Quarta-feira, 30 Março 2011 15: 25

Teoria das Causas de Acidentes

Classifique este artigo
(116 votos)

Acidentes são definidos como ocorrências não planejadas que resultam em ferimentos, fatalidades, perda de produção ou danos a propriedades e ativos. Prevenir acidentes é extremamente difícil na ausência de uma compreensão das causas dos acidentes. Muitas tentativas foram feitas para desenvolver uma teoria de previsão da causa do acidente, mas até agora nenhuma foi aceita universalmente. Pesquisadores de diferentes campos da ciência e da engenharia têm tentado desenvolver uma teoria de causalidade de acidentes que ajude a identificar, isolar e, finalmente, remover os fatores que contribuem ou causam acidentes. Neste artigo, é apresentado um breve esboço de várias teorias de causalidade de acidentes, seguido de uma estrutura de acidentes.

Teorias de causa de acidentes

A teoria do dominó

Segundo WH Heinrich (1931), que desenvolveu a chamada teoria do dominó, 88% de todos os acidentes são causados ​​por atos inseguros de pessoas, 10% por ações inseguras e 2% por “atos de Deus”. Ele propôs uma “sequência de acidentes de cinco fatores” na qual cada fator acionaria o próximo passo na forma de dominós alinhados em uma fileira. A sequência dos fatores de acidentes é a seguinte:

  1. ancestralidade e ambiente social
  2. falha do trabalhador
  3. ato inseguro em conjunto com perigo mecânico e físico
  4. acidente
  5. danos ou ferimentos.

 

Da mesma forma que a retirada de um único dominó da fileira interromperia a sequência do tombamento, Heinrich sugeriu que a retirada de um dos fatores evitaria o acidente e consequente lesão; com o dominó chave a ser removido da sequência sendo o número 3. Embora Heinrich não tenha fornecido dados para sua teoria, ainda assim representa um ponto útil para iniciar a discussão e uma base para pesquisas futuras.

Teoria da causação múltipla

A teoria da causação múltipla é uma conseqüência da teoria do dominó, mas postula que para um único acidente pode haver muitos fatores contributivos, causas e subcausas, e que certas combinações destes dão origem a acidentes. De acordo com essa teoria, os fatores contributivos podem ser agrupados nas duas categorias a seguir:

Comportamental. Esta categoria inclui fatores pertencentes ao trabalhador, como atitude inadequada, falta de conhecimento, falta de habilidades e condição física e mental inadequada.

Ambiental . Esta categoria inclui a proteção imprópria de outros elementos de trabalho perigosos e a degradação do equipamento devido ao uso e procedimentos inseguros.

A principal contribuição desta teoria é trazer à tona o fato de que raramente, ou nunca, um acidente é resultado de uma única causa ou ato.

A pura teoria do acaso

De acordo com a teoria do acaso puro, cada um de um determinado conjunto de trabalhadores tem uma chance igual de se envolver em um acidente. Além disso, implica que não há um único padrão discernível de eventos que leve a um acidente. Nesta teoria, todos os acidentes são tratados como correspondentes aos atos de Deus de Heinrich, e sustenta-se que não existem intervenções para evitá-los.

Teoria da responsabilidade tendenciosa

A teoria da responsabilidade tendenciosa baseia-se na visão de que, uma vez que um trabalhador se envolve em um acidente, as chances de o mesmo trabalhador se envolver em acidentes futuros aumentam ou diminuem em comparação com o resto dos trabalhadores. Essa teoria contribui muito pouco, ou nada, para o desenvolvimento de ações preventivas para evitar acidentes.

Teoria da propensão a acidentes

A teoria da propensão a acidentes sustenta que, dentro de um determinado conjunto de trabalhadores, existe um subconjunto de trabalhadores mais propensos a se envolver em acidentes. Os pesquisadores não conseguiram provar essa teoria de forma conclusiva porque a maior parte do trabalho de pesquisa foi mal conduzida e a maioria das descobertas é contraditória e inconclusiva. Esta teoria não é geralmente aceita. Acredita-se que, se de fato essa teoria é apoiada por alguma evidência empírica, provavelmente é responsável por apenas uma proporção muito baixa de acidentes sem qualquer significância estatística.

A teoria da transferência de energia

Aqueles que aceitam a teoria da transferência de energia apresentam a alegação de que um trabalhador sofre lesões ou danos ao equipamento devido a uma mudança de energia, e que para cada mudança de energia existe uma fonte, um caminho e um receptor. Essa teoria é útil para determinar a causa da lesão e avaliar os riscos de energia e a metodologia de controle. Podem ser desenvolvidas estratégias que sejam preventivas, limitantes ou melhoradoras em relação à transferência de energia.

O controle da transferência de energia na fonte pode ser obtido pelos seguintes meios:

  • eliminação da fonte
  • alterações feitas no projeto ou especificação de elementos da estação de trabalho
  • manutenção preventiva.

 

O caminho da transferência de energia pode ser modificado por:

  • fechamento do caminho
  • instalação de barreiras
  • instalação de absorvedores
  • posicionamento de isoladores.

 

O receptor da transferência de energia pode ser auxiliado adotando as seguintes medidas:

  • limitação de exposição
  • uso de equipamento de proteção individual.

 

A teoria dos “sintomas versus causas”

A teoria dos “sintomas versus causas” não é tanto uma teoria quanto uma advertência a ser observada se a causa do acidente for compreendida. Normalmente, ao investigar acidentes, tendemos a nos apegar às causas óbvias do acidente, negligenciando as causas profundas. Atos inseguros e condições inseguras são os sintomas – as causas imediatas – e não as causas básicas do acidente.

Estrutura de Acidentes

A crença de que acidentes são causados ​​e podem ser evitados torna imperativo o estudo dos fatores que podem favorecer a ocorrência de acidentes. Ao estudar esses fatores, as causas básicas dos acidentes podem ser isoladas e as medidas necessárias podem ser tomadas para evitar a recorrência dos acidentes. Essas causas básicas de acidentes podem ser agrupadas como “imediatas” e “contributivas”. As causas imediatas são atos inseguros do trabalhador e condições inseguras de trabalho. As causas contribuintes podem ser fatores relacionados à gestão, ao meio ambiente e à condição física e mental do trabalhador. Uma combinação de causas deve convergir para resultar em um acidente.

A Figura 1 mostra a estrutura dos acidentes, incluindo o detalhamento das causas imediatas, causas contribuintes, tipos de acidentes e resultados dos acidentes. Esta contabilidade não é exaustiva de forma alguma. No entanto, é necessário um entendimento da relação “causa e efeito” dos fatores causadores de acidentes antes que a melhoria contínua dos processos de segurança possa ser realizada.

Figura 1. Estrutura dos Acidentes

ACC030F1

Sumário

A causalidade de acidentes é muito complexa e deve ser compreendida adequadamente para melhorar a prevenção de acidentes. Como a segurança carece de base teórica, ainda não pode ser considerada uma ciência. Esse fato não deve nos desencorajar, pois a maioria das disciplinas científicas — matemática, estatística e assim por diante — passou por uma fase igualmente experimental em um momento ou outro. O estudo das causas de acidentes é uma grande promessa para aqueles interessados ​​em desenvolver a teoria pertinente. Atualmente, as teorias de causalidade de acidentes são de natureza conceitual e, como tal, são de uso limitado na prevenção e controle de acidentes. Com tamanha diversidade de teorias, não será difícil entender que não existe uma única teoria considerada certa ou correta e universalmente aceita. Essas teorias são, no entanto, necessárias, mas não suficientes, para desenvolver um quadro de referência para a compreensão das ocorrências de acidentes.

 

Voltar

Leia 150761 vezes Última modificação em sexta-feira, 19 de agosto de 2011 19:47

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de Prevenção de Acidentes

Adams, JGU. 1985. Risco e Liberdade; O registro do regulamento de segurança lido. Londres: Projetos de publicação de transporte.

Instituto Nacional de Padrões Americano (ANSI). 1962. Método de registro e medição da experiência de lesões no trabalho. ANSI Z-16.2. Nova York: ANSI.

—. 1978. American National Standard Manual on Uniform Traffic Control Devices for Streets and Highways. ANSI D6.1. Nova York: ANSI.

—. 1988. Produtos Químicos Industriais Perigosos — Rotulagem Precaucional. ANSI Z129.1. Nova York: ANSI.

—. 1993. Código de cores de segurança. ANSI Z535.1. Nova York: ANSI.

—. 1993. Sinais de Segurança Ambiental e de Instalações. ANSI Z535.2. Nova York: ANSI.

—. 1993. Critérios para Símbolos de Segurança. ANSI Z535.3. Nova York: ANSI.

—. 1993. Sinais e Etiquetas de Segurança de Produtos. ANSI Z535.4. Nova York: ANSI.

—. 1993. Etiquetas de Prevenção de Acidentes. ANSI Z535.5. Nova York: ANSI.

Andersson, R. 1991. O papel da acidentologia na pesquisa de acidentes ocupacionais. Arbete och halsa. 1991. Solna, Suécia. Tese.

Andersson, R e E Lagerlöf. 1983. Dados de acidentes no novo sistema sueco de informações sobre lesões ocupacionais. Ergonomia 26.

Arnaldo, HJ. 1989. Sanções e recompensas: Perspectivas organizacionais. Em Sanções e Recompensas no Sistema Jurídico:
Uma Abordagem Multidisciplinar. Toronto: University of Toronto Press.

Baker, SP, B O'Neil, MJ Ginsburg e G Li. 1992. Livro de fatos sobre lesões. Nova York: Oxford University Press.

Benner, L. 1975. Investigações de acidentes — métodos de sequenciamento multilinear. J Segurança Res 7.

Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). 1988. Diretrizes para avaliação de sistemas de vigilância. Morb Mortal Rep. Semanal 37(S-5):1–18.

Davies, JC e DP Manning. 1994a. MAIM: o conceito e construção de software inteligente. Saf Sci 17:207–218.

—. 1994b. Dados coletados pelo software inteligente MAIM: Os primeiros cinquenta acidentes. Saf Sci 17:219-226.

Departamento de Comércio e Indústria. 1987. Lazer Accident Surveillance System (LASS): Home and Leisure Accident Research 1986 Data. 11º Relatório Anual do Sistema de Vigilância de Acidentes Domiciliares. Londres: Departamento de Comércio e Indústria.

Balsa, TS. 1988. Investigação e Análise de Acidentes Modernos. Nova York: Wiley.

Feyer, AM e AM Williamson. 1991. Um sistema de classificação de acidentes para uso em estratégias preventivas. Scand J Work Environ Health 17:302–311.

FMC. 1985. Sistema de sinalização e etiqueta de segurança de produtos. Santa Clara, Califórnia: FMC Corporation.

Gilen, AC. 1992. Educação em saúde e controle de lesões: Integrando abordagens. Health Educ Q 19(2):203–218.

Goldenhar, LM e PA Schulte. 1994. Pesquisa de intervenção em saúde e segurança ocupacional. J Occup Med 36(7):763–775.

Verde, LW e MW Kreuter. 1991. Planejamento da Promoção da Saúde: Uma Abordagem Educacional e Ambiental. Mountainview, CA: Mayfield Publishing Company.

Guastelo, SJ. 1991. A eficácia comparativa dos programas de redução de acidentes ocupacionais. Trabalho apresentado no Simpósio Internacional de Acidentes e Lesões Relacionadas ao Álcool. Yverdon-les-Bains, Suíça, 2 a 5 de dezembro.

Haddon, WJ. 1972. Uma estrutura lógica para categorizar fenômenos e atividades de segurança rodoviária. J Trauma 12:193–207.

—. 1973. Dano de energia e as 10 estratégias de contramedidas. J Trauma 13:321–331.

—. 1980. As estratégias básicas para reduzir danos causados ​​por perigos de todos os tipos. Prevenção de perigos setembro/outubro: 8–12.

Hale, AR e AI Glendon. 1987. Comportamento individual em face do perigo. Amsterdã: Elsevier.

Hale, AR e M. Hale. 1972. Revisão da Literatura de Pesquisa de Acidentes Industriais. Artigo de pesquisa No. l, Comitê de Segurança e Saúde. Londres: HMSO.

Hale, AR, B Heming, J Carthey e B Kirwan. 1994. Extensão do Modelo de Comportamento no Controle do Perigo. Vol. 3: Descrição estendida do modelo. Sheffield: Projeto Executivo de Saúde e Segurança HF/GNSR/28.

Lebre, VC. 1967. Análise de Sistema: Uma Abordagem Diagnóstica. Nova York: Harcourt Brace World.

Harms-Ringdahl, L. 1993. Análise de segurança. Princípios e Práticas em Segurança do Trabalho. vol. 289. Amsterdã: Elsevier.

Heinrich, HW. 1931. Prevenção de Acidentes de Trabalho. Nova York: McGraw-Hill.

—. 1959. Prevenção de Acidentes Industriais: Uma Abordagem Científica. Nova York: McGraw-Hill Book Company.

Hugentobler, MK, BA Israel e SJ Schurman. 1992. Uma abordagem de pesquisa-ação para a saúde no local de trabalho: Integrando métodos. Saúde Educ Q 19(1):55–76.

Organização Internacional de Normalização (ISO). 1967. Símbolos, Dimensões e Disposição para Sinais de Segurança. ISO R557. Genebra: ISO.

—. 1984. Sinais e Cores de Segurança. ISO 3864. Genebra: ISO.

—. 1991. Sistemas de Automação Industrial—Segurança de Sistemas Integrados de Manufatura—Requisitos Básicos (CD 11161). TC 184/WG 4. Genebra: ISO.

—. 1994. Vocabulário de Gestão de Qualidade e Garantia de Qualidade. ISO/DIS 8402. Paris: Association française de normalisation.

Janssen, W. 1994. Uso do cinto de segurança e comportamento ao dirigir: um estudo de veículo instrumentado. Análise e prevenção de acidentes. Análise de Acidentes. Anterior 26: 249-261.

Jenkins, EL, SM Kisner, D Fosbroke, LA Layne, MA Stout, DN Castillo, PM Cutlip e R Cianfrocco. 1993. Lesões fatais em trabalhadores nos Estados Unidos, 1980–1989: Uma década de vigilância. Cincinnati, OH: NIOSH.

Johnston, JJ, GTH Cattledge e JW Collins. 1994. A eficácia do treinamento para controle de lesões ocupacionais. Occup Med: State Art Rev 9(2):147–158.

Kalberg, VP. 1992. The Effects of Reflector Posts on Driving Behavior and Accidents on Two-lane Rural Roads in Finland. Relatório 59/1992. Helsinque: Centro de Desenvolvimento Técnico da Administração Rodoviária Nacional Finlandesa.

Kjellén, U. 1984. O conceito de desvio no controle de acidentes de trabalho. Parte I: Definição e classificação; Parte II: Coleta de dados e avaliação de significância. Anal de Acidentes Prev 16:289–323.

Kjellén, U e J Hovden. 1993. Redução de riscos por controle de desvio - uma retrospecção em uma estratégia de pesquisa. Saf Sci 16:417–438.

Kjellén, U e TJ Larsson. 1981. Investigando acidentes e reduzindo riscos - uma abordagem dinâmica. J Occup Ac 3:129–140.

Por último, JM. 1988. Um Dicionário de Epidemiologia. Nova York: Oxford University Press.

LETO, MR. 1992. Projetando sinais de advertência e etiquetas de advertência: Parte I—Diretrizes para o profissional. Int J Ind Erg 10:105–113.

Lehto, MR e Clark D. 1990. Sinais e etiquetas de advertência no local de trabalho. Em Workspace, Equipment and Tool Design, editado por A Mital e W Karwowski. Amsterdã: Elsevier.

Lehto, MR e JM Miller. 1986. Advertências: Volume I: Fundamentos, Design e Metodologias de Avaliação. Ann Arbor, MI: Fuller Technical Publications.
Leplat, J. 1978. Análises de acidentes e análises de trabalho. J Occup Ac 1:331–340.

MacKenzie, EJ, DM Steinwachs e BS Shankar. 1989. Classificação da gravidade do trauma com base nos diagnósticos de alta hospitalar: validação de uma tabela de conversão ICD-9CM para AIS-85. Med Care 27:412–422.

Manning, D.P. 1971. Classificações de tipo de acidente industrial - Um estudo da teoria e prática da prevenção de acidentes com base em uma análise de computador de registros de acidentes de trabalho. Tese de Doutorado, Universidade de Liverpool.

McAfee, RB e AR Winn. 1989. O uso de incentivos/feedback para aumentar a segurança no local de trabalho: uma crítica da literatura. JSaf Res 20:7-19.

Mohr, DL e Clemmer D. 1989. Avaliação de uma intervenção de lesão ocupacional na indústria do petróleo. Anal de Acidentes Prev 21(3):263–271.

Comitê Nacional de Prevenção e Controle de Lesões. 1989. Prevenção de Lesões: Enfrentando o Desafio. Nova York: Oxford University Press.

Associação Nacional de Fabricantes de Eletrônicos (NEMA). 1982. Etiquetas de segurança para transformadores e mecanismos de comutação montados em almofada localizados em áreas públicas. NEMA 260. Rosslyn, VA: NEMA.

Administração de Saúde e Segurança Ocupacional (OSHA). 1985. Especificação para Sinais e Etiquetas de Prevenção de Acidentes. CFR 1910.145. Washington DC: OSHA.

—. 1985. Comunicação de perigos [químicos]. CFR 1910.1200. Washington DC: OSHA.

Painel de Prevenção de Lesões Ocupacionais. 1992. Prevenção de lesões ocupacionais. Nos Centros de Controle de Doenças. Documentos de posição da Terceira Conferência Nacional de Controle de Lesões: Definindo a Agenda Nacional para o Controle de Lesões na década de 1990. Atlanta, GA: CDC.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). 1990. Adaptação Comportamental às Mudanças no Sistema de Transporte Rodoviário. Paris: OCDE.

Rasmussen, J. 1982. Erros humanos. Uma taxonomia para descrever o mau funcionamento humano em instalações industriais. J Occup Ac 4:311–333.

Rasmussen, J, K Duncan e J Leplat. 1987. Nova Tecnologia e Erro Humano. Chichester: Wiley.

Razão, JT. 1990. Erro Humano. Cambridge: CUP.

Rice, DP, EJ MacKenzie e associados. 1989. Cost of Injury in the United States: A Report to Congress. São Francisco: Instituto de Saúde e Envelhecimento, Universidade da Califórnia; e Baltimore: Centro de Prevenção de Lesões, Universidade Johns Hopkins.

Robertson, LS. 1992. Epidemiologia de Lesões. Nova York: Oxford University Press.

Saari, J. 1992. Implementação bem-sucedida de programas de saúde e segurança ocupacional na manufatura na década de 1990. J Hum Factors Manufatura 2:55–66.

Schelp, L. 1988. O papel das organizações na participação da comunidade - prevenção de lesões acidentais em uma área rural
município sueco. Soc Sci Med 26(11):1087–1093.

Shannon, HS. 1978. Um estudo estatístico de 2,500 acidentes relatados consecutivos em uma fábrica de automóveis. doutorado tese, Universidade de Londres.

Smith, GS e H Falk. 1987. Lesões não intencionais. Am J Prev Medicine 5, sup.:143–163.

Smith, GS e PG Barss. 1991. Lesões não intencionais em países em desenvolvimento: A epidemiologia de um problema negligenciado. Revisões epidemiológicas: 228–266.

Sociedade de Engenheiros Automotivos (SAE). 1979. Sinais de segurança. SAE J115: SAE.

Steckler, AB, L Dawson, BA Israel e E Eng. 1993. Community health development: An overview of the works of Guy W. Stewart. Saúde Educ Q Sup. 1: S3-S20.

Steers, RM e LW Porter.1991. Motivação e Comportamento no Trabalho (5ª ed). Nova York: McGraw-Hill.

Surry, J. 1969. Pesquisa de Acidentes Industriais: Uma Avaliação de Engenharia Humana. Canadá: Universidade de Toronto.

Tollman, S. 1991. Cuidados primários orientados para a comunidade: Origens, evoluções, aplicações. Soc Sci Med 32(6):633-642.

Troup, JDG, J Davies e DP Manning. 1988. Um modelo para a investigação de lesões nas costas e problemas de movimentação manual no trabalho. J Soc Occup Med 10:107–119.

Tuominen, R e J Saari. 1982. Um modelo para análise de acidentes e suas aplicações. J Ocupar Acc 4.

Veazie, MA, DD Landen, TR Bender e HE Amandus. 1994. Pesquisa epidemiológica sobre a etiologia dos acidentes de trabalho. Ann Rev Pub Health 15:203–21.

Waganaar, WA, PT Hudson e JT Reason. 1990. Falhas cognitivas e acidentes. Appl Cogn Psychol 4:273–294.

Waller, J.A. 1985. Controle de Lesões: Um Guia para as Causas e Prevenção do Trauma. Lexington, MA: Lexington Books.

Wallerstein, N e R Baker. 1994. Programas de educação trabalhista em saúde e segurança. Occup Med State Art Rev 9(2):305-320.

Semanas, JL. 1991. Regulamentação de saúde e segurança ocupacional na indústria de mineração de carvão: saúde pública no local de trabalho. Annu Rev Publ Health 12:195–207.

Westinghouse Electric Corporation. 1981. Manual de Etiquetas de Segurança do Produto. Trafford, Pensilvânia: Westinghouse Printing Division.

Wilde, GJS. 1982. A teoria da homeostase do risco: Implicações para segurança e saúde. Análise de risco 2:209-225.

—. 1991. Economia e acidentes: Um comentário. J Appl Behav Sci 24:81-84.

—. 1988. Teoria da homeostase do risco e acidentes de trânsito: proposições, deduções e discussão da disseminação nas reações recentes. Ergonomia 31:441-468.

—. 1994. Alvo de risco. Toronto: PDE Publications.

Williamson, AM e AM Feyer. 1990. Epidemiologia comportamental como ferramenta para pesquisa de acidentes. J Occup Acc 12:207–222.

Fundo de Meio Ambiente de Trabalho [Arbetarskyddsfonden]. 1983. Olycksfall i arbetsmiljön—Kartläggning och analys av forskningsbehov [Acidentes no ambiente de trabalho—pesquisa e análise]. Solna: Arbetarskyddsfonden