Quarta-feira, 09 Março 2011 14: 19

Poluição atmosférica

Classifique este artigo
(2 votos)

O problema da poluição do ar tem crescido continuamente desde o início da Revolução Industrial, há 300 anos. Quatro fatores principais exacerbaram a poluição do ar: a crescente industrialização; aumentar o tráfego; rápido desenvolvimento econômico; e maiores níveis de consumo de energia. A informação disponível mostra que as orientações da OMS para os principais poluentes atmosféricos são regularmente ultrapassadas em muitos dos grandes centros urbanos. Embora tenha havido progresso no controle dos problemas de poluição do ar em muitos países industrializados nas últimas duas décadas, a qualidade do ar – particularmente nas grandes cidades do mundo em desenvolvimento – está piorando. De grande preocupação são os efeitos adversos à saúde dos poluentes do ar ambiente em muitas áreas urbanas, onde os níveis são suficientemente altos para contribuir para o aumento da mortalidade e morbidade, déficits na função pulmonar e efeitos cardiovasculares e neurocomportamentais (Romieu, Weizenfeld e Finkelman 1990; OMS/PNUMA 1992). A poluição do ar interior devido a produtos de combustão doméstica também é um problema importante nos países em desenvolvimento (OMS 1992b), mas não faz parte desta revisão, que considera apenas as fontes, dispersão e efeitos na saúde da poluição do ar exterior, e inclui um estudo de caso da situação no México.

Fonte de Poluentes do Ar

Os poluentes atmosféricos mais comuns em ambientes urbanos incluem o dióxido de enxofre (SO2), material particulado em suspensão (SPM), os óxidos de nitrogênio (NO e NO2, denominado coletivamente NÃOX), ozônio (O3), monóxido de carbono (CO) e chumbo (Pb). A combustão de combustíveis fósseis em fontes estacionárias leva à produção de SO2, Eu não tenhoX e particulados, incluindo aerossóis de sulfato e nitrato formados na atmosfera após a conversão de gás em partícula. Os veículos a motor movidos a gasolina são as principais fontes de NOX, CO e Pb, enquanto os motores a diesel emitem quantidades significativas de particulados, SO2 e nãoX. O ozônio, um oxidante fotoquímico e o principal constituinte do smog fotoquímico, não é emitido diretamente de fontes de combustão, mas é formado na baixa atmosfera a partir de NOX e compostos orgânicos voláteis (VOCs) na presença da luz solar (UNEP 1991b). A Tabela 1 apresenta as principais fontes de poluentes do ar externo.

 


Tabela 1. Principais fontes de poluentes do ar externo

 

Fontes de Poluentes

Óxidos de enxofre Combustão de carvão e petróleo, fundições

Partículas em suspensão Produtos de combustão (combustível, biomassa), fumaça de tabaco

Óxidos de nitrogênio Combustível e combustão de gás

Monóxido de carbono Combustão incompleta de gasolina e gás

Reação fotoquímica do ozônio

Chumbo Combustão de gasolina, combustão de carvão, produção de baterias, cabos, solda, tinta

Substâncias orgânicas Solventes petroquímicos, vaporização de combustíveis não queimados

Fonte: Adaptado de UNEP 1991b.


 

 

Dispersão e Transporte de Poluentes Atmosféricos

As duas maiores influências na dispersão e transporte das emissões de poluentes atmosféricos são a meteorologia (incluindo efeitos microclimáticos como “ilhas de calor”) e a topografia em relação à distribuição populacional. Muitas cidades são cercadas por colinas que podem atuar como uma barreira contra o vento, retendo a poluição. As inversões térmicas contribuem para um problema de partículas em climas temperados e frios. Em condições normais de dispersão, os gases poluentes quentes sobem à medida que entram em contato com as massas de ar mais frias com o aumento da altitude. No entanto, em certas circunstâncias, a temperatura pode aumentar com a altitude, formando uma camada de inversão, prendendo os poluentes perto da fonte de emissão e retardando sua difusão. O transporte de longo alcance da poluição do ar de grandes áreas urbanas pode ter impactos nacionais e regionais. Óxidos de nitrogênio e enxofre podem contribuir para a deposição ácida a grandes distâncias da fonte de emissão. As concentrações de ozônio são frequentemente elevadas a favor do vento em áreas urbanas devido ao intervalo de tempo envolvido nos processos fotoquímicos (UNEP 1991b).

Efeitos dos Poluentes do Ar na Saúde

Poluentes e seus derivados podem causar efeitos adversos ao interagir e prejudicar moléculas cruciais para os processos bioquímicos ou fisiológicos do corpo humano. Três fatores influenciam o risco de lesão tóxica relacionada a essas substâncias: suas propriedades químicas e físicas, a dose do material que atinge os locais críticos do tecido e a responsividade desses locais à substância. Os efeitos adversos à saúde dos poluentes atmosféricos também podem variar entre os grupos populacionais; em particular, os jovens e os idosos podem ser especialmente suscetíveis a efeitos deletérios. Pessoas com asma ou outras doenças respiratórias ou cardíacas pré-existentes podem apresentar sintomas agravados após a exposição (OMS 1987).

Dióxido de Enxofre e Matéria Particulada

Durante a primeira metade do século XX, episódios de acentuada estagnação do ar resultaram em excesso de mortalidade em áreas onde a combustão de combustíveis fósseis produzia níveis muito elevados de SO2 e SMP. Estudos de efeitos de saúde a longo prazo também relacionaram as concentrações médias anuais de SO2 e SMP à mortalidade e morbidade. Estudos epidemiológicos recentes sugeriram um efeito adverso dos níveis de partículas inaláveis ​​(PM10) em concentrações relativamente baixas (não excedendo as diretrizes padrão) e mostraram uma relação dose-resposta entre exposição a PM10 e mortalidade e morbidade respiratória (Dockery e Pope 1994; Pope, Bates e Razienne 1995; Bascom et al. 1996) conforme mostrado na tabela 2.

Tabela 2. Resumo da relação exposição-resposta de curto prazo de PM10 com diferentes indicadores de efeitos na saúde

efeito de saúde

% de alterações para cada 10 μg/m3
aumento de PM
10

 

Média

Variação

Mortalidade

   

Total

1.0

0.5-1.5

Cardiovascular

1.4

0.8-1.8

Respiratório

3.4

1.5-3.7

Morbilidade

   

Internação hospitalar por problema respiratório

1.1

0.8-3.4

Visitas de emergência para problemas respiratórios

1.0

0.5-4

Exacerbações de sintomas entre asmáticos

3.0

1.1-11.5

Alterações no pico de fluxo expiratório

0.08

0.04-0.25

 

Óxidos de nitrogênio

Alguns estudos epidemiológicos relataram efeitos adversos à saúde do NO2 incluindo aumento da incidência e gravidade de infecções respiratórias e aumento de sintomas respiratórios, especialmente com exposição a longo prazo. Piora do estado clínico de pessoas com asma, doença pulmonar obstrutiva crônica e outras condições respiratórias crônicas também foi descrita. No entanto, em outros estudos, os investigadores não observaram efeitos adversos do NO2 nas funções respiratórias (OMS/ECOTOX 1992; Bascom et al. 1996).

Oxidantes Fotoquímicos e Ozônio

Os efeitos na saúde da exposição a oxidantes fotoquímicos não podem ser atribuídos apenas aos oxidantes, porque o smog fotoquímico normalmente consiste em O3, Eu não tenho2, ácido e sulfato e outros agentes reativos. Esses poluentes podem ter efeitos aditivos ou sinérgicos na saúde humana, mas O3 parece ser o mais biologicamente ativo. Os efeitos para a saúde da exposição ao ozônio incluem diminuição da função pulmonar (incluindo aumento da resistência das vias aéreas, redução do fluxo de ar, diminuição do volume pulmonar) devido à constrição das vias aéreas, sintomas respiratórios (tosse, respiração ofegante, falta de ar, dores no peito), irritação nos olhos, nariz e garganta, e interrupção de atividades (como desempenho atlético) devido à menor disponibilidade de oxigênio (OMS/ECOTOX 1992). A Tabela 3 resume os principais efeitos agudos do ozônio na saúde (OMS 1990a, 1995). Estudos epidemiológicos sugeriram uma relação dose-resposta entre a exposição a níveis crescentes de ozônio e a gravidade dos sintomas respiratórios e a diminuição das funções respiratórias (Bascom et al. 1996).

Tabela 3. Resultados de saúde associados a mudanças no pico de concentração diária de ozônio ambiente em estudos epidemiológicos

resultado de saúde

Alterações em
1 hora O
3 (Mg / m3)

Alterações em
8 hora O
3 (Mg / m3)

Exacerbações de sintomas em crianças saudáveis
e adultos ou asmáticos-atividade normal

   

25% de aumento

200

100

50% de aumento

400

200

100% de aumento

800

300

Internações hospitalares por problemas respiratórios
condiçõesa

   

5%

30

25

10%

60

50

20%

120

100

a Dado o alto grau de correlação entre o O de 1 h e o de 8 h3 concentrações em estudos de campo, uma melhoria no risco de saúde associado à diminuição de 1 ou 8 horas de O3 os níveis devem ser quase idênticos.

Fonte: OMS 1995.

Monóxido de carbono

O principal efeito do CO é diminuir o transporte de oxigênio para os tecidos através da formação de carboxiemoglobina (COHb). Com o aumento dos níveis de COHb no sangue, podem ser observados os seguintes efeitos na saúde: efeitos cardiovasculares em indivíduos com angina pectoris prévia (3 a 5%); comprometimento das tarefas de vigilância (>5%); dor de cabeça e tontura (≥10%); fibrinólise e morte (OMS 1987).

Conduzir

A exposição ao chumbo afeta principalmente a biossíntese do heme, mas também pode atuar no sistema nervoso e em outros sistemas, como o cardiovascular (pressão arterial). Lactentes e crianças pequenas com menos de cinco anos de idade são particularmente sensíveis à exposição ao chumbo devido ao seu efeito no desenvolvimento neurológico em níveis de chumbo no sangue próximos a 10 μg/dl (CDC 1991).

Vários estudos epidemiológicos investigaram o efeito da poluição do ar, especialmente a exposição ao ozônio, na saúde da população da Cidade do México. Estudos ecológicos mostraram um aumento na mortalidade em relação à exposição a partículas finas (Borja-Arburto et al. 1995) e um aumento nas visitas de emergência por asma entre crianças (Romieu et al. 1994). Estudos sobre o efeito adverso da exposição ao ozônio conduzidos entre crianças saudáveis ​​mostraram um aumento no absenteísmo escolar devido a doenças respiratórias (Romieu et al. 1992) e uma diminuição na função pulmonar após exposição aguda e subaguda (Castillejos et al. 1992, 1995). Estudos conduzidos entre crianças asmáticas mostraram um aumento nos sintomas respiratórios e uma diminuição no pico do fluxo expiratório após a exposição ao ozônio (Romieu et al. 1994) e aos níveis de partículas finas (Romieu et al. no prelo). Embora pareça claro que a exposição aguda ao ozônio e particulados está associada a efeitos adversos à saúde na população da Cidade do México, é necessário avaliar o efeito crônico de tal exposição, em particular devido aos altos níveis de foto-oxidantes observados em Cidade do México e a ineficácia das medidas de controle.


Estudo de caso: Poluição do ar na Cidade do México

A área metropolitana da Cidade do México (MAMC) está situada na Bacia Mexicana a uma altitude média de 2,240 metros. A bacia tem 2,500 quilômetros quadrados e é cercada por montanhas, duas das quais com mais de 5,000 metros de altura. A população total foi estimada em 17 milhões em 1990. Devido às características geográficas particulares e aos ventos fracos, a ventilação é pobre com alta freqüência de inversões térmicas, especialmente durante o inverno. As mais de 30,000 indústrias do MAMC e os três milhões de veículos automotores que circulam diariamente são responsáveis ​​por 44% do consumo total de energia. Desde 1986, a poluição do ar é monitorada, incluindo SO2, Eu não tenhoxCO, O3, material particulado e hidrocarboneto não metânico (HCNM). Os principais problemas de poluição do ar estão relacionados ao ozônio, especialmente na parte sudoeste da cidade (Romieu et al. 1991). Em 1992, a norma mexicana para ozônio (máximo de 110 ppb em uma hora) foi excedida na parte sudoeste em mais de 1,000 horas e atingiu um máximo de 400 ppb. Os níveis de partículas são altos na parte nordeste da cidade, perto do parque industrial. Em 1992, a média anual de partículas inaláveis ​​(PM10) foi de 140 μg/m3. Desde 1990, importantes medidas de controle foram tomadas pelo governo para diminuir a poluição do ar, incluindo um programa que proíbe o uso de carros um dia por semana, dependendo de sua placa final, o fechamento de uma das refinarias mais poluentes localizadas na Cidade do México , e a introdução do combustível sem chumbo. Estas medidas levaram a uma diminuição de vários poluentes atmosféricos, principalmente SO2, material particulado, NÃO2, CO e chumbo. No entanto, o nível de ozônio continua sendo um grande problema (ver figura 1, figura 2 e figura 3).


Figura 1. Níveis de ozônio em duas zonas da Cidade do México. Máximo diário de uma hora por mês, 1994

EHH040F1

Figura 2. Partículas (PM10) em duas zonas da Cidade do México, 1988-1993

EHH040F2

Figura 3. Níveis de chumbo aéreo em duas zonas da Cidade do México, 1988-1994

EHH040F3

 

Voltar

Leia 11641 vezes Última modificação em quinta-feira, 13 de outubro de 2011 18:28

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de perigos de saúde ambiental

Alan, JS. 1992. Evolução viral e AIDS. J Natl Inst Health Res 4:51-54.

Angier, N. 1991. Estudo descobre aumento misterioso na taxa de câncer infantil. New York Times (26 de junho):D22.

ARCEIVALA, SJ. 1989. Qualidade da água e controle da poluição: Planejamento e gestão. Em Critérios e Abordagens para Gestão da Qualidade da Água em Países em Desenvolvimento. Nova York: Nações Unidas.

Archer, DL e JE Kvenberg. 1985. Incidência e custo da doença diarreica transmitida por alimentos nos Estados Unidos. J Food Prod 48(10):887-894.

Balik, MJ. 1990. Etnobotânica e a identificação de agentes terapêuticos da floresta tropical. CIBA F Symp 154:22-39.

Bascom, R et al. 1996. Efeitos na saúde da poluição do ar exterior. Estado da arte. Am J Resp Crit Care Med 153:3-50.

Blakeslee, S. 1990. Os cientistas enfrentam um mistério alarmante: o sapo desaparecido. New York Times. 20 de fevereiro: B7.

Blaustein, AR.1994. Reparo UL e resistência a UV-B solar em ovos de anfíbios: um link para declínios populacionais. Proc Natl Acad Sci USA 91:1791-1795.

Borja-Arburto, VH, DP Loomis, C Shy e S Bangdiwala. 1995. Poluição do ar e mortalidade diária na Cidade do México. Epidemiologia S64:231.

Bridigare, RR. 1989. Efeitos potenciais de UVB em organismos marinhos do Oceano Antártico: Distribuição de fitoplâncton e krill durante a Primavera Austral. Photochem Photobiol 50:469-478.

Brody, JE. 1990. Usando a toxina de pequenos sapos, os pesquisadores buscam pistas para a doença. New York Times. 23 de janeiro.

Brody, JE. 1991. Longe de serem temíveis, os morcegos perdem terreno para a ignorância e a ganância. New York Times. 29 de Outubro:Cl,C10.

Carlsen, E e A Gimmercman. 1992. Evidência de diminuição da qualidade do sêmen durante os últimos 50 anos. Br Med J 305:609-613.

Castillejos, M, D Gold, D Dockery, T Tosteson, T Baum e FE Speizer. 1992. Efeitos do ozônio ambiente nas funções e sintomas respiratórios em crianças em idade escolar na Cidade do México. Am Rev Respir Dis 145:276-282.

Castillejos, M, D Gold, A Damokosh, P Serrano, G Allen, WF McDonnell, D Dockery, S Ruiz-Velasco, M Hernandez e C Hayes. 1995. Efeitos agudos do ozônio na função pulmonar de escolares da Cidade do México. Am J Resp Crit Care Med 152:1501-1507.

Centros de Controle de Doenças (CDC). 1991. Prevenção de envenenamento por chumbo em crianças pequenas. Washington, DC: Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA.

Cohen, ML. 1987. Declaração preparada em “Audiência perante o Comitê de Agricultura, Nutrição e Florestas”. Senado dos EUA, 100º Congresso, Primeira Sessão. (Escritório de Impressão do Governo dos EUA, Washington, DC).

Coleman, MP, J Esteve, P Damiecki, A Arslan e H Renard. 1993. Tendências na incidência e mortalidade do câncer. Publicações Científicas da IARC, No.121. Lyon: IARC.

Davis, DL, GE Dinse e DG Hoel. 1994. Diminuição das doenças cardiovasculares e aumento do câncer entre os brancos nos Estados Unidos de 1973-1987. JAMA 271(6):431-437.

Davis, DL e Hoel D. 1990a. Tendências internacionais de mortalidade por câncer na França, Alemanha Ocidental, Itália, Japão, Inglaterra, País de Gales e Estados Unidos. Lancet 336 (25 de agosto): 474-481.

—. 1990b. Tendências na Mortalidade por Câncer em Países Industrializados. Annals of the New York Academy of Sciences, nº 609.

Dockery, DW e CA Pope. 1994. Efeitos respiratórios agudos da poluição do ar por partículas. Ann Rev Publ Health 15:107-132.

Dold, C. 1992. Agentes tóxicos encontrados matando baleias. New York Times. 16 de junho: C4.

Domingo, M e L Ferrer. 1990. Morbillivirus em golfinhos. Natureza 348:21.

Ehrlich, PR e EO Wilson. 1991. Estudos de biodiversidade: Ciência e política. Science 253(5021):758-762.

Epstein, PR. 1995. Doenças emergentes e instabilidade do ecossistema. Am J Public Health 85:168-172.

Farman, JC, H Gardiner e JD Shanklin. 1985. Grandes perdas de ozônio total na Antártica revelam interação sazonal ClOx/NOx. Natureza 315:207-211.

Farnsworth, NR. 1990. O papel da etnofarmacologia no desenvolvimento de drogas. CIBA F Simp 154:2-21.

Farnsworth, NR, O Akerele, et al. 1985. Plantas medicinais na terapia. Bull WHO 63(6):965-981.

Secretaria Federal de Saúde (Suíça). 1990. Boletim da Secretaria Federal de Saúde. 29 de outubro.

Floyd, T, RA Nelson e GF Wynne. 1990. Cálcio e homeostase metabólica óssea em ursos negros ativos e denning. Clin Orthop Relat R 255 (junho):301-309.

Focks, DA, E Daniels, DG Haile e JE Keesling. 1995. Um modelo de simulação da epidemiologia da dengue urbana: análise da literatura, desenvolvimento do modelo, validação preliminar e amostras dos resultados da simulação. Am J Trop Med Hyg 53:489-506.

Galal-Gorchev, H. 1986. Qualidade e Saúde da Água Potável. Genebra: OMS, não publicado.

—. 1994. Diretrizes da OMS para a Qualidade da Água Potável. Genebra: OMS, não publicado.

Gao, F e L Yue. 1992. Infecção humana por HIV-2 geneticamente diverso relacionado ao SIVsm na África Ocidental. Natureza 358:495.

Gilles, HM e DA Warrell. 1993. Malaniologia Essencial de Bruce-Chwatt. Londres: Edward Arnold Press.

Gleason, JF, PK Bhartia, JR Herman, R McPeters, et al. 1993. Registro de ozônio global baixo em 1992. Science 260:523-526.

Gottlieb, OR e WB Mors. 1980. Potencial de aproveitamento dos extrativos da madeira brasileira. J Agricul Food Chem 28(2): 196-215.

Grossklaus, D. 1990. Gesundheitliche Fragen im EG-Binnemarkt. Arch Lebensmittelhyg 41(5):99-102.

Hamza, A. 1991. Impactos de Resíduos Industriais e de Fabricação em Pequena Escala no Ambiente Urbano em Países em Desenvolvimento. Nairóbi: Centro das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos.

Hardoy, JE, S Cairncross e D Satterthwaite. 1990. Os Pobres Morrem Jovens: Habitação e Saúde nas Cidades do Terceiro Mundo. Londres: Earthscan Publications.

Hardoy, JE e F Satterthwaite. 1989. Squatter Citizen: Life in the Urban Third World. Londres: Earthscan Publications.

Harpham, T, T Lusty e P Vaugham. 1988. In the Shadow of the City—Community Health and the Urban Poor. Oxford: OUP.

Hirsch, VM e M Olmsted. 1989. Um lentivírus de primatas africanos (SIVsm) intimamente relacionado com HIV-s. Natureza 339:389.

HOEL, DG. 1992. Tendências na mortalidade por câncer em 15 países industrializados, 1969-1986. J Natl Cancer Inst 84(5):313-320.

Hoogenboom-Vergedaal, AMM et al. 1990. Epdemiologisch En Microbiologisch Onderzoek Met Betrekking Tot Gastro-Enteritis Bij De Mens in De Regio's Amsterdam En Helmond em 1987 En 1988. Holanda: National Institute of Public
Saúde e Proteção Ambiental.

Huet, T e A Cheynier. 1990. Organização genética de um lentivírus de chimpanzé relacionado ao HIV-1. Natureza 345:356.

Huq, A, RR Colwell, R Rahman, A Ali, MA Chowdhury, S Parveen, DA Sack e E Russek-Cohen. 1990. Detecção de Vibrio cholerae 01 no ambiente aquático por anticorpo monoclonal fluorescente e métodos de cultura. Appl Environ Microbiol 56:2370-2373.

Instituto de Medicina. 1991. Malária: Obstáculos e Oportunidades. Washington, DC: National Academy Press.

—. 1992. Infecções Emergentes: Ameaças Microbianas à Saúde nos Estados Unidos. Washington, DC: National Academy Press.

Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). 1990. Mudança Climática: A Avaliação de Impactos do IPCC. Canberra: Serviço de publicação do governo australiano.

—. 1992. Mudança Climática 1992: O Relatório Suplementar à Avaliação de Impactos do IPCC. Canberra: Serviço de publicação do governo australiano.

Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC). 1992. Radiação Solar e Ultravioleta. Monografias da IARC sobre a avaliação de riscos cancerígenos para humanos. Lyon: IARC.

Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). 1991. Avaliação do Projeto Internacional de Chernobyl de Consequências Radiológicas e Avaliação de Medidas de Proteção. Viena: AIEA.

Kalkstein, LS e KE Smoyer. 1993. O impacto das mudanças climáticas na saúde humana: Algumas implicações internacionais. Experiência 49:469-479.

Kennedy, S e JA Smith. 1988. Confirmação da causa das recentes mortes de focas. Natureza 335:404.

Kerr, JB e CT McElroy. 1993. Evidência de grandes tendências ascendentes de radiação ultravioleta-B ligadas à destruição do ozônio. Ciência 262 (novembro): 1032-1034.

Kilbourne EM. 1989. Ondas de calor. In As consequências dos desastres para a saúde pública. 1989, editado por MB Gregg. Atlanta: Centros de Controle de Doenças.

Kingman, S. 1989. A malária corre solta na fronteira selvagem do Brasil. Novo Cientista 123:24-25.

Kjellström, T. 1986. Doença de Itai-itai. Em Cadmium and Health, editado por L Friberg et al. Boca Ratón: CRC Press.

Koopman, JS, DR Prevots, MA Vaca-Marin, H Gomez-Dantes, ML Zarate-Aquino, IM Longini Jr e J Sepulveda-Amor. 1991. Determinantes e preditores da infecção por dengue no México. Am J Epidemiol 133:1168-1178.

Kripke, ML e WL Morison. 1986. Estudos sobre o mecanismo de supressão sistêmica da hipersensibilidade de contato pela radiação UVB. II: Diferenças na supressão da hipersensibilidade retardada e de contato em camundongos. J Invest Dermatol 86:543-549.
Kurihara, M, K Aoki e S Tominaga. 1984. Estatísticas de Mortalidade por Câncer no Mundo. Nagoya, Japão: The University of Nagoya Press.

Lee, A e R Langer. 1983. A cartilagem de tubarão contém inibidores da angiogênese tumoral. Science 221:1185-1187.

Loevinsohn, M. 1994. Aquecimento climático e aumento da incidência de malária em Ruanda. Lancet 343:714-718.

Longstreth, J e J Wiseman. 1989. O impacto potencial da mudança climática nos padrões de doenças infecciosas nos Estados Unidos. Em The Potential Effects of Global Climate Change in the United States, editado por JB Smith e DA
Tirpak. Washington, DC: Agência de Proteção Ambiental dos EUA.

Martens, WM, LW Niessen, J Rotmans, TH Jetten e AJ McMichael. 1995. Impacto potencial da mudança climática global no risco de malária. Environ Health Persp 103:458-464.

Matlai, P e V Beral. 1985. Tendências em malformações congênitas da genitália externa. Lancet 1 (12 de janeiro):108.

McMichael, AJ. 1993. Sobrecarga Planetária: Mudança Ambiental Global e a Saúde da Espécie Humana. Londres: Cambridge University Press.

Meybeck, M, D Chapman e R Helmer. 1989. Qualidade Global de Água Doce: Uma Primeira Avaliação. Genebra: Sistema Global de Monitoramento Ambiental (GEMS/-WATER).

Meybeck, M e R Helmer. 1989. A qualidade dos rios: do estágio primitivo à poluição global. Paleogeogr Paleoclimatol Paleoecol 75:283-309.

Michaels, D, C Barrera e MG Gacharna. 1985. Desenvolvimento econômico e saúde ocupacional na América Latina: Novas direções para a saúde pública em países menos desenvolvidos. Am J Public Health 75(5):536-542.

Molina, MJ e FS Rowland. 1974. Pia estratosférica para cloro-fluoro-metanos: destruição de ozônio catalisada por átomos de cloro. Natureza 249:810-814.

Montgomery, S. 1992. O terrível comércio põe em perigo os ursos do mundo. O Globo de Boston. 2:23-24 de março.

Nelson, AR. 1973. Winter sleep in the black bear. Mayo Clin Proc 48:733-737.

Nimmannitya, S. 1996. Dengue e dengue hemorrágica. Em Manson's Tropical Diseases, editado por GC Cook. Londres: WB Saunders.

Nogueira, D.P. 1987. Prevenção de acidentes e lesões no Brasil. Ergonomia 30(2):387-393.

Notermans, S. 1984. Beurteilung des bakteriologischen Status frischen Geflügels in Läden und auf Märkten. Fleischwirtschaft 61(1):131-134.

Noweir, MH. 1986. Saúde ocupacional em países em desenvolvimento, com referência especial ao Egito. Am J Ind Med 9:125-141.

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e Organização Mundial da Saúde (OMS). 1989. Relatório Final do Grupo de Trabalho sobre Vigilância Epidemiológica e Doenças Transmitidas por Alimentos. Documento não publicado HPV/FOS/89-005.

Patz, JA, PR Epstein, TA Burke e JM Balbus. 1996. Mudança climática global e doenças infecciosas emergentes. JAMA 275:217-223.

Pope, CA, DV Bates e ME Razienne. 1995. Efeitos na saúde da poluição do ar por partículas: Tempo para reavaliação? Environ Health Persp 103:472-480.

Reeves, WC, JL Hardy, WK Reisen e MM Milky. 1994. O efeito potencial do aquecimento global em arbovírus transmitidos por mosquitos. J Med Entomol 31(3):323-332.

Roberts, D. 1990. Fontes de infecção: Alimentos. Lancet 336:859-861.

Roberts, L. 1989. O buraco na camada de ozônio ameaça a vida antártica? Ciência 244:288-289.

Rodrigues, DG. 1990. Aumento internacional de Salmonella enteritidis. Uma nova pandemia? Epidemiol Inf 105:21-21.

Romieu, I, H Weizenfeld e J Finkelman. 1990. Poluição do ar urbano na América Latina e no Caribe: Perspectivas de saúde. Estatística Mundial de Saúde Q 43:153-167.

—. 1991. Poluição do ar urbano na América Latina e no Caribe. J Air Waste Manage Assoc 41:1166-1170.

Romieu, I, M Cortés, S Ruíz, S Sánchez, F Meneses e M Hernándes-Avila. 1992. Poluição do ar e absenteísmo escolar entre crianças na Cidade do México. Am J Epidemiol 136:1524-1531.

Romieu, I, F Meneses, J Sienra, J Huerta, S Ruiz, M White, R Etzel e M Hernandez-Avila. 1994. Efeitos da poluição do ar ambiente na saúde respiratória de crianças mexicanas com asma leve. Am J Resp Crit Care Med 129:A659.

Romieu, I, F Meneses, S Ruíz, JJ Sierra, J Huerta, M White, R Etzel e M Hernández. 1995. Efeitos da poluição do ar urbano em visitas de emergência para asma infantil na Cidade do México. Am J Epidemiol 141(6):546-553.

Romieu, I, F Meneses, S Ruiz, J Sienra, J Huerta, M White e R Etzel. 1996. Efeitos da poluição do ar na saúde respiratória de crianças com asma leve que vivem na Cidade do México. Am J Resp Crit Care Med 154:300-307.

Rosenthal, E. 1993. Ursos em hibernação surgem com insinuações sobre os males humanos. New York Times 21 de abril:C1,C9.

Ryzan, CA. 1987. Surto maciço de salmonelose resistente a antimicrobianos atribuído ao leite pasteurizado. JAMA 258(22):3269-3274.

Sanford, J.P. 1991. Infecções por Arenavírus. No Cap. 149 em Harrison's Principles of Internal Medicine, editado por JD Wilson, E Braunwald, KJ Isselbacher, RG Petersdorf, JB Martin, AS Fauci e RK Root.

Schneider, K. 1991. Destruição do ozônio prejudicando a vida marinha. New York Times 16 de novembro:6.

Schultes, RE 1991. Diminuição das plantas medicinais florestais da Amazônia. Harvard Med Alum Bull (Verão): 32-36.

—.1992: Comunicação pessoal. 24 de janeiro de 1992.

Sharp, D. (ed.). 1994. Saúde e Mudanças Climáticas. Londres: The Lancet Ltd.

Shopé, RE. 1990. Doenças infecciosas e mudança atmosférica. Em Global Atmospheric Change and Public Health: Proceedings of the Center for Environmental Information, editado por JC White. Nova York: Elsevier.

Shulka, J, C Nobre e P Sellers. 1990. Desmatamento da Amazônia e mudança climática. Ciência 247:1325.

Statisches Bundesamt. 1994. Gesundheitswersen: Meldepflichtige Krankheiten. Wiesbaden: Statisches Bundesamt.

Stevens, WK. 1992. O terror das profundezas enfrenta um predador mais severo. New York Times. 8 de dezembro:Cl,C12.

Stolarski, R, R Bojkov, L Bishop, C Zerefos, et al. 1992. Tendências medidas no ozônio estratosférico. Ciência 256:342-349.

Taylor, RH. 1990. Catarata e luz ultravioleta. Em Global Atmospheric Change and Public Health: Proceedings of the Center for Environmental Information, editado por JC White. Nova York: Elsevier.

Taylor, HR, SK West, FS Rosenthal, B Munoz, HS Newland, H Abbey, EA Emmett. 1988. Efeitos da radiação ultravioleta na formação de catarata. N Engl J Med 319:1429-33.

Terborgh, J. 1980. Para onde foram todos os pássaros? Princeton, NJ: Princeton University Press.

Tucker, JB. 1985. Drogas do mar despertam interesse renovado. Bioscience 35(9):541-545.

Organização das Nações Unidas (ONU). 1993. Agenda 21. Nova York: ONU.

Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (UNCED). 1992. Proteção para a qualidade e abastecimento de recursos de água doce. No Cap. 18 em Aplicação de Abordagens Integradas para o Desenvolvimento, Gestão e Uso de Recursos Hídricos. Rio de Janeiro: UNCED.

Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). 1988. Avaliação de Contaminantes Químicos em Alimentos. Nairóbi: PNUMA/FAO/OMS.

—. 1991a. Efeitos Ambientais da Destruição do Ozônio: Atualização de 1991. Nairóbi: PNUMA.

—. 1991b. Poluição do Ar Urbano. Biblioteca Ambiental, No. 4. Nairóbi: PNUMA.
Borda Urbana. 1990a. Redução de acidentes: lições aprendidas. Urban Edge 14(5):4-6.

—. 1990b. A segurança rodoviária é um problema letal no terceiro mundo. Urban Edge 14(5):1-3.

Watts, DM, DS Burke, BA Harrison, RE Whitmire, A Nisalak. 1987. Efeito da temperatura na eficiência vetorial do Aedes aegypti para o vírus da dengue 2. Am J Trop Med Hyg 36:143-152.

Wenzel, RP. 1994. Uma nova infecção por hantavírus na América do Norte. New Engl J Med 330(14):1004-1005.

Wilson, EO. 1988. O estado atual da diversidade biológica. Em Biodiversidade, editado por EO Wilson. Washington, DC: National Academy Press.

—. 1989. Ameaças à biodiversidade. Sci Am 261:108-116.

—. 1992. A Diversidade da Vida. Cambridge, Mass.: Harvard University Press.

Banco Mundial. 1992. Desenvolvimento e Meio Ambiente. Oxford: OUP.

Organização Mundial da Saúde (OMS). 1984. Síndrome do Petróleo Tóxico: Intoxicação Alimentar em Massa na Espanha. Copenhague: Escritório Regional da OMS para a Europa.

—. 1987. Diretrizes de Qualidade do Ar para a Europa. European Series, No. 23. Copenhagen: Escritório Regional da OMS para a Europa.

—. 1990a. Efeitos agudos na saúde de episódios de poluição atmosférica. Série Europeia das Publicações Regionais da OMS, No. 3. Copenhaga: Escritório Regional da OMS para a Europa.

—. 1990b. Dieta, Nutrição e Prevenção de Doenças Crônicas. Série de Relatórios Técnicos da OMS, No. 797. Copenhagen: Escritório Regional da OMS para a Europa.

—. 1990c. Estimativas Globais para Situação, Avaliação e Projeções de Saúde. Série de Relatórios Técnicos da OMS, No. 797. Genebra: OMS.

—. 1990 d. Efeitos Potenciais das Mudanças Climáticas na Saúde. Genebra: OMS.

—. 1990e. Impacto na saúde pública dos pesticidas usados ​​na agricultura. World Health Statistics Quarterly 43:118-187.

—. 1992a. Poluição do Ar Interior por Combustível de Biomassa. Genebra: OMS.

—. 1992b. Nosso Planeta, Nossa Saúde. Genebra: OMS.

—. 1993. Semanal Epidemiol Rec 3(69):13-20.

—. 1994. Radiação ultravioleta. Critérios de Saúde Ambiental, No. 160. Genebra: OMS.

—. 1995. Atualização e Revisão das Diretrizes de Qualidade do Ar para a Europa. Copenhague: Escritório Regional da OMS para a Europa.

—. na imprensa. Efeitos Potenciais das Mudanças Climáticas Globais na Saúde: Atualização. Genebra: OMS.
Organização Mundial da Saúde (OMS) e ECOTOX. 1992. Poluição do Ar por Veículos Automotores. Impacto na Saúde Pública e Medidas de Controle. Genebra: OMS.

Organização Mundial da Saúde (OMS) e FAO. 1984. O Papel da Segurança Alimentar na Saúde e Desenvolvimento. Série de Relatórios Técnicos da OMS, No. 705. Genebra: OMS.

Organização Mundial da Saúde (OMS) e PNUMA. 1991. Avanços na Implementação do Plano de Ação de Mar Del Plata e uma Estratégia para a década de 1990. Genebra: OMS.

—. 1992. Poluição do Ar Urbano nas Megacidades do Mundo. Blackwells, Reino Unido: OMS.

Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Organização Mundial da Saúde (OMS). 1992a. Relatório do Painel sobre Urbanização. Genebra: OMS.

—. 1992b. Relatório do Painel sobre Energia. Genebra: OMS.

Organização Meteorológica Mundial (OMM). 1992. GCOS: Respondendo à Necessidade de Observações Climáticas. Genebra: OMM.
Jovem, FE. 1987. Segurança alimentar e plano de ação da FDA fase II. Food Technol 41:116-123.