Terça-feira, 15 Março 2011 14: 45

Campos elétricos e magnéticos e resultados de saúde

Classifique este artigo
(Voto 1)

Nos últimos anos, o interesse aumentou nos efeitos biológicos e possíveis resultados para a saúde de campos elétricos e magnéticos fracos. Estudos têm sido apresentados sobre campos magnéticos e câncer, reprodução e reações neurocomportamentais. A seguir, é apresentado um resumo do que sabemos, o que ainda precisa ser investigado e, principalmente, qual política é apropriada – se deve envolver nenhuma restrição de exposição, “evitar prudentemente” ou intervenções caras.

O que nós sabemos

Câncer

Estudos epidemiológicos sobre leucemia infantil e exposição residencial de linhas de energia parecem indicar um leve aumento de risco, e leucemia excessiva e riscos de tumor cerebral foram relatados em ocupações “elétricas”. Estudos recentes com técnicas aprimoradas para avaliação da exposição geralmente fortaleceram a evidência de uma associação. Porém, ainda há falta de clareza quanto às características da exposição – por exemplo, frequência do campo magnético e intermitência da exposição; e não se sabe muito sobre possíveis fatores de confusão ou modificadores de efeito. Além disso, a maioria dos estudos ocupacionais indicou uma forma especial de leucemia, a leucemia mielóide aguda, enquanto outros encontraram incidências mais altas para outra forma, a leucemia linfática crônica. Os poucos estudos de câncer animal relatados não ajudaram muito na avaliação de risco e, apesar de um grande número de estudos experimentais com células, nenhum mecanismo plausível e compreensível foi apresentado pelo qual um efeito carcinogênico poderia ser explicado.

Reprodução, com referência especial aos resultados da gravidez

Em estudos epidemiológicos, resultados adversos da gravidez e câncer infantil foram relatados após exposição materna e paterna a campos magnéticos, a exposição paterna indicando um efeito genotóxico. Os esforços para replicar os resultados positivos de outras equipes de pesquisa não foram bem-sucedidos. Estudos epidemiológicos em operadores de unidades de exibição visual (VDU), que são expostos a campos elétricos e magnéticos emitidos por suas telas, têm sido principalmente negativos, e estudos teratogênicos em animais com campos semelhantes a VDU têm sido muito contraditórios para apoiar conclusões confiáveis.

Reações neurocomportamentais

Estudos de provocação em voluntários jovens parecem indicar mudanças fisiológicas como desaceleração da frequência cardíaca e alterações no eletroencefalograma (EEG) após exposição a campos elétricos e magnéticos relativamente fracos. O fenômeno recente de hipersensibilidade à eletricidade parece ser de origem multifatorial, e não está claro se os campos estão envolvidos ou não. Uma grande variedade de sintomas e desconfortos tem sido relatada, principalmente na pele e no sistema nervoso. A maioria dos pacientes apresenta queixas cutâneas difusas na face, como rubor, rubor, vermelhidão, calor, sensação de formigamento, dor e aperto. Também são descritos sintomas associados ao sistema nervoso, como dor de cabeça, tontura, fadiga e desmaio, sensações de formigamento e picadas nas extremidades, falta de ar, palpitações cardíacas, sudorese profusa, depressões e dificuldades de memória. Nenhum sintoma de doença neurológica orgânica característica foi apresentado.

Exposição

A exposição aos campos ocorre em toda a sociedade: em casa, no trabalho, nas escolas e na operação de meios de transporte elétricos. Onde quer que haja fios elétricos, motores elétricos e equipamentos eletrônicos, campos elétricos e magnéticos são criados. Forças médias de campo de trabalho de 0.2 a 0.4 μT (microtesla) parecem ser o nível acima do qual pode haver um risco aumentado, e níveis semelhantes foram calculados para médias anuais para indivíduos que vivem sob ou perto de linhas de energia.

Muitas pessoas estão igualmente expostas acima desses níveis, embora por períodos mais curtos, em suas casas (através de radiadores elétricos, barbeadores, secadores de cabelo e outros eletrodomésticos, ou correntes parasitas devido a desequilíbrios no sistema elétrico de aterramento de um edifício), no trabalho (em certas indústrias e escritórios que envolvam a proximidade de equipamentos elétricos e eletrônicos) ou ao viajar em trens e outros meios de transporte movidos a eletricidade. A importância dessa exposição intermitente não é conhecida. Existem outras incertezas quanto à exposição (envolvendo questões relativas à importância da frequência de campo, a outros fatores modificadores ou de confusão, ou ao conhecimento da exposição total diurna e noturna) e efeito (dada a consistência dos achados quanto ao tipo de câncer) , e nos estudos epidemiológicos, que obrigam a avaliar com muita cautela todas as avaliações de risco.

Avaliações de risco

Em estudos residenciais escandinavos, os resultados indicam um risco dobrado de leucemia acima de 0.2 μT, os níveis de exposição correspondentes aos normalmente encontrados dentro de 50 a 100 metros de uma linha de energia aérea. No entanto, o número de casos de leucemia infantil sob linhas de energia é pequeno e, portanto, o risco é baixo em comparação com outros riscos ambientais na sociedade. Foi calculado que a cada ano na Suécia há dois casos de leucemia infantil sob ou perto de linhas de energia. Um desses casos pode ser atribuído ao risco de campo magnético, se houver.

As exposições ocupacionais a campos magnéticos são geralmente mais altas do que as exposições residenciais, e os cálculos de riscos de leucemia e tumor cerebral para trabalhadores expostos fornecem valores mais altos do que para crianças que vivem perto de linhas de energia. A partir de cálculos baseados no risco atribuível descoberto em um estudo sueco, aproximadamente 20 casos de leucemia e 20 casos de tumores cerebrais podem ser atribuídos a campos magnéticos a cada ano. Esses números devem ser comparados com o número total de 40,000 casos anuais de câncer na Suécia, dos quais 800 foram calculados como tendo origem ocupacional.

O que ainda precisa ser investigado

É bastante claro que mais pesquisas são necessárias para garantir uma compreensão satisfatória dos resultados dos estudos epidemiológicos obtidos até agora. Existem estudos epidemiológicos adicionais em andamento em diferentes países ao redor do mundo, mas a questão é se eles acrescentarão mais ao conhecimento que já temos. Na verdade, não se sabe quais características dos campos são causais dos efeitos, se houver. Assim, definitivamente precisamos de mais estudos sobre possíveis mecanismos para explicar as descobertas que reunimos.

Há na literatura, no entanto, um grande número de in vitro estudos dedicados à busca de possíveis mecanismos. Vários modelos de promoção do câncer têm sido apresentados, baseados em alterações na superfície celular e no transporte de íons cálcio na membrana celular, interrupção da comunicação celular, modulação do crescimento celular, ativação de sequências de genes específicos pela transcrição modulada do ácido ribonucleico (RNA), depressão da produção de melatonina pineal, modulação da atividade da ornitina descarboxilase e possível interrupção dos mecanismos de controle antitumoral do sistema imunológico e hormonal. Cada um desses mecanismos tem características aplicáveis ​​para explicar os efeitos do câncer de campo magnético relatados; no entanto, nenhum esteve isento de problemas e objeções essenciais.

Melatonina e magnetita

Existem dois mecanismos possíveis que podem ser relevantes para a promoção do câncer e, portanto, merecem atenção especial. Uma delas tem a ver com a redução dos níveis noturnos de melatonina induzida por campos magnéticos e a outra está relacionada com a descoberta de cristais de magnetita em tecidos humanos.

Sabe-se de estudos em animais que a melatonina, por meio de um efeito nos níveis circulantes de hormônios sexuais, tem um efeito oncostático indireto. Também foi indicado em estudos com animais que campos magnéticos suprimem a produção de melatonina pineal, uma descoberta que sugere um mecanismo teórico para o aumento relatado (por exemplo) de câncer de mama que pode ser devido à exposição a tais campos. Recentemente, uma explicação alternativa para o aumento do risco de câncer foi proposta. Verificou-se que a melatonina é o eliminador de radicais hidroxila mais potente e, consequentemente, o dano ao DNA que pode ser causado pelos radicais livres é marcadamente inibido pela melatonina. Se os níveis de melatonina forem suprimidos, por exemplo, por campos magnéticos, o DNA fica mais vulnerável ao ataque oxidativo. Esta teoria explica como a depressão da melatonina por campos magnéticos pode resultar em uma maior incidência de câncer em qualquer tecido.

Mas os níveis sanguíneos de melatonina humana diminuem quando os indivíduos são expostos a campos magnéticos fracos? Existem algumas indicações de que isso pode ser assim, mas mais pesquisas são necessárias. Há alguns anos sabe-se que a capacidade das aves de se orientar durante as migrações sazonais é mediada por cristais de magnetita em células que respondem ao campo magnético da Terra. Agora, como mencionado acima, também foi demonstrado que cristais de magnetita existem em células humanas em uma concentração alta o suficiente teoricamente para responder a campos magnéticos fracos. Assim, o papel dos cristais de magnetita deve ser considerado em qualquer discussão sobre os possíveis mecanismos que podem ser propostos quanto aos efeitos potencialmente nocivos dos campos elétricos e magnéticos.

A necessidade de conhecimento sobre os mecanismos

Para resumir, há uma clara necessidade de mais estudos sobre esses possíveis mecanismos. Os epidemiologistas precisam de informações sobre quais características dos campos elétricos e magnéticos devem focar em suas avaliações de exposição. Na maioria dos estudos epidemiológicos, foram usadas intensidades de campo médias ou medianas (com frequências de 50 a 60 Hz); em outros, foram estudadas medidas cumulativas de exposição. Em um estudo recente, descobriu-se que os campos de frequências mais altas estão relacionados ao risco. Em alguns estudos com animais, finalmente, os transientes de campo foram considerados importantes. Para os epidemiologistas, o problema não está no lado do efeito; existem registros de doenças em muitos países atualmente. O problema é que os epidemiologistas não conhecem as características de exposição relevantes a serem consideradas em seus estudos.

Qual política é apropriada

Sistemas de proteção

Geralmente, existem diferentes sistemas de proteção a serem considerados com relação a regulamentos, diretrizes e políticas. Na maioria das vezes, o sistema baseado na saúde é selecionado, no qual um efeito adverso específico à saúde pode ser identificado em um determinado nível de exposição, independentemente do tipo de exposição, química ou física. Um segundo sistema poderia ser caracterizado como uma otimização de um perigo conhecido e aceito, que não possui limite abaixo do qual o risco está ausente. Um exemplo de exposição que se enquadra nesse tipo de sistema é a radiação ionizante. Um terceiro sistema cobre perigos ou riscos onde as relações causais entre a exposição e o resultado não foram demonstradas com razoável certeza, mas para as quais existem preocupações gerais sobre possíveis riscos. Este último sistema de proteção foi denotado como o princípio da cautela, ou mais recentemente evitação prudente, que pode ser resumido como a futura prevenção de baixo custo de exposição desnecessária na ausência de certeza científica. A exposição a campos elétricos e magnéticos foi discutida dessa maneira, e estratégias sistemáticas foram apresentadas, por exemplo, sobre como futuras linhas de energia devem ser encaminhadas, locais de trabalho organizados e eletrodomésticos projetados para minimizar a exposição.

É evidente que o sistema de otimização não é aplicável em relação a restrições de campos elétricos e magnéticos, simplesmente porque não são conhecidos e aceitos como riscos. Os outros dois sistemas, no entanto, estão atualmente sob consideração.

Regulamentos e diretrizes para restrição de exposição no sistema baseado em saúde

Nas diretrizes internacionais, os limites para restrições de exposição ao campo estão várias ordens de grandeza acima do que pode ser medido em linhas aéreas de energia e encontrado em ocupações elétricas. Associação Internacional de Proteção contra Radiação (IRPA) emitido Diretrizes sobre limites de exposição a campos elétricos e magnéticos de 50/60 Hz em 1990, que foi adotado como base para muitos padrões nacionais. Como novos estudos importantes foram publicados posteriormente, um adendo foi emitido em 1993 pela Comissão Internacional de Proteção contra Radiação Não Ionizante (ICNIRP). Além disso, em 1993, avaliações de risco de acordo com o IRPA também foram feitas no Reino Unido.

Esses documentos enfatizam que o estado atual do conhecimento científico não garante a limitação dos níveis de exposição do público e da força de trabalho ao nível μT, e que mais dados são necessários para confirmar se os riscos à saúde estão ou não presentes. As diretrizes IRPA e ICNIRP são baseadas nos efeitos das correntes induzidas por campo no corpo, correspondendo àquelas normalmente encontradas no corpo (até cerca de 10 mA/m2). Recomenda-se que a exposição ocupacional a campos magnéticos de 50/60 Hz seja limitada a 0.5 mT para exposição durante todo o dia e 5 mT para exposições curtas de até duas horas. Recomenda-se que a exposição a campos elétricos seja limitada a 10 e 30 kV/m. O limite de 24 horas para o público é definido em 5 kV/m e 0.1 mT.

Essas discussões sobre a regulamentação da exposição são baseadas inteiramente em relatórios de câncer. Em estudos de outros possíveis efeitos à saúde relacionados a campos elétricos e magnéticos (por exemplo, distúrbios reprodutivos e neurocomportamentais), os resultados geralmente são considerados insuficientemente claros e consistentes para constituir uma base científica para restringir a exposição.

O princípio da cautela ou evitação prudente

Não há diferença real entre os dois conceitos; a evitação prudente tem sido usada mais especificamente, porém, em discussões de campos elétricos e magnéticos. Como dito acima, a prevenção prudente pode ser resumida como a prevenção futura e de baixo custo da exposição desnecessária, desde que haja incerteza científica sobre os efeitos à saúde. Foi adotado na Suécia, mas não em outros países.

Na Suécia, cinco autoridades governamentais (o Instituto Sueco de Proteção contra Radiação; o Conselho Nacional de Segurança Elétrica; o Conselho Nacional de Saúde e Bem-Estar; o Conselho Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional; e o Conselho Nacional de Habitação, Construção e Planejamento) declararam conjuntamente que “o conhecimento total que agora se acumula justifica tomar medidas para reduzir a potência de campo”. Desde que o custo seja razoável, a política é proteger as pessoas de altas exposições magnéticas de longa duração. Durante a instalação de novos equipamentos ou novas linhas elétricas que possam causar elevadas exposições a campos magnéticos, devem ser escolhidas soluções que proporcionem menores exposições desde que estas soluções não impliquem grandes inconvenientes ou custos. Geralmente, conforme declarado pelo Radiation Protection Institute, medidas podem ser tomadas para reduzir o campo magnético nos casos em que os níveis de exposição excedem os níveis normalmente ocorridos em mais de um fator de dez, desde que essas reduções possam ser feitas a um custo razoável. Em situações em que os níveis de exposição das instalações existentes não excedam os níveis normalmente ocorridos por um fator de dez, a reconstrução dispendiosa deve ser evitada. Desnecessário dizer que o atual conceito de evitação tem sido criticado por muitos especialistas em diferentes países, como por especialistas da indústria de fornecimento de eletricidade.

Conclusões

No presente artigo, foi apresentado um resumo do que sabemos sobre os possíveis efeitos dos campos elétricos e magnéticos sobre a saúde e o que ainda precisa ser investigado. Nenhuma resposta foi dada à questão de qual política deveria ser adotada, mas sistemas opcionais de proteção foram apresentados. A este respeito, parece claro que a base de dados científica disponível é insuficiente para desenvolver limites de exposição ao nível μT, o que significa, por sua vez, que não há razões para intervenções dispendiosas a estes níveis de exposição. Se alguma forma de estratégia de cautela (por exemplo, evitar prudentemente) deve ser adotada ou não, é uma questão de decisão das autoridades de saúde pública e ocupacional de cada país. Se tal estratégia não for adotada, isso geralmente significa que nenhuma restrição de exposição é imposta porque os limites baseados na saúde estão bem acima da exposição diária pública e ocupacional. Portanto, se hoje as opiniões diferem quanto a regulamentos, diretrizes e políticas, há um consenso geral entre os normatizadores de que mais pesquisas são necessárias para obter uma base sólida para ações futuras.

 

Voltar

Leia 5221 vezes Última modificação em terça-feira, 26 de julho de 2022 21:39

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Radiação: Referências não ionizantes

Allen, SG. 1991. Medições de campo de radiofrequência e avaliação de riscos. J Radiol Protect 11:49-62.

Conferência Americana de Higienistas Industriais Governamentais (ACGIH). 1992. Documentação para os Valores Limite Limiares. Cincinnati, Ohio: ACGIH.

—. 1993. Valores Limite para Substâncias Químicas e Agentes Físicos e Índices de Exposição Biológica. Cincinnati, Ohio: ACGIH.

—. 1994a. Relatório Anual do Comitê de Valores Limite de Agentes Físicos da ACGIH. Cincinnati, Ohio: ACGIH.

—. 1994b. TLV's, valores-limite e índices de exposição biológica para 1994-1995. Cincinnati, Ohio: ACGIH.

—. 1995. 1995-1996 Valores Limite para Substâncias Químicas e Agentes Físicos e Índices Biológicos de Exposição. Cincinnati, Ohio: ACGIH.

—. 1996. TLVs© e BEIs©. Valores Limite de Limite para Substâncias Químicas e Agentes Físicos; Índices de Exposição Biológica. Cincinnati, Ohio: ACGIH.

Instituto Nacional de Padrões Americano (ANSI). 1993. Uso Seguro de Lasers. Padrão nº Z-136.1. Nova York: ANSI.

Aniolczyk, R. 1981. Medições de avaliação higiênica de campos eletromagnéticos no ambiente de diatermia, soldadores e aquecedores de indução. Medicina Pracy 32:119-128.

Bassett, CAL, SN Mitchell e SR Gaston. 1982. Tratamento de campo eletromagnético pulsante em fraturas não unidas e artrodeses malsucedidas. J Am Med Assoc 247:623-628.

Bassett, CAL, RJ Pawluk e AA Pilla. 1974. Aumento da reparação óssea por campos eletromagnéticos acoplados indutivamente. Science 184:575-577.

Berger, D, F Urbach e RE Davies. 1968. O espectro de ação do eritema induzido pela radiação ultravioleta. No Relatório Preliminar XIII. Congressus Internationalis Dermatologiae, Munchen, editado por W Jadassohn e CG Schirren. Nova York: Springer-Verlag.

Bernhardt, JH. 1988a. O estabelecimento de limites dependentes da frequência para campos elétricos e magnéticos e avaliação de efeitos indiretos. Rad Envir Biophys 27:1.

Bernhardt, JH e R Matthes. 1992. Fontes eletromagnéticas ELF e RF. Em Non-Ionizing Radiation Protection, editado por MW Greene. Vancôver: UBC Press.

Bini, M, A Checcucci, A Ignesti, L Millanta, R Olmi, N Rubino e R Vanni. 1986. Exposição de trabalhadores a intensos campos elétricos de RF que vazam de selantes plásticos. J Poder do Microondas 21:33-40.

Buhr, E, E Sutter e Conselho de Saúde Holandês. 1989. Filtros dinâmicos para dispositivos de proteção. Em Dosimetry of Laser Radiation in Medicine and Biology, editado por GJ Mueller e DH Sliney. Bellingham, Washington: SPIE.

Bureau de Saúde Radiológica. 1981. Uma Avaliação da Emissão de Radiação de Terminais de Exibição de Vídeo. Rockville, MD: Departamento de Saúde Radiológica.

CLEUET, A e A. Mayer. 1980. Risques liés à l'utilisation industrielle des lasers. In Institut National de Recherche et de Sécurité, Cahiers de Notes Documentaires, No. 99 Paris: Institut National de Recherche et de Sécurité.

Coblentz, WR, R Stair e JM Hogue. 1931. A relação eritêmica espectral da pele com a radiação ultravioleta. Em Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America Washington, DC: National Academy of Sciences.

Cole, CA, DF Forbes e PD Davies. 1986. Um espectro de ação para fotocarcinogênese UV. Photochem Photobiol 43(3):275-284.

Commission Internationale de L'Eclairage (CIE). 1987. Vocabulário Internacional de Iluminação. Viena: CIE.

Cullen, AP, BR Chou, MG Hall e SE Jany. 1984. Ultravioleta-B danifica o endotélio da córnea. Am J Optom Phys Opt 61(7):473-478.

Duchene, A, J Lakey e M Repacholi. 1991. Diretrizes da IRPA sobre proteção contra radiação não ionizante. Nova York: Pergamon.

Elder, JA, PA Czerki, K Stuchly, K Hansson Mild e AR Sheppard. 1989. Radiação de radiofrequência. Em Nonionizing Radiation Protection, editado por MJ Suess e DA Benwell-Morison. Genebra: OMS.

Eriksen, P. 1985. Espectros ópticos resolvidos no tempo da ignição de arco de soldagem MIG. Am Ind Hyg Assoc J 46:101-104.

Everett, MA, RL Olsen e RM Sayer. 1965. Eritema ultravioleta. Arch Dermatol 92:713-719.

Fitzpatrick, TB, MA Pathak, LC Harber, M Seiji e A Kukita. 1974. Sunlight and Man, Normal and Abnormal Photobiologic Responses. Tóquio: Univ. da Tokyo Press.

Forbes, PD e PD Davies. 1982. Fatores que influenciam a fotocarcinogênese. Indivíduo. 7 em Photoimmunology, editado por JAM Parrish, L Kripke e WL Morison. Nova York: Pleno.

Freeman, RS, DW Owens, JM Knox e HT Hudson. 1966. Requisitos relativos de energia para uma resposta eritemal da pele a comprimentos de onda monocromáticos de ultravioleta presentes no espectro solar. J Invest Dermatol 47:586-592.

Grandolfo, M e K Hansson Mild. 1989. Radiofrequência ocupacional e pública mundial e proteção contra micro-ondas. Em Biointeração Eletromagnética. Mecanismos, Normas de Segurança, Guias de Proteção, editado por G Franceschetti, OP Gandhi e M Grandolfo. Nova York: Pleno.

Verde, MW. 1992. Radiação não ionizante. 2º Workshop Internacional de Radiação Não Ionizante, 10-14 de maio, Vancouver.

Ham, WTJ. 1989. A fotopatologia e a natureza da lesão retiniana de luz azul e quase ultravioleta produzida por lasers e outras fontes ópticas. Em Laser Applications in Medicine and Biology, editado por ML Wolbarsht. Nova York: Pleno.

Ham, WT, HA Mueller, JJ Ruffolo, D Guerry III e RK Guerry. 1982. Espectro de ação para lesões na retina causadas por radiação quase ultravioleta no macaco afácico. Am J Ophthalmol 93(3):299-306.

Hansson Mild, K. 1980. Exposição ocupacional a campos eletromagnéticos de radiofrequência. Proc IEEE 68:12-17.

Hausser, KW. 1928. Influência do comprimento de onda na biologia da radiação. Strahlentherapie 28:25-44.

Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos (IEEE). 1990a. IEEE COMAR Posição de RF e Microondas. Nova York: IEEE.

—. 1990b. Declaração de posição do IEEE COMAR sobre os aspectos de saúde da exposição a campos elétricos e magnéticos de seladores de RF e aquecedores dielétricos. Nova York: IEEE.

—. 1991. Padrão IEEE para níveis de segurança com relação à exposição humana a campos eletromagnéticos de radiofrequência de 3 KHz a 300 GHz. Nova York: IEEE.

Comissão Internacional de Proteção contra Radiação Não Ionizante (ICNIRP). 1994. Diretrizes sobre limites de exposição a campos magnéticos estáticos. Saúde Física 66:100-106.

—. 1995. Diretrizes para Limites de Exposição Humana à Radiação Laser.

Declaração do ICNIRP. 1996. Problemas de saúde relacionados ao uso de radiotelefones portáteis e transmissores de base. Health Physics, 70:587-593.

Comissão Eletrotécnica Internacional (IEC). 1993. Padrão IEC No. 825-1. Genebra: CEI.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). 1993a. Proteção contra campos elétricos e magnéticos de frequência de energia. Série de Segurança e Saúde Ocupacional, No. 69. Genebra: ILO.

Associação Internacional de Proteção contra Radiação (IRPA). 1985. Diretrizes para limites de exposição humana à radiação laser. Saúde Física 48(2):341-359.

—. 1988a. Alteração: Recomendações para pequenas atualizações das diretrizes IRPA 1985 sobre os limites de exposição à radiação laser. Health Phys 54(5):573-573.

—. 1988b. Diretrizes sobre limites de exposição a campos eletromagnéticos de radiofrequência na faixa de frequência de 100 kHz a 300 GHz. Saúde Física 54:115-123.

—. 1989. Proposta de mudança para os limites de exposição à radiação ultravioleta da IRPA 1985. Health Phys 56(6):971-972.

Associação Internacional de Proteção contra Radiação (IRPA) e Comitê Internacional de Radiação Não Ionizante. 1990. Diretrizes provisórias sobre limites de exposição a campos elétricos e magnéticos de 50/60 Hz. Saúde Física 58(1):113-122.

Kolmodin-Hedman, B, K Hansson Mild, E Jönsson, MC Anderson e A Eriksson. 1988. Problemas de saúde entre operações de máquinas de solda de plástico e exposição a campos eletromagnéticos de radiofrequência. Int Arch Occup Environ Health 60:243-247.

Krause, N. 1986. Exposição de pessoas a campos magnéticos estáticos e variáveis ​​no tempo em tecnologia, medicina, pesquisa e vida pública: Aspectos dosimétricos. Em Biological Effects of Static and ELF-Magnetic Fields, editado por JH Bernhardt. Munique: MMV Medizin Verlag.

Lövsund, P e KH Mild. 1978. Campo eletromagnético de baixa frequência perto de alguns aquecedores de indução. Estocolmo: Conselho de Saúde e Segurança Ocupacional de Estocolmo.

Lövsund, P, PA Oberg e SEG Nilsson. 1982. Campos magnéticos ELF em eletroaço e indústrias de soldagem. Radio Sci 17(5S):355-385.

Luckiesh, ML, L Holladay e AH Taylor. 1930. Reação da pele humana não curtida à radiação ultravioleta. J Optic Soc Am 20:423-432.

McKinlay, AF e B Diffey. 1987. Um espectro de ação de referência para eritema induzido por ultravioleta na pele humana. Em Human Exposure to Ultraviolet Radiation: Risks and Regulations, editado por WF Passchier e BFM Bosnjakovic. Nova York: Excerpta medica Division, Elsevier Science Publishers.

McKinlay, A, JB Andersen, JH Bernhardt, M Grandolfo, KA Hossmann, FE van Leeuwen, K Hansson Mild, AJ Swerdlow, L Verschaeve e B Veyret. Proposta de um programa de investigação por um Grupo de Peritos da Comissão Europeia. Possíveis efeitos na saúde relacionados ao uso de radiotelefones. Reportagem não publicada.

Mitbriet, IM e VD Manyachin. 1984. Influência dos campos magnéticos na reparação do osso. Moscou, Nauka, 292-296.

Conselho Nacional de Proteção e Medições de Radiação (NCRP). 1981. Campos eletromagnéticos de radiofrequência. Propriedades, Quantidades e Unidades, Interação Biofísica e Medidas. Bethesda, MD: NCRP.

—. 1986. Efeitos Biológicos e Critérios de Exposição para Campos Eletromagnéticos de Radiofrequência. Relatório nº 86. Bethesda, MD: NCRP.

Conselho Nacional de Proteção Radiológica (NRPB). 1992. Campos eletromagnéticos e o risco de câncer. vol. 3(1). Chilton, Reino Unido: NRPB.

—. 1993. Restrições à exposição humana a campos e radiações eletromagnéticos estáticos e variáveis ​​no tempo. Didcot, Reino Unido: NRPB.

Conselho Nacional de Pesquisa (NRC). 1996. Possíveis efeitos na saúde da exposição a campos elétricos e magnéticos residenciais. Washington: NAS Press. 314.

Olsen, EG e A Ringvold. 1982. Endotélio da córnea humana e radiação ultravioleta. Acta Ophthalmol 60:54-56.

Parrish, JA, KF Jaenicke e RR Anderson. 1982. Eritema e melanogênese: Espectros de ação da pele humana normal. Photochem Photobiol 36(2):187-191.

Passchier, WF e BFM Bosnjakovic. 1987. Exposição Humana à Radiação Ultravioleta: Riscos e Regulamentações. Nova York: Excerpta Medica Division, Elsevier Science Publishers.

Pitts, DG. 1974. O espectro humano de ação ultravioleta. Am J Optom Phys Opt 51(12):946-960.

Pitts, DG e TJ Tredici. 1971. Os efeitos do ultravioleta no olho. Am Ind Hyg Assoc J 32(4):235-246.

Pitts, DG, AP Cullen e PD Hacker. 1977a. Efeitos oculares da radiação ultravioleta de 295 a 365nm. Invest Ophthalmol Vis Sci 16(10):932-939.

—. 1977b. Efeitos Ultravioleta de 295 a 400nm no Olho do Coelho. Cincinnati, Ohio: Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH).

Polk, C e E Postow. 1986. CRC Handbook of Biological Effects of Electromagnetic Fields. Boca Ratón: CRC Press.

Repacholi, MH. 1985. Terminais de exibição de vídeo - os operadores devem se preocupar? Austalas Phys Eng Sci Med 8(2):51-61.

—. 1990. Câncer da exposição a campos elétricos e magnéticos de 50760 Hz: um grande debate científico. Austalas Phys Eng Sci Med 13(1):4-17.

Repacholi, M, A Basten, V Gebski, D Noonan, J Finnic e AW Harris. 1997. Linfomas em camundongos transgênicos E-Pim1 expostos a campos eletromagnéticos pulsados ​​de 900 MHz. Pesquisa de radiação, 147:631-640.

Riley, MV, S Susan, MI Peters e CA Schwartz. 1987. Os efeitos da irradiação UVB no endotélio da córnea. Curr Eye Res 6(8):1021-1033.

Ringvold, A. 1980a. Córnea e radiação ultravioleta. Acta Oftalmol 58:63-68.

—. 1980b. Humor aquoso e radiação ultravioleta. Acta Ophthalmol 58:69-82.

—. 1983. Dano do epitélio da córnea causado pela radiação ultravioleta. Acta Ophthalmol 61:898-907.

Ringvold, A e M. Davanger. 1985. Alterações no estroma da córnea de coelho causadas pela radiação UV. Acta Ophthalmol 63:601-606.

Ringvold, A, M Davanger e EG Olsen. 1982. Alterações do endotélio da córnea após radiação ultravioleta. Acta Oftalmol 60:41-53.

Roberts, NJ e SM Michaelson. 1985. Estudos epidemiológicos da exposição humana à radiação de radiofrequência: uma revisão crítica. Int Arch Occup Environ Health 56:169-178.

Roy, CR, KH Joyner, HP Gies e MJ Bangay. 1984. Medição de radiação eletromagnética emitida por terminais de exibição visual (VDTs). Rad Prot Austral 2(1):26-30.

Scotto, J, TR Fears e GB Gori. 1980. Medições de radiação ultravioleta nos Estados Unidos e comparações com dados de câncer de pele. Washington, DC: US ​​Government Printing Office.

Sienkiewicz, ZJ, RD Saunder e CI Kowalczuk. 1991. Efeitos biológicos da exposição a campos eletromagnéticos não ionizantes e radiação. 11 Campos elétricos e magnéticos de frequência extremamente baixa. Didcot, Reino Unido: National Radiation Protection Board.

Silverman, C. 1990. Estudos epidemiológicos de câncer e campos eletromagnéticos. No Cap. 17 em Efeitos Biológicos e Aplicações Médicas da Energia Eletromagnética, editado por OP Gandhi. Engelwood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Sliney, DH. 1972. Os méritos de um espectro de ação de envelope para critérios de exposição à radiação ultravioleta. Am Ind Hyg Assoc J 33:644-653.

—. 1986. Fatores físicos na cataratogênese: radiação ultravioleta ambiente e temperatura. Invest Ophthalmol Vis Sci 27(5):781-790.

—. 1987. Estimando a exposição solar à radiação ultravioleta para um implante de lente intra-ocular. J Cataract Refract Surg 13(5):296-301.

—. 1992. Um guia do gerente de segurança para os novos filtros de soldagem. Soldagem J 71(9):45-47.
Sliney, DH e ML Wolbarsht. 1980. Segurança com lasers e outras fontes ópticas. Nova York: Pleno.

Stenson, S. 1982. Achados oculares em xeroderma pigmentoso: Relato de dois casos. Ann Ophthalmol 14(6):580-585.

Sterenborg, HJCM e JC van der Leun. 1987. Espectros de ação para tumorigênese por radiação ultravioleta. Em Human Exposure to Ultraviolet Radiation: Risks and Regulations, editado por WF Passchier e BFM Bosnjakovic. Nova York: Excerpta Medica Division, Elsevier Science Publishers.

Stutchly, MA. 1986. Exposição humana a campos magnéticos estáticos e variáveis ​​no tempo. Saúde Física 51(2):215-225.

Stuchly, MA e DW Lecuyer. 1985. Aquecimento por indução e exposição do operador a campos eletromagnéticos. Saúde Phys 49:693-700.

—. 1989. Exposição a campos eletromagnéticos em soldagem a arco. Saúde Física 56:297-302.

Szmigielski, S, M Bielec, S Lipski e G Sokolska. 1988. Aspectos imunológicos e relacionados ao câncer da exposição a campos de microondas e radiofrequência de baixo nível. In Modern Bioelectricity, editado por AA Mario. Nova York: Marcel Dekker.

Taylor, HR, SK West, FS Rosenthal, B Munoz, HS Newland, H Abbey e EA Emmett. 1988. Efeito da radiação ultravioleta na formação de catarata. New Engl J Med 319:1429-1433.

Diga, RA. 1983. Instrumentação para medição de campos eletromagnéticos: Equipamentos, calibrações e aplicações selecionadas. In Biological Effects and Dosimetry of Nonionizing Radiation, Radiofrequency and Microwave Energies, editado por M Grandolfo, SM Michaelson e A Rindi. Nova York: Pleno.

Urbach, F. 1969. Os efeitos biológicos da radiação ultravioleta. Nova York: Pergamon.

Organização Mundial da Saúde (OMS). 1981. Radiofrequência e microondas. Critério de Saúde Ambiental, No.16. Genebra: OMS.

—. 1982. Lasers e Radiação Óptica. Critérios de Saúde Ambiental, No. 23. Genebra: OMS.

—. 1987. Campos Magnéticos. Critério de Saúde Ambiental, No.69. Genebra: OMS.

—. 1989. Proteção contra radiação não ionizante. Copenhague: Escritório Regional da OMS para a Europa.

—. 1993. Campos eletromagnéticos de 300 Hz a 300 GHz. Critérios de Saúde Ambiental, No. 137. Genebra: OMS.

—. 1994. Radiação ultravioleta. Critérios de Saúde Ambiental, No. 160. Genebra: OMS.

Organização Mundial da Saúde (OMS), Programa Ambiental das Nações Unidas (PNUMA) e Associação Internacional de Proteção contra Radiação (IRPA). 1984. Frequência Extremamente Baixa (ELF). Critérios de Saúde Ambiental, No. 35. Genebra: OMS.

Zaffanella, LE e DW DeNo. 1978. Efeitos eletrostáticos e eletromagnéticos de linhas de transmissão de ultra-alta tensão. Palo Alto, Califórnia: Electric Power Research Institute.

Zuclich, JA e JS Connolly. 1976. Danos oculares induzidos por radiação laser quase ultravioleta. Invest Ophthalmol Vis Sci 15(9):760-764.