Segunda-feira, 28 Março 2011 18: 35

Criação de gado: sua extensão e efeitos na saúde

Classifique este artigo
(0 votos)

Visão geral

Os seres humanos dependem de animais para alimentação e subprodutos relacionados, trabalho e uma variedade de outros usos (ver tabela 1). Para atender a essas demandas, domesticaram ou mantiveram em cativeiro espécies de mamíferos, aves, répteis, peixes e artrópodes. Esses animais ficaram conhecidos como gado, e criá-los tem implicações para a segurança e saúde ocupacional. Este perfil geral da indústria inclui sua evolução e estrutura, a importância econômica de diferentes commodities da pecuária e as características regionais da indústria e da força de trabalho. Os artigos deste capítulo estão organizados por processos ocupacionais, setores pecuários e consequências da pecuária.

Tabela 1. Usos do gado

Mercadoria

Alimentação

Subprodutos e outros usos

Laticínios

Leite fluido e em pó, manteiga, queijo e requeijão, caseína, leite evaporado, nata, iogurte e outros leites fermentados, gelados, soro de leite

Bezerros machos e vacas velhas vendidos no mercado de commodities de gado; leite como matéria-prima industrial de carboidratos (lactose como diluente de medicamentos), proteínas (usadas como surfactantes para estabilizar emulsões alimentares) e gorduras (os lipídios têm uso potencial como emulsificantes, surfactantes e géis), miudezas

Bovinos, búfalos, ovinos

Carne (vaca, carneiro), sebo comestível

Couros e peles (couro, colágenos para tripas de salsichas, cosméticos, curativos, reparação de tecidos humanos), miudezas, trabalho (tração), lã, cabelo, esterco (como combustível e fertilizante), farinha de ossos, objetos religiosos, alimentos para animais, sebo e graxa (ácidos graxos, vernizes, artefatos de borracha, sabões, óleo de lamparina, plásticos, lubrificantes) gordura, farinha de sangue

Carne de aves

Carne, ovos, ovos de pato (na Índia)

Penas e penugem, esterco (como fertilizante), couro, gordura, vísceras, óleo de aves que não voam (transportador de produtos farmacêuticos por via cutânea), controle de ervas daninhas (gansos em campos de hortelã)

Porco

Carne

Couros e peles, pêlos, banha, esterco, miudezas

Peixes (aquacultura)

Carne

Farinha de peixe, óleo, casca, animais de aquário

Cavalo, outros equinos

Carne, sangue, leite

Recreação (equitação, corrida), trabalho (equitação, tração), cola, ração para cães, cabelo

Micro-gado (coelho, cobaia), cão, gato

Carne

Animais de estimação, peles e peles, cães de guarda, cães-guia, cães de caça, experimentação, pastoreio de ovelhas (pelo cão), controlo de roedores (pelo gato)

Bulls

 

Recreação (touradas, rodeios), sêmen

Insetos e outros invertebrados (por exemplo,
vermicultura, apicultura)

Mel, 500 espécies (larvas, gafanhotos, formigas, grilos, cupins, gafanhotos, larvas de besouros, vespas e abelhas, lagartas de mariposas) são uma dieta regular entre muitas sociedades não ocidentais

Cera de abelha, seda, insetos predadores (mais de 5,000 espécies são possíveis e 400 são conhecidas como controle de pragas agrícolas; o mosquito carnívoro “tox”
(Toxorhynchites spp.) larvas se alimentam do vetor da dengue, vermicomposição, ração animal, polinização, remédio (veneno de abelha
para tratar a artrite), produtos de insetos escamados (goma-laca, corante alimentar vermelho, cochonilha)

Fontes: DeFoliart 1992; Gillespie 1997; FAO 1995; O'Toole 1995; Tannahil 1973; USDA 1996a, 1996b.

Evolução e estrutura da indústria

A pecuária evoluiu nos últimos 12,000 anos através da seleção por comunidades humanas e adaptação a novos ambientes. Os historiadores acreditam que cabras e ovelhas foram as primeiras espécies de animais domesticados para uso humano. Então, cerca de 9,000 anos atrás, os humanos domesticaram o porco. A vaca foi o último grande animal alimentar que os humanos domesticaram, cerca de 8,000 anos atrás na Turquia ou na Macedônia. Foi provavelmente somente depois que o gado foi domesticado que o leite foi descoberto como um alimento útil. Leite de cabra, ovelha, rena e camelo também foram usados. As pessoas do vale do Indo domesticaram as aves da selva indiana principalmente por sua produção de ovos, que se tornou a galinha do mundo, com sua fonte de ovos e carne. Os mexicanos haviam domesticado o peru (Tannahill 1973).

Os humanos usaram várias outras espécies de mamíferos e aves para alimentação, bem como espécies de anfíbios e peixes e vários artrópodes. Os insetos sempre forneceram uma importante fonte de proteína e hoje fazem parte da dieta humana principalmente nas culturas não ocidentais do mundo (DeFoliart 1992). O mel da abelha era um alimento primitivo; fumar abelhas em seus ninhos para coletar mel era conhecido no Egito já há 5,000 anos. A pesca também é uma ocupação antiga usada para produzir alimentos, mas como os pescadores estão esgotando a pesca selvagem, a aquicultura tem sido o contribuinte de crescimento mais rápido para a produção de peixes desde o início dos anos 1980, contribuindo com cerca de 14% para a produção atual total de peixes (Platt 1995).

Os humanos também domesticaram muitos mamíferos para uso na caça, incluindo cavalos, burros, elefantes, cães, búfalos, camelos e renas. O primeiro animal utilizado para tracção, talvez com excepção do cão, foi provavelmente a cabra, que podia desfolhar o mato para o cultivo da terra através da sua pastagem. Os historiadores acreditam que os asiáticos domesticaram o lobo asiático, que se tornaria o cachorro, há 13,000 anos. O cão provou ser útil para o caçador por sua velocidade, audição e olfato, e o cão pastor ajudou na domesticação precoce de ovelhas (Tannahill 1973). O povo das estepes da Eurásia domesticou o cavalo há cerca de 4,000 anos. Seu uso para o trabalho (tração) foi estimulado pela invenção da ferradura, do arreio e da alimentação com aveia. Embora a tração ainda seja importante em grande parte do mundo, os agricultores substituem os animais de tração por máquinas à medida que a agricultura e o transporte se tornam mais mecanizados. Alguns mamíferos, como o gato, são usados ​​para controlar roedores (Caras 1996).

A estrutura da pecuária atual pode ser definida pelas commodities, os produtos de origem animal que entram no mercado. A Tabela 2 mostra algumas dessas commodities e a produção ou consumo mundial desses produtos.

Tabela 2. Produção pecuária internacional (1,000 toneladas)

Mercadoria

1991

1992

1993

1994

1995

1996

Carcaças de vaca e vitela

46,344

45,396

44,361

45,572

46,772

47,404

Carcaças de porco

63,114

64,738

66,567

70,115

74,704

76,836

Cordeiro, carneiro, carcaças de cabra

6,385

6,245

6,238

6,281

6,490

6,956

Peles e couros bovinos

4,076

3,983

3,892

3,751

3,778

3,811

sebo e graxa

6,538

6,677

7,511

7,572

7,723

7,995

Carne de aves de capoeira

35,639

37,527

39,710

43,207

44,450

47,149

Leite de vaca

385,197

379,379

379,732

382,051

382,747

385,110

Camarão

815

884

N/D

N/D

N/D

N/D

Moluscos

3,075

3,500

N/D

N/D

N/D

N/D

Salmonóides

615

628

N/D

N/D

N/D

N/D

Peixe de água doce

7,271

7,981

N/D

N/D

N/D

N/D

Consumo de ovos (milhões de peças)

529,080

541,369

567,469

617,591

616,998

622,655

Fontes: FAO 1995; USDA 1996a, 1996b.

Importância econômica

A crescente população mundial e o aumento do consumo per capita aumentaram a demanda global por carne e peixe, cujos resultados são mostrados na figura 1. A produção global de carne quase triplicou entre 1960 e 1994. Nesse período, o consumo per capita aumentou de 21 para 33 quilos por ano. Devido às limitações de pastagens disponíveis, a produção de carne bovina se estabilizou em 1990. Como resultado, os animais que são mais eficientes na conversão de grãos em carne, como porcos e galinhas, ganharam uma vantagem competitiva. Tanto a carne suína quanto a de aves têm aumentado em contraste dramático com a produção de carne bovina. A carne suína ultrapassou a bovina na produção mundial no final da década de 1970. As aves de capoeira poderão em breve exceder a produção de carne bovina. A produção de carne ovina permanece baixa e estagnada (USDA 1996a). As vacas leiteiras em todo o mundo têm diminuído lentamente, enquanto a produção de leite tem aumentado devido ao aumento da produção por vaca (USDA 1996b).

Figura 1. Produção mundial de carne e peixe

LIV010F2

A produção de aquicultura aumentou a uma taxa anual de 9.1% de 1984 a 1992. A produção de animais de aquicultura aumentou de 14 milhões de toneladas em todo o mundo em 1991 para 16 milhões de toneladas em 1992, com a Ásia fornecendo 84% da produção mundial (Platt 1995). Os insetos são ricos em vitaminas, minerais e energia, e fornecem entre 5% e 10% da proteína animal para muitas pessoas. Eles também se tornam uma fonte vital de proteína durante os períodos de fome (DeFoliart 1992).

Características Regionais da Indústria e Força de Trabalho

É difícil separar a força de trabalho envolvida na criação de gado de outras atividades agrícolas. As atividades pastoris, como as de grande parte da África, e as operações pesadas baseadas em commodities, como as dos Estados Unidos, diferenciaram mais entre pecuária e agricultura. No entanto, muitos empreendimentos agropastoris e agronômicos integram os dois. Em grande parte do mundo, os animais de tração ainda são usados ​​extensivamente na produção agrícola. Além disso, o gado e as aves dependem da alimentação e forragem geradas pelas operações agrícolas, e essas operações são comumente integradas. A principal espécie aquícola do mundo é a carpa herbívora. A produção de insetos também está diretamente ligada à produção agrícola. O bicho-da-seda se alimenta exclusivamente de folhas de amoreira; as abelhas dependem do néctar das flores; as plantas dependem deles para o trabalho de polinização; e os humanos colhem larvas comestíveis de várias culturas. A população mundial em 1994 totalizava 5,623,500,000, e 2,735,021,000 pessoas (49% da população) trabalhavam na agricultura (ver figura 2). A maior contribuição para essa força de trabalho está na Ásia, onde 85% da população agrícola cria animais de tração. Seguem as características regionais relacionadas à pecuária.

Figura 2. População humana envolvida na agricultura por região do mundo, 1994.

LIV010T3

África subsaariana

A pecuária é praticada na África subsaariana há mais de 5,000 anos. A criação nômade do gado primitivo desenvolveu espécies que toleram má nutrição, doenças infecciosas e longas migrações. Cerca de 65% desta região, grande parte em torno de áreas desérticas, é adequada apenas para a produção de gado. Em 1994, 65% dos cerca de 539 milhões de pessoas na África Subsaariana dependiam da renda agrícola, abaixo dos 76% em 1975. Embora sua importância tenha crescido desde meados da década de 1980, a aquicultura contribuiu pouco para o abastecimento de alimentos para esta região . A aquicultura nesta região é baseada no cultivo de tilápias em tanques, e empresas de exportação tentaram cultivar camarões marinhos. Espera-se que uma indústria de aquicultura de exportação nesta região cresça porque a demanda asiática por peixe deve aumentar, o que será alimentado por investimento asiático e tecnologia atraída para a região por um clima favorável e pela mão de obra africana.

Ásia e Pacífico

Na região da Ásia e do Pacífico, quase 76% da população agrícola mundial ocupa 30% das terras aráveis ​​do mundo. Cerca de 85% dos agricultores utilizam bovinos (bois) e búfalos para cultivar e debulhar as lavouras.

As operações de criação de gado são principalmente unidades de pequena escala nesta região, mas grandes fazendas comerciais estão se estabelecendo perto dos centros urbanos. Nas áreas rurais, milhões de pessoas dependem do gado para obter carne, leite, ovos, couros e peles, força de tração e lã. A China supera o resto do mundo com 400 milhões de suínos; o resto do mundo tem um total de 340 milhões de suínos. A Índia responde por mais de um quarto do número de bovinos e búfalos em todo o mundo, mas devido a políticas religiosas que restringem o abate de gado, a Índia contribui com menos de 1% para o abastecimento mundial de carne bovina. A produção de leite faz parte da agricultura tradicional em muitos países desta região. O peixe é um ingrediente frequente na dieta da maioria das pessoas nesta região. A Ásia contribui com 84% da produção aquícola mundial. Com 6,856,000 toneladas, a China sozinha produz quase metade da produção mundial. Espera-se que a demanda por peixes aumente rapidamente, e espera-se que a aquicultura atenda a essa demanda.

Europa

Nesta região de 802 milhões de pessoas, 10.8% estavam envolvidos na agricultura em 1994, o que diminuiu significativamente em relação aos 16.8% em 1975. O aumento da urbanização e da mecanização levaram a essa diminuição. Grande parte dessa terra arável está nos climas úmidos e frios do norte e é propícia ao cultivo de pastagens para o gado. Como resultado, grande parte da pecuária está localizada na parte norte desta região. A Europa contribuiu com 8.5% para a produção mundial de aquicultura em 1992. A aquicultura concentrou-se em espécies de peixes de valor relativamente alto (288,500 toneladas) e mariscos (685,500 toneladas).

América Latina e Caribe

A região da América Latina e do Caribe difere de outras regiões em muitos aspectos. Grandes extensões de terra ainda precisam ser exploradas, a região tem grandes populações de animais domésticos e grande parte da agricultura é operada em grandes operações. A pecuária representa cerca de um terço da produção agrícola, que constitui uma parte significativa do produto interno bruto. A carne de gado de corte representa a maior fatia e representa 20% da produção mundial. A maioria das espécies de gado foi importada. Entre as espécies indígenas que foram domesticadas estão porquinhos-da-índia, cães, lhamas, alpacas, patos almiscarados, perus e galinhas pretas. Esta região contribuiu com apenas 2.3% para a produção aquícola mundial em 1992.

Oriente Próximo

Atualmente, 31% da população do Oriente Próximo está envolvida na agricultura. Devido à escassez de chuvas nesta região, o único uso agrícola para 62% desta área de terra é a pastagem animal. A maioria das principais espécies pecuárias foi domesticada nesta região (cabras, ovelhas, porcos e gado) na confluência dos rios Tigre e Eufrates. Mais tarde, no norte da África, foram domesticados búfalos, camelos dromedários e burros. Alguns sistemas de criação de gado que existiam nos tempos antigos ainda existem hoje. Estes são sistemas de subsistência na sociedade tribal árabe, em que rebanhos e rebanhos são movidos sazonalmente por grandes distâncias em busca de alimento e água. Os sistemas de cultivo intensivo são usados ​​nos países mais desenvolvidos.

América do Norte

Embora a agricultura seja uma atividade econômica importante no Canadá e nos Estados Unidos, a proporção da população envolvida na agricultura é inferior a 2.5%. Desde a década de 1950, a agricultura tornou-se mais intensiva, levando a menos fazendas, porém maiores. A pecuária e seus produtos constituem a maior parte da dieta da população, contribuindo com 40% da energia alimentar total. A pecuária nesta região tem sido muito dinâmica. Animais introduzidos foram cruzados com animais nativos para formar novas raças. A demanda do consumidor por carnes mais magras e ovos com menos colesterol está tendo um impacto na política de criação. Os cavalos foram amplamente utilizados na virada do século XIX, mas diminuíram em número por causa da mecanização. Eles são usados ​​atualmente na indústria de cavalos de corrida ou para recreação. Os Estados Unidos importaram cerca de 700 espécies de insetos para controlar mais de 50 pragas. A aquicultura nesta região está crescendo e foi responsável por 3.7% da produção mundial de aquicultura em 1992 (FAO 1995; Scherf 1995).

Questões ambientais e de saúde pública

Os riscos ocupacionais da criação de gado podem levar a lesões, asma ou infecções zoonóticas. Além disso, a criação de gado apresenta vários problemas ambientais e de saúde pública. Uma questão é o efeito dos dejetos animais sobre o meio ambiente. Outras questões incluem a perda da diversidade biológica, riscos associados à importação de animais e produtos e segurança alimentar.

Poluição da água e do ar

Resíduos animais representam potenciais consequências ambientais da poluição da água e do ar. Com base nos fatores de descarga anuais dos EUA mostrados na tabela 3, as principais raças de gado descarregaram um total de 14.3 bilhões de toneladas de fezes e urina em todo o mundo em 1994. Desse total, bovinos (leite e carne) descarregaram 87%; suínos, 9%; e galinhas e perus, 3% (Meadows 1995). Devido ao seu alto fator de descarga anual de 9.76 toneladas de fezes e urina por animal, o gado contribuiu com a maior quantidade de resíduos entre esses tipos de gado para todas as seis regiões da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) do mundo, variando de 82% na Europa e Ásia para 96% na África subsaariana.

Tabela 3. Produção anual de fezes e urina de gado nos EUA

Tipo de gado

População

Resíduos (toneladas)

Toneladas por animal

Bovinos (leite e carne)

46,500,000

450,000,000

9.76

Porco

60,000,000

91,000,000

1.51

Frango e peru

7,500,000,000

270,000,000

0.04

Fonte: Prados 1995.

Nos Estados Unidos, os agricultores que se especializam na criação de gado não se dedicam à agricultura, como era a prática histórica. Como resultado, os dejetos do gado não são mais aplicados sistematicamente em terras de cultivo como fertilizante. Outro problema com a pecuária moderna é a alta concentração de animais em pequenas áreas, como confinamentos ou confinamentos. Grandes operações podem confinar de 50,000 a 100,000 bovinos, 10,000 suínos ou 400,000 frangos em uma área. Além disso, essas operações tendem a se agrupar perto das plantas de processamento para encurtar a distância de transporte dos animais até as plantas.

Vários problemas ambientais resultam de operações concentradas. Esses problemas incluem derramamentos em lagoas, infiltrações e escoamentos crônicos e efeitos na saúde transmitidos pelo ar. A peculação de nitratos nas águas subterrâneas e o escoamento de campos e confinamentos são os principais contribuintes para a contaminação da água. Um maior uso de confinamentos leva à concentração de esterco animal e a um maior risco de contaminação das águas subterrâneas. Os resíduos das operações de bovinos e suínos são normalmente coletados em lagoas, que são grandes poços rasos cavados no solo. O projeto da lagoa depende do assentamento de sólidos no fundo, onde eles são digeridos anaerobicamente, e o excesso de líquidos é controlado pela pulverização deles em campos próximos antes que eles transbordem (Meadows 1995).

Resíduos de gado biodegradáveis ​​também emitem gases odoríferos que contêm até 60 compostos. Esses compostos incluem amônia e aminas, sulfetos, ácidos graxos voláteis, álcoois, aldeídos, mercaptanos, ésteres e carbonilas (Sweeten 1995). Quando os humanos sentem odores de operações pecuárias concentradas, eles podem sentir náuseas, dores de cabeça, problemas respiratórios, interrupção do sono, perda de apetite e irritação dos olhos, ouvidos e garganta.

Menos compreendidos são os efeitos adversos dos dejetos do gado sobre o aquecimento global e a deposição atmosférica. Sua contribuição para o aquecimento global é através da geração de gases de efeito estufa, dióxido de carbono e metano. O estrume animal pode contribuir para a deposição de azoto devido à libertação de amoníaco das lagoas de resíduos para a atmosfera. O nitrogênio atmosférico entra novamente no ciclo hidrológico através da chuva e flui para córregos, rios, lagos e águas costeiras. O nitrogênio na água contribui para o aumento da proliferação de algas que reduzem o oxigênio disponível para os peixes.

Duas modificações na produção pecuária oferecem soluções para alguns dos problemas de poluição. Estes são menos confinamento de animais e sistemas de tratamento de resíduos melhorados.

Diversidade animal

O potencial de perda rápida de genes, espécies e habitats ameaça a adaptabilidade e as características de uma variedade de animais que são ou podem ser úteis. Os esforços internacionais enfatizaram a necessidade de preservar a diversidade biológica em três níveis: genético, de espécies e de habitat. Um exemplo do declínio da diversidade genética é o número limitado de reprodutores usados ​​para reproduzir artificialmente fêmeas de muitas espécies pecuárias (Scherf 1995).

Com o declínio de muitas raças de gado e, portanto, a redução da diversidade de espécies, as raças dominantes têm aumentado, com ênfase na uniformidade nas raças de maior produção. O problema da falta de diversidade de raças de gado leiteiro é particularmente agudo; com exceção do Holstein de alta produção, as populações leiteiras estão diminuindo. A aquicultura não reduziu a pressão sobre as populações de peixes selvagens. Por exemplo, o uso de redes finas para pesca de biomassa para alimentação de camarão resulta na coleta de juvenis de espécies silvestres valiosas, o que contribui para o seu esgotamento. Algumas espécies, como garoupas, milkfish e enguias, não podem ser criadas em cativeiro, então seus juvenis são capturados na natureza e criados em fazendas de peixes, reduzindo ainda mais o estoque de populações selvagens.

Um exemplo de perda de diversidade de habitat é o impacto da alimentação das pisciculturas nas populações selvagens. A ração para peixes usada nas áreas costeiras afeta as populações selvagens de camarões e peixes, destruindo seu habitat natural, como os manguezais. Além disso, as fezes e a ração dos peixes podem se acumular no fundo e matar as comunidades bentônicas que filtram a água (Safina 1995).

Espécies animais que sobrevivem em abundância são aquelas usadas como meio para fins humanos, mas um dilema social surge de um movimento pelos direitos dos animais que defende que animais, especialmente animais de sangue quente, não devem ser usados ​​como meio para fins humanos. Precedendo o movimento pelos direitos dos animais, um movimento de bem-estar animal começou antes de meados da década de 1970. Os defensores do bem-estar animal defendem o tratamento humano de animais usados ​​para pesquisa, alimentação, vestuário, esporte ou companhia. Desde meados da década de 1970, os defensores dos direitos dos animais afirmam que os animais sencientes têm o direito de não serem usados ​​para pesquisa. Parece altamente improvável que o uso humano de animais seja abolido. Também é provável que o bem-estar animal continue como um movimento popular (NIH 1988).

Importação de animais e produtos de origem animal

A história da pecuária está intimamente ligada à história da importação de gado para novas áreas do mundo. As doenças se espalham com a disseminação de gado importado e seus produtos. Os animais podem transmitir doenças que podem infectar outros animais ou humanos, e os países estabeleceram serviços de quarentena para controlar a propagação dessas doenças zoonóticas. Entre essas doenças estão tremor epizoótico, brucelose, febre Q e antraz. A inspeção e quarentena de gado e alimentos surgiram como métodos para controlar a importação de doenças (MacDiarmid 1993).

A preocupação pública com a infecção potencial de humanos com a rara doença de Creutzfeldt-Jakob (CJD) surgiu entre os países importadores de carne bovina em 1996. Suspeita-se que comer carne bovina infectada com encefalopatia espongiforme bovina (BSE), popularmente conhecida como doença da vaca louca, pode levar a infecção por DCJ. Embora não comprovadas, as percepções do público incluem a proposição de que a doença pode ter entrado no gado a partir de rações contendo farinha de ossos e vísceras de ovinos afetados por uma doença semelhante, o tremor epizoótico. Todas as três doenças, em humanos, bovinos e ovinos, exibem sintomas comuns de lesões cerebrais semelhantes a esponjas. As doenças são fatais, suas causas são desconhecidas e não há testes para detectá-las. Os britânicos lançaram um abate preventivo de um terço de sua população de gado em 1996 para controlar a BSE e restaurar a confiança do consumidor na segurança de suas exportações de carne bovina (Aldhous 1996).

A importação de abelhas africanas para o Brasil também se tornou uma questão de saúde pública. Nos Estados Unidos, subespécies de abelhas européias produzem mel e cera de abelha e polinizam as plantações. Eles raramente enxameiam agressivamente, o que ajuda na apicultura segura. A subespécie africana migrou do Brasil para a América Central, México e sudeste dos Estados Unidos. Esta abelha é agressiva e enxameará em defesa de sua colônia. Cruzou-se com a subespécie européia, resultando em uma abelha africanizada mais agressiva. A ameaça à saúde pública são as picadas múltiplas quando os enxames de abelhas africanizadas e reações tóxicas graves em humanos.

Atualmente existem dois controles para a abelha africanizada. Uma delas é que eles não são resistentes nos climas do norte e podem estar restritos a climas temperados mais quentes, como o sul dos Estados Unidos. O outro controle é substituir rotineiramente a abelha rainha nas colméias por abelhas rainhas da subespécie européia, embora isso não controle colônias selvagens (Schumacher e Egen 1995).

Segurança alimentar

Muitas doenças humanas transmitidas por alimentos resultam de bactérias patogênicas de origem animal. Exemplos incluem listeria e salmonelas encontradas em produtos lácteos e salmonelas e campylobacter encontradas em carnes e aves. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças estimam que 53% de todos os surtos de doenças transmitidas por alimentos nos Estados Unidos foram causados ​​por contaminação bacteriana de produtos de origem animal. Eles estimam que 33 milhões de doenças transmitidas por alimentos ocorrem a cada ano, das quais resultam 9,000 mortes.

A alimentação subterapêutica de antibióticos e o tratamento com antibióticos de animais doentes são práticas atuais de saúde animal. A eficácia potencial diminuída dos antibióticos para a terapia de doenças é uma preocupação crescente devido ao desenvolvimento frequente de resistência a antibióticos de patógenos zoonóticos. Muitos antibióticos adicionados à ração animal também são usados ​​na medicina humana, e bactérias resistentes a antibióticos podem se desenvolver e causar infecções em animais e humanos.

Resíduos de medicamentos em alimentos resultantes da medicação do gado também apresentam riscos. Resíduos de antibióticos usados ​​no gado ou adicionados à ração foram encontrados em animais produtores de alimentos, incluindo vacas leiteiras. Entre essas drogas estão o cloranfenicol e a sulfametazina. Alternativas ao uso profilático de antibióticos na alimentação para manter a saúde animal incluem a modificação dos sistemas de produção. Essas modificações incluem redução do confinamento de animais, melhor ventilação e melhores sistemas de tratamento de resíduos.

A dieta tem sido associada a doenças crônicas. A evidência de uma associação entre o consumo de gordura e doenças cardíacas estimulou os esforços para produzir produtos de origem animal com menos teor de gordura. Esses esforços incluem criação de animais, alimentação de machos intactos em vez de machos castrados e engenharia genética. Os hormônios também são vistos como um método para diminuir o teor de gordura na carne. Os hormônios de crescimento suíno aumentam a taxa de crescimento, a eficiência alimentar e a proporção de músculo para gordura. A crescente popularidade de espécies com baixo teor de gordura e colesterol, como avestruzes, é outra solução (NRC 1989).

 

Voltar

Leia 9554 vezes Última modificação na quarta-feira, 07 setembro 2011 18: 51

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências Pecuárias

Aldhous, P. 1996. A teoria do Scrapie alimentou a complacência da BSE, agora cresce o medo de bebês ainda não nascidos. Novo Cientista 150:4-5.

Ahlgren, GH. 1956. Culturas forrageiras. Nova York: McGraw-Hill Book Co.

Conferência Americana de Higienistas Industriais Governamentais (ACGIH). 1994. Valores Limite para Substâncias Químicas e Agentes Físicos e Índices de Exposição Biológica. Cincinnati, OH: ACGIH.

Auty, JH. 1983. Projeto de força animal na Austrália. Pecuária Asiática VIII:83-84.

Banwart, WC e JM Brenner. 1975. Identificação de gases sulfurosos evoluídos a partir de estrumes animais. J Environ Qual 4:363-366.

Baxter, PJ. 1991. Algas marinhas e de água doce tóxicas: um risco ocupacional? Br J Ind Med 48(8):505-506.

Bell, RG, DB Wilson e EJ Dew. 1976. Cobertura de estrume de confinamento para pastagem irrigada: Boa prática agrícola ou um perigo para a saúde? B Environ Contam Tox 16:536-540.

Benenson, AS. 1990. Controle de Doenças Transmissíveis no Homem. Washington, DC: Associação Americana de Saúde Pública.

—. 1995. Manual de Controle de Doenças Transmissíveis. Washington, DC: Associação Americana de Saúde Pública.

Brown, LR. 1995. A produção de carne dá um salto. In Vital Signs 1995: The Trends that are Shaping our Future, editado por LR Brown, N Lenssen e H Kane. Nova York: WW Norton & Company.

Bursey, RG. 1992. Novos usos de produtos lácteos. Em Novas Culturas, Novos Usos, Novos Mercados: Produtos Industriais e Comerciais da Agricultura dos Estados Unidos: 1992 Yearbook of Agriculture. Washington, DC: USDA.

Calandruccio, RA, JH Powers. 1949. Acidentes agrícolas: Um estudo clínico e estatístico cobrindo vinte anos. Am Surg (novembro): 652-660.

Cameron, D e C Bishop. 1992. Acidentes agrícolas em adultos. Br Med J 305:25-26.

Caras, RA. 1996. Uma harmonia perfeita: as vidas entrelaçadas de animais e humanos ao longo da história. Nova York: Simon & Schuster.

Carstensen, O, J Lauritsen e K Rasmussen. 1995. Estudo de West-Justland sobre prevenção de acidentes agrícolas, Fase 1: Um estudo de fatores específicos do trabalho em 257 lesões agrícolas tratadas em hospital. Journal of Agricultural Safety and Health 1:231-239.

Chatterjee, A, D Chattopadhyay, D Bhattacharya, Ak Dutta e DN Sen Gupta. 1980. Alguns aspectos epidemiológicos da dermatofitose zoofílica. Jornal Internacional de Zoonoses 7(1):19-33.

Cherry, JP, SH Fearirheller, TA Foglis, GJ Piazza, G Maerker, JH Woychik e M Komanowski. 1992. Usos inovadores de subprodutos animais. Em Novas Culturas, Novos Usos, Novos Mercados: Produtos Industriais e Comerciais da Agricultura dos Estados Unidos: 1992 Yearbook of Agriculture. Washington, DC: USDA.

Crowley, M. 1995. Tendências e tecnologia da aquicultura. Pescador Nacional 76:18-19.

Deere & Co. 1994. Gerenciamento de segurança em fazendas e ranchos. Moline, IL: Deere & Co.

DeFoliart, GR. 1992. Insetos como alimentos humanos. Proteção de Culturas 11:395-399.

DONHAM, KJ. 1985. Doenças zoonóticas de importância ocupacional na agricultura: Uma revisão. International Journal of Zoonoses 12:163-191.

—. 1986. Agentes perigosos em poeiras agrícolas e métodos de avaliação. Am J Ind Med 10:205-220.

Donham, KJ e LW Knapp. 1982. Exposição tóxica aguda a gases de estrume líquido. J Ocupa Med 24:142-145

Donham, KJ e SJ Reynolds. 1995. Disfunção respiratória em trabalhadores da produção de suínos: relação dose-resposta de exposições ambientais e função pulmonar. Am J Ind Med 27:405-418.

Donham, KJ e L Scallon. 1985. Caracterização de poeiras coletadas de instalações de confinamento de suínos. Am Ind Hyg Assoc J 46:658-661.

Donham, KJ e KM Qui. 1995. Medicina agrícola e saúde ambiental: O componente que faltava no movimento agrícola sustentável. Em Agricultural health and safety: Workplace, Environment, Sustainability, editado por HH McDuffie, JA Dosman, KM Semchuk, SA Olenchock e A Senthilselvan. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Donham, KJ, MJ Rubino, TD Thedell e J Kammenmeyer. 1977. Riscos potenciais à saúde dos trabalhadores em instalações de confinamento de suínos. J Occup Med 19:383-387.

Donham, KJ, J Yeggy e RR Dauge. 1985. Parâmetros químicos e físicos de dejetos líquidos de instalações de confinamento de suínos: implicações para a saúde dos trabalhadores, suínos e meio ambiente. Resíduos Agrícolas 14:97-113.

—. 1988. Taxas de produção de gases tóxicos a partir de esterco líquido: Implicações para a saúde de trabalhadores e animais em instalações de suínos. Resíduos biológicos 24:161-173.

Donham, KJ, DC Zavala e JA Merchant. 1984. Efeitos agudos do ambiente de trabalho nas funções pulmonares de trabalhadores de confinamento de suínos. Am J Ind Med 5:367-375.

Dosman, JA, BL Graham, D Hall, P Pahwa, H McDuffie, M Lucewicz e T To. 1988. Sintomas respiratórios e alterações nos testes de função pulmonar em produtores de suínos em Saskatchewan: Resultados de uma pesquisa com fazendeiros. J Occ Med 30:715-720.

Douglas, JD. 1995. Cultivo de salmão: saúde ocupacional em uma nova indústria rural. Ocupa Med 45:89-92.

Douglas, JDM e AH Milne. 1991. Doença de descompressão em trabalhadores de piscicultura: um novo risco ocupacional. Br Med J 302:1244-1245.

Durning, AT e HB Brough. 1992. Reforma da economia pecuária. In State of the World, editado por LR Brown. Londres: WW Norton & Company.

Erlich, SM, TR Driscoll, JE Harrison, MS Frommer e J Leight. 1993. Fatalidades agrícolas relacionadas ao trabalho na Austrália, 1982-1984. Scand J Work Environ Health 19:162-167.

Feddes, JJR e ​​EM Barber. 1994. Soluções de engenharia agrícola para problemas de contaminantes do ar em silos agrícolas e instalações para animais. Em Saúde e Segurança Agrícola: Local de Trabalho, Meio Ambiente, Sustentabilidade, editado por HH McDuffie, JA Dosman, KM Semchuk, SA Olenchock e A Senthilselvan. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Ferguson, IR e LRC Path. 1993. Ratos, peixes e doença de Weil. Profissional de Segurança e Saúde: 12-16.

Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). 1965. Implementos agrícolas para regiões áridas e tropicais. Roma: FAO.

—. 1995. O Estado da Pesca e Aquicultura Mundial. Roma: FAO.

Fretz, P. 1989. Lesões causadas por animais de fazenda. Em Princípios de Saúde e Segurança na Agricultura, editado por JA Dosman e DW Crockcroft. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Froehlich, PA. 1995. Observações de controle de engenharia e recomendações para instalações de criação de insetos. Cincinnati, OH: NIOSH.

Gillespie, Jr. 1997. Produção Moderna de Pecuária e Aves. Nova York: Delmar Publishers.

Gorhe, DS. 1983. Projeto de força animal vs mecanização. Pecuária Asiática VIII:90-91.

Haglind, M e R Rylander. 1987. Exposição ocupacional e medições da função pulmonar entre trabalhadores em instalações de confinamento de suínos. J Occup Med 29:904-907.

Harries, MG e O Cromwell. 1982. Alergia ocupacional causada por alergia à urina de porco. Br Med J 284:867.

Heederick, D, R Brouwer, K Biersteker e J. Boleij. Relação dos níveis de endotoxinas e bactérias no ar em fazendas de suínos com a função pulmonar e sintomas respiratórios dos criadores. Intl Arch Occup Health 62:595-601.

Hogan, DJ e P Lane. 1986. Distúrbios dermatológicos na agricultura. Occup Med: State Art Rev 1:285-300.

Holness, DL, EL O'Glenis, A Sass-Kortsak, C Pilger e J Nethercott. 1987. Efeitos respiratórios e exposições à poeira na criação de suínos em confinamento. Am J Ind Med 11:571-580.

Holness, DL e JR Nethercott. 1994. Trauma agudo e crônico em suinocultores. Em Agricultural Health and Safety: Workplace, Environment, Sustainability, editado por HH McDuffie, JA Dosman, KM Semchuk, SA Olenchock e A Senthilselvan. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Departamento de Saúde Pública de Iowa. 1995. Sentinel Project Research Agricultural Injury Notification System. Des Moines, IA: Departamento de Saúde Pública de Iowa.

Iverson, M, R Dahl, J. Korsgaard, T Hallas e EJ Jensen. 1988. Sintomas respiratórios em agricultores dinamarqueses: Um estudo epidemiológico de fatores de risco. Thorax 48:872-877.

Johnson, S.A. 1982. Bichos-da-seda. Minneapolis, MN: Lerner Publications.

Jones, W, K Morring, SA Olenchock, T Williams e J. Hickey. 1984. Estudo ambiental de edifícios de confinamento de aves. Am Ind Hyg Assoc J 45:760-766.

Joshi, DD. 1983. Projeto de força animal para produção de alimentos no Nepal. Pecuária Asiática VIII:86-87.

Ker, A. 1995. Sistemas Agrícolas na Savana Africana. Ottawa, Canadá: IDRC Books.

Khan, MH. 1983. Animal como fonte de energia na agricultura asiática. Pecuária Asiática VIII:78-79.

Kiefer, M. 1996. Departamento de Agricultura da Flórida e Divisão de Serviços ao Consumidor da Indústria Vegetal, Gainesville, Flórida. Cincinnati, OH: NIOSH.

Knoblauch, A, B Steiner, S Bachmann, G Trachsler, R Burgheer e J Osterwalder. 1996. Acidentes relacionados ao esterco no leste da Suíça: um estudo epidemiológico. Occup Environ Med 53:577-582.

Kok, R, K Lomaliza e US Shivhare. 1988. O projeto e desempenho de uma fazenda de insetos/reator químico para produção de alimentos humanos. Canadian Agricultural Engineering 30:307-317.

Kuo, C e MCM Beveridge. 1990. Maricultura: Problemas biológicos e de manejo e possíveis soluções de engenharia. Em Engenharia para Piscicultura Offshore. Londres: Thomas Telford.

Layde, PM, DL Nordstrom, D Stueland, LB Wittman, MA Follen e KA Olsen. 1996. Lesões ocupacionais relacionadas a animais em residentes de fazendas. Jornal de Segurança e Saúde Agrícola 2:27-37.

Leistikow, B Donham, JA Merchant e S Leonard. 1989. Avaliação do risco respiratório do trabalhador avícola dos EUA. Am J Ind Med 17:73-74.

Lenhart, SW. 1984. Fontes de insulto respiratório na indústria de processamento de aves. Am J Ind Med 6:89-96.

Lincoln, JM e ML Klatt. 1994. Prevenção de Afogamentos de Pescadores Comerciais. Anchorage, AK: NIOSH.

MacDiarmid, SC. 1993. Análise de risco e importação de animais e produtos de origem animal. Rev Sci Tech 12:1093-1107.

Marx, J, J Twiggs, B Ault, J Merchant e E Fernandez-Caldas. 1993. Aeroalérgeno inalado e reatividade de ácaros de armazenamento em um estudo de caso-controle aninhado de fazendeiro de Wisconsin. Am Rev Respira Dis 147:354-358.

Mathias, CGT. 1989. Epidemiologia da doença de pele ocupacional na agricultura. Em Principles of Health and Safety in Aagriculture, editado por JA Dosman e DW Cockroft. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Meadows, R. 1995. Legado pecuário. Environ Health Persp 103:1096-1100.

MEYERS, JR. 1997. Lesões entre Trabalhadores Agrícolas nos Estados Unidos, 1993. DHHS (NIOSH) Publicação No. 97-115. Cincinnati, OH: NIOSH.

Mullan, RJ e LI Murthy. 1991. Eventos de saúde sentinela ocupacional: uma lista atualizada para reconhecimento médico e vigilância em saúde pública. Am J Ind Med 19:775-799.

Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1993. Lesões entre Trabalhadores Agrícolas nos Estados Unidos. Cincinnati, OH: NIOSH.

—. 1994. Pedido de Assistência na Prevenção da Síndrome Tóxica da Poeira Orgânica. Washington, DC: GPO.

Institutos Nacionais de Saúde (NIH). 1988. Manual do Administrador Institucional para Cuidados e Uso de Animais de Laboratório. Washington, DC: GPO.

Conselho Nacional de Pesquisa (NRC). 1989. Agricultura Alternativa: Comitê sobre o Papel dos Métodos Alternativos de Agricultura na Produção Agrícola Moderna. Washington, DC: National Academy Press.

Conselho Nacional de Segurança. 1982. Fatos do acidente. Chicago, IL: Conselho Nacional de Segurança.

—. 1985. Pesca elétrica. Folha de dados NSC I-696-85. Chicago, IL: Conselho Nacional de Segurança.

Nesheim, MC, RE Austic e LE Card. 1979. Produção de Aves. Filadélfia, PA: Lea e Febiger.

Olenchock, S, J May, D Pratt, L Piacitelli e J Parker. 1990. Presença de endotoxinas em diferentes ambientes agrícolas. Am J Ind Med 18:279-284.

O'Toole, C. 1995. Alien Empire. Nova York: Harper Collins Publishers.

Orlic, M e RA Leng. 1992. Proposta Preliminar para Ajudar Bangladesh a Melhorar a Produtividade do Gado Ruminante e Reduzir as Emissões de Metano. Washington, DC: Agência de Proteção Ambiental dos EUA, Divisão de Mudança Global.

Panti, NK e SP Clark. 1991. Condições perigosas transitórias na criação de animais devido à liberação de gás de esterco durante a mistura do chorume. Engenharia Aplicada na Agricultura 7:478-484.

Platt, AE. 1995. A aquicultura impulsiona a pesca. In Vital Signs 1995: The Trends that Are Shaping our Future, editado por LR Brown, N Lenssen e H Kane. Nova York: WW Norton & Company.

Pursel, VG, CE Rexroad e RJ Wall. 1992. A biotecnologia de Barnyard pode em breve produzir novas terapêuticas médicas. Em Novas Culturas, Novos Usos, Novos Mercados: Produtos Industriais e Comerciais da Agricultura dos EUA: 1992 Anuário da Agricultura Washington, DC: USDA.

Ramaswami, NS e GL Narasimhan. 1982. Um caso para aumentar a força animal de tração. Kurushetra (India's Journal for Rural Development) 30:4.

Reynolds, SJ, KJ Donham, P Whitten, JA Merchant, LF Burmeister e WJ Popendorf. 1996. Uma avaliação longitudinal das relações dose-resposta para exposições ambientais e função pulmonar em trabalhadores da produção de suínos. Am J Ind Med 29:33-40.

Robertson, MH, IR Clarke, JD Coghlan e ON Gill. 1981. Leptospirose em criadores de trutas. Lancet: 2(8247)626-627.

Robertson, TD, SA Ribeiro, S Zodrow e JV Breman. 1994. Avaliação da Suplementação Estratégica de Alimentos para Gado como uma Oportunidade de Geração de Renda para Pequenos Produtores de Laticínios e Redução das Emissões de Metano em Bangladesh. Washington, DC: Agência de Proteção Ambiental dos EUA.

Rylander, R. 1994. Sintomas e mecanismos: Inflamação do pulmão. Am J Ind Med 25:19-24.

Rylander, R, KJ Donham, C Hjort, R Brouwer e D Heederik. 1989. Efeitos da exposição à poeira em instalações de confinamento de suínos: um relatório do grupo de trabalho. Scand J Work Environ Health 15:309-312.

Rylander, R e N Essle. 1990. Hiperatividade brônquica entre produtores de suínos e leiteiros. Am J Ind Med 17:66-69.

Rylander, R, Y Peterson e KJ Donman. 1990. Questionário avaliando a exposição à poeira orgânica. Am J Ind Med 17:121-128.

Rylander, R e R Jacobs. 1994. Poeiras Orgânicas: Exposição, Efeitos e Prevenção. Chicago, IL: Lewis Publishing.
Safina, C. 1995. Os peixes ameaçados do mundo. Sci Am 272:46-53.

Scherf, BD. 1995. Lista Mundial de Observação para Diversidade de Animais Domésticos. Roma: FAO.

Schmidt, MJ. 1997. Elefantes de trabalho. Sci Am 279:82-87.

Schmidt, JO. 1992. Alergia a insetos venenosos. Em The Hive and the Honey Bee, editado por JM Graham. Hamilton: DaDant & Sons.

Shumacher, MJ e NB Egen. 1995. Significado das abelhas africanizadas na saúde pública. Arch Int Med 155:2038-2043.

Sherson, D, I Hansen e T Sigsgaard. 1989. Sintomas respiratórios ocupacionalmente relacionados em trabalhadores do processamento de trutas. Alergia 44:336-341.

Stem, C, DD Joshi e M Orlic. 1995. Redução das Emissões de Metano de Ruminantes: Estudo de pré-viabilidade do Nepal. Washington, DC: Agência de Proteção Ambiental dos EUA, Divisão de Mudança Global.

Adoçar, JM. 1995. Tecnologia e aplicações de medição de odor: uma revisão de última geração. No Sétimo Simpósio Internacional sobre Resíduos Agrícolas e Processamento de Alimentos: Anais do 7º Simpósio Internacional, editado por CC Ross. Sociedade Americana de Engenharia Agrícola.

Tannahill, R. 1973. Food in History. Nova York: Stein and Day.

Thorne, PS, KJ Donham, J Dosman, P Jagielo, JA Merchant e S Von Essen. 1996. Saúde ocupacional. In Understanding the Impacts of Large-scale Swine Production, editado por KM Thu, D Mcmillan e J Venzke. Iowa City, IA: Universidade de Iowa.

Turner, F e PJ Nichols. 1995. Papel do epitélio na resposta das vias aéreas. Resumo da 19ª Conferência de Pesquisa sobre Algodão e Outras Poeiras Orgânicas, 6 a 7 de janeiro, San Antonio, TX.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 1996. Agricultura Urbana: Alimentos, Empregos e Cidades Sustentáveis. Nova York: PNUD.

Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). 1992. Manual de Campo de Gestão de Resíduos Agrícolas. Washington, DC: USDA Soil Conservation Service.

—. 1996a. Pecuária e Aves: Mercados e Comércio Mundiais. Circular Série FL&P 1-96. Washington DC: Serviço Agrícola Estrangeiro do USDA.

—. 1996b. Laticínios: Mercados e Comércio Mundiais. Série Circular FD 1-96. Washington DC: Serviço Agrícola Estrangeiro do USDA.

—. 1997. Produção e Valor de Aves, Resumo de 1996. Washington, DC: Serviço Nacional de Estatísticas Agrícolas.

van Hage-Hamsten, M, S Johansson e S Hogland. 1985. A alergia a ácaros de armazenamento é comum em uma população agrícola. Clin Allergy 15:555-564.

Vivian, J. 1986. Mantendo Abelhas. Charlotte, VT: Williamson Publishing.

Waller, J.A. 1992. Lesões a fazendeiros e famílias de fazendeiros em um estado leiteiro. J Occup Med 34:414-421.

Yang, N. 1995. Pesquisa e desenvolvimento de tração de búfalo para agricultura na China. Pecuária Asiática XX:20-24.

Zhou, C e JM Roseman. 1995. Lesões residuais relacionadas à agricultura: Prevalência, tipo e fatores associados entre operadores de fazendas do Alabama, 1990. Journal of Rural Health 11:251-258.

Zuehlke, RL, CF Mutel e KJ Donham. 1980. Doenças dos Trabalhadores Agrícolas. Iowa City, IA: Departamento de Medicina Preventiva e Saúde Ambiental, Universidade de Iowa.