Sexta-feira, Março 25 2011 03: 49

Características das estações de trabalho de exibição visual

Classifique este artigo
(11 votos)

Projeto de estação de trabalho

Em estações de trabalho com unidades de exibição visual

Exibições visuais com imagens geradas eletronicamente (unidades de exibição visual ou VDUs) representam o elemento mais característico do equipamento de trabalho computadorizado, tanto no local de trabalho quanto na vida privada. Uma estação de trabalho pode ser projetada para acomodar apenas um VDU e um dispositivo de entrada (normalmente um teclado), no mínimo; no entanto, também pode fornecer espaço para diversos equipamentos técnicos, incluindo várias telas, dispositivos de entrada e saída, etc. Até o início dos anos 1980, a entrada de dados era a tarefa mais comum dos usuários de computador. Em muitos países industrializados, no entanto, esse tipo de trabalho agora é realizado por um número relativamente pequeno de usuários. Cada vez mais, jornalistas, gerentes e até executivos se tornaram “usuários de VDU”.

A maioria das estações de trabalho VDU ​​é projetada para trabalho sedentário, mas trabalhar em pé pode oferecer alguns benefícios para os usuários. Assim, há alguma necessidade de diretrizes genéricas de design aplicáveis ​​a estações de trabalho simples e complexas usadas tanto sentado quanto em pé. Essas diretrizes serão formuladas a seguir e aplicadas a alguns locais de trabalho típicos.

Diretrizes de design

O design do local de trabalho e a seleção de equipamentos devem considerar não apenas as necessidades do usuário real para uma determinada tarefa e a variabilidade das tarefas dos usuários durante o ciclo de vida relativamente longo do mobiliário (com duração de 15 anos ou mais), mas também fatores relacionados à manutenção ou mudança do equipamento. O padrão ISO 9241, parte 5, apresenta quatro princípios orientadores a serem aplicados ao projeto da estação de trabalho:

Diretriz 1: Versatilidade e flexibilidade.

Uma estação de trabalho deve permitir que seu usuário execute uma série de tarefas de maneira confortável e eficiente. Esta diretriz leva em consideração o fato de que as tarefas dos usuários podem variar frequentemente; assim, a chance de adoção universal de diretrizes para o ambiente de trabalho será pequena.

Diretriz 2: Ajuste.

O projeto de uma estação de trabalho e seus componentes devem garantir um “ajuste” a ser alcançado para uma variedade de usuários e uma variedade de requisitos de tarefas. O conceito de ajuste diz respeito à medida em que móveis e equipamentos podem acomodar as várias necessidades de um usuário individual, ou seja, permanecer confortável, livre de desconforto visual e tensão postural. Se não for projetado para uma população de usuários específica, por exemplo, operadores de sala de controle europeus do sexo masculino com menos de 40 anos de idade, o conceito de estação de trabalho deve garantir a adequação para toda a população trabalhadora, incluindo usuários com necessidades especiais, por exemplo, pessoas com deficiência. A maioria das normas existentes para o mobiliário ou para a concepção dos locais de trabalho considera apenas partes da população trabalhadora (por exemplo, trabalhadores “saudáveis” entre o 5º e o 95º percentil, com idade entre 16 e 60 anos, conforme a norma alemã DIN 33 402), negligenciando aqueles que podem precisar de mais atenção.

Além disso, embora algumas práticas de design ainda sejam baseadas na ideia de um usuário “médio”, é necessária uma ênfase no ajuste individual. No que diz respeito ao mobiliário de estação de trabalho, o ajuste necessário pode ser obtido por meio de ajustes, design de vários tamanhos ou até mesmo por equipamentos sob medida. Garantir um bom ajuste é crucial para a saúde e segurança do usuário individual, uma vez que problemas musculoesqueléticos associados ao uso de VDUs são comuns e significativos.

Diretriz 3: Mudança postural.

O design do posto de trabalho deve encorajar o movimento, uma vez que a carga muscular estática leva à fadiga e desconforto e pode induzir problemas musculoesqueléticos crônicos. Uma cadeira que permite fácil movimentação da metade superior do corpo e espaço suficiente para colocar e usar documentos em papel, bem como teclados em posições variadas durante o dia, são estratégias típicas para facilitar o movimento do corpo ao trabalhar com um VDU.

Diretriz 4: Manutenibilidade—adaptabilidade.

O projeto da estação de trabalho deve levar em consideração fatores como manutenção, acessibilidade e a capacidade do local de trabalho de se adaptar às mudanças de requisitos, como a capacidade de mover o equipamento de trabalho se uma tarefa diferente for executada. Os objetivos desta diretriz não têm recebido muita atenção na literatura ergonômica, pois os problemas relacionados a eles são considerados resolvidos antes que os usuários comecem a trabalhar em uma estação de trabalho. Na realidade, no entanto, uma estação de trabalho é um ambiente em constante mudança, e espaços de trabalho desordenados, parcial ou totalmente inadequados para as tarefas em questão, muitas vezes não são o resultado de seu processo de design inicial, mas o resultado de mudanças posteriores.

Aplicando as diretrizes

Análise de tarefas.

O projeto do local de trabalho deve ser precedido de uma análise de tarefas, que fornece informações sobre as principais tarefas a serem executadas no posto de trabalho e os equipamentos necessários para elas. Em tal análise, a prioridade dada às fontes de informação (por exemplo, documentos em papel, VDUs, dispositivos de entrada), a frequência de seu uso e possíveis restrições (por exemplo, espaço limitado) devem ser determinadas. A análise deve incluir tarefas principais e suas relações no espaço e no tempo, áreas de atenção visual (quantos objetos visuais devem ser usados?) e a posição e uso das mãos (escrever, digitar, apontar?).

Recomendações gerais de design

Altura das superfícies de trabalho.

Se forem usadas superfícies de trabalho de altura fixa, a folga mínima entre o piso e a superfície deve ser maior que a soma dos altura poplítea (a distância entre o chão e a parte de trás do joelho) e altura livre da coxa (sentado), mais espaço para calçado (25 mm para usuários do sexo masculino e 45 mm para usuários do sexo feminino). Se a estação de trabalho for projetada para uso geral, a altura poplítea e a altura livre da coxa devem ser selecionadas para a população masculina de percentil 95. A altura resultante para a folga sob a superfície da mesa é de 690 mm para a população do norte da Europa e para usuários norte-americanos de origem européia. Para outras populações, a folga mínima necessária deve ser determinada de acordo com as características antropométricas da população específica.

Se a altura do espaço para as pernas for selecionada dessa maneira, a parte superior das superfícies de trabalho será muito alta para uma grande proporção de usuários pretendidos e pelo menos 30% deles precisarão de um apoio para os pés.

Se as superfícies de trabalho forem ajustáveis ​​em altura, a faixa necessária para ajuste pode ser calculada a partir das dimensões antropométricas de usuários do sexo feminino (5º ou 2.5º percentil para altura mínima) e usuários do sexo masculino (95º ou 97.5º percentil para altura máxima). Uma estação de trabalho com essas dimensões geralmente será capaz de acomodar uma grande proporção de pessoas com pouca ou nenhuma mudança. O resultado desse cálculo fornece uma faixa entre 600 mm e 800 mm para países com uma população de usuários etnicamente variada. Uma vez que a realização técnica desta gama pode causar alguns problemas mecânicos, o melhor ajuste também pode ser alcançado, por exemplo, combinando a capacidade de ajuste com equipamentos de tamanhos diferentes.

A espessura mínima aceitável da superfície de trabalho depende das propriedades mecânicas do material. Do ponto de vista técnico, uma espessura entre 14 mm (plástico durável ou metal) e 30 mm (madeira) é alcançável.

Tamanho e forma da superfície de trabalho.

O tamanho e a forma de uma superfície de trabalho são determinados principalmente pelas tarefas a serem executadas e pelo equipamento necessário para essas tarefas.

Para tarefas de entrada de dados, uma superfície retangular de 800 mm por 1200 mm fornece espaço suficiente para colocar o equipamento (VDU, teclado, documentos de origem e suporte de cópia) adequadamente e reorganizar o layout de acordo com as necessidades pessoais. Tarefas mais complexas podem exigir espaço adicional. Portanto, o tamanho da superfície de trabalho deve exceder 800 mm por 1,600 mm. A profundidade da superfície deve permitir a colocação do VDU ​​dentro da superfície, o que significa que os VDUs com tubos de raios catódicos podem exigir uma profundidade de até 1,000 mm.

Em princípio, o layout exibido na figura 1 oferece flexibilidade máxima para organizar o espaço de trabalho para várias tarefas. No entanto, as estações de trabalho com esse layout não são fáceis de construir. Assim, a melhor aproximação do layout ideal é mostrada na figura 2. Esse layout permite arranjos com um ou dois VDUs, dispositivos de entrada adicionais e assim por diante. A área mínima da superfície de trabalho deve ser superior a 1.3 m2.

Figura 1. Layout de uma estação de trabalho flexível que pode ser adaptada para atender às necessidades dos usuários com diferentes tarefas

VDU020F1

Figura 2. Layout flexível

VDU020F2

Organizando o espaço de trabalho.

A distribuição espacial dos equipamentos no espaço de trabalho deve ser planejada após a realização de uma análise de tarefas determinando a importância e frequência de uso de cada elemento (tabela 1). O display visual usado com mais frequência deve estar localizado dentro do espaço visual central, que é a área sombreada da figura 3, enquanto os controles mais importantes e usados ​​com mais frequência (como o teclado) devem estar localizados dentro do alcance ideal. No ambiente de trabalho representado pela análise de tarefas (tabela 1), o teclado e o mouse são de longe os equipamentos mais manuseados. Portanto, eles devem receber a mais alta prioridade dentro da área de alcance. Documentos que são consultados com frequência, mas não requerem muito tratamento, devem receber prioridade de acordo com sua importância (por exemplo, correções manuscritas). Colocá-los no lado direito do teclado resolveria o problema, mas criaria um conflito com o uso frequente do mouse, que também deve estar localizado à direita do teclado. Como o VDU ​​pode não precisar de ajuste frequente, ele pode ser colocado à direita ou à esquerda do campo de visão central, permitindo que os documentos sejam colocados em um porta-documentos plano atrás do teclado. Esta é uma solução possível, embora não perfeita, “otimizada”.

Tabela 1. Frequência e importância dos elementos do equipamento para uma determinada tarefa

VDU020T1

Figura 3. Faixa visual do local de trabalho

VDU020F3

Como muitos elementos do equipamento possuem dimensões comparáveis ​​às partes correspondentes do corpo humano, o uso de vários elementos em uma mesma tarefa sempre estará associado a alguns problemas. Também pode exigir alguns movimentos entre as partes da estação de trabalho; portanto, um layout como o mostrado na figura 1 é importante para várias tarefas.

Ao longo das últimas duas décadas, o poder do computador que precisaria de um salão de baile no início foi miniaturizado com sucesso e condensado em uma caixa simples. No entanto, ao contrário das esperanças de muitos profissionais de que a miniaturização do equipamento resolveria a maioria dos problemas associados ao layout do local de trabalho, os VDUs continuaram a crescer: em 1975, o tamanho de tela mais comum era de 15"; em 1995, as pessoas compravam de 17" a 21": monitores, e nenhum teclado se tornou muito menor do que aqueles projetados em 1973. Análises de tarefas executadas com cuidado para projetar estações de trabalho complexas ainda são de importância crescente. Além disso, embora novos dispositivos de entrada tenham surgido, eles não substituíram o teclado e exigem ainda mais espaço na superfície de trabalho, às vezes de dimensões substanciais, por exemplo, tablets gráficos em formato A3.

A gestão eficiente do espaço dentro dos limites de um posto de trabalho, bem como dentro das salas de trabalho, pode auxiliar no desenvolvimento de postos de trabalho aceitáveis ​​do ponto de vista ergonômico, evitando assim o surgimento de diversos problemas de saúde e segurança.

O gerenciamento eficiente do espaço não significa economizar espaço em detrimento da usabilidade dos dispositivos de entrada e principalmente da visão. O uso de móveis extras, como uma mesa de retorno ou um suporte especial para monitor preso à mesa, pode parecer uma boa maneira de economizar espaço na mesa; no entanto, pode prejudicar a postura (braços levantados) e a visão (aumentar a linha de visão a partir da posição relaxada). As estratégias de economia de espaço devem garantir a manutenção de uma distância visual adequada (aproximadamente 600 mm a 800 mm), bem como uma linha de visão ideal, obtida a partir de uma inclinação de aproximadamente 35º da horizontal (20º cabeça e 15º olhos) .

Novos conceitos de mobiliário.

Tradicionalmente, o mobiliário de escritório era adaptado às necessidades das empresas, supostamente refletindo a hierarquia de tais organizações: grandes mesas para executivos que trabalhavam em escritórios “cerimoniais” em uma ponta da escala e pequenos móveis de datilógrafos para escritórios “funcionais” na outra. O design básico do mobiliário de escritório não mudou por décadas. A situação mudou substancialmente com a introdução da tecnologia da informação e surgiu um conceito de mobiliário completamente novo: o mobiliário de sistemas.

O mobiliário de sistemas foi desenvolvido quando as pessoas perceberam que as mudanças no equipamento de trabalho e na organização do trabalho não podiam ser acompanhadas pelas capacidades limitadas do mobiliário existente para se adaptar às novas necessidades. A Furniture hoje oferece uma caixa de ferramentas que permite que as organizações de usuários criem espaço de trabalho conforme necessário, desde um espaço mínimo para apenas um VDU e um teclado até estações de trabalho complexas que podem acomodar vários elementos de equipamento e possivelmente também grupos de usuários. Esses móveis são projetados para mudanças e incorporam recursos de gerenciamento de cabos eficientes e flexíveis. Enquanto a primeira geração de móveis de sistemas não fez muito mais do que adicionar uma mesa auxiliar para o VDU ​​a uma mesa existente, a terceira geração rompeu completamente seus laços com o escritório tradicional. Esta nova abordagem oferece grande flexibilidade na concepção de espaços de trabalho, limitada apenas pelo espaço disponível e pelas habilidades das organizações para usar essa flexibilidade.

Radiação

Radiação no contexto de aplicações VDU

Radiação é a emissão ou transferência de energia radiante. A emissão de energia radiante na forma de luz como finalidade pretendida para o uso de VDUs pode ser acompanhada por vários subprodutos indesejados, como calor, som, radiação infravermelha e ultravioleta, ondas de rádio ou raios x, para citar alguns. Enquanto algumas formas de radiação, como a luz visível, podem afetar os seres humanos de forma positiva, algumas emissões de energia podem ter efeitos biológicos negativos ou mesmo destrutivos, especialmente quando a intensidade é alta e a duração da exposição é longa. Algumas décadas atrás, limites de exposição para diferentes formas de radiação foram introduzidos para proteger as pessoas. No entanto, alguns desses limites de exposição são questionados hoje e, para campos magnéticos alternados de baixa frequência, nenhum limite de exposição pode ser dado com base nos níveis de radiação natural de fundo.

Radiofrequência e radiação de micro-ondas de VDUs

Radiação eletromagnética com uma faixa de frequência de alguns kHz a 109 Hertz (a chamada banda de radiofrequência, ou RF, com comprimentos de onda que variam de alguns quilômetros a 30 cm) podem ser emitidos por VDUs; no entanto, a energia total emitida depende das características do circuito. Na prática, no entanto, a intensidade do campo desse tipo de radiação provavelmente será pequena e confinada à vizinhança imediata da fonte. Uma comparação da intensidade de campos elétricos alternados na faixa de 20 Hz a 400 kHz indica que os VDUs que usam a tecnologia de tubo de raios catódicos (CRT) emitem, em geral, níveis mais altos do que outros monitores.

A radiação “microondas” cobre a região entre 3x108 Hz para 3x1011 Hz (comprimentos de onda de 100 cm a 1 mm). Não há fontes de radiação de microondas em VDUs que emitam uma quantidade detectável de energia dentro desta banda.

Campos magnéticos

Os campos magnéticos de um VDU se originam das mesmas fontes que os campos elétricos alternados. Embora os campos magnéticos não sejam “radiação”, campos elétricos e magnéticos alternados não podem ser separados na prática, pois um induz o outro. Uma razão pela qual os campos magnéticos são discutidos separadamente é que eles são suspeitos de terem efeitos teratogênicos (ver discussão mais adiante neste capítulo).

Embora os campos induzidos pelos VDUs sejam mais fracos do que os induzidos por algumas outras fontes, como linhas de alta tensão, usinas elétricas, locomotivas elétricas, fornos de aço e equipamentos de soldagem, a exposição total produzida pelos VDUs pode ser semelhante, pois as pessoas podem trabalhar oito ou mais horas nas proximidades de um VDU, mas raramente perto de linhas de energia ou motores elétricos. A questão da relação entre campos eletromagnéticos e câncer, no entanto, ainda é motivo de debate.

Radiação ótica

A radiação “óptica” cobre a radiação visível (ou seja, luz) com comprimentos de onda de 380 nm (azul) a 780 nm (vermelho) e as bandas vizinhas no espectro eletromagnético (infravermelho de 3x1011 Hz para 4x1014 Hz, comprimentos de onda de 780 nm a 1 mm; ultravioleta de 8x1014 Hz para 3x1017 Hz). A radiação visível é emitida em níveis moderados de intensidade, comparáveis ​​aos emitidos pelas superfícies das salas (»100 cd/m2). No entanto, a radiação ultravioleta é retida pelo vidro da face do tubo (CRTs) ou não é emitida (outras tecnologias de exibição). Os níveis de radiação ultravioleta, se detectáveis, ficam bem abaixo dos padrões de exposição ocupacional, assim como os da radiação infravermelha.

Raios X

Os CRTs são fontes bem conhecidas de raios X, enquanto outras tecnologias, como monitores de cristal líquido (LCDs), não emitem nenhum. Os processos físicos por trás das emissões desse tipo de radiação são bem compreendidos, e os tubos e circuitos são projetados para manter os níveis emitidos muito abaixo dos limites de exposição ocupacional, se não abaixo dos níveis detectáveis. A radiação emitida por uma fonte só pode ser detectada se seu nível exceder o nível de fundo. No caso dos raios x, como no caso de outras radiações ionizantes, o nível de fundo é fornecido pela radiação cósmica e pela radiação de materiais radioativos no solo e nos edifícios. Em operação normal, um VDU não emite raios X que excedam o nível de radiação de fundo (50 nGy/h).

Recomendações de radiação

Na Suécia, a antiga organização MPR (Statens Mät och Provråd, o Conselho Nacional de Metrologia e Testes), agora SWEDAC, elaborou recomendações para avaliar VDUs. Um de seus principais objetivos era limitar qualquer subproduto indesejado a níveis que pudessem ser alcançados por meios técnicos razoáveis. Essa abordagem vai além da abordagem clássica de limitar as exposições perigosas a níveis em que a probabilidade de comprometimento da saúde e da segurança pareça ser aceitavelmente baixa.

No início, algumas recomendações do MPR levaram ao efeito indesejado de reduzir a qualidade óptica dos monitores CRT. No entanto, atualmente, apenas alguns produtos com resolução extremamente alta podem sofrer qualquer degradação se o fabricante tentar cumprir o MPR (agora MPR-II). As recomendações incluem limites para eletricidade estática, campos magnéticos e elétricos alternados, parâmetros visuais, etc.

Qualidade da Imagem

Definições para qualidade de imagem

O termo qualidade descreve o ajuste dos atributos distintivos de um objeto para um propósito definido. Assim, a qualidade de imagem de um display inclui todas as propriedades da representação óptica relativas à perceptibilidade dos símbolos em geral e à legibilidade ou legibilidade dos símbolos alfanuméricos. Nesse sentido, os termos óticos usados ​​pelos fabricantes de tubos, como resolução ou tamanho mínimo do ponto, descrevem critérios básicos de qualidade relativos à capacidade de um determinado dispositivo em exibir linhas finas ou caracteres pequenos. Tais critérios de qualidade são comparáveis ​​à espessura de um lápis ou pincel para uma determinada tarefa de escrita ou pintura.

Alguns dos critérios de qualidade usados ​​pelos ergonomistas descrevem propriedades óticas relevantes para a legibilidade, por exemplo, contraste, enquanto outros, como tamanho dos caracteres ou largura do traço, referem-se mais a recursos tipográficos. Além disso, alguns recursos dependentes de tecnologia, como a cintilação de imagens, a persistência de imagens ou a uniformidade de contraste dentro de um determinado display também são considerados na ergonomia (veja a figura 4).

Figura 4. Critérios para avaliação da imagem

VDU020F4

A tipografia é a arte de compor “tipo”, que não é apenas moldar as fontes, mas também selecionar e configurar o tipo. Aqui, o termo tipografia é usado no primeiro significado.

Características básicas

Resolução.

A resolução é definida como o menor detalhe discernível ou mensurável em uma apresentação visual. Por exemplo, a resolução de um monitor CRT pode ser expressa pelo número máximo de linhas que podem ser exibidas em um determinado espaço, como geralmente é feito com a resolução de filmes fotográficos. Pode-se também descrever o tamanho mínimo do ponto que um dispositivo pode exibir em uma determinada luminância (brilho). Quanto menor o ponto mínimo, melhor o dispositivo. Assim, o número de pontos de tamanho mínimo (elementos de imagem—também conhecidos como pixels) por polegada (dpi) representa a qualidade do dispositivo, por exemplo, um dispositivo de 72 dpi é inferior a um monitor de 200 dpi.

Em geral, a resolução da maioria dos monitores de computador fica bem abaixo de 100 dpi: alguns monitores gráficos podem atingir 150 dpi, porém, apenas com brilho limitado. Isso significa que, se for necessário um alto contraste, a resolução será menor. Em comparação com a resolução de impressão, por exemplo, 300 dpi ou 600 dpi para impressoras a laser, a qualidade dos VDUs é inferior. (Uma imagem com 300 dpi tem 9 vezes mais elementos no mesmo espaço do que uma imagem de 100 dpi.)

Endereçabilidade.

A capacidade de endereçamento descreve o número de pontos individuais no campo que o dispositivo é capaz de especificar. Endereçamento, que muitas vezes é confundido com resolução (às vezes de forma proposital), é uma especificação dada para os dispositivos: “800 x 600” significa que a placa gráfica pode endereçar 800 pontos em cada uma das 600 linhas horizontais. Como são necessários pelo menos 15 elementos na direção vertical para escrever números, letras e outros caracteres com ascendentes e descendentes, essa tela pode exibir no máximo 40 linhas de texto. Hoje, as melhores telas disponíveis podem endereçar 1,600 x 1,200 pontos; no entanto, a maioria dos monitores usados ​​na indústria abordam 800 x 600 pontos ou até menos.

Em exibições dos chamados dispositivos “orientados a caracteres”, não são pontos (pontos) da tela que são endereçados, mas caixas de caracteres. Na maioria desses dispositivos, existem 25 linhas com 80 posições de caracteres cada uma no visor. Nessas telas, cada símbolo ocupa o mesmo espaço independente de sua largura. Na indústria, o menor número de pixels em uma caixa é 5 de largura por 7 de altura. Esta caixa permite caracteres maiúsculos e minúsculos, embora os descendentes em “p”, “q” e “g” e os ascendentes acima de “Ä” ou “Á” não possam ser exibidos. Qualidade consideravelmente melhor é fornecida com a caixa 7 x 9, que é “padrão” desde meados da década de 1980. Para obter boa legibilidade e formatos de caracteres razoavelmente bons, o tamanho da caixa de caracteres deve ser de pelo menos 12 x 16.

Flicker e taxa de atualização.

As imagens nos CRTs e em alguns outros tipos de VDU não são imagens persistentes, como no papel. Eles só parecem estar firmes aproveitando um artefato do olho. Isso, no entanto, não é isento de penalidades, pois a tela tende a piscar se a imagem não for atualizada constantemente. A cintilação pode influenciar o desempenho e o conforto do usuário e deve sempre ser evitada.

Flicker é a percepção do brilho variando ao longo do tempo. A gravidade da oscilação depende de vários fatores, como as características do fósforo, tamanho e brilho da imagem oscilante, etc. Pesquisas recentes mostram que taxas de atualização de até 90 Hz podem ser necessárias para satisfazer 99% dos usuários, enquanto em versões anteriores pesquisa, as taxas de atualização bem abaixo de 50 Hz foram consideradas satisfatórias. Dependendo de vários recursos da tela, uma imagem sem cintilação pode ser obtida por taxas de atualização entre 70 Hz e 90 Hz; monitores com fundo claro (polaridade positiva) precisam de um mínimo de 80 Hz para serem percebidos como sem cintilação.

Alguns dispositivos modernos oferecem uma taxa de atualização ajustável; infelizmente, taxas de atualização mais altas são combinadas com resolução ou endereçamento mais baixas. A capacidade de um dispositivo de exibir imagens de alta “resolução” com altas taxas de atualização pode ser avaliada por sua largura de banda de vídeo. Para monitores de alta qualidade, a largura de banda máxima de vídeo fica acima de 150 MHz, enquanto alguns monitores oferecem menos de 40 MHz.

Para conseguir uma imagem sem tremulação e alta resolução com aparelhos de menor largura de banda de vídeo, os fabricantes aplicam um truque que vem da TV comercial: o modo entrelaçado. Nesse caso, cada segunda linha do visor é atualizada com uma determinada frequência. O resultado, porém, não é satisfatório se forem exibidas imagens estáticas, como texto e gráficos, e a taxa de atualização for inferior a 2 x 45 Hz. Infelizmente, a tentativa de suprimir o efeito perturbador da cintilação pode induzir alguns outros efeitos negativos.

Tremor.

Jitter é o resultado da instabilidade espacial da imagem; um determinado elemento de imagem não é exibido no mesmo local na tela após cada processo de atualização. A percepção do jitter não pode ser separada da percepção do flicker.

O jitter pode ter sua causa no próprio VDU, mas também pode ser induzido pela interação com outros equipamentos no local de trabalho, como uma impressora ou outros VDUs ou dispositivos que geram campos magnéticos.

Contraste.

O contraste de brilho, a relação entre a luminância de um determinado objeto e seus arredores, representa o recurso fotométrico mais importante para legibilidade e legibilidade. Embora a maioria dos padrões exija uma proporção mínima de 3:1 (caracteres claros em fundo escuro) ou 1:3 (caracteres escuros em fundo claro), o contraste ideal é, na verdade, cerca de 10:1, e dispositivos de boa qualidade atingem valores mais altos mesmo em ambientes claros. ambientes.

O contraste dos visores “ativos” é prejudicado quando a luz ambiente é aumentada, enquanto os visores “passivos” (por exemplo, LCDs) perdem contraste em ambientes escuros. Displays passivos com iluminação de fundo podem oferecer boa visibilidade em todos os ambientes em que as pessoas possam trabalhar.

Nitidez.

A nitidez de uma imagem é um recurso bem conhecido, mas ainda mal definido. Portanto, não há um método acordado para medir a nitidez como uma característica relevante para legibilidade e legibilidade.

características tipográficas

Legibilidade e legibilidade.

A legibilidade refere-se a se um texto é compreensível como uma série de imagens conectadas, enquanto a legibilidade se refere à percepção de caracteres únicos ou agrupados. Assim, uma boa legibilidade é, em geral, uma pré-condição para a legibilidade.

A legibilidade do texto depende de vários fatores: alguns foram investigados minuciosamente, enquanto outros fatores relevantes, como formatos de caracteres, ainda não foram classificados. Uma das razões para isso é que o olho humano representa um instrumento muito poderoso e robusto, e as medidas usadas para desempenho e taxas de erro muitas vezes não ajudam a distinguir entre diferentes fontes. Assim, até certo ponto, a tipografia ainda permanece uma arte e não uma ciência.

Fontes e legibilidade.

Uma fonte é uma família de caracteres, projetada para produzir legibilidade ideal em um determinado meio, por exemplo, papel, display eletrônico ou display de projeção, ou alguma qualidade estética desejada, ou ambos. Embora o número de fontes disponíveis exceda dez mil, acredita-se que apenas algumas fontes, numeradas em dezenas, sejam “legíveis”. Uma vez que a legibilidade e a legibilidade de uma fonte também são afetadas pela experiência do leitor – acredita-se que algumas fontes “legíveis” tenham se tornado assim por causa de décadas ou mesmo séculos de uso sem alterar sua forma – a mesma fonte pode ser menos legível em um tela do que no papel, simplesmente porque seus personagens parecem “novos”. Este, porém, não é o principal motivo da baixa legibilidade das telas.

Em geral, o design de fontes de tela é limitado por deficiências de tecnologia. Algumas tecnologias impõem limites muito estreitos no design de caracteres, por exemplo, LEDs ou outras telas rasterizadas com número limitado de pontos por exibição. Mesmo os melhores monitores CRT raramente podem competir com a impressão (figura 5). Nos últimos anos, pesquisas mostraram que a velocidade e a precisão da leitura nas telas são cerca de 30% menores do que no papel, mas ainda não se sabe se isso se deve às características do visor ou a outros fatores.

Figura 5. Aparência de uma carta em várias resoluções de tela e no papel (à direita)

VDU020F5

Características com efeitos mensuráveis.

Os efeitos de algumas características das representações alfanuméricas são mensuráveis, por exemplo, tamanho aparente dos caracteres, relação altura/largura, relação largura/tamanho do traço, linha, palavra e espaçamento entre caracteres.

O tamanho aparente dos caracteres, medido em minutos de arco, mostra um ótimo de 20' a 22'; isso corresponde a cerca de 3 mm a 3.3 mm de altura em condições normais de visualização em escritórios. Personagens menores podem levar a erros aumentados, tensão visual e também a mais tensão postural devido à distância de visualização restrita. Assim, o texto não deve ser representado em um tamanho aparente inferior a 16'.

No entanto, as representações gráficas podem exigir que um texto de tamanho menor seja exibido. Para evitar erros, por um lado, e uma grande carga visual para o usuário, por outro, as partes do texto a serem editadas devem ser exibidas em uma janela separada para garantir uma boa legibilidade. Caracteres com tamanho aparente inferior a 12' não devem ser exibidos como texto legível, mas substituídos por um bloco cinza retangular. Bons programas permitem que o usuário selecione o tamanho real mínimo dos caracteres que serão exibidos como alfanuméricos.

A relação altura/largura ideal dos caracteres é de cerca de 1:0.8; a legibilidade é prejudicada se a relação for superior a 1:0.5. Para uma boa impressão legível e também para telas CRT, a proporção entre a altura do caractere e a largura do traço é de cerca de 10:1. No entanto, esta é apenas uma regra de ouro; caracteres legíveis de alto valor estético geralmente apresentam diferentes larguras de traço (consulte a figura 5).

O espaçamento ideal entre linhas é muito importante para facilitar a leitura, mas também para economizar espaço, se uma determinada quantidade de informações for exibida em um espaço limitado. O melhor exemplo disso é o jornal diário, onde uma quantidade enorme de informações é exibida em uma página, mas ainda legível. O espaçamento ideal entre linhas é de cerca de 20% da altura do caractere entre os descendentes de uma linha e os ascendentes da seguinte; esta é uma distância de cerca de 100% da altura do caractere entre a linha de base de uma linha de texto e os ascendentes da próxima. Se o comprimento da linha for reduzido, o espaço entre as linhas também pode ser reduzido, sem perder a legibilidade.

O espaçamento dos caracteres é invariável em telas orientadas a caracteres, tornando-as inferiores em legibilidade e qualidade estética em telas com espaço variável. O espaçamento proporcional dependendo da forma e largura dos caracteres é preferível. No entanto, uma qualidade tipográfica comparável a fontes impressas bem projetadas é alcançável apenas em alguns monitores e ao usar programas específicos.

Iluminação ambiente

Os problemas específicos das estações de trabalho VDU

Durante os últimos 90 anos da história industrial, as teorias sobre a iluminação de nossos locais de trabalho foram regidas pela noção de que mais luz melhorará a visão, reduzirá o estresse e a fadiga, além de melhorar o desempenho. “Mais luz”, corretamente “mais luz do sol”, foi o lema dos habitantes de Hamburgo, na Alemanha, há mais de 60 anos, quando saíram às ruas para lutar por moradias melhores e mais saudáveis. Em alguns países como a Dinamarca ou a Alemanha, os trabalhadores hoje têm direito a alguma luz do dia em seus locais de trabalho.

O advento da tecnologia da informação, com o surgimento dos primeiros VDUs nas áreas de trabalho, foi presumivelmente o primeiro evento em que trabalhadores e cientistas começaram a reclamar muita luz nas áreas de trabalho. A discussão foi alimentada pelo fato facilmente detectável de que a maioria dos VDUs estava equipada com CRTs, que têm superfícies de vidro curvas propensas a reflexos ocultos. Esses dispositivos, às vezes chamados de “displays ativos”, perdem o contraste quando o nível de iluminação ambiente aumenta. Redesenhar a iluminação para reduzir as deficiências visuais causadas por esses efeitos, no entanto, é complicado pelo fato de que a maioria dos usuários também usa fontes de informação baseadas em papel, que geralmente exigem níveis maiores de luz ambiente para uma boa visibilidade.

O papel da luz ambiente

A luz ambiente encontrada nas proximidades das estações de trabalho VDU ​​serve a dois propósitos diferentes. Primeiro, ilumina o espaço de trabalho e os materiais de trabalho como papel, telefones, etc. (efeito primário). Em segundo lugar, ilumina a sala, dando-lhe a sua forma visível e dando aos utilizadores a impressão de uma luz envolvente (efeito secundário). Como a maioria das instalações de iluminação é planejada de acordo com o conceito de iluminação geral, as mesmas fontes de iluminação atendem a ambos os propósitos. O efeito primário, iluminando objetos visuais passivos para torná-los visíveis ou legíveis, tornou-se questionável quando as pessoas começaram a usar telas ativas que não precisam de luz ambiente para serem visíveis. O benefício restante da iluminação da sala foi reduzido ao efeito secundário, se o VDU ​​for a principal fonte de informação.

A função dos VDUs, tanto dos CRTs (telas ativas) quanto das LCDs (telas passivas), é prejudicada pela luz ambiente de maneiras específicas:

CRTs:

  • A superfície curva do vidro reflete objetos brilhantes no ambiente, e forma uma espécie de “ruído” visual.
  • Dependendo da intensidade da iluminação ambiente, o contraste dos objetos exibidos é reduzido a um grau que prejudica a leitura ou legibilidade dos objetos.
  • As imagens em CRTs coloridos sofrem uma degradação dupla: primeiro, o contraste de brilho de todos os objetos exibidos é reduzido, como em CRTs monocromáticos. Em segundo lugar, as cores são alteradas para que o contraste das cores também seja reduzido. Além disso, o número de cores distinguíveis é reduzido.

 

LCDs (e outros monitores passivos):

  • Os reflexos em LCDs causam menos preocupação do que em superfícies CRT, já que esses monitores possuem superfícies planas.
  • Ao contrário dos monitores ativos, os LCDs (sem luz de fundo) perdem o contraste sob níveis baixos de iluminação ambiente.
  • Devido às características direcionais ruins de algumas tecnologias de exibição, a visibilidade ou legibilidade dos objetos exibidos é substancialmente reduzida se a direção principal da incidência de luz for desfavorável.

 

A extensão em que tais deficiências exercem estresse sobre os usuários ou levam a uma redução substancial da visibilidade/legibilidade/legibilidade de objetos visuais em ambientes de trabalho reais varia muito. Por exemplo, o contraste de caracteres alfanuméricos em monitores monocromáticos (CRT) é reduzido em princípio, mas, se a iluminância na tela for dez vezes maior do que em ambientes normais de trabalho, muitas telas ainda terão um contraste suficiente para ler caracteres alfanuméricos. Por outro lado, as telas coloridas dos sistemas de desenho assistido por computador (CAD) diminuem substancialmente a visibilidade, de modo que a maioria dos usuários prefere diminuir a iluminação artificial ou mesmo desligá-la e, além disso, manter a luz do dia fora de seu trabalho. área.

Possíveis soluções

Alterando os níveis de iluminação.

Desde 1974, numerosos estudos foram realizados que levaram a recomendações para reduzir a iluminância no local de trabalho. No entanto, essas recomendações foram baseadas principalmente em estudos com telas insatisfatórias. Os níveis recomendados situam-se entre 100 lux e 1,000 lx e, geralmente, têm sido discutidos níveis bem abaixo das recomendações dos padrões existentes para iluminação de escritórios (por exemplo, 200 lx ou 300 a 500 lx).

Quando telas positivas com uma luminância de aproximadamente 100 cd/m2 brilho e algum tipo de tratamento anti-reflexo eficiente, a utilização de um VDU não limita o nível de iluminância aceitável, pois os usuários consideram níveis de iluminância de até 1,500 lx aceitáveis, valor muito raro em áreas de trabalho.

Se as características relevantes dos VDUs não permitirem um trabalho confortável sob iluminação normal de escritório, como pode ocorrer ao trabalhar com tubos de armazenamento, leitores de microimagem, telas coloridas etc., as condições visuais podem ser melhoradas substancialmente com a introdução de iluminação de dois componentes. A iluminação de dois componentes é uma combinação de iluminação indireta da sala (efeito secundário) e iluminação direta da tarefa. Ambos os componentes devem ser controláveis ​​pelos usuários.

Controlando o brilho nas telas.

Controlar o brilho nas telas é uma tarefa difícil, pois quase todos os remédios que melhoram as condições visuais provavelmente prejudicam alguma outra característica importante da tela. Alguns remédios, propostos há muitos anos, como filtros de malha, removem os reflexos das telas, mas também prejudicam a legibilidade da tela. As luminárias de baixa luminância causam menos brilho refletido nas telas, mas a qualidade dessa iluminação geralmente é julgada pelos usuários como pior do que qualquer outro tipo de iluminação.

Por este motivo, quaisquer medidas (ver figura 6) devem ser aplicadas com cautela, e somente após análise da real causa do incômodo ou distúrbio. Três formas possíveis de controlar o ofuscamento nas telas são: seleção da localização correta da tela em relação às fontes de ofuscamento; seleção de equipamentos adequados ou adição de elementos a eles; e uso de iluminação. Os custos das medidas a serem tomadas são da mesma ordem: não custa quase nada colocar as telas de forma a eliminar o brilho refletido. No entanto, isso pode não ser possível em todos os casos; assim, as medidas relacionadas ao equipamento serão mais caras, mas podem ser necessárias em vários ambientes de trabalho. O controle de ofuscamento por iluminação é frequentemente recomendado por especialistas em iluminação; no entanto, esse método é o mais caro, mas não o mais bem-sucedido, de controlar o brilho.

Figura 6. Estratégias para controlar o brilho nas telas

VDU020F6

A medida mais promissora atualmente é a introdução de telas positivas (displays com fundo brilhante) com um tratamento anti-reflexo adicional para a superfície de vidro. Ainda mais bem-sucedido do que isso será a introdução de telas planas com superfície quase fosca e fundo claro; tais telas, no entanto, não estão disponíveis para uso geral hoje.

Adicionar capuzes aos monitores é a última relação dos ergonomistas para ambientes de trabalho difíceis, como áreas de produção, torres de aeroportos ou cabines de operação de guindastes, etc. Se os capôs ​​forem realmente necessários, é provável que haja problemas mais graves com a iluminação do que apenas o brilho refletido nas exibições visuais.

A alteração do design da luminária é realizada principalmente de duas maneiras: primeiro, reduzindo a luminância (correspondente ao brilho aparente) de partes das luminárias (a chamada “iluminação VDU”) e, segundo, introduzindo luz indireta em vez de luz direta. Os resultados da pesquisa atual mostram que a introdução de luz indireta produz melhorias substanciais para os usuários, reduz a carga visual e é bem aceita pelos usuários.

 

Voltar

Leia 19285 vezes Última modificação em quarta-feira, 17 de agosto de 2011 22:19

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de unidades de exibição visual

Akabri, M e S Konz. 1991. Distância de visualização para trabalho VDT. In Designing For Everyone, editado por Y Queinnec e F Daniellou. Londres: Taylor & Francis.

Apple Computer Co. 1987. Diretrizes de Interface Humana da Apple. A interface da área de trabalho da Apple. Waltham, Mass.: Addison-Wesley.

Amick, BC e MJ Smith. 1992. Stress, monitoramento de trabalho baseado em computador e sistemas de medição: uma visão geral conceitual. Appl Ergon 23(1):6-16.

Bammer, G. 1987. Como a mudança tecnológica pode aumentar o risco de lesões por movimentos repetitivos. Seminários Occup Med 2:25-30.

—. 1990. Revisão do conhecimento atual - Problemas musculoesqueléticos. Em Work With Display Units 89: Documentos Selecionados da Conferência Work with Display Units, setembro de 1989, Montreal, editado por L Berlinguet e D Berthelette. Amsterdã: Holanda do Norte.

Bammer, G e B Martin. 1988. Os argumentos sobre RSI: Um exame. Community Health Stud 12:348-358.

—. 1992. Lesão por esforço repetitivo na Austrália: Conhecimento médico, movimento social e partidarismo de facto. Prob. Social 39:301-319.

Bastien, JMC e DL Scapin. 1993. Critérios ergonômicos para avaliação de interfaces humano-computador. Relatório Técnico nº. 156, Programa 3 Inteligência Artificial, sistemas cognitivos e interação homem-máquina. França: INRIA.

Berg, M. 1988. Problemas de pele em trabalhadores que usam terminais de exibição visual: um estudo de 201 pacientes. Entre em contato com a Dermat 19:335-341.

—-. 1989. Queixas de pele facial e trabalho em unidades de exibição visual. Estudos epidemiológicos, clínicos e histopatológicos. Acta Derm-Venereol Suppl. 150:1-40.

Berg, M, MA Hedblad e K Erkhardt. 1990. Queixas de pele facial e trabalho em unidades de exibição visual: um estudo histopatológico. Acta Derm-Venereol 70:216-220.

Berg, M, S Lidén e O Axelson. 1990. Queixas de pele e trabalho em unidades de exibição visual: Um estudo epidemiológico de funcionários de escritório. J Am Acad Dermatol 22:621-625.

Berg, M, BB Arnetz, S Lidén, P Eneroth e A Kallner. 1992. Techno-stress, um estudo psicofisiológico de funcionários com problemas de pele associados a VDU. J Occup Med 34:698-701.

Bergqvist, U. 1986. Gravidez e trabalho VDT - Uma avaliação do estado da arte. In Work With Display Units 86: Selected Papers from the International Scientific Conference On Work With Display Units, maio de 1986, Estocolmo, editado por B Knave e PG Widebäck. Amsterdã: Holanda do Norte.

BIKSON, TK. 1987. Compreender a implementação da tecnologia de escritório. Em Tecnologia e a transformação do trabalho de colarinho branco, editado por RE Kraut. Hillsdale, NJ: Erlbaum Associates.

Bjerkedal, T e J Egenaes. 1986. Terminais de exibição de vídeo e defeitos congênitos. Um estudo sobre os resultados da gravidez de funcionários do Postal-Giro-Center, Oslo, Noruega. In Work With Display Units 86: Selected Papers from the Interantional Scientific Conference On Work With Display Units, maio de 1986, Estocolmo, editado por B Knave e PG Widebäck. Amsterdã: Holanda do Norte.

Blackwell, R e A. Chang. 1988. Terminais de exibição de vídeo e gravidez. Uma revisão. Brit J Obstet Gynaec 95:446-453.

Blignault, I. 1985. Aspectos psicossociais dos transtornos de uso excessivo ocupacional. Tese de Mestrado em Psicologia Clínica, Departamento de Psicologia, The Australian National University, Canberra ACT.

Boissin, JP, J Mur, JL Richard e J Tanguy. 1991. Estudo dos fatores de fadiga ao trabalhar em um VDU. In Designing for Everyone, editado por Y Queinnec e F Daniellou. Londres: Taylor & Francis.

Bradley, G. 1983. Efeitos da informatização no ambiente de trabalho e na saúde: de uma perspectiva de igualdade entre os sexos. Ocupar Enfermagem de Saúde: 35-39.

—. 1989. Computadores e o Ambiente Psicológico. Londres: Taylor & Francis.
Bramwell, RS e MJ Davidson. 1994. Unidades de exibição visual e resultado da gravidez: um estudo prospectivo. J Psychosom Obstet Gynecol 14(3):197-210.

Brandt, LPA e CV Nielsen. 1990. Malformações congênitas entre filhos de mulheres que trabalham com terminais de exibição de vídeo. Scand J Work Environ Health 16:329-333.

—. 1992. Fecundidade e uso de terminais de exibição de vídeo. Scand J Work Environ Health 18:298-301.

Breslow, L e P Buell. 1960. Mortalidade e doença coronariana e atividade física no trabalho na Califórnia. J Chron Dis 11:615-626.

Broadbeck, FC, D Zapf, J Prumper e M Frese. 1993. Tratamento de erros no trabalho de escritório com computadores: um estudo de campo. J Occup Organ Psychol 66:303-317.

Brown, CML. 1988. Diretrizes de Interface Humano-Computador. Norwood, NJ: Ablex.

Bryant, HE e EJ Love. 1989. Uso de terminal de exibição de vídeo e risco de aborto espontâneo. Int J Epidemiol 18:132-138.

Çakir, A. 1981. Belastung und Beanspruching bei Biuldschirmtätigkeiten. In Schriften zur Arbeitspychologie, editado por M Frese. Berna: Huber.

Çakir, A, D Hart e TFM Stewart. 1979. O Manual VDT. Darmstadt: Associação de Pesquisa Inca-Fiej.

Carayon, P. 1993a. Projeto de trabalho e estresse no trabalho em trabalhadores de escritório. Ergonomia 36:463-477.

—. 1993b. Efeito do monitoramento eletrônico de desempenho no design do trabalho e no estresse do trabalhador: uma revisão da literatura e do modelo conceitual. Fatores Hum 35(3):385-396.

Carayon-Sainfort, P. 1992. O uso de computadores em escritórios: impacto nas características da tarefa e no estresse do trabalhador. Int J Hum Comput Interact 4:245-261.

Carmichael, AJ e DL Roberts. 1992. Unidades de exibição visual e erupções faciais. Entre em contato com Dermat 26:63-64.

Carroll, JM e MB Rosson. 1988. Paradoxo do usuário ativo. Na interface do pensamento. Aspectos cognitivos da interação humano-computador, editado por JM Carroll. Cambridge: Bradford.

Cohen, ML, JF Arroyo, GD Champion e CD Browne. 1992. Em busca da patogênese da síndrome da dor cervicobraquial refratária. Uma desconstrução do fenômeno RSI. Med J Austral 156:432-436.

Cohen, S e N Weinstein. 1981. Efeitos não auditivos do ruído no comportamento e na saúde. J Soc Issues 37:36-70.

Cooper, CL e J. Marshall. 1976. Fontes ocupacionais de estresse: Uma revisão da literatura relacionada à doença cardíaca coronária e problemas de saúde mental. J Occup Psychol 49:11-28.

Dainoff, MG. 1982. Fatores de Estresse Ocupacional na Operação VDT: Uma Revisão da Pesquisa Empírica em Comportamento e Tecnologia da Informação. Londres: Taylor & Francis.

Desmarais, MC, L Giroux e L Larochelle. 1993. Uma interface de aconselhamento baseada no reconhecimento de planos e na avaliação do conhecimento do usuário. Int J Man Mach Stud 39:901-924.

Dorard, G. 1988. Place et validité des ophthalmologices dans l'étude de la fadiga visual engendrée par le travail sur écran. Grenoble: Faculté de médecine, Univ. de Grenoble.

Egan, DE. 1988. Diferenças individuais na interação humano-computador. Em Handbook of Human-Computer Interaction, editado por M Helander. Amsterdã: Elsevier.

Ellinger, S, W Karmaus, H Kaupen-Haas, KH Schäfer, G Schienstock e E Sonn. 1982. 1982 Arbeitsbedingungen, gesundheitsverhalten und rheumatische Erkrankungen. Hamburgo: Medizinische Soziologie, Univ. Hamburgo.

Ericson, A e B Källén. 1986. Um estudo epidemiológico do trabalho com telas de vídeo e resultado da gravidez: II. Um estudo de caso-controle. Am J Ind Med 9:459-475.

Frank, A.L. 1983. Efeitos da saúde após exposição ocupacional a terminais de exibição de vídeo. Lexington, Ky: Departamento de Medicina Preventiva e Saúde Ambiental.

Frese, M. 1987. Interação humano-computador no escritório. Em International Review of Industrial and Organizational Psychology, editado por CL Cooper. Nova York: Wiley.

Frölén, H e NM Svedenstål. 1993. Efeitos de campos magnéticos pulsados ​​no embrião de camundongo em desenvolvimento. Biolelectromagnetics 14:197-204.

Frite, HJH. 1992. Síndrome de uso excessivo e o conceito de uso excessivo. Documentos de discussão sobre a patologia do pescoço e membros superiores relacionados ao trabalho e as implicações para o tratamento, editados por G Bammer. Documento de trabalho nº 32. Canberra: NCEPH, Australian National Univ.

Gaines, BR e MLG Shaw. 1986. Do compartilhamento de tempo à sexta geração: O desenvolvimento da interação humano-computador. Parte I. Int J Man Mach Stud 24:1-27.

Gardell, B. 1971. Alienação e saúde mental no ambiente industrial moderno. In Society, Stress, and Disease, editado por L Levi. Oxford: OUP.

Goldhaber, MK, MR Polen e RA Hiatt. 1988. O risco de aborto espontâneo e defeitos congênitos entre mulheres que usam terminais de exibição visual durante a gravidez. Am J Ind Med 13:695-706.

GOULD, JD. 1988. Como projetar sistemas utilizáveis. Em Handbook of Human Computer Interaction, editado por M Helander. Amsterdã: Elsevier.

Gould, JD e C. Lewis. 1983. Projetando para usabilidade - Princípios-chave e o que os designers pensam. Em Proceedings of the 1983 CHI Conference On Human Factors in Computing Systems, 12 de dezembro, Boston. Nova York: ACM.

Grandjean, E. 1987. Ergonomia em Escritórios Computadorizados. Londres: Taylor & Francis.

Hackman, JR e GR Oldham. 1976. Motivação através do desenho do trabalho: Teste de uma teoria. Organ Behav Hum Perform 16:250-279.

Hagberg, M, Å Kilbom, P Buckle, L Fine, T Itani, T Laubli, H Riihimaki, B Silverstein, G Sjogaard, S Snook e E Viikari-Juntura. 1993. Estratégias de prevenção de distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho. Appl Ergon 24:64-67.

Halasz, F e TP Moran. 1982. Analogia considerada prejudicial. Em Anais da Conferência sobre Fatores Humanos em Sistemas de Computação. Gaithersburg, Maryland: ACM Press.

Hartson, RH e EC Smith. 1991. Prototipagem rápida no desenvolvimento de interface humano-computador. Interact Comput 3(1):51-91.

Hedge, A, WA Erickson e G Rubin. 1992. Efeitos de fatores pessoais e ocupacionais em relatórios de síndrome do edifício doente em escritórios com ar-condicionado. Em Stress and Well-Being At Work-Assessments and Interventions for Occupational Mental Health, editado por JC Quick, LR Murphy e JJ Hurrell Jr. Washington, DC: American Psychological Association.

Helme, RD, SA LeVasseur e SJ Gibson. 1992. RSI revisitado: evidências de diferenças psicológicas e fisiológicas de um grupo de controle pareado por idade, sexo e ocupação. Aust NZ J Med 22:23-29.

Herzberg, F. 1974. O velho e sábio turco. Harvard Bus Rev (setembro/outubro):70-80.

House, J. 1981. Estresse no trabalho e suporte social. Reading, Massachusetts: Addison-Wesley.

Hutchins, EL. 1989. Metáforas para sistemas interativos. Em The Structure of Multimodal Dialogue, editado por DG Bouwhuis, MM Taylor e F Néel. Amsterdã: Holanda do Norte.

Huuskonen, H, J Juutilainen e H Komulainen. 1993. Efeitos de campos magnéticos de baixa frequência no desenvolvimento fetal em ratos. Biolelectromagnetics 14(3):205-213.

Infante-Rivard, C, M David, R Gauthier e GE Rivard. 1993. Perda gestacional e horário de trabalho durante a gravidez. Epidemiologia 4:73-75.

Instituto de Pesquisa em Saúde e Segurança do Trabalho (IRSST). 1984. Rapport du groupe de travail sur les terminaux è tela de visualização. Montreal: IRSST.

International Business Machines Corp. (IBM). 1991a. Arquitetura de aplicativos de sistemas. Referência de design de interface avançada do guia de acesso do usuário comum. White Plains, NY.: IBM.

—. 1991b. Arquitetura de aplicativos de sistemas. Guia de acesso do usuário comum para design de interface do usuário. White Plains, NY.: IBM.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). 1984. Automação, Organização do Trabalho e Estresse Ocupacional. Genebra: OIT.

—. 1986. Edição especial sobre unidades de exibição visual. Cond Trabalho Dig.

—. 1989. Trabalhando com unidades de exibição visual. Série de Segurança e Saúde Ocupacional, No. 61. Genebra: ILO.

—. 1991. Privacidade do trabalhador. Parte I: Proteção de dados pessoais. Cond Work Dig 10:2.

Organização Internacional de Normalização (ISO). 1992. Requisitos ergonômicos para trabalho de escritório com terminais de exibição visual (VDTs). Norma ISO 9241.Genebra: ISO.

Johansson, G e G Aronsson. 1984. Reações de estresse no trabalho administrativo computadorizado. J Occup Behav 5:159-181.

Juliussen, E e K Petska-Juliussen. 1994. O Sétimo Almanaque Anual da Indústria de Computadores 1994-1995. Dallas: Almanaque da Indústria de Computadores.

Kalimo, R e A Leppanen. 1985. Feedback de terminais de exibição de vídeo, controle de desempenho e estresse na preparação de texto na indústria de impressão. J Occup Psychol 58:27-38.

Kanawaty, G. 1979. Introdução ao Estudo do Trabalho. Genebra: OIT.

Karasek, RA, D Baker, F Marxer, A Ahlbom e R Theorell. 1981. Latitude de decisão de trabalho, demandas de trabalho e doenças cardiovasculares. Em Machine-Pacing and Occupational Stress, editado por G Salvendy e MJ Smith. Londres: Taylor & Francis.

Karat, J. 1988. Metodologias de avaliação de software. Em Handbook of Human-Computer Interaction, editado por M Helander. Amsterdã: Elsevier.

Kasl, SV. 1978. Contribuições epidemiológicas para o estudo do estresse no trabalho. In Stress At Work, editado por CL Cooper e R Payne. Nova York: Wiley.

Koh, D, CL Goh, J Jeyaratnam, WC Kee e CN Ong. 1991. Queixas dermatológicas entre operadores de unidades de exibição visual e funcionários de escritório. Am J Contact Dermatol 2:136-137.

Kurppa, K, PC Holmberg, K Rantala, T Nurminen, L Saxén e S Hernberg. 1986. Defeitos congênitos, curso da gravidez e trabalho com unidades de exibição de vídeo. Um estudo de referência de caso finlandês. In Work With Display Units 86: Selected Papers from the International Scientific Conference On Work With Display Units, maio de 1986, Estocolmo, editado por B Knave e PG Widebäck. Amsterdã: Holanda do Norte.

Läubli, T, H Nibel, C Thomas, U Schwanninger e H Krueger. 1989. Méritos de testes periódicos de triagem visual em operadores de VDU. Em Work With Computers, editado por MJ Smith e G Salvendy. Amsterdã: Elsevier Science.

Levi, L. 1972. Estresse e Angústia em Resposta a Estímulos Psicossociais. Nova York: Pergamon Press.

Lewis, C e DA Norman. 1986. Projetando para o erro. Em User Centered System: New Perspectives On Human-Computer Interation, editado por DA Norman e SW Draper. Hillsdale, NJ: Erlbaum Associates.

Lidén, C. 1990. Alergia de contato: uma causa de dermatite facial entre operadores de unidades de exibição visual. Am J Contact Dermatol 1:171-176.

Lidén, C e JE Wahlberg. 1985. Trabalho com terminais de exibição de vídeo entre funcionários de escritório. Scand J Work Environ Health 11:489-493.

Lindbohm, ML, M Hietanen, P Kygornen, M Sallmen, P von Nandelstadh, H Taskinen, M Pekkarinen, M Ylikoski e K Hemminki. 1992. Campos magnéticos de terminais de exibição de vídeo e aborto espontâneo. Am J Epidemiol 136:1041-1051.

Lindström, K. 1991. Bem-estar e trabalho mediado por computador de vários grupos ocupacionais em bancos e seguros. Int J Hum Comput Interact 3:339-361.

Mantei, MM e TJ Teorey. 1989. Incorporando técnicas comportamentais no ciclo de vida do desenvolvimento de sistemas. MIS Q setembro: 257-274.

Marshall, C, C Nelson e MM Gardiner. 1987. Diretrizes de projeto. Em Applying Cognitive Psychology to User-Interface Design, editado por MM Gardiner e B Christie. Chichester, Reino Unido: Wiley.

Mayhew, DJ. 1992. Princípios e Diretrizes em Design de Interface de Usuário de Software. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

McDonald, AD, JC McDonald, B Armstrong, N Cherry, AD Nolin e D Robert. 1988. Trabalho com unidades de exibição visual na gravidez. Brit J Ind Med 45:509-515.

McGivern, RF e RZ Sokol. 1990. A exposição pré-natal a um campo eletromagnético de baixa frequência desmasculiniza o comportamento de marcação de perfume adulto e aumenta o peso dos órgãos sexuais acessórios em ratos. Teratologia 41:1-8.

Meyer, JJ e A Bousquet. 1990. Desconforto e brilho incapacitante em operadores de VDT. In Work With Display Units 89, editado por L Berlinguet e D Berthelette. Amsterdã: Elsevier Science.

Microsoft Corp. 1992. The Windows Interface: An Application Design Guide. Redmond, Washington: Microsoft Corp.

Monk, TH e DI Tepas. 1985. Trabalho por turnos. In Job Stress and Blue Collar Work, editado por CL Cooper e MJ Smith. Nova York: Wiley.

Moran, TP. 1981. A gramática da linguagem de comando: uma representação para a interface do usuário de sistemas de computador de interação. Int J Man Mach Stud 15:3-50.

—-. 1983. Entrando em um sistema: análise de mapeamento de tarefa externa-interna. Em Proceedings of the 1983 CHI Conference On Human Factors in Computing Systems, 12-15 de dezembro, Boston. Nova York: ACM.

Moshowitz, A. 1986. Dimensões sociais da automação de escritório. Adv Comput 25:335-404.

Murray, WE, CE Moss, WH Parr, C Cox, MJ Smith, BFG Cohen, LW Stammerjohn e A Happ. 1981. Riscos potenciais à saúde de terminais de exibição de vídeo. Relatório de pesquisa NIOSH 81-129. Cincinnati, Ohio: Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH).

Nielsen, CV e LPA Brandt. 1990. Aborto espontâneo entre mulheres usando terminais de exibição de vídeo. Scand J Work Environ Health 16:323-328.

—-. 1992. Crescimento fetal, parto prematuro e mortalidade infantil em relação ao trabalho com terminais de exibição de vídeo durante a gravidez. Scand J Work Environ Health 18:346-350.

Nielsen, J. 1992. O ciclo de vida da engenharia de usabilidade. Computador (mar.):12-22.

—-. 1993. Projeto iterativo de interface do usuário. Computador (novembro): 32-41.

Nielsen, J e RL Mack. 1994. Métodos de Inspeção de Usabilidade. Nova York: Wiley.

Número especial sobre os laboratórios de utilização. 1994. Behav Inf Technol.

Nurminen, T e K Kurppa. 1988. Emprego em escritório, trabalho com terminais de exibição de vídeo e curso da gravidez. Experiência de mães de referência de um estudo finlandês de referência de caso de defeitos congênitos. Scand J Work Environ Health 14:293-298.

Escritório de Avaliação de Tecnologia (OTA). 1987. O Supervisor Eletrônico: Nova Tecnologia, Novas Tensões. Washington, DC: US ​​Government Printing Office.

Fundação de Software Aberto. 1990. Guia de Estilo OSF/Motif. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Ostberg, O e C Nilsson. 1985. Tecnologia emergente e estresse. In Job Stress and Blue Collar Work, editado por CL Cooper e MJ Smith. Nova York: Wiley.

Piotrkowski, CS, BFG Cohen e KE Coray. 1992. Condições de trabalho e bem-estar entre trabalhadoras de escritório. Int J Hum Comput Interact 4:263-282.

Pot, F, P Padmos e A Brouwers. 1987. Determinantes do bem-estar do operador de VDU. Em Work With Display Units 86. Artigos Selecionados da Conferência Científica Internacional Sobre Work With Display Units, maio de 1986, Estocolmo, editado por B Knave e PG Widebäck. Amsterdã: Holanda do Norte.

Preece, J, Y Rogers, H Sharp, D Benyon, S Holland e T Carey. 1994. Interação Humano-Computador. Reading, Massachusetts: Addison-Wesley.

Quinter, J e R Elvey. 1990. A hipótese neurogênica de RSI. Documentos de discussão sobre a patologia do pescoço e membros superiores relacionados ao trabalho e as implicações para o tratamento, editados por G Bammer. Documento de trabalho nº 24. Canberra: NCEPH, Australian National Univ.

Rasmussen, J. 1986. Processamento de Informação e Interação Homem-Máquina. Uma Abordagem à Engenharia Cognitiva. Nova York: Holanda do Norte.

Ravden, SJ e GI Johnson. 1989. Avaliando Usabilidade de Interfaces Humano-Computador: Uma Abordagem Prática. West Sussex, Reino Unido: E Horwood.

—. 1992. Arquitetura de Aplicações de Sistemas: Suporte a Comunicações Comuns. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Reed, AV. 1982. Estratégias de correção de erros e interação humana com sistemas de computador. Em Anais da Conferência sobre Fatores Humanos em Sistemas de Computação Gaithersburg, Md.: ACM.

Rey, P e A. Bousquet. 1989. Tensão visual dos operadores de VDT: o certo e o errado. Em Work With Computers, editado por G Salvendy e MJ Smith. Amsterdã: Elsevier Science.

—. 1990. Estratégias de exame oftalmológico médico para operadores de VDT. In Work With Display Units 89, editado por L Berlinguet e D Berthelette. Amsterdã: Elsevier Science.

Rheingold, HR. 1991. Realidade Virtual. Nova York: Touchstone.

Rich, E. 1983. Usuários são indivíduos: Individualizando modelos de usuários. Int J Man Mach Stud 18:199-214.

Rivas, L e C Rius. 1985. Efeitos da exposição crônica a campos eletromagnéticos fracos em camundongos. IRCS Med Sci 13:661-662.

Roberto, JM. 1989. Aprendendo um sistema de computador por exploração não assistida. Um exemplo: o Macintosh. Em MACINTER II Man-Computer Interaction Research, editado por F Klix, N Streitz, Y Warren e H Wandke. Amsterdã: Elsevier.

Robert, JM e JY Fiset. 1992. Conception et evaluation ergonomices d'une interface pour un logiciel d'aide au diagnostic: Une étude de cas. ICO printemps-été:1-7.

Roman, E, V Beral, M Pelerin e C Hermon. 1992. Aborto espontâneo e trabalho com unidades de exibição visual. Brit J Ind Med 49:507-512.

Rubino, GF. 1990. Levantamento epidemiológico de distúrbios oculares: A pesquisa multicêntrica italiana. In Work With Display Units 89, editado por L Berlinguet e D Berthelette. Amsterdã: Elsevier Science.

Rumelhart, DE e DA Norman. 1983. Processos analógicos na aprendizagem. Em Habilidades cognitivas e sua aquisição, editado por JR Anderson. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum.

Ryan, GA e M. Bampton. 1988. Comparação de operadores de processamento de dados com e sem sintomas nos membros superiores. Community Health Stud 12:63-68.

Ryan, GA, JH Mullerworth e J Pimble. 1984. A prevalência de lesão por esforço de repetição em operadores de processamento de dados. In Proceedings of the 21st Annual Conference of the Ergonomics Society of Australia and New Zealand. Sidney.

Sanfort, PC. 1990. Preditores de estresse de design de trabalho em escritórios automatizados. Behav Inf Technol 9:3-16.

—-. 1991. Estresse, controle do trabalho e outros elementos do trabalho: Um estudo de trabalhadores de escritório. Int J Ind Erg 7:11-23.

Salvendy, G. 1992. Manual de Engenharia Industrial. Nova York: Wiley.

Salzinger, K e S Freimark. 1990. Comportamento operante alterado de ratos adultos após exposição perinatal a um campo eletromagnético de 60 Hz. Bioeletromagnética 11:105-116.

Sauter, SL, CL Cooper e JJ Hurrell. 1989. Controle do Trabalho e Saúde do Trabalhador. Nova York: Wiley.

Sauter, SL, MS Gottlieb, KC Jones, NV Dodson e KM Rohrer. 1983a. Implicações de trabalho e saúde do uso de VDT: resultados iniciais do estudo Wisconsin-NIOSH. Comum ACM 26:284-294.

Sauter, SL, MS Gottlieb, KM Rohrer e NV Dodson. 1983b. O bem-estar dos usuários de terminal de exibição de vídeo. Um Estudo Exploratório. Cincinnati, Ohio: NIOSH.

Escapin, DL. 1986. Guide ergonomice de concept des interfaces homme-machine. Relatório de pesquisa no. 77. Le Chesnay, França: INRIA.

Schnorr, TM, BA Grajewski, RW Hornung, MJ Thun, GM Egeland, WE Murray, DL Conover e WE Halperin. 1991. Terminais de exibição de vídeo e o risco de aborto espontâneo. New Engl J Med 324:727-733.

Shepherd, A. 1989. Análise e treinamento em tarefas de tecnologia da informação. Em Task Analysis for Human-Computer Interaction, editado por D Diaper. Chichester: E Horwood.

Shneiderman, B. 1987. Projetando a Interface do Usuário: Estratégias para Interação Humano-Computador Eficaz. Reading, Massachusetts: Addison-Wesley.

Sjödren, S e A Elfstrom. 1990. Desconforto ocular entre 4000 usuários de VDU. Em trabalho com exibição
Units 89, editado por L Berlinguet e D Berthelette. Amsterdã: Elsevier Science.

Smith, MJ. 1987. Estresse ocupacional. Em Handbook of Ergonomics/Human Factors, editado por G Salvendy. Nova York: Wiley.

Smith, MJ e BC Amick. 1989. Monitoramento eletrônico no local de trabalho: Implicações para controle de funcionários e estresse no trabalho. In Job Control and Worker Health, editado por S Sauter, J Hurrel e C Cooper. Nova York: Wiley.

Smith, MJ, P Carayon e K Miezio. 1987. Tecnologia VDT: preocupações psicossociais e de estresse. Em Work With Display Units, editado por B Knave e PG Widebäck. Amsterdã: Elsevier Science.

Smith, MJ e P Carayon-Sainfort. 1989. Uma teoria de equilíbrio de design de trabalho para redução de estresse. Int J Ind Erg 4:67-79.

Smith, MJ, BFG Cohen, LW Stammerjohn e A Happ. 1981. Uma investigação de queixas de saúde e estresse no trabalho em operações de exibição de vídeo. Fatores Hum 23:387-400.

Smith, MJ, P Carayon, KH Sanders, SY Lim e D LeGrande. 1992a. Monitoramento eletrônico de desempenho, design de trabalho e estresse do trabalhador. Appl Ergon 23:17-27.

Smith, MJ, G Salvendy, P Carayon-Sainfort e R Eberts. 1992b. Interação humano-computador. No Manual de Engenharia Industrial, editado por G Salvendy. Nova York: Wiley.

Smith, SL e SL Mosier. 1986. Diretrizes para projetar software de interface de usuário. Relatório ESD-TR-278. Bedford, Mass.: MITRE.

Divisão de Epidemiologia da Comissão de Saúde da Austrália do Sul. 1984. Sintomas de esforço repetitivo e condições de trabalho entre os trabalhadores de teclado envolvidos na entrada de dados ou processamento de texto no serviço público do sul da Austrália. Adelaide: Comissão de Saúde da Austrália do Sul.

Stammerjohn, LW, MJ Smith e BFG Cohen. 1981. Avaliação de fatores de projeto de estação de trabalho em operações VDT. Fatores Hum 23:401-412.

Stellman, JM, S Klitzman, GC Gordon e BR Snow. 1985. Qualidade do ar e ergonomia no escritório: resultados da pesquisa e questões metodológicas. Am Ind Hyg Assoc J 46:286-293.

—-. 1987a. Comparação do bem-estar entre trabalhadores administrativos não interativos com máquinas e usuários e digitadores de VDT em tempo integral e meio período. Em Work With Display Units 86. Artigos Selecionados da Conferência Científica Internacional Sobre Work With Display Units, maio de 1986, Estocolmo, editado por B Knave e PG Widebäck. Amsterdã: Holanda do Norte.

—-. 1987b. Ambiente de trabalho e bem-estar dos funcionários de escritório e VDT. J Occup Behav 8:95-114.

Strassman, PA. 1985. Recompensa da Informação: A Transformação do Trabalho na Era Eletrônica. Nova York: Free Press.

Stuchly, M, AJ Ruddick, et al. 1988. Avaliação teratológica da exposição a campos magnéticos variáveis ​​no tempo. Teratologia 38:461-466.

Sun Microsystems Inc. 1990. Open Look. Diretrizes de estilo de aplicativo de interface gráfica do usuário. Reading, Massachusetts: Addison-Wesley.

Swanbeck, G e T Bleeker. 1989. Problemas de pele de unidades de exibição visual: Provocação de sintomas de pele sob condições experimentais. Acta Derm-Venereol 69:46-51.

Taylor, FW. 1911. Os Princípios da Administração Científica. Nova York: Norton & Co.

Thimbleby, H. 1990. Projeto de interface do usuário. Chichester: ACM.

Tikkanen, J e OP Heinonen. 1991. Exposição materna a fatores químicos e físicos durante a gravidez e malformações cardiovasculares na prole. Teratologia 43:591-600.

Tribukait, B e E Cekan. 1987. Efeitos de campos magnéticos pulsados ​​no desenvolvimento embrionário em camundongos. In Work With Display Units 86: Selected Papers from the International Scientific Conference On Work With Display Units, maio de 1986, Estocolmo, editado por B Knave e PG Widebäck. Amsterdã: Holanda do Norte.

Wahlberg, JE e C Lidén. 1988. A pele é afetada pelo trabalho em terminais de exibição visual? Dermatol Clin 6:81-85.

Waterworth, JA e MH Chignell. 1989. Um manifesto para pesquisa de usabilidade em hipermídia. Hipermídia 1:205-234.

Westerholm, P e A Ericson. 1986. Resultado da gravidez e trabalho de VDU em um grupo de balconistas de seguros. Em Work With Display Units 86. Artigos Selecionados da Conferência Científica Internacional Sobre Work With Display Units, maio de 1986, Estocolmo, editado por B Knave e PG Widebäck. Amsterdã: Holanda do Norte.

Westlander, G. 1989. Uso e não uso de VDTs—Organização do trabalho terminal. Em Work With Computers: Organizational, Management, Stress and Health Aspects, editado por MJ Smith e G Salvendy. Amsterdã: Elsevier Science.

Westlander, G e E Aberg. 1992. Variedade no trabalho de VDT: Uma questão para avaliação na pesquisa de ambiente de trabalho. Int J Hum Comput Interact 4:283-302.

Wickens, C. 1992. Psicologia da Engenharia e Desempenho Humano. Nova York: Harper Collins.

Wiley, MJ e P Corey. 1992. Os efeitos da exposição contínua a campos magnéticos dente de serra de 20 khz nas ninhadas de camundongos CD-1. Teratologia 46:391-398.

Wilson, J e D. Rosenberg. 1988. Prototipagem rápida para design de interface de usuário. Em Handbook of Human-Computer Interaction, editado por M Helander. Amsterdã: Elsevier.

Windham, GC, L Fenster, SH Swan e RR Neutra. 1990. Uso de terminais de exibição de vídeo durante a gravidez e o risco de aborto espontâneo, baixo peso ao nascer ou retardo de crescimento intra-uterino. Am J Ind Med 18:675-688.

Organização Mundial da Saúde (OMS). 1987. Terminais de Exibição Visual e Saúde do Trabalhador. Genebra: OMS.

—-. 1989. Trabalho com terminais visuais: aspectos psicossociais e saúde. J Occup Med 31:957-968.

Yang, CL e P Carayon. 1993. Efeitos das demandas de trabalho e apoio ao trabalho sobre o estresse do trabalhador: Um estudo de usuários de VDT. Behav Inf Technol .

Jovem, J.E. 1993. Rede Global. Computadores em uma Sociedade Sustentável. Washington, DC: Worldwatch Paper 115.

Jovem, RM. 1981. A máquina dentro da máquina: modelos de calculadoras de bolso dos usuários. Int J Man Mach Stud 15:51-85.

Zecca, L, P Ferrario, and G Dal Conte. 1985. Estudos toxicológicos e teratológicos em ratos após exposição a campos magnéticos pulsantes. Bioeletrochem Bioenerget 14:63-69.

Zuboff, S. 1988. Na era da máquina inteligente: o futuro do trabalho e do poder. Nova York: Basic Books.