Sábado, fevereiro 26 2011 01: 21

Impactos de desastres: lições de uma perspectiva médica

Classifique este artigo
(0 votos)

Este artigo foi adaptado, com permissão, de Zeballos 1993b.

A América Latina e o Caribe não foram poupados de sua parcela de desastres naturais. Quase todos os anos, eventos catastróficos causam mortes, ferimentos e enormes prejuízos econômicos. Globalmente, estima-se que os grandes desastres naturais das últimas duas décadas nesta região tenham causado perdas patrimoniais que afetaram cerca de 8 milhões de pessoas, cerca de 500,000 feridos e 150,000 mortos. Esses números dependem fortemente de fontes oficiais. (É muito difícil obter informações precisas em desastres súbitos, porque existem múltiplas fontes de informação e nenhum sistema de informação padronizado.) A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) estima que durante um ano médio, os desastres na América Latina A América e o Caribe custam US$ 1.5 bilhão e ceifam 6,000 vidas (Jovel 1991).

A Tabela 1 lista os principais desastres naturais que atingiram os países da região no período 1970-93. Deve-se notar que os desastres de início lento, como secas e inundações, não estão incluídos.

Tabela 1. Grandes desastres na América Latina e no Caribe, 1970-93

Ano

País

Tipo de
desastre

Nº de mortes
relatado

Husa. não. de
pessoas afetadas

1970

Peru

terremoto

66,679

3,139,000

1972

Nicarágua

terremoto

10,000

400,000

1976

Guatemala

terremoto

23,000

1,200,000

1980

Haiti

Furacão (Allen)

220

330,000

1982

México

Erupção vulcânica

3,000

60,000

1985

México

terremoto

10,000

60,000

1985

Localização: Colômbia

Erupção vulcânica

23,000

200,000

1986

El Salvador

terremoto

1,100

500,000

1988

Jamaica

Furacão (Gilbert)

45

500,000

1988

México

Furacão (Gilbert)

250

200,000

1988

Nicarágua

Furacão (Joana)

116

185,000

1989

Montserrate,
Dominica

Furacão (Hugo)

56

220,000

1990

Peru

terremoto

21

130,000

1991

Localização: Costa Rica

terremoto

51

19,700

1992

Nicarágua

Tsunami

116

13,500

1993

Honduras

Tempestade tropical

103

11,000

Fonte: OPAS 1989; OFDA (USAID),1989; UNRO 1990.

Impacto Econômico

Nas últimas décadas, a CEPAL realizou extensas pesquisas sobre os impactos sociais e econômicos dos desastres. Isso demonstrou claramente que os desastres têm repercussões negativas no desenvolvimento social e econômico dos países em desenvolvimento. De fato, as perdas monetárias causadas por um grande desastre muitas vezes excedem a renda bruta anual total do país afetado. Não surpreendentemente, tais eventos podem paralisar os países afetados e promover tumultos políticos e sociais generalizados.

Em essência, os desastres têm três tipos de impactos econômicos:

  • impactos diretos no patrimônio da população afetada
  • impactos indiretos causados ​​pela perda de produção e serviços econômicos
  • impactos secundários que se tornam aparentes após o desastre – como redução da renda nacional, aumento da inflação, problemas de comércio exterior, aumento das despesas financeiras, déficit fiscal resultante, diminuição das reservas monetárias e assim por diante (Jovel 1991).

 

A Tabela 2 mostra as perdas estimadas causadas por seis grandes desastres naturais. Embora essas perdas possam não parecer particularmente devastadoras para os países desenvolvidos com economias fortes, elas podem ter um impacto sério e duradouro nas economias fracas e vulneráveis ​​dos países em desenvolvimento (PAHO 1989).

Tabela 2. Perdas devido a seis desastres naturais

Desastre

Localização

Ano(s)

Perdas totais
(Milhões de US $)

terremoto

México

1985

4,337

terremoto

El Salvador

1986

937

terremoto

Equador

1987

1,001

Erupção vulcânica (Nevado del Ruiz)

Localização: Colômbia

1985

224

Inundações, secas (“El Niño”)

Peru, Equador, Bolívia

1982-83

3,970

Furacão (Joana)

Nicarágua

1988

870

Fonte: OPAS 1989; CEPAL.

A infraestrutura de saúde

Em qualquer grande emergência relacionada a desastres, a primeira prioridade é salvar vidas e fornecer atendimento de emergência imediato aos feridos. Entre os serviços médicos de emergência mobilizados para esses fins, os hospitais desempenham um papel fundamental. Com efeito, em países com um sistema padronizado de resposta a emergências (onde o conceito de “serviços médicos de emergência” engloba a prestação de cuidados de emergência através da coordenação de subsistemas independentes envolvendo paramédicos, bombeiros e equipas de salvamento) os hospitais constituem a principal componente desse sistema (OPAS 1989).

Hospitais e outros estabelecimentos de saúde estão densamente ocupados. Eles abrigam pacientes, funcionários e visitantes e funcionam 24 horas por dia. Os pacientes podem estar cercados por equipamentos especiais ou conectados a sistemas de suporte à vida dependentes de fontes de alimentação. De acordo com os documentos do projeto disponíveis no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) (comunicação pessoal, Tomas Engler, BID), o custo estimado de um leito hospitalar em um hospital especializado varia de país para país, mas a média vai de US$ 60,000 a US$ 80,000 e é maior para instalações altamente especializadas.

Nos Estados Unidos, particularmente na Califórnia, com sua vasta experiência em engenharia antissísmica, o custo de um leito hospitalar pode ultrapassar US$ 110,000. Em suma, os hospitais modernos são instalações altamente complexas que combinam as funções de hotéis, escritórios, laboratórios e armazéns (Peisert et al. 1984; FEMA 1990).

Esses estabelecimentos de saúde são altamente vulneráveis ​​a furacões e terremotos. Isso foi amplamente demonstrado pela experiência passada na América Latina e no Caribe. Por exemplo, como mostra a tabela 3, apenas três desastres da década de 1980 danificaram 39 hospitais e destruíram cerca de 11,332 leitos hospitalares em El Salvador, Jamaica e México. Além dos danos a essas plantas físicas em momentos críticos, a perda de vidas humanas (incluindo a morte de profissionais locais altamente qualificados e com futuro promissor) precisa ser considerada (ver tabela 4 e tabela 5).

Tabela 3. Número de hospitais e leitos hospitalares danificados ou destruídos por três grandes desastres naturais

Tipo de desastre

Nº de hospitais
danificado ou destruído

Nº de leitos perdidos

Terremoto, México (Distrito Federal, setembro de 1985)

13

4,387

Terremoto, El Salvador (San Salvador, outubro de 1986)

4

1,860

Furacão Gilbert (Jamaica, setembro de 1988)

23

5,085

Total

40

11,332

Fonte: OPAS 1989; OFDA(USAID) 1989; CEPAL.

Tabela 4. Vítimas em dois hospitais desabados pelo terremoto de 1985 no México

 

Hospitais em colapso

 

Hospital Geral

hospital juarez

 

Sessão

%

Sessão

%

Fatalities

295

62.6

561

75.8

Resgatado

129

27.4

179

24.2

Desaparecido

47

10.0

-

-

Total

471

100.0

740

100.0

Fonte: OPAS 1987.

Tabela 5. Camas hospitalares perdidas em decorrência do terremoto chileno de março de 1985

Região

Nº de hospitais existentes

Nº de camas

Leitos perdidos na região

     

Não.

%

Área metropolitana
(Santiago)

26

11,464

2,373

20.7

Região 5 (Viña del Mar, Valparaíso,
Santo António)

23

4,573

622

13.6

Região 6 (Rancágua)

15

1,413

212

15.0

Região 7 (Ralca, Meula)

15

2,286

64

2.8

Total

79

19,736

3,271

16.6

Fonte: Wyllie e Durkin 1986.

Atualmente, a capacidade de muitos hospitais latino-americanos sobreviverem a desastres causados ​​por terremotos é incerta. Muitos desses hospitais estão abrigados em estruturas antigas, algumas datadas da época colonial espanhola; e enquanto muitos outros ocupam edifícios contemporâneos de design arquitetônico atraente, a aplicação frouxa dos códigos de construção torna questionável sua capacidade de resistir a terremotos.

Fatores de risco em terremotos

Dos vários tipos de desastres naturais repentinos, os terremotos são de longe os mais prejudiciais aos hospitais. Claro, cada terremoto tem suas próprias características relacionadas ao seu epicentro, tipo de onda sísmica, natureza geológica do solo por onde as ondas passam e assim por diante. No entanto, estudos revelaram alguns fatores comuns que tendem a causar mortes e lesões e outros que tendem a evitá-los. Esses fatores incluem características estruturais relacionadas à falha do edifício, vários fatores relacionados ao comportamento humano e certas características de equipamentos não estruturais, móveis e outros itens dentro dos edifícios.

Nos últimos anos, estudiosos e planejadores têm dado atenção especial à identificação dos fatores de risco que afetam os hospitais, na esperança de formular melhores recomendações e normas para reger a construção e organização de hospitais em zonas de alta vulnerabilidade. Uma breve lista de fatores de risco relevantes é apresentada na tabela 6. Observou-se que esses fatores de risco, particularmente aqueles relacionados aos aspectos estruturais, influenciaram os padrões de destruição durante um terremoto de dezembro de 1988 na Armênia que matou cerca de 25,000 pessoas, afetou 1,100,000 e destruiu ou danificou severamente 377 escolas, 560 unidades de saúde e 324 centros comunitários e culturais (USAID 1989).


Tabela 6. Fatores de risco associados a danos causados ​​por terremotos à infraestrutura hospitalar

 Estrutural

 Não estrutural

 Comportamental

 Design

 Equipamento médico

 Informação pública

 Qualidade de construção    

 Equipamento de laboratório

 Motivação

 

 Equipamento de escritório

 Planos

 Materiais

 Armários, prateleiras

 Programas educacionais      

 Condições do solo

 Fogões, geladeiras, aquecedores    

 Treinamento da equipe de saúde

 características sísmicas

 Máquinas de raios X

 

 hora do evento

 materiais reativos

 

 Densidade populacional

 

 


Danos em escala semelhante ocorreram em junho de 1990, quando um terremoto no Irã matou cerca de 40,000 pessoas, feriu outras 60,000, deixou 500,000 desabrigados e derrubou 60 a 90% dos edifícios nas zonas afetadas (UNDRO 1990).

Para lidar com essas e outras calamidades, um seminário internacional foi realizado em Lima, Peru, em 1989, sobre planejamento, projeto, reparo e gerenciamento de hospitais em áreas propensas a terremotos. O seminário, patrocinado pela OPAS, pela Universidade Nacional de Engenharia do Peru e pelo Centro Peruano-Japonês de Pesquisas Sísmicas (CISMID), reuniu arquitetos, engenheiros e administradores hospitalares para estudar questões relacionadas aos estabelecimentos de saúde localizados nessas áreas. O seminário aprovou um núcleo de recomendações e compromissos técnicos dirigidos à realização de análises de vulnerabilidade das infraestruturas hospitalares, melhorando o desenho de novas instalações e estabelecendo medidas de segurança para hospitais existentes, com destaque para aqueles localizados em áreas de alto risco sísmico (CISMID 1989).

Recomendações sobre preparação hospitalar

Como sugere o anterior, a preparação hospitalar para desastres constitui um componente importante do Escritório de Preparação para Emergências e Assistência em Casos de Desastres da OPAS. Nos últimos dez anos, os países membros foram incentivados a realizar atividades voltadas para esse fim, incluindo o seguinte:

  • classificando os hospitais de acordo com seus fatores de risco e vulnerabilidades
  • desenvolvimento de planos de resposta interna e externa do hospital e treinamento de pessoal
  • desenvolver planos de contingência e estabelecer medidas de segurança para os quadros profissionais e técnicos hospitalares
  • fortalecer os sistemas de backup de linha de vida que ajudam os hospitais a funcionar durante situações de emergência.

 

De forma mais ampla, um dos principais objetivos da atual Década Internacional para a Redução de Desastres Naturais (IDNDR) é atrair, motivar e comprometer as autoridades nacionais de saúde e os formuladores de políticas em todo o mundo, incentivando-os a fortalecer os serviços de saúde direcionados ao enfrentamento de desastres e para reduzir a vulnerabilidade desses serviços no mundo em desenvolvimento.

Questões Relativas a Acidentes Tecnológicos

Durante as últimas duas décadas, os países em desenvolvimento entraram em intensa competição para alcançar o desenvolvimento industrial. As principais razões para esta competição são as seguintes:

  • atrair investimentos de capital e gerar empregos
  • atender a demanda interna por produtos com menor custo e aliviar a dependência do mercado internacional
  • para competir com os mercados internacionais e sub-regionais
  • estabelecer as bases para o desenvolvimento.

 

Infelizmente, os esforços desenvolvidos nem sempre resultaram na obtenção dos objetivos pretendidos. Com efeito, a flexibilidade na atração de investimentos de capital, a falta de regulamentação sólida em matéria de segurança industrial e proteção ambiental, a negligência na operação de plantas industriais, o uso de tecnologia obsoleta e outros aspectos têm contribuído para aumentar o risco de acidentes tecnológicos em determinadas áreas .

Além disso, a falta de regulamentação quanto ao estabelecimento de assentamentos humanos próximos ou ao redor de plantas industriais é um fator de risco adicional. Nas grandes cidades latino-americanas é comum ver assentamentos humanos praticamente circundando complexos industriais, e os habitantes desses assentamentos desconhecem os riscos potenciais (Zeballos 1993a).

Para evitar acidentes como os ocorridos em Guadalajara (México) em 1992, são sugeridas as seguintes diretrizes para a instalação de indústrias químicas, para proteger os trabalhadores industriais e a população em geral:

  • seleção de tecnologia apropriada e estudo de alternativas
  • localização adequada de plantas industriais
  • regularização de assentamentos humanos no entorno de plantas industriais
  • considerações de segurança para transferência de tecnologia
  • inspeção de rotina de plantas industriais pelas autoridades locais
  • perícia fornecida por agências especializadas
  • papel dos trabalhadores no cumprimento das regras de segurança
  • legislação rígida
  • classificação de materiais tóxicos e supervisão rigorosa de seu uso
  • educação pública e treinamento de trabalhadores
  • estabelecimento de mecanismos de resposta em caso de emergência
  • capacitação de trabalhadores da saúde em planos de emergência para acidentes tecnológicos.

 

Voltar

Leia 8821 vezes Última modificação em quinta-feira, 13 de outubro de 2011 20:55

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Desastres, Referências Naturais e Tecnológicas

Associação Americana de Psiquiatria (APA). 1994. DSM-IV Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Washington, DC: APA.

 

Andersson, N, M Kerr Muir, MK Ajwani, S Mahashabde, A Salmon e K Vaidyanathan. 1986. Olhos lacrimejantes persistentes entre os sobreviventes de Bhopal. Lancet 2:1152.

 

Baker, EL, M Zack, JW Miles, L Alderman, M Warren, RD Dobbin, S Miller e WR Teeters. 1978. Envenenamento epidêmico por malathion no Paquistão trabalhando com malária. Lancet 1:31-34.

 

Baum, A, L Cohen e M Hall. 1993. Controle e memórias intrusivas como possíveis determinantes do estresse crônico. Psychosom Med 55:274-286.

 

Bertazzi, PA. 1989. Desastres industriais e epidemiologia. Uma revisão de experiências recentes. Scand J Work Environ Health 15:85-100.

 

—. 1991. Efeitos de longo prazo de desastres químicos. Lições e resultados de Seveso. Sci Total Environ 106:5-20.

 

Bromet, EJ, DK Parkinson, HC Schulberg, LO Dunn e PC Condek. 1982. Saúde mental dos residentes próximos ao reator de Three Mile Island: Um estudo comparativo de grupos selecionados. J Prev Psychiat 1(3):225-276.

 

Bruk, GY, NG Kaduka e VI Parkhomenko. 1989. Contaminação do ar por radionuclídeos como resultado do acidente na usina de Chernobyl e sua contribuição para a irradiação interna da população (em russo). Materiais do Primeiro Congresso Radiológico All-Union, 21-27 de agosto, Moscou. Resumos (em russo). Puschkino, 1989, vol. II:414-416.

 

Bruzzi, P. 1983. Impacto na saúde da liberação acidental de TCDD em Seveso. Em Exposição Acidental a Dioxinas. Human Health Aspects, editado por F Coulston e F Pocchiari. Nova York: Academic Press.

 

Cardis, E, ES Gilbert e L Carpenter. 1995. Efeitos de baixas doses e baixas taxas de dose de radiação ionizante externa: Mortalidade por câncer entre trabalhadores da indústria nuclear em três países. Rad Res 142:117-132.

 

Centros de Controle de Doenças (CDC). 1989. As Consequências dos Desastres para a Saúde Pública. Atlanta: CDC.

 

Centro Peruano-Japonês de Investigaciones Sismicas y Mitigacióm de Desastres. Universidade Nacional de Engenharia (CISMID). 1989. Seminário Internacional De Planeamiento Diseño,

 

Reparación Y Adminstración De Hospitales En Zonas Sísmicas: Conclusão e Recomendações. Lima: CISMID/Univ Nacional de Ingeniería.

 

Chagnon, SAJR, RJ Schicht e RJ Semorin. 1983. Um Plano de Pesquisa sobre Enchentes e sua Mitigação nos Estados Unidos. Champaign, Illinois: Levantamento de água do estado de Illinois.

 

Chen, PS, ML Luo, CK Wong e CJ Chen. 1984. Bifenilos policlorados, dibenzofuranos e quaterfenilos em óleo de farelo de arroz tóxico e PCBs no sangue de pacientes com envenenamento por PCB em Taiwan. Am J Ind Med 5:133-145.

 

Coburn, A e R Spence. 1992. Proteção contra terremotos. Chichester: Wiley.

 

Conselho das Comunidades Europeias (CEC). 1982. Diretiva do Conselho de 24 de junho sobre os riscos de acidentes graves em certas atividades industriais (82/501/EEC). Off J Eur Comunidades L230:1-17.

 

—. 1987. Diretiva do Conselho de 19 de março que altera a Diretiva 82/501/EEC sobre os riscos de acidentes graves em certas atividades industriais (87/216/EEC). Off J Eur Comunidades L85:36-39.

 

Das, JJ. 1985a. Rescaldo da tragédia de Bhopal. J Indian Med Assoc 83:361-362.

 

—. 1985b. A tragédia de Bhopal. J Indian Med Assoc 83:72-75.

 

Orvalho, MA e EJ Bromet. 1993. Preditores de padrões temporais de sofrimento psiquiátrico durante dez anos após o acidente nuclear em Three Mile Island. Social Psychiatric Epidemiol 28:49-55.

 

Agência Federal de Gerenciamento de Emergências (FEMA). 1990. Considerações sísmicas: Estabelecimentos de cuidados de saúde. Série de Redução de Riscos de Terremoto, No. 35. Washington, DC: FEMA.

 

Frazier, K. 1979. A Face Violenta da Natureza: Fenômenos Severos e Desastres Naturais. Inundações. Nova York: William Morrow & Co.

 

Fundação Freidrich Naumann. 1987. Riscos Industriais no Trabalho Transnacional: Risco, Equidade e Empoderamento. Nova York: Conselho de Relações Internacionais e Públicas.

 

French, J e K Holt. 1989. Inundações: Consequências de Desastres para a Saúde Pública. Monografia dos Centros de Controle de Doenças. Atlanta: CDC.

 

French, J, R Ing, S Von Allman e R Wood. 1983. Mortality from flash floods: A review of National Weather Service reports, 1969-1981. Public Health Rep 6(novembro/dezembro):584-588.

 

Fuller, M. 1991. Incêndios Florestais. Nova York: John Wiley.

 

Gilsanz, V, J Lopez Alverez, S Serrano e J Simon. 1984. Evolução da síndrome do óleo tóxico alimentar devido à ingestão de óleo de colza desnaturado. Arch Int Med 144:254-256.

 

Glass, RI, RB Craven e DJ Bregman. 1980. Lesões do tornado Wichita Falls: Implicações para a prevenção. Science 207:734-738.

 

Grant, C.C. 1993. O incêndio do triângulo provoca indignação e reforma. NFPA J 87(3):72-82.

 

Grant, CC e TJ Klem. 1994. Incêndio em uma fábrica de brinquedos na Tailândia mata 188 trabalhadores. NFPA J 88(1):42-49.

 

Greene, WAJ. 1954. Fatores psicológicos e doença reticuloendotelial: observações preliminares sobre um grupo de homens com linfoma e leucemia. Psychosom Med:16-20.

 

Grisham, JW. 1986. Health Aspects of the Disposal of Waste Chemicals. Nova York: Pergamon Press.

 

Herbert, P e G Taylor. 1979. Tudo o que você sempre quis saber sobre furacões: Parte 1. Weatherwise (abril).

 

Alto, D, JT Blodgett, EJ Croce, EO Horne, JW McKoan e CS Whelan. 1956. Aspectos médicos do desastre do tornado Worcester. New Engl J Med 254:267-271.

 

Holden, C. 1980. Love Canal residentes sob estresse. Science 208:1242-1244.

 

Homberger, E, G Reggiani, J Sambeth e HK Wipf. 1979. O acidente de Seveso: sua natureza, extensão e consequências. Ann Occup Hyg 22:327-370.

 

Hunter, D. 1978. As Doenças das Ocupações. Londres: Hodder & Stoughton.

 

Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). 1988. Princípios básicos de segurança para usinas nucleares INSAG-3. Safety Series, No. 75. Viena: IAEA.

 

—. 1989a. L'accident radiologique de Goiânia. Viena: AIEA.

 

—. 1989b. Um caso de contaminação por Co-60 em grande escala: México 1984. Em Planejamento de Emergência e Preparação para Acidentes Envolvendo Materiais Radioativos Usados ​​em Medicina, Indústria, Pesquisa e Ensino. Viena: AIEA.

 

—. 1990. Recomendações para o Uso Seguro e Regulamentação de Fontes de Radiação na Indústria, Medicina, Pesquisa e Ensino. Safety Series, No. 102. Viena: IAEA.

 

—. 1991. O Projeto Internacional de Chernobyl. Relatório técnico, avaliação das consequências radiológicas e avaliação das medidas de proteção, relatório de um Comitê Consultivo Internacional. Viena: AIEA.

 

—. 1994. Critérios de Intervenção em Emergência Nuclear ou de Radiação. Safety Series, No. 109. Viena: IAEA.

 

Comissão Internacional de Proteção Radiológica (ICRP). 1991. Anais do ICRP. Publicação ICRP No. 60. Oxford: Pergamon Press.

 

Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (IFRCRCS). 1993. O Relatório Mundial de Desastres. Dordrecht: Martinus Nijhoff.

 

Organização Internacional do Trabalho (OIT). 1988. Controle de Riscos Graves. Um Manual Prático. Genebra: OIT.

 

—. 1991. Prevenção de Acidentes Industriais Graves. Genebra: OIT.

 

—. 1993. Convenção de Prevenção de Acidentes Industriais Graves, 1993 (No. 174). Genebra: OIT.

 

Janerich, DT, AD Stark, P Greenwald, WS Bryant, HI Jacobson e J McCusker. 1981. Aumento da leucemia, linfoma e aborto espontâneo no oeste de Nova York após um desastre. Publ Health Rep 96:350-356.

 

Jeyaratnam, J. 1985. 1984 e saúde ocupacional em países em desenvolvimento. Scand J Work Environ Health 11:229-234.

 

JOVEL, JR. 1991. Los efectos economics y sociales de los desastres naturais en América Latina y el Caribe. Santiago, Chile: Documento apresentado no Primeiro Programa Regional de Capacitação em Gestão de Desastres do PNUD/UNDRO em Bogotá, Colômbia.

 

Kilbourne, EM, JG Rigau-Perez, J Heath CW, MM Zack, H Falk, M Martin-Marcos e A De Carlos. 1983. Epidemiologia clínica da síndrome do óleo tóxico. New Engl J Med 83:1408-1414.

 

Clem, TJ. 1992. 25 morrem em incêndio em fábrica de alimentos. NFPA J 86(1):29-35.

 

Klem, TJ e CC Grant. 1993. Três trabalhadores morrem em incêndio em usina elétrica. NFPA J 87(2):44-47.

 

Krasnyuk, EP, VI Chernyuk e VA Stezhka. 1993. Condições de trabalho e estado de saúde de operadores de máquinas agrícolas em áreas controladas pelo acidente de Chernobyl (em russo). Em resumos Chernobyl and Human Health Conference, 20-22 de abril.

 

Krishna Murti, CR. 1987. Prevenção e controle de acidentes químicos: Problemas dos países em desenvolvimento. In Istituto Superiore Sanita', Organização Mundial da Saúde, Programa Internacional de Segurança Química. Edimburgo: CEP Consultants.

 

Lanceta. 1983. Síndrome do óleo tóxico. 1:1257-1258.

 

LECHAT, MF. 1990. A epidemiologia dos efeitos dos desastres na saúde. Epidemiologia Rev 12:192.

 

Logue, JN. 1972. Efeitos de longo prazo de um grande desastre natural: a inundação do furacão Agnes no Vale Wyoming da Pensilvânia, junho de 1972. Ph.D. Dissertação, Columbia Univ. Escola de Saúde Pública.

 

Logue, JN e HA Hansen. 1980. Um estudo de caso-controle de mulheres hipertensas em uma comunidade pós-desastre: Wyoming Valley, Pensilvânia. J Hum Stress 2:28-34.

 

Logue, JN, ME Melick e H Hansen. 1981. Questões de pesquisa e direções na epidemiologia dos efeitos dos desastres na saúde. Epidemiologia Rev 3:140.

 

Loshchilov, NA, VA Kashparov, YB Yudin, VP Proshchak e VI Yushchenko. 1993. Ingestão de radionuclídeos durante trabalhos agrícolas nas áreas contaminadas por radionuclídeos devido ao acidente de Chernobyl (em russo). Gigiena i sanitarija (Moscou) 7:115-117.

 

Mandlebaum, I, D Nahrwold e DW Boyer. 1966. Gerenciamento de vítimas de tornados. J Trauma 6:353-361.

 

Marrero, J. 1979. Perigo: inundações repentinas — a principal causa de morte nos anos 70. Meteorologia (fevereiro): 34-37.

 

Masuda, Y e H Yoshimura. 1984. Bifenilos policlorados e dibenzofuranos em pacientes com Yusho e seu significado toxicológico: Uma revisão. Am J Ind Med 5:31-44.

 

MELICK, MF. 1976. Aspectos sociais, psicológicos e médicos de doenças relacionadas ao estresse no período de recuperação de um desastre natural. Dissertação, Albany, State Univ. de Nova York.

 

Mogil, M, J Monro e H Groper. 1978. Programas de alerta de enchentes e preparação para desastres do NWS. B Am Meteorol Soc: 59-66.

 

Morrison, AS. 1985. Triagem em Doenças Crônicas. Oxford: OUP.

 

Associação Nacional de Proteção Contra Incêndios (NFPA). 1993. Código Nacional de Alarme de Incêndio. NFPA No. 72. Quincy, Mass: NFPA.

 

—. 1994. Norma para a instalação de sistemas de sprinklers. NFPA No. 13. Quincy, Mass: NFPA.

 

—. 1994. Código de Segurança da Vida. NFPA No. 101. Quincy, Mass: NFPA.

 

—. 1995. Norma para Inspeção, Teste e Manutenção de Sistemas de Proteção contra Incêndio à Base de Água. NFPA No. 25. Quincy, Mass: NFPA.

 

Nenot, JC. 1993. Les surexpositions acidentalelles. CEA, Institut de Protection et de Sûreté Nucléaire. Relatório DPHD/93-04.a, 1993, 3-11.

 

Agência de Energia Nuclear. 1987. O Impacto Radiológico do Acidente de Chernobyl nos Países da OCDE. Paris: Agência de Energia Nuclear.

 

Otake, M e WJ Schull. 1992. Tamanhos de cabeça pequenos relacionados à radiação entre sobreviventes de bombas atômicas expostos no período pré-natal. Série de relatórios técnicos, RERF 6-92.

 

Otake, M, WJ Schull e H Yoshimura. 1989. Uma Revisão dos Danos Relacionados à Radiação nos Sobreviventes da Bomba Atômica Expostos Pré-Natalmente. Série de Revisão de Comentários, RERF CR 4-89.

 

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). 1989. Análise do Programa de Preparação para Emergências e Assistência em Casos de Desastres da OPAS. Documento do Comitê Executivo SPP12/7. Washington, DC: OPAS.

 

—. 1987. Crónicas de desastre: terremoto no México. Washington, DC: OPAS.

 

Parrish, RG, H Falk e JM Melius. 1987. Desastres industriais: Classificação, investigação e prevenção. Em Recent Advances in Occupational Health, editado por JM Harrington. Edimburgo: Churchill Livingstone.

 

Peisert, M comp, RE Cross e LM Riggs. 1984. O Papel do Hospital nos Sistemas de Serviços Médicos de Emergência. Chicago: American Hospital Publishing.

 

Pesatori, AC. 1995. Contaminação por dioxina em Seveso: A tragédia social e o desafio científico. Med Lavoro 86:111-124.

 

Peter, RU, O Braun-Falco e A Birioukov. 1994. Danos cutâneos crônicos após exposição acidental à radiação ionizante: a experiência de Chernobyl. J Am Acad Dermatol 30:719-723.

 

Pocchiari, F, A DiDomenico, V Silano e G Zapponi. 1983. Impacto ambiental da liberação acidental de tetraclorodibenzo-p-dioxina (TCDD) em Seveso. Em Exposição Acidental a Dioxinas: Aspectos da Saúde Humana, editado por F Coulston e F Pocchiari. Nova York: Academic Press.

 

—. 1986. O acidente de Seveso e suas consequências. In Segurando e gerenciando riscos perigosos: de Seveso a Bhopal e além, editado por PR Kleindorfer e HC Kunreuther. Berlim: Springer-Verlag.

 

Rodrigues de Oliveira, A. 1987. Un répertoire descidents radiologiques 1945-1985. Radioproteção 22(2):89-135.

 

Sainani, GS, VR Joshi, PJ Mehta e P Abraham. 1985. Tragédia de Bhopal - Um ano depois. J Assoc Phys India 33:755-756.

 

Salzmann, JJ. 1987. “Schweizerhalle” e suas consequências. Edimburgo: CEP Consultants.

 

Costa, RE. 1992. Questões e evidências epidemiológicas relacionadas ao câncer de tireoide induzido por radiação. Rad Res 131:98-111.

 

Spurzem, JR e JE Lockey. 1984. Síndrome do óleo tóxico. Arch Int Med 144:249-250.

 

Stsjazhko, VA, AF Tsyb, ND Tronko, G Souchkevitch e KF Baverstock. 1995. Câncer de tireoide infantil desde os acidentes em Chernobyl. Brit Med J 310:801.

 

Tachacra, SS. 1987. O desastre de Bhopal. Edimburgo: CEP Consultants.

 

Thierry, D, P Gourmelon, C Parmentier e JC Nenot. 1995. Fatores de crescimento hematopoiéticos no tratamento de aplasia induzida por irradiação terapêutica e acidental. Int J Rad Biol (no prelo).

 

Compreendendo Ciência e Natureza: Tempo e Clima. 1992. Alexandria, Virgínia: Time-Life.

 

Escritório do Coordenador de Alívio em Desastres das Nações Unidas (UNDRO). 1990. Terremoto no Irã. UNDRO News 4 (setembro).

 

Comitê Científico das Nações Unidas sobre os Efeitos da Radiação Atômica (UNSCEAR). 1988. Fontes, Efeitos e Riscos da Radiação Ionizante. Nova York: UNSCEAR.

 

—. 1993. Fontes e Efeitos da Radiação Ionizante. Nova York: UNSCEAR.

 

—. 1994. Fontes e Efeitos da Radiação Ionizante. Nova York: UNSCEAR.

 

Ursano, RJ, BG McCaughey e CS Fullerton. 1994. Respostas Individuais e Comunitárias a Traumas e Desastres: A Estrutura do Caos Humano. Cambridge: Universidade de Cambridge. Imprensa.

 

Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID). 1989. União Soviética: Terremoto. Relatório Anual OFDA/AID, FY1989. Arlington, Virgínia: USAID.

 

Walker, P. 1995. Relatório Mundial de Desastres. Genebra: Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho.

 

Wall Street J. 1993 Incêndio na Tailândia mostra que a região reduz a segurança para aumentar os lucros, 13 de maio.

 

Weiss, B e TW Clarkson. 1986. Desastre químico tóxico e a implicação de Bhopal para transferência de tecnologia. Milbank Q 64:216.

 

Whitlow, J. 1979. Desastres: A Anatomia dos Riscos Ambientais. Atenas, Geórgia: Univ. da Georgia Press.

 

Williams, D, A Pinchera, A Karaoglou e KH Chadwick. 1993. Câncer de tireóide em crianças que vivem perto de Chernobyl. Relatório do painel de especialistas sobre as consequências do acidente de Chernobyl, EUR 15248 EN. Bruxelas: Comissão das Comunidades Europeias (CEC).

 

Organização Mundial da Saúde (OMS). 1984. Síndrome do óleo tóxico. Intoxicação Alimentar em Massa na Espanha. Copenhague: Escritório Regional da OMS para a Europa.

 

Wyllie, L e M Durkin. 1986. O terremoto do Chile em 3 de março de 1985: vítimas e efeitos no sistema de saúde. Especificação do terremoto 2(2):489-495.

 

Zeballos, JL. 1993a. Los desastres quimicos, capacidade de respuesta de los paises en vias de desarrollo. Washington, DC: Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

 

—. 1993b. Efeitos de desastres naturais na infraestrutura de saúde: lições de uma perspectiva médica. Bull Pan Am Health Organ 27: 389-396.

 

Zerbib, JC. 1993. Les acidentes radiológicos survenus lors d'usages industriels de sources radioactives ou de générateurs électirques de rayonnement. Em Sécurité des sources radioactives scellées et des générateurs électriques de rayonnement. Paris: Société française de radioprotection.