Segunda-feira, 28 Março 2011 19: 08

Pecuária

Classifique este artigo
(Voto 1)

A pecuária—criação e uso de animais—envolve uma ampla variedade de atividades, incluindo criação, alimentação, movimentação de animais de um local para outro, cuidados básicos (por exemplo, cuidados com os cascos, limpeza, vacinação), cuidados com animais feridos (seja por tratadores de animais ou veterinários) e atividades associadas a animais específicos (por exemplo, ordenha de vacas, tosquia de ovelhas, trabalho com animais de tração).

Esse manejo do gado está associado a uma variedade de lesões e doenças entre os seres humanos. Essas lesões e doenças podem ser devidas à exposição direta ou à contaminação ambiental por animais. O risco de lesões e doenças depende em grande parte do tipo de gado. O risco de lesão também depende das particularidades do comportamento do animal (ver também os artigos deste capítulo sobre animais específicos). Além disso, as pessoas associadas à criação de animais são mais propensas a consumir produtos dos animais. Finalmente, as exposições específicas dependem dos métodos de manejo do gado, que surgiram de fatores geográficos e sociais que variam na sociedade humana.

Perigos e Precauções

Riscos Ergonômicos

O pessoal que trabalha com gado muitas vezes tem que ficar de pé, alcançar, dobrar ou exercer esforço físico em posições sustentadas ou incomuns. Os trabalhadores do gado têm um risco aumentado de dor nas articulações das costas, quadris e joelhos. São várias as atividades que colocam o pecuarista em risco ergonômico. Por exemplo, ajudar no parto de um animal grande pode colocar o agricultor em uma posição incomum e tensa, enquanto que com um animal pequeno, o trabalhador pode ser obrigado a trabalhar ou deitar em um ambiente inclemente. Além disso, o trabalhador pode ser ferido ao ajudar animais que estão doentes e cujo comportamento não pode ser previsto. Mais comumente, as dores nas articulações e nas costas estão relacionadas a um movimento repetitivo, como a ordenha, durante o qual o trabalhador pode se agachar ou se ajoelhar repetidamente.

Outras doenças traumáticas cumulativas são reconhecidas em trabalhadores rurais, particularmente pecuaristas. Isso pode ser devido a movimentos repetitivos ou pequenos ferimentos frequentes.

As soluções para reduzir o risco ergonômico incluem esforços educacionais intensificados com foco no manejo adequado de animais, bem como esforços de engenharia para redesenhar o ambiente de trabalho e suas tarefas para acomodar fatores animais e humanos.

Lesões

Os animais são comumente reconhecidos como agentes de lesões em pesquisas de lesões associadas à agricultura. Existem várias explicações postuladas para essas observações. A estreita associação entre o trabalhador e o animal, que muitas vezes tem um comportamento imprevisível, coloca o trabalhador pecuário em risco. Muitos animais têm tamanho e força superiores. As lesões geralmente são causadas por trauma direto de chutes, mordidas ou esmagamento contra uma estrutura e geralmente envolvem a extremidade inferior do trabalhador. O comportamento dos trabalhadores também pode contribuir para o risco de lesões. Os trabalhadores que penetram na “zona de fuga” do gado ou que se posicionam nos “pontos cegos” do gado correm maior risco de lesões resultantes da reação de fuga, cabeçadas, pontapés e esmagamento.

Figura 1. Visão panorâmica do gado

LIV140F1

Mulheres e crianças estão super-representadas entre os trabalhadores pecuários feridos. Isso pode ser devido a fatores sociais que resultam em mulheres e crianças fazendo mais trabalhos relacionados aos animais, ou pode ser devido a diferenças exageradas de tamanho entre os animais e o trabalhador ou, no caso de crianças, uso de técnicas de manejo às quais o gado não estão acostumados.

Intervenções específicas para prevenir lesões associadas a animais incluem intensos esforços educacionais, seleção de animais mais compatíveis com humanos, seleção de trabalhadores com menor probabilidade de agitar animais e abordagens de engenharia que diminuem o risco de exposição de humanos a animais.

Doenças zoonóticas

A criação de gado requer uma estreita associação de trabalhadores e animais. Os seres humanos podem ser infectados por organismos normalmente presentes em animais, que raramente são patógenos humanos. Além disso, os tecidos e o comportamento associados aos animais infectados podem expor os trabalhadores que sofreriam poucas ou nenhuma exposição se estivessem trabalhando com gado saudável.

As doenças zoonóticas relevantes incluem numerosos vírus, bactérias, micobactérias, fungos e parasitas (ver tabela 1). Muitas doenças zoonóticas, como antraz, tinea capitis ou orf, estão associadas à contaminação da pele. Além disso, a contaminação resultante da exposição a um animal doente é um fator de risco para raiva e tularemia. Como os trabalhadores de gado geralmente têm maior probabilidade de ingerir produtos animais subtratados, esses trabalhadores correm o risco de doenças como Campylobacter, criptosporidiose, salmonelose, triquinose ou tuberculose.

Tabela 1. Doenças zoonóticas de criadores de gado

Doença

Agente

Animal

Exposição

Antraz

Bactérias

Cabras, outros herbívoros

Manipular cabelos, ossos ou outros tecidos

Brucelose

Bactérias

Bovinos, suínos, caprinos, ovinos

Contato com placenta e outros tecidos contaminados

Campylobacter

Bactérias

Aves, gado

Ingestão de alimentos contaminados, água, leite

Criptosporidiose

Parasita

Aves, bovinos, ovinos, pequenos mamíferos

Ingestão de fezes de animais

Leptospirose

Bactérias

Animais selvagens, suínos, bovinos, cães

Água contaminada na pele aberta

orf

vírus

ovelhas, cabras

Contato direto com membranas mucosas

Psitacose

Chlamydia

Periquitos, aves, pombos

Excrementos dessecados inalados

Febre Q

Rickettsia

Bovinos, caprinos, ovinos

Poeira inalada de tecidos contaminados

Raiva

vírus

Carnívoros selvagens, cães, gatos, gado

Exposição de saliva carregada de vírus a feridas na pele

Salmonelose

Bactérias

Aves, suínos, bovinos

Ingestão de alimentos de organismos contaminados

Tinea capitis

Fungo

Cães, gatos, gado

Contato direto

Triquinose

Lombriga

Suínos, cães, gatos, cavalos

Comer carne mal cozida

Tuberculose bovina

Micobactérias

Bovinos, suínos

Ingestão de leite não pasteurizado; inalação de gotículas no ar

Tularemia

Bactérias

Animais selvagens, suínos, cães

Inoculação de água ou carne contaminada

 

O controle de doenças zoonóticas deve focar na via e na fonte de exposição. A eliminação da fonte e/ou interrupção da via são essenciais para o controle da doença. Por exemplo, deve haver descarte adequado das carcaças de animais doentes. Muitas vezes, a doença humana pode ser evitada eliminando a doença em animais. Além disso, deve haver processamento adequado de produtos ou tecidos de origem animal antes do uso na cadeia alimentar humana.

Algumas doenças zoonóticas são tratadas no pecuarista com antibióticos. No entanto, o uso rotineiro de antibióticos profiláticos no gado pode causar o surgimento de organismos resistentes de interesse geral para a saúde pública.

Ferraria

A ferraria (trabalho de ferrador) envolve principalmente lesões musculoesqueléticas e ambientais. A manipulação do metal a ser usado no tratamento de animais, como para ferraduras, exige trabalho pesado que requer atividade muscular substancial para preparar o metal e posicionar as pernas ou pés do animal. Além disso, aplicar o produto criado, como uma ferradura, no animal no trabalho do ferrador é uma fonte adicional de lesão (ver figura 2).

Figura 2. Ferreiro ferrando um cavalo na Suíça

LIV110F1

Freqüentemente, o calor necessário para dobrar o metal envolve a exposição a gases nocivos. Uma síndrome reconhecida, a febre dos fumos metálicos, tem um quadro clínico semelhante à infecção pulmonar e resulta da inalação de fumos de níquel, magnésio, cobre ou outros metais.

Os efeitos adversos à saúde associados à ferraria podem ser aliviados trabalhando com proteção respiratória adequada. Esses dispositivos respiratórios incluem respiradores ou respiradores purificadores de ar motorizados com cartuchos e pré-filtros capazes de filtrar gases ácidos/vapores orgânicos e vapores metálicos. Se o trabalho do ferrador ocorrer em um local fixo, deve-se instalar ventilação de exaustão local para a forja. Os controles de engenharia, que colocam distância ou barricadas entre o animal e o trabalhador, reduzirão o risco de lesões.

Alergias de animais

Todos os animais possuem antígenos que não são humanos e podem, portanto, servir como alérgenos potenciais. Além disso, o gado é frequentemente hospedeiro de ácaros. Uma vez que existe um grande número de possíveis alergias a animais, o reconhecimento de um alérgeno específico requer doenças e histórias ocupacionais cuidadosas e completas. Mesmo com esses dados, o reconhecimento de um alérgeno específico pode ser difícil.

A expressão clínica das alergias animais pode incluir um quadro do tipo anafilaxia, com urticária, edema, secreção nasal e asma. Em alguns pacientes, coceira e secreção nasal podem ser os únicos sintomas.

Controlar a exposição a alergias a animais é uma tarefa formidável. Práticas aprimoradas na criação de animais e mudanças nos sistemas de ventilação das instalações de gado podem tornar menos provável que o tratador de gado seja exposto. No entanto, pode haver pouco que possa ser feito, além da dessensibilização, para prevenir a formação de alérgenos específicos. Em geral, a dessensibilização de um trabalhador só pode ser realizada se o alérgeno específico for adequadamente caracterizado.

 

Voltar

Leia 7323 vezes Última modificação em quinta-feira, 27 de outubro de 2011 21:30

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências Pecuárias

Aldhous, P. 1996. A teoria do Scrapie alimentou a complacência da BSE, agora cresce o medo de bebês ainda não nascidos. Novo Cientista 150:4-5.

Ahlgren, GH. 1956. Culturas forrageiras. Nova York: McGraw-Hill Book Co.

Conferência Americana de Higienistas Industriais Governamentais (ACGIH). 1994. Valores Limite para Substâncias Químicas e Agentes Físicos e Índices de Exposição Biológica. Cincinnati, OH: ACGIH.

Auty, JH. 1983. Projeto de força animal na Austrália. Pecuária Asiática VIII:83-84.

Banwart, WC e JM Brenner. 1975. Identificação de gases sulfurosos evoluídos a partir de estrumes animais. J Environ Qual 4:363-366.

Baxter, PJ. 1991. Algas marinhas e de água doce tóxicas: um risco ocupacional? Br J Ind Med 48(8):505-506.

Bell, RG, DB Wilson e EJ Dew. 1976. Cobertura de estrume de confinamento para pastagem irrigada: Boa prática agrícola ou um perigo para a saúde? B Environ Contam Tox 16:536-540.

Benenson, AS. 1990. Controle de Doenças Transmissíveis no Homem. Washington, DC: Associação Americana de Saúde Pública.

—. 1995. Manual de Controle de Doenças Transmissíveis. Washington, DC: Associação Americana de Saúde Pública.

Brown, LR. 1995. A produção de carne dá um salto. In Vital Signs 1995: The Trends that are Shaping our Future, editado por LR Brown, N Lenssen e H Kane. Nova York: WW Norton & Company.

Bursey, RG. 1992. Novos usos de produtos lácteos. Em Novas Culturas, Novos Usos, Novos Mercados: Produtos Industriais e Comerciais da Agricultura dos Estados Unidos: 1992 Yearbook of Agriculture. Washington, DC: USDA.

Calandruccio, RA, JH Powers. 1949. Acidentes agrícolas: Um estudo clínico e estatístico cobrindo vinte anos. Am Surg (novembro): 652-660.

Cameron, D e C Bishop. 1992. Acidentes agrícolas em adultos. Br Med J 305:25-26.

Caras, RA. 1996. Uma harmonia perfeita: as vidas entrelaçadas de animais e humanos ao longo da história. Nova York: Simon & Schuster.

Carstensen, O, J Lauritsen e K Rasmussen. 1995. Estudo de West-Justland sobre prevenção de acidentes agrícolas, Fase 1: Um estudo de fatores específicos do trabalho em 257 lesões agrícolas tratadas em hospital. Journal of Agricultural Safety and Health 1:231-239.

Chatterjee, A, D Chattopadhyay, D Bhattacharya, Ak Dutta e DN Sen Gupta. 1980. Alguns aspectos epidemiológicos da dermatofitose zoofílica. Jornal Internacional de Zoonoses 7(1):19-33.

Cherry, JP, SH Fearirheller, TA Foglis, GJ Piazza, G Maerker, JH Woychik e M Komanowski. 1992. Usos inovadores de subprodutos animais. Em Novas Culturas, Novos Usos, Novos Mercados: Produtos Industriais e Comerciais da Agricultura dos Estados Unidos: 1992 Yearbook of Agriculture. Washington, DC: USDA.

Crowley, M. 1995. Tendências e tecnologia da aquicultura. Pescador Nacional 76:18-19.

Deere & Co. 1994. Gerenciamento de segurança em fazendas e ranchos. Moline, IL: Deere & Co.

DeFoliart, GR. 1992. Insetos como alimentos humanos. Proteção de Culturas 11:395-399.

DONHAM, KJ. 1985. Doenças zoonóticas de importância ocupacional na agricultura: Uma revisão. International Journal of Zoonoses 12:163-191.

—. 1986. Agentes perigosos em poeiras agrícolas e métodos de avaliação. Am J Ind Med 10:205-220.

Donham, KJ e LW Knapp. 1982. Exposição tóxica aguda a gases de estrume líquido. J Ocupa Med 24:142-145

Donham, KJ e SJ Reynolds. 1995. Disfunção respiratória em trabalhadores da produção de suínos: relação dose-resposta de exposições ambientais e função pulmonar. Am J Ind Med 27:405-418.

Donham, KJ e L Scallon. 1985. Caracterização de poeiras coletadas de instalações de confinamento de suínos. Am Ind Hyg Assoc J 46:658-661.

Donham, KJ e KM Qui. 1995. Medicina agrícola e saúde ambiental: O componente que faltava no movimento agrícola sustentável. Em Agricultural health and safety: Workplace, Environment, Sustainability, editado por HH McDuffie, JA Dosman, KM Semchuk, SA Olenchock e A Senthilselvan. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Donham, KJ, MJ Rubino, TD Thedell e J Kammenmeyer. 1977. Riscos potenciais à saúde dos trabalhadores em instalações de confinamento de suínos. J Occup Med 19:383-387.

Donham, KJ, J Yeggy e RR Dauge. 1985. Parâmetros químicos e físicos de dejetos líquidos de instalações de confinamento de suínos: implicações para a saúde dos trabalhadores, suínos e meio ambiente. Resíduos Agrícolas 14:97-113.

—. 1988. Taxas de produção de gases tóxicos a partir de esterco líquido: Implicações para a saúde de trabalhadores e animais em instalações de suínos. Resíduos biológicos 24:161-173.

Donham, KJ, DC Zavala e JA Merchant. 1984. Efeitos agudos do ambiente de trabalho nas funções pulmonares de trabalhadores de confinamento de suínos. Am J Ind Med 5:367-375.

Dosman, JA, BL Graham, D Hall, P Pahwa, H McDuffie, M Lucewicz e T To. 1988. Sintomas respiratórios e alterações nos testes de função pulmonar em produtores de suínos em Saskatchewan: Resultados de uma pesquisa com fazendeiros. J Occ Med 30:715-720.

Douglas, JD. 1995. Cultivo de salmão: saúde ocupacional em uma nova indústria rural. Ocupa Med 45:89-92.

Douglas, JDM e AH Milne. 1991. Doença de descompressão em trabalhadores de piscicultura: um novo risco ocupacional. Br Med J 302:1244-1245.

Durning, AT e HB Brough. 1992. Reforma da economia pecuária. In State of the World, editado por LR Brown. Londres: WW Norton & Company.

Erlich, SM, TR Driscoll, JE Harrison, MS Frommer e J Leight. 1993. Fatalidades agrícolas relacionadas ao trabalho na Austrália, 1982-1984. Scand J Work Environ Health 19:162-167.

Feddes, JJR e ​​EM Barber. 1994. Soluções de engenharia agrícola para problemas de contaminantes do ar em silos agrícolas e instalações para animais. Em Saúde e Segurança Agrícola: Local de Trabalho, Meio Ambiente, Sustentabilidade, editado por HH McDuffie, JA Dosman, KM Semchuk, SA Olenchock e A Senthilselvan. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Ferguson, IR e LRC Path. 1993. Ratos, peixes e doença de Weil. Profissional de Segurança e Saúde: 12-16.

Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). 1965. Implementos agrícolas para regiões áridas e tropicais. Roma: FAO.

—. 1995. O Estado da Pesca e Aquicultura Mundial. Roma: FAO.

Fretz, P. 1989. Lesões causadas por animais de fazenda. Em Princípios de Saúde e Segurança na Agricultura, editado por JA Dosman e DW Crockcroft. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Froehlich, PA. 1995. Observações de controle de engenharia e recomendações para instalações de criação de insetos. Cincinnati, OH: NIOSH.

Gillespie, Jr. 1997. Produção Moderna de Pecuária e Aves. Nova York: Delmar Publishers.

Gorhe, DS. 1983. Projeto de força animal vs mecanização. Pecuária Asiática VIII:90-91.

Haglind, M e R Rylander. 1987. Exposição ocupacional e medições da função pulmonar entre trabalhadores em instalações de confinamento de suínos. J Occup Med 29:904-907.

Harries, MG e O Cromwell. 1982. Alergia ocupacional causada por alergia à urina de porco. Br Med J 284:867.

Heederick, D, R Brouwer, K Biersteker e J. Boleij. Relação dos níveis de endotoxinas e bactérias no ar em fazendas de suínos com a função pulmonar e sintomas respiratórios dos criadores. Intl Arch Occup Health 62:595-601.

Hogan, DJ e P Lane. 1986. Distúrbios dermatológicos na agricultura. Occup Med: State Art Rev 1:285-300.

Holness, DL, EL O'Glenis, A Sass-Kortsak, C Pilger e J Nethercott. 1987. Efeitos respiratórios e exposições à poeira na criação de suínos em confinamento. Am J Ind Med 11:571-580.

Holness, DL e JR Nethercott. 1994. Trauma agudo e crônico em suinocultores. Em Agricultural Health and Safety: Workplace, Environment, Sustainability, editado por HH McDuffie, JA Dosman, KM Semchuk, SA Olenchock e A Senthilselvan. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Departamento de Saúde Pública de Iowa. 1995. Sentinel Project Research Agricultural Injury Notification System. Des Moines, IA: Departamento de Saúde Pública de Iowa.

Iverson, M, R Dahl, J. Korsgaard, T Hallas e EJ Jensen. 1988. Sintomas respiratórios em agricultores dinamarqueses: Um estudo epidemiológico de fatores de risco. Thorax 48:872-877.

Johnson, S.A. 1982. Bichos-da-seda. Minneapolis, MN: Lerner Publications.

Jones, W, K Morring, SA Olenchock, T Williams e J. Hickey. 1984. Estudo ambiental de edifícios de confinamento de aves. Am Ind Hyg Assoc J 45:760-766.

Joshi, DD. 1983. Projeto de força animal para produção de alimentos no Nepal. Pecuária Asiática VIII:86-87.

Ker, A. 1995. Sistemas Agrícolas na Savana Africana. Ottawa, Canadá: IDRC Books.

Khan, MH. 1983. Animal como fonte de energia na agricultura asiática. Pecuária Asiática VIII:78-79.

Kiefer, M. 1996. Departamento de Agricultura da Flórida e Divisão de Serviços ao Consumidor da Indústria Vegetal, Gainesville, Flórida. Cincinnati, OH: NIOSH.

Knoblauch, A, B Steiner, S Bachmann, G Trachsler, R Burgheer e J Osterwalder. 1996. Acidentes relacionados ao esterco no leste da Suíça: um estudo epidemiológico. Occup Environ Med 53:577-582.

Kok, R, K Lomaliza e US Shivhare. 1988. O projeto e desempenho de uma fazenda de insetos/reator químico para produção de alimentos humanos. Canadian Agricultural Engineering 30:307-317.

Kuo, C e MCM Beveridge. 1990. Maricultura: Problemas biológicos e de manejo e possíveis soluções de engenharia. Em Engenharia para Piscicultura Offshore. Londres: Thomas Telford.

Layde, PM, DL Nordstrom, D Stueland, LB Wittman, MA Follen e KA Olsen. 1996. Lesões ocupacionais relacionadas a animais em residentes de fazendas. Jornal de Segurança e Saúde Agrícola 2:27-37.

Leistikow, B Donham, JA Merchant e S Leonard. 1989. Avaliação do risco respiratório do trabalhador avícola dos EUA. Am J Ind Med 17:73-74.

Lenhart, SW. 1984. Fontes de insulto respiratório na indústria de processamento de aves. Am J Ind Med 6:89-96.

Lincoln, JM e ML Klatt. 1994. Prevenção de Afogamentos de Pescadores Comerciais. Anchorage, AK: NIOSH.

MacDiarmid, SC. 1993. Análise de risco e importação de animais e produtos de origem animal. Rev Sci Tech 12:1093-1107.

Marx, J, J Twiggs, B Ault, J Merchant e E Fernandez-Caldas. 1993. Aeroalérgeno inalado e reatividade de ácaros de armazenamento em um estudo de caso-controle aninhado de fazendeiro de Wisconsin. Am Rev Respira Dis 147:354-358.

Mathias, CGT. 1989. Epidemiologia da doença de pele ocupacional na agricultura. Em Principles of Health and Safety in Aagriculture, editado por JA Dosman e DW Cockroft. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Meadows, R. 1995. Legado pecuário. Environ Health Persp 103:1096-1100.

MEYERS, JR. 1997. Lesões entre Trabalhadores Agrícolas nos Estados Unidos, 1993. DHHS (NIOSH) Publicação No. 97-115. Cincinnati, OH: NIOSH.

Mullan, RJ e LI Murthy. 1991. Eventos de saúde sentinela ocupacional: uma lista atualizada para reconhecimento médico e vigilância em saúde pública. Am J Ind Med 19:775-799.

Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1993. Lesões entre Trabalhadores Agrícolas nos Estados Unidos. Cincinnati, OH: NIOSH.

—. 1994. Pedido de Assistência na Prevenção da Síndrome Tóxica da Poeira Orgânica. Washington, DC: GPO.

Institutos Nacionais de Saúde (NIH). 1988. Manual do Administrador Institucional para Cuidados e Uso de Animais de Laboratório. Washington, DC: GPO.

Conselho Nacional de Pesquisa (NRC). 1989. Agricultura Alternativa: Comitê sobre o Papel dos Métodos Alternativos de Agricultura na Produção Agrícola Moderna. Washington, DC: National Academy Press.

Conselho Nacional de Segurança. 1982. Fatos do acidente. Chicago, IL: Conselho Nacional de Segurança.

—. 1985. Pesca elétrica. Folha de dados NSC I-696-85. Chicago, IL: Conselho Nacional de Segurança.

Nesheim, MC, RE Austic e LE Card. 1979. Produção de Aves. Filadélfia, PA: Lea e Febiger.

Olenchock, S, J May, D Pratt, L Piacitelli e J Parker. 1990. Presença de endotoxinas em diferentes ambientes agrícolas. Am J Ind Med 18:279-284.

O'Toole, C. 1995. Alien Empire. Nova York: Harper Collins Publishers.

Orlic, M e RA Leng. 1992. Proposta Preliminar para Ajudar Bangladesh a Melhorar a Produtividade do Gado Ruminante e Reduzir as Emissões de Metano. Washington, DC: Agência de Proteção Ambiental dos EUA, Divisão de Mudança Global.

Panti, NK e SP Clark. 1991. Condições perigosas transitórias na criação de animais devido à liberação de gás de esterco durante a mistura do chorume. Engenharia Aplicada na Agricultura 7:478-484.

Platt, AE. 1995. A aquicultura impulsiona a pesca. In Vital Signs 1995: The Trends that Are Shaping our Future, editado por LR Brown, N Lenssen e H Kane. Nova York: WW Norton & Company.

Pursel, VG, CE Rexroad e RJ Wall. 1992. A biotecnologia de Barnyard pode em breve produzir novas terapêuticas médicas. Em Novas Culturas, Novos Usos, Novos Mercados: Produtos Industriais e Comerciais da Agricultura dos EUA: 1992 Anuário da Agricultura Washington, DC: USDA.

Ramaswami, NS e GL Narasimhan. 1982. Um caso para aumentar a força animal de tração. Kurushetra (India's Journal for Rural Development) 30:4.

Reynolds, SJ, KJ Donham, P Whitten, JA Merchant, LF Burmeister e WJ Popendorf. 1996. Uma avaliação longitudinal das relações dose-resposta para exposições ambientais e função pulmonar em trabalhadores da produção de suínos. Am J Ind Med 29:33-40.

Robertson, MH, IR Clarke, JD Coghlan e ON Gill. 1981. Leptospirose em criadores de trutas. Lancet: 2(8247)626-627.

Robertson, TD, SA Ribeiro, S Zodrow e JV Breman. 1994. Avaliação da Suplementação Estratégica de Alimentos para Gado como uma Oportunidade de Geração de Renda para Pequenos Produtores de Laticínios e Redução das Emissões de Metano em Bangladesh. Washington, DC: Agência de Proteção Ambiental dos EUA.

Rylander, R. 1994. Sintomas e mecanismos: Inflamação do pulmão. Am J Ind Med 25:19-24.

Rylander, R, KJ Donham, C Hjort, R Brouwer e D Heederik. 1989. Efeitos da exposição à poeira em instalações de confinamento de suínos: um relatório do grupo de trabalho. Scand J Work Environ Health 15:309-312.

Rylander, R e N Essle. 1990. Hiperatividade brônquica entre produtores de suínos e leiteiros. Am J Ind Med 17:66-69.

Rylander, R, Y Peterson e KJ Donman. 1990. Questionário avaliando a exposição à poeira orgânica. Am J Ind Med 17:121-128.

Rylander, R e R Jacobs. 1994. Poeiras Orgânicas: Exposição, Efeitos e Prevenção. Chicago, IL: Lewis Publishing.
Safina, C. 1995. Os peixes ameaçados do mundo. Sci Am 272:46-53.

Scherf, BD. 1995. Lista Mundial de Observação para Diversidade de Animais Domésticos. Roma: FAO.

Schmidt, MJ. 1997. Elefantes de trabalho. Sci Am 279:82-87.

Schmidt, JO. 1992. Alergia a insetos venenosos. Em The Hive and the Honey Bee, editado por JM Graham. Hamilton: DaDant & Sons.

Shumacher, MJ e NB Egen. 1995. Significado das abelhas africanizadas na saúde pública. Arch Int Med 155:2038-2043.

Sherson, D, I Hansen e T Sigsgaard. 1989. Sintomas respiratórios ocupacionalmente relacionados em trabalhadores do processamento de trutas. Alergia 44:336-341.

Stem, C, DD Joshi e M Orlic. 1995. Redução das Emissões de Metano de Ruminantes: Estudo de pré-viabilidade do Nepal. Washington, DC: Agência de Proteção Ambiental dos EUA, Divisão de Mudança Global.

Adoçar, JM. 1995. Tecnologia e aplicações de medição de odor: uma revisão de última geração. No Sétimo Simpósio Internacional sobre Resíduos Agrícolas e Processamento de Alimentos: Anais do 7º Simpósio Internacional, editado por CC Ross. Sociedade Americana de Engenharia Agrícola.

Tannahill, R. 1973. Food in History. Nova York: Stein and Day.

Thorne, PS, KJ Donham, J Dosman, P Jagielo, JA Merchant e S Von Essen. 1996. Saúde ocupacional. In Understanding the Impacts of Large-scale Swine Production, editado por KM Thu, D Mcmillan e J Venzke. Iowa City, IA: Universidade de Iowa.

Turner, F e PJ Nichols. 1995. Papel do epitélio na resposta das vias aéreas. Resumo da 19ª Conferência de Pesquisa sobre Algodão e Outras Poeiras Orgânicas, 6 a 7 de janeiro, San Antonio, TX.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 1996. Agricultura Urbana: Alimentos, Empregos e Cidades Sustentáveis. Nova York: PNUD.

Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). 1992. Manual de Campo de Gestão de Resíduos Agrícolas. Washington, DC: USDA Soil Conservation Service.

—. 1996a. Pecuária e Aves: Mercados e Comércio Mundiais. Circular Série FL&P 1-96. Washington DC: Serviço Agrícola Estrangeiro do USDA.

—. 1996b. Laticínios: Mercados e Comércio Mundiais. Série Circular FD 1-96. Washington DC: Serviço Agrícola Estrangeiro do USDA.

—. 1997. Produção e Valor de Aves, Resumo de 1996. Washington, DC: Serviço Nacional de Estatísticas Agrícolas.

van Hage-Hamsten, M, S Johansson e S Hogland. 1985. A alergia a ácaros de armazenamento é comum em uma população agrícola. Clin Allergy 15:555-564.

Vivian, J. 1986. Mantendo Abelhas. Charlotte, VT: Williamson Publishing.

Waller, J.A. 1992. Lesões a fazendeiros e famílias de fazendeiros em um estado leiteiro. J Occup Med 34:414-421.

Yang, N. 1995. Pesquisa e desenvolvimento de tração de búfalo para agricultura na China. Pecuária Asiática XX:20-24.

Zhou, C e JM Roseman. 1995. Lesões residuais relacionadas à agricultura: Prevalência, tipo e fatores associados entre operadores de fazendas do Alabama, 1990. Journal of Rural Health 11:251-258.

Zuehlke, RL, CF Mutel e KJ Donham. 1980. Doenças dos Trabalhadores Agrícolas. Iowa City, IA: Departamento de Medicina Preventiva e Saúde Ambiental, Universidade de Iowa.