Segunda-feira, 04 abril 2011 17: 06

Segurança para ferramentas elétricas manuais e portáteis

Classifique este artigo
(16 votos)

As ferramentas são uma parte tão comum de nossas vidas que às vezes é difícil lembrar que elas podem representar perigos. Todas as ferramentas são fabricadas com a segurança em mente, mas ocasionalmente pode ocorrer um acidente antes que os perigos relacionados à ferramenta sejam reconhecidos. Os trabalhadores devem aprender a reconhecer os perigos associados aos diferentes tipos de ferramentas e as precauções de segurança necessárias para prevenir esses perigos. Equipamentos de proteção individual apropriados, como óculos de segurança ou luvas, devem ser usados ​​para proteção contra perigos potenciais que podem ser encontrados durante o uso de ferramentas elétricas portáteis e ferramentas manuais.

Ferramentas manuais

As ferramentas manuais não são motorizadas e incluem tudo, desde machados a chaves. Os maiores perigos representados pelas ferramentas manuais resultam do uso indevido, uso da ferramenta errada para o trabalho e manutenção inadequada. Alguns dos perigos associados ao uso de ferramentas manuais incluem, entre outros:

  • Usar uma chave de fenda como cinzel pode fazer com que a ponta da chave de fenda quebre e voe, atingindo o usuário ou outros funcionários.
  • Se o cabo de madeira de uma ferramenta como um martelo ou um machado estiver solto, lascado ou rachado, a cabeça da ferramenta pode voar e atingir o usuário ou outro trabalhador.
  • Uma chave não deve ser usada se suas mandíbulas estiverem suspensas, pois ela pode escorregar.
  • Ferramentas de impacto, como cinzéis, cunhas ou pinos de derivação, não são seguras se tiverem cabeças em forma de cogumelo que podem quebrar com o impacto, lançando fragmentos pontiagudos.

 

O empregador é responsável pela condição segura das ferramentas e equipamentos fornecidos aos funcionários, mas os funcionários têm a responsabilidade de usar e manter as ferramentas adequadamente. Os trabalhadores devem direcionar as lâminas de serra, facas ou outras ferramentas para longe das áreas dos corredores e de outros funcionários que trabalham nas proximidades. Facas e tesouras devem ser mantidas afiadas, pois ferramentas cegas podem ser mais perigosas do que as afiadas. (Veja a figura 1.)

Figura 1. Uma chave de fenda

MAC240F1

A segurança exige que os pisos sejam mantidos o mais limpos e secos possível para evitar escorregões acidentais ao trabalhar com ou perto de ferramentas manuais perigosas. Embora as faíscas produzidas por ferramentas manuais de ferro e aço normalmente não sejam quentes o suficiente para serem fontes de ignição, ao trabalhar com ou próximo a materiais inflamáveis, ferramentas resistentes a faíscas feitas de latão, plástico, alumínio ou madeira podem ser usadas para evitar a formação de faíscas.

Power Tools

As ferramentas elétricas são perigosas quando usadas incorretamente. Existem vários tipos de ferramentas elétricas, geralmente categorizadas de acordo com a fonte de energia (elétrica, pneumática, combustível líquido, hidráulica, vapor e pólvora explosiva acionada). Os funcionários devem ser qualificados ou treinados no uso de todas as ferramentas elétricas usadas em seu trabalho. Eles devem entender os perigos potenciais associados ao uso de ferramentas elétricas e observar as seguintes precauções gerais de segurança para evitar que esses perigos ocorram:

    • Nunca transporte uma ferramenta pelo cabo ou mangueira.
    • Nunca puxe o cabo ou a mangueira para desconectá-lo do receptáculo.
    • Mantenha cabos e mangueiras longe do calor, óleo e bordas afiadas.
    • Desconecte as ferramentas quando não estiverem em uso, antes da manutenção e ao trocar acessórios como lâminas, brocas e cortadores.
    • Todos os observadores devem ficar a uma distância segura da área de trabalho.
    • Fixe o trabalho com grampos ou torno, liberando ambas as mãos para operar a ferramenta.
    • Evite partidas acidentais. O trabalhador não deve manter o dedo no botão do interruptor enquanto estiver carregando uma ferramenta conectada. As ferramentas que possuem controles de bloqueio devem ser desengatadas quando a energia for interrompida para que não sejam iniciadas automaticamente após a restauração da energia.
    • As ferramentas devem ser mantidas com cuidado e mantidas afiadas e limpas para melhor desempenho. As instruções do manual do usuário devem ser seguidas para lubrificação e troca de acessórios.
    • Os trabalhadores devem assegurar-se de que têm bom apoio e equilíbrio ao usar ferramentas elétricas. Deve-se usar roupas apropriadas, pois roupas largas, gravatas ou joias podem ficar presas em peças móveis.
    • Todas as ferramentas elétricas portáteis danificadas devem ser retiradas de uso e rotuladas como “Não use” para evitar choque elétrico.

                     

                    guardas de proteção

                    Partes móveis perigosas de ferramentas elétricas precisam ser protegidas. Por exemplo, correias, engrenagens, eixos, polias, rodas dentadas, fusos, tambores, volantes, correntes ou outras partes alternativas, rotativas ou móveis do equipamento devem ser protegidas se tais partes forem expostas ao contato dos trabalhadores. Quando necessário, devem ser fornecidas proteções para proteger o operador e outras pessoas com relação aos perigos associados a:

                      • o ponto de operação
                      • pontos de nip em execução
                      • peças rotativas e alternativas
                      • lascas e faíscas voadoras e névoa ou spray de fluidos de usinagem.

                             

                            As proteções de segurança nunca devem ser removidas quando uma ferramenta estiver sendo usada. Por exemplo, serras circulares portáteis devem estar equipadas com proteções. Uma proteção superior deve cobrir toda a lâmina da serra. Uma proteção inferior retrátil deve cobrir os dentes da serra, exceto quando entrar em contato com o material de trabalho. A proteção inferior deve retornar automaticamente à posição de cobertura quando a ferramenta é retirada do trabalho. Observe os protetores de lâmina na ilustração de uma serra elétrica (figura 2).

                            Figura 2. Uma serra circular com proteção

                            MAC240F2

                            Interruptores e controles de segurança

                            A seguir, exemplos de ferramentas elétricas manuais que devem ser equipadas com um interruptor de controle “liga-desliga” de contato momentâneo:

                              • furadeiras, seringueiras e aparafusadoras
                              • rebarbadoras horizontais, verticais e angulares com rodas maiores que 2 polegadas (5.1 cm) de diâmetro
                              • lixadeiras de disco e cinta
                              • serras alternativas e serras sabre.

                                     

                                    Essas ferramentas também podem ser equipadas com um controle de bloqueio, desde que o desligamento possa ser realizado por um único movimento do mesmo dedo ou dedos que o ligam.

                                    As seguintes ferramentas elétricas manuais podem ser equipadas apenas com um interruptor de controle “liga-desliga” positivo:

                                      • lixadeiras
                                      • lixadeiras de disco com discos de 2 polegadas (5.1 cm) ou menos de diâmetro
                                      • moedores com rodas de 2 polegadas (5.1 cm) ou menos de diâmetro
                                      • roteadores e plainas
                                      • aparadores, roçadores e tesouras para laminados
                                      • serras de rolagem e quebra-cabeças com hastes de lâmina de ¼ de polegada (0.64 cm) de largura ou menos.

                                                 

                                                Outras ferramentas elétricas portáteis que devem ser equipadas com um pressostato constante que desligará a energia quando a pressão for liberada incluem:

                                                  • serras circulares com um diâmetro de lâmina superior a 2 polegadas (5.1 cm)
                                                  • motosserras
                                                  • ferramentas de percussão sem meios de retenção de acessórios positivos.

                                                       

                                                      Ferramentas Elétricas

                                                      Os trabalhadores que utilizam ferramentas elétricas devem estar cientes de vários perigos. A mais grave delas é a possibilidade de eletrocussão, seguida de queimaduras e choques leves. Sob certas condições, mesmo uma pequena quantidade de corrente pode resultar em fibrilação do coração que pode resultar em morte. Um choque também pode fazer com que um trabalhador caia de uma escada ou de outras superfícies de trabalho elevadas.

                                                      Para reduzir o potencial de lesões aos trabalhadores por choque, as ferramentas devem ser protegidas por pelo menos um dos seguintes meios:

                                                        • Grounded por um cabo de três fios (com um fio terra). Os cabos de três fios contêm dois condutores condutores de corrente e um condutor de aterramento. Uma extremidade do condutor de aterramento se conecta ao invólucro de metal da ferramenta. A outra extremidade é aterrada através de um pino no plugue. Sempre que um adaptador for usado para acomodar um receptáculo de dois furos, o fio do adaptador deve ser conectado a um aterramento conhecido. O terceiro pino nunca deve ser removido do plugue. (Veja a figura 3.)
                                                        • Isolamento duplo. O trabalhador e as ferramentas são protegidos de duas maneiras: (1) pelo isolamento normal dos fios internos e (2) por um invólucro que não pode conduzir eletricidade ao operador em caso de mau funcionamento.
                                                        • Alimentado por um transformador de isolamento de baixa tensão.
                                                        • Conectado através de interruptores de circuito de falha de aterramento. São dispositivos permanentes e portáteis que desligam instantaneamente um circuito quando este busca aterramento através do corpo do trabalhador ou através de objetos aterrados.

                                                               

                                                              Figura 3. Uma furadeira elétrica

                                                              MAC240F3

                                                               

                                                              Estas práticas gerais de segurança devem ser seguidas ao usar ferramentas elétricas:

                                                                • As ferramentas elétricas devem ser operadas dentro de suas limitações de projeto.
                                                                • Luvas e calçados de segurança são recomendados durante o uso de ferramentas elétricas.
                                                                • Quando não estiverem em uso, as ferramentas devem ser armazenadas em local seco.
                                                                • As ferramentas não devem ser usadas se os fios ou conectores estiverem desgastados, dobrados ou danificados.
                                                                • Ferramentas elétricas não devem ser usadas em locais úmidos ou molhados.
                                                                • As áreas de trabalho devem ser bem iluminadas.

                                                                 

                                                                Discos abrasivos motorizados

                                                                Rebolos abrasivos motorizados, corte, polimento e rebolos de polimento criam problemas especiais de segurança porque os rebolos podem se desintegrar e lançar fragmentos projetados.

                                                                Antes que as rodas abrasivas sejam montadas, elas devem ser inspecionadas de perto e testadas quanto ao som (ou anel) batendo suavemente com um instrumento leve não metálico para garantir que estejam livres de rachaduras ou defeitos. Se as rodas estiverem rachadas ou parecerem mortas, elas podem se soltar durante a operação e não devem ser usadas. Uma roda sólida e sem danos dará um tom metálico claro ou “toque”.

                                                                Para evitar que a roda rache, o usuário deve certificar-se de que ela se encaixe livremente no fuso. A porca do eixo deve ser apertada o suficiente para manter a roda no lugar sem distorcer o flange. Siga as recomendações do fabricante. Deve-se tomar cuidado para garantir que a roda do fuso não exceda as especificações da roda abrasiva. Devido à possibilidade de uma roda se desintegrar (explodir) durante a partida, o trabalhador nunca deve ficar diretamente na frente da roda, pois ela acelera até a velocidade máxima de operação. As ferramentas de retificação portáteis precisam ser equipadas com proteções de segurança para proteger os trabalhadores não apenas da superfície da roda em movimento, mas também de fragmentos lançados em caso de quebra. Além disso, ao usar um moedor elétrico, estas precauções devem ser observadas:

                                                                  • Use sempre proteção para os olhos.
                                                                  • Desligue a energia quando a ferramenta não estiver em uso.
                                                                  • Nunca prenda um esmeril portátil em um torno.

                                                                       

                                                                      Ferramentas pneumáticas

                                                                      As ferramentas pneumáticas são alimentadas por ar comprimido e incluem picadores, furadeiras, martelos e lixadeiras. Embora existam vários perigos potenciais encontrados no uso de ferramentas pneumáticas, o principal é o perigo de ser atingido por um dos acessórios da ferramenta ou por algum tipo de prendedor que o trabalhador esteja usando com a ferramenta. Proteção ocular é necessária e proteção facial é recomendada ao trabalhar com ferramentas pneumáticas. O ruído é outro perigo. Trabalhar com ferramentas barulhentas, como britadeiras, requer o uso adequado e eficaz de proteção auditiva apropriada.

                                                                      Ao usar uma ferramenta pneumática, o trabalhador deve verificar se ela está bem presa à mangueira para evitar a desconexão. Um fio curto ou dispositivo de travamento positivo conectando a mangueira de ar à ferramenta servirá como proteção adicional. Se uma mangueira de ar tiver mais de 1.27 cm (½ polegada) de diâmetro, uma válvula de excesso de fluxo de segurança deve ser instalada na fonte do suprimento de ar para desligar o ar automaticamente caso a mangueira quebre. Em geral, os mesmos cuidados devem ser tomados com uma mangueira de ar que são recomendados para cabos elétricos, pois a mangueira está sujeita ao mesmo tipo de dano ou choque acidental, além de apresentar risco de tropeço.

                                                                      As armas de ar comprimido nunca devem ser apontadas para ninguém. Os trabalhadores nunca devem “descartar” o bocal contra si mesmos ou contra qualquer outra pessoa. Um clipe ou retentor de segurança deve ser instalado para evitar que acessórios, como um cinzel em um martelo picador, sejam disparados acidentalmente do cano. Telas devem ser instaladas para proteger os trabalhadores próximos de serem atingidos por fragmentos voadores ao redor de picadores, pistolas de rebitagem, martelos pneumáticos, grampeadores ou furadeiras pneumáticas.

                                                                      As pistolas de pulverização sem ar que atomizam tintas e fluidos em altas pressões (1,000 libras ou mais por polegada quadrada) devem ser equipadas com dispositivos de segurança visual automáticos ou manuais que impedirão a ativação até que o dispositivo de segurança seja liberado manualmente. Britadeiras pesadas podem causar fadiga e tensões que podem ser reduzidas pelo uso de pegas de borracha pesadas que fornecem um apoio seguro. Um trabalhador operando uma britadeira deve usar óculos de segurança e sapatos de segurança para se proteger contra ferimentos se o martelo escorregar ou cair. Um protetor facial também deve ser usado.

                                                                      Ferramentas movidas a combustível

                                                                      As ferramentas movidas a combustível geralmente são operadas usando pequenos motores de combustão interna movidos a gasolina. Os perigos potenciais mais sérios associados ao uso de ferramentas movidas a combustível vêm de vapores de combustível perigosos que podem queimar ou explodir e liberar gases de escape perigosos. O trabalhador deve ter o cuidado de manusear, transportar e armazenar a gasolina ou combustível somente em recipientes aprovados para líquidos inflamáveis, de acordo com os procedimentos adequados para líquidos inflamáveis. Antes de reabastecer o tanque de uma ferramenta movida a combustível, o usuário deve desligar o motor e deixá-lo esfriar para evitar a ignição acidental de vapores perigosos. Se uma ferramenta movida a combustível for usada dentro de uma área fechada, ventilação eficaz e/ou equipamento de proteção são necessários para evitar a exposição ao monóxido de carbono. Extintores de incêndio devem estar disponíveis na área.

                                                                      Ferramentas acionadas por pólvora explosiva

                                                                      As ferramentas acionadas por pólvora explosiva funcionam como uma arma carregada e devem ser tratadas com o mesmo respeito e precauções. Na verdade, eles são tão perigosos que devem ser operados apenas por funcionários especialmente treinados ou qualificados. Proteções adequadas para os ouvidos, olhos e rosto são essenciais ao usar uma ferramenta acionada por pólvora. Todas as ferramentas acionadas por pó devem ser projetadas para cargas de pó variadas, de modo que o usuário possa selecionar um nível de pó necessário para fazer o trabalho sem força excessiva.

                                                                      A ponta do cano da ferramenta deve ter um escudo protetor ou guarda centrado perpendicularmente no cano para proteger o usuário de quaisquer fragmentos ou partículas que possam criar um perigo quando a ferramenta for disparada. A ferramenta deve ser projetada para não disparar a menos que tenha esse tipo de dispositivo de segurança. Para evitar que a ferramenta dispare acidentalmente, dois movimentos separados são necessários para disparar: um para colocar a ferramenta na posição e outro para puxar o gatilho. As ferramentas não devem funcionar até que sejam pressionadas contra a superfície de trabalho com uma força de pelo menos 5 libras maior que o peso total da ferramenta.

                                                                      Se uma ferramenta acionada por pólvora falhar, o usuário deve esperar pelo menos 30 segundos antes de tentar dispará-la novamente. Se ainda não disparar, o usuário deve esperar pelo menos mais 30 segundos para que o cartucho com defeito seja menos provável de explodir e, em seguida, remova cuidadosamente a carga. O cartucho danificado deve ser colocado na água ou descartado com segurança de acordo com os procedimentos do empregador.

                                                                      Se uma ferramenta acionada por pólvora desenvolver um defeito durante o uso, ela deve ser etiquetada e retirada de serviço imediatamente até que seja devidamente reparada. As precauções para o uso e manuseio seguro de ferramentas acionadas por pólvora incluem o seguinte:

                                                                        • As ferramentas acionadas por pólvora não devem ser usadas em atmosferas explosivas ou inflamáveis, exceto mediante a emissão de uma licença de trabalho a quente por uma pessoa autorizada.
                                                                        • Antes de usar a ferramenta, o trabalhador deve inspecioná-la para verificar se está limpa, se todas as partes móveis funcionam livremente e se o cano está livre de obstruções.
                                                                        • A ferramenta nunca deve ser apontada para ninguém.
                                                                        • A ferramenta não deve ser carregada a menos que seja usada imediatamente. Uma ferramenta carregada não deve ser deixada sem supervisão, especialmente quando estiver disponível para pessoas não autorizadas.
                                                                        • As mãos devem ser mantidas afastadas da extremidade do cano.

                                                                         

                                                                        Ao usar ferramentas acionadas por pólvora para aplicar fixadores, as seguintes precauções de segurança devem ser consideradas:

                                                                          • Não dispare fixadores em materiais que possam deixá-los passar para o outro lado.
                                                                          • Não coloque fixadores em materiais como tijolo ou concreto a menos de 3 polegadas (7.6 cm) de uma borda ou canto, ou em aço a menos de ½ polegada (1.27 cm) de um canto ou borda.
                                                                          • Não coloque os prendedores em materiais muito duros ou quebradiços que possam lascar, quebrar ou fazer os prendedores ricochetearem.
                                                                          • Use uma guia de alinhamento ao disparar fixadores em orifícios existentes. Não coloque fixadores em uma área lascada causada por uma fixação insatisfatória.

                                                                                 

                                                                                Ferramentas Hidráulicas

                                                                                O fluido utilizado nas ferramentas hidráulicas deve ser aprovado para o uso previsto e deve manter suas características de funcionamento nas temperaturas mais extremas a que será exposto. A pressão operacional segura recomendada pelo fabricante para mangueiras, válvulas, tubos, filtros e outros acessórios não deve ser excedida. Onde houver potencial para vazamento sob alta pressão em uma área onde fontes de ignição, como chamas abertas ou superfícies quentes, possam estar presentes, o uso de fluidos resistentes ao fogo como meio hidráulico deve ser considerado.

                                                                                Jacks

                                                                                Todos os macacos - macacos de alavanca e catraca, macacos de parafuso e macacos hidráulicos - devem ter um dispositivo que os impeça de levantar muito alto. O limite de carga do fabricante deve estar permanentemente marcado em um local de destaque no macaco e não deve ser excedido. Use blocos de madeira sob a base, se necessário, para deixar o macaco nivelado e seguro. Se a superfície do elevador for de metal, coloque um bloco de madeira dura de 1 polegada (2.54 cm) ou equivalente entre a parte inferior da superfície e a cabeça do macaco de metal para reduzir o perigo de deslizamento. Um macaco nunca deve ser usado para suportar uma carga levantada. Uma vez levantada a carga, ela deve ser imediatamente apoiada em blocos.

                                                                                Para configurar um conector, certifique-se das seguintes condições:

                                                                                  1. A base repousa sobre uma superfície plana e firme.
                                                                                  2. O macaco está corretamente centrado.
                                                                                  3. A cabeça do macaco se apoia contra uma superfície nivelada.
                                                                                  4. A força de elevação é aplicada uniformemente.

                                                                                         

                                                                                        A manutenção adequada dos macacos é essencial para a segurança. Todos os macacos devem ser inspecionados antes de cada uso e lubrificados regularmente. Se um macaco for submetido a uma carga ou choque anormal, deve ser examinado minuciosamente para garantir que não foi danificado. Macacos hidráulicos expostos a temperaturas de congelamento devem ser preenchidos com um líquido anticongelante adequado.

                                                                                        Sumário

                                                                                        Os trabalhadores que utilizam ferramentas manuais e elétricas e que estão expostos a riscos de queda, voo, objetos e materiais abrasivos e respingos, ou a perigos de poeiras, fumaças, névoas, vapores ou gases nocivos devem receber o equipamento pessoal adequado necessário para protegê-los do perigo. Todos os perigos envolvidos no uso de ferramentas elétricas podem ser evitados pelos trabalhadores seguindo cinco regras básicas de segurança:

                                                                                          1. Mantenha todas as ferramentas em boas condições com manutenção regular.
                                                                                          2. Use a ferramenta certa para o trabalho.
                                                                                          3. Examine cada ferramenta quanto a danos antes de usar.
                                                                                          4. Opere as ferramentas de acordo com as instruções do fabricante.
                                                                                          5. Selecione e use equipamento de proteção adequado.

                                                                                                   

                                                                                                  Funcionários e empregadores têm a responsabilidade de trabalhar juntos para manter as práticas de trabalho seguras estabelecidas. Se uma ferramenta insegura ou uma situação perigosa for encontrada, ela deve ser levada ao conhecimento do indivíduo apropriado imediatamente.

                                                                                                   

                                                                                                  Voltar

                                                                                                  Leia 34093 vezes Última modificação em sábado, 30 de julho de 2022 01:41

                                                                                                  " ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

                                                                                                  Conteúdo

                                                                                                  Referências de aplicações de segurança

                                                                                                  Arteau, J, A Lan e JF Corveil. 1994. Uso de linhas de vida horizontais em montagem de aço estrutural. Anais do Simpósio Internacional de Proteção Contra Quedas, San Diego, Califórnia (27 a 28 de outubro de 1994). Toronto: Sociedade Internacional de Proteção Contra Quedas.

                                                                                                  Backström, T. 1996. Risco de acidentes e proteção de segurança na produção automatizada. Tese de doutorado. Arbete och Hälsa 1996:7. Solna: Instituto Nacional para a Vida Profissional.

                                                                                                  Backström, T e L Harms-Ringdahl. 1984. Um estudo estatístico de sistemas de controle e acidentes de trabalho. J Ocupar Ac. 6:201–210.

                                                                                                  Backström, T e M Döös. 1994. Defeitos técnicos por trás de acidentes na produção automatizada. Em Advances in Agile Manufacturing, editado por PT Kidd e W Karwowski. Amsterdã: IOS Press.

                                                                                                  —. 1995. Comparação de acidentes de trabalho em indústrias de tecnologia avançada de manufatura. Int J Hum Factors Fabricante. 5(3). 267–282.

                                                                                                  —. Na imprensa. A génese técnica das avarias das máquinas que conduzem aos acidentes de trabalho. Int J Ind Ergonomia.

                                                                                                  —. Aceito para publicação. Frequências absolutas e relativas de acidentes de automação em diferentes tipos de equipamentos e para diferentes grupos ocupacionais. J Saf Res.

                                                                                                  Bainbridge, L. 1983. Ironias da automação. Automatica 19:775–779.

                                                                                                  Bell, R e D Reinert. 1992. Conceitos de risco e integridade do sistema para sistemas de controle relacionados à segurança. Saf Sci 15:283–308.

                                                                                                  Bouchard, P. 1991. Échafaudages. Guia série 4. Montreal: CSST.

                                                                                                  Secretaria de Assuntos Nacionais. 1975. Normas de Segurança e Saúde Ocupacional. Estruturas de proteção contra capotamento para equipamentos de manuseio de materiais e tratores, seções 1926, 1928. Washington, DC: Bureau of National Affairs.

                                                                                                  Corbett, JM. 1988. Ergonomia no desenvolvimento da AMT centrada no ser humano. Ergonomia Aplicada 19:35–39.

                                                                                                  Culver, C e C Connolly. 1994. Prevenir quedas fatais na construção. Saf Health setembro de 1994:72–75.

                                                                                                  Deutsche Industrie Normen (DIN). 1990. Grundsätze für Rechner in Systemen mit Sicherheitsauffgaben. DIN V VDE 0801. Berlim: Beuth Verlag.

                                                                                                  —. 1994. Grundsätze für Rechner in Systemen mit Sicherheitsauffgaben Änderung A 1. DIN V VDE 0801/A1. Berlim: Beuth Verlag.

                                                                                                  —. 1995a. Sicherheit von Maschinen—Druckempfindliche Schutzeinrichtungen [Segurança da máquina—Equipamento de proteção sensível à pressão]. DIN prEN 1760. Berlim: Beuth Verlag.

                                                                                                  —. 1995b. Rangier-Warneinrichtungen—Anforderungen und Prüfung [Veículos comerciais — detecção de obstáculos durante a marcha à ré — requisitos e testes]. Norma DIN 75031. Fevereiro de 1995.

                                                                                                  Döös, M e T Backström. 1993. Descrição de acidentes no manuseio automatizado de materiais. Em Ergonomics of Materials Handling and Information Processing at Work, editado por WS Marras, W Karwowski, JL Smith e L Pacholski. Varsóvia: Taylor e Francis.

                                                                                                  —. 1994. Distúrbios de produção como risco de acidentes. Em Advances in Agile Manufacturing, editado por PT Kidd e W Karwowski. Amsterdã: IOS Press.

                                                                                                  Comunidade Econômica Européia (CEE). 1974, 1977, 1979, 1982, 1987. Diretrizes do Conselho sobre estruturas de proteção contra capotamento de tratores agrícolas e florestais com rodas. Bruxelas: CEE.

                                                                                                  —. 1991. Diretiva do Conselho sobre a Aproximação das Leis dos Estados Membros relativas a Máquinas. (91/368/EEC) Luxemburgo: EEC.

                                                                                                  Etherton, JR e ML Myers. 1990. Pesquisa de segurança de máquinas no NIOSH e direções futuras. Int J Ind Erg 6:163–174.

                                                                                                  Freund, E, F Dierks e J Roßmann. 1993. Unterschungen zum Arbeitsschutz bei Mobilen Rototern und Mehrrobotersystemen [Testes de segurança ocupacional de robôs móveis e sistemas de robôs múltiplos]. Dortmund: Schriftenreihe der Bundesanstalt für Arbeitsschutz.

                                                                                                  Goble, W. 1992. Avaliando a Confiabilidade do Sistema de Controle. Nova York: Instrument Society of America.

                                                                                                  Goodstein, LP, HB Anderson e SE Olsen (eds.). 1988. Tarefas, Erros e Modelos Mentais. Londres: Taylor e Francis.

                                                                                                  Grife, CI. 1988. Causas e prevenção de queda. Simpósio Internacional de Proteção Contra Quedas. Orlando: Sociedade Internacional de Proteção Contra Quedas.

                                                                                                  Executivo de Saúde e Segurança. 1989. Estatísticas de saúde e segurança 1986–87. Empregar Gaz 97(2).

                                                                                                  Heinrich, HW, D Peterson e N Roos. 1980. Prevenção de Acidentes de Trabalho. 5ª ed. Nova York: McGraw-Hill.

                                                                                                  Hollnagel, E, e D Woods. 1983. Engenharia de sistemas cognitivos: Novo vinho em novas garrafas. Int J Man Machine Stud 18:583–600.

                                                                                                  Hölscher, H e J Rader. 1984. Mikrocomputer in der Sicherheitstechnik. Rheinland: Verlag TgV-Reinland.

                                                                                                  Hörte, S-Å e P Lindberg. 1989. Difusão e Implementação de Tecnologias Avançadas de Manufatura na Suécia. Documento de trabalho nº 198:16. Instituto de Inovação e Tecnologia.

                                                                                                  Comissão Eletrotécnica Internacional (IEC). 1992. 122 Projeto de Norma: Software para Computadores na Aplicação de Sistemas Relacionados à Segurança Industrial. IEC 65 (Sec.). Genebra: CEI.

                                                                                                  —. 1993. 123 Projeto de Norma: Segurança Funcional de Sistemas Elétricos/Eletrônicos/Eletrônicos Programáveis; Aspectos Genéricos. Parte 1, Requisitos gerais Genebra: IEC.

                                                                                                  Organização Internacional do Trabalho (OIT). 1965. Segurança e Saúde no Trabalho Agrícola. Genebra: OIT.

                                                                                                  —. 1969. Segurança e Saúde no Trabalho Florestal. Genebra: OIT.

                                                                                                  —. 1976. Construção Segura e Operação de Tratores. Um Código de Prática da OIT. Genebra: OIT.

                                                                                                  Organização Internacional de Normalização (ISO). 1981. Tratores de Rodas Agrícolas e Florestais. Estruturas de proteção. Método de teste estático e condições de aceitação. ISO 5700. Genebra: ISO.

                                                                                                  —. 1990. Padrões de Gestão de Qualidade e Garantia de Qualidade: Diretrizes para a Aplicação da ISO 9001 ao Desenvolvimento, Fornecimento e Manutenção de Software. ISO 9000-3. Genebra: ISO.

                                                                                                  —. 1991. Sistemas de Automação Industrial—Segurança de Sistemas Integrados de Manufatura—Requisitos Básicos (CD 11161). TC 184/WG 4. Genebra: ISO.

                                                                                                  —. 1994. Veículos Comerciais - Dispositivo de Detecção de Obstáculos durante a Reversão - Requisitos e Testes. Relatório Técnico TR 12155. Genebra: ISO.

                                                                                                  Johnson, B. 1989. Projeto e Análise de Sistemas Digitais Tolerantes a Falhas. Nova York: Addison Wesley.

                                                                                                  Kidd, P. 1994. Manufatura automatizada baseada em habilidades. Em Organization and Management of Advanced Manufacturing Systems, editado por W Karwowski e G Salvendy. Nova York: Wiley.

                                                                                                  Knowlton, R. 1986. Uma Introdução aos Estudos de Perigo e Operabilidade: A Abordagem da Palavra Guia. Vancouver, BC: Chemetics.

                                                                                                  Kuivanen, R. 1990. O impacto na segurança de distúrbios em sistemas flexíveis de manufatura. Em Ergonomics of Hybrid Automated Systems II, editado por W Karwowski e M Rahimi. Amsterdã: Elsevier.

                                                                                                  Laeser, RP, WI McLaughlin e DM Wolff. 1987. Fernsteurerung und Fehlerkontrolle von Voyager 2. Spektrum der Wissenshaft (1):S. 60–70.

                                                                                                  Lan, A, J Arteau e JF Corbeil. 1994. Proteção contra quedas de outdoors acima do solo. Simpósio Internacional de Proteção contra Quedas, San Diego, Califórnia, 27 a 28 de outubro de 1994. Anais Sociedade Internacional para Proteção contra Quedas.

                                                                                                  Langer, HJ e W Kurfürst. 1985. Einsatz von Sensoren zur Absicherung des Rückraumes von Großfahrzeugen [Usando sensores para proteger a área atrás de veículos grandes]. FB 605. Dortmund: Schriftenreihe der bundesanstalt für Arbeitsschutz.

                                                                                                  LEVENSON, NG. 1986. Segurança de software: Por que, o quê e como. ACM Inquéritos Informáticos (2):S. 129–163.

                                                                                                  McManus, TN. Nd Espaços Confinados. Manuscrito.

                                                                                                  Microsonic GmbH. 1996. Comunicação empresarial. Dortmund, Alemanha: Microsonic.

                                                                                                  Mester, U, T Herwig, G Dönges, B Brodbeck, HD Bredow, M Behrens e U Ahrens. 1980. Gefahrenschutz durch passivo Infrarot-Sensoren (II) [Proteção contra perigos por sensores infravermelhos]. FB 243. Dortmund: Schriftenreihe der bundesanstalt für Arbeitsschutz.

                                                                                                  Mohan, D e R Patel. 1992. Projeto de equipamentos agrícolas mais seguros: Aplicação de ergonomia e epidemiologia. Int J Ind Erg 10:301–310.

                                                                                                  Associação Nacional de Proteção Contra Incêndios (NFPA). 1993. NFPA 306: Controle de Riscos de Gás em Embarcações. Quincy, MA: NFPA.

                                                                                                  Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1994. Mortes de Trabalhadores em Espaços Confinados. Cincinnati, OH, EUA: DHHS/PHS/CDCP/NIOSH Pub. nº 94-103. NIOSH.

                                                                                                  Neumann, PG. 1987. Os N melhores (ou piores) casos de risco relacionados a computadores. IEEE T Syst Man Cyb. Nova York: S.11–13.

                                                                                                  —. 1994. Riscos ilustrativos para o público no uso de sistemas de computador e tecnologias relacionadas. Software Engin Notas SIGSOFT 19, No. 1:16–29.

                                                                                                  Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA). 1988. Fatalidades ocupacionais selecionadas relacionadas à soldagem e corte conforme encontradas em relatórios de investigações de fatalidades/catástrofes da OSHA. Washington, DC: OSHA.

                                                                                                  Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). 1987. Códigos padrão para o teste oficial de tratores agrícolas. Paris: OCDE.

                                                                                                  Organisme professionel de prevenção du bâtiment et des travaux publics (OPPBTP). 1984. Les équipements individuels de protection contre les chutes de hauteur. Boulogne-Bilancourt, França: OPPBTP.

                                                                                                  Rasmussen, J. 1983. Habilidades, regras e conhecimento: Agenda, sinais e símbolos e outras distinções em modelos de desempenho humano. IEEE Transações em Sistemas, Homem e Cibernética. SMC13(3): 257–266.

                                                                                                  Reason, J. 1990. Erro Humano. Nova York: Cambridge University Press.

                                                                                                  Reese, CD e GR Mills. 1986. Epidemiologia do trauma de fatalidades em espaços confinados e sua aplicação à intervenção/prevenção agora. Em A natureza mutável do trabalho e da força de trabalho. Cincinnati, OH: NIOSH.

                                                                                                  Reinert, D e G Reuss. 1991. Sicherheitstechnische Beurteilung und Prüfung mikroprozessorgesteuerter
                                                                                                  Sicherheitseinrichtungen. Em BIA-Handbuch. Sicherheitstechnisches Informations-und Arbeitsblatt 310222. Bielefeld: Erich Schmidt Verlag.

                                                                                                  Sociedade de Engenheiros Automotivos (SAE). 1974. Proteção do Operador para Equipamentos Industriais. Padrão SAE j1042. Warrendale, EUA: SAE.

                                                                                                  —. 1975. Critérios de desempenho para proteção contra capotamento. Prática Recomendada SAE. Padrão SAE j1040a. Warrendale, EUA: SAE.

                                                                                                  Schreiber, P. 1990. Entwicklungsstand bei Rückraumwarneinrichtungen [Estado de desenvolvimento para dispositivos de alerta de área traseira]. Technische Überwachung, Nr. 4, abril, S. 161.

                                                                                                  Schreiber, P e KKuhn. 1995. Informationstechnologie in der Fertigungstechnik [Tecnologia da informação na técnica de produção, série do Instituto Federal de Segurança e Saúde Ocupacional]. FB 717. Dortmund: Schriftenreihe der bundesanstalt für Arbeitsschutz.

                                                                                                  Sheridan, T. 1987. Controle de supervisão. Em Handbook of Human Factors, editado por G. Salvendy. Nova York: Wiley.

                                                                                                  Springfeldt, B. 1993. Effects of Occupational Safety Rules and Measures with Special Reward to Lesions. Vantagens de soluções que funcionam automaticamente. Estocolmo: The Royal Institute of Technology, Departamento de Ciência do Trabalho.

                                                                                                  Sugimoto, N. 1987. Temas e problemas da tecnologia de segurança de robôs. Em Segurança e Saúde Ocupacional em Automação e Robótica, editado por K Noto. Londres: Taylor & Francis. 175.

                                                                                                  Sulowski, AC (ed.). 1991. Fundamentos de proteção contra quedas. Toronto, Canadá: International Society for Fall Protection.

                                                                                                  Wehner, T. 1992. Sicherheit als Fehlerfreundlichkeit. Opladen: Westdeutscher Verlag.

                                                                                                  Zimolong, B, e L Duda. 1992. Estratégias de redução de erros humanos em sistemas avançados de manufatura. Em Human-robot Interaction, editado por M Rahimi e W Karwowski. Londres: Taylor & Francis.