Segunda-feira, 04 abril 2011 20: 19

Aceitação de Risco

Classifique este artigo
(4 votos)

O conceito de aceitação de risco faz a pergunta: “Quão seguro é seguro o suficiente?” ou, em termos mais precisos, “A natureza condicional da avaliação de risco levanta a questão de qual padrão de risco devemos aceitar contra o qual calibrar os vieses humanos” (Pidgeon 1991). Essa questão é importante em questões como: (1) Deveria haver uma proteção adicional de contenção em torno de usinas nucleares? (2) As escolas que contêm amianto devem ser fechadas? ou (3) Deve-se evitar todos os problemas possíveis, pelo menos no curto prazo? Algumas dessas questões são dirigidas ao governo ou outros órgãos reguladores; outros são dirigidos ao indivíduo que deve decidir entre certas ações e possíveis perigos incertos.

A questão de aceitar ou rejeitar riscos é o resultado de decisões tomadas para determinar o nível ótimo de risco para uma determinada situação. Em muitos casos, essas decisões seguirão como resultado quase automático do exercício de percepções e hábitos adquiridos com a experiência e o treinamento. No entanto, sempre que surge uma nova situação ou ocorrem alterações em tarefas aparentemente familiares, como na realização de tarefas não rotineiras ou semi-rotineiras, a tomada de decisão torna-se mais complexa. Para entender melhor por que as pessoas aceitam certos riscos e rejeitam outros, precisamos primeiro definir o que é aceitação de risco. Em seguida, os processos psicológicos que levam à aceitação ou rejeição devem ser explicados, incluindo os fatores de influência. Finalmente, serão abordados métodos para alterar níveis muito altos ou muito baixos de aceitação de risco.

Entendendo o risco

De um modo geral, sempre que o risco não é rejeitado, as pessoas o aceitam voluntária, impensada ou habitualmente. Assim, por exemplo, quando as pessoas participam do trânsito, elas aceitam o perigo de danos, ferimentos, morte e poluição pela oportunidade dos benefícios resultantes do aumento da mobilidade; quando decidem fazer ou não a cirurgia, decidem que os custos e/ou benefícios de qualquer uma das decisões são maiores; e quando estão investindo dinheiro no mercado financeiro ou decidindo mudar produtos de negócios, todas as decisões que aceitam certos perigos e oportunidades financeiras são feitas com algum grau de incerteza. Finalmente, a decisão de trabalhar em qualquer emprego também tem probabilidades variadas de sofrer uma lesão ou fatalidade, com base no histórico estatístico de acidentes.

Definir a aceitação do risco referindo-se apenas ao que não foi rejeitado deixa duas questões importantes em aberto; (1) o que exatamente significa o termo risco, e (2) a suposição muitas vezes feita de que os riscos são apenas perdas potenciais que devem ser evitadas, enquanto na realidade há uma diferença entre meramente tolerar os riscos, aceitá-los totalmente ou mesmo desejar que eles ocorram para desfrutar da emoção e do entusiasmo. Essas facetas podem ser expressas por meio do mesmo comportamento (como participar do trânsito), mas têm diferentes processos cognitivos, emocionais e fisiológicos subjacentes. Parece óbvio que um risco meramente tolerado se relaciona a um nível de comprometimento diferente do que se alguém tivesse o desejo de uma certa emoção, ou sensação “arriscada”. A Figura 1 resume as facetas da aceitação do risco.

Figura 1. Facetas da aceitação e rejeição do risco

SAF070T1

Se alguém procurar o termo risco nos dicionários de vários idiomas, muitas vezes tem o duplo significado de “acaso, oportunidade” de um lado e “perigo, perda” (por exemplo, wej-ji em chinês, Risco em alemão, risco em holandês e italiano, risco em francês, etc.) por outro. A palavra risco foi criado e popularizado no século XVI como consequência de uma mudança na percepção das pessoas, de serem totalmente manipuladas por “espíritos bons e maus”, para o conceito de chance e perigo de todo indivíduo livre influenciar seu próprio futuro . (prováveis ​​origens de risco mentir na palavra grega riza, que significa “raiz e/ou penhasco”, ou a palavra árabe rizq que significa “o que Deus e o destino fornecem para sua vida”.) Da mesma forma, em nossa linguagem cotidiana, usamos provérbios como “Nada arriscado, nada ganho” ou “Deus ajuda os corajosos”, promovendo assim a assunção e aceitação de riscos. O conceito sempre relacionado ao risco é o de incerteza. Como quase sempre existe alguma incerteza sobre o sucesso ou fracasso, ou sobre a probabilidade e quantidade de consequências, aceitar riscos sempre significa aceitar incertezas (Schäfer 1978).

A pesquisa de segurança reduziu amplamente o significado de risco a seus aspectos perigosos (Yates 1992b). Só recentemente as consequências positivas do risco ressurgiram com o aumento das atividades de lazer aventureiras (bungee jumping, motociclismo, viagens de aventura, etc.) Argumenta-se que podemos entender e influenciar a aceitação do risco e o comportamento de assumir riscos apenas se levarmos em consideração os aspectos positivos dos riscos, bem como os negativos.

A aceitação do risco refere-se, portanto, ao comportamento de uma pessoa numa situação de incerteza que resulta da decisão de se envolver nesse comportamento (ou não se envolver nele), depois de ponderar os benefícios estimados como maiores (ou menores) do que os custos sob o dadas circunstâncias. Esse processo pode ser extremamente rápido e nem entrar no nível de tomada de decisão consciente em comportamentos automáticos ou habituais, como mudar de marcha quando o ruído do motor aumenta. No outro extremo, pode levar muito tempo e envolver pensamento deliberado e debates entre várias pessoas, como no planejamento de uma operação perigosa, como um voo espacial.

Um aspecto importante dessa definição é o da percepção. Como a percepção e a avaliação subsequente são baseadas nas experiências, valores e personalidade individuais de uma pessoa, a aceitação comportamental dos riscos é baseada mais no risco subjetivo do que no risco objetivo. Além disso, enquanto um risco não for percebido ou considerado, uma pessoa não pode responder a ele, não importa quão grave seja o perigo. Assim, o processo cognitivo que leva à aceitação do risco é um procedimento de processamento e avaliação de informações que reside dentro de cada pessoa e que pode ser extremamente rápido.

Um modelo que descreve a identificação de riscos como um processo cognitivo de identificação, armazenamento e recuperação foi discutido por Yates e Stone (1992). Problemas podem surgir em cada estágio do processo. Por exemplo, a precisão na identificação de riscos é pouco confiável, especialmente em situações complexas ou para perigos como radiação, veneno ou outros estímulos não facilmente perceptíveis. Além disso, os mecanismos de identificação, armazenamento e recuperação estão subjacentes a fenômenos psicológicos comuns, como efeitos de primazia e recência, bem como habituação à familiaridade. Isso significa que pessoas familiarizadas com determinado risco, como dirigir em alta velocidade, vão se acostumar, aceitar como uma dada situação “normal” e estimar o risco em um valor bem menor do que pessoas não familiarizadas com a atividade. Uma formalização simples do processo é um modelo com os componentes de:

Estímulo → Percepção → Avaliação → Decisão → Comportamento → Ciclo de feedback

Por exemplo, um veículo em movimento lento na frente de um motorista pode ser o estímulo para ultrapassar. Verificar se há tráfego na estrada é percepção. Estimar o tempo necessário para passar, dadas as capacidades de aceleração do carro, é uma avaliação. O valor da economia de tempo leva à decisão e ao comportamento seguinte de ultrapassar ou não o carro. O grau de sucesso ou falha é percebido imediatamente e esse feedback influencia as decisões subsequentes sobre o comportamento de ultrapassagem. Em cada etapa desse processo, a decisão final de aceitar ou rejeitar os riscos pode ser influenciada. Custos e benefícios são avaliados com base em fatores relacionados ao indivíduo, ao contexto e ao objeto que foram identificados em pesquisas científicas como importantes para a aceitação do risco.

Quais fatores influenciam a aceitação do risco?

Fischoff et ai. (1981) identificou os fatores (1) percepção individual, (2) tempo, (3) espaço e (4) contexto de comportamento, como dimensões importantes da assunção de riscos que devem ser consideradas no estudo dos riscos. Outros autores usaram diferentes categorias e diferentes rótulos para os fatores e contextos que influenciam a aceitação do risco. As categorias de propriedades da tarefa ou objeto de risco, fatores individuais e fatores de contexto foram usados ​​para estruturar esse grande número de fatores influentes, conforme resumido na figura 2.

Figura 2. Fatores que influenciam a aceitação do risco

SAF070T2

Em modelos normais de aceitação de risco, as consequências de novos riscos tecnológicos (por exemplo, pesquisa genética) eram frequentemente descritas por medidas quantitativas resumidas (por exemplo, mortes, danos, ferimentos) e as distribuições de probabilidade sobre as consequências eram obtidas por meio de estimativa ou simulação (Starr 1969 ). Os resultados foram comparados aos riscos já “aceitos” pelo público e, assim, ofereceram uma medida de aceitabilidade do novo risco. Às vezes, os dados eram apresentados em um índice de risco para comparar os diferentes tipos de risco. Os métodos usados ​​com mais frequência foram resumidos por Fischhoff et al. (1981) como julgamento profissional por especialistas, informações estatísticas e históricas e análises formais, como análises de árvores de falhas. Os autores argumentaram que as análises formais conduzidas adequadamente têm a maior “objetividade”, pois separam os fatos das crenças e levam em consideração muitas influências. No entanto, especialistas em segurança afirmaram que a aceitação pública e individual dos riscos pode ser baseada em julgamentos de valor tendenciosos e em opiniões veiculadas pela mídia, e não em análises lógicas.

Tem sido sugerido que o público em geral é frequentemente mal informado pela mídia e grupos políticos que produzem estatísticas a favor de seus argumentos. Em vez de depender de preconceitos individuais, apenas julgamentos profissionais baseados em conhecimento especializado devem ser usados ​​como base para aceitar riscos, e o público em geral deve ser excluído de decisões tão importantes. Isso atraiu críticas substanciais, pois é visto como uma questão de valores democráticos (as pessoas devem ter a chance de decidir questões que podem ter consequências catastróficas para sua saúde e segurança) e valores sociais (a tecnologia ou decisão arriscada beneficia os receptores mais do que aqueles que pagam os custos). Fischhoff, Furby e Gregory (1987) sugeriram o uso de preferências expressas (entrevistas, questionários) ou preferências reveladas (observações) do público “relevante” para determinar a aceitabilidade dos riscos. Jungermann e Rohrmann apontaram os problemas de identificar quem é o “público relevante” para tecnologias como usinas nucleares ou manipulações genéticas, já que várias nações ou a população mundial podem sofrer ou se beneficiar com as consequências.

Também foram discutidos problemas com basear-se apenas em julgamentos de especialistas. Opiniões de especialistas baseadas em modelos normais aproximam-se mais das estimativas estatísticas do que as do público (Otway e von Winterfeldt 1982). No entanto, quando solicitado especificamente a julgar a probabilidade ou frequência de mortes ou lesões relacionadas a uma nova tecnologia, as opiniões do público são muito mais semelhantes aos julgamentos de especialistas e aos índices de risco. A pesquisa também mostrou que, embora as pessoas não mudem sua primeira estimativa rápida quando recebem dados, elas mudam quando benefícios ou perigos realistas são levantados e discutidos por especialistas. Além disso, Haight (1986) apontou que, como os julgamentos de especialistas são subjetivos e os especialistas geralmente discordam sobre as estimativas de risco, o público às vezes é mais preciso em sua estimativa de risco, se julgado após a ocorrência do acidente (por exemplo, a catástrofe de Chernobyl ). Assim, conclui-se que o público usa outras dimensões de risco ao fazer julgamentos além do número estatístico de mortes ou lesões.

Outro aspecto que desempenha um papel na aceitação de riscos é se os efeitos percebidos de correr riscos são julgados positivos, como adrenalina alta, experiência de “fluxo” ou elogio social como herói. Machlis e Rosa (1990) discutiram o conceito de risco desejado em contraste com o risco tolerado ou temido e concluíram que, em muitas situações, o aumento dos riscos funciona como um incentivo, e não como um impedimento. Eles descobriram que as pessoas podem se comportar de forma alguma avessas ao risco, apesar da cobertura da mídia enfatizando os perigos. Por exemplo, operadores de parques de diversões relataram que uma atração se tornou mais popular quando foi reaberta após uma fatalidade. Além disso, depois que uma balsa norueguesa afundou e os passageiros ficaram boiando em icebergs por 36 horas, a empresa operadora experimentou a maior demanda que já teve por passagens em seus navios. Os pesquisadores concluíram que o conceito de risco desejado muda a percepção e a aceitação dos riscos e exige diferentes modelos conceituais para explicar o comportamento de assumir riscos. Essas suposições foram apoiadas por pesquisas que mostraram que, para os policiais em patrulha, o perigo físico de serem atacados ou mortos foi ironicamente percebido como enriquecimento do trabalho, enquanto para os policiais envolvidos em tarefas administrativas, o mesmo risco foi percebido como terrível. Vlek e Stallen (1980) sugeriram a inclusão de aspectos de recompensa mais pessoais e intrínsecos nas análises de custo/benefício para explicar os processos de avaliação e aceitação de risco de forma mais completa.

Fatores individuais que influenciam a aceitação do risco

Jungermann e Slovic (1987) relataram dados mostrando diferenças individuais na percepção, avaliação e aceitação de riscos “objetivamente” idênticos entre estudantes, técnicos e ativistas ambientais. A idade, o sexo e o nível de educação influenciam a aceitação do risco, com homens jovens e com baixa escolaridade assumindo os maiores riscos (por exemplo, guerras, acidentes de trânsito). Zuckerman (1979) forneceu vários exemplos de diferenças individuais na aceitação de riscos e afirmou que elas são provavelmente influenciadas por fatores de personalidade, como busca de sensações, extroversão, excesso de confiança ou busca de experiências. Os custos e benefícios dos riscos também contribuem para a avaliação individual e processos de decisão. Ao julgar o risco de uma situação ou ação, diferentes pessoas chegam a uma ampla variedade de veredictos. A variedade pode se manifestar em termos de calibração - por exemplo, devido a vieses induzidos por valores que permitem que a decisão preferida pareça menos arriscada, de modo que pessoas com excesso de confiança escolham um valor âncora diferente. Aspectos de personalidade, no entanto, respondem por apenas 10 a 20% da decisão de aceitar ou rejeitar um risco. Outros fatores devem ser identificados para explicar os 80 a 90% restantes.

Slovic, Fischhoff e Lichtenstein (1980) concluíram a partir de estudos analíticos fatoriais e entrevistas que não especialistas avaliam os riscos qualitativamente diferentemente, incluindo as dimensões de controlabilidade, voluntariedade, pavor e se o risco foi previamente conhecido. A voluntariedade e a controlabilidade percebida foram discutidas em detalhes por Fischhoff et al. (1981). Estima-se que os riscos escolhidos voluntariamente (motociclismo, alpinismo) tenham um nível de aceitação cerca de 1,000 vezes maior do que os riscos sociais escolhidos involuntariamente. Apoiando a diferença entre riscos sociais e individuais, a importância da voluntariedade e controlabilidade foi postulada em um estudo de von Winterfeldt, John e Borcherding (1981). Esses autores relataram menor risco percebido para motociclismo, trabalho de acrobacias e automobilismo do que para energia nuclear e acidentes de tráfego aéreo. Renn (1981) relatou um estudo sobre a voluntariedade e os efeitos negativos percebidos. Um grupo de indivíduos foi autorizado a escolher entre três tipos de pílulas, enquanto o outro grupo recebeu essas pílulas. Embora todas as pílulas fossem idênticas, o grupo voluntário relatou significativamente menos “efeitos colaterais” do que o grupo administrado.

Quando os riscos são percebidos individualmente como tendo consequências mais terríveis para muitas pessoas, ou mesmo consequências catastróficas com probabilidade de ocorrência próxima de zero, esses riscos são frequentemente julgados como inaceitáveis, apesar do conhecimento de que não houve nenhum ou muitos acidentes fatais. Isso vale ainda mais para riscos previamente desconhecidos para a pessoa que está julgando. A pesquisa também mostra que as pessoas usam seu conhecimento e experiência pessoal com o risco específico como a principal âncora de julgamento para aceitar riscos bem definidos, enquanto riscos previamente desconhecidos são julgados mais por níveis de medo e gravidade. É mais provável que as pessoas subestimem até mesmo riscos altos se tiverem sido expostas por um longo período de tempo, como pessoas que vivem abaixo de uma barragem de energia ou em zonas de terremotos, ou que têm empregos com risco “habitualmente” alto, como na mineração subterrânea , extração de madeira ou construção (Zimolong 1985). Além disso, as pessoas parecem julgar os riscos produzidos pelo homem de maneira muito diferente dos riscos naturais, aceitando os naturais mais prontamente do que os riscos autoconstruídos e produzidos pelo homem. A abordagem usada por especialistas para basear os riscos para novas tecnologias dentro dos “riscos objetivos” de baixo e alto nível de riscos já aceitos ou naturais parece não ser percebida como adequada pelo público. Pode-se argumentar que os “riscos aceitos” já são meramente tolerados, que novos riscos se somam aos já existentes e que novos perigos ainda não foram experimentados e enfrentados. Assim, as declarações de especialistas são essencialmente vistas como promessas. Por fim, é muito difícil determinar o que foi realmente aceito, pois muitas pessoas aparentemente não têm consciência dos muitos riscos que as cercam.

Mesmo que as pessoas estejam cientes dos riscos que as cercam, o problema de adaptação comportamental ocorre. Este processo é bem descrito na teoria de compensação de risco e homeostase de risco (Wilde 1986), que afirma que as pessoas ajustam sua decisão de aceitação de risco e seu comportamento de assunção de risco em direção ao seu nível alvo de risco percebido. Isso significa que as pessoas se comportarão com mais cautela e aceitarão menos riscos quando se sentirem ameaçadas e, inversamente, se comportarão com mais ousadia e aceitarão níveis mais altos de risco quando se sentirem seguras e protegidas. Assim, é muito difícil para os especialistas em segurança projetar equipamentos de segurança, como cintos de segurança, botas de esqui, capacetes, estradas largas, máquinas totalmente fechadas e assim por diante, sem que o usuário compense o possível benefício de segurança com algum benefício pessoal, como aumento da velocidade, conforto, diminuição da atenção ou outro comportamento mais “arriscado”.

Mudar o nível de risco aceito aumentando o valor do comportamento seguro pode aumentar a motivação para aceitar a alternativa menos perigosa. Essa abordagem visa mudar os valores, normas e crenças individuais para motivar a aceitação de riscos alternativos e o comportamento de assunção de riscos. Entre os fatores que aumentam ou diminuem a probabilidade de aceitação do risco, estão aqueles como se a tecnologia oferece um benefício correspondente às necessidades atuais, aumenta o padrão de vida, cria novos empregos, facilita o crescimento econômico, aumenta o prestígio nacional e a independência, exige medidas de segurança, aumenta o poder das grandes empresas ou leva à centralização de sistemas políticos e econômicos (Otway e von Winterfeldt 1982). Influências semelhantes de quadros situacionais em avaliações de risco foram relatadas por Kahneman e Tversky (1979 e 1984). Eles relataram que, se formulassem o resultado de uma cirurgia ou radioterapia como 68% de probabilidade de sobrevivência, 44% dos indivíduos o escolheriam. Isso pode ser comparado a apenas 18% que escolheram a mesma cirurgia ou radioterapia, se o resultado fosse expresso como 32% de probabilidade de morte, o que é matematicamente equivalente. Muitas vezes, os sujeitos escolhem um valor âncora pessoal (Lopes e Ekberg 1980) para julgar a aceitabilidade dos riscos, especialmente quando se trata de riscos cumulativos ao longo do tempo.

A influência dos “quadros emocionais” (contexto afetivo com emoções induzidas) na avaliação e aceitação do risco foi demonstrada por Johnson e Tversky (1983). Em seus quadros, as emoções positivas e negativas foram induzidas por meio de descrições de eventos como o sucesso pessoal ou a morte de um jovem. Eles descobriram que indivíduos com sentimentos negativos induzidos julgaram os riscos de taxas de fatalidade acidental e violenta significativamente maiores, independentemente de outras variáveis ​​de contexto, do que indivíduos do grupo emocional positivo. Outros fatores que influenciam a aceitação do risco individual incluem valores de grupo, crenças individuais, normas sociais, valores culturais, situação econômica e política e experiências recentes, como presenciar um acidente. Dake (1992) argumentou que o risco é – além de seu componente físico – um conceito muito dependente do respectivo sistema de crenças e mitos dentro de um quadro cultural. Yates e Stone (1992) listaram os vieses individuais (figura 3) que influenciam o julgamento e a aceitação de riscos.

Figura 3. Vieses individuais que influenciam a avaliação e aceitação do risco

SAF070T3

Fatores culturais que influenciam a aceitação do risco

Pidgeon (1991) definiu cultura como a coleção de crenças, normas, atitudes, papéis e práticas compartilhadas dentro de um determinado grupo social ou população. Diferenças culturais levam a diferentes níveis de percepção e aceitação de risco, por exemplo, comparando os padrões de segurança do trabalho e taxas de acidentes em países industrializados com aqueles em países em desenvolvimento. Apesar das diferenças, uma das descobertas mais consistentes entre as culturas e dentro das culturas é que geralmente surgem os mesmos conceitos de pavor e riscos desconhecidos, e os de voluntariedade e controlabilidade, mas recebem prioridades diferentes (Kasperson 1986). Se essas prioridades dependem exclusivamente da cultura, permanece uma questão de debate. Por exemplo, ao estimar os riscos do descarte de resíduos tóxicos e radioativos, os britânicos se concentram mais nos riscos de transporte; húngaros mais sobre riscos operacionais; e os americanos mais sobre os riscos ambientais. Essas diferenças são atribuídas a diferenças culturais, mas também podem ser consequência de uma densidade populacional percebida na Grã-Bretanha, confiabilidade operacional na Hungria e preocupações ambientais nos Estados Unidos, que são fatores situacionais. Em outro estudo, Kleinhesselink e Rosa (1991) descobriram que os japoneses percebem a energia atômica como um risco terrível, mas não desconhecido, enquanto para os americanos a energia atômica é uma fonte de risco predominantemente desconhecida.

Os autores atribuíram essas diferenças a diferentes exposições, como as bombas atômicas lançadas sobre Hiroshima e Nagasaki em 1945. No entanto, diferenças semelhantes foram relatadas entre hispânicos e brancos americanos residentes na área de San Francisco. Assim, a cultura local, o conhecimento e as diferenças individuais podem desempenhar um papel igualmente importante na percepção do risco, assim como os preconceitos culturais gerais (Rohrmann 1992a).

Essas e outras discrepâncias semelhantes nas conclusões e interpretações derivadas de fatos idênticos levaram Johnson (1991) a formular advertências cautelosas sobre a atribuição causal de diferenças culturais à percepção e aceitação do risco. Ele se preocupava com as diferenças amplamente difundidas na definição de cultura, que a tornam quase um rótulo abrangente. Além disso, as diferenças nas opiniões e comportamentos de subpopulações ou organizações empresariais individuais dentro de um país acrescentam mais problemas a uma medição clara da cultura ou de seus efeitos na percepção e aceitação do risco. Além disso, as amostras estudadas são geralmente pequenas e não representativas das culturas como um todo, e muitas vezes causas e efeitos não são separados adequadamente (Rohrmann 1995). Outros aspectos culturais examinados foram visões de mundo, como individualismo versus igualitarismo versus crença em hierarquias, e fatores sociais, políticos, religiosos ou econômicos.

Wilde (1994) relatou, por exemplo, que o número de acidentes está inversamente relacionado à situação econômica de um país. Em tempos de recessão o número de acidentes de trânsito cai, enquanto em tempos de crescimento o número de acidentes aumenta. Wilde atribuiu essas descobertas a uma série de fatores, como o fato de que em tempos de recessão, uma vez que mais pessoas estão desempregadas e a gasolina e as peças de reposição são mais caras, as pessoas consequentemente tomam mais cuidado para evitar acidentes. Por outro lado, Fischhoff et al. (1981) argumentaram que em tempos de recessão as pessoas estão mais dispostas a aceitar perigos e condições de trabalho desconfortáveis ​​para manter ou conseguir um emprego.

O papel da linguagem e seu uso na mídia de massa foram discutidos por Dake (1991), que citou uma série de exemplos em que os mesmos “fatos” foram formulados de forma a apoiar os objetivos políticos de grupos, organizações ou governos específicos. Por exemplo, as reclamações dos trabalhadores sobre suspeitas de riscos ocupacionais são “preocupações legítimas” ou “fobias narcisistas”? As informações sobre perigos estão disponíveis para os tribunais em casos de danos pessoais como “evidência sólida” ou “frutos científicos”? Enfrentamos “pesadelos” ecológicos ou simplesmente “incidências” ou “desafios”? A aceitação do risco depende, portanto, da situação percebida e do contexto do risco a ser julgado, bem como da situação percebida e do contexto dos próprios juízes (von Winterfeldt e Edwards 1984). Como mostram os exemplos anteriores, a percepção e aceitação do risco dependem fortemente da forma como os “fatos” básicos são apresentados. A credibilidade da fonte, a quantidade e o tipo de cobertura da mídia – em suma, a comunicação de risco – é um fator que determina a aceitação do risco com mais frequência do que os resultados de análises formais ou julgamentos de especialistas sugeririam. A comunicação de risco é, portanto, um fator de contexto usado especificamente para mudar a aceitação de risco.

Mudando a Aceitação de Risco

Para melhor alcançar um alto grau de aceitação para uma mudança, provou ser muito bem-sucedido incluir aqueles que deveriam aceitar a mudança no processo de planejamento, decisão e controle para vinculá-los a apoiar a decisão. Com base em relatórios de projetos bem-sucedidos, a figura 4 lista seis etapas que devem ser consideradas ao lidar com riscos.

Figura 4. Seis etapas para escolher, decidir e aceitar os riscos ideais

SAF070T4

Determinando “riscos ideais”

Nas etapas 1 e 2, ocorrem grandes problemas na identificação da desejabilidade e do “risco objetivo” do objetivo. enquanto na etapa 3, parece ser difícil eliminar as piores opções. Para indivíduos e organizações, perigos sociais, catastróficos ou letais em larga escala parecem ser as opções mais temidas e menos aceitáveis. Perrow (1984) argumentou que a maioria dos riscos sociais, como a pesquisa de DNA, usinas de energia ou a corrida armamentista nuclear, possui muitos subsistemas estreitamente acoplados, o que significa que se um erro ocorrer em um subsistema, ele pode desencadear muitos outros erros. Esses erros consecutivos podem permanecer não detectados devido à natureza do erro inicial, como um sinal de aviso que não funciona. Os riscos de acidentes decorrentes de falhas interativas aumentam em sistemas técnicos complexos. Assim, Perrow (1984) sugeriu que seria aconselhável deixar os riscos sociais levemente acoplados (ou seja, independentemente controláveis) e permitir uma avaliação independente e proteção contra riscos e considerar com muito cuidado a necessidade de tecnologias com potencial para consequências catastróficas .

Comunicar “escolhas ótimas”

As etapas 3 a 6 lidam com a comunicação precisa dos riscos, que é uma ferramenta necessária para desenvolver percepção de risco adequada, estimativa de risco e comportamento ideal de assunção de risco. A comunicação de risco é direcionada a diferentes públicos, como moradores, funcionários, pacientes e assim por diante. A comunicação de risco utiliza diferentes canais como jornais, rádio, televisão, comunicação verbal e todos estes em diferentes situações ou “arenas”, como treinamentos, audiências públicas, artigos, campanhas e comunicações pessoais. Apesar de poucas pesquisas sobre a eficácia da comunicação da mídia de massa na área de saúde e segurança, a maioria dos autores concorda que a qualidade da comunicação determina em grande parte a probabilidade de mudanças de atitude ou comportamento na aceitação de risco do público-alvo. De acordo com Rohrmann (1992a), a comunicação de risco também serve a diferentes propósitos, alguns dos quais estão listados na figura 5.

Figura 5. Finalidades da comunicação de risco

SAF070T5

A comunicação de riscos é um tema complexo, cuja eficácia raramente é comprovada com exatidão científica. Rohrmann (1992a) listou os fatores necessários para avaliar a comunicação de risco e deu alguns conselhos sobre a comunicação eficaz. Wilde (1993) separou a fonte, a mensagem, o canal e o destinatário e deu sugestões para cada aspecto da comunicação. Ele citou dados que mostram, por exemplo, que a probabilidade de comunicação efetiva de segurança e saúde depende de questões como as listadas na figura 6.

Figura 6. Fatores que influenciam a eficácia da comunicação de risco

SAF070T6

Estabelecendo uma cultura de otimização de riscos

Pidgeon (1991) definiu cultura de segurança como um sistema construído de significados através do qual uma determinada pessoa ou grupo compreende os perigos do mundo. Este sistema especifica o que é importante e legítimo e explica as relações com questões de vida e morte, trabalho e perigo. Uma cultura de segurança é criada e recriada à medida que seus membros se comportam repetidamente de maneiras que parecem naturais, óbvias e inquestionáveis ​​e, como tal, construirão uma versão particular de risco, perigo e segurança. Tais versões dos perigos do mundo também incorporarão esquemas explicativos para descrever a causa dos acidentes. Dentro de uma organização, como uma empresa ou um país, as regras e normas tácitas e explícitas que regem a segurança estão no centro de uma cultura de segurança. Os principais componentes são regras para lidar com perigos, atitudes em relação à segurança e reflexividade na prática de segurança.

Organizações industriais que já viver uma cultura de segurança elaborada enfatiza a importância de visões, metas, padrões e comportamentos comuns na tomada e aceitação de riscos. Como as incertezas são inevitáveis ​​no contexto do trabalho, um equilíbrio ideal entre arriscar e controlar os perigos deve ser atingido. Vlek e Cvetkovitch (1989) afirmaram:

A gestão adequada do risco é uma questão de organizar e manter um grau suficiente de controle (dinâmico) sobre uma atividade tecnológica, ao invés de continuamente, ou apenas uma vez, medir probabilidades de acidentes e distribuir a mensagem de que estes são, e serão, “insignificantemente baixos” . Assim, na maioria das vezes, “risco aceitável” significa “controle suficiente”.

Sumário

Quando as pessoas percebem que possuem controle suficiente sobre possíveis perigos, elas estão dispostas a aceitar os perigos para obter os benefícios. O controle suficiente, no entanto, deve ser baseado em informações sólidas, avaliação, percepção, avaliação e, finalmente, uma decisão ótima a favor ou contra o “objetivo arriscado”.

 

Voltar

Leia 20836 vezes Última modificação em segunda-feira, 22 de agosto de 2011 14:32
Mais nesta categoria: " Percepção de risco

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Política de Segurança e Referências de Liderança

Abadia, A e JW Dickson. 1983. Clima de trabalho em P&D e inovação em semicondutores. Acad Manage J 26:362–368.

Andriessen, JHTH. 1978. Comportamento seguro e motivação de segurança. J Occup Ac 1:363–376.

Bailey, C. 1993. Melhore a eficácia do programa de segurança com pesquisas de percepção. Prof Saf Outubro: 28–32.

Bluen, SD e C Donald. 1991. A natureza e a medição do clima de relações industriais na empresa. S Afr J Psychol 21(1):12–20.

Brown, RL e H Holmes. 1986. O uso de um procedimento analítico fatorial para avaliar a validade de um modelo de clima de segurança do funcionário. Anal de Acidentes Anterior 18(6):445–470.

CCPS (Centro de Segurança de Processos Químicos). Diretrizes Nd para Automação Segura de Processos Químicos. Nova York: Centro de Segurança de Processos Químicos da Instituição Americana de Engenheiros Químicos.

Chew, DCE. 1988. Quelles sont les mesures qui assegurant le mieux la securité du travail? Etude menée dans trois pays en développement d'Asie. Rev Int Travail 127:129–145.

Frango, JC e MR Haynes. 1989. O Método de Classificação de Risco na Tomada de Decisões. Oxford: Pérgamo.

Cohen, A. 1977. Fatores em programas de segurança ocupacional bem-sucedidos. J Saf Res 9:168–178.

Cooper, MD, RA Phillips, VF Sutherland e PJ Makin. 1994. Redução de acidentes usando estabelecimento de metas e feedback: um estudo de campo. J Occup Organ Psychol 67:219–240.

Cru, D e Dejours C. 1983. Les savoir-faire de prudence dans les métiers du bâtiment. Cahiers médico-sociaux 3:239–247.

Dake, K. 1991. Disposições de orientação na percepção do risco: uma análise das visões de mundo contemporâneas e vieses culturais. J Cross Cult Psychol 22:61–82.

—. 1992. Mitos da natureza: Cultura e construção social do risco. J Soc Issues 48:21–37.

Dedobbeleer, N e F Béland. 1989. A inter-relação dos atributos do ambiente de trabalho e as percepções do clima de segurança dos trabalhadores na indústria da construção. In Proceedings of the 22nd Annual Conference of the Human Factors Association of Canada. Toronto.

—. 1991. Uma medida de clima de segurança para canteiros de obras. J Saf Res 22:97–103.

Dedobbeleer, N, F Béland e P German. 1990. Existe relação entre os atributos dos canteiros de obras e as práticas de segurança dos trabalhadores e as percepções do clima? Em Advances in Industrial Ergonomics and Safety II, editado por D Biman. Londres: Taylor & Francis.

Dejours, C. 1992. Intelligence ouvrière et organization du travail. Paris: Harmattan.

DeJoy, DM. 1987. Atribuições e respostas do supervisor para acidentes de trabalho multicausais. J Occup Ac 9:213–223.

—. 1994. Gerenciando a segurança no local de trabalho: uma análise e modelo da teoria da atribuição. J Saf Res 25:3–17.

Denison, Dr. 1990. Cultura Corporativa e Eficácia Organizacional. Nova York: Wiley.

Dieterly, D e B Schneider. 1974. O efeito do ambiente organizacional na percepção de poder e clima: Um estudo de laboratório. Organ Behav Hum Execute 11:316–337.

Dodier, N. 1985. Labuilding pratique des conditions de travail: Preservation de la santé et vie quotidienne des ouvriers dans les ateliers. Sci Soc Santé 3:5–39.

Dunette, MD. 1976. Manual de Psicologia Industrial e Organizacional. Chicago: Rand McNally.

Dwyer, T. 1992. Vida e Morte no Trabalho. Acidentes de Trabalho como Caso de Erro Socialmente Produzido. Nova York: Plenum Press.

Eakin, JM. 1992. Deixando para os trabalhadores: Perspectiva sociológica sobre a gestão da saúde e segurança em pequenos locais de trabalho. Int J Health Serv 22:689–704.

Edwards, W. 1961. Teoria da decisão comportamental. Annu Rev Psychol 12:473–498.

Embrey, DE, P Humphreys, EA Rosa, B Kirwan e K Rea. 1984. Uma abordagem para avaliar as probabilidades de erro humano usando o julgamento estruturado de especialistas. Na Comissão Reguladora Nuclear NUREG/CR-3518, Washington, DC: NUREG.

Eyssen, G, J Eakin-Hoffman e R Spengler. 1980. Atitudes do gerente e ocorrência de acidentes em uma empresa de telefonia. J Occup Ac 2:291–304.

Field, RHG e MA Abelson. 1982. Clima: Uma reconceitualização e modelo proposto. Hum Relat 35:181–201.

Fischhoff, B e D MacGregor. 1991. Letalidade julgada: O quanto as pessoas parecem saber depende de como elas são questionadas. Análise de risco 3:229–236.

Fischhoff, B, L Furby e R Gregory. 1987. Avaliando os riscos voluntários de lesão. Anal de Acidentes Prev 19:51–62.

Fischhoff, B, S Lichtenstein, P Slovic, S Derby e RL Keeney. 1981. Risco aceitável. Cambridge: CUP.

Flanagan, O. 1991. A Ciência da Mente. Cambridge: MIT Press.

Frantz, JP. 1992. Efeito da localização, clareza processual e formato de apresentação no processamento do usuário e na conformidade com as advertências e instruções do produto. doutorado Dissertação, Universidade de Michigan, Ann Arbor.

Frantz, JP e TP Rhoades.1993. Fatores humanos. Uma abordagem analítica de tarefas para a colocação temporal e espacial de avisos de produtos. Fatores humanos 35:713–730.

Frederiksen, M, O Jensen e AE Beaton. 1972. Previsão do Comportamento Organizacional. Elmsford, NY: Pergamon.
Freire, P. 1988. Pedagogia do Oprimido. Nova York: Continuum.

GLIC, WH. 1985. Conceitualizando e medindo o clima organizacional e psicológico: Armadilhas na pesquisa multinível. Acad Manage Rev 10(3):601–616.

Gouvernement du Québec. 1978. Santé et securité au travail: Politique québecoise de la santé et de la securité des travailleurs. Québec: Editeur officiel du Québec.

Haas, J. 1977. Aprendendo sentimentos reais: um estudo das reações dos metalúrgicos ao medo e ao perigo. Trabalho Social Occup 4:147–170.

Hacker, W. 1987. Arbeitspychologie. Estugarda: Hans Huber.

Haight, FA. 1986. Risco, especialmente risco de acidente de trânsito. Anal de Acidentes Anterior 18:359–366.

Hale, AR e AI Glendon. 1987. Comportamento individual no controle do perigo. Vol. 2. Série de Segurança Industrial. Amsterdã: Elsevier.

Hale, AR, B Hemning, J Carthey e B Kirwan. 1994. Extensão do Modelo de Comportamento no Controle do Perigo. Volume 3—Descrição estendida do modelo. Delft University of Technology, Safety Science Group (Relatório para HSE). Birmingham, Reino Unido: Universidade de Birmingham, Grupo de Ergonomia Industrial.
Hansen, L. 1993a. Além do compromisso. Occup Hazards 55(9):250.

—. 1993b. Gestão da segurança: um apelo à revolução. Prof Saf 38(30):16–21.

Harrison, E.F. 1987. O processo de tomada de decisão gerencial. Boston: Houghton Mifflin.

Heinrich, H, D Petersen e N Roos. 1980. Prevenção de Acidentes de Trabalho. Nova York: McGraw-Hill.

Hovden, J e TJ Larsson. 1987. Risco: Cultura e conceitos. Em Risk and Decisions, editado por WT Singleton e J Hovden. Nova York: Wiley.

Howarth, CI. 1988. A relação entre risco objetivo, risco subjetivo, comportamento. Ergonomia 31:657-661.

Hox, JJ e IGG Kreft. 1994. Métodos de análise multinível. Métodos Sociais Res 22(3):283–300.

Hoyos, CG e B Zimolong. 1988. Segurança do Trabalho e Prevenção de Acidentes. Estratégias e Métodos Comportamentais. Amsterdã: Elsevier.

Hoyos, CG e E Ruppert. 1993. Der Fragebogen zur Sicherheitsdiagnose (FSD). Berna: Huber.

Hoyos, CT, U Bernhardt, G Hirsch e T Arnhold. 1991. Vorhandenes und erwünschtes sicherheits-relevantes Wissen in Industriebetrieben. Zeitschrift für Arbeits-und Organisationspychologie 35:68–76.

Huber, O. 1989. Operadores de processamento de informação na tomada de decisão. Em Process and Structure of Human Decision Making, editado por H Montgomery e O Svenson. Chichester: Wiley.

Hunt, HA e RV Habeck. 1993. O estudo de prevenção de deficiência de Michigan: destaques da pesquisa. Reportagem não publicada. Kalamazoo, MI: EE Upjohn Institute for Employment Research.

Comissão Eletrotécnica Internacional (IEC). Nd Projeto de Norma IEC 1508; Segurança Funcional: Sistemas Relacionados à Segurança. Genebra: CEI.

Instrument Society of America (ISA). Nd Projeto de Norma: Aplicação de Sistemas Instrumentados de Segurança para as Indústrias de Processo. Carolina do Norte, EUA: ISA.

Organização Internacional de Normalização (ISO). 1990. ISO 9000-3: Padrões de Gestão de Qualidade e Garantia de Qualidade: Diretrizes para a Aplicação da ISO 9001 ao Desenvolvimento, Fornecimento e Manutenção de Software. Genebra: ISO.

James, LR. 1982. Viés de agregação em estimativas de concordância perceptiva. J Appl Psychol 67:219–229.

James, LR e AP Jones. 1974. Clima organizacional: Uma revisão de teoria e pesquisa. Psychol Bull 81(12):1096–1112.
Janis, IL e L Mann. 1977. Tomada de Decisão: Uma Análise Psicológica de Conflito, Escolha e Compromisso. Nova York: Free Press.

Johnson, BB. 1991. Pesquisa de risco e cultura: Alguns cuidados. J Cross Cult Psychol 22:141–149.

Johnson, EJ e A Tversky. 1983. Afeto, generalização e percepção de risco. J Personal Soc Psychol 45:20–31.

Jones, AP e LR James. 1979. Clima psicológico: Dimensões e relações das percepções individuais e agregadas do ambiente de trabalho. Organ Behav Hum Perform 23:201–250.

Joyce, WF e JWJ Slocum. 1984. Clima coletivo: Acordo como base para a definição de climas agregados nas organizações. Acad Manage J 27:721–742.

Jungermann, H e P Slovic. 1987. Die Psychologie der Kognition und Evaluation von Risiko. Manuscrito não publicado. Technische Universität Berlin.

Kahneman, D e A Tversky. 1979. Teoria do prospecto: Uma análise da decisão sob risco. Econométrica 47:263–291.

—. 1984. Escolhas, valores e enquadramentos. Am Psychol 39:341–350.

Kahnemann, D, P Slovic e A Tversky. 1982. Julgamento sob Incerteza: Heurísticas e Vieses. Nova York: Cambridge University Press.

Kasperson, R. 1986. Seis proposições sobre participação pública e sua relevância para a comunicação de risco. Análise de risco 6:275–281.

Kleinhesselink, RR e EA Rosa. 1991. Representação cognitiva da percepção de risco. J Cross Cult Psychol 22:11–28.

Komaki, J, KD Barwick e LR Scott. 1978. Uma abordagem comportamental para a segurança ocupacional: identificando e reforçando o desempenho seguro em uma fábrica de alimentos. J Appl Psychol 4:434–445.

Komaki, JL. 1986. Promoção da segurança no trabalho e prevenção de acidentes. Em Health and Industry: A Behavioral Medicine Perspective, editado por MF Cataldo e TJ Coats. Nova York: Wiley.

Konradt, U. 1994. Handlungsstrategien bei der Störungsdiagnose an Flexiblen Fertigungs-einrichtungen. Zeitschrift für Arbeits-und Organisations-pychologie 38:54–61.

Koopman, P e J Pool. 1991. Tomada de decisão organizacional: modelos, contingências e estratégias. Em Tomada de Decisão Distribuída. Modelos Cognitivos para Trabalho Cooperativo, editado por J Rasmussen, B Brehmer e J Leplat. Chichester: Wiley.

Koslowski, M e B Zimolong. 1992. Gefahrstoffe am Arbeitsplatz: Organisatorische Einflüsse auf Gefahrenbewußstein und Risikokompetenz. In Workshop Psychologie der Arbeitssicherheit, editado por B Zimolong e R Trimpop. Heidelberg: Asanger.

Koys, DJ e TA DeCotiis. 1991. Medidas indutivas do clima psicológico. Hum Relat 44(3):265–285.

Krause, TH, JH Hidley e SJ Hodson. 1990. O Processo de Segurança Baseado no Comportamento. Nova York: Van Norstrand Reinhold.
Lanier, EB. 1992. Redução de lesões e custos através da segurança da equipe. ASSE J julho: 21–25.

Lark, J. 1991. Liderança em segurança. Prof Saf 36(3):33–35.

Lawler, E. E. 1986. Gerenciamento de alto envolvimento. São Francisco: Jossey Bass.

LETO, MR. 1992. Projeto de sinais de advertência e rótulos de advertência: Base científica para diretriz inicial. Int J Ind Erg 10:115–119.

Lehto, MR e JD Papastavrou. 1993. Modelos do processo de alerta: Implicações importantes para a eficácia. Safety Science 16:569–595.

Lewin, K. 1951. Teoria de Campo em Ciências Sociais. Nova York: Harper and Row.

Likert, R. 1967. A Organização Humana. Nova York: McGraw Hill.

Lopes, LL e P-HS Ekberg. 1980. Teste de uma hipótese de ordenação na tomada de decisão arriscada. Acta Physiol 45:161–167.

Machlis, GE e EA Rosa. 1990. Risco desejado: Ampliando a ampliação social do quadro de risco. Análise de risco 10:161–168.

Março, J e H Simon. 1993. Organizações. Cambridge: Blackwell.

March, JG e Z Shapira. 1992. Preferências de risco variável e foco de atenção. Psychol Rev 99:172–183.

Manson, WM, GY Wong e B Entwisle. 1983. Análise contextual através do modelo linear multinível. Em Metodologia Sociológica, 1983-1984. São Francisco: Jossey-Bass.

Mattila, M, M Hyttinen e E Rantanen. 1994. Comportamento de supervisão eficaz e segurança no canteiro de obras. Int J Ind Erg 13:85–93.

Mattila, M, E Rantanen e M Hyttinen. 1994. Qualidade do ambiente de trabalho, fiscalização e segurança na construção civil. Saf Sci 17:257–268.

McAfee, RB e AR Winn. 1989. O uso de incentivos/feedback para aumentar a segurança no local de trabalho: uma crítica da literatura. J Saf Res 20(1):7–19.

McSween, TE. 1995. O Processo de Segurança Baseado em Valores. Nova York: Van Norstrand Reinhold.

Melia, JL, JM Tomas e A Oliver. 1992. Concepciones del clima organizacional hacia la seguridad laboral: Replication del modelo confirmatorio de Dedobbeleer y Béland. Revista de Psicologia do Trabalho e das Organizações 9(22).

Minter, SG. 1991. Criando a cultura de segurança. Occup Hazards agosto: 17–21.

Montgomery, H e O Svenson. 1989. Processo e Estrutura da Tomada de Decisão Humana. Chichester: Wiley.

Moravec, M. 1994. A parceria empregador-empregado do século XXI. HR Mag janeiro: 21–125.

Morgan, G. 1986. Images of Organizations. Beverly Hills: Sábio.

Nadler, D e ML Tushman. 1990. Além do líder carismático. Liderança e mudança organizacional. Calif Manage Rev 32:77–97.

Näsänen, M e J Saari. 1987. Os efeitos do feedback positivo na limpeza e acidentes em um estaleiro. J Occup Ac 8:237–250.

Conselho Nacional de Pesquisa. 1989. Melhorando a Comunicação de Risco. Washington, DC: National Academy Press.

Naylor, JD, RD Pritchard e DR Ilgen. 1980. Uma Teoria do Comportamento nas Organizações. Nova York: Academic Press.

Neumann, PJ e PE Politser. 1992. Risco e otimização. Em Comportamento de risco, editado por FJ Yates. Chichester: Wiley.

Nisbett, R e L Ross. 1980. Inferência humana: Estratégias e deficiências do julgamento social. Penhascos de Englewood: Prentice-Hall.

Nunnally, JC. 1978. Teoria Psicométrica. Nova York: McGraw-Hill.

Oliver, A, JM Tomas e JL Melia. 1993. Una segunda validação cruzada de la escala de clima organizacional de seguridad de Dedobbeleer y Béland. Ajuste confirmatório dos modelos unofatorial, bifatorial e trifatorial. Psicológica 14:59–73.

Otway, HJ e D von Winterfeldt. 1982. Além do risco aceitável: Sobre a aceitabilidade social das tecnologias. Política Sci 14:247–256.

Perrow, C. 1984. Acidentes normais: vivendo com tecnologias de alto risco. Nova York: Basic Books.

Petersen, D. 1993. Estabelecer uma boa “cultura de segurança” ajuda a mitigar os perigos no local de trabalho. Occup Health Saf 62(7):20–24.

Pidgeon, NF. 1991. Cultura de segurança e gestão de riscos nas organizações. J Cross Cult Psychol 22:129–140.

Rabash, J e G Woodhouse. 1995. Referência de comando MLn. Versão 1.0 março de 1995, ESRC.

Rachman, SJ. 1974. Os significados do medo. Harmondsworth: Pinguim.

Rasmussen, J. 1983. Habilidades, regras, conhecimento, sinais, sinais e símbolos e outras distinções. IEEE T Syst Man Cyb 3:266–275.

Razão, JT. 1990. Erro Humano. Cambridge: CUP.

Reis, JV. 1988. Auto-regulamentação: Uma alternativa eficaz à regulamentação direta da OSHA? Stud J 16:603–614.

Renn, O. 1981. Homem, tecnologia e risco: Um estudo sobre avaliação de risco intuitiva e atitudes em relação à energia nuclear. Spezielle Berichte der Kernforschungsanlage Jülich.

Rittel, HWJ e MM Webber. 1973. Dilemas em uma teoria geral do planejamento. Pol Sci 4:155-169.

Robertson, A e M Minkler. 1994. Novo movimento de promoção da saúde: um exame crítico. Health Educ Q 21(3):295–312.

ROGERS, CR. 1961. Sobre se tornar uma pessoa. Boston: Houghton Mifflin.

Rohrmann, B. 1992a. A avaliação da eficácia da comunicação de risco. Acta Physiol 81:169–192.

—. 1992b. Risiko Kommunikation, Aufgaben-Konzepte-Evaluation. Em Psychologie der Arbeitssicherheit, editado por B Zimolong e R Trimpop. Heidelberg: Asanger.

—. 1995. Pesquisa de percepção de risco: Revisão e documentação. Em Arbeiten zur Risikokommunikation. Heft 48. Jülich: Forschungszentrum Jülich.

—. 1996. Percepção e avaliação de riscos: Uma comparação transcultural. In Arbeiten zur Risikokommunikation Heft 50. Jülich: Forschungszentrum Jülich.

Rosenhead, J. 1989. Análise Racional para um Mundo Problemático. Chichester: Wiley.

Rumar, K. 1988. Risco coletivo, mas segurança individual. Ergonomia 31:507–518.

Rumel, RJ. 1970. Análise Fatorial Aplicada. Evanston, IL: Northwestern University Press.

Ruppert, E. 1987. Gefahrenwahrnehmung—ein Modell zur Anforderungsanalyse für die verhaltensabbhängige Kontrolle von Arbeitsplatzgefahren. Zeitschrift für Arbeitswissenschaft 2:84–87.

Saari, J. 1976. Características das tarefas associadas à ocorrência de acidentes. J Occup Ac 1:273–279.

Saari, J. 1990. Sobre estratégias e métodos na segurança do trabalho na empresa: das estratégias informativas às estratégias motivacionais. J Occup Acc 12:107–117.

Saari, J e M Näsänen. 1989. O efeito do feedback positivo na limpeza e acidentes industriais: um estudo de longo prazo em um estaleiro. Int J Ind Erg 4:3:201–211.

Sarkis, H. 1990. O que realmente causa acidentes. Apresentação no Seminário Wausau Insurance Safety Safety Excellence. Canandaigua, NY, EUA, junho de 1990.

Sass, R. 1989. As implicações da organização do trabalho para a política de saúde ocupacional: o caso do Canadá. Int J Health Serv 19(1):157–173.

Savage, LJ. 1954. Os Fundamentos das Estatísticas. Nova York: Wiley.

Schafer, RE. 1978. Do que estamos falando quando falamos de “risco”? Uma pesquisa crítica de risco e teorias de preferências de risco. RM-78-69. Laxenber, Áustria: Instituto Internacional de Análise de Sistemas Aplicados.

Schein, EH. 1989. Cultura Organizacional e Liderança. São Francisco: Jossey-Bass.

Schneider, B. 1975a. Clima organizacional: um ensaio. Pers Psychol 28:447–479.

—. 1975b. Clima organizacional: preferências individuais e realidades organizacionais revisitadas. J Appl Psychol 60:459–465.

Schneider, B e AE Reichers. 1983. Sobre a etiologia dos climas. Pers Psychol 36:19–39.

Schneider, B, JJ Parkington e VM Buxton. 1980. Percepção de funcionários e clientes sobre o atendimento em bancos. Adm Sci Q 25:252–267.

Shannon, HS, V Walters, W Lewchuk, J Richardson, D Verma, T Haines e LA Moran. 1992. Abordagens de saúde e segurança no local de trabalho. Reportagem não publicada. Toronto: McMaster University.

Curto, JF. 1984. O tecido social em risco: Rumo à transformação social da análise de risco. Amer Social R 49:711–725.

Simard, M. 1988. La prize de risque dans le travail: un phénomène organizationnel. In La prize de risque dans le travail, editado por P Goguelin e X Cuny. Marselha: Editions Octares.

Simard, M e A Marchand. 1994. O comportamento dos supervisores de primeira linha na prevenção de acidentes e eficácia na segurança do trabalho. Saf Sci 19:169–184.

Simard, M et A Marchand. 1995. L'adaptation des supervisionurs à la gestion parcipative de la prevenção de acidentes. Relations Industrielles 50: 567-589.

Simão, HA. 1959. Teorias da tomada de decisão em economia e ciência comportamental. Am Econ Rev 49:253–283.

Simon, HA et ai. 1992. Tomada de decisões e resolução de problemas. Em Tomada de decisão: alternativas para modelos de escolha racional, editado por M Zev. Londres: Sage.

Simonds, RH e Y Shafai-Sahrai. 1977. Fatores aparentemente afetando a frequência de lesões em onze pares combinados de empresas. J Saf Res 9(3):120–127.

Slovic, P. 1987. Percepção de risco. Ciência 236:280–285.

—. 1993. Percepções de perigos ambientais: Perspectivas psicológicas. In Behavior and Environment, editado por GE Stelmach e PA Vroon. Amsterdã: Holanda do Norte.

Slovic, P, B Fischhoff e S Lichtenstein. 1980. Risco percebido. Em Societal Risk Assessment: How Safe Is Safe Enough?, editado por RC Schwing e WA Albers Jr. Nova York: Plenum Press.

—. 1984. Perspectivas da teoria da decisão comportamental sobre risco e segurança. Acta Physiol 56:183–203.

Slovic, P, H Kunreuther e GF White. 1974. Processos de decisão, racionalidade e ajuste aos perigos naturais. Em Natural Hazards, Local, National and Global, editado por GF White. Nova York: Oxford University Press.

Smith, MJ, HH Cohen, A Cohen e RJ Cleveland. 1978. Características de programas de segurança bem-sucedidos. J Salva Res 10:5–15.

SMITH, RB. 1993. Perfil da indústria da construção: Chegando ao fundo das altas taxas de acidentes. Occup Health Saf junho: 35–39.

SMITH, TA. 1989. Por que você deve colocar seu programa de segurança sob controle estatístico. Prof Saf 34(4):31–36.

Starr, C. 1969. Benefício social versus risco tecnológico. Ciência 165:1232–1238.

Sulzer-Azaroff, B. 1978. Ecologia comportamental e prevenção de acidentes. J Organ Behav Manage 2:11–44.

Sulzer-Azaroff, B e D Fellner. 1984. Em busca de metas de desempenho na análise comportamental de saúde e segurança ocupacional: uma estratégia de avaliação. J Organ Behav Manage 6:2:53–65.

Sulzer-Azaroff, B, TC Harris e KB McCann. 1994. Além do treinamento: técnicas de gerenciamento de desempenho organizacional. Occup Med: State Art Rev 9:2:321–339.

Swain, AD e HE Guttmann. 1983. Manual de Análise de Confiabilidade Humana com Ênfase em Aplicações de Usina Nuclear. Sandia National Laboratories, NUREG/CR-1278, Washington, DC: US ​​Nuclear Regulatory Commission.

Taylor, DH. 1981. A hermenêutica dos acidentes e da segurança. Ergonomia 24:48–495.

Thompson, JD e A Tuden. 1959. Estratégias, estruturas e processos de decisões organizacionais. Em Comparative Studies in Administration, editado por JD Thompson, PB Hammond, RW Hawkes, BH Junker e A Tuden. Pittsburgh: Pittsburgh University Press.

Trimpop, RM. 1994. A Psicologia do Comportamento de Assumir Riscos. Amsterdã: Elsevier.

Tuohy, C e M Simard. 1992. O impacto dos comitês conjuntos de saúde e segurança em Ontário e Quebec. Relatório não publicado, Associação Canadense de Administradores de Leis Trabalhistas, Ottawa.

Tversky, A e D Kahneman. 1981. O enquadramento das decisões e a psicologia da escolha. Ciência 211:453–458.

Vlek, C e G Cvetkovich. 1989. Metodologia de Decisão Social para Projetos Tecnológicos. Dordrecht, Holanda: Kluwer.

Vlek, CAJ e PJ Stallen. 1980. Aspectos racionais e pessoais do risco. Acta Physiol 45:273–300.

Von Neumann, J e O Morgenstern. 1947. Teoria dos Jogos e Comportamento Ergonômico. Princeton, NJ: Princeton University Press.

von Winterfeldt, D e W Edwards. 1984. Padrões de conflito sobre tecnologias arriscadas. Análise de risco 4:55–68.

von Winterfeldt, D, RS John e K Borcherding. 1981. Componentes cognitivos das classificações de risco. Análise de risco 1:277–287.

Wagenaar, W. 1990. Avaliação de riscos e causas de acidentes. Ergonomia 33, nºs 10/11.

Wagenaar, WA. 1992. Assunção de riscos e causas de acidentes. Em Comportamento de risco, editado por JF Yates. Chichester: Wiley.

Wagenaar, W, J Groeneweg, PTW Hudson e JT Reason. 1994. Promovendo a segurança na indústria do petróleo. Ergonomics 37, No. 12:1,999–2,013.

Walton, R. 1986. Do controle ao comprometimento no local de trabalho. Harvard Bus Rev 63:76–84.

Wilde, GJS. 1986. Além do conceito de homeostase de risco: sugestões para pesquisa e aplicação na prevenção de acidentes e doenças relacionadas ao estilo de vida. Anal de Acidentes Prev 18:377–401.

—. 1993. Efeitos das comunicações da mídia de massa nos hábitos de saúde e segurança: uma visão geral dos problemas e evidências. Vício 88:983–996.

—. 1994. Teoria da homeostase de risco e sua promessa de maior segurança. Em Challenges to Accident Prevention: The Issue of Risk Compensation Behaviour, editado por R Trimpop e GJS Wilde. Groningen, Holanda: STYX Publications.

Yates, JF. 1992a. A construção do risco. Em Risk Taking Behavior, editado por JF Yates. Chichester: Wiley.

—. 1992b. Comportamento de Assumir Riscos. Chichester: Wiley.

Yates, JF e ER Stone. 1992. A construção do risco. Em Risk Taking Behavior, editado por JF Yates. Chichester: Wiley.

Zembroski, EL. 1991. Lições aprendidas com as catástrofes provocadas pelo homem. Em Gestão de Riscos. Nova York: Hemisfério.


Zey, M. 1992. Tomada de decisão: alternativas para modelos de escolha racional. Londres: Sage.

Zimolong, B. 1985. Percepção de perigo e estimativa de risco na causa de acidentes. Em Trends in Ergonomics/Human Factors II, editado por RB Eberts e CG Eberts. Amsterdã: Elsevier.

Zimolong, B. 1992. Avaliação empírica de THERP, SLIM e classificação para estimar HEPs. Reliab Eng Sys Saf 35:1–11.

Zimolong, B e R Trimpop. 1994. Gerenciando a confiabilidade humana em sistemas avançados de manufatura. Em Design of Work and Development of Personnel in Advanced Manufacturing Systems, editado por G Salvendy e W Karwowski. Nova York: Wiley.

Zohar, D. 1980. Clima de segurança em organizações industriais: implicações teóricas e aplicadas. J Appl Psychol 65, No.1:96–102.

Zuckerman, M. 1979. Busca de sensação: além do nível ideal de excitação. Hillsdale: Lawrence Erlbaum.