como uma unidade. O estudo de Wiley e Corey (1992) não demonstrou nenhum efeito da exposição a campos magnéticos na reabsorção placentária ou em outros resultados da gravidez. As reabsorções placentárias correspondem aproximadamente a abortos espontâneos em humanos. Finalmente, Frölén e Svedenstål (1993) realizaram uma série de cinco experimentos. Em cada experimento, a exposição ocorreu em um dia diferente. Entre os primeiros quatro subgrupos experimentais (dia 1 a dia 5), ​​houve aumentos significativos no número de reabsorções placentárias entre as mulheres expostas. Nenhum desses efeitos foi observado no experimento em que a exposição começou no dia 7 e que é ilustrado na figura 1.

Tabela 1. Estudos teratológicos com ratos ou camundongos expostos a campos magnéticos formados por dentes de serra de 18-20 kHz

   

Exposição de campo magnético

 

Estudo

Assunto1

Frequência

Amplitude2

de duração3

Resultados 4

Tribukait e Cekan (1987)

76 ninhadas de ratos
(C3H)

KHz 20

1 μT, 15 μT

Expostos ao 14º dia de gravidez

Aumento significativo da malformação externa; somente se o feto for usado como unidade de observação; e apenas na primeira metade do experimento; nenhuma diferença quanto à reabsorção ou morte fetal.

Stuchly et ai.
(1988)

20 ninhadas de ratos
(SD)

KHz 18

5.7μT, 23μT,
66μT

Exposto por toda parte
gravidez e gestação

Aumento significativo de malformações esqueléticas menores; somente se o feto for usado como unidade de observação; alguma diminuição nas concentrações de células sanguíneas sem diferença quanto à reabsorção, nem quanto a outros tipos de malformações

Wiley e Corey
(1992)

144 litros de
camundongos (CD-1)

KHz 20

3.6 μT, 17 μT,
200 μT

Exposto por toda parte
gravidez e gestação

Nenhuma diferença quanto a qualquer resultado observado (malformação,
reabsorção, etc.).

Frölen e
Svedenstål
(1993)

No total 707
ninhadas de ratos
(CBA/S)

KHz 20

15 μT

Começando em vários dias de gravidez em
subexperimentos diferentes

Aumento significativo da reabsorção; somente se a exposição começar no dia 1 ao dia 5; nenhuma diferença quanto a malformações

Huuskonen,
Juutilainen e
Komulainen
(1993)

72 ninhadas de ratos
(Wistar)

KHz 20

15 μT

Expostos ao 12º dia de gravidez

Aumento significativo de malformações esqueléticas menores; somente se o feto for usado como unidade de observação; nenhuma diferença quanto a
reabsorção, nem quanto a outros tipos de malformações.

1 Número total de ninhadas na categoria de exposição máxima.

2 Amplitude pico a pico.

3 A exposição variou de 7 a 24 horas/dia em diferentes experimentos.

4 "Diferença" refere-se a comparações estatísticas entre animais expostos e não expostos, "aumento" refere-se a uma comparação do grupo mais exposto versus o grupo não exposto.

 

Figura 1. A porcentagem de camundongos fêmeas com reabsorções placentárias em relação à exposição

VDU040F1

As interpretações dadas pelos pesquisadores às suas descobertas incluem o seguinte. Stuchly e colaboradores relataram que as anormalidades observadas não eram incomuns e atribuíram o resultado a “ruído comum que aparece em todas as avaliações teratológicas”. Huuskonen et al., cujos resultados foram semelhantes aos de Stuchly et al., foram menos negativos em sua avaliação e consideraram seu resultado mais indicativo de um efeito real, mas também observaram em seu relatório que as anormalidades eram “sutis e provavelmente não prejudicar o desenvolvimento posterior dos fetos”. Ao discutir suas descobertas em que os efeitos foram observados nas primeiras exposições, mas não nas posteriores, Frölén e Svedenstål sugerem que os efeitos observados podem estar relacionados a efeitos iniciais na reprodução, antes que o óvulo fertilizado seja implantado no útero.

Além dos resultados reprodutivos, uma diminuição nos glóbulos brancos e vermelhos foi observada no grupo de maior exposição no estudo de Stuchly e colaboradores. (As contagens de células sanguíneas não foram analisadas nos outros estudos.) Os autores, embora sugerissem que isso poderia indicar um efeito moderado dos campos, também observaram que as variações nas contagens de células sanguíneas estavam “dentro da faixa normal”. A ausência de dados histológicos e a ausência de quaisquer efeitos nas células da medula óssea dificultaram a avaliação desses últimos achados.

Interpretação e comparação de estudos 

Poucos dos resultados descritos aqui são consistentes entre si. Conforme afirmado por Frölén e Svedenstål, “conclusões qualitativas com relação aos efeitos correspondentes em seres humanos e animais de teste não podem ser tiradas”. Examinemos alguns dos raciocínios que poderiam levar a tal conclusão.

As descobertas do Tribukait geralmente não são consideradas conclusivas por dois motivos. Primeiro, o experimento só produziu efeitos positivos quando o feto foi usado como unidade de observação para análise estatística, enquanto os próprios dados realmente indicavam um efeito específico da ninhada. Em segundo lugar, há uma discrepância no estudo entre os resultados da primeira e da segunda parte, o que implica que os resultados positivos podem ser o resultado de variações aleatórias e/ou fatores não controlados no experimento.

Estudos epidemiológicos que investigam malformações específicas não observaram aumento de malformações esqueléticas entre crianças nascidas de mães que trabalham com VDUs e, portanto, expostas a campos magnéticos VLF. Por essas razões (análise estatística baseada no feto, anormalidades provavelmente não relacionadas à saúde e falta de concordância com achados epidemiológicos), os resultados – sobre malformações esqueléticas menores – não são de molde a fornecer uma indicação firme de risco à saúde humana.


Antecedentes Técnicos

Unidades de observação

Ao avaliar estatisticamente estudos em mamíferos, deve-se levar em consideração pelo menos um aspecto do mecanismo (muitas vezes desconhecido). Se a exposição afetar a mãe – que por sua vez afeta os fetos da ninhada, é o estado da ninhada como um todo que deve ser usado como unidade de observação (o efeito que está sendo observado e medido), pois o indivíduo resultados entre irmãos de ninhada não são independentes. Se, por outro lado, for levantada a hipótese de que a exposição age direta e independentemente sobre os fetos individuais dentro da ninhada, então pode-se usar apropriadamente o feto como uma unidade para avaliação estatística. A prática usual é contar a ninhada como a unidade de observação, a menos que haja evidência disponível de que o efeito da exposição em um feto seja independente do efeito nos outros fetos da ninhada.


Wiley e Corey (1992) não observaram um efeito de reabsorção placentária semelhante ao observado por Frölén e Svedenstål. Uma razão apresentada para essa discrepância é que diferentes cepas de camundongos foram usadas, e o efeito pode ser específico para a cepa usada por Frölén e Svedenstål. Além desse efeito de espécie especulado, também é digno de nota que tanto as fêmeas expostas a campos de 17 μT quanto os controles no estudo de Wiley tiveram frequências de reabsorção semelhantes às das fêmeas expostas na série Frölén correspondente, enquanto a maioria dos grupos não expostos no estudo Frölén estudo teve frequências muito mais baixas (ver figura 1). Uma explicação hipotética poderia ser que um maior nível de estresse entre os camundongos do estudo de Wiley resultou do manuseio dos animais durante o período de três horas sem exposição. Se for esse o caso, um efeito do campo magnético poderia talvez ter sido “afogado” por um efeito de estresse. Embora seja difícil descartar definitivamente tal teoria a partir dos dados fornecidos, ela parece um tanto exagerada. Além disso, seria esperado que um efeito “real” atribuível ao campo magnético fosse observável acima de um efeito de estresse constante à medida que a exposição ao campo magnético aumentasse. Essa tendência não foi observada nos dados do estudo de Wiley.

O estudo de Wiley relata o monitoramento ambiental e a rotação de gaiolas para eliminar os efeitos de fatores descontrolados que podem variar dentro do próprio ambiente da sala, como podem os campos magnéticos, enquanto o estudo de Frölén não. Assim, o controle de “outros fatores” é pelo menos mais bem documentado no estudo de Wiley. Hipoteticamente, fatores não controlados que não foram randomizados poderiam oferecer algumas explicações. Também é interessante notar que a falta de efeito observada na série do dia 7 do estudo de Frölén parece ser devida não a uma diminuição nos grupos expostos, mas a um aumento no grupo controle. Assim, as variações no grupo de controle provavelmente são importantes a serem consideradas ao comparar os resultados díspares dos dois estudos.

Estudos de Efeitos Reprodutivos de Campos Magnéticos ELF em Roedores

Vários estudos foram realizados, principalmente em roedores, com campos de 50 a 80 Hz. Detalhes sobre seis desses estudos são mostrados na tabela 2. Embora outros estudos de ELF tenham sido realizados, seus resultados não apareceram na literatura científica publicada e geralmente estão disponíveis apenas como resumos de conferências. Em geral, os resultados são de “efeitos aleatórios”, “nenhuma diferença observada” e assim por diante. Um estudo, no entanto, encontrou um número reduzido de anormalidades externas em camundongos CD-1 expostos a um campo de 20 mT e 50 Hz, mas os autores sugeriram que isso pode refletir um problema de seleção. Alguns estudos foram relatados em outras espécies além de roedores (macacos rhesus e vacas), novamente aparentemente sem observações de efeitos adversos da exposição.

Tabela 2. Estudos teratológicos com ratos ou camundongos expostos a campos magnéticos senoidais ou de pulso quadrado de 15-60 Hz

   

Exposição de campo magnético

   

Estudo

Assunto1

Frequência

Amplitude

Descrição

Duração da exposição

Resultados

Rivas e Rius
(1985)

25 ratos suíços

50 Hz

83 μT, 2.3 mT

Pulsado, duração de pulso de 5 ms

Antes e durante a gravidez e crescimento da prole; total de 120 dias

Sem diferenças significativas ao nascer em qualquer parâmetro medido; diminuição do peso corporal masculino quando adulto

Zeca et ai. (1985)

10 ratos SD

50 Hz

5.8 mT

 

Dia 6-15 da gravidez,
3h/dia

Sem diferenças significativas

Tribukait e Cekan (1987)

35 camundongos C3H

50 Hz

1 μT, 15 μT
(pico)

Formas de onda quadradas, duração de 0.5 ms

Dia 0-14 da gravidez,
24h/dia

Sem diferenças significativas

Salzinger e
Freimark (1990)

41 descendentes de ratos SD. Apenas filhotes machos usados

60 Hz

100 μT (rms).

Também elétrico
exposição de campo.

Circular uniforme polarizada

Dia 0-22 de gravidez e
8 dias após o nascimento, 20 h/dia

Menor aumento na resposta do operando durante o treinamento a partir dos 90 dias de idade

McGivern e
Sokol (1990)

11 filhos de ratos SD. Apenas filhotes machos usados.

15 Hz

800 μT (pico)

Formas de onda quadradas, duração de 0.3 ms

Dia 15-20 da gravidez,
2x15 min/dia

Comportamento de marcação de cheiro territorial reduzido aos 120 dias de idade.
O peso de alguns órgãos aumentou.

Huuskonen et ai.
(1993)

72 ratos Wistar

50 Hz

12.6μT (rms)

Senoidal

Dia 0-12 da gravidez,
24h/dia

Mais fetos/ninhada. Malformações esqueléticas menores

1 Número de animais (mães) na categoria de exposição mais alta, salvo indicação em contrário.

 

Como pode ser visto na tabela 2, uma ampla gama de resultados foi obtida. Esses estudos são mais difíceis de resumir porque há muitas variações nos regimes de exposição, nos desfechos em estudo e em outros fatores. O feto (ou o filhote sobrevivente, “selecionado”) foi a unidade utilizada na maioria dos estudos. No geral, está claro que esses estudos não mostram nenhum efeito teratogênico grave da exposição a campos magnéticos durante a gravidez. Conforme observado acima, “pequenas anomalias esqueléticas” não parecem ser importantes ao avaliar os riscos humanos. Os resultados dos estudos comportamentais de Salzinger e Freimark (1990) e McGivern e Sokol (1990) são intrigantes, mas não constituem uma base para indicações de riscos à saúde humana em uma estação de trabalho VDU, seja do ponto de vista dos procedimentos (uso do feto , e, para McGivern, uma frequência diferente) ou de efeitos.

Resumo de estudos específicos

Retardo comportamental 3-4 meses após o nascimento foi observado na prole de fêmeas expostas por Salzinger e McGivern. Esses estudos parecem ter usado descendentes individuais como unidade estatística, o que pode ser questionável se o efeito estipulado for devido a um efeito sobre a mãe. O estudo de Salzinger também expôs os filhotes durante os primeiros 8 dias após o nascimento, de modo que este estudo envolveu mais do que riscos reprodutivos. Um número limitado de ninhadas foi usado em ambos os estudos. Além disso, esses estudos não podem ser considerados como confirmando os achados um do outro, pois as exposições variaram muito entre eles, como pode ser visto na tabela 2.

Além de uma mudança comportamental nos animais expostos, o estudo de McGivern observou um aumento de peso de alguns órgãos sexuais masculinos: a próstata, as vesículas seminais e o epidídimo (todas as partes do sistema reprodutor masculino). Os autores especulam se isso poderia estar ligado à estimulação de alguns níveis enzimáticos na próstata, uma vez que os efeitos do campo magnético em algumas enzimas presentes na próstata foram observados para 60 Hz.

Huuskonen e colaboradores (1993) observaram um aumento no número de fetos por ninhada (10.4 fetos/ninhada no grupo exposto a 50 Hz vs. 9 fetos/ninhada no grupo controle). Os autores, que não observaram tendências semelhantes em outros estudos, minimizaram a importância dessa descoberta, observando que “pode ​​ser incidental e não um efeito real do campo magnético”. Em 1985, Rivas e Rius relataram um achado diferente com um número ligeiramente menor de nascidos vivos por ninhada entre grupos expostos versus não expostos. A diferença não foi estatisticamente significativa. Eles realizaram os outros aspectos de suas análises tanto “por feto” quanto “por ninhada”. O aumento observado em malformações esqueléticas menores só foi visto com a análise usando o feto como unidade de observação.

Recomendações e resumo

Apesar da relativa falta de dados positivos e consistentes que demonstrem os efeitos reprodutivos humanos ou animais, ainda são necessárias tentativas de replicação dos resultados de alguns estudos. Esses estudos devem tentar reduzir as variações nas exposições, métodos de análise e cepas de animais utilizados.

Em geral, os estudos experimentais realizados com campos magnéticos de 20 kHz têm fornecido resultados bastante variados. Aderindo estritamente ao procedimento de análise da ninhada e teste de hipótese estatística, nenhum efeito foi mostrado em ratos (embora achados não significativos semelhantes tenham sido feitos em ambos os estudos). Em camundongos, os resultados foram variados e nenhuma interpretação única e coerente deles parece possível no momento. Para campos magnéticos de 50 Hz, a situação é um pouco diferente. Estudos epidemiológicos relevantes para essa frequência são escassos, e um estudo indicou um possível risco de aborto espontâneo. Por outro lado, os estudos experimentais com animais não produziram resultados semelhantes. No geral, os resultados não estabelecem um efeito dos campos magnéticos de frequência extremamente baixa dos VDUs no resultado da gravidez. A totalidade dos resultados falha, portanto, em sugerir um efeito dos campos magnéticos VLF ou ELF dos VDUs na reprodução.

 

Voltar

Sexta-feira, Março 25 2011 04: 16

Efeitos reprodutivos - Evidência humana

A segurança das unidades de exibição visual (VDUs) em termos de resultados reprodutivos tem sido questionada desde a introdução generalizada de VDUs no ambiente de trabalho durante a década de 1970. A preocupação com os resultados adversos da gravidez foi levantada pela primeira vez como resultado de numerosos relatos de aparentes grupos de abortos espontâneos ou malformações congênitas entre operadoras de VDU grávidas (Blackwell e Chang 1988). Embora esses agrupamentos relatados tenham sido determinados como não sendo mais do que o esperado por acaso, dado o uso generalizado de VDUs no local de trabalho moderno (Bergqvist 1986), estudos epidemiológicos foram realizados para explorar mais essa questão.

A partir dos estudos publicados revisados ​​aqui, uma conclusão segura seria que, em geral, trabalhar com VDUs não parece estar associado a um risco excessivo de resultados adversos na gravidez. No entanto, essa conclusão generalizada se aplica aos VDUs, pois são normalmente encontrados e usados ​​em escritórios por trabalhadoras. Se, no entanto, por alguma razão técnica, existisse uma pequena proporção de VDUs que induzisse um forte campo magnético, então esta conclusão geral de segurança não poderia ser aplicada a essa situação especial, pois é improvável que os estudos publicados tivessem o mesmo capacidade estatística para detectar tal efeito. Para poder ter declarações de segurança generalizáveis, é essencial que estudos futuros sejam realizados sobre o risco de resultados adversos da gravidez associados a VDUs usando medidas de exposição mais refinadas.

Os resultados reprodutivos mais frequentemente estudados foram:

  • Aborto espontâneo (10 estudos): geralmente definido como uma interrupção não intencional da gravidez ocorrendo antes de 20 semanas de gestação.
  • Malformação congênita (8 estudos): muitos tipos diferentes foram avaliados, mas, em geral, foram diagnosticados ao nascimento.
  • Outros resultados (8 estudos), como baixo peso ao nascer (abaixo de 2,500 g), muito baixo peso ao nascer (abaixo de 1,500 g) e fecundabilidade (tempo até a gravidez desde a interrupção do uso de controle de natalidade) também foram avaliados. Consulte a tabela 1.

 

Tabela 1. Uso de VDU como um fator nos resultados adversos da gravidez

Objetivos

Métodos

Resultados

Estudo

Resultado

Design

Cases

Controles

Exposição

OR/RR (IC 95%)

Conclusão

Kurppa et ai.
(1986)

Malformação congênita

Controle de caso

1, 475

1 mesma idade, mesma data de nascimento

Títulos de trabalho,
face-a-face
entrevistas

235 casos,
255 controles,
0.9 (0.6-1.2)

Nenhuma evidência de risco aumentado entre mulheres que relataram exposição a VDU ou entre mulheres cujos cargos indicavam possível exposição

Ericson e Källén (1986)

aborto espontâneo,
criança morreu,
malformação,
muito baixo peso ao nascer

caso-caso

412
22
62
26

1 de idade semelhante e do mesmo registro

Títulos de trabalho

1.2 (0.6-2.3)
(aplica-se ao resultado combinado)

O efeito do uso de VDU não foi estatisticamente significativo

Westerholm e Ericson
(1986)

Natimorto,
baixo peso de nascimento,
mortalidade pré-natal,
malformações

grupo

7
-
13
43

4, 117

Títulos de trabalho

1.1 (0.8-1.4)
NR(NS)
NR(NS)
1.9 (0.9-3.8)

Não foram encontrados excessos para nenhum dos desfechos estudados.

Bjerkedal e Egenaes (1986)

Natimorto,
morte na primeira semana,
morte pré-natal,
baixo peso de nascimento,
muito baixo peso ao nascer,
prematuro,
nascimento múltiplo,
malformações

grupo

17
8
25
46
10
97
16
71

1, 820

Registros de emprego

NR(NS)
NR(NS)
NR(NS)
NR(NS)
NR(NS)
NR(NS)
NR(NS)
NR(NS)

O estudo concluiu que não há indicação de que a introdução de VDUs no centro tenha levado a qualquer aumento na taxa de resultados adversos da gravidez.

Goldhaber, Polen e Hiatt
(1988)

aborto espontâneo,
malformações

Controle de caso

460
137

1 123% de todos os partos normais, mesma região, mesmo horário

questionário postal

1.8 (1.2-2.8)
1.4 (0.7-2.9)

Risco estatisticamente aumentado de abortos espontâneos por exposição a VDU. Nenhum risco excessivo de malformações congênitas associadas à exposição a VDU.

McDonald et ai. (1988)

aborto espontâneo,

natimorto,
malformações,

baixo peso de nascimento

grupo

776

25
158

228

 

Entrevistas cara a cara

1.19 (1.09-1.38)
atual/0.97 anterior
0.82 atual/ 0.71 anterior
0.94 corrente/1, 12
(89-1, 43) anterior
1.10

Nenhum aumento no risco foi encontrado entre mulheres expostas a VDUs.

Nurminen e Kurppa (1988)

Ameaça de aborto,
gestação  40 semanas,
baixo peso de nascimento,
peso da placenta,
hipertensão

grupo

239
96
57
NR
NR

 

Entrevistas cara a cara

0.9
VDU: 30.5%, não: 43.8%
VDU: 25.4%, não: 23.6%
outras comparações (NR)

As razões de taxas brutas e ajustadas não mostraram efeitos estatisticamente significativos para trabalhar com VDUs.

Bryant e Amor (1989)

Aborto espontâneo

Controle de caso

344

647
Mesmo hospital,
idade, última menstruação, paridade

Entrevistas cara a cara

1.14 (p = 0.47) pré-natal
0.80 (p = 0.2) pós-natal

O uso de VDU foi semelhante entre os casos e os controles pré-natais e pós-natais.

Windham e outros. (1990)

aborto espontâneo,
baixo peso de nascimento,
crescimento intra-uterino
retardo

Controle de caso

626
64
68

1,308 mesma idade, mesma última menstruação

Entrevistas por telefone

1.2 (0.88-1.6)
1.4 (0.75-2.5)
1.6 (0.92-2.9)

As razões de chances brutas para aborto espontâneo e uso de VDU em menos de 20 horas por semana foram de 1.2; IC 95% 0.88-1.6, mínimo de 20 horas semanais foram 1.3; IC 95% 0.87-1.5. Os riscos de baixo peso ao nascer e retardo do crescimento intra-uterino não foram significativamente elevados.

Brandt e
Nielsen (1990)

Malformação congênita

Controle de caso

421

1,365; 9.2% de todas as gestações, mesmo registro

questionário postal

0.96 (0.76-1.20)

O uso de VDUs durante a gravidez não foi associado ao risco de malformações congênitas.

Nielsen e
Marca (1990)

Aborto espontâneo

Controle de caso

1,371

1,699 (9.2% da população)
de todas as gestações, mesmo registro

questionário postal

0.94 (0.77-1.14)

Nenhum risco estatisticamente significativo de aborto espontâneo com exposição a VDU.

Tikkanen e Heinonen
(1991)

malformações cardiovasculares

Controle de caso

573

1,055 mesmo tempo, parto hospitalar

Entrevistas cara a cara

Casos 6.0%, controles 5.0%

Nenhuma associação estatisticamente significativa entre o uso de VDU e malformação cardiovascular

Schnorr et ai.
(1991)

Aborto espontâneo

grupo

136

746

Empresa registra medição de campo magnético

0.93 (0.63-1.38)

Nenhum risco excessivo para mulheres que usaram VDUs durante o primeiro trimestre e nenhum risco aparente
exposição – relação de resposta para o tempo de uso de VDU por semana.

Brandt e
Nielsen (1992)

tempo para a gravidez

grupo

188
(meses 313)

 

questionário postal

1.61 (1.09-2.38)

Para um tempo de gravidez superior a 13 meses, houve um aumento do risco relativo para o grupo com pelo menos 21 horas semanais de uso de VDU.

Nielsen e
Marca (1992)

Baixo peso de nascimento,
nascimento prematuro,
pequeno para gestacional
idade,
mortalidade infantil

grupo

434
443
749
160

 

questionário postal

0.88 (0.67-1.66)
1.11 (0.87-1.47)
0.99 (0.62-1.94)
NR(NS)

Nenhum aumento no risco foi encontrado entre mulheres expostas a VDUs.

Romano et ai.
(1992)

Aborto espontâneo

Controle de caso

150

297 hospital para nulíparas

Entrevistas cara a cara

0.9 (0.6-1.4)

Nenhuma relação com o tempo gasto usando VDUs.

Lindbohm
et ai. (1992)

Aborto espontâneo

Controle de caso

191

394 registros médicos

Medição de campo de registros de emprego

1.1 (0.7-1.6),
3.4 (1.4-8.6)

Comparando os trabalhadores com exposição a altas intensidades de campo magnético com aqueles com níveis indetectáveis, a proporção foi de 3.4 (95% CI 1.4-8.6)

OU = Razão de chances. IC = Intervalo de confiança. RR = Risco relativo. NR = Valor não informado. NS = Não estatisticamente significativo.

Discussão 

Avaliações de grupos relatados de resultados adversos da gravidez e uso de VDU concluíram que havia uma alta probabilidade de que esses grupos ocorressem por acaso (Bergqvist 1986). Além disso, os resultados dos poucos estudos epidemiológicos que avaliaram a relação entre o uso de VDU e resultados adversos da gravidez não mostraram, em geral, um risco aumentado estatisticamente significativo.

Nesta revisão, de dez estudos de aborto espontâneo, apenas dois encontraram um aumento estatisticamente significativo do risco de exposição a VDU (Goldhaber, Polen e Hiatt 1988; Lindbohm et al. 1992). Nenhum dos oito estudos sobre malformações congênitas mostrou um risco excessivo associado à exposição a VDU. Dos oito estudos que analisaram outros resultados adversos da gravidez, um encontrou uma associação estatisticamente significativa entre o tempo de espera até a gravidez e o uso de VDU (Brandt e Nielsen 1992).

Embora não haja grandes diferenças entre os três estudos com resultados positivos e aqueles com resultados negativos, melhorias na avaliação da exposição podem ter aumentado as chances de encontrar um risco significativo. Embora não exclusivos dos estudos positivos, esses três estudos tentaram dividir os trabalhadores em diferentes níveis de exposição. Se houver um fator inerente ao uso de VDU que predispõe uma mulher a resultados adversos da gravidez, a dose recebida pelo trabalhador pode influenciar o resultado. Além disso, os resultados dos estudos de Lindbohm et al. (1992) e Schnorr et al. (1991) sugerem que apenas uma pequena proporção dos VDUs pode ser responsável por aumentar o risco de aborto espontâneo entre as usuárias. Se for esse o caso, a falha na identificação desses VDUs introduzirá um viés que pode levar à subestimação do risco de aborto espontâneo entre as usuárias de VDU.

Outros fatores associados ao trabalho em VDUs, como estresse e restrições ergonômicas, foram sugeridos como possíveis fatores de risco para resultados adversos da gravidez (McDonald et al. 1988; Brandt e Nielsen 1992). A falha de muitos estudos em controlar esses possíveis fatores de confusão pode levar a resultados não confiáveis.

Embora possa ser biologicamente plausível que a exposição a níveis elevados de campos magnéticos de frequência extremamente baixa através de alguns VDUs traga um risco aumentado de resultados adversos da gravidez (Bergqvist 1986), apenas dois estudos tentaram medi-los (Schnorr et al. 1991; Lindbohm et al. 1992). Campos magnéticos de frequência extremamente baixa estão presentes em qualquer ambiente onde a eletricidade é usada. A contribuição desses campos para resultados adversos da gravidez só poderia ser detectada se houvesse uma variação, no tempo ou no espaço, desses campos. Embora os VDUs contribuam para os níveis gerais de campos magnéticos no local de trabalho, acredita-se que apenas uma pequena porcentagem dos VDUs tenha uma forte influência nos campos magnéticos medidos no ambiente de trabalho (Lindbohm et al. 1992). Acredita-se que apenas uma fração das mulheres que trabalham com VDUs esteja exposta a níveis de radiação magnética acima do que é normalmente encontrado no ambiente de trabalho (Lindbohm et al. 1992). A falta de precisão na avaliação da exposição encontrada na contagem de todas as usuárias de VDUs como “expostas” enfraquece a capacidade de um estudo de detectar a influência dos campos magnéticos dos VDUs nos resultados adversos da gravidez.

Em alguns estudos, as mulheres que não têm emprego remunerado representaram uma grande proporção dos grupos de comparação para mulheres expostas a VDUs. Nesta comparação, alguns processos seletivos podem ter afetado os resultados (Infante-Rivard et al. 1993); por exemplo, mulheres com doenças graves são selecionadas fora da força de trabalho, deixando mulheres mais saudáveis ​​com maior probabilidade de ter resultados reprodutivos favoráveis ​​na força de trabalho. Por outro lado, também é possível um “efeito trabalhadora grávida insalubre”, uma vez que as mulheres com filhos podem parar de trabalhar, enquanto as sem filhos e que vivenciam a perda da gravidez podem continuar trabalhando. Uma estratégia sugerida para estimar a magnitude desse viés é fazer análises separadas com e sem mulheres não remuneradas.

 

Voltar

Sexta-feira, Março 25 2011 04: 21

Distúrbios músculo-esqueléticos

Introdução

Os operadores de VDU geralmente relatam problemas musculoesqueléticos no pescoço, ombros e membros superiores. Esses problemas não são exclusivos dos operadores de VDU e também são relatados por outros trabalhadores que executam tarefas repetitivas ou que envolvem manter o corpo em uma postura fixa (carga estática). Tarefas que envolvem força também são comumente associadas a problemas musculoesqueléticos, mas essas tarefas geralmente não são uma consideração importante de saúde e segurança para operadores de VDU.

Entre os trabalhadores de escritório, cujos empregos são geralmente sedentários e não comumente associados ao estresse físico, a introdução de VDUs nos locais de trabalho fez com que os problemas musculoesqueléticos relacionados ao trabalho ganhassem reconhecimento e destaque. De fato, um aumento epidémico na notificação de problemas na Austrália em meados da década de 1980 e, em menor grau, nos Estados Unidos e no Reino Unido no início da década de 1990, levou a um debate sobre se os sintomas têm ou não um efeito base fisiológica e se estão ou não relacionadas com o trabalho.

Aqueles que contestam que os problemas músculo-esqueléticos associados ao trabalho com VDU (e outros) tenham uma base fisiológica geralmente apresentam uma das quatro visões alternativas: os trabalhadores estão fingindo; os trabalhadores são inconscientemente motivados por vários ganhos secundários possíveis, como indenizações trabalhistas ou benefícios psicológicos de estar doente, conhecido como neurose compensatória; os trabalhadores estão convertendo conflitos psicológicos não resolvidos ou distúrbios emocionais em sintomas físicos, isto é, distúrbios de conversão; e, finalmente, que a fadiga normal está sendo exagerada por um processo social que rotula essa fadiga como um problema, denominado iatrogenia social. O exame rigoroso das evidências para essas explicações alternativas mostra que elas não são tão bem fundamentadas quanto as explicações que postulam uma base fisiológica para esses distúrbios (Bammer e Martin, 1988). Apesar da crescente evidência de que existe uma base fisiológica para queixas musculoesqueléticas, a natureza exata das queixas não é bem compreendida (Quintner e Elvey 1990; Cohen et al. 1992; Fry 1992; Helme, LeVasseur e Gibson 1992).

Prevalência de sintomas

Um grande número de estudos documentou a prevalência de problemas musculoesqueléticos entre os operadores de VDU e estes foram conduzidos predominantemente em países ocidentais industrializados. Há também um interesse crescente por esses problemas nas nações em rápida industrialização da Ásia e da América Latina. Há uma variação considerável entre os países em como os distúrbios musculoesqueléticos são descritos e nos tipos de estudos realizados. A maioria dos estudos baseou-se em sintomas relatados por trabalhadores, e não em resultados de exames médicos. Os estudos podem ser convenientemente divididos em três grupos: aqueles que examinaram o que pode ser chamado de problemas compostos, aqueles que examinaram distúrbios específicos e aqueles que se concentraram em problemas em uma única área ou em um pequeno grupo de áreas.

Problemas compostos

Problemas compostos são uma mistura de problemas, que podem incluir dor, perda de força e distúrbios sensoriais, em várias partes da parte superior do corpo. Eles são tratados como uma entidade única, que na Austrália e no Reino Unido é referida como lesões por esforço repetitivo (LER), nos Estados Unidos como transtornos traumáticos cumulativos (DTC) e no Japão como transtorno cervicobraquial ocupacional (TOC). Uma revisão de 1990 (Bammer 1990) de problemas entre trabalhadores de escritório (75% dos estudos eram de trabalhadores de escritório que usavam VDUs) descobriu que 70 estudos examinaram problemas compostos e 25 descobriram que eles ocorreram em uma faixa de frequência entre 10 e 29 % dos trabalhadores estudados. Nos extremos, três estudos não encontraram problemas, enquanto três constataram que 80% dos trabalhadores sofrem de queixas musculoesqueléticas. Metade dos estudos também relatou problemas graves ou frequentes, com 19 encontrando uma prevalência entre 10 e 19%. Um estudo não encontrou problemas e outro encontrou problemas em 59%. As maiores prevalências foram encontradas na Austrália e no Japão.

Distúrbios específicos

Distúrbios específicos abrangem problemas relativamente bem definidos, como epicondilite e síndrome do túnel do carpo. Distúrbios específicos foram estudados com menos frequência e encontrados com menos frequência. De 43 estudos, 20 descobriram que ocorrem entre 0.2 e 4% dos trabalhadores. Cinco estudos não encontraram evidências de distúrbios específicos e um os encontrou entre 40 a 49% dos trabalhadores.

Partes específicas do corpo

Outros estudos se concentram em áreas específicas do corpo, como o pescoço ou os pulsos. Problemas no pescoço são os mais comuns e foram examinados em 72 estudos, com 15 constatando que ocorrem entre 40 e 49% dos trabalhadores. Três estudos descobriram que eles ocorrem entre 5 e 9% dos trabalhadores e um os encontrou em mais de 80% dos trabalhadores. Pouco menos da metade dos estudos examinou problemas graves e eles foram comumente encontrados em frequências que variaram entre 5% e 39%. Esses altos níveis de problemas no pescoço foram encontrados internacionalmente, incluindo Austrália, Finlândia, França, Alemanha, Japão, Noruega, Cingapura, Suécia, Suíça, Reino Unido e Estados Unidos. Em contraste, apenas 18 estudos examinaram problemas no punho, e sete descobriram que eles ocorrem entre 10% e 19% dos trabalhadores. Um descobriu que eles ocorrem entre 0.5 e 4% dos trabalhadores e um entre 40% e 49%.

destaque

É geralmente aceito que a introdução de VDUs é frequentemente associada ao aumento de movimentos repetitivos e aumento da carga estática por meio do aumento das taxas de digitação e (em comparação com a datilografia) redução de tarefas não digitadas, como troca de papel, espera pelo retorno do carro e uso de correção fita ou fluido. A necessidade de observar uma tela também pode levar ao aumento da carga estática, e o mau posicionamento da tela, teclado ou teclas de função pode levar a posturas que podem contribuir para problemas. Também há evidências de que a introdução de VDUs pode estar associada a reduções no número de funcionários e aumento da carga de trabalho. Também pode levar a mudanças nos aspectos psicossociais do trabalho, incluindo relações sociais e de poder, responsabilidades dos trabalhadores, perspectivas de carreira e carga de trabalho mental. Em alguns locais de trabalho, essas mudanças ocorreram em direções benéficas para os trabalhadores.

Em outros locais de trabalho, eles levaram a um controle reduzido do trabalhador sobre o trabalho, falta de apoio social no trabalho, “desqualificação”, falta de oportunidades de carreira, ambigüidade de papéis, estresse mental e monitoramento eletrônico (ver revisão de Bammer 1987b e também WHO 1989 para um relatório sobre uma reunião da Organização Mundial da Saúde). A associação entre algumas dessas alterações psicossociais e problemas musculoesqueléticos é descrita abaixo. Parece também que a introdução dos VDUs ajudou a estimular um movimento social na Austrália que levou ao reconhecimento e proeminência desses problemas (Bammer e Martin 1992).

As causas podem, portanto, ser examinadas nos níveis individual, local de trabalho e social. No nível individual, as possíveis causas desses distúrbios podem ser divididas em três categorias: fatores não relacionados ao trabalho, fatores biomecânicos e fatores de organização do trabalho (ver tabela 1). Várias abordagens têm sido usadas para estudar as causas, mas os resultados gerais são semelhantes aos obtidos em estudos de campo empíricos que usaram análises multivariadas (Bammer 1990). Os resultados desses estudos estão resumidos na tabela 1 e na tabela 2. Estudos mais recentes também corroboram essas descobertas gerais.

Tabela 1. Resumo de estudos de campo empíricos que usaram análises multivariadas para estudar as causas de problemas musculoesqueléticos entre trabalhadores de escritório

 

fatores


Referência


Nº/% de usuários de VDU


não trabalho


Biomecânico

organização do trabalho

Blignault (1985)

146 / 90%

ο

ο

Divisão de Epidemiologia da Comissão de Saúde da Austrália do Sul (1984)

456 / 81%

 

 

 

Ryan, Mullerworth e Pimble (1984)

52 / 100%

 

 

Ryan e
Bamptão (1988)

143

     

Ellinger et ai. (1982)

280

 

Pote, Padmos e
Bowers (1987)

222 / 100%

não estudou

Sauter et ai. (1983b)

251 / 74%

ο

 

Stellman et ai. (1987a)

1/032%

não estudou

 

ο = não fator ●= fator.

Fonte: Adaptado de Bammer 1990.

 

Tabela 2. Resumo dos estudos que mostram o envolvimento de fatores considerados causadores de problemas musculoesqueléticos entre trabalhadores de escritório

 

não trabalho

Biomecânico

organização do trabalho

País

Nº/% VDU
usuários

Idade

Biol
pré-disp.

neuroticismo

Articulação
ângulos

Fur.
Equipar.
Obg.

Fur.
Equipar.
Subj.

visual
trabalho

visual
eu

Anos
no trabalho

Pressão

Autonomia

Ponto
coesão

Variedade

Chave-
embarque

Australia

146 /
90%

Ø

 

Ø

 

Ø

     

Ø

Ο

Ø

Australia

456 /
81%

Ο

   

     

Ø

Ο

   

Ο

Australia

52 / 143 /
100%

   

     

Ο

Ο

 

 

Ο

Alemanha

280

Ο

Ο

   

Ø

 

Ο

Ο

   ●

Ο

Nederland

222 /
100%

     

 

Ø

Ø

 

Ο

 

(O)

Ο

Estados Unidos

251 /
74%

Ø

     

Ø

 

 

Ο

 

(O)

 

Estados Unidos

1,032 /
42%

       

Ø

   

Ο

 

 

Ο = associação positiva, estatisticamente significativa. ● = associação negativa, estatisticamente significativa. ❚ = associação estatisticamente significativa. Ø = sem associação estatisticamente significativa. (Ø) = sem variabilidade no fator neste estudo. ▲ = o mais novo e o mais velho tiveram mais sintomas.

A caixa vazia implica que o fator não foi incluído neste estudo.

1 Corresponde às referências na tabela 52.7.

Fonte: adaptado de Bammer 1990.

 

Fatores não relacionados ao trabalho

Há muito pouca evidência de que fatores não relacionados ao trabalho sejam causas importantes desses distúrbios, embora haja alguma evidência de que pessoas com lesão anterior na área relevante ou com problemas em outra parte do corpo possam ter maior probabilidade de desenvolver problemas. Não há evidências claras para o envolvimento da idade e o único estudo que examinou o neuroticismo descobriu que não estava relacionado.

Fatores biomecânicos

Existem algumas evidências de que trabalhar com certas articulações do corpo em ângulos extremos está associado a problemas músculo-esqueléticos. Os efeitos de outros fatores biomecânicos são menos claros, com alguns estudos considerando-os importantes e outros não. Esses fatores são: avaliação da adequação dos móveis e/ou equipamentos pelos investigadores; avaliação da adequação dos móveis e/ou equipamentos pelos trabalhadores; fatores visuais no local de trabalho, como ofuscamento; fatores visuais pessoais, como o uso de óculos; e anos de trabalho ou de escritório (tabela 2).

Fatores organizacionais

Vários fatores relacionados à organização do trabalho estão claramente associados a problemas musculoesqueléticos e são discutidos mais detalhadamente em outra parte deste capítulo. Os fatores incluem: alta pressão de trabalho, baixa autonomia (ou seja, baixos níveis de controle sobre o trabalho), baixa coesão entre colegas (ou seja, baixos níveis de apoio de outros trabalhadores), o que pode significar que outros trabalhadores não podem ou não ajudam em momentos de pressão e baixa variedade de tarefas.

O único fator estudado para o qual os resultados foram mistos foram as horas de uso do teclado (tabela 2). Globalmente pode-se constatar que as causas dos problemas músculo-esqueléticos a nível individual são multifatoriais. Fatores relacionados ao trabalho, particularmente a organização do trabalho, mas também fatores biomecânicos, têm um papel claro. Os fatores específicos de importância podem variar de local de trabalho para local de trabalho e de pessoa para pessoa, dependendo das circunstâncias individuais. Por exemplo, a introdução em larga escala de descansos de pulso em um local de trabalho quando alta pressão e baixa variedade de tarefas são marcas registradas provavelmente não será uma estratégia bem-sucedida. Alternativamente, um trabalhador com delineamento satisfatório e variedade de tarefas ainda pode desenvolver problemas se a tela do VDU ​​for colocada em um ângulo estranho.

A experiência australiana, onde houve um declínio na prevalência de relatos de problemas musculoesqueléticos no final da década de 1980, é instrutiva ao indicar como as causas desses problemas podem ser tratadas. Embora isso não tenha sido documentado ou pesquisado em detalhes, é provável que vários fatores tenham sido associados ao declínio da prevalência. Uma delas é a introdução generalizada nos locais de trabalho de móveis e equipamentos projetados “ergonomicamente”. Também houve práticas de trabalho aprimoradas, incluindo polivalência e reestruturação para reduzir a pressão e aumentar a autonomia e a variedade. Isso geralmente ocorreu em conjunto com a implementação de oportunidades iguais de emprego e estratégias de democracia industrial. Houve também ampla implementação de estratégias de prevenção e intervenção precoce. Menos positivamente, alguns locais de trabalho parecem ter aumentado sua dependência de trabalhadores contratados casuais para trabalhos repetitivos de teclado. Isso significa que eventuais problemas não estariam vinculados ao empregador, mas seriam de responsabilidade exclusiva do trabalhador.

Além disso, a intensidade da polêmica em torno desses problemas levou à sua estigmatização, de modo que muitos trabalhadores se tornaram mais relutantes em denunciar e reivindicar indenização quando desenvolvem sintomas. Isso foi ainda mais agravado quando os trabalhadores perderam processos movidos contra os empregadores em processos judiciais bem divulgados. Uma diminuição no financiamento da pesquisa, a cessação da publicação de estatísticas de incidência e prevalência e de trabalhos de pesquisa sobre esses distúrbios, bem como a atenção da mídia muito reduzida para o problema, tudo ajudou a moldar a percepção de que o problema havia desaparecido.

Conclusão

Problemas musculoesqueléticos relacionados ao trabalho são um problema significativo em todo o mundo. Representam custos enormes a nível individual e social. Não há critérios aceitos internacionalmente para esses distúrbios e há necessidade de um sistema internacional de classificação. Deve haver uma ênfase na prevenção e intervenção precoce e isso precisa ser multifatorial. A ergonomia deve ser ensinada em todos os níveis, desde o ensino fundamental até a universidade e é preciso haver diretrizes e leis baseadas em requisitos mínimos. A implementação requer comprometimento dos empregadores e participação ativa dos empregados (Hagberg et al. 1993).

Apesar dos muitos casos registrados de pessoas com problemas graves e crônicos, há poucas evidências disponíveis de tratamentos bem-sucedidos. Também há poucas evidências de como a reabilitação de trabalhadores com esses distúrbios pode ser realizada com mais sucesso. Isso evidencia que estratégias de prevenção e intervenção precoce são fundamentais para o controle dos problemas osteomusculares relacionados ao trabalho.

 

Voltar

Sexta-feira, Março 25 2011 04: 37

Problemas de pele

Os primeiros relatos de queixas de pele entre pessoas que trabalham com ou perto de VDUs vieram da Noruega já em 1981. Alguns casos também foram relatados no Reino Unido, Estados Unidos e Japão. A Suécia, no entanto, forneceu muitos relatos de casos e a discussão pública sobre os efeitos da exposição aos VDUs na saúde foi intensificada quando um caso de doença de pele em um trabalhador VDU foi aceito como doença ocupacional pelo Conselho Nacional de Seguros da Suécia no final de 1985. A aceitação deste caso para compensação coincidiu com um aumento acentuado no número de casos de doenças de pele que eram suspeitas de estarem relacionadas ao trabalho com VDUs. No Departamento de Dermatologia Ocupacional do Hospital Karolinska, Estocolmo, o número de casos aumentou de sete casos encaminhados entre 1979 e 1985, para 100 novos encaminhamentos de novembro de 1985 a maio de 1986.

Apesar do número relativamente grande de pessoas que procuraram tratamento médico para o que acreditavam ser problemas de pele relacionados aos VDUs, nenhuma evidência conclusiva está disponível que mostre que os próprios VDUs levam ao desenvolvimento de doenças de pele ocupacionais. A ocorrência de doenças de pele em pessoas expostas ao VDU ​​parece ser coincidência ou possivelmente relacionada a outros fatores do local de trabalho. A evidência para esta conclusão é fortalecida pela observação de que o aumento da incidência de queixas de pele feitas por trabalhadores VDU suecos não foi observado em outros países, onde o debate na mídia de massa sobre o assunto não foi tão intenso. Além disso, dados científicos coletados de estudos de provocação, em que os pacientes foram propositalmente expostos a campos eletromagnéticos relacionados a VDU para determinar se um efeito na pele poderia ser induzido, não produziram dados significativos demonstrando um possível mecanismo para o desenvolvimento de problemas de pele que poderiam estar relacionados aos campos ao redor de um VDU.


Estudos de caso: problemas de pele e VDUs

Suécia: 450 pacientes foram encaminhados e examinados para problemas de pele que atribuíram ao trabalho em VDUs. Foram encontradas apenas dermatoses faciais comuns e nenhum paciente apresentou dermatoses específicas que pudessem estar relacionadas ao trabalho com VDUs. Enquanto a maioria dos pacientes sentia que tinha sintomas pronunciados, suas lesões cutâneas visíveis eram, de fato, leves de acordo com as definições médicas padrão e a maioria dos pacientes relatou melhora sem terapia medicamentosa, embora continuassem a trabalhar com VDUs. Muitos dos pacientes sofriam de alergias de contato identificáveis, o que explicava seus sintomas cutâneos. Estudos epidemiológicos comparando os pacientes de trabalho com VDU a uma população de controle não exposta com um estado de pele semelhante não mostraram nenhuma relação entre o estado da pele e o trabalho de VDU. Finalmente, um estudo de provocação não produziu nenhuma relação entre os sintomas do paciente e os campos eletrostáticos ou magnéticos dos VDUs (Wahlberg e Lidén 1988; Berg 1988; Lidén 1990; Berg, Hedblad e Erhardt 1990; Swanbeck e Bleeker 1989). alguns estudos epidemiológicos iniciais não conclusivos (Murray et al. 1981; Frank 1983; Lidén e Wahlberg 1985), um estudo epidemiológico em grande escala (Berg, Lidén e Axelson 1990; Berg 1989) de 3,745 funcionários de escritório selecionados aleatoriamente, dos quais 809 pessoas foram examinadas clinicamente, mostrou que, embora os funcionários expostos ao VDU ​​relatassem significativamente mais problemas de pele do que uma população de controle não exposta de funcionários de escritório, após o exame, não foram encontrados sinais visíveis ou mais doenças de pele.

País de Gales (Reino Unido): Um estudo de questionário não encontrou nenhuma diferença entre relatos de problemas de pele em trabalhadores VDU e uma população de controle (Carmichael e Roberts 1992).

Cingapura: Uma população de controle de professores relatou significativamente mais queixas de pele do que os usuários de VDU (Koh et al. 1991).


É, no entanto, possível que o estresse relacionado ao trabalho seja um fator importante que possa explicar as queixas de pele associadas ao VDU. Por exemplo, estudos de acompanhamento no ambiente de escritório de um subgrupo de funcionários de escritório expostos a VDU sendo estudados para problemas de pele mostraram que significativamente mais pessoas no grupo com sintomas de pele experimentaram estresse ocupacional extremo do que pessoas sem sintomas de pele. Uma correlação entre os níveis dos hormônios sensíveis ao estresse testosterona, prolactina e tiroxina e sintomas de pele foram observados durante o trabalho, mas não durante os dias de folga. Assim, uma possível explicação para as sensações da pele facial associadas ao VDU ​​poderia ser os efeitos da tiroxina, que causa a dilatação dos vasos sanguíneos (Berg et al. 1992).

 

Voltar

Sexta-feira, Março 25 2011 04: 39

Aspectos psicossociais do trabalho VDU

Introdução

Os computadores fornecem eficiência, vantagens competitivas e a capacidade de realizar processos de trabalho que não seriam possíveis sem o seu uso. Áreas como controle de processo de fabricação, gerenciamento de estoque, gerenciamento de registros, controle de sistemas complexos e automação de escritório se beneficiaram da automação. A informatização requer suporte substancial de infraestrutura para funcionar adequadamente. Além das mudanças arquitetônicas e elétricas necessárias para acomodar as próprias máquinas, a introdução da informatização requer mudanças no conhecimento e nas habilidades dos funcionários e na aplicação de novos métodos de gerenciamento do trabalho. As demandas impostas aos empregos que usam computadores podem ser muito diferentes das dos empregos tradicionais. Freqüentemente, os trabalhos computadorizados são mais sedentários e podem exigir mais raciocínio e atenção mental às tarefas, ao mesmo tempo em que exigem menos gasto de energia física. As demandas de produção podem ser altas, com pressão de trabalho constante e pouco espaço para tomada de decisões.

As vantagens econômicas dos computadores no trabalho ofuscaram os problemas potenciais de saúde, segurança e sociais associados aos trabalhadores, como perda de emprego, transtornos traumáticos cumulativos e aumento do estresse mental. A transição de formas de trabalho mais tradicionais para a informatização tem sido difícil em muitos locais de trabalho e resultou em problemas psicossociais e sociotécnicos significativos para a força de trabalho.

Problemas Psicossociais Específicos para VDUs

Estudos de pesquisa (por exemplo, Bradley 1983 e 1989; Bikson 1987; Westlander 1989; Westlander e Aberg 1992; Johansson e Aronsson 1984; Stellman et al. 1987b; Smith et al. 1981 e 1992a) documentaram como a introdução de computadores no O local de trabalho trouxe mudanças substanciais no processo de trabalho, nas relações sociais, no estilo de gestão e na natureza e conteúdo das tarefas de trabalho. Na década de 1980, a implementação da transição tecnológica para a informatização era, na maioria das vezes, um processo “de cima para baixo”, no qual os funcionários não participavam das decisões relativas à nova tecnologia ou às novas estruturas de trabalho. Como resultado, surgiram muitas relações laborais, problemas de saúde física e mental.

Os especialistas discordam sobre o sucesso das mudanças que estão ocorrendo nos escritórios, com alguns argumentando que a tecnologia de computador melhora a qualidade do trabalho e aumenta a produtividade (Strassmann 1985), enquanto outros comparam os computadores a formas anteriores de tecnologia, como a produção em linha de montagem que também pioram as condições de trabalho e aumentam o estresse no trabalho (Moshowitz 1986; Zuboff 1988). Acreditamos que a tecnologia da unidade de exibição visual (VDU) afeta o trabalho de várias maneiras, mas a tecnologia é apenas um elemento de um sistema de trabalho maior que inclui o indivíduo, as tarefas, o ambiente e os fatores organizacionais.

Conceitualizando o Projeto de Trabalho Computadorizado

Muitas condições de trabalho influenciam conjuntamente o usuário do VDU. Os autores propuseram um modelo de design de trabalho abrangente que ilustra as várias facetas das condições de trabalho que podem interagir e se acumular para produzir estresse (Smith e Carayon-Sainfort 1989). A Figura 1 ilustra esse modelo conceitual para os vários elementos de um sistema de trabalho que podem exercer cargas sobre os trabalhadores e resultar em estresse. No centro desse modelo está o indivíduo com suas características físicas, percepções, personalidade e comportamento únicos. O indivíduo usa tecnologias para realizar tarefas de trabalho específicas. A natureza das tecnologias, em grande parte, determina o desempenho e as habilidades e conhecimentos necessários ao trabalhador para usar a tecnologia de forma eficaz. Os requisitos da tarefa também afetam a habilidade necessária e os níveis de conhecimento necessários. Tanto as tarefas quanto as tecnologias afetam o conteúdo do trabalho e as demandas mentais e físicas. O modelo também mostra que as tarefas e tecnologias são inseridas no contexto de um ambiente de trabalho que compreende o ambiente físico e social. O próprio ambiente geral pode afetar o conforto, o humor psicológico e as atitudes. Finalmente, a estrutura organizacional do trabalho define a natureza e o nível de envolvimento individual, as interações dos trabalhadores e os níveis de controle. A supervisão e os padrões de desempenho são todos afetados pela natureza da organização.

Figura 1. Modelo das condições de trabalho e seu impacto no indivíduo

VDU080F1

Este modelo ajuda a explicar as relações entre os requisitos do trabalho, as cargas psicológicas e físicas e as tensões de saúde resultantes. Representa um conceito de sistema no qual qualquer elemento pode influenciar qualquer outro elemento e no qual todos os elementos interagem para determinar a maneira como o trabalho é realizado e a eficácia do trabalho em atingir as necessidades e metas individuais e organizacionais. A aplicação do modelo ao local de trabalho VDU ​​é descrita abaixo.

 

 

Meio Ambiente

Fatores ambientais físicos têm sido implicados como estressores do trabalho no escritório e em outros lugares. A qualidade geral do ar e as tarefas domésticas contribuem, por exemplo, para a síndrome do edifício doente e outras respostas ao estresse (Stellman et al. 1985; Hedge, Erickson e Rubin 1992). , e humor psicológico negativo (Cohen e Weinstein 1981). Condições ambientais que produzem perturbações sensoriais e tornam mais difícil a realização de tarefas aumentam o nível de estresse do trabalhador e irritação emocional são outros exemplos (Smith et al. 1981; Sauter et al. 1983b).

Tarefa 

Com a introdução da informática, expectativas em relação ao aumento de desempenho. A pressão adicional sobre os trabalhadores é criada porque se espera que eles tenham um desempenho de alto nível o tempo todo. Carga de trabalho excessiva e pressão de trabalho são estressores significativos para usuários de computador (Smith et al. 1981; Piotrkowski, Cohen e Coray 1992; Sainfort 1990). Novos tipos de demandas de trabalho estão surgindo com o uso crescente de computadores. Por exemplo, é provável que as demandas cognitivas sejam fontes de maior estresse para usuários de VDU (Frese 1987). Todas essas são facetas das demandas de trabalho.


Monitoramento Eletrônico do Desempenho do Funcionário

O uso de métodos eletrônicos para monitorar o desempenho do trabalho dos funcionários aumentou substancialmente com o uso generalizado de computadores pessoais que tornam esse monitoramento rápido e fácil. O monitoramento fornece informações que podem ser utilizadas pelos empregadores para uma melhor gestão dos recursos tecnológicos e humanos. Com o monitoramento eletrônico é possível identificar gargalos, atrasos na produção e desempenho abaixo da média (ou abaixo do padrão) dos funcionários em tempo real. Novas tecnologias de comunicação eletrônica têm a capacidade de rastrear o desempenho de elementos individuais de um sistema de comunicação e de identificar entradas de trabalhadores individuais. Tais elementos de trabalho como entrada de dados em terminais de computador, conversas telefônicas e mensagens de correio eletrônico podem ser examinados por meio do uso de vigilância eletrônica.

O monitoramento eletrônico aumenta o controle de gerenciamento sobre a força de trabalho e pode levar a abordagens de gerenciamento organizacional que são estressantes. Isso levanta questões importantes sobre a precisão do sistema de monitoramento e quão bem ele representa as contribuições do trabalhador para o sucesso do empregador, a invasão da privacidade do trabalhador, o controle do trabalhador versus a tecnologia sobre as tarefas do trabalho e as implicações dos estilos de gerenciamento que usam informações monitoradas para direcionar o trabalhador comportamento no trabalho (Smith e Amick 1989; Amick e Smith 1992; Carayon 1993b). O monitoramento pode levar ao aumento da produção, mas também pode produzir estresse no trabalho, faltas ao trabalho, rotatividade na força de trabalho e sabotagem. Quando o monitoramento eletrônico é combinado com sistemas de incentivo para aumentar a produção, o estresse relacionado ao trabalho também pode aumentar (OTA 1987; Smith et al. 1992a). Além disso, esse monitoramento de desempenho eletrônico levanta questões de privacidade do trabalhador (ILO 1991) e vários países proibiram o uso de monitoramento de desempenho individual.

Um requisito básico do monitoramento eletrônico é que as tarefas de trabalho sejam divididas em atividades que possam ser facilmente quantificadas e medidas, o que geralmente resulta em uma abordagem de design de trabalho que reduz o conteúdo das tarefas removendo a complexidade e o pensamento, que são substituídos por ações repetitivas . A filosofia subjacente é semelhante a um princípio básico de “Administração Científica” (Taylor 1911) que exige a “simplificação” do trabalho.

Em uma empresa, por exemplo, um recurso de monitoramento telefônico foi incluído em um novo sistema telefônico para operadoras de atendimento ao cliente. O sistema de monitoramento distribuía as chamadas telefônicas recebidas dos clientes, cronometrava as chamadas e permitia que o supervisor escutasse as conversas telefônicas dos funcionários. Este sistema foi instituído sob o disfarce de uma ferramenta de agendamento de fluxo de trabalho para determinar os períodos de pico de chamadas telefônicas para determinar quando seriam necessários operadores extras. Em vez de usar o sistema de monitoramento apenas para esse fim, a administração também usou os dados para estabelecer padrões de desempenho de trabalho (segundos por transação) e aplicar ações disciplinares contra funcionários com “desempenho abaixo da média”. Esse sistema de monitoramento eletrônico introduziu uma pressão para um desempenho acima da média por causa do medo de repreensão. A pesquisa mostrou que essa pressão de trabalho não conduz a um bom desempenho, mas pode trazer consequências adversas à saúde (Cooper e Marshall 1976; Smith 1987). Na verdade, descobriu-se que o sistema de monitoramento descrito aumentou o estresse dos funcionários e diminuiu a qualidade da produção (Smith et al. 1992a).

O monitoramento eletrônico pode influenciar a autoimagem e o sentimento de autoestima do trabalhador. Em alguns casos, o monitoramento pode aumentar os sentimentos de auto-estima se o trabalhador receber um feedback positivo. O fato de a administração ter se interessado pelo trabalhador como um recurso valioso é outro possível resultado positivo. No entanto, ambos os efeitos podem ser percebidos de forma diferente pelos trabalhadores, principalmente se o mau desempenho levar a punição ou repreensão. O medo da avaliação negativa pode produzir ansiedade e prejudicar a autoestima e a autoimagem. De fato, o monitoramento eletrônico pode criar condições de trabalho adversas conhecidas, como ritmo de trabalho, falta de envolvimento do trabalhador, redução da variedade e clareza das tarefas, redução do apoio social entre pares, redução do apoio da supervisão, medo de perder o emprego ou atividades rotineiras de trabalho e falta de controle sobre tarefas (Amick e Smith 1992; Carayon 1993).

Michael J. Smith


Aspectos positivos também existem, pois os computadores são capazes de realizar muitas das tarefas simples e repetitivas que antes eram feitas manualmente, o que pode reduzir a repetitividade do trabalho, aumentar o conteúdo do trabalho e torná-lo mais significativo. Isso não é universalmente verdadeiro, no entanto, uma vez que muitos novos trabalhos de computador, como entrada de dados, ainda são repetitivos e chatos. Os computadores também podem fornecer feedback de desempenho que não está disponível com outras tecnologias (Kalimo e Leppanen 1985), que podem reduzir a ambiguidade.

Alguns aspectos do trabalho computadorizado têm sido associados a controle diminuído, que foi identificado como uma importante fonte de estresse para usuários de computador de escritório. A incerteza quanto à duração dos problemas relacionados ao computador, como quebra e lentidão, pode ser uma fonte de estresse (Johansson e Aronsson 1984; Carayon-Sainfort 1992). Problemas relacionados a computadores podem ser particularmente estressantes se os funcionários, como balconistas de reservas aéreas, forem altamente dependentes da tecnologia para realizar seu trabalho.

Tecnologia

A tecnologia utilizada pelo trabalhador muitas vezes define sua capacidade de realizar tarefas e a extensão da carga fisiológica e psicológica. Se a tecnologia produzir muito ou pouco trabalho, pode ocorrer aumento do estresse e resultados adversos à saúde física (Smith et al. 1981; Johansson e Aronsson 1984; Ostberg e Nilsson 1985). A tecnologia está mudando em um ritmo rápido, forçando os trabalhadores a ajustar suas habilidades e conhecimentos continuamente para acompanhar. Além disso, as habilidades de hoje podem rapidamente se tornar obsoletas. A obsolescência tecnológica pode ser devida à desqualificação do trabalho e conteúdo de trabalho empobrecido ou a habilidades e treinamento inadequados. Os trabalhadores que não têm tempo ou recursos para acompanhar a tecnologia podem se sentir ameaçados por ela e podem se preocupar em perder o emprego. Assim, o medo dos trabalhadores de ter habilidades inadequadas para usar a nova tecnologia é uma das principais influências adversas da tecnologia, que o treinamento, é claro, pode ajudar a compensar. Outro efeito da introdução da tecnologia é o medo da perda de empregos devido ao aumento da eficiência da tecnologia (Ostberg e Nilsson 1985; Smith, Carayon e Miezio 1987).

Sessões intensivas, repetitivas e longas no VDU ​​também podem contribuir para aumentar o estresse e a tensão ergonômica (Stammerjohn, Smith e Cohen 1981; Sauter et al. 1983b; Smith et al. 1992b) e podem criar desconforto e distúrbios musculoesqueléticos ou visuais, conforme descrito em outra parte do capítulo.

Fatores organizacionais

O contexto organizacional do trabalho pode influenciar o estresse e a saúde do trabalhador. Quando a tecnologia exige novas habilidades, a forma como os trabalhadores são apresentados à nova tecnologia e o suporte organizacional que recebem, como treinamento adequado e tempo para aclimatação, tem sido relacionado aos níveis de estresse e distúrbios emocionais vivenciados (Smith, Carayon e Miezio 1987). A oportunidade de crescimento e promoção em um emprego (desenvolvimento de carreira) também está relacionada ao estresse (Smith et al. 1981). A incerteza do emprego futuro é uma importante fonte de estresse para os usuários de computador (Sauter et al. 1983b; Carayon 1993a) e a possibilidade de perda de emprego também cria estresse (Smith et al. 1981; Kasl 1978).

A programação de trabalho, como trabalho por turnos e horas extras, demonstrou ter consequências negativas para a saúde mental e física (Monk e Tepas 1985; Breslow e Buell 1960). O trabalho em turnos é cada vez mais utilizado por empresas que desejam ou precisam manter os computadores funcionando continuamente. Muitas vezes, são necessárias horas extras para garantir que os trabalhadores acompanhem a carga de trabalho, especialmente quando o trabalho permanece incompleto como resultado de atrasos devido a quebra ou mau funcionamento do computador.

Os computadores fornecem à gerência a capacidade de monitorar continuamente o desempenho dos funcionários eletronicamente, o que tem o potencial de criar condições estressantes de trabalho, como aumento da pressão de trabalho (consulte o quadro “Monitoramento eletrônico”). Relações negativas entre supervisor e funcionário e sentimentos de falta de controle podem aumentar em locais de trabalho supervisionados eletronicamente.

A introdução da tecnologia VDU afetou as relações sociais no trabalho. O isolamento social foi identificado como uma importante fonte de estresse para usuários de computador (Lindström 1991; Yang e Carayon 1993), uma vez que o aumento do tempo gasto trabalhando em computadores reduz o tempo que os trabalhadores têm para socializar e receber ou dar suporte social. A necessidade de supervisores e colegas de trabalho de apoio foi bem documentada (House 1981). O apoio social pode moderar o impacto de outros estressores no estresse do trabalhador. Assim, o apoio de colegas, supervisor ou equipe de informática torna-se importante para o trabalhador que está enfrentando problemas relacionados ao computador, mas o ambiente de trabalho do computador pode, ironicamente, reduzir o nível desse apoio social disponível.

O indivíduo

Vários fatores pessoais, como personalidade, estado de saúde física, habilidades e habilidades, condicionamento físico, experiências anteriores e aprendizado, motivos, objetivos e necessidades, determinam os efeitos físicos e psicológicos que acabamos de descrever (Levi 1972).

Melhorando as características psicossociais do trabalho VDU

O primeiro passo para tornar o trabalho de VDU menos estressante é identificar as características da organização do trabalho e do design do trabalho que podem promover problemas psicossociais para que possam ser modificados, lembrando sempre que os problemas de VDU que podem levar ao estresse no trabalho raramente são o resultado de aspectos isolados da organização ou do projeto de trabalho, mas sim, são uma combinação de muitos aspectos do projeto de trabalho impróprio. Assim, as soluções para reduzir ou eliminar o estresse no trabalho devem ser abrangentes e lidar simultaneamente com muitos fatores impróprios de projeto de trabalho. As soluções que se concentram em apenas um ou dois fatores não serão bem-sucedidas. (Veja a figura 2.)

Figura 2. Chaves para reduzir o isolamento e o estresse

VDU080F2

Melhorias na concepção do trabalho devem começar com a organização do trabalho, proporcionando um ambiente de apoio para os funcionários. Esse ambiente aumenta a motivação dos funcionários para o trabalho e os sentimentos de segurança, além de reduzir os sentimentos de estresse (House, 1981). Uma declaração de política que defina a importância dos funcionários dentro de uma organização e seja explícita sobre como a organização fornecerá um ambiente de apoio é um bom primeiro passo. Um meio muito eficaz de fornecer suporte aos funcionários é fornecer aos supervisores e gerentes treinamento específico em métodos de suporte. Supervisores de apoio podem servir como amortecedores que “protegem” os funcionários de estresses organizacionais ou tecnológicos desnecessários.

 

O conteúdo das tarefas de trabalho tem sido reconhecido como importante para a motivação e produtividade dos funcionários (Herzberg 1974; Hackman e Oldham 1976). Mais recentemente, a relação entre o conteúdo do trabalho e as reações de estresse no trabalho foi elucidada (Cooper e Marshall 1976; Smith 1987). Três aspectos principais do conteúdo do trabalho que são de relevância específica para o trabalho VDU ​​são complexidade da tarefa, habilidades do funcionário e oportunidades de carreira. Em alguns aspectos, tudo isso está relacionado ao conceito de desenvolvimento do clima motivacional para a satisfação no trabalho e crescimento psicológico do funcionário, que lida com a melhoria das capacidades e habilidades intelectuais dos funcionários, aumento do ego ou autoimagem e aumento do reconhecimento do grupo social de realização individual.

O principal meio para melhorar o conteúdo do trabalho é aumentar o nível de habilidade para realizar as tarefas do trabalho, o que normalmente significa ampliar o escopo das tarefas do trabalho, bem como enriquecer os elementos de cada tarefa específica (Herzberg 1974). Ampliar o número de tarefas aumenta o repertório de habilidades necessárias para o desempenho bem-sucedido das tarefas e também aumenta o número de decisões tomadas pelos funcionários durante a definição de sequências e atividades de tarefas. Um aumento no nível de habilidade do conteúdo do trabalho promove a autoimagem do funcionário de valor pessoal e de valor para a organização. Também melhora a imagem positiva do indivíduo em seu grupo de trabalho social dentro da organização.

Aumentar a complexidade das tarefas, o que significa aumentar a quantidade de pensamento e tomada de decisão envolvida, é um próximo passo lógico que pode ser alcançado combinando tarefas simples em conjuntos de atividades relacionadas que devem ser coordenadas, ou adicionando tarefas mentais que requerem conhecimentos adicionais e habilidades computacionais. Especificamente, quando a tecnologia computadorizada é introduzida, as novas tarefas em geral terão requisitos que excedem o conhecimento e as habilidades atuais dos funcionários que devem executá-las. Assim, há a necessidade de treinar os funcionários nos novos aspectos das tarefas para que eles tenham as habilidades necessárias para executar as tarefas adequadamente. Esse treinamento tem mais de um benefício, pois pode não apenas melhorar o conhecimento e as habilidades do funcionário e, assim, melhorar o desempenho, mas também aumentar a auto-estima e a confiança do funcionário. Fornecer treinamento também mostra ao funcionário que o empregador está disposto a investir no aprimoramento de suas habilidades e, assim, promove a confiança na estabilidade do emprego e no futuro do emprego.

A quantidade de controle que um funcionário tem sobre o trabalho tem uma poderosa influência psicossocial (Karasek et al. 1981; Sauter, Cooper e Hurrell 1989). Aspectos importantes do controle podem ser definidos pelas respostas às perguntas “O que, como e quando?” A natureza das tarefas a serem executadas, a necessidade de coordenação entre os funcionários, os métodos a serem usados ​​para realizar as tarefas e o cronograma das tarefas podem ser definidos pelas respostas a essas perguntas. O controle pode ser projetado em cargos nos níveis da tarefa, da unidade de trabalho e da organização (Sainfort 1991; Gardell 1971). No nível da tarefa, o funcionário pode ter autonomia nos métodos e procedimentos usados ​​para concluir a tarefa.

No nível da unidade de trabalho, grupos de funcionários podem autogerenciar várias tarefas inter-relacionadas e o próprio grupo pode decidir quem executará tarefas específicas, o agendamento de tarefas, a coordenação de tarefas e os padrões de produção para atender aos objetivos organizacionais. No nível da organização, os funcionários podem participar de atividades estruturadas que fornecem informações à administração sobre as opiniões dos funcionários ou sugestões de melhoria de qualidade. Quando os níveis de controle disponíveis são limitados, é melhor introduzir autonomia no nível da tarefa e depois trabalhar a estrutura organizacional, na medida do possível (Gardell 1971).

Um resultado natural da automação por computador parece ser o aumento da carga de trabalho, pois o objetivo da automação é aumentar a quantidade e a qualidade da produção de trabalho. Muitas organizações acreditam que tal aumento é necessário para pagar o investimento na automação. No entanto, estabelecer a carga de trabalho apropriada é problemático. Métodos científicos foram desenvolvidos por engenheiros industriais para determinar métodos de trabalho e cargas de trabalho apropriados (os requisitos de desempenho dos trabalhos). Esses métodos têm sido usados ​​com sucesso nas indústrias de manufatura há décadas, mas têm pouca aplicação em ambientes de escritório, mesmo após a informatização do escritório. O uso de meios científicos, como os descritos por Kanawaty (1979) e Salvendy (1992), para estabelecer cargas de trabalho para operadores de VDU, deve ser uma alta prioridade para todas as organizações, uma vez que tais métodos estabelecem padrões razoáveis ​​de produção ou requisitos de saída de trabalho, ajudam para proteger os funcionários de cargas de trabalho excessivas, bem como ajudar a garantir a qualidade dos produtos.

A demanda associada aos altos níveis de concentração exigidos para tarefas informatizadas pode diminuir a quantidade de interação social durante o trabalho, levando ao isolamento social dos funcionários. Para combater esse efeito, devem ser oferecidas oportunidades de socialização para os funcionários que não estão envolvidos em tarefas computadorizadas e para os funcionários que estão em intervalos de descanso. Tarefas não informatizadas que não requerem grande concentração podem ser organizadas de forma que os funcionários possam trabalhar próximos uns dos outros e, assim, ter a oportunidade de conversar entre si. Essa socialização fornece suporte social, que é conhecido por ser um fator modificador essencial na redução dos efeitos adversos à saúde mental e distúrbios físicos, como doenças cardiovasculares (House, 1981). A socialização naturalmente também reduz o isolamento social e, assim, promove a melhoria da saúde mental.

Uma vez que más condições ergonômicas também podem levar a problemas psicossociais para usuários de VDU, condições ergonômicas adequadas são um elemento essencial de um projeto de trabalho completo. Isso é abordado com algum detalhe em outros artigos deste capítulo e em outras partes do enciclopédia.

Encontrando equilíbrio

Como não existem empregos “perfeitos” ou locais de trabalho “perfeitos” livres de todos os estressores psicossociais e ergonômicos, muitas vezes devemos fazer concessões ao fazer melhorias no local de trabalho. Redesenhar processos geralmente envolve “trade-offs” entre excelentes condições de trabalho e a necessidade de ter uma produtividade aceitável. Isso exige que pensemos em como alcançar o melhor “equilíbrio” entre benefícios positivos para a saúde e a produtividade dos funcionários. Infelizmente, como muitos fatores podem produzir condições psicossociais adversas que levam ao estresse e como esses fatores estão inter-relacionados, modificações em um fator podem não ser benéficas se não forem feitas mudanças concomitantes em outros fatores relacionados. Em geral, dois aspectos do equilíbrio devem ser abordados: o equilíbrio do sistema total e o equilíbrio compensatório.

O equilíbrio do sistema é baseado na ideia de que um local de trabalho, processo ou trabalho é mais do que a soma dos componentes individuais do sistema. A interação entre os vários componentes produz resultados maiores (ou menores) que a soma das partes individuais e determina o potencial do sistema para produzir resultados positivos. Assim, as melhorias no trabalho devem levar em conta e acomodar todo o sistema de trabalho. Se uma organização se concentrar apenas no componente tecnológico do sistema, haverá um desequilíbrio porque os fatores pessoais e psicossociais terão sido negligenciados. O modelo dado na figura 1 do sistema de trabalho pode ser usado para identificar e compreender as relações entre as demandas do trabalho, os fatores de design do trabalho e o estresse que devem ser equilibrados.

Uma vez que raramente é possível eliminar todos os fatores psicossociais que causam estresse, seja por considerações financeiras ou porque é impossível mudar aspectos inerentes às tarefas do trabalho, são empregadas técnicas de equilíbrio compensatório. O equilíbrio compensatório busca reduzir o estresse psicológico, alterando os aspectos do trabalho que podem ser alterados em uma direção positiva para compensar os aspectos que não podem ser alterados. Cinco elementos do sistema de trabalho - cargas físicas, ciclos de trabalho, conteúdo do trabalho, controle e socialização - funcionam em conjunto para fornecer os recursos para atingir as metas individuais e organizacionais por meio do equilíbrio compensatório. Embora tenhamos descrito alguns dos potenciais atributos negativos desses elementos em termos de estresse no trabalho, cada um também tem aspectos positivos que podem neutralizar as influências negativas. Por exemplo, habilidades inadequadas para usar novas tecnologias podem ser compensadas pelo treinamento de funcionários. O baixo conteúdo do trabalho, que cria repetição e tédio, pode ser equilibrado por uma estrutura de supervisão organizacional que promova o envolvimento e o controle dos funcionários sobre as tarefas e a ampliação do trabalho que introduza variedade de tarefas. As condições sociais de trabalho do VDU ​​poderiam ser melhoradas balanceando as cargas potencialmente estressantes e considerando todos os elementos do trabalho e seu potencial para promover ou reduzir o estresse. A própria estrutura organizacional poderia ser adaptada para acomodar empregos enriquecidos a fim de fornecer suporte ao indivíduo. Aumentar os níveis de pessoal, aumentar os níveis de responsabilidades compartilhadas ou aumentar os recursos financeiros destinados ao bem-estar do trabalhador são outras soluções possíveis.

 

Voltar

Introdução

O desenvolvimento de interfaces efetivas para sistemas computacionais é o objetivo fundamental da pesquisa em interações humano-computador.

Uma interface pode ser definida como a soma dos componentes de hardware e software através dos quais um sistema é operado e os usuários informados sobre seu status. Os componentes de hardware incluem entrada de dados e dispositivos apontadores (por exemplo, teclados, mouses), dispositivos de apresentação de informações (por exemplo, telas, alto-falantes) e manuais e documentação do usuário. Os componentes de software incluem comandos de menu, ícones, janelas, feedback de informações, sistemas de navegação e mensagens e assim por diante. Os componentes de hardware e software de uma interface podem estar tão intimamente ligados que são inseparáveis ​​(por exemplo, teclas de função em teclados). A interface inclui tudo o que o usuário percebe, entende e manipula enquanto interage com o computador (Moran 1981). É, portanto, um determinante crucial da relação homem-máquina.

A pesquisa em interfaces visa melhorar a utilidade da interface, acessibilidade, desempenho e segurança e usabilidade. Para esses fins, a utilidade é definida com referência à tarefa a ser executada. Um sistema útil contém as funções necessárias para a conclusão das tarefas solicitadas aos usuários (por exemplo, escrever, desenhar, calcular, programar). Acessibilidade é a medida da capacidade de uma interface em permitir que diversas categorias de usuários – principalmente indivíduos com deficiência, e aqueles que trabalham em áreas geograficamente isoladas, em constante movimento ou com as duas mãos ocupadas – usem o sistema para realizar suas atividades. O desempenho, considerado aqui do ponto de vista humano e não técnico, é uma medida do grau em que um sistema melhora a eficiência com que os usuários executam seu trabalho. Isso inclui o efeito de macros, atalhos de menu e agentes de software inteligentes. A segurança de um sistema é definida pela medida em que uma interface permite que os usuários executem seu trabalho livre do risco de acidentes ou perdas humanas, de equipamentos, de dados ou ambientais. Finalmente, a usabilidade é definida como a facilidade com que um sistema é aprendido e usado. Por extensão, também inclui utilidade e desempenho do sistema, definidos acima.

Elementos de design de interface

Desde a invenção dos sistemas operacionais de tempo compartilhado em 1963, e especialmente desde a chegada do microcomputador em 1978, o desenvolvimento de interfaces humano-computador tem sido explosivo (ver Gaines e Shaw 1986 para uma história). O estímulo para esse desenvolvimento tem sido impulsionado essencialmente por três fatores atuando simultaneamente:

Em primeiro lugar, a evolução muito rápida da tecnologia de computadores, resultado dos avanços na engenharia elétrica, física e ciência da computação, tem sido um determinante importante do desenvolvimento da interface do usuário. Isso resultou no surgimento de computadores de potência e velocidade cada vez maiores, com alta capacidade de memória, telas gráficas de alta resolução e dispositivos apontadores mais naturais que permitem manipulação direta (por exemplo, mouses, trackballs). Essas tecnologias também foram responsáveis ​​pelo surgimento da microinformática. Eles foram a base para as interfaces baseadas em caracteres dos anos 1960 e 1970, interfaces gráficas do final dos anos 1970 e interfaces multi e hipermídia que surgiram desde meados dos anos 1980 com base em ambientes virtuais ou usando uma variedade de reconhecimento de entrada alternativa. tecnologias (por exemplo, detecção de voz, caligrafia e movimento). Pesquisas e desenvolvimentos consideráveis ​​foram conduzidos nos últimos anos nessas áreas (Waterworth e Chignel 1989; Rheingold 1991). Concomitante com esses avanços foi o desenvolvimento de ferramentas de software mais avançadas para design de interface (por exemplo, sistemas de janelas, bibliotecas de objetos gráficos, sistemas de prototipagem) que reduzem muito o tempo necessário para desenvolver interfaces.

Em segundo lugar, os usuários de sistemas de computador desempenham um papel importante no desenvolvimento de interfaces eficazes. Há três razões para isso. Primeiro, os usuários atuais não são engenheiros ou cientistas, ao contrário dos usuários dos primeiros computadores. Eles, portanto, exigem sistemas que podem ser facilmente aprendidos e usados. Em segundo lugar, a idade, sexo, idioma, cultura, treinamento, experiência, habilidade, motivação e interesse de usuários individuais são bastante variados. As interfaces devem, portanto, ser mais flexíveis e mais capazes de se adaptar a uma gama de necessidades e expectativas. Finalmente, os usuários são empregados em uma variedade de setores econômicos e executam um espectro bastante diversificado de tarefas. Os desenvolvedores de interface devem, portanto, reavaliar constantemente a qualidade de suas interfaces.

Por fim, a intensa competição de mercado e o aumento das expectativas de segurança favorecem o desenvolvimento de melhores interfaces. Essas preocupações são impulsionadas por dois conjuntos de parceiros: de um lado, produtores de software que se esforçam para reduzir seus custos, mantendo a diferenciação do produto que promove seus objetivos de marketing e, de outro, usuários para quem o software é um meio de oferecer produtos competitivos e serviços aos clientes. Para ambos os grupos, interfaces eficazes oferecem várias vantagens:

Para produtores de software:

  • melhor imagem do produto
  • aumento da demanda por produtos
  • tempos de treinamento mais curtos
  • requisitos de serviço pós-venda mais baixos
  • base sólida sobre a qual desenvolver uma linha de produtos
  • redução do risco de erros e acidentes
  • redução de documentação.

 

Para usuários:

  • fase de aprendizagem mais curta
  • maior aplicabilidade geral de habilidades
  • melhor aproveitamento do sistema
  • maior autonomia usando o sistema
  • redução do tempo necessário para executar uma tarefa
  • redução do número de erros
  • maior satisfação.

 

Interfaces eficazes podem melhorar significativamente a saúde e a produtividade dos usuários, ao mesmo tempo em que melhoram a qualidade e reduzem o custo de seu treinamento. Isso, no entanto, requer basear o design e a avaliação da interface em princípios ergonômicos e padrões de prática, sejam eles diretrizes, padrões corporativos dos principais fabricantes de sistemas ou padrões internacionais. Ao longo dos anos, um corpo impressionante de princípios ergonômicos e diretrizes relacionadas ao design de interface se acumulou (Scapin 1986; Smith e Mosier 1986; Marshall, Nelson e Gardiner 1987; Brown 1988). Este corpus multidisciplinar abrange todos os aspectos do modo de personagem e interfaces gráficas, bem como critérios de avaliação de interface. Embora sua aplicação concreta ocasionalmente apresente alguns problemas - por exemplo, terminologia imprecisa, informações inadequadas sobre as condições de uso, apresentação inadequada - ele continua sendo um recurso valioso para design e avaliação de interfaces.

Além disso, os principais fabricantes de software desenvolveram suas próprias diretrizes e padrões internos para design de interface. Essas diretrizes estão disponíveis nos seguintes documentos:

  • Diretrizes de interface humana da Apple (1987)
  • Olhar Aberto (Dom 1990)
  • Guia de Estilo OSF/Motif (1990)
  • Guia do IBM Common User Access para design de interface com o usuário (1991)
  • Referência de design de interface avançada da IBM (1991)
  • A interface do Windows: um guia de design de aplicativos (Microsoft 1992)

 

Essas diretrizes tentam simplificar o desenvolvimento de interfaces exigindo um nível mínimo de uniformidade e consistência entre as interfaces usadas na mesma plataforma de computador. Eles são precisos, detalhados e bastante abrangentes em vários aspectos, e oferecem as vantagens adicionais de serem bem conhecidos, acessíveis e amplamente utilizados. Eles são o de fato padrões de projeto utilizados pelos desenvolvedores, sendo, por isso, indispensáveis.

Além disso, os padrões da Organização Internacional de Padronização (ISO) também são fontes muito valiosas de informações sobre design e avaliação de interfaces. Esses padrões se preocupam principalmente em garantir a uniformidade entre as interfaces, independentemente das plataformas e aplicativos. Eles foram desenvolvidos em colaboração com agências nacionais de padronização e após extensa discussão com pesquisadores, desenvolvedores e fabricantes. O principal padrão de design de interface ISO é o ISO 9241, que descreve requisitos ergonômicos para unidades de exibição visual. É composto por 17 partes. Por exemplo, as partes 14, 15, 16 e 17 discutem quatro tipos de diálogo humano-computador — menus, linguagens de comando, manipulação direta e formulários. Os padrões ISO devem ter prioridade sobre outros princípios e diretrizes de design. As seções a seguir discutem os princípios que devem condicionar o design de interface.

Uma Filosofia de Design Focada no Usuário

Gould e Lewis (1983) propuseram uma filosofia de design focada no usuário da unidade de exibição de vídeo. Seus quatro princípios são:

  1. Atenção imediata e contínua aos usuários. Mantém-se o contacto direto com os utilizadores, de forma a conhecer melhor as suas características e funções.
  2. Projeto integrado. Todos os aspectos de usabilidade (por exemplo, interface, manuais, sistemas de ajuda) são desenvolvidos em paralelo e colocados sob controle centralizado.
  3. Avaliação imediata e contínua pelos usuários. Os usuários testam as interfaces ou protótipos no início da fase de projeto, sob condições de trabalho simuladas. O desempenho e as reações são medidos quantitativa e qualitativamente.
  4. Projeto iterativo. O sistema é modificado com base nos resultados da avaliação e o ciclo de avaliação é reiniciado.

 

Esses princípios são explicados com mais detalhes em Gould (1988). Muito relevantes quando foram publicados pela primeira vez em 1985, quinze anos depois permanecem assim, devido à incapacidade de prever a eficácia das interfaces na ausência de testes com usuários. Esses princípios constituem o coração dos ciclos de desenvolvimento baseados no usuário propostos por vários autores nos últimos anos (Gould 1988; Mantei e Teorey 1989; Mayhew 1992; Nielsen 1992; Robert e Fiset 1992).

O restante deste artigo analisará cinco etapas do ciclo de desenvolvimento que parecem determinar a eficácia da interface final.

Análise de tarefas

A análise ergonômica de tarefas é um dos pilares do design de interface. Essencialmente, é o processo pelo qual as responsabilidades e atividades do usuário são elucidadas. Isso, por sua vez, permite que sejam projetadas interfaces compatíveis com as características das tarefas dos usuários. Existem duas facetas para qualquer tarefa:

  1. A tarefa nominal, correspondendo à definição formal da tarefa da organização. Isso inclui objetivos, procedimentos, controle de qualidade, padrões e ferramentas.
  2. A tarefa real, correspondendo às decisões e comportamentos dos usuários necessários para a execução da tarefa nominal.

 

A lacuna entre tarefas nominais e reais é inevitável e resulta da falha das tarefas nominais em levar em conta variações e circunstâncias imprevistas no fluxo de trabalho e diferenças nas representações mentais dos usuários sobre seu trabalho. A análise da tarefa nominal é insuficiente para uma compreensão completa das atividades dos usuários.

A análise da atividade examina elementos como os objetivos do trabalho, o tipo de operações realizadas, sua organização temporal (seqüencial, paralela) e frequência, os modos operacionais em que se baseiam, decisões, fontes de dificuldade, erros e modos de recuperação. Esta análise revela as diferentes operações realizadas para realizar a tarefa (detecção, pesquisa, leitura, comparação, avaliação, decisão, estimativa, antecipação), as entidades manipuladas (por exemplo, no controle do processo, temperatura, pressão, vazão, volume) e a relação entre operadores e entidades. O contexto em que a tarefa é executada condiciona essas relações. Estes dados são essenciais para a definição e organização das funcionalidades do futuro sistema.

Basicamente, a análise de tarefas é composta de coleta, compilação e análise de dados. Pode ser realizada antes, durante ou após a informatização da tarefa. Em todos os casos, fornece diretrizes essenciais para design e avaliação de interface. A análise de tarefas está sempre preocupada com a tarefa real, embora também possa estudar tarefas futuras por meio de simulação ou teste de protótipo. Quando realizada antes da informatização, estuda “tarefas externas” (ou seja, tarefas externas ao computador) realizadas com as ferramentas de trabalho existentes (Moran 1983). Este tipo de análise é útil mesmo quando se espera que a informatização resulte em grandes modificações da tarefa, pois elucida a natureza e lógica da tarefa, procedimentos de trabalho, terminologia, operadores e tarefas, ferramentas de trabalho e fontes de dificuldade. Ao fazê-lo, fornece os dados necessários para a otimização e informatização da tarefa.

A análise de tarefas executadas durante a informatização de tarefas concentra-se nas “tarefas internas”, executadas e representadas pelo sistema de computador. Protótipos de sistema são usados ​​para coletar dados neste estágio. O foco recai sobre os mesmos pontos examinados na etapa anterior, mas sob o ponto de vista do processo de informatização.

Após a informatização de tarefas, a análise de tarefas também estuda tarefas internas, mas a análise agora se concentra no sistema de computador final. Esse tipo de análise geralmente é realizado para avaliar interfaces existentes ou como parte do projeto de novas.

A análise hierárquica de tarefas é um método comum em ergonomia cognitiva que se mostrou muito útil em uma ampla variedade de campos, incluindo design de interface (Shepherd, 1989). Consiste na divisão de tarefas (ou objetivos principais) em subtarefas, cada uma das quais pode ser subdividida, até que o nível de detalhamento necessário seja atingido. Se os dados forem coletados diretamente dos usuários (por exemplo, por meio de entrevistas, vocalização), a divisão hierárquica pode fornecer um retrato do mapeamento mental dos usuários de uma tarefa. Os resultados da análise podem ser representados por um diagrama de árvore ou tabela, tendo cada formato suas vantagens e desvantagens.

Análise do Usuário

O outro pilar do design de interface é a análise de características do usuário. As características de interesse podem estar relacionadas à idade, sexo, idioma, cultura, treinamento, conhecimento técnico ou relacionado à informática, habilidades ou motivação do usuário. Variações nesses fatores individuais são responsáveis ​​por diferenças dentro e entre grupos de usuários. Um dos princípios-chave do design de interface é, portanto, que não existe o usuário médio. Em vez disso, diferentes grupos de usuários devem ser identificados e suas características compreendidas. Os representantes de cada grupo devem ser encorajados a participar do design da interface e dos processos de avaliação.

Por outro lado, técnicas de psicologia, ergonomia e engenharia cognitiva podem ser usadas para revelar informações sobre as características do usuário relacionadas à percepção, memória, mapeamento cognitivo, tomada de decisão e aprendizado (Wickens 1992). É claro que a única forma de desenvolver interfaces realmente compatíveis com os usuários é levar em consideração o efeito das diferenças desses fatores nas capacidades, limites e modos de operação dos usuários.

Os estudos ergonômicos de interfaces têm se concentrado quase exclusivamente nas habilidades perceptivas, cognitivas e motoras dos usuários, e não em fatores afetivos, sociais ou atitudinais, embora o trabalho nestes últimos campos tenha se tornado mais popular nos últimos anos. (Para uma visão integrada dos seres humanos como sistemas de processamento de informações, consulte Rasmussen 1986; para uma revisão dos fatores relacionados ao usuário a serem considerados ao projetar interfaces, consulte Thimbleby 1990 e Mayhew 1992). Os parágrafos a seguir revisam as quatro principais características relacionadas ao usuário que devem ser levadas em consideração durante o design da interface.

Representação mental

Os modelos mentais que os usuários constroem dos sistemas que usam refletem a maneira como eles recebem e compreendem esses sistemas. Esses modelos, portanto, variam em função do conhecimento e da experiência dos usuários (Hutchins, 1989). A fim de minimizar a curva de aprendizado e facilitar o uso do sistema, o modelo conceitual sobre o qual um sistema é baseado deve ser semelhante à representação mental dos usuários. Deve-se reconhecer, no entanto, que esses dois modelos nunca são idênticos. O modelo mental é caracterizado pelo próprio fato de ser pessoal (Rich 1983), incompleto, variável de uma parte do sistema para outra, possivelmente errôneo em alguns pontos e em constante evolução. Desempenha um papel menor nas tarefas rotineiras, mas um papel importante nas não rotineiras e durante o diagnóstico de problemas (Young 1981). Nos últimos casos, os usuários terão um desempenho ruim na ausência de um modelo mental adequado. O desafio para os designers de interface é projetar sistemas cuja interação com os usuários os induza a formar modelos mentais semelhantes ao modelo conceitual do sistema.

Aprendendo a

A analogia desempenha um grande papel na aprendizagem do usuário (Rumelhart e Norman 1983). Por esta razão, o uso de analogias ou metáforas apropriadas na interface facilita o aprendizado, ao maximizar a transferência de conhecimento de situações ou sistemas conhecidos. Analogias e metáforas desempenham um papel em muitas partes da interface, incluindo nomes de comandos e menus, símbolos, ícones, códigos (por exemplo, forma, cor) e mensagens. Quando pertinentes, contribuem sobremaneira para tornar as interfaces naturais e mais transparentes para os usuários. Por outro lado, quando são irrelevantes, podem atrapalhar os usuários (Halasz e Moran 1982). Até o momento, as duas metáforas utilizadas nas interfaces gráficas são as área de trabalho e, em menor medida, a sala.

Os usuários geralmente preferem aprender um novo software usando-o imediatamente, em vez de ler ou fazer um curso - eles preferem o aprendizado baseado em ação, no qual são cognitivamente ativos. Este tipo de aprendizado, no entanto, apresenta alguns problemas para os usuários (Carroll e Rosson 1988; Robert 1989). Exige uma estrutura de interface compatível, transparente, consistente, flexível, de aparência natural e tolerante a falhas, e um conjunto de recursos que garanta usabilidade, feedback, sistemas de ajuda, auxílios à navegação e tratamento de erros (neste contexto, “erros” refere-se a ações que os usuários desejam desfazer). Interfaces eficazes dão aos usuários alguma autonomia durante a exploração.

Desenvolvendo conhecimento

O conhecimento do usuário se desenvolve com o aumento da experiência, mas tende a estagnar rapidamente. Isso significa que as interfaces devem ser flexíveis e capazes de responder simultaneamente às necessidades de usuários com diferentes níveis de conhecimento. Idealmente, eles também devem ser sensíveis ao contexto e fornecer ajuda personalizada. O sistema EdCoach, desenvolvido por Desmarais, Giroux e Larochelle (1993) é uma dessas interfaces. A classificação dos usuários nas categorias iniciante, intermediário e especialista é inadequada para fins de design de interface, uma vez que essas definições são muito estáticas e não levam em conta as variações individuais. A tecnologia da informação capaz de responder às necessidades de diferentes tipos de usuários está agora disponível, embora no nível de pesquisa, ao invés de comercial (Egan 1988). A atual onda de sistemas de suporte ao desempenho sugere um intenso desenvolvimento desses sistemas nos próximos anos.

Erros inevitáveis

Finalmente, deve-se reconhecer que os usuários cometem erros ao usar sistemas, independentemente de seu nível de habilidade ou da qualidade do sistema. Um estudo alemão recente de Broadbeck et al. (1993) revelou que pelo menos 10% do tempo gasto por funcionários de colarinho branco trabalhando em computadores está relacionado ao gerenciamento de erros. Uma das causas dos erros é a confiança dos usuários na correção em vez de estratégias de prevenção (Reed 1982). Os usuários preferem agir rapidamente e incorrer em erros que devem corrigir posteriormente, a trabalhar mais devagar e evitar erros. É essencial que essas considerações sejam levadas em conta ao projetar interfaces homem-computador. Além disso, os sistemas devem ser tolerantes a falhas e devem incorporar um gerenciamento de erros eficaz (Lewis e Norman 1986).

Precisa de análise

A análise de necessidades é parte explícita do ciclo de desenvolvimento de Robert e Fiset (1992), corresponde à análise funcional de Nielsen e está integrada em outras etapas (tarefa, usuário ou análise de necessidades) descritas por outros autores. Consiste na identificação, análise e organização de todas as necessidades que o sistema informático pode satisfazer. A identificação das funcionalidades a serem adicionadas ao sistema ocorre durante este processo. A análise de tarefas e usuários, apresentada acima, deve ajudar a definir muitas das necessidades, mas pode se mostrar inadequada para a definição de novas necessidades resultantes da introdução de novas tecnologias ou novos regulamentos (por exemplo, segurança). A análise de necessidades preenche esse vazio.

A análise de necessidades é realizada da mesma forma que a análise funcional de produtos. Requer a participação de um grupo de pessoas interessadas no produto e que possuam formação complementar, ocupações ou experiência profissional. Isso pode incluir futuros usuários do sistema, supervisores, especialistas de domínio e, conforme necessário, especialistas em treinamento, organização do trabalho e segurança. A revisão da literatura científica e técnica no campo de aplicação relevante também pode ser realizada, a fim de estabelecer o estado atual da arte. Sistemas competitivos usados ​​em campos similares ou relacionados também podem ser estudados. As diferentes necessidades identificadas por esta análise são então classificadas, ponderadas e apresentadas em um formato adequado para uso ao longo do ciclo de desenvolvimento.

Prototipagem

A prototipagem faz parte do ciclo de desenvolvimento da maioria das interfaces e consiste na produção de um papel preliminar ou modelo eletrônico (ou protótipo) da interface. Vários livros sobre o papel da prototipagem na interação humano-computador estão disponíveis (Wilson e Rosenberg 1988; Hartson e Smith 1991; Preece et al. 1994).

A prototipagem é quase indispensável porque:

  1. Os usuários têm dificuldade em avaliar interfaces com base em especificações funcionais – a descrição da interface é muito distante da interface real e a avaliação é muito abstrata. Os protótipos são úteis porque permitem que os usuários vejam e usem a interface e avaliem diretamente sua utilidade e usabilidade.
  2. É praticamente impossível construir uma interface adequada na primeira tentativa. As interfaces devem ser testadas pelos usuários e modificadas, muitas vezes repetidamente. Para contornar esse problema, protótipos em papel ou interativos que podem ser testados, modificados ou rejeitados são produzidos e refinados até a obtenção de uma versão satisfatória. Este processo é consideravelmente mais barato do que trabalhar em interfaces reais.

 

Do ponto de vista da equipe de desenvolvimento, a prototipagem tem várias vantagens. Os protótipos permitem a integração e visualização de elementos de interface no início do ciclo de design, identificação rápida de problemas detalhados, produção de um objeto concreto e comum de discussão na equipe de desenvolvimento e durante discussões com clientes e simples ilustração de soluções alternativas para os propósitos de comparação e avaliação interna da interface. A vantagem mais importante é, no entanto, a possibilidade de os usuários avaliarem os protótipos.

Ferramentas de software baratas e muito poderosas para a produção de protótipos estão comercialmente disponíveis para uma variedade de plataformas, incluindo microcomputadores (por exemplo, Visual Basic e Visual C++ (™Microsoft Corp.), UIM/X (™Visual Edge Software), HyperCard (™ Apple Computer), SVT (™SVT Soft Inc.)). Prontamente disponíveis e relativamente fáceis de aprender, eles estão se tornando difundidos entre os desenvolvedores e avaliadores de sistemas.

A integração da prototipagem mudou completamente o processo de desenvolvimento de interfaces. Dada a rapidez e flexibilidade com que os protótipos podem ser produzidos, os desenvolvedores agora tendem a reduzir suas análises iniciais de tarefas, usuários e necessidades e compensam essas deficiências analíticas adotando ciclos de avaliação mais longos. Isso pressupõe que o teste de usabilidade identificará problemas e que é mais econômico prolongar a avaliação do que gastar tempo em análises preliminares.

Avaliação de Interfaces

A avaliação de interfaces pelo usuário é uma forma indispensável e eficaz de melhorar a utilidade e usabilidade das interfaces (Nielsen 1993). A interface é quase sempre avaliada em formato eletrônico, embora também possam ser testados protótipos em papel. A avaliação é um processo iterativo e faz parte do ciclo de avaliação-modificação do protótipo, que continua até que a interface seja considerada aceitável. Vários ciclos de avaliação podem ser necessários. A avaliação pode ser realizada no local de trabalho ou em laboratórios de usabilidade (veja a edição especial do Comportamento e Tecnologia da Informação (1994) para uma descrição de vários laboratórios de usabilidade).

Alguns métodos de avaliação de interface não envolvem usuários; eles podem ser usados ​​como um complemento para a avaliação do usuário (Karat 1988; Nielsen 1993; Nielsen e Mack 1994). Um exemplo relativamente comum de tais métodos consiste no uso de critérios como compatibilidade, consistência, clareza visual, controle explícito, flexibilidade, carga de trabalho mental, qualidade do feedback, qualidade da ajuda e sistemas de tratamento de erros. Para uma definição detalhada desses critérios, ver Bastien e Scapin (1993); eles também formam a base de um questionário ergonômico sobre interfaces (Shneiderman 1987; Ravden e Johnson 1989).

Após a avaliação, as soluções devem ser encontradas para os problemas identificados, as modificações discutidas e implementadas e as decisões tomadas sobre a necessidade de um novo protótipo.

Conclusão

Esta discussão sobre o desenvolvimento de interfaces destacou os principais riscos e tendências gerais no campo da interação humano-computador. Em resumo, (a) a análise de tarefas, usuários e necessidades desempenha um papel essencial na compreensão dos requisitos do sistema e, por extensão, dos recursos de interface necessários; e (b) a prototipagem e a avaliação do usuário são indispensáveis ​​para a determinação da usabilidade da interface. Existe um corpo de conhecimento impressionante, composto de princípios, diretrizes e padrões de design, sobre interações humano-computador. No entanto, atualmente é impossível produzir uma interface adequada na primeira tentativa. Isso constitui um grande desafio para os próximos anos. Devem ser estabelecidas ligações mais explícitas, diretas e formais entre a análise (tarefa, usuários, necessidades, contexto) e o design da interface. Também devem ser desenvolvidos meios para aplicar o conhecimento ergonômico atual de forma mais direta e simples ao design de interfaces.

 

Voltar

Sexta-feira, Março 25 2011 04: 47

Padrões de Ergonomia

Introdução

Os padrões de ergonomia podem assumir várias formas, como regulamentos promulgados em nível nacional ou diretrizes e padrões instituídos por organizações internacionais. Eles desempenham um papel importante na melhoria da usabilidade dos sistemas. Os padrões de design e desempenho dão aos gerentes a confiança de que os sistemas que eles compram poderão ser usados ​​de forma produtiva, eficiente, segura e confortável. Eles também fornecem aos usuários uma referência para julgar suas próprias condições de trabalho. Neste artigo, nos concentramos no padrão de ergonomia 9241 (ISO 1992) da International Organization for Standardization (ISO), porque ele fornece critérios importantes e reconhecidos internacionalmente para selecionar ou projetar equipamentos e sistemas VDU. A ISO realiza seu trabalho por meio de uma série de comitês técnicos, sendo um deles o ISO TC 159 SC4 Ergonomics of Human System Interaction Committee, responsável pelos padrões de ergonomia para situações em que seres humanos e sistemas tecnológicos interagem. Seus membros são representantes dos órgãos nacionais de normalização dos países membros e as reuniões envolvem as delegações nacionais na discussão e votação de resoluções e documentos técnicos. O principal trabalho técnico do comitê ocorre em oito Grupos de Trabalho (WGs), cada um dos quais é responsável por diferentes itens de trabalho listados na figura 1. Esse subcomitê desenvolveu a ISO 9241.

Figura 1. Grupos Técnicos de Trabalho do Comitê Técnico de Ergonomia da Interação Humana com Sistemas (ISO TC 159 SC4). ISO 9241: Cinco grupos de trabalho dividiram as “partes” do padrão nas listadas abaixo. Esta ilustração mostra a correspondência entre as partes do padrão e os vários aspectos da estação de trabalho com os quais eles estão relacionados

 VDU100F1O trabalho da ISO tem grande importância internacional. Os principais fabricantes prestam muita atenção às especificações ISO. A maioria dos produtores de VDUs são corporações internacionais. É óbvio que as melhores e mais eficazes soluções para os problemas de design do local de trabalho, do ponto de vista dos fabricantes internacionais, devem ser acordadas internacionalmente. Muitas autoridades regionais, como a Organização Européia de Normalização (CEN), adotaram padrões ISO sempre que apropriado. O Acordo de Viena, assinado pela ISO e CEN, é o instrumento oficial que garante a colaboração efetiva entre as duas organizações. Como diferentes partes da ISO 9241 são aprovadas e publicadas como normas internacionais, elas são adotadas como normas europeias e se tornam parte da EN 29241. Como as normas CEN substituem as normas nacionais na União Européia (UE) e no Acordo Europeu de Livre Comércio (EFTA) Membro Estados Unidos, a importância dos padrões ISO na Europa aumentou e, por sua vez, também aumentou a pressão sobre o ISO para produzir padrões e diretrizes para VDUs de forma eficiente.

Padrões de desempenho do usuário

Uma alternativa aos padrões de produto é desenvolver padrões de desempenho do usuário. Assim, em vez de especificar uma característica do produto, como a altura do caractere, que se acredita resultará em uma exibição legível, os fabricantes de padrões desenvolvem procedimentos para testar diretamente essas características, como a legibilidade. O padrão é então declarado em termos do desempenho do usuário exigido do equipamento e não em termos de como isso é alcançado. A medida de desempenho é um composto que inclui velocidade e precisão e evitar desconforto.

Os padrões de desempenho do usuário têm várias vantagens; eles são

  • relevantes para os problemas reais vivenciados pelos usuários
  • tolerante com a evolução da tecnologia
  • flexível o suficiente para lidar com as interações entre os fatores.

 

No entanto, os padrões de desempenho do usuário também podem sofrer uma série de desvantagens. Eles não podem ser totalmente completos e cientificamente válidos em todos os casos, mas representam compromissos razoáveis, que requerem um tempo significativo para obter o acordo de todas as partes envolvidas no estabelecimento de padrões.

Cobertura e Uso da ISO 9241

O padrão de requisitos de ergonomia VDU, ISO 9241, fornece detalhes sobre aspectos ergonômicos de produtos e sobre a avaliação das propriedades ergonômicas de um sistema. Todas as referências à ISO 9241 também se aplicam à EN 29241. Algumas partes fornecem orientações gerais a serem consideradas no projeto de equipamentos, software e tarefas. Outras partes incluem orientações de projeto mais específicas e requisitos relevantes para a tecnologia atual, uma vez que tais orientações são úteis para os projetistas. Além das especificações do produto, a ISO 9241 enfatiza a necessidade de especificar os fatores que afetam o desempenho do usuário, incluindo como avaliar o desempenho do usuário para julgar se um sistema é apropriado ou não ao contexto em que será usado.

A ISO 9241 foi desenvolvida tendo em mente tarefas e ambientes de escritório. Isso significa que em outros ambientes especializados pode ser necessário algum desvio aceitável do padrão. Em muitos casos, essa adaptação do padrão do escritório alcançará um resultado mais satisfatório do que a especificação “cega” ou o teste de um padrão isolado específico para uma determinada situação. De fato, um dos problemas com os padrões de ergonomia VDU é que a tecnologia está se desenvolvendo mais rápido do que os criadores de padrões podem trabalhar. Assim, é bem possível que um novo dispositivo não atenda aos requisitos estritos de uma norma existente porque aborda a necessidade em questão de uma forma radicalmente diferente de qualquer outra prevista quando a norma original foi escrita. Por exemplo, os primeiros padrões para a qualidade dos caracteres em uma tela assumiam uma construção simples de matriz de pontos. Fontes mais legíveis mais recentes não atenderiam ao requisito original porque não teriam o número especificado de pontos separando-as, uma noção inconsistente com seu design.

A menos que os padrões sejam especificados em termos de desempenho a ser alcançado, os usuários dos padrões de ergonomia devem permitir que os fornecedores atendam ao requisito, demonstrando que sua solução oferece desempenho equivalente ou superior para atingir o mesmo objetivo.

O uso do padrão ISO 9241 na especificação e no processo de aquisição coloca as questões de ergonomia da tela de exibição firmemente na agenda da administração e ajuda a garantir a devida consideração dessas questões tanto pelo comprador quanto pelo fornecedor. O padrão é, portanto, uma parte útil da estratégia do empregador responsável para proteger a saúde, a segurança e a produtividade dos usuários de telas de exibição.

Problemas gerais

ISO 9241 Parte 1 Introdução geral explica os princípios subjacentes ao padrão multipartes. Ele descreve a abordagem de desempenho do usuário e fornece orientação sobre como usar o padrão e como a conformidade com as partes da ISO 9241 deve ser relatada.

ISO 9241 Parte 2 Orientação sobre requisitos de tarefas fornece orientação sobre design de trabalho e tarefa para os responsáveis ​​pelo planejamento do trabalho de VDU, a fim de aumentar a eficiência e o bem-estar de usuários individuais, aplicando conhecimentos ergonômicos práticos ao design de tarefas de VDU de escritório. Os objetivos e características do projeto de tarefa também são discutidos (veja a figura 2) e o padrão descreve como os requisitos de tarefa podem ser identificados e especificados dentro de organizações individuais e podem ser incorporados ao projeto de sistema e processo de implementação da organização.

Figura 2. Orientação e requisitos da tarefa

VDU100F2


 

 

Estudo de caso: Diretiva de equipamentos de tela de exibição (90/270/EEC)

A Diretiva de Telas de Exibição é uma de uma série de diretivas “filhas” que tratam de aspectos específicos de saúde e segurança. As diretivas fazem parte do programa da União Europeia para a promoção da saúde e segurança no mercado único. A Diretiva “mãe” ou “Quadro” (89/391/EEC) estabelece os princípios gerais da abordagem da Comunidade para Saúde e Segurança. Esses princípios comuns incluem evitar o risco, sempre que possível, eliminando a fonte do risco e incentivando medidas de proteção coletivas em vez de medidas de proteção individuais.

Quando o risco for inevitável, ele deve ser devidamente avaliado por pessoas com as habilidades necessárias e devem ser tomadas medidas adequadas à extensão do risco. Assim, se a avaliação mostrar que o nível de risco é baixo, medidas informais podem ser totalmente adequadas. No entanto, quando um risco significativo é identificado, medidas rigorosas devem ser tomadas. A própria Diretiva impôs obrigações apenas aos Estados Membros da UE, não aos empregadores ou fabricantes individuais. A diretiva exigia que os Estados-Membros transpusessem as obrigações para as disposições legislativas, regulamentares e administrativas nacionais adequadas. Estes, por sua vez, obrigam os empregadores a garantir um nível mínimo de saúde e segurança para os usuários de telas de exibição.

As principais obrigações dos empregadores são:

  • Avalie os riscos decorrentes do uso de estações de trabalho com telas de exibição e tome medidas para reduzir os riscos identificados.
  • Assegurar que os novos postos de trabalho (“primeira entrada em serviço após 1 de janeiro de 1993”) cumprem os requisitos mínimos de ergonomia estabelecidos em anexo à directiva. As estações de trabalho existentes têm mais quatro anos para atender aos requisitos mínimos, desde que não representem risco para seus usuários.
  • Informar os usuários sobre os resultados das avaliações, as ações que o empregador está tomando e seus direitos sob a Diretiva.
  • Planeje o trabalho na tela de exibição para fornecer pausas regulares ou mudanças de atividade.
  • Ofereça exames oftalmológicos antes do uso da tela do monitor, em intervalos regulares e se eles estiverem com problemas visuais. Se os testes mostrarem que são necessários e não puderem ser usados ​​óculos normais, devem ser fornecidos óculos especiais.
  • Forneça treinamento adequado de saúde e segurança para os usuários antes do uso da tela de exibição ou sempre que a estação de trabalho for “substancialmente modificada”.

 

A intenção por trás da Diretiva de Telas é especificar como as estações de trabalho devem ser usadas, e não como os produtos devem ser projetados. As obrigações, portanto, recaem sobre os empregadores, não sobre os fabricantes de estações de trabalho. No entanto, muitos empregadores pedirão a seus fornecedores que os assegurem de que seus produtos estão “conformes”. Na prática, isso significa pouco, uma vez que existem apenas alguns requisitos de projeto relativamente simples na diretiva. Estes estão contidos no Anexo (não fornecido aqui) e dizem respeito ao tamanho e refletância da superfície de trabalho, ajustabilidade da cadeira, separação do teclado e clareza da imagem exibida.


 

 

 

Problemas de hardware e ergonomia ambiental

Tela de exibição

ISO 9241 (EN 29241) Parte 3 Requisitos de exibição visual especifica os requisitos ergonômicos para telas de exibição que garantem que possam ser lidas confortavelmente, com segurança e eficiência para executar tarefas de escritório. Embora trate especificamente de monitores usados ​​em escritórios, a orientação é apropriada para especificar a maioria das aplicações que requerem monitores de uso geral. Um teste de desempenho do usuário que, uma vez aprovado, pode servir como base para o teste de desempenho e se tornará uma rota alternativa para a conformidade dos VDUs.

ISO 9241 Parte 7 Requisitos de exibição com reflexões. O objetivo desta parte é especificar métodos de medição de ofuscamento e reflexos da superfície de telas de exibição, incluindo aqueles com tratamentos de superfície. Destina-se a fabricantes de monitores que desejam garantir que os tratamentos anti-reflexo não prejudiquem a qualidade da imagem.

ISO 9241 Parte 8 Requisitos para cores exibidas. O objetivo desta parte é lidar com os requisitos para telas multicoloridas que são em grande parte adicionais aos requisitos monocromáticos em Parte 3, requisitos para exibição visual em geral.

Teclado e outros dispositivos de entrada

Requisitos do teclado ISO 9241 Parte 4 requer que o teclado seja inclinável, separado da tela e fácil de usar sem causar fadiga nos braços ou mãos. Este padrão também especifica as características de design ergonômico de um teclado alfanumérico que pode ser usado de forma confortável, segura e eficiente para executar tarefas de escritório. Novamente, embora Parte 4 é um padrão a ser usado para tarefas de escritório, é apropriado para a maioria das aplicações que requerem teclados alfanuméricos de uso geral. Especificações de design e um método alternativo de teste de desempenho de conformidade estão incluídos.

ISO 9241 Parte 9 Requisitos para dispositivos de entrada sem teclado especifica os requisitos ergonômicos de dispositivos como o mouse e outros dispositivos apontadores que podem ser usados ​​em conjunto com uma unidade de exibição visual. Também inclui um teste de desempenho.

workstations

ISO 9241 Parte 5 Layout da estação de trabalho e requisitos posturais facilita a operação eficiente do VDU ​​e incentiva o usuário a adotar uma postura de trabalho confortável e saudável. Os requisitos para uma postura saudável e confortável são discutidos. Esses incluem:

  • a localização de controles de equipamentos usados ​​com frequência, telas e superfícies de trabalho de fácil acesso
  • a oportunidade de mudar de posição com frequência
  • evitar movimentos excessivos, frequentes e repetitivos com extrema extensão ou rotação dos membros ou tronco
  • suporte para as costas permitindo um ângulo de 90 graus a 110 graus entre as costas e as coxas.

 

As características do local de trabalho que promovem uma postura saudável e confortável são identificadas e as diretrizes de projeto são dadas.

Ambientes de trabalho

ISO 9241 Parte 6 Requisitos ambientais especifica os requisitos ergonômicos para o ambiente de trabalho da unidade de exibição visual que fornecerá ao usuário condições de trabalho confortáveis, seguras e produtivas. Abrange os ambientes visual, acústico e térmico. O objetivo é fornecer um ambiente de trabalho que facilite a operação eficiente do VDU ​​e forneça ao usuário condições de trabalho confortáveis.

As características do ambiente de trabalho que influenciam a operação eficiente e o conforto do usuário são identificadas e as diretrizes de design apresentadas. Mesmo quando é possível controlar o ambiente de trabalho dentro de limites estritos, os indivíduos diferem em seus julgamentos sobre sua aceitabilidade, em parte porque os indivíduos variam em suas preferências e em parte porque tarefas diferentes podem exigir ambientes bastante diferentes. Por exemplo, os usuários que ficam sentados em VDUs por períodos prolongados são muito mais sensíveis a correntes de ar do que os usuários cujo trabalho envolve se deslocar pelo escritório e trabalhar no VDU ​​apenas de forma intermitente.

O trabalho VDU ​​geralmente restringe as oportunidades que os indivíduos têm de se movimentar em um escritório e, portanto, algum controle individual sobre o ambiente é altamente desejável. Deve-se tomar cuidado em áreas de trabalho comuns para proteger a maioria dos usuários de ambientes extremos que podem ser preferidos por alguns indivíduos.

Ergonomia de software e design de diálogo

ISO 9241 Parte 10 Princípios de diálogo apresenta princípios ergonômicos que se aplicam ao projeto de diálogos entre humanos e sistemas de informação, como segue:

  • adequação para a tarefa
  • autodescritivo
  • controlabilidade
  • conformidade com as expectativas do usuário
  • tolerância a erros
  • adequação para individualização
  • adequação para aprender.

 

Os princípios são apoiados por uma série de cenários que indicam as prioridades relativas e a importância dos diferentes princípios em aplicações práticas. O ponto de partida para este trabalho foi a Alemão DIN 66234 Parte 8 Princípios de design de diálogo ergonômico para locais de trabalho com unidades de exibição visual.

ISO 9241 Parte 11 Orientação sobre especificação e medidas de usabilidade ajuda os envolvidos na especificação ou medição da usabilidade, fornecendo uma estrutura consistente e acordada das principais questões e parâmetros envolvidos. Esta estrutura pode ser usada como parte de uma especificação de requisitos ergonômicos e inclui descrições do contexto de uso, os procedimentos de avaliação a serem realizados e as medidas de critério a serem satisfeitas quando a usabilidade do sistema for avaliada.

ISO 9241 Parte 12 Apresentação de informações fornece orientação sobre as questões específicas de ergonomia envolvidas na representação e apresentação de informações de forma visual. Inclui orientações sobre formas de representar informações complexas, layout e design de tela e uso de janelas. É um resumo útil dos materiais relevantes disponíveis entre o corpo substancial de diretrizes e recomendações já existentes. As informações são apresentadas como diretrizes sem necessidade de testes formais de conformidade.

ISO 9241 Parte 13 Guia do usuário fornece aos fabricantes, de fato, diretrizes sobre como fornecer diretrizes aos usuários. Isso inclui documentação, telas de ajuda, sistemas de tratamento de erros e outras ajudas encontradas em muitos sistemas de software. Ao avaliar a usabilidade de um produto na prática, os usuários reais devem levar em consideração a documentação e orientações fornecidas pelo fornecedor na forma de manuais, treinamentos e outros, bem como as características específicas do próprio produto.

ISO 9241 Parte 14 Diálogos de menu fornece orientação sobre o projeto de sistemas baseados em menus. Aplica-se a menus baseados em texto, bem como a menus suspensos ou pop-up em sistemas gráficos. A norma contém um grande número de diretrizes desenvolvidas a partir da literatura publicada e de outras pesquisas relevantes. Para lidar com a extrema variedade e complexidade dos sistemas baseados em menus, o padrão emprega uma forma de “cumprimento condicional”. Para cada diretriz, existem critérios que ajudam a definir se ela é ou não aplicável ao sistema em questão. Se for determinado que as diretrizes são aplicáveis, serão fornecidos critérios para determinar se o sistema atende ou não a esses requisitos.

ISO 9241 Parte 15 Diálogos de comando fornece orientação para o design de diálogos de comando baseados em texto. Diálogos são as caixas familiares que aparecem na tela e consultam o usuário do VDU, como em um comando de pesquisa. O software cria um “diálogo” no qual o usuário deve fornecer o termo a ser encontrado, e quaisquer outras especificações relevantes sobre o termo, como sua caixa ou formato.

ISO 9241 Parte 16 Diálogos de manipulação direta lida com o design de diálogos de manipulação direta e técnicas de diálogo WYSIWYG (o que você vê é o que você obtém), fornecidas como o único meio de diálogo ou combinadas com alguma outra técnica de diálogo. Prevê-se que o cumprimento condicional desenvolvido para Parte 14 pode ser apropriado para este modo de interação também.

ISO 9241 Parte 17 Diálogos de preenchimento de formulário está em estágios muito iniciais de desenvolvimento.

 

Voltar

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo