Sexta-feira, Março 25 2011 04: 21

Distúrbios músculo-esqueléticos

Classifique este artigo
(0 votos)

Introdução

Os operadores de VDU geralmente relatam problemas musculoesqueléticos no pescoço, ombros e membros superiores. Esses problemas não são exclusivos dos operadores de VDU e também são relatados por outros trabalhadores que executam tarefas repetitivas ou que envolvem manter o corpo em uma postura fixa (carga estática). Tarefas que envolvem força também são comumente associadas a problemas musculoesqueléticos, mas essas tarefas geralmente não são uma consideração importante de saúde e segurança para operadores de VDU.

Entre os trabalhadores de escritório, cujos empregos são geralmente sedentários e não comumente associados ao estresse físico, a introdução de VDUs nos locais de trabalho fez com que os problemas musculoesqueléticos relacionados ao trabalho ganhassem reconhecimento e destaque. De fato, um aumento epidémico na notificação de problemas na Austrália em meados da década de 1980 e, em menor grau, nos Estados Unidos e no Reino Unido no início da década de 1990, levou a um debate sobre se os sintomas têm ou não um efeito base fisiológica e se estão ou não relacionadas com o trabalho.

Aqueles que contestam que os problemas músculo-esqueléticos associados ao trabalho com VDU (e outros) tenham uma base fisiológica geralmente apresentam uma das quatro visões alternativas: os trabalhadores estão fingindo; os trabalhadores são inconscientemente motivados por vários ganhos secundários possíveis, como indenizações trabalhistas ou benefícios psicológicos de estar doente, conhecido como neurose compensatória; os trabalhadores estão convertendo conflitos psicológicos não resolvidos ou distúrbios emocionais em sintomas físicos, isto é, distúrbios de conversão; e, finalmente, que a fadiga normal está sendo exagerada por um processo social que rotula essa fadiga como um problema, denominado iatrogenia social. O exame rigoroso das evidências para essas explicações alternativas mostra que elas não são tão bem fundamentadas quanto as explicações que postulam uma base fisiológica para esses distúrbios (Bammer e Martin, 1988). Apesar da crescente evidência de que existe uma base fisiológica para queixas musculoesqueléticas, a natureza exata das queixas não é bem compreendida (Quintner e Elvey 1990; Cohen et al. 1992; Fry 1992; Helme, LeVasseur e Gibson 1992).

Prevalência de sintomas

Um grande número de estudos documentou a prevalência de problemas musculoesqueléticos entre os operadores de VDU e estes foram conduzidos predominantemente em países ocidentais industrializados. Há também um interesse crescente por esses problemas nas nações em rápida industrialização da Ásia e da América Latina. Há uma variação considerável entre os países em como os distúrbios musculoesqueléticos são descritos e nos tipos de estudos realizados. A maioria dos estudos baseou-se em sintomas relatados por trabalhadores, e não em resultados de exames médicos. Os estudos podem ser convenientemente divididos em três grupos: aqueles que examinaram o que pode ser chamado de problemas compostos, aqueles que examinaram distúrbios específicos e aqueles que se concentraram em problemas em uma única área ou em um pequeno grupo de áreas.

Problemas compostos

Problemas compostos são uma mistura de problemas, que podem incluir dor, perda de força e distúrbios sensoriais, em várias partes da parte superior do corpo. Eles são tratados como uma entidade única, que na Austrália e no Reino Unido é referida como lesões por esforço repetitivo (LER), nos Estados Unidos como transtornos traumáticos cumulativos (DTC) e no Japão como transtorno cervicobraquial ocupacional (TOC). Uma revisão de 1990 (Bammer 1990) de problemas entre trabalhadores de escritório (75% dos estudos eram de trabalhadores de escritório que usavam VDUs) descobriu que 70 estudos examinaram problemas compostos e 25 descobriram que eles ocorreram em uma faixa de frequência entre 10 e 29 % dos trabalhadores estudados. Nos extremos, três estudos não encontraram problemas, enquanto três constataram que 80% dos trabalhadores sofrem de queixas musculoesqueléticas. Metade dos estudos também relatou problemas graves ou frequentes, com 19 encontrando uma prevalência entre 10 e 19%. Um estudo não encontrou problemas e outro encontrou problemas em 59%. As maiores prevalências foram encontradas na Austrália e no Japão.

Distúrbios específicos

Distúrbios específicos abrangem problemas relativamente bem definidos, como epicondilite e síndrome do túnel do carpo. Distúrbios específicos foram estudados com menos frequência e encontrados com menos frequência. De 43 estudos, 20 descobriram que ocorrem entre 0.2 e 4% dos trabalhadores. Cinco estudos não encontraram evidências de distúrbios específicos e um os encontrou entre 40 a 49% dos trabalhadores.

Partes específicas do corpo

Outros estudos se concentram em áreas específicas do corpo, como o pescoço ou os pulsos. Problemas no pescoço são os mais comuns e foram examinados em 72 estudos, com 15 constatando que ocorrem entre 40 e 49% dos trabalhadores. Três estudos descobriram que eles ocorrem entre 5 e 9% dos trabalhadores e um os encontrou em mais de 80% dos trabalhadores. Pouco menos da metade dos estudos examinou problemas graves e eles foram comumente encontrados em frequências que variaram entre 5% e 39%. Esses altos níveis de problemas no pescoço foram encontrados internacionalmente, incluindo Austrália, Finlândia, França, Alemanha, Japão, Noruega, Cingapura, Suécia, Suíça, Reino Unido e Estados Unidos. Em contraste, apenas 18 estudos examinaram problemas no punho, e sete descobriram que eles ocorrem entre 10% e 19% dos trabalhadores. Um descobriu que eles ocorrem entre 0.5 e 4% dos trabalhadores e um entre 40% e 49%.

destaque

É geralmente aceito que a introdução de VDUs é frequentemente associada ao aumento de movimentos repetitivos e aumento da carga estática por meio do aumento das taxas de digitação e (em comparação com a datilografia) redução de tarefas não digitadas, como troca de papel, espera pelo retorno do carro e uso de correção fita ou fluido. A necessidade de observar uma tela também pode levar ao aumento da carga estática, e o mau posicionamento da tela, teclado ou teclas de função pode levar a posturas que podem contribuir para problemas. Também há evidências de que a introdução de VDUs pode estar associada a reduções no número de funcionários e aumento da carga de trabalho. Também pode levar a mudanças nos aspectos psicossociais do trabalho, incluindo relações sociais e de poder, responsabilidades dos trabalhadores, perspectivas de carreira e carga de trabalho mental. Em alguns locais de trabalho, essas mudanças ocorreram em direções benéficas para os trabalhadores.

Em outros locais de trabalho, eles levaram a um controle reduzido do trabalhador sobre o trabalho, falta de apoio social no trabalho, “desqualificação”, falta de oportunidades de carreira, ambigüidade de papéis, estresse mental e monitoramento eletrônico (ver revisão de Bammer 1987b e também WHO 1989 para um relatório sobre uma reunião da Organização Mundial da Saúde). A associação entre algumas dessas alterações psicossociais e problemas musculoesqueléticos é descrita abaixo. Parece também que a introdução dos VDUs ajudou a estimular um movimento social na Austrália que levou ao reconhecimento e proeminência desses problemas (Bammer e Martin 1992).

As causas podem, portanto, ser examinadas nos níveis individual, local de trabalho e social. No nível individual, as possíveis causas desses distúrbios podem ser divididas em três categorias: fatores não relacionados ao trabalho, fatores biomecânicos e fatores de organização do trabalho (ver tabela 1). Várias abordagens têm sido usadas para estudar as causas, mas os resultados gerais são semelhantes aos obtidos em estudos de campo empíricos que usaram análises multivariadas (Bammer 1990). Os resultados desses estudos estão resumidos na tabela 1 e na tabela 2. Estudos mais recentes também corroboram essas descobertas gerais.

Tabela 1. Resumo de estudos de campo empíricos que usaram análises multivariadas para estudar as causas de problemas musculoesqueléticos entre trabalhadores de escritório

 

fatores


Referência


Nº/% de usuários de VDU


não trabalho


Biomecânico

organização do trabalho

Blignault (1985)

146 / 90%

ο

ο

Divisão de Epidemiologia da Comissão de Saúde da Austrália do Sul (1984)

456 / 81%

 

 

 

Ryan, Mullerworth e Pimble (1984)

52 / 100%

 

 

Ryan e
Bamptão (1988)

143

     

Ellinger et ai. (1982)

280

 

Pote, Padmos e
Bowers (1987)

222 / 100%

não estudou

Sauter et ai. (1983b)

251 / 74%

ο

 

Stellman et ai. (1987a)

1/032%

não estudou

 

ο = não fator ●= fator.

Fonte: Adaptado de Bammer 1990.

 

Tabela 2. Resumo dos estudos que mostram o envolvimento de fatores considerados causadores de problemas musculoesqueléticos entre trabalhadores de escritório

 

não trabalho

Biomecânico

organização do trabalho

País

Nº/% VDU
usuários

Idade

Biol
pré-disp.

neuroticismo

Articulação
ângulos

Fur.
Equipar.
Obg.

Fur.
Equipar.
Subj.

visual
trabalho

visual
eu

Anos
no trabalho

Pressão

Autonomia

Ponto
coesão

Variedade

Chave-
embarque

Australia

146 /
90%

Ø

 

Ø

 

Ø

     

Ø

Ο

Ø

Australia

456 /
81%

Ο

   

     

Ø

Ο

   

Ο

Australia

52 / 143 /
100%

   

     

Ο

Ο

 

 

Ο

Alemanha

280

Ο

Ο

   

Ø

 

Ο

Ο

   ●

Ο

Nederland

222 /
100%

     

 

Ø

Ø

 

Ο

 

(O)

Ο

Estados Unidos

251 /
74%

Ø

     

Ø

 

 

Ο

 

(O)

 

Estados Unidos

1,032 /
42%

       

Ø

   

Ο

 

 

Ο = associação positiva, estatisticamente significativa. ● = associação negativa, estatisticamente significativa. ❚ = associação estatisticamente significativa. Ø = sem associação estatisticamente significativa. (Ø) = sem variabilidade no fator neste estudo. ▲ = o mais novo e o mais velho tiveram mais sintomas.

A caixa vazia implica que o fator não foi incluído neste estudo.

1 Corresponde às referências na tabela 52.7.

Fonte: adaptado de Bammer 1990.

 

Fatores não relacionados ao trabalho

Há muito pouca evidência de que fatores não relacionados ao trabalho sejam causas importantes desses distúrbios, embora haja alguma evidência de que pessoas com lesão anterior na área relevante ou com problemas em outra parte do corpo possam ter maior probabilidade de desenvolver problemas. Não há evidências claras para o envolvimento da idade e o único estudo que examinou o neuroticismo descobriu que não estava relacionado.

Fatores biomecânicos

Existem algumas evidências de que trabalhar com certas articulações do corpo em ângulos extremos está associado a problemas músculo-esqueléticos. Os efeitos de outros fatores biomecânicos são menos claros, com alguns estudos considerando-os importantes e outros não. Esses fatores são: avaliação da adequação dos móveis e/ou equipamentos pelos investigadores; avaliação da adequação dos móveis e/ou equipamentos pelos trabalhadores; fatores visuais no local de trabalho, como ofuscamento; fatores visuais pessoais, como o uso de óculos; e anos de trabalho ou de escritório (tabela 2).

Fatores organizacionais

Vários fatores relacionados à organização do trabalho estão claramente associados a problemas musculoesqueléticos e são discutidos mais detalhadamente em outra parte deste capítulo. Os fatores incluem: alta pressão de trabalho, baixa autonomia (ou seja, baixos níveis de controle sobre o trabalho), baixa coesão entre colegas (ou seja, baixos níveis de apoio de outros trabalhadores), o que pode significar que outros trabalhadores não podem ou não ajudam em momentos de pressão e baixa variedade de tarefas.

O único fator estudado para o qual os resultados foram mistos foram as horas de uso do teclado (tabela 2). Globalmente pode-se constatar que as causas dos problemas músculo-esqueléticos a nível individual são multifatoriais. Fatores relacionados ao trabalho, particularmente a organização do trabalho, mas também fatores biomecânicos, têm um papel claro. Os fatores específicos de importância podem variar de local de trabalho para local de trabalho e de pessoa para pessoa, dependendo das circunstâncias individuais. Por exemplo, a introdução em larga escala de descansos de pulso em um local de trabalho quando alta pressão e baixa variedade de tarefas são marcas registradas provavelmente não será uma estratégia bem-sucedida. Alternativamente, um trabalhador com delineamento satisfatório e variedade de tarefas ainda pode desenvolver problemas se a tela do VDU ​​for colocada em um ângulo estranho.

A experiência australiana, onde houve um declínio na prevalência de relatos de problemas musculoesqueléticos no final da década de 1980, é instrutiva ao indicar como as causas desses problemas podem ser tratadas. Embora isso não tenha sido documentado ou pesquisado em detalhes, é provável que vários fatores tenham sido associados ao declínio da prevalência. Uma delas é a introdução generalizada nos locais de trabalho de móveis e equipamentos projetados “ergonomicamente”. Também houve práticas de trabalho aprimoradas, incluindo polivalência e reestruturação para reduzir a pressão e aumentar a autonomia e a variedade. Isso geralmente ocorreu em conjunto com a implementação de oportunidades iguais de emprego e estratégias de democracia industrial. Houve também ampla implementação de estratégias de prevenção e intervenção precoce. Menos positivamente, alguns locais de trabalho parecem ter aumentado sua dependência de trabalhadores contratados casuais para trabalhos repetitivos de teclado. Isso significa que eventuais problemas não estariam vinculados ao empregador, mas seriam de responsabilidade exclusiva do trabalhador.

Além disso, a intensidade da polêmica em torno desses problemas levou à sua estigmatização, de modo que muitos trabalhadores se tornaram mais relutantes em denunciar e reivindicar indenização quando desenvolvem sintomas. Isso foi ainda mais agravado quando os trabalhadores perderam processos movidos contra os empregadores em processos judiciais bem divulgados. Uma diminuição no financiamento da pesquisa, a cessação da publicação de estatísticas de incidência e prevalência e de trabalhos de pesquisa sobre esses distúrbios, bem como a atenção da mídia muito reduzida para o problema, tudo ajudou a moldar a percepção de que o problema havia desaparecido.

Conclusão

Problemas musculoesqueléticos relacionados ao trabalho são um problema significativo em todo o mundo. Representam custos enormes a nível individual e social. Não há critérios aceitos internacionalmente para esses distúrbios e há necessidade de um sistema internacional de classificação. Deve haver uma ênfase na prevenção e intervenção precoce e isso precisa ser multifatorial. A ergonomia deve ser ensinada em todos os níveis, desde o ensino fundamental até a universidade e é preciso haver diretrizes e leis baseadas em requisitos mínimos. A implementação requer comprometimento dos empregadores e participação ativa dos empregados (Hagberg et al. 1993).

Apesar dos muitos casos registrados de pessoas com problemas graves e crônicos, há poucas evidências disponíveis de tratamentos bem-sucedidos. Também há poucas evidências de como a reabilitação de trabalhadores com esses distúrbios pode ser realizada com mais sucesso. Isso evidencia que estratégias de prevenção e intervenção precoce são fundamentais para o controle dos problemas osteomusculares relacionados ao trabalho.

 

Voltar

Leia 4879 vezes Última modificação em quarta-feira, 27 de julho de 2011 22:54

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de unidades de exibição visual

Akabri, M e S Konz. 1991. Distância de visualização para trabalho VDT. In Designing For Everyone, editado por Y Queinnec e F Daniellou. Londres: Taylor & Francis.

Apple Computer Co. 1987. Diretrizes de Interface Humana da Apple. A interface da área de trabalho da Apple. Waltham, Mass.: Addison-Wesley.

Amick, BC e MJ Smith. 1992. Stress, monitoramento de trabalho baseado em computador e sistemas de medição: uma visão geral conceitual. Appl Ergon 23(1):6-16.

Bammer, G. 1987. Como a mudança tecnológica pode aumentar o risco de lesões por movimentos repetitivos. Seminários Occup Med 2:25-30.

—. 1990. Revisão do conhecimento atual - Problemas musculoesqueléticos. Em Work With Display Units 89: Documentos Selecionados da Conferência Work with Display Units, setembro de 1989, Montreal, editado por L Berlinguet e D Berthelette. Amsterdã: Holanda do Norte.

Bammer, G e B Martin. 1988. Os argumentos sobre RSI: Um exame. Community Health Stud 12:348-358.

—. 1992. Lesão por esforço repetitivo na Austrália: Conhecimento médico, movimento social e partidarismo de facto. Prob. Social 39:301-319.

Bastien, JMC e DL Scapin. 1993. Critérios ergonômicos para avaliação de interfaces humano-computador. Relatório Técnico nº. 156, Programa 3 Inteligência Artificial, sistemas cognitivos e interação homem-máquina. França: INRIA.

Berg, M. 1988. Problemas de pele em trabalhadores que usam terminais de exibição visual: um estudo de 201 pacientes. Entre em contato com a Dermat 19:335-341.

—-. 1989. Queixas de pele facial e trabalho em unidades de exibição visual. Estudos epidemiológicos, clínicos e histopatológicos. Acta Derm-Venereol Suppl. 150:1-40.

Berg, M, MA Hedblad e K Erkhardt. 1990. Queixas de pele facial e trabalho em unidades de exibição visual: um estudo histopatológico. Acta Derm-Venereol 70:216-220.

Berg, M, S Lidén e O Axelson. 1990. Queixas de pele e trabalho em unidades de exibição visual: Um estudo epidemiológico de funcionários de escritório. J Am Acad Dermatol 22:621-625.

Berg, M, BB Arnetz, S Lidén, P Eneroth e A Kallner. 1992. Techno-stress, um estudo psicofisiológico de funcionários com problemas de pele associados a VDU. J Occup Med 34:698-701.

Bergqvist, U. 1986. Gravidez e trabalho VDT - Uma avaliação do estado da arte. In Work With Display Units 86: Selected Papers from the International Scientific Conference On Work With Display Units, maio de 1986, Estocolmo, editado por B Knave e PG Widebäck. Amsterdã: Holanda do Norte.

BIKSON, TK. 1987. Compreender a implementação da tecnologia de escritório. Em Tecnologia e a transformação do trabalho de colarinho branco, editado por RE Kraut. Hillsdale, NJ: Erlbaum Associates.

Bjerkedal, T e J Egenaes. 1986. Terminais de exibição de vídeo e defeitos congênitos. Um estudo sobre os resultados da gravidez de funcionários do Postal-Giro-Center, Oslo, Noruega. In Work With Display Units 86: Selected Papers from the Interantional Scientific Conference On Work With Display Units, maio de 1986, Estocolmo, editado por B Knave e PG Widebäck. Amsterdã: Holanda do Norte.

Blackwell, R e A. Chang. 1988. Terminais de exibição de vídeo e gravidez. Uma revisão. Brit J Obstet Gynaec 95:446-453.

Blignault, I. 1985. Aspectos psicossociais dos transtornos de uso excessivo ocupacional. Tese de Mestrado em Psicologia Clínica, Departamento de Psicologia, The Australian National University, Canberra ACT.

Boissin, JP, J Mur, JL Richard e J Tanguy. 1991. Estudo dos fatores de fadiga ao trabalhar em um VDU. In Designing for Everyone, editado por Y Queinnec e F Daniellou. Londres: Taylor & Francis.

Bradley, G. 1983. Efeitos da informatização no ambiente de trabalho e na saúde: de uma perspectiva de igualdade entre os sexos. Ocupar Enfermagem de Saúde: 35-39.

—. 1989. Computadores e o Ambiente Psicológico. Londres: Taylor & Francis.
Bramwell, RS e MJ Davidson. 1994. Unidades de exibição visual e resultado da gravidez: um estudo prospectivo. J Psychosom Obstet Gynecol 14(3):197-210.

Brandt, LPA e CV Nielsen. 1990. Malformações congênitas entre filhos de mulheres que trabalham com terminais de exibição de vídeo. Scand J Work Environ Health 16:329-333.

—. 1992. Fecundidade e uso de terminais de exibição de vídeo. Scand J Work Environ Health 18:298-301.

Breslow, L e P Buell. 1960. Mortalidade e doença coronariana e atividade física no trabalho na Califórnia. J Chron Dis 11:615-626.

Broadbeck, FC, D Zapf, J Prumper e M Frese. 1993. Tratamento de erros no trabalho de escritório com computadores: um estudo de campo. J Occup Organ Psychol 66:303-317.

Brown, CML. 1988. Diretrizes de Interface Humano-Computador. Norwood, NJ: Ablex.

Bryant, HE e EJ Love. 1989. Uso de terminal de exibição de vídeo e risco de aborto espontâneo. Int J Epidemiol 18:132-138.

Çakir, A. 1981. Belastung und Beanspruching bei Biuldschirmtätigkeiten. In Schriften zur Arbeitspychologie, editado por M Frese. Berna: Huber.

Çakir, A, D Hart e TFM Stewart. 1979. O Manual VDT. Darmstadt: Associação de Pesquisa Inca-Fiej.

Carayon, P. 1993a. Projeto de trabalho e estresse no trabalho em trabalhadores de escritório. Ergonomia 36:463-477.

—. 1993b. Efeito do monitoramento eletrônico de desempenho no design do trabalho e no estresse do trabalhador: uma revisão da literatura e do modelo conceitual. Fatores Hum 35(3):385-396.

Carayon-Sainfort, P. 1992. O uso de computadores em escritórios: impacto nas características da tarefa e no estresse do trabalhador. Int J Hum Comput Interact 4:245-261.

Carmichael, AJ e DL Roberts. 1992. Unidades de exibição visual e erupções faciais. Entre em contato com Dermat 26:63-64.

Carroll, JM e MB Rosson. 1988. Paradoxo do usuário ativo. Na interface do pensamento. Aspectos cognitivos da interação humano-computador, editado por JM Carroll. Cambridge: Bradford.

Cohen, ML, JF Arroyo, GD Champion e CD Browne. 1992. Em busca da patogênese da síndrome da dor cervicobraquial refratária. Uma desconstrução do fenômeno RSI. Med J Austral 156:432-436.

Cohen, S e N Weinstein. 1981. Efeitos não auditivos do ruído no comportamento e na saúde. J Soc Issues 37:36-70.

Cooper, CL e J. Marshall. 1976. Fontes ocupacionais de estresse: Uma revisão da literatura relacionada à doença cardíaca coronária e problemas de saúde mental. J Occup Psychol 49:11-28.

Dainoff, MG. 1982. Fatores de Estresse Ocupacional na Operação VDT: Uma Revisão da Pesquisa Empírica em Comportamento e Tecnologia da Informação. Londres: Taylor & Francis.

Desmarais, MC, L Giroux e L Larochelle. 1993. Uma interface de aconselhamento baseada no reconhecimento de planos e na avaliação do conhecimento do usuário. Int J Man Mach Stud 39:901-924.

Dorard, G. 1988. Place et validité des ophthalmologices dans l'étude de la fadiga visual engendrée par le travail sur écran. Grenoble: Faculté de médecine, Univ. de Grenoble.

Egan, DE. 1988. Diferenças individuais na interação humano-computador. Em Handbook of Human-Computer Interaction, editado por M Helander. Amsterdã: Elsevier.

Ellinger, S, W Karmaus, H Kaupen-Haas, KH Schäfer, G Schienstock e E Sonn. 1982. 1982 Arbeitsbedingungen, gesundheitsverhalten und rheumatische Erkrankungen. Hamburgo: Medizinische Soziologie, Univ. Hamburgo.

Ericson, A e B Källén. 1986. Um estudo epidemiológico do trabalho com telas de vídeo e resultado da gravidez: II. Um estudo de caso-controle. Am J Ind Med 9:459-475.

Frank, A.L. 1983. Efeitos da saúde após exposição ocupacional a terminais de exibição de vídeo. Lexington, Ky: Departamento de Medicina Preventiva e Saúde Ambiental.

Frese, M. 1987. Interação humano-computador no escritório. Em International Review of Industrial and Organizational Psychology, editado por CL Cooper. Nova York: Wiley.

Frölén, H e NM Svedenstål. 1993. Efeitos de campos magnéticos pulsados ​​no embrião de camundongo em desenvolvimento. Biolelectromagnetics 14:197-204.

Frite, HJH. 1992. Síndrome de uso excessivo e o conceito de uso excessivo. Documentos de discussão sobre a patologia do pescoço e membros superiores relacionados ao trabalho e as implicações para o tratamento, editados por G Bammer. Documento de trabalho nº 32. Canberra: NCEPH, Australian National Univ.

Gaines, BR e MLG Shaw. 1986. Do compartilhamento de tempo à sexta geração: O desenvolvimento da interação humano-computador. Parte I. Int J Man Mach Stud 24:1-27.

Gardell, B. 1971. Alienação e saúde mental no ambiente industrial moderno. In Society, Stress, and Disease, editado por L Levi. Oxford: OUP.

Goldhaber, MK, MR Polen e RA Hiatt. 1988. O risco de aborto espontâneo e defeitos congênitos entre mulheres que usam terminais de exibição visual durante a gravidez. Am J Ind Med 13:695-706.

GOULD, JD. 1988. Como projetar sistemas utilizáveis. Em Handbook of Human Computer Interaction, editado por M Helander. Amsterdã: Elsevier.

Gould, JD e C. Lewis. 1983. Projetando para usabilidade - Princípios-chave e o que os designers pensam. Em Proceedings of the 1983 CHI Conference On Human Factors in Computing Systems, 12 de dezembro, Boston. Nova York: ACM.

Grandjean, E. 1987. Ergonomia em Escritórios Computadorizados. Londres: Taylor & Francis.

Hackman, JR e GR Oldham. 1976. Motivação através do desenho do trabalho: Teste de uma teoria. Organ Behav Hum Perform 16:250-279.

Hagberg, M, Å Kilbom, P Buckle, L Fine, T Itani, T Laubli, H Riihimaki, B Silverstein, G Sjogaard, S Snook e E Viikari-Juntura. 1993. Estratégias de prevenção de distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho. Appl Ergon 24:64-67.

Halasz, F e TP Moran. 1982. Analogia considerada prejudicial. Em Anais da Conferência sobre Fatores Humanos em Sistemas de Computação. Gaithersburg, Maryland: ACM Press.

Hartson, RH e EC Smith. 1991. Prototipagem rápida no desenvolvimento de interface humano-computador. Interact Comput 3(1):51-91.

Hedge, A, WA Erickson e G Rubin. 1992. Efeitos de fatores pessoais e ocupacionais em relatórios de síndrome do edifício doente em escritórios com ar-condicionado. Em Stress and Well-Being At Work-Assessments and Interventions for Occupational Mental Health, editado por JC Quick, LR Murphy e JJ Hurrell Jr. Washington, DC: American Psychological Association.

Helme, RD, SA LeVasseur e SJ Gibson. 1992. RSI revisitado: evidências de diferenças psicológicas e fisiológicas de um grupo de controle pareado por idade, sexo e ocupação. Aust NZ J Med 22:23-29.

Herzberg, F. 1974. O velho e sábio turco. Harvard Bus Rev (setembro/outubro):70-80.

House, J. 1981. Estresse no trabalho e suporte social. Reading, Massachusetts: Addison-Wesley.

Hutchins, EL. 1989. Metáforas para sistemas interativos. Em The Structure of Multimodal Dialogue, editado por DG Bouwhuis, MM Taylor e F Néel. Amsterdã: Holanda do Norte.

Huuskonen, H, J Juutilainen e H Komulainen. 1993. Efeitos de campos magnéticos de baixa frequência no desenvolvimento fetal em ratos. Biolelectromagnetics 14(3):205-213.

Infante-Rivard, C, M David, R Gauthier e GE Rivard. 1993. Perda gestacional e horário de trabalho durante a gravidez. Epidemiologia 4:73-75.

Instituto de Pesquisa em Saúde e Segurança do Trabalho (IRSST). 1984. Rapport du groupe de travail sur les terminaux è tela de visualização. Montreal: IRSST.

International Business Machines Corp. (IBM). 1991a. Arquitetura de aplicativos de sistemas. Referência de design de interface avançada do guia de acesso do usuário comum. White Plains, NY.: IBM.

—. 1991b. Arquitetura de aplicativos de sistemas. Guia de acesso do usuário comum para design de interface do usuário. White Plains, NY.: IBM.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). 1984. Automação, Organização do Trabalho e Estresse Ocupacional. Genebra: OIT.

—. 1986. Edição especial sobre unidades de exibição visual. Cond Trabalho Dig.

—. 1989. Trabalhando com unidades de exibição visual. Série de Segurança e Saúde Ocupacional, No. 61. Genebra: ILO.

—. 1991. Privacidade do trabalhador. Parte I: Proteção de dados pessoais. Cond Work Dig 10:2.

Organização Internacional de Normalização (ISO). 1992. Requisitos ergonômicos para trabalho de escritório com terminais de exibição visual (VDTs). Norma ISO 9241.Genebra: ISO.

Johansson, G e G Aronsson. 1984. Reações de estresse no trabalho administrativo computadorizado. J Occup Behav 5:159-181.

Juliussen, E e K Petska-Juliussen. 1994. O Sétimo Almanaque Anual da Indústria de Computadores 1994-1995. Dallas: Almanaque da Indústria de Computadores.

Kalimo, R e A Leppanen. 1985. Feedback de terminais de exibição de vídeo, controle de desempenho e estresse na preparação de texto na indústria de impressão. J Occup Psychol 58:27-38.

Kanawaty, G. 1979. Introdução ao Estudo do Trabalho. Genebra: OIT.

Karasek, RA, D Baker, F Marxer, A Ahlbom e R Theorell. 1981. Latitude de decisão de trabalho, demandas de trabalho e doenças cardiovasculares. Em Machine-Pacing and Occupational Stress, editado por G Salvendy e MJ Smith. Londres: Taylor & Francis.

Karat, J. 1988. Metodologias de avaliação de software. Em Handbook of Human-Computer Interaction, editado por M Helander. Amsterdã: Elsevier.

Kasl, SV. 1978. Contribuições epidemiológicas para o estudo do estresse no trabalho. In Stress At Work, editado por CL Cooper e R Payne. Nova York: Wiley.

Koh, D, CL Goh, J Jeyaratnam, WC Kee e CN Ong. 1991. Queixas dermatológicas entre operadores de unidades de exibição visual e funcionários de escritório. Am J Contact Dermatol 2:136-137.

Kurppa, K, PC Holmberg, K Rantala, T Nurminen, L Saxén e S Hernberg. 1986. Defeitos congênitos, curso da gravidez e trabalho com unidades de exibição de vídeo. Um estudo de referência de caso finlandês. In Work With Display Units 86: Selected Papers from the International Scientific Conference On Work With Display Units, maio de 1986, Estocolmo, editado por B Knave e PG Widebäck. Amsterdã: Holanda do Norte.

Läubli, T, H Nibel, C Thomas, U Schwanninger e H Krueger. 1989. Méritos de testes periódicos de triagem visual em operadores de VDU. Em Work With Computers, editado por MJ Smith e G Salvendy. Amsterdã: Elsevier Science.

Levi, L. 1972. Estresse e Angústia em Resposta a Estímulos Psicossociais. Nova York: Pergamon Press.

Lewis, C e DA Norman. 1986. Projetando para o erro. Em User Centered System: New Perspectives On Human-Computer Interation, editado por DA Norman e SW Draper. Hillsdale, NJ: Erlbaum Associates.

Lidén, C. 1990. Alergia de contato: uma causa de dermatite facial entre operadores de unidades de exibição visual. Am J Contact Dermatol 1:171-176.

Lidén, C e JE Wahlberg. 1985. Trabalho com terminais de exibição de vídeo entre funcionários de escritório. Scand J Work Environ Health 11:489-493.

Lindbohm, ML, M Hietanen, P Kygornen, M Sallmen, P von Nandelstadh, H Taskinen, M Pekkarinen, M Ylikoski e K Hemminki. 1992. Campos magnéticos de terminais de exibição de vídeo e aborto espontâneo. Am J Epidemiol 136:1041-1051.

Lindström, K. 1991. Bem-estar e trabalho mediado por computador de vários grupos ocupacionais em bancos e seguros. Int J Hum Comput Interact 3:339-361.

Mantei, MM e TJ Teorey. 1989. Incorporando técnicas comportamentais no ciclo de vida do desenvolvimento de sistemas. MIS Q setembro: 257-274.

Marshall, C, C Nelson e MM Gardiner. 1987. Diretrizes de projeto. Em Applying Cognitive Psychology to User-Interface Design, editado por MM Gardiner e B Christie. Chichester, Reino Unido: Wiley.

Mayhew, DJ. 1992. Princípios e Diretrizes em Design de Interface de Usuário de Software. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

McDonald, AD, JC McDonald, B Armstrong, N Cherry, AD Nolin e D Robert. 1988. Trabalho com unidades de exibição visual na gravidez. Brit J Ind Med 45:509-515.

McGivern, RF e RZ Sokol. 1990. A exposição pré-natal a um campo eletromagnético de baixa frequência desmasculiniza o comportamento de marcação de perfume adulto e aumenta o peso dos órgãos sexuais acessórios em ratos. Teratologia 41:1-8.

Meyer, JJ e A Bousquet. 1990. Desconforto e brilho incapacitante em operadores de VDT. In Work With Display Units 89, editado por L Berlinguet e D Berthelette. Amsterdã: Elsevier Science.

Microsoft Corp. 1992. The Windows Interface: An Application Design Guide. Redmond, Washington: Microsoft Corp.

Monk, TH e DI Tepas. 1985. Trabalho por turnos. In Job Stress and Blue Collar Work, editado por CL Cooper e MJ Smith. Nova York: Wiley.

Moran, TP. 1981. A gramática da linguagem de comando: uma representação para a interface do usuário de sistemas de computador de interação. Int J Man Mach Stud 15:3-50.

—-. 1983. Entrando em um sistema: análise de mapeamento de tarefa externa-interna. Em Proceedings of the 1983 CHI Conference On Human Factors in Computing Systems, 12-15 de dezembro, Boston. Nova York: ACM.

Moshowitz, A. 1986. Dimensões sociais da automação de escritório. Adv Comput 25:335-404.

Murray, WE, CE Moss, WH Parr, C Cox, MJ Smith, BFG Cohen, LW Stammerjohn e A Happ. 1981. Riscos potenciais à saúde de terminais de exibição de vídeo. Relatório de pesquisa NIOSH 81-129. Cincinnati, Ohio: Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH).

Nielsen, CV e LPA Brandt. 1990. Aborto espontâneo entre mulheres usando terminais de exibição de vídeo. Scand J Work Environ Health 16:323-328.

—-. 1992. Crescimento fetal, parto prematuro e mortalidade infantil em relação ao trabalho com terminais de exibição de vídeo durante a gravidez. Scand J Work Environ Health 18:346-350.

Nielsen, J. 1992. O ciclo de vida da engenharia de usabilidade. Computador (mar.):12-22.

—-. 1993. Projeto iterativo de interface do usuário. Computador (novembro): 32-41.

Nielsen, J e RL Mack. 1994. Métodos de Inspeção de Usabilidade. Nova York: Wiley.

Número especial sobre os laboratórios de utilização. 1994. Behav Inf Technol.

Nurminen, T e K Kurppa. 1988. Emprego em escritório, trabalho com terminais de exibição de vídeo e curso da gravidez. Experiência de mães de referência de um estudo finlandês de referência de caso de defeitos congênitos. Scand J Work Environ Health 14:293-298.

Escritório de Avaliação de Tecnologia (OTA). 1987. O Supervisor Eletrônico: Nova Tecnologia, Novas Tensões. Washington, DC: US ​​Government Printing Office.

Fundação de Software Aberto. 1990. Guia de Estilo OSF/Motif. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Ostberg, O e C Nilsson. 1985. Tecnologia emergente e estresse. In Job Stress and Blue Collar Work, editado por CL Cooper e MJ Smith. Nova York: Wiley.

Piotrkowski, CS, BFG Cohen e KE Coray. 1992. Condições de trabalho e bem-estar entre trabalhadoras de escritório. Int J Hum Comput Interact 4:263-282.

Pot, F, P Padmos e A Brouwers. 1987. Determinantes do bem-estar do operador de VDU. Em Work With Display Units 86. Artigos Selecionados da Conferência Científica Internacional Sobre Work With Display Units, maio de 1986, Estocolmo, editado por B Knave e PG Widebäck. Amsterdã: Holanda do Norte.

Preece, J, Y Rogers, H Sharp, D Benyon, S Holland e T Carey. 1994. Interação Humano-Computador. Reading, Massachusetts: Addison-Wesley.

Quinter, J e R Elvey. 1990. A hipótese neurogênica de RSI. Documentos de discussão sobre a patologia do pescoço e membros superiores relacionados ao trabalho e as implicações para o tratamento, editados por G Bammer. Documento de trabalho nº 24. Canberra: NCEPH, Australian National Univ.

Rasmussen, J. 1986. Processamento de Informação e Interação Homem-Máquina. Uma Abordagem à Engenharia Cognitiva. Nova York: Holanda do Norte.

Ravden, SJ e GI Johnson. 1989. Avaliando Usabilidade de Interfaces Humano-Computador: Uma Abordagem Prática. West Sussex, Reino Unido: E Horwood.

—. 1992. Arquitetura de Aplicações de Sistemas: Suporte a Comunicações Comuns. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Reed, AV. 1982. Estratégias de correção de erros e interação humana com sistemas de computador. Em Anais da Conferência sobre Fatores Humanos em Sistemas de Computação Gaithersburg, Md.: ACM.

Rey, P e A. Bousquet. 1989. Tensão visual dos operadores de VDT: o certo e o errado. Em Work With Computers, editado por G Salvendy e MJ Smith. Amsterdã: Elsevier Science.

—. 1990. Estratégias de exame oftalmológico médico para operadores de VDT. In Work With Display Units 89, editado por L Berlinguet e D Berthelette. Amsterdã: Elsevier Science.

Rheingold, HR. 1991. Realidade Virtual. Nova York: Touchstone.

Rich, E. 1983. Usuários são indivíduos: Individualizando modelos de usuários. Int J Man Mach Stud 18:199-214.

Rivas, L e C Rius. 1985. Efeitos da exposição crônica a campos eletromagnéticos fracos em camundongos. IRCS Med Sci 13:661-662.

Roberto, JM. 1989. Aprendendo um sistema de computador por exploração não assistida. Um exemplo: o Macintosh. Em MACINTER II Man-Computer Interaction Research, editado por F Klix, N Streitz, Y Warren e H Wandke. Amsterdã: Elsevier.

Robert, JM e JY Fiset. 1992. Conception et evaluation ergonomices d'une interface pour un logiciel d'aide au diagnostic: Une étude de cas. ICO printemps-été:1-7.

Roman, E, V Beral, M Pelerin e C Hermon. 1992. Aborto espontâneo e trabalho com unidades de exibição visual. Brit J Ind Med 49:507-512.

Rubino, GF. 1990. Levantamento epidemiológico de distúrbios oculares: A pesquisa multicêntrica italiana. In Work With Display Units 89, editado por L Berlinguet e D Berthelette. Amsterdã: Elsevier Science.

Rumelhart, DE e DA Norman. 1983. Processos analógicos na aprendizagem. Em Habilidades cognitivas e sua aquisição, editado por JR Anderson. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum.

Ryan, GA e M. Bampton. 1988. Comparação de operadores de processamento de dados com e sem sintomas nos membros superiores. Community Health Stud 12:63-68.

Ryan, GA, JH Mullerworth e J Pimble. 1984. A prevalência de lesão por esforço de repetição em operadores de processamento de dados. In Proceedings of the 21st Annual Conference of the Ergonomics Society of Australia and New Zealand. Sidney.

Sanfort, PC. 1990. Preditores de estresse de design de trabalho em escritórios automatizados. Behav Inf Technol 9:3-16.

—-. 1991. Estresse, controle do trabalho e outros elementos do trabalho: Um estudo de trabalhadores de escritório. Int J Ind Erg 7:11-23.

Salvendy, G. 1992. Manual de Engenharia Industrial. Nova York: Wiley.

Salzinger, K e S Freimark. 1990. Comportamento operante alterado de ratos adultos após exposição perinatal a um campo eletromagnético de 60 Hz. Bioeletromagnética 11:105-116.

Sauter, SL, CL Cooper e JJ Hurrell. 1989. Controle do Trabalho e Saúde do Trabalhador. Nova York: Wiley.

Sauter, SL, MS Gottlieb, KC Jones, NV Dodson e KM Rohrer. 1983a. Implicações de trabalho e saúde do uso de VDT: resultados iniciais do estudo Wisconsin-NIOSH. Comum ACM 26:284-294.

Sauter, SL, MS Gottlieb, KM Rohrer e NV Dodson. 1983b. O bem-estar dos usuários de terminal de exibição de vídeo. Um Estudo Exploratório. Cincinnati, Ohio: NIOSH.

Escapin, DL. 1986. Guide ergonomice de concept des interfaces homme-machine. Relatório de pesquisa no. 77. Le Chesnay, França: INRIA.

Schnorr, TM, BA Grajewski, RW Hornung, MJ Thun, GM Egeland, WE Murray, DL Conover e WE Halperin. 1991. Terminais de exibição de vídeo e o risco de aborto espontâneo. New Engl J Med 324:727-733.

Shepherd, A. 1989. Análise e treinamento em tarefas de tecnologia da informação. Em Task Analysis for Human-Computer Interaction, editado por D Diaper. Chichester: E Horwood.

Shneiderman, B. 1987. Projetando a Interface do Usuário: Estratégias para Interação Humano-Computador Eficaz. Reading, Massachusetts: Addison-Wesley.

Sjödren, S e A Elfstrom. 1990. Desconforto ocular entre 4000 usuários de VDU. Em trabalho com exibição
Units 89, editado por L Berlinguet e D Berthelette. Amsterdã: Elsevier Science.

Smith, MJ. 1987. Estresse ocupacional. Em Handbook of Ergonomics/Human Factors, editado por G Salvendy. Nova York: Wiley.

Smith, MJ e BC Amick. 1989. Monitoramento eletrônico no local de trabalho: Implicações para controle de funcionários e estresse no trabalho. In Job Control and Worker Health, editado por S Sauter, J Hurrel e C Cooper. Nova York: Wiley.

Smith, MJ, P Carayon e K Miezio. 1987. Tecnologia VDT: preocupações psicossociais e de estresse. Em Work With Display Units, editado por B Knave e PG Widebäck. Amsterdã: Elsevier Science.

Smith, MJ e P Carayon-Sainfort. 1989. Uma teoria de equilíbrio de design de trabalho para redução de estresse. Int J Ind Erg 4:67-79.

Smith, MJ, BFG Cohen, LW Stammerjohn e A Happ. 1981. Uma investigação de queixas de saúde e estresse no trabalho em operações de exibição de vídeo. Fatores Hum 23:387-400.

Smith, MJ, P Carayon, KH Sanders, SY Lim e D LeGrande. 1992a. Monitoramento eletrônico de desempenho, design de trabalho e estresse do trabalhador. Appl Ergon 23:17-27.

Smith, MJ, G Salvendy, P Carayon-Sainfort e R Eberts. 1992b. Interação humano-computador. No Manual de Engenharia Industrial, editado por G Salvendy. Nova York: Wiley.

Smith, SL e SL Mosier. 1986. Diretrizes para projetar software de interface de usuário. Relatório ESD-TR-278. Bedford, Mass.: MITRE.

Divisão de Epidemiologia da Comissão de Saúde da Austrália do Sul. 1984. Sintomas de esforço repetitivo e condições de trabalho entre os trabalhadores de teclado envolvidos na entrada de dados ou processamento de texto no serviço público do sul da Austrália. Adelaide: Comissão de Saúde da Austrália do Sul.

Stammerjohn, LW, MJ Smith e BFG Cohen. 1981. Avaliação de fatores de projeto de estação de trabalho em operações VDT. Fatores Hum 23:401-412.

Stellman, JM, S Klitzman, GC Gordon e BR Snow. 1985. Qualidade do ar e ergonomia no escritório: resultados da pesquisa e questões metodológicas. Am Ind Hyg Assoc J 46:286-293.

—-. 1987a. Comparação do bem-estar entre trabalhadores administrativos não interativos com máquinas e usuários e digitadores de VDT em tempo integral e meio período. Em Work With Display Units 86. Artigos Selecionados da Conferência Científica Internacional Sobre Work With Display Units, maio de 1986, Estocolmo, editado por B Knave e PG Widebäck. Amsterdã: Holanda do Norte.

—-. 1987b. Ambiente de trabalho e bem-estar dos funcionários de escritório e VDT. J Occup Behav 8:95-114.

Strassman, PA. 1985. Recompensa da Informação: A Transformação do Trabalho na Era Eletrônica. Nova York: Free Press.

Stuchly, M, AJ Ruddick, et al. 1988. Avaliação teratológica da exposição a campos magnéticos variáveis ​​no tempo. Teratologia 38:461-466.

Sun Microsystems Inc. 1990. Open Look. Diretrizes de estilo de aplicativo de interface gráfica do usuário. Reading, Massachusetts: Addison-Wesley.

Swanbeck, G e T Bleeker. 1989. Problemas de pele de unidades de exibição visual: Provocação de sintomas de pele sob condições experimentais. Acta Derm-Venereol 69:46-51.

Taylor, FW. 1911. Os Princípios da Administração Científica. Nova York: Norton & Co.

Thimbleby, H. 1990. Projeto de interface do usuário. Chichester: ACM.

Tikkanen, J e OP Heinonen. 1991. Exposição materna a fatores químicos e físicos durante a gravidez e malformações cardiovasculares na prole. Teratologia 43:591-600.

Tribukait, B e E Cekan. 1987. Efeitos de campos magnéticos pulsados ​​no desenvolvimento embrionário em camundongos. In Work With Display Units 86: Selected Papers from the International Scientific Conference On Work With Display Units, maio de 1986, Estocolmo, editado por B Knave e PG Widebäck. Amsterdã: Holanda do Norte.

Wahlberg, JE e C Lidén. 1988. A pele é afetada pelo trabalho em terminais de exibição visual? Dermatol Clin 6:81-85.

Waterworth, JA e MH Chignell. 1989. Um manifesto para pesquisa de usabilidade em hipermídia. Hipermídia 1:205-234.

Westerholm, P e A Ericson. 1986. Resultado da gravidez e trabalho de VDU em um grupo de balconistas de seguros. Em Work With Display Units 86. Artigos Selecionados da Conferência Científica Internacional Sobre Work With Display Units, maio de 1986, Estocolmo, editado por B Knave e PG Widebäck. Amsterdã: Holanda do Norte.

Westlander, G. 1989. Uso e não uso de VDTs—Organização do trabalho terminal. Em Work With Computers: Organizational, Management, Stress and Health Aspects, editado por MJ Smith e G Salvendy. Amsterdã: Elsevier Science.

Westlander, G e E Aberg. 1992. Variedade no trabalho de VDT: Uma questão para avaliação na pesquisa de ambiente de trabalho. Int J Hum Comput Interact 4:283-302.

Wickens, C. 1992. Psicologia da Engenharia e Desempenho Humano. Nova York: Harper Collins.

Wiley, MJ e P Corey. 1992. Os efeitos da exposição contínua a campos magnéticos dente de serra de 20 khz nas ninhadas de camundongos CD-1. Teratologia 46:391-398.

Wilson, J e D. Rosenberg. 1988. Prototipagem rápida para design de interface de usuário. Em Handbook of Human-Computer Interaction, editado por M Helander. Amsterdã: Elsevier.

Windham, GC, L Fenster, SH Swan e RR Neutra. 1990. Uso de terminais de exibição de vídeo durante a gravidez e o risco de aborto espontâneo, baixo peso ao nascer ou retardo de crescimento intra-uterino. Am J Ind Med 18:675-688.

Organização Mundial da Saúde (OMS). 1987. Terminais de Exibição Visual e Saúde do Trabalhador. Genebra: OMS.

—-. 1989. Trabalho com terminais visuais: aspectos psicossociais e saúde. J Occup Med 31:957-968.

Yang, CL e P Carayon. 1993. Efeitos das demandas de trabalho e apoio ao trabalho sobre o estresse do trabalhador: Um estudo de usuários de VDT. Behav Inf Technol .

Jovem, J.E. 1993. Rede Global. Computadores em uma Sociedade Sustentável. Washington, DC: Worldwatch Paper 115.

Jovem, RM. 1981. A máquina dentro da máquina: modelos de calculadoras de bolso dos usuários. Int J Man Mach Stud 15:51-85.

Zecca, L, P Ferrario, and G Dal Conte. 1985. Estudos toxicológicos e teratológicos em ratos após exposição a campos magnéticos pulsantes. Bioeletrochem Bioenerget 14:63-69.

Zuboff, S. 1988. Na era da máquina inteligente: o futuro do trabalho e do poder. Nova York: Basic Books.