Segunda-feira, 28 Março 2011 19: 15

Tratamento de Estrume e Resíduos

Classifique este artigo
(0 votos)

A importância da gestão de resíduos aumentou à medida que a intensidade da produção agrícola nas fazendas aumentou. Os resíduos da produção pecuária são dominados pelo esterco, mas também incluem cama e cama, ração desperdiçada, água e solo. A Tabela 1 lista algumas características relevantes do esterco; dejetos humanos são incluídos tanto para comparação quanto porque também devem ser tratados em uma fazenda. O alto teor orgânico do esterco fornece um excelente meio de crescimento para bactérias. A atividade metabólica das bactérias consumirá oxigênio e manterá o esterco armazenado a granel em um estado anaeróbico. A atividade metabólica anaeróbica pode produzir vários subprodutos gasosos tóxicos bem conhecidos, incluindo dióxido de carbono, metano, sulfeto de hidrogênio e amônia.

Tabela 1. Propriedades físicas do esterco excretadas por dia por 1,000 libras de peso animal, excluindo a umidade.

 

Peso (lb)

Volume (pés3)

Voláteis (lb)

Umidade (%)


       

Como excretado

Como armazenado

Vaca leiteira

80-85

1.3

1.4-1.5

85-90

> 98

vaca de corte

51-63

0.8-1.0

5.4-6.4

87-89

45-55

Porco (criador)

63

1.0

5.4

90

91

Semear (gestação)

27

0.44

2.1

91

97

Porca e leitões

68

1.1

6.0

90

96

Galinhas poedeiras

60

0.93

10.8

75

50

Frangos

80

1.3

15.

75

24

Perus

44

0.69

9.7

75

34

Cordeiro (ovelha)

40

0.63

8.3

75

-

Pessoas

30

0.55

1.9

89

99.5

Fonte: USDA 1992.

Processos Gerenciais

A gestão do estrume envolve a sua recolha, uma ou mais operações de transferência, armazenamento e/ou tratamento opcional e eventual utilização. O teor de umidade do esterco listado na tabela 1 determina sua consistência. Resíduos de diferentes consistências requerem diferentes técnicas de gerenciamento e, portanto, podem apresentar diferentes riscos à saúde e segurança (USDA 1992). O volume reduzido de esterco sólido ou de baixa umidade geralmente permite menores custos de equipamentos e requisitos de energia, mas os sistemas de manuseio não são facilmente automatizados. A coleta, transferência e quaisquer tratamentos opcionais de resíduos líquidos são mais facilmente automatizados e requerem menos atenção diária. O armazenamento de estrume torna-se cada vez mais obrigatório à medida que aumenta a variabilidade sazonal das culturas locais; o método de armazenamento deve ser dimensionado para atender a taxa de produção e cronograma de utilização, evitando danos ambientais, especialmente por escoamento de água. As opções de utilização incluem o uso como nutrientes para plantas, cobertura morta, ração animal, cama ou uma fonte para produzir energia.

Produção de estrume

As vacas leiteiras são normalmente criadas em pastagens, exceto quando em áreas de espera para pré e pós-ordenha e durante os extremos sazonais. O uso de água para limpeza nas operações de ordenha pode variar de 5 a 10 galões por dia por vaca, onde não é praticada a descarga de dejetos, a 150 galões por dia por vaca onde é. Portanto, o método utilizado para a limpeza tem forte influência no método escolhido para o transporte, armazenamento e utilização do esterco. Como o manejo do gado de corte requer menos água, o esterco bovino é mais frequentemente tratado como sólido ou semi-sólido. A compostagem é um método comum de armazenamento e tratamento para esses resíduos secos. O padrão de precipitação local também influencia fortemente o esquema de gerenciamento de resíduos preferido. Confinamentos excessivamente secos tendem a produzir um problema de poeira e odor a favor do vento.

Os maiores problemas para os suínos criados em pastagens tradicionais são o controle do escoamento superficial e da erosão do solo devido à natureza gregária dos porcos. Uma alternativa é a construção de galpões semifechados com lotes pavimentados, o que também facilita a separação de dejetos sólidos e líquidos; os sólidos requerem algumas operações de transferência manual, mas os líquidos podem ser manuseados por fluxo de gravidade. Os sistemas de tratamento de resíduos para edifícios de produção totalmente fechados são projetados para coletar e armazenar resíduos automaticamente em uma forma em grande parte líquida. O gado brincando com seus bebedouros pode aumentar os volumes de dejetos suínos. O armazenamento de esterco geralmente é feito em poços anaeróbicos ou lagoas.

As instalações avícolas são geralmente divididas em produção de carne (perus e frangos de corte) e produção de ovos (poedeiras). Os primeiros são criados diretamente na cama preparada, que mantém o esterco em estado relativamente seco (25 a 35% de umidade); a única operação de transferência é a remoção mecânica, geralmente apenas uma vez por ano, e o transporte direto para o campo. As poedeiras são alojadas em gaiolas empilhadas sem cama; seu esterco pode ser coletado em pilhas profundas para remoção mecânica pouco frequente ou ser automaticamente lavado ou raspado em forma líquida, muito parecido com o esterco suíno.

A consistência dos resíduos da maioria dos outros animais, como ovelhas, cabras e cavalos, é bastante sólida; a maior exceção são os vitelos de corte, devido à sua dieta líquida. Os dejetos de cavalos contêm uma alta fração de cama e podem conter parasitas internos, o que limita sua utilização em pastagens. Resíduos de pequenos animais, roedores e aves podem conter organismos causadores de doenças que podem ser transmitidas aos seres humanos. No entanto, estudos mostraram que as bactérias fecais não sobrevivem na forragem (Bell, Wilson e Dew 1976).

Riscos de armazenamento

As instalações de armazenamento de resíduos sólidos ainda devem controlar o escoamento da água e a lixiviação para as águas superficiais e subterrâneas. Assim, devem ser blocos ou fossas pavimentadas (que podem ser lagoas sazonais) ou recintos cobertos.

O armazenamento de líquidos e lamas é basicamente limitado a lagoas, lagoas, poços ou tanques abaixo ou acima do solo. O armazenamento de longo prazo coincide com o tratamento no local, geralmente por digestão anaeróbica. A digestão anaeróbia reduzirá os sólidos voláteis indicados na tabela 1, o que também reduz os odores provenientes de uma eventual utilização. Instalações subterrâneas desprotegidas podem levar a lesões ou mortes por entradas e quedas acidentais (Knoblauch et al. 1996).

A transferência de esterco líquido apresenta um risco altamente variável de mercaptanos produzidos por digestão anaeróbica. Os mercaptanos (gases contendo enxofre) demonstraram ser os principais contribuintes para o odor do estrume e são todos bastante tóxicos (Banwart e Brenner 1975). Talvez o mais perigoso dos efeitos do H2S mostrado na tabela 2 é sua capacidade insidiosa de paralisar o sentido do olfato na faixa de 50 a 100 ppm, removendo a capacidade sensorial de detectar níveis tóxicos mais altos e rápidos. O armazenamento líquido por apenas 1 semana é suficiente para iniciar a produção anaeróbica de mercaptanas tóxicas. Acredita-se que as principais diferenças nas taxas de geração de gás de estrume a longo prazo sejam devidas a variações descontroladas nas diferenças químicas e físicas no esterco armazenado, como temperatura, pH, amônia e carga orgânica (Donham, Yeggy e Dauge 1985).

 

Tabela 2. Algumas referências toxicológicas importantes para sulfeto de hidrogênio (H2S)

Referência fisiológica ou regulatória

Partes por milhão (ppm)

Limite de detecção de odor (cheiro de ovo podre)

.01 – .1

Odor ofensivo

3-5

TLV-TWA = limite de exposição recomendado

10

TLV-STEL = limite de exposição recomendado de 15 minutos

15

Paralisia olfativa (não pode ser cheirado)

50-100

Bronquite (tosse seca)

100-150

IDLH (pneumonite e edema pulmonar)

100

Parada respiratória rápida (morte em 1–3 respirações)

1,000-2,000

TLV-TWA = Valores limite de limiar – Média ponderada no tempo; STEL = Nível de exposição de curto prazo; IDLH = Imediatamente perigoso à vida e à saúde.

A liberação normalmente lenta desses gases durante o armazenamento aumenta muito se a pasta for agitada para ressuspender o lodo que se acumula no fundo. H2Concentrações de S de 300 ppm foram relatadas (Panti e Clark 1991), e 1,500 ppm foram medidos durante a agitação do esterco líquido. As taxas de liberação de gás durante a agitação são muito grandes para serem controladas pela ventilação. É muito importante perceber que a digestão anaeróbica natural é descontrolada e, portanto, altamente variável. A frequência de superexposições graves e fatais pode ser prevista estatisticamente, mas não em qualquer local ou momento individual. Uma pesquisa com produtores de leite na Suíça relatou uma frequência de cerca de um acidente com gás de esterco por 1,000 pessoas-ano (Knoblauch et al. 1996). Precauções de segurança são necessárias cada vez que a agitação é planejada para evitar o evento excepcionalmente perigoso. Se o operador não agitar, o lodo se acumulará até que seja necessário removê-lo mecanicamente. Esse lodo deve ser deixado para secar antes que alguém entre fisicamente em um poço fechado. Deve haver um programa escrito de espaço confinado.

Alternativas raramente usadas para lagoas anaeróbicas incluem uma lagoa aeróbica, uma lagoa facultativa (uma que usa bactérias que podem crescer sob condições aeróbicas e anaeróbicas), secagem (desaguamento), compostagem ou um digestor anaeróbico para biogás (USDA 1992). As condições aeróbicas podem ser criadas mantendo a profundidade do líquido não superior a 60 a 150 cm ou por aeração mecânica. A aeração natural ocupa mais espaço; a aeração mecânica é mais cara, assim como as bombas de circulação de uma lagoa facultativa. A compostagem pode ser realizada em leiras (fileiras de esterco que devem ser reviradas a cada 2 a 10 dias), uma pilha estática mas aerada ou um recipiente especialmente construído. O alto teor de nitrogênio do estrume deve ser reduzido misturando-se uma emenda de alto carbono que apoiará o crescimento microbiano termofílico necessário para a compostagem para controlar odores e remover patógenos. A compostagem é um método econômico de tratamento de carcaças pequenas, se as leis locais permitirem. Consulte também o artigo “Operações de eliminação de resíduos” em outra parte deste enciclopédia. Se uma usina de processamento ou descarte não estiver disponível, outras opções incluem incineração ou enterro. Seu tratamento imediato é importante para controlar a doença do rebanho. Resíduos de suínos e aves são particularmente passíveis de produção de metano, mas esta técnica de utilização não é amplamente adotada.

Crostas grossas podem se formar sobre o estrume líquido e parecer sólidas. Um trabalhador pode andar sobre esta crosta e romper e se afogar. Os trabalhadores também podem escorregar e cair no esterco líquido e se afogar. É importante manter o equipamento de resgate próximo ao local de armazenamento de dejetos líquidos e evitar trabalhar sozinho. Alguns gases de esterco, como o metano, são explosivos, e sinais de “proibido fumar” devem ser afixados dentro ou ao redor do prédio de armazenamento de esterco (Deere & Co. 1994).

Riscos de aplicação

A transferência e a utilização de esterco seco podem ser feitas manualmente ou com auxílios mecânicos, como uma carregadeira frontal, uma carregadeira de direção deslizante e um espalhador de esterco, cada um dos quais apresenta um risco à segurança. O estrume é espalhado na terra como fertilizante. Os espalhadores de esterco geralmente são puxados por um trator e acionados por uma tomada de força (PTO) do trator. Eles são classificados em um dos quatro tipos: tipo caixa com batedores traseiros, mangual, tanque em V com descarga lateral e tanque fechado. Os dois primeiros são usados ​​para aplicar adubo sólido; o espalhador V-tank é usado para aplicar esterco líquido, chorume ou sólido; e o espalhador de tanque fechado é usado para aplicar adubo líquido. Os espalhadores jogam o esterco em grandes áreas, seja na parte traseira ou nas laterais. Os perigos incluem o maquinário, queda de objetos, poeira e aerossóis. Vários procedimentos de segurança estão listados na tabela 3.

 


Tabela 3. Alguns procedimentos de segurança relacionados aos espalhadores de esterco

 

1. Somente uma pessoa deve operar a máquina para evitar ativação inadvertida por outra pessoa.

2. Mantenha os trabalhadores afastados de tomadas de força ativas (PTOs), batedores, brocas e expulsores.

3. Faça a manutenção de todas as proteções e blindagens.

4. Mantenha as pessoas afastadas da parte traseira e lateral do espalhador, que podem projetar objetos pesados ​​misturados ao estrume a uma distância de até 30 m.

5. Evite operações de desconexão perigosas evitando o entupimento do espalhador:

  • Mantenha pedras, tábuas e outros objetos fora do espalhador.
  • Em tempo de congelamento, certifique-se de que os manguais e as correntes nos espalhadores do tipo mangual estejam soltos e descongelados antes da operação.
  • Mantenha as correntes e os batedores nos espalhadores do tipo batedor em bom estado de funcionamento, substituindo as correntes esticadas e evitando deixar cair cargas de estrume congelado nas correntes do espalhador.
  • Nunca entre em um espalhador em operação para limpá-lo.
  • Mantenha o sem-fim de descarga e o expeller de descarga nos espalhadores V-tank para que operem livremente.
  • Em tempo frio, limpe o interior do espalhador para que o esterco úmido não congele as partes móveis.

 

6. Use boas práticas de segurança do trator e da tomada de força.

7. Certifique-se de que a válvula de alívio nos espalhadores de tanque fechado esteja funcionando para evitar pressões excessivas.

8. Ao desenganchar o distribuidor do trator, certifique-se de que o macaco que suporta o peso da lingueta do distribuidor esteja seguro e travado para evitar que o distribuidor caia.

9. Quando o espalhador estiver criando poeira ou aerossóis no ar, use proteção respiratória.

Fonte: Deere & Co. 1994.


 

 

Voltar

Leia 6183 vezes Última modificação em quinta-feira, 27 de outubro de 2011 21:31

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências Pecuárias

Aldhous, P. 1996. A teoria do Scrapie alimentou a complacência da BSE, agora cresce o medo de bebês ainda não nascidos. Novo Cientista 150:4-5.

Ahlgren, GH. 1956. Culturas forrageiras. Nova York: McGraw-Hill Book Co.

Conferência Americana de Higienistas Industriais Governamentais (ACGIH). 1994. Valores Limite para Substâncias Químicas e Agentes Físicos e Índices de Exposição Biológica. Cincinnati, OH: ACGIH.

Auty, JH. 1983. Projeto de força animal na Austrália. Pecuária Asiática VIII:83-84.

Banwart, WC e JM Brenner. 1975. Identificação de gases sulfurosos evoluídos a partir de estrumes animais. J Environ Qual 4:363-366.

Baxter, PJ. 1991. Algas marinhas e de água doce tóxicas: um risco ocupacional? Br J Ind Med 48(8):505-506.

Bell, RG, DB Wilson e EJ Dew. 1976. Cobertura de estrume de confinamento para pastagem irrigada: Boa prática agrícola ou um perigo para a saúde? B Environ Contam Tox 16:536-540.

Benenson, AS. 1990. Controle de Doenças Transmissíveis no Homem. Washington, DC: Associação Americana de Saúde Pública.

—. 1995. Manual de Controle de Doenças Transmissíveis. Washington, DC: Associação Americana de Saúde Pública.

Brown, LR. 1995. A produção de carne dá um salto. In Vital Signs 1995: The Trends that are Shaping our Future, editado por LR Brown, N Lenssen e H Kane. Nova York: WW Norton & Company.

Bursey, RG. 1992. Novos usos de produtos lácteos. Em Novas Culturas, Novos Usos, Novos Mercados: Produtos Industriais e Comerciais da Agricultura dos Estados Unidos: 1992 Yearbook of Agriculture. Washington, DC: USDA.

Calandruccio, RA, JH Powers. 1949. Acidentes agrícolas: Um estudo clínico e estatístico cobrindo vinte anos. Am Surg (novembro): 652-660.

Cameron, D e C Bishop. 1992. Acidentes agrícolas em adultos. Br Med J 305:25-26.

Caras, RA. 1996. Uma harmonia perfeita: as vidas entrelaçadas de animais e humanos ao longo da história. Nova York: Simon & Schuster.

Carstensen, O, J Lauritsen e K Rasmussen. 1995. Estudo de West-Justland sobre prevenção de acidentes agrícolas, Fase 1: Um estudo de fatores específicos do trabalho em 257 lesões agrícolas tratadas em hospital. Journal of Agricultural Safety and Health 1:231-239.

Chatterjee, A, D Chattopadhyay, D Bhattacharya, Ak Dutta e DN Sen Gupta. 1980. Alguns aspectos epidemiológicos da dermatofitose zoofílica. Jornal Internacional de Zoonoses 7(1):19-33.

Cherry, JP, SH Fearirheller, TA Foglis, GJ Piazza, G Maerker, JH Woychik e M Komanowski. 1992. Usos inovadores de subprodutos animais. Em Novas Culturas, Novos Usos, Novos Mercados: Produtos Industriais e Comerciais da Agricultura dos Estados Unidos: 1992 Yearbook of Agriculture. Washington, DC: USDA.

Crowley, M. 1995. Tendências e tecnologia da aquicultura. Pescador Nacional 76:18-19.

Deere & Co. 1994. Gerenciamento de segurança em fazendas e ranchos. Moline, IL: Deere & Co.

DeFoliart, GR. 1992. Insetos como alimentos humanos. Proteção de Culturas 11:395-399.

DONHAM, KJ. 1985. Doenças zoonóticas de importância ocupacional na agricultura: Uma revisão. International Journal of Zoonoses 12:163-191.

—. 1986. Agentes perigosos em poeiras agrícolas e métodos de avaliação. Am J Ind Med 10:205-220.

Donham, KJ e LW Knapp. 1982. Exposição tóxica aguda a gases de estrume líquido. J Ocupa Med 24:142-145

Donham, KJ e SJ Reynolds. 1995. Disfunção respiratória em trabalhadores da produção de suínos: relação dose-resposta de exposições ambientais e função pulmonar. Am J Ind Med 27:405-418.

Donham, KJ e L Scallon. 1985. Caracterização de poeiras coletadas de instalações de confinamento de suínos. Am Ind Hyg Assoc J 46:658-661.

Donham, KJ e KM Qui. 1995. Medicina agrícola e saúde ambiental: O componente que faltava no movimento agrícola sustentável. Em Agricultural health and safety: Workplace, Environment, Sustainability, editado por HH McDuffie, JA Dosman, KM Semchuk, SA Olenchock e A Senthilselvan. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Donham, KJ, MJ Rubino, TD Thedell e J Kammenmeyer. 1977. Riscos potenciais à saúde dos trabalhadores em instalações de confinamento de suínos. J Occup Med 19:383-387.

Donham, KJ, J Yeggy e RR Dauge. 1985. Parâmetros químicos e físicos de dejetos líquidos de instalações de confinamento de suínos: implicações para a saúde dos trabalhadores, suínos e meio ambiente. Resíduos Agrícolas 14:97-113.

—. 1988. Taxas de produção de gases tóxicos a partir de esterco líquido: Implicações para a saúde de trabalhadores e animais em instalações de suínos. Resíduos biológicos 24:161-173.

Donham, KJ, DC Zavala e JA Merchant. 1984. Efeitos agudos do ambiente de trabalho nas funções pulmonares de trabalhadores de confinamento de suínos. Am J Ind Med 5:367-375.

Dosman, JA, BL Graham, D Hall, P Pahwa, H McDuffie, M Lucewicz e T To. 1988. Sintomas respiratórios e alterações nos testes de função pulmonar em produtores de suínos em Saskatchewan: Resultados de uma pesquisa com fazendeiros. J Occ Med 30:715-720.

Douglas, JD. 1995. Cultivo de salmão: saúde ocupacional em uma nova indústria rural. Ocupa Med 45:89-92.

Douglas, JDM e AH Milne. 1991. Doença de descompressão em trabalhadores de piscicultura: um novo risco ocupacional. Br Med J 302:1244-1245.

Durning, AT e HB Brough. 1992. Reforma da economia pecuária. In State of the World, editado por LR Brown. Londres: WW Norton & Company.

Erlich, SM, TR Driscoll, JE Harrison, MS Frommer e J Leight. 1993. Fatalidades agrícolas relacionadas ao trabalho na Austrália, 1982-1984. Scand J Work Environ Health 19:162-167.

Feddes, JJR e ​​EM Barber. 1994. Soluções de engenharia agrícola para problemas de contaminantes do ar em silos agrícolas e instalações para animais. Em Saúde e Segurança Agrícola: Local de Trabalho, Meio Ambiente, Sustentabilidade, editado por HH McDuffie, JA Dosman, KM Semchuk, SA Olenchock e A Senthilselvan. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Ferguson, IR e LRC Path. 1993. Ratos, peixes e doença de Weil. Profissional de Segurança e Saúde: 12-16.

Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). 1965. Implementos agrícolas para regiões áridas e tropicais. Roma: FAO.

—. 1995. O Estado da Pesca e Aquicultura Mundial. Roma: FAO.

Fretz, P. 1989. Lesões causadas por animais de fazenda. Em Princípios de Saúde e Segurança na Agricultura, editado por JA Dosman e DW Crockcroft. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Froehlich, PA. 1995. Observações de controle de engenharia e recomendações para instalações de criação de insetos. Cincinnati, OH: NIOSH.

Gillespie, Jr. 1997. Produção Moderna de Pecuária e Aves. Nova York: Delmar Publishers.

Gorhe, DS. 1983. Projeto de força animal vs mecanização. Pecuária Asiática VIII:90-91.

Haglind, M e R Rylander. 1987. Exposição ocupacional e medições da função pulmonar entre trabalhadores em instalações de confinamento de suínos. J Occup Med 29:904-907.

Harries, MG e O Cromwell. 1982. Alergia ocupacional causada por alergia à urina de porco. Br Med J 284:867.

Heederick, D, R Brouwer, K Biersteker e J. Boleij. Relação dos níveis de endotoxinas e bactérias no ar em fazendas de suínos com a função pulmonar e sintomas respiratórios dos criadores. Intl Arch Occup Health 62:595-601.

Hogan, DJ e P Lane. 1986. Distúrbios dermatológicos na agricultura. Occup Med: State Art Rev 1:285-300.

Holness, DL, EL O'Glenis, A Sass-Kortsak, C Pilger e J Nethercott. 1987. Efeitos respiratórios e exposições à poeira na criação de suínos em confinamento. Am J Ind Med 11:571-580.

Holness, DL e JR Nethercott. 1994. Trauma agudo e crônico em suinocultores. Em Agricultural Health and Safety: Workplace, Environment, Sustainability, editado por HH McDuffie, JA Dosman, KM Semchuk, SA Olenchock e A Senthilselvan. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Departamento de Saúde Pública de Iowa. 1995. Sentinel Project Research Agricultural Injury Notification System. Des Moines, IA: Departamento de Saúde Pública de Iowa.

Iverson, M, R Dahl, J. Korsgaard, T Hallas e EJ Jensen. 1988. Sintomas respiratórios em agricultores dinamarqueses: Um estudo epidemiológico de fatores de risco. Thorax 48:872-877.

Johnson, S.A. 1982. Bichos-da-seda. Minneapolis, MN: Lerner Publications.

Jones, W, K Morring, SA Olenchock, T Williams e J. Hickey. 1984. Estudo ambiental de edifícios de confinamento de aves. Am Ind Hyg Assoc J 45:760-766.

Joshi, DD. 1983. Projeto de força animal para produção de alimentos no Nepal. Pecuária Asiática VIII:86-87.

Ker, A. 1995. Sistemas Agrícolas na Savana Africana. Ottawa, Canadá: IDRC Books.

Khan, MH. 1983. Animal como fonte de energia na agricultura asiática. Pecuária Asiática VIII:78-79.

Kiefer, M. 1996. Departamento de Agricultura da Flórida e Divisão de Serviços ao Consumidor da Indústria Vegetal, Gainesville, Flórida. Cincinnati, OH: NIOSH.

Knoblauch, A, B Steiner, S Bachmann, G Trachsler, R Burgheer e J Osterwalder. 1996. Acidentes relacionados ao esterco no leste da Suíça: um estudo epidemiológico. Occup Environ Med 53:577-582.

Kok, R, K Lomaliza e US Shivhare. 1988. O projeto e desempenho de uma fazenda de insetos/reator químico para produção de alimentos humanos. Canadian Agricultural Engineering 30:307-317.

Kuo, C e MCM Beveridge. 1990. Maricultura: Problemas biológicos e de manejo e possíveis soluções de engenharia. Em Engenharia para Piscicultura Offshore. Londres: Thomas Telford.

Layde, PM, DL Nordstrom, D Stueland, LB Wittman, MA Follen e KA Olsen. 1996. Lesões ocupacionais relacionadas a animais em residentes de fazendas. Jornal de Segurança e Saúde Agrícola 2:27-37.

Leistikow, B Donham, JA Merchant e S Leonard. 1989. Avaliação do risco respiratório do trabalhador avícola dos EUA. Am J Ind Med 17:73-74.

Lenhart, SW. 1984. Fontes de insulto respiratório na indústria de processamento de aves. Am J Ind Med 6:89-96.

Lincoln, JM e ML Klatt. 1994. Prevenção de Afogamentos de Pescadores Comerciais. Anchorage, AK: NIOSH.

MacDiarmid, SC. 1993. Análise de risco e importação de animais e produtos de origem animal. Rev Sci Tech 12:1093-1107.

Marx, J, J Twiggs, B Ault, J Merchant e E Fernandez-Caldas. 1993. Aeroalérgeno inalado e reatividade de ácaros de armazenamento em um estudo de caso-controle aninhado de fazendeiro de Wisconsin. Am Rev Respira Dis 147:354-358.

Mathias, CGT. 1989. Epidemiologia da doença de pele ocupacional na agricultura. Em Principles of Health and Safety in Aagriculture, editado por JA Dosman e DW Cockroft. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Meadows, R. 1995. Legado pecuário. Environ Health Persp 103:1096-1100.

MEYERS, JR. 1997. Lesões entre Trabalhadores Agrícolas nos Estados Unidos, 1993. DHHS (NIOSH) Publicação No. 97-115. Cincinnati, OH: NIOSH.

Mullan, RJ e LI Murthy. 1991. Eventos de saúde sentinela ocupacional: uma lista atualizada para reconhecimento médico e vigilância em saúde pública. Am J Ind Med 19:775-799.

Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1993. Lesões entre Trabalhadores Agrícolas nos Estados Unidos. Cincinnati, OH: NIOSH.

—. 1994. Pedido de Assistência na Prevenção da Síndrome Tóxica da Poeira Orgânica. Washington, DC: GPO.

Institutos Nacionais de Saúde (NIH). 1988. Manual do Administrador Institucional para Cuidados e Uso de Animais de Laboratório. Washington, DC: GPO.

Conselho Nacional de Pesquisa (NRC). 1989. Agricultura Alternativa: Comitê sobre o Papel dos Métodos Alternativos de Agricultura na Produção Agrícola Moderna. Washington, DC: National Academy Press.

Conselho Nacional de Segurança. 1982. Fatos do acidente. Chicago, IL: Conselho Nacional de Segurança.

—. 1985. Pesca elétrica. Folha de dados NSC I-696-85. Chicago, IL: Conselho Nacional de Segurança.

Nesheim, MC, RE Austic e LE Card. 1979. Produção de Aves. Filadélfia, PA: Lea e Febiger.

Olenchock, S, J May, D Pratt, L Piacitelli e J Parker. 1990. Presença de endotoxinas em diferentes ambientes agrícolas. Am J Ind Med 18:279-284.

O'Toole, C. 1995. Alien Empire. Nova York: Harper Collins Publishers.

Orlic, M e RA Leng. 1992. Proposta Preliminar para Ajudar Bangladesh a Melhorar a Produtividade do Gado Ruminante e Reduzir as Emissões de Metano. Washington, DC: Agência de Proteção Ambiental dos EUA, Divisão de Mudança Global.

Panti, NK e SP Clark. 1991. Condições perigosas transitórias na criação de animais devido à liberação de gás de esterco durante a mistura do chorume. Engenharia Aplicada na Agricultura 7:478-484.

Platt, AE. 1995. A aquicultura impulsiona a pesca. In Vital Signs 1995: The Trends that Are Shaping our Future, editado por LR Brown, N Lenssen e H Kane. Nova York: WW Norton & Company.

Pursel, VG, CE Rexroad e RJ Wall. 1992. A biotecnologia de Barnyard pode em breve produzir novas terapêuticas médicas. Em Novas Culturas, Novos Usos, Novos Mercados: Produtos Industriais e Comerciais da Agricultura dos EUA: 1992 Anuário da Agricultura Washington, DC: USDA.

Ramaswami, NS e GL Narasimhan. 1982. Um caso para aumentar a força animal de tração. Kurushetra (India's Journal for Rural Development) 30:4.

Reynolds, SJ, KJ Donham, P Whitten, JA Merchant, LF Burmeister e WJ Popendorf. 1996. Uma avaliação longitudinal das relações dose-resposta para exposições ambientais e função pulmonar em trabalhadores da produção de suínos. Am J Ind Med 29:33-40.

Robertson, MH, IR Clarke, JD Coghlan e ON Gill. 1981. Leptospirose em criadores de trutas. Lancet: 2(8247)626-627.

Robertson, TD, SA Ribeiro, S Zodrow e JV Breman. 1994. Avaliação da Suplementação Estratégica de Alimentos para Gado como uma Oportunidade de Geração de Renda para Pequenos Produtores de Laticínios e Redução das Emissões de Metano em Bangladesh. Washington, DC: Agência de Proteção Ambiental dos EUA.

Rylander, R. 1994. Sintomas e mecanismos: Inflamação do pulmão. Am J Ind Med 25:19-24.

Rylander, R, KJ Donham, C Hjort, R Brouwer e D Heederik. 1989. Efeitos da exposição à poeira em instalações de confinamento de suínos: um relatório do grupo de trabalho. Scand J Work Environ Health 15:309-312.

Rylander, R e N Essle. 1990. Hiperatividade brônquica entre produtores de suínos e leiteiros. Am J Ind Med 17:66-69.

Rylander, R, Y Peterson e KJ Donman. 1990. Questionário avaliando a exposição à poeira orgânica. Am J Ind Med 17:121-128.

Rylander, R e R Jacobs. 1994. Poeiras Orgânicas: Exposição, Efeitos e Prevenção. Chicago, IL: Lewis Publishing.
Safina, C. 1995. Os peixes ameaçados do mundo. Sci Am 272:46-53.

Scherf, BD. 1995. Lista Mundial de Observação para Diversidade de Animais Domésticos. Roma: FAO.

Schmidt, MJ. 1997. Elefantes de trabalho. Sci Am 279:82-87.

Schmidt, JO. 1992. Alergia a insetos venenosos. Em The Hive and the Honey Bee, editado por JM Graham. Hamilton: DaDant & Sons.

Shumacher, MJ e NB Egen. 1995. Significado das abelhas africanizadas na saúde pública. Arch Int Med 155:2038-2043.

Sherson, D, I Hansen e T Sigsgaard. 1989. Sintomas respiratórios ocupacionalmente relacionados em trabalhadores do processamento de trutas. Alergia 44:336-341.

Stem, C, DD Joshi e M Orlic. 1995. Redução das Emissões de Metano de Ruminantes: Estudo de pré-viabilidade do Nepal. Washington, DC: Agência de Proteção Ambiental dos EUA, Divisão de Mudança Global.

Adoçar, JM. 1995. Tecnologia e aplicações de medição de odor: uma revisão de última geração. No Sétimo Simpósio Internacional sobre Resíduos Agrícolas e Processamento de Alimentos: Anais do 7º Simpósio Internacional, editado por CC Ross. Sociedade Americana de Engenharia Agrícola.

Tannahill, R. 1973. Food in History. Nova York: Stein and Day.

Thorne, PS, KJ Donham, J Dosman, P Jagielo, JA Merchant e S Von Essen. 1996. Saúde ocupacional. In Understanding the Impacts of Large-scale Swine Production, editado por KM Thu, D Mcmillan e J Venzke. Iowa City, IA: Universidade de Iowa.

Turner, F e PJ Nichols. 1995. Papel do epitélio na resposta das vias aéreas. Resumo da 19ª Conferência de Pesquisa sobre Algodão e Outras Poeiras Orgânicas, 6 a 7 de janeiro, San Antonio, TX.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 1996. Agricultura Urbana: Alimentos, Empregos e Cidades Sustentáveis. Nova York: PNUD.

Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). 1992. Manual de Campo de Gestão de Resíduos Agrícolas. Washington, DC: USDA Soil Conservation Service.

—. 1996a. Pecuária e Aves: Mercados e Comércio Mundiais. Circular Série FL&P 1-96. Washington DC: Serviço Agrícola Estrangeiro do USDA.

—. 1996b. Laticínios: Mercados e Comércio Mundiais. Série Circular FD 1-96. Washington DC: Serviço Agrícola Estrangeiro do USDA.

—. 1997. Produção e Valor de Aves, Resumo de 1996. Washington, DC: Serviço Nacional de Estatísticas Agrícolas.

van Hage-Hamsten, M, S Johansson e S Hogland. 1985. A alergia a ácaros de armazenamento é comum em uma população agrícola. Clin Allergy 15:555-564.

Vivian, J. 1986. Mantendo Abelhas. Charlotte, VT: Williamson Publishing.

Waller, J.A. 1992. Lesões a fazendeiros e famílias de fazendeiros em um estado leiteiro. J Occup Med 34:414-421.

Yang, N. 1995. Pesquisa e desenvolvimento de tração de búfalo para agricultura na China. Pecuária Asiática XX:20-24.

Zhou, C e JM Roseman. 1995. Lesões residuais relacionadas à agricultura: Prevalência, tipo e fatores associados entre operadores de fazendas do Alabama, 1990. Journal of Rural Health 11:251-258.

Zuehlke, RL, CF Mutel e KJ Donham. 1980. Doenças dos Trabalhadores Agrícolas. Iowa City, IA: Departamento de Medicina Preventiva e Saúde Ambiental, Universidade de Iowa.