Segunda-feira, 04 abril 2011 19: 18

Espaços confinados

Classifique este artigo
(7 votos)

Espaços confinados são onipresentes em toda a indústria como locais recorrentes de acidentes fatais e não fatais. O termo espaço confinado tradicionalmente tem sido usado para rotular estruturas particulares, como tanques, embarcações, poços, esgotos, funis e assim por diante. No entanto, uma definição baseada na descrição dessa maneira é excessivamente restritiva e desafia a extrapolação imediata para estruturas nas quais ocorreram acidentes. Potencialmente, qualquer estrutura na qual as pessoas trabalhem pode ser ou se tornar um espaço confinado. Espaços confinados podem ser muito grandes ou muito pequenos. O que o termo realmente descreve é ​​um ambiente no qual uma ampla gama de condições perigosas pode ocorrer. Essas condições incluem confinamento pessoal, bem como riscos estruturais, de processo, mecânicos, materiais a granel ou líquidos, atmosféricos, físicos, químicos, biológicos, de segurança e ergonômicos. Muitas das condições produzidas por esses perigos não são exclusivas de espaços confinados, mas são exacerbadas pelo envolvimento das superfícies limítrofes do espaço confinado.

Espaços confinados são consideravelmente mais perigosos do que espaços de trabalho normais. Alterações aparentemente menores nas condições podem alterar imediatamente o status desses espaços de trabalho de inócuos para com risco de vida. Essas condições podem ser transitórias e sutis e, portanto, difíceis de reconhecer e abordar. O trabalho envolvendo espaços confinados geralmente ocorre durante a construção, inspeção, manutenção, modificação e reabilitação. Este trabalho não é rotineiro, de curta duração, não repetitivo e imprevisível (muitas vezes ocorrendo fora do horário de expediente ou quando a unidade está fora de serviço).

Acidentes em Espaços Confinados

Os acidentes envolvendo espaços confinados diferem dos acidentes que ocorrem em espaços normais de trabalho. Um erro aparentemente menor ou descuido na preparação do espaço, seleção ou manutenção de equipamentos ou atividade de trabalho pode precipitar um acidente. Isso ocorre porque a tolerância ao erro nessas situações é menor do que para a atividade normal do local de trabalho.

As ocupações das vítimas de acidentes em espaços confinados abrangem todo o espectro ocupacional. Embora a maioria sejam trabalhadores, como seria de esperar, as vítimas também incluem engenheiros e técnicos, supervisores e gerentes e pessoal de resposta a emergências. O pessoal de segurança e higiene industrial também esteve envolvido em acidentes em espaços confinados. Os únicos dados sobre acidentes em espaços confinados estão disponíveis nos Estados Unidos e cobrem apenas acidentes fatais (NIOSH 1994). Em todo o mundo, esses acidentes fazem cerca de 200 vítimas por ano na indústria, na agricultura e no lar (Reese e Mills, 1986). Isso é, na melhor das hipóteses, uma suposição baseada em dados incompletos, mas parece ser aplicável hoje. Cerca de dois terços dos acidentes resultaram de condições atmosféricas perigosas no espaço confinado. Em cerca de 70% destes a condição de risco existia antes da entrada e início do trabalho. Às vezes, esses acidentes causam múltiplas mortes, algumas das quais são resultado do incidente original e uma tentativa subsequente de resgate. As condições altamente estressantes em que ocorre a tentativa de resgate muitas vezes sujeitam os aspirantes a socorristas a um risco consideravelmente maior do que a vítima inicial.

As causas e consequências dos acidentes envolvendo trabalhos externos a estruturas que confinam atmosferas perigosas são semelhantes aos ocorridos em espaços confinados. Explosão ou incêndio envolvendo uma atmosfera confinada causaram cerca de metade dos acidentes fatais de soldagem e corte nos Estados Unidos. Cerca de 16% desses acidentes envolveram tambores ou contêineres “vazios” de 205 l (45 gal no Reino Unido, 55 gal nos EUA) (OSHA 1988).

Identificação de Espaços Confinados

Uma revisão de acidentes fatais em espaços confinados indica que as melhores defesas contra encontros desnecessários são uma força de trabalho informada e treinada e um programa de reconhecimento e gerenciamento de riscos. O desenvolvimento de habilidades para permitir que supervisores e trabalhadores reconheçam condições potencialmente perigosas também é essencial. Um contribuidor para este programa é um inventário preciso e atualizado de espaços confinados. Isso inclui tipo de espaço, localização, características, conteúdo, condições perigosas e assim por diante. Espaços confinados em muitas circunstâncias desafiam o inventário porque seu número e tipo estão mudando constantemente. Por outro lado, espaços confinados em operações de processo são facilmente identificáveis, mas permanecem fechados e inacessíveis quase o tempo todo. Sob certas condições, um espaço pode ser considerado um espaço confinado em um dia e não ser considerado um espaço confinado no dia seguinte.

Um benefício da identificação de espaços confinados é a oportunidade de rotulá-los. Um rótulo pode permitir que os trabalhadores relacionem o termo espaço confinado a equipamentos e estruturas em seu local de trabalho. A desvantagem do processo de rotulagem inclui: (1) o rótulo pode desaparecer em uma paisagem repleta de outros rótulos de advertência; (2) as organizações que possuem muitos espaços confinados podem ter grande dificuldade em rotulá-los; (3) rotulagem produziria pouco benefício em circunstâncias onde a população de espaços confinados é dinâmica; e (4) a dependência de rótulos para identificação causa dependência. Espaços confinados podem ser negligenciados.

Avaliação de risco

O aspecto mais complexo e difícil no processo de espaço confinado é a avaliação de perigos. A avaliação de perigo identifica condições perigosas e potencialmente perigosas e avalia o nível e a aceitabilidade do risco. A dificuldade com a avaliação de riscos ocorre porque muitas das condições perigosas podem produzir lesões agudas ou traumáticas, são difíceis de reconhecer e avaliar e geralmente mudam com as mudanças nas condições. A eliminação ou mitigação de perigos durante a preparação do espaço de entrada, portanto, é essencial para minimizar o risco durante o trabalho.

A avaliação de perigos pode fornecer uma estimativa qualitativa do nível de preocupação associado a uma situação específica em um determinado momento (tabela 1). A amplitude da preocupação dentro de cada categoria varia de mínimo a algum máximo. A comparação entre categorias não é apropriada, uma vez que o nível máximo de preocupação pode diferir consideravelmente.

Tabela 1. Modelo de formulário para avaliação de condições perigosas

condição perigosa

Consequência real ou potencial

 

Baixo

Moderado

Alta

Trabalho quente

     

Riscos atmosféricos

     

deficiência de oxigênio

     

enriquecimento de oxigênio

     

químico

     

biológico

     

Explosão de fogo

     

Ingestão/contato com a pele

     

Agentes físicos

     

ruído/vibração

     

estresse calor/frio

     

radiação não/ionizante

     

laser

     

Confinamento pessoal

     

Perigo mecânico

     

Perigo de processo

     

Risco de segurança

     

estrutural

     

engolfamento/imersão

     

emaranhamento

     

elétrico

     

cair

     

escorregar/tropeçar

     

visibilidade/nível de luz

     

explosivo/implosivo

     

superfícies quentes/frias

     

NA = não aplicável. O significado de certos termos como substância tóxica, deficiência de oxigênio, enriquecimento de oxigênio, risco mecânico, e assim por diante, exigem especificações adicionais de acordo com os padrões existentes em uma determinada jurisdição.

 

Cada entrada na tabela 1 pode ser expandida para fornecer detalhes sobre condições perigosas onde houver preocupação. Detalhes também podem ser fornecidos para eliminar categorias de consideração posterior onde a preocupação é inexistente.

 

Fundamental para o sucesso do reconhecimento e avaliação de perigos é a Pessoa qualificada. A Pessoa Qualificada é considerada capaz pela experiência, formação e/ou formação especializada, de antecipar, reconhecer e avaliar exposições a substâncias perigosas ou outras condições inseguras e especificar medidas de controlo e/ou ações de proteção. Ou seja, espera-se que a Pessoa Qualificada saiba o que é exigido no contexto de uma situação particular que envolva trabalho em espaço confinado.

Uma avaliação de risco deve ser realizada para cada um dos seguintes segmentos no ciclo operacional do espaço confinado (conforme apropriado): o espaço não perturbado, preparação pré-entrada, atividades de trabalho de inspeção pré-trabalho (McManus, manuscrito) e resposta a emergências. Acidentes fatais ocorreram durante cada um desses segmentos. O espaço não perturbado refere-se ao status quo estabelecido entre o fechamento após uma entrada e o início da preparação para a próxima. Os preparativos de entrada são ações tomadas para tornar o espaço seguro para entrada e trabalho. A inspeção pré-obra é a entrada inicial e o exame do espaço para garantir que ele esteja seguro para o início do trabalho. (Esta prática é exigida em algumas jurisdições.) As atividades de trabalho são as tarefas individuais a serem executadas pelos ingressantes. A resposta de emergência é a atividade em caso de necessidade de resgate de trabalhadores ou outra emergência. Os perigos que permanecem no início da atividade de trabalho ou são gerados por ela ditam a natureza dos possíveis acidentes para os quais é necessária a preparação e resposta de emergência.

Realizar a avaliação de perigos para cada segmento é essencial porque o foco muda continuamente. Por exemplo, o nível de preocupação com uma condição específica pode desaparecer após a preparação pré-entrada; no entanto, a condição pode reaparecer ou uma nova pode se desenvolver como resultado de uma atividade que ocorra dentro ou fora do espaço confinado. Por esta razão, seria inapropriado avaliar o nível de preocupação para uma condição perigosa o tempo todo com base apenas em uma avaliação das condições de pré-abertura ou mesmo de abertura.

Instrumental e outros métodos de monitoramento são usados ​​para determinar o estado de alguns dos agentes físicos, químicos e biológicos presentes dentro e ao redor do espaço confinado. O monitoramento pode ser necessário antes da entrada, durante a entrada ou durante a atividade de trabalho. Bloqueio/sinalização e outras técnicas de procedimento são usadas para desativar fontes de energia. O isolamento usando espaços em branco, plugues e tampas e bloqueio duplo e purga ou outras configurações de válvula evita a entrada de substâncias através da tubulação. Ventilação, usando ventiladores e edutores, muitas vezes é necessária para fornecer um ambiente seguro para trabalhar com e sem proteção respiratória aprovada. A avaliação e o controle de outras condições dependem do julgamento da Pessoa Qualificada.

A última parte do processo é a crítica. A Pessoa Qualificada deve decidir se os riscos associados à entrada e ao trabalho são aceitáveis. A segurança pode ser melhor assegurada através do controle. Se condições perigosas e potencialmente perigosas puderem ser controladas, a decisão não será difícil de tomar. Quanto menor o nível de controle percebido, maior a necessidade de contingências. A única outra alternativa é proibir a entrada.

Controle de entrada

Os métodos tradicionais para gerenciar a atividade em espaço confinado no local são a permissão de entrada e a Pessoa Qualificada no local. Linhas claras de autoridade, responsabilidade e prestação de contas entre a Pessoa Qualificada e os participantes, pessoal de prontidão, equipes de emergência e gerenciamento no local são necessárias em qualquer um dos sistemas.

A função de um documento de entrada é informar e documentar. A Tabela 2 (abaixo) fornece uma base formal para realizar a avaliação de perigo e documentar os resultados. Quando editado para incluir apenas informações relevantes para uma circunstância particular, isso se torna a base para a permissão de entrada ou certificado de entrada. A permissão de entrada é mais eficaz como um resumo que documenta as ações realizadas e indica, por exceção, a necessidade de medidas cautelares adicionais. A permissão de entrada deve ser emitida por uma Pessoa Qualificada que também tenha autoridade para cancelar a permissão caso as condições mudem. O emissor da licença deve ser independente da hierarquia de supervisão, a fim de evitar possíveis pressões para acelerar a execução dos trabalhos. A licença especifica os procedimentos a serem seguidos, bem como as condições sob as quais a entrada e o trabalho podem prosseguir, e registra os resultados dos testes e outras informações. A autorização assinada é afixada na entrada ou portal do espaço ou conforme especificado pela empresa ou autoridade reguladora. Ele permanece postado até que seja cancelado, substituído por uma nova licença ou o trabalho seja concluído. A permissão de entrada torna-se um registro após a conclusão do trabalho e deve ser mantida para manutenção de registros de acordo com os requisitos da autoridade reguladora.

O sistema de permissão funciona melhor onde as condições perigosas são conhecidas por experiência anterior e as medidas de controle foram testadas e comprovadamente eficazes. O sistema de licenças permite que os recursos especializados sejam distribuídos de maneira eficiente. As limitações da permissão surgem onde perigos previamente não reconhecidos estão presentes. Se a Pessoa Qualificada não estiver prontamente disponível, eles podem permanecer sem endereço.

O certificado de entrada fornece um mecanismo alternativo para controle de entrada. Isso requer uma Pessoa Qualificada no local que forneça experiência prática no reconhecimento, avaliação e controle de perigos. Uma vantagem adicional é a capacidade de responder a preocupações em curto prazo e lidar com perigos imprevistos. Algumas jurisdições exigem que a Pessoa Qualificada realize uma inspeção visual pessoal do espaço antes do início do trabalho. Após a avaliação do espaço e implementação de medidas de controle, a Pessoa Qualificada emite um certificado descrevendo o estado do espaço e as condições sob as quais o trabalho pode prosseguir (NFPA 1993). Essa abordagem é ideal para operações que possuem vários espaços confinados ou onde as condições ou a configuração dos espaços podem sofrer mudanças rápidas.

 


 

Tabela 2. Uma amostra de permissão de entrada

ABC EMPRESA

ESPAÇO CONFINADO - PERMISSÃO DE ENTRADA

1. INFORMAÇÕES DESCRITIVAS

Departamento:

Locação:

Prédio/Loja:

Equipamento/Espaço:

Parte:

Data:                                                 Assessor:

Duração:                                           Qualificação:

2. ESPAÇOS ADJACENTES

Espaço:

Descrição:

Conteúdo:

Processo:

3. CONDIÇÕES PRÉ-TRABALHO

Riscos Atmosféricos

Deficiência de Oxigênio                       Sim  Não  Controlado

Concentração: (mínimo aceitável: %)

enriquecimento de oxigênio                     Sim  Não  Controlado

Concentração: (Máximo aceitável: %)

Produtos Químicos                                      Sim  Não  Controlado

Concentração da Substância (Padrão Aceitável:)

Sistema de Monitoramento                                      Sim  Não  Controlado

Concentração da Substância (Padrão Aceitável:)

Explosão de fogo                              Sim  Não  Controlado

Concentração da substância (máximo aceitável: % LFL)

Risco de ingestão/contato com a pele   Sim  Não  Controlado

Agentes Físicos

Ruído/Vibração                            Sim  Não  Controlado

Nível: (Máximo aceitável: dBA)

Estresse por Calor/Frio                         Sim  Não  Controlado

Temperatura: (Intervalo aceitável: )

Radiação não/ionizante                 Sim  Não  Controlado

Nível de tipo (máximo aceitável: )

Laser                                            Sim  Não  Controlado

Nível de tipo (máximo aceitável: )

Confinamento Pessoal
(Consulte a ação corretiva.)         Sim  Não  Controlado

Perigo Mecânico
(Consulte o procedimento.)                   Sim  Não  Controlado

Perigo de processo
(Consulte o procedimento.)                   Sim  Não  Controlado

ABC EMPRESA

ESPAÇO CONFINADO - PERMISSÃO DE ENTRADA

Risco de segurança

Risco Estrutural
(Consulte a ação corretiva.)          Sim  Não  Controlado

Envolvimento/Imersão
(Consulte a ação corretiva.)          Sim  Não  Controlado

Emaranhamento
(Consulte a ação corretiva.)          Sim  Não  Controlado

Electrical
(Consulte o procedimento.)                    Sim  Não  Controlado

Cair
(Consulte a ação corretiva.)          Sim  Não  Controlado

Deslizamento/Deslocamento
(Consulte a ação corretiva.)          Sim  Não  Controlado

Visibilidade/nível de luz                          Sim  Não  Controlado

Nível: (Intervalo aceitável: lux)

Explosivo/Implosivo
(Consulte a ação corretiva.)           Sim  Não  Controlado

Superfícies Quentes/Frias
(Consulte a ação corretiva.)           Sim  Não  Controlado

Para entradas nas caixas destacadas, Sim ou Controlado, forneça detalhes adicionais e consulte as medidas de proteção. Para perigos para os quais os testes podem ser feitos, consulte os requisitos de teste. Forneça a data da calibração mais recente. Máximo, mínimo, intervalo ou padrão aceitável depende da jurisdição.

4. Procedimento de Trabalho

Descrição:

Trabalho quente
(Consulte a medida protetiva.)            Sim  Não  Controlado

Risco Atmosférico

Deficiência de Oxigênio 

(Consulte os requisitos para testes adicionais. Registre os resultados. 
Consulte o requisito para medidas de proteção.)

Concentração:                                    Sim  Não  Controlado

                                                            (Mínimo aceitável: %)

enriquecimento de oxigênio                           

(Consulte os requisitos para testes adicionais. Registre os resultados.
Consulte o requisito para medidas de proteção.)                                    

Concentração:                                   Sim  Não  Controlado

                                                           (Máximo aceitável: %)

Produtos Químicos              

(Consulte o requisito para testes adicionais. Registre os resultados. Consulte o requisito
para medidas de proteção.)
Concentração de substância                  Sim  Não  Controlado

                                                           (Padrão aceitável: )

Sistema de Monitoramento             

(Consulte o requisito para testes adicionais. Registre os resultados. Consulte o requisito
para medidas de proteção.)
Concentração de substância                 Sim  Não  Controlado

                                                          (Padrão aceitável: )

Explosão de fogo             

(Consulte o requisito para testes adicionais. Registre os resultados. Consulte o requisito
para medidas de proteção.)
Concentração de substância                 Sim  Não  Controlado

                                                          (Padrão aceitável: )

Risco de ingestão/contato com a pele         Sim  Não  Controlado

(Consulte o requisito para medidas de proteção.)                      

ABC EMPRESA

ESPAÇO CONFINADO - PERMISSÃO DE ENTRADA

Agentes Físicos

Ruído/Vibração             

(Consulte o requisito para medidas de proteção. Consulte o requisito para
testes adicionais. Registrar os resultados.)
Nível:                                                Sim  Não  Controlado

                                                         (Máximo aceitável: dBA)

Estresse por Calor/Frio           

(Consulte o requisito para medidas de proteção. Consulte o requisito para
testes adicionais. Registrar os resultados.)
Temperatura:                                    Sim  Não  Controlado

                                                          (Intervalo aceitável: )

Radiação não/ionizante            

(Consulte o requisito para medidas de proteção. Consulte o requisito para
testes adicionais. Registrar os resultados.)
Nível de tipo                                        Sim  Não  Controlado

                                                          (Máximo aceitável: )

Laser
(Consulte o requisito para medidas de proteção.)            Sim  Não  Controlado

Perigo Mecânico
(Consulte o requisito para medidas de proteção.)            Sim  Não  Controlado

Perigo de processo

(Consulte o requisito para medidas de proteção.)           Sim  Não  Controlado

Risco de segurança

Risco Estrutural
(Consulte o requisito para medidas de proteção.)            Sim  Não  Controlado

Envolvimento/Imersão
(Consulte o requisito para medidas de proteção.)           Sim  Não  Controlado

Emaranhamento
(Consulte o requisito para medidas de proteção.)            Sim  Não  Controlado

Electrical
(Consulte o requisito para medidas de proteção.)           Sim  Não  Controlado

Cair
(Consulte o requisito para medidas de proteção.)            Sim  Não  Controlado

Deslizamento/Deslocamento
(Consulte o requisito para medidas de proteção.)            Sim  Não  Controlado

Visibilidade/nível de luz
(Consulte o requisito para medidas de proteção.)            Sim  Não  Controlado

Explosivo/Implosivo
(Consulte o requisito para medidas de proteção.)             Sim  Não  Controlado

Superfícies Quentes/Frias
(Consulte o requisito para medidas de proteção.)            Sim  Não  Controlado

Para entradas nas caixas destacadas, Sim ou Possível, forneça detalhes adicionais e consulte as instruções de proteção
medidas. Para perigos para os quais os testes podem ser feitos, consulte os requisitos de teste. Forneça a data de
calibração mais recente.

Medidas protetoras

Equipamento de proteção individual (especificar)

Equipamento e procedimento de comunicação (especificar)

Sistemas de alarme (especificar)

Equipamento de resgate (especificar)

Ventilação (especificar)

Iluminação (especificar)

Outro especificar)

(continua na próxima página)

ABC EMPRESA

ESPAÇO CONFINADO - PERMISSÃO DE ENTRADA

Requisitos de teste

Especificar requisitos e frequência de teste

Pessoal

Supervisor de entrada

Supervisor de origem

Participantes autorizados

Pessoal de teste

Atendentes

 

Voltar

Leia 12789 vezes Última modificação em quarta-feira, 31 de agosto de 2011 17:48

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de aplicações de segurança

Arteau, J, A Lan e JF Corveil. 1994. Uso de linhas de vida horizontais em montagem de aço estrutural. Anais do Simpósio Internacional de Proteção Contra Quedas, San Diego, Califórnia (27 a 28 de outubro de 1994). Toronto: Sociedade Internacional de Proteção Contra Quedas.

Backström, T. 1996. Risco de acidentes e proteção de segurança na produção automatizada. Tese de doutorado. Arbete och Hälsa 1996:7. Solna: Instituto Nacional para a Vida Profissional.

Backström, T e L Harms-Ringdahl. 1984. Um estudo estatístico de sistemas de controle e acidentes de trabalho. J Ocupar Ac. 6:201–210.

Backström, T e M Döös. 1994. Defeitos técnicos por trás de acidentes na produção automatizada. Em Advances in Agile Manufacturing, editado por PT Kidd e W Karwowski. Amsterdã: IOS Press.

—. 1995. Comparação de acidentes de trabalho em indústrias de tecnologia avançada de manufatura. Int J Hum Factors Fabricante. 5(3). 267–282.

—. Na imprensa. A génese técnica das avarias das máquinas que conduzem aos acidentes de trabalho. Int J Ind Ergonomia.

—. Aceito para publicação. Frequências absolutas e relativas de acidentes de automação em diferentes tipos de equipamentos e para diferentes grupos ocupacionais. J Saf Res.

Bainbridge, L. 1983. Ironias da automação. Automatica 19:775–779.

Bell, R e D Reinert. 1992. Conceitos de risco e integridade do sistema para sistemas de controle relacionados à segurança. Saf Sci 15:283–308.

Bouchard, P. 1991. Échafaudages. Guia série 4. Montreal: CSST.

Secretaria de Assuntos Nacionais. 1975. Normas de Segurança e Saúde Ocupacional. Estruturas de proteção contra capotamento para equipamentos de manuseio de materiais e tratores, seções 1926, 1928. Washington, DC: Bureau of National Affairs.

Corbett, JM. 1988. Ergonomia no desenvolvimento da AMT centrada no ser humano. Ergonomia Aplicada 19:35–39.

Culver, C e C Connolly. 1994. Prevenir quedas fatais na construção. Saf Health setembro de 1994:72–75.

Deutsche Industrie Normen (DIN). 1990. Grundsätze für Rechner in Systemen mit Sicherheitsauffgaben. DIN V VDE 0801. Berlim: Beuth Verlag.

—. 1994. Grundsätze für Rechner in Systemen mit Sicherheitsauffgaben Änderung A 1. DIN V VDE 0801/A1. Berlim: Beuth Verlag.

—. 1995a. Sicherheit von Maschinen—Druckempfindliche Schutzeinrichtungen [Segurança da máquina—Equipamento de proteção sensível à pressão]. DIN prEN 1760. Berlim: Beuth Verlag.

—. 1995b. Rangier-Warneinrichtungen—Anforderungen und Prüfung [Veículos comerciais — detecção de obstáculos durante a marcha à ré — requisitos e testes]. Norma DIN 75031. Fevereiro de 1995.

Döös, M e T Backström. 1993. Descrição de acidentes no manuseio automatizado de materiais. Em Ergonomics of Materials Handling and Information Processing at Work, editado por WS Marras, W Karwowski, JL Smith e L Pacholski. Varsóvia: Taylor e Francis.

—. 1994. Distúrbios de produção como risco de acidentes. Em Advances in Agile Manufacturing, editado por PT Kidd e W Karwowski. Amsterdã: IOS Press.

Comunidade Econômica Européia (CEE). 1974, 1977, 1979, 1982, 1987. Diretrizes do Conselho sobre estruturas de proteção contra capotamento de tratores agrícolas e florestais com rodas. Bruxelas: CEE.

—. 1991. Diretiva do Conselho sobre a Aproximação das Leis dos Estados Membros relativas a Máquinas. (91/368/EEC) Luxemburgo: EEC.

Etherton, JR e ML Myers. 1990. Pesquisa de segurança de máquinas no NIOSH e direções futuras. Int J Ind Erg 6:163–174.

Freund, E, F Dierks e J Roßmann. 1993. Unterschungen zum Arbeitsschutz bei Mobilen Rototern und Mehrrobotersystemen [Testes de segurança ocupacional de robôs móveis e sistemas de robôs múltiplos]. Dortmund: Schriftenreihe der Bundesanstalt für Arbeitsschutz.

Goble, W. 1992. Avaliando a Confiabilidade do Sistema de Controle. Nova York: Instrument Society of America.

Goodstein, LP, HB Anderson e SE Olsen (eds.). 1988. Tarefas, Erros e Modelos Mentais. Londres: Taylor e Francis.

Grife, CI. 1988. Causas e prevenção de queda. Simpósio Internacional de Proteção Contra Quedas. Orlando: Sociedade Internacional de Proteção Contra Quedas.

Executivo de Saúde e Segurança. 1989. Estatísticas de saúde e segurança 1986–87. Empregar Gaz 97(2).

Heinrich, HW, D Peterson e N Roos. 1980. Prevenção de Acidentes de Trabalho. 5ª ed. Nova York: McGraw-Hill.

Hollnagel, E, e D Woods. 1983. Engenharia de sistemas cognitivos: Novo vinho em novas garrafas. Int J Man Machine Stud 18:583–600.

Hölscher, H e J Rader. 1984. Mikrocomputer in der Sicherheitstechnik. Rheinland: Verlag TgV-Reinland.

Hörte, S-Å e P Lindberg. 1989. Difusão e Implementação de Tecnologias Avançadas de Manufatura na Suécia. Documento de trabalho nº 198:16. Instituto de Inovação e Tecnologia.

Comissão Eletrotécnica Internacional (IEC). 1992. 122 Projeto de Norma: Software para Computadores na Aplicação de Sistemas Relacionados à Segurança Industrial. IEC 65 (Sec.). Genebra: CEI.

—. 1993. 123 Projeto de Norma: Segurança Funcional de Sistemas Elétricos/Eletrônicos/Eletrônicos Programáveis; Aspectos Genéricos. Parte 1, Requisitos gerais Genebra: IEC.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). 1965. Segurança e Saúde no Trabalho Agrícola. Genebra: OIT.

—. 1969. Segurança e Saúde no Trabalho Florestal. Genebra: OIT.

—. 1976. Construção Segura e Operação de Tratores. Um Código de Prática da OIT. Genebra: OIT.

Organização Internacional de Normalização (ISO). 1981. Tratores de Rodas Agrícolas e Florestais. Estruturas de proteção. Método de teste estático e condições de aceitação. ISO 5700. Genebra: ISO.

—. 1990. Padrões de Gestão de Qualidade e Garantia de Qualidade: Diretrizes para a Aplicação da ISO 9001 ao Desenvolvimento, Fornecimento e Manutenção de Software. ISO 9000-3. Genebra: ISO.

—. 1991. Sistemas de Automação Industrial—Segurança de Sistemas Integrados de Manufatura—Requisitos Básicos (CD 11161). TC 184/WG 4. Genebra: ISO.

—. 1994. Veículos Comerciais - Dispositivo de Detecção de Obstáculos durante a Reversão - Requisitos e Testes. Relatório Técnico TR 12155. Genebra: ISO.

Johnson, B. 1989. Projeto e Análise de Sistemas Digitais Tolerantes a Falhas. Nova York: Addison Wesley.

Kidd, P. 1994. Manufatura automatizada baseada em habilidades. Em Organization and Management of Advanced Manufacturing Systems, editado por W Karwowski e G Salvendy. Nova York: Wiley.

Knowlton, R. 1986. Uma Introdução aos Estudos de Perigo e Operabilidade: A Abordagem da Palavra Guia. Vancouver, BC: Chemetics.

Kuivanen, R. 1990. O impacto na segurança de distúrbios em sistemas flexíveis de manufatura. Em Ergonomics of Hybrid Automated Systems II, editado por W Karwowski e M Rahimi. Amsterdã: Elsevier.

Laeser, RP, WI McLaughlin e DM Wolff. 1987. Fernsteurerung und Fehlerkontrolle von Voyager 2. Spektrum der Wissenshaft (1):S. 60–70.

Lan, A, J Arteau e JF Corbeil. 1994. Proteção contra quedas de outdoors acima do solo. Simpósio Internacional de Proteção contra Quedas, San Diego, Califórnia, 27 a 28 de outubro de 1994. Anais Sociedade Internacional para Proteção contra Quedas.

Langer, HJ e W Kurfürst. 1985. Einsatz von Sensoren zur Absicherung des Rückraumes von Großfahrzeugen [Usando sensores para proteger a área atrás de veículos grandes]. FB 605. Dortmund: Schriftenreihe der bundesanstalt für Arbeitsschutz.

LEVENSON, NG. 1986. Segurança de software: Por que, o quê e como. ACM Inquéritos Informáticos (2):S. 129–163.

McManus, TN. Nd Espaços Confinados. Manuscrito.

Microsonic GmbH. 1996. Comunicação empresarial. Dortmund, Alemanha: Microsonic.

Mester, U, T Herwig, G Dönges, B Brodbeck, HD Bredow, M Behrens e U Ahrens. 1980. Gefahrenschutz durch passivo Infrarot-Sensoren (II) [Proteção contra perigos por sensores infravermelhos]. FB 243. Dortmund: Schriftenreihe der bundesanstalt für Arbeitsschutz.

Mohan, D e R Patel. 1992. Projeto de equipamentos agrícolas mais seguros: Aplicação de ergonomia e epidemiologia. Int J Ind Erg 10:301–310.

Associação Nacional de Proteção Contra Incêndios (NFPA). 1993. NFPA 306: Controle de Riscos de Gás em Embarcações. Quincy, MA: NFPA.

Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1994. Mortes de Trabalhadores em Espaços Confinados. Cincinnati, OH, EUA: DHHS/PHS/CDCP/NIOSH Pub. nº 94-103. NIOSH.

Neumann, PG. 1987. Os N melhores (ou piores) casos de risco relacionados a computadores. IEEE T Syst Man Cyb. Nova York: S.11–13.

—. 1994. Riscos ilustrativos para o público no uso de sistemas de computador e tecnologias relacionadas. Software Engin Notas SIGSOFT 19, No. 1:16–29.

Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA). 1988. Fatalidades ocupacionais selecionadas relacionadas à soldagem e corte conforme encontradas em relatórios de investigações de fatalidades/catástrofes da OSHA. Washington, DC: OSHA.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). 1987. Códigos padrão para o teste oficial de tratores agrícolas. Paris: OCDE.

Organisme professionel de prevenção du bâtiment et des travaux publics (OPPBTP). 1984. Les équipements individuels de protection contre les chutes de hauteur. Boulogne-Bilancourt, França: OPPBTP.

Rasmussen, J. 1983. Habilidades, regras e conhecimento: Agenda, sinais e símbolos e outras distinções em modelos de desempenho humano. IEEE Transações em Sistemas, Homem e Cibernética. SMC13(3): 257–266.

Reason, J. 1990. Erro Humano. Nova York: Cambridge University Press.

Reese, CD e GR Mills. 1986. Epidemiologia do trauma de fatalidades em espaços confinados e sua aplicação à intervenção/prevenção agora. Em A natureza mutável do trabalho e da força de trabalho. Cincinnati, OH: NIOSH.

Reinert, D e G Reuss. 1991. Sicherheitstechnische Beurteilung und Prüfung mikroprozessorgesteuerter
Sicherheitseinrichtungen. Em BIA-Handbuch. Sicherheitstechnisches Informations-und Arbeitsblatt 310222. Bielefeld: Erich Schmidt Verlag.

Sociedade de Engenheiros Automotivos (SAE). 1974. Proteção do Operador para Equipamentos Industriais. Padrão SAE j1042. Warrendale, EUA: SAE.

—. 1975. Critérios de desempenho para proteção contra capotamento. Prática Recomendada SAE. Padrão SAE j1040a. Warrendale, EUA: SAE.

Schreiber, P. 1990. Entwicklungsstand bei Rückraumwarneinrichtungen [Estado de desenvolvimento para dispositivos de alerta de área traseira]. Technische Überwachung, Nr. 4, abril, S. 161.

Schreiber, P e KKuhn. 1995. Informationstechnologie in der Fertigungstechnik [Tecnologia da informação na técnica de produção, série do Instituto Federal de Segurança e Saúde Ocupacional]. FB 717. Dortmund: Schriftenreihe der bundesanstalt für Arbeitsschutz.

Sheridan, T. 1987. Controle de supervisão. Em Handbook of Human Factors, editado por G. Salvendy. Nova York: Wiley.

Springfeldt, B. 1993. Effects of Occupational Safety Rules and Measures with Special Reward to Lesions. Vantagens de soluções que funcionam automaticamente. Estocolmo: The Royal Institute of Technology, Departamento de Ciência do Trabalho.

Sugimoto, N. 1987. Temas e problemas da tecnologia de segurança de robôs. Em Segurança e Saúde Ocupacional em Automação e Robótica, editado por K Noto. Londres: Taylor & Francis. 175.

Sulowski, AC (ed.). 1991. Fundamentos de proteção contra quedas. Toronto, Canadá: International Society for Fall Protection.

Wehner, T. 1992. Sicherheit als Fehlerfreundlichkeit. Opladen: Westdeutscher Verlag.

Zimolong, B, e L Duda. 1992. Estratégias de redução de erros humanos em sistemas avançados de manufatura. Em Human-robot Interaction, editado por M Rahimi e W Karwowski. Londres: Taylor & Francis.