Segunda-feira, 28 Março 2011 19: 46

Piscicultura e Aquicultura

Classifique este artigo
(Voto 1)

Contexto

A criação de organismos marinhos para alimentação tem sido uma prática difundida desde os tempos antigos. No entanto, o cultivo em larga escala de moluscos, crustáceos e peixes ósseos ganhou força rapidamente desde o início da década de 1980, com 20% da colheita mundial de frutos do mar agora cultivada; isto é projetado para aumentar para 25% até 2000 (Douglas 1995; Crowley 1995). A expansão dos mercados mundiais concomitante ao esgotamento dos estoques silvestres resultou em um crescimento muito rápido dessa indústria.

A aquicultura terrestre ocorre em tanques e lagoas, enquanto os sistemas de cultura baseados em água geralmente empregam gaiolas com telas ou tanques-rede ancorados de designs amplamente variados (Kuo e Beveridge 1990) em água salgada (maricultura) ou rios frescos.

A aquicultura é realizada como uma prática extensiva ou intensiva. A aquicultura extensiva envolve alguma forma de melhoria ambiental para espécies de peixes, mariscos ou plantas aquáticas produzidas naturalmente. Um exemplo de tal prática seria colocar conchas de ostras para serem usadas como substrato de fixação para ostras juvenis. A aquicultura intensiva incorpora tecnologia mais complexa e investimento de capital na cultura de organismos aquáticos. Um incubatório de salmão que usa tanques de concreto abastecidos com água por meio de algum sistema de entrega é um exemplo. A aquicultura intensiva também exige maior alocação de mão de obra na operação.

O processo de aquicultura intensiva inclui a aquisição de reprodutores adultos utilizados para produção de gametas, coleta de gametas e fertilização, incubação de ovos e criação de juvenis; pode incluir a criação de adultos até o tamanho do mercado ou a liberação do organismo no meio ambiente. Aqui reside a diferença entre agricultura e aquicultura de melhoria. Cultivar significa criar o organismo para o tamanho do mercado, geralmente em um sistema fechado. A aquicultura para melhoramento requer a liberação do organismo no ambiente natural para ser colhido em uma data posterior. O papel essencial do melhoramento é produzir um organismo específico como suplemento à produção natural, não como substituto. A aquicultura também pode ser na forma de mitigação da perda de produção natural causada por um evento natural ou causado pelo homem - por exemplo, a construção de uma incubadora de salmão para substituir a produção natural perdida causada pelo represamento de um córrego para produção de energia hidrelétrica.

A aquicultura pode ocorrer em instalações terrestres, ambientes marinhos e de água doce no fundo e estruturas flutuantes. Os tanques-rede flutuantes são usados ​​para piscicultura, e gaiolas suspensas de jangada ou flutuação de bóias são comumente usadas para cultura de mariscos.

As operações terrestres requerem a construção de barragens e/ou escavação de poços para lagoas e canais para descarga de água. A maricultura pode envolver a construção e manutenção de estruturas complexas em ambientes hostis. Manipulação de smolt (para peixes ósseos) ou minúsculos invertebrados, alimentação, tratamentos químicos para água e os animais criados e resíduos evoluíram para atividades altamente especializadas à medida que a indústria se desenvolveu.

Perigos e controles

Lesões

As operações de piscicultura oferecem muitos riscos de lesões, combinando alguns daqueles comuns a todas as operações agrícolas modernas (por exemplo, emaranhamento em máquinas grandes, perda auditiva por exposição prolongada a motores barulhentos) com alguns perigos exclusivos dessas operações. Escorregadelas e quedas podem ter resultados particularmente ruins se ocorrerem perto de pistas de corrida ou cercados, pois há o duplo risco adicional de afogamento e contaminação biológica ou química da água poluída.

Lacerações severas e até mesmo amputações podem ocorrer durante a desfolha de ovas, abate de peixes e descasque de moluscos e podem ser evitadas com o uso de protetores, luvas de proteção e equipamentos projetados especificamente para cada tarefa. Lacerações contaminadas por limo e sangue de peixe podem causar infecções locais graves e até mesmo sistêmicas (“intoxicação por peixe”). A desinfecção e o desbridamento imediatos são essenciais para essas lesões.

A pesca elétrica (usada para atordoar peixes durante as contagens de pesquisa e cada vez mais na coleta de reprodutores em incubadoras) carrega um alto potencial de choque elétrico para os operadores e espectadores (Conselho Nacional de Segurança 1985) e deve ser feito apenas por operadores treinados, com pessoal treinado em ressuscitação cardiopulmonar (RCP) no local. Somente equipamentos projetados especificamente para operações de pesca elétrica na água devem ser empregados e atenção escrupulosa deve ser dada ao estabelecimento e manutenção de um bom isolamento e aterramento.

Toda a água apresenta riscos de afogamento, enquanto as águas frias representam o risco adicional de hipotermia. Imersões acidentais devido a quedas ao mar devem ser evitadas, assim como o potencial de enredamento ou aprisionamento em redes. Dispositivos de flutuação pessoal aprovados devem ser usados ​​por todos os trabalhadores o tempo todo na água ou perto dela, e alguma proteção térmica também deve ser usada ao trabalhar em águas frias (Lincoln e Klatt 1994). O pessoal da maricultura deve ser treinado em sobrevivência marinha e técnicas de resgate, bem como RCP.

Lesões por esforços repetitivos também podem ocorrer em operações de abate e alimentação manual e podem ser amplamente evitadas pela atenção à ergonomia (por meio de análise de tarefas e modificações de equipamentos conforme necessário) e rotações frequentes de tarefas de trabalhadores manuais. Os trabalhadores que desenvolverem sintomas de lesão por esforço repetitivo devem receber avaliação e tratamento imediatos e possível reatribuição.

A privação do sono pode ser um fator de risco para lesões em instalações de aquicultura que requerem trabalho intensivo durante um curto período de tempo (por exemplo, colheita de ovos em incubadoras de salmão).

Riscos para a saúde

O mergulho é freqüentemente necessário na construção e manutenção de viveiros. Previsivelmente, doenças descompressivas (“curvas”) foram observadas entre mergulhadores que não observaram cuidadosamente os limites de profundidade/tempo (“tabelas de mergulho”). Também há relatos de doença descompressiva ocorrendo em mergulhadores que observam esses limites, mas fazem muitos mergulhos curtos repetitivos; métodos alternativos (sem o uso de mergulhadores) devem ser desenvolvidos para limpar os peixes mortos e manter as baias (Douglas e Milne 1991). Quando o mergulho é considerado necessário, observar as tabelas de mergulho publicadas, evitar mergulhos repetitivos, sempre mergulhar com um segundo mergulhador (“mergulho em dupla”) e avaliação rápida de doenças semelhantes à descompressão para possível oxigenoterapia hiperbárica devem ser práticas regulares.

Intoxicações graves por organofosforados ocorreram em trabalhadores decorrentes do tratamento com pesticidas de piolhos do mar em salmão (Douglas 1995). Os algicidas utilizados para controlar as florações podem ser tóxicos para os trabalhadores, e as próprias algas tóxicas marinhas e de água doce podem oferecer riscos aos trabalhadores (Baxter 1991). Tratamentos de banho para infecções fúngicas em peixes podem usar formaldeído e outros agentes tóxicos (Douglas 1995). Os trabalhadores devem receber instrução adequada e alocação de tempo para o manuseio seguro de todos os produtos químicos agrícolas e práticas de higiene em torno de águas contaminadas.

Doenças respiratórias variando de rinite a broncoespasmo grave (sintomas semelhantes à asma) ocorreram devido à sensibilização a endotoxinas putativas de bactérias gram-negativas que contaminam trutas cultivadas durante operações de evisceração (Sherson, Hansen e Sigsgaard 1989), e pode ocorrer sensibilização respiratória a antibióticos em rações medicamentosas para peixes. A atenção cuidadosa à higiene pessoal, mantendo os frutos do mar limpos durante o abate e manuseio e proteção respiratória ajudará a evitar esses problemas. Os trabalhadores que desenvolverem sensibilidade devem evitar exposições subsequentes aos antígenos implicados. A imersão constante das mãos pode facilitar a sensibilização dérmica a produtos químicos agrícolas e proteínas estranhas (peixe). A prática higiênica e o uso de luvas apropriadas para a tarefa (como neoprene com punho, isolado e à prova d'água durante as operações de abate a frio) reduzirão esse risco.

Queimaduras solares e lesões cutâneas ceratóticas (crônicas) podem resultar da exposição à luz solar. O uso de chapéus, roupas adequadas e protetor solar devem ser de rigueur para todos os trabalhadores agrícolas ao ar livre.

Grandes quantidades de alimentos para peixes armazenados são frequentemente invadidas ou infestadas por ratos e outros roedores, representando um risco de leptospirose (doença de Weil). Os trabalhadores que lidam com alimentos para peixes devem estar atentos ao armazenamento de alimentos e ao controle de roedores e proteger a pele e as membranas mucosas esfoladas do contato com alimentos potencialmente contaminados e águas sujas de lagoas. Alimentos com contaminação conhecida com urina de rato devem ser manuseados como potencialmente infecciosos e descartados imediatamente (Ferguson e Path 1993; Benenson 1995; Robertson et al. 1981).

O eczema e a dermatite podem evoluir facilmente a partir da inflamação da pele macerada pelo contato constante com a água. Além disso, esta inflamação e as condições úmidas podem promover a reprodução de papillaviridae humanos, levando à rápida disseminação de verrugas cutâneas.Verruga vulgar). A melhor maneira de prevenir é manter as mãos o mais secas possível e usar luvas apropriadas. Os emolientes são úteis no tratamento de pequenas irritações cutâneas causadas pelo contato com a água, mas o tratamento tópico com corticosteroides ou cremes antibióticos (após avaliação por um médico) pode ser necessário se o tratamento inicial não for bem-sucedido.

Impactos ambientais

A demanda por água doce pode ser extremamente alta em todos esses sistemas, com estimativas centradas em 40,000 litros necessários para cada 0.5 kg de peixe ósseo criado até a maturidade (Crowley 1995). A recirculação com filtração pode reduzir muito a demanda, mas requer aplicação intensiva de novas tecnologias (por exemplo, zeólitas para atrair amônia).

Descargas de piscicultura podem incluir tantos resíduos fecais quanto de pequenas cidades, e as regulamentações estão se proliferando rapidamente para o controle dessas descargas (Crowley 1995).

O consumo de plâncton e krill e os efeitos colaterais da maricultura, como a proliferação de algas, podem levar a grandes perturbações no equilíbrio das espécies nos ecossistemas locais que cercam as fazendas de peixes.

 

Voltar

Leia 6778 vezes Última modificação em terça-feira, 28 de junho de 2011 11:12

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências Pecuárias

Aldhous, P. 1996. A teoria do Scrapie alimentou a complacência da BSE, agora cresce o medo de bebês ainda não nascidos. Novo Cientista 150:4-5.

Ahlgren, GH. 1956. Culturas forrageiras. Nova York: McGraw-Hill Book Co.

Conferência Americana de Higienistas Industriais Governamentais (ACGIH). 1994. Valores Limite para Substâncias Químicas e Agentes Físicos e Índices de Exposição Biológica. Cincinnati, OH: ACGIH.

Auty, JH. 1983. Projeto de força animal na Austrália. Pecuária Asiática VIII:83-84.

Banwart, WC e JM Brenner. 1975. Identificação de gases sulfurosos evoluídos a partir de estrumes animais. J Environ Qual 4:363-366.

Baxter, PJ. 1991. Algas marinhas e de água doce tóxicas: um risco ocupacional? Br J Ind Med 48(8):505-506.

Bell, RG, DB Wilson e EJ Dew. 1976. Cobertura de estrume de confinamento para pastagem irrigada: Boa prática agrícola ou um perigo para a saúde? B Environ Contam Tox 16:536-540.

Benenson, AS. 1990. Controle de Doenças Transmissíveis no Homem. Washington, DC: Associação Americana de Saúde Pública.

—. 1995. Manual de Controle de Doenças Transmissíveis. Washington, DC: Associação Americana de Saúde Pública.

Brown, LR. 1995. A produção de carne dá um salto. In Vital Signs 1995: The Trends that are Shaping our Future, editado por LR Brown, N Lenssen e H Kane. Nova York: WW Norton & Company.

Bursey, RG. 1992. Novos usos de produtos lácteos. Em Novas Culturas, Novos Usos, Novos Mercados: Produtos Industriais e Comerciais da Agricultura dos Estados Unidos: 1992 Yearbook of Agriculture. Washington, DC: USDA.

Calandruccio, RA, JH Powers. 1949. Acidentes agrícolas: Um estudo clínico e estatístico cobrindo vinte anos. Am Surg (novembro): 652-660.

Cameron, D e C Bishop. 1992. Acidentes agrícolas em adultos. Br Med J 305:25-26.

Caras, RA. 1996. Uma harmonia perfeita: as vidas entrelaçadas de animais e humanos ao longo da história. Nova York: Simon & Schuster.

Carstensen, O, J Lauritsen e K Rasmussen. 1995. Estudo de West-Justland sobre prevenção de acidentes agrícolas, Fase 1: Um estudo de fatores específicos do trabalho em 257 lesões agrícolas tratadas em hospital. Journal of Agricultural Safety and Health 1:231-239.

Chatterjee, A, D Chattopadhyay, D Bhattacharya, Ak Dutta e DN Sen Gupta. 1980. Alguns aspectos epidemiológicos da dermatofitose zoofílica. Jornal Internacional de Zoonoses 7(1):19-33.

Cherry, JP, SH Fearirheller, TA Foglis, GJ Piazza, G Maerker, JH Woychik e M Komanowski. 1992. Usos inovadores de subprodutos animais. Em Novas Culturas, Novos Usos, Novos Mercados: Produtos Industriais e Comerciais da Agricultura dos Estados Unidos: 1992 Yearbook of Agriculture. Washington, DC: USDA.

Crowley, M. 1995. Tendências e tecnologia da aquicultura. Pescador Nacional 76:18-19.

Deere & Co. 1994. Gerenciamento de segurança em fazendas e ranchos. Moline, IL: Deere & Co.

DeFoliart, GR. 1992. Insetos como alimentos humanos. Proteção de Culturas 11:395-399.

DONHAM, KJ. 1985. Doenças zoonóticas de importância ocupacional na agricultura: Uma revisão. International Journal of Zoonoses 12:163-191.

—. 1986. Agentes perigosos em poeiras agrícolas e métodos de avaliação. Am J Ind Med 10:205-220.

Donham, KJ e LW Knapp. 1982. Exposição tóxica aguda a gases de estrume líquido. J Ocupa Med 24:142-145

Donham, KJ e SJ Reynolds. 1995. Disfunção respiratória em trabalhadores da produção de suínos: relação dose-resposta de exposições ambientais e função pulmonar. Am J Ind Med 27:405-418.

Donham, KJ e L Scallon. 1985. Caracterização de poeiras coletadas de instalações de confinamento de suínos. Am Ind Hyg Assoc J 46:658-661.

Donham, KJ e KM Qui. 1995. Medicina agrícola e saúde ambiental: O componente que faltava no movimento agrícola sustentável. Em Agricultural health and safety: Workplace, Environment, Sustainability, editado por HH McDuffie, JA Dosman, KM Semchuk, SA Olenchock e A Senthilselvan. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Donham, KJ, MJ Rubino, TD Thedell e J Kammenmeyer. 1977. Riscos potenciais à saúde dos trabalhadores em instalações de confinamento de suínos. J Occup Med 19:383-387.

Donham, KJ, J Yeggy e RR Dauge. 1985. Parâmetros químicos e físicos de dejetos líquidos de instalações de confinamento de suínos: implicações para a saúde dos trabalhadores, suínos e meio ambiente. Resíduos Agrícolas 14:97-113.

—. 1988. Taxas de produção de gases tóxicos a partir de esterco líquido: Implicações para a saúde de trabalhadores e animais em instalações de suínos. Resíduos biológicos 24:161-173.

Donham, KJ, DC Zavala e JA Merchant. 1984. Efeitos agudos do ambiente de trabalho nas funções pulmonares de trabalhadores de confinamento de suínos. Am J Ind Med 5:367-375.

Dosman, JA, BL Graham, D Hall, P Pahwa, H McDuffie, M Lucewicz e T To. 1988. Sintomas respiratórios e alterações nos testes de função pulmonar em produtores de suínos em Saskatchewan: Resultados de uma pesquisa com fazendeiros. J Occ Med 30:715-720.

Douglas, JD. 1995. Cultivo de salmão: saúde ocupacional em uma nova indústria rural. Ocupa Med 45:89-92.

Douglas, JDM e AH Milne. 1991. Doença de descompressão em trabalhadores de piscicultura: um novo risco ocupacional. Br Med J 302:1244-1245.

Durning, AT e HB Brough. 1992. Reforma da economia pecuária. In State of the World, editado por LR Brown. Londres: WW Norton & Company.

Erlich, SM, TR Driscoll, JE Harrison, MS Frommer e J Leight. 1993. Fatalidades agrícolas relacionadas ao trabalho na Austrália, 1982-1984. Scand J Work Environ Health 19:162-167.

Feddes, JJR e ​​EM Barber. 1994. Soluções de engenharia agrícola para problemas de contaminantes do ar em silos agrícolas e instalações para animais. Em Saúde e Segurança Agrícola: Local de Trabalho, Meio Ambiente, Sustentabilidade, editado por HH McDuffie, JA Dosman, KM Semchuk, SA Olenchock e A Senthilselvan. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Ferguson, IR e LRC Path. 1993. Ratos, peixes e doença de Weil. Profissional de Segurança e Saúde: 12-16.

Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). 1965. Implementos agrícolas para regiões áridas e tropicais. Roma: FAO.

—. 1995. O Estado da Pesca e Aquicultura Mundial. Roma: FAO.

Fretz, P. 1989. Lesões causadas por animais de fazenda. Em Princípios de Saúde e Segurança na Agricultura, editado por JA Dosman e DW Crockcroft. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Froehlich, PA. 1995. Observações de controle de engenharia e recomendações para instalações de criação de insetos. Cincinnati, OH: NIOSH.

Gillespie, Jr. 1997. Produção Moderna de Pecuária e Aves. Nova York: Delmar Publishers.

Gorhe, DS. 1983. Projeto de força animal vs mecanização. Pecuária Asiática VIII:90-91.

Haglind, M e R Rylander. 1987. Exposição ocupacional e medições da função pulmonar entre trabalhadores em instalações de confinamento de suínos. J Occup Med 29:904-907.

Harries, MG e O Cromwell. 1982. Alergia ocupacional causada por alergia à urina de porco. Br Med J 284:867.

Heederick, D, R Brouwer, K Biersteker e J. Boleij. Relação dos níveis de endotoxinas e bactérias no ar em fazendas de suínos com a função pulmonar e sintomas respiratórios dos criadores. Intl Arch Occup Health 62:595-601.

Hogan, DJ e P Lane. 1986. Distúrbios dermatológicos na agricultura. Occup Med: State Art Rev 1:285-300.

Holness, DL, EL O'Glenis, A Sass-Kortsak, C Pilger e J Nethercott. 1987. Efeitos respiratórios e exposições à poeira na criação de suínos em confinamento. Am J Ind Med 11:571-580.

Holness, DL e JR Nethercott. 1994. Trauma agudo e crônico em suinocultores. Em Agricultural Health and Safety: Workplace, Environment, Sustainability, editado por HH McDuffie, JA Dosman, KM Semchuk, SA Olenchock e A Senthilselvan. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Departamento de Saúde Pública de Iowa. 1995. Sentinel Project Research Agricultural Injury Notification System. Des Moines, IA: Departamento de Saúde Pública de Iowa.

Iverson, M, R Dahl, J. Korsgaard, T Hallas e EJ Jensen. 1988. Sintomas respiratórios em agricultores dinamarqueses: Um estudo epidemiológico de fatores de risco. Thorax 48:872-877.

Johnson, S.A. 1982. Bichos-da-seda. Minneapolis, MN: Lerner Publications.

Jones, W, K Morring, SA Olenchock, T Williams e J. Hickey. 1984. Estudo ambiental de edifícios de confinamento de aves. Am Ind Hyg Assoc J 45:760-766.

Joshi, DD. 1983. Projeto de força animal para produção de alimentos no Nepal. Pecuária Asiática VIII:86-87.

Ker, A. 1995. Sistemas Agrícolas na Savana Africana. Ottawa, Canadá: IDRC Books.

Khan, MH. 1983. Animal como fonte de energia na agricultura asiática. Pecuária Asiática VIII:78-79.

Kiefer, M. 1996. Departamento de Agricultura da Flórida e Divisão de Serviços ao Consumidor da Indústria Vegetal, Gainesville, Flórida. Cincinnati, OH: NIOSH.

Knoblauch, A, B Steiner, S Bachmann, G Trachsler, R Burgheer e J Osterwalder. 1996. Acidentes relacionados ao esterco no leste da Suíça: um estudo epidemiológico. Occup Environ Med 53:577-582.

Kok, R, K Lomaliza e US Shivhare. 1988. O projeto e desempenho de uma fazenda de insetos/reator químico para produção de alimentos humanos. Canadian Agricultural Engineering 30:307-317.

Kuo, C e MCM Beveridge. 1990. Maricultura: Problemas biológicos e de manejo e possíveis soluções de engenharia. Em Engenharia para Piscicultura Offshore. Londres: Thomas Telford.

Layde, PM, DL Nordstrom, D Stueland, LB Wittman, MA Follen e KA Olsen. 1996. Lesões ocupacionais relacionadas a animais em residentes de fazendas. Jornal de Segurança e Saúde Agrícola 2:27-37.

Leistikow, B Donham, JA Merchant e S Leonard. 1989. Avaliação do risco respiratório do trabalhador avícola dos EUA. Am J Ind Med 17:73-74.

Lenhart, SW. 1984. Fontes de insulto respiratório na indústria de processamento de aves. Am J Ind Med 6:89-96.

Lincoln, JM e ML Klatt. 1994. Prevenção de Afogamentos de Pescadores Comerciais. Anchorage, AK: NIOSH.

MacDiarmid, SC. 1993. Análise de risco e importação de animais e produtos de origem animal. Rev Sci Tech 12:1093-1107.

Marx, J, J Twiggs, B Ault, J Merchant e E Fernandez-Caldas. 1993. Aeroalérgeno inalado e reatividade de ácaros de armazenamento em um estudo de caso-controle aninhado de fazendeiro de Wisconsin. Am Rev Respira Dis 147:354-358.

Mathias, CGT. 1989. Epidemiologia da doença de pele ocupacional na agricultura. Em Principles of Health and Safety in Aagriculture, editado por JA Dosman e DW Cockroft. Boca Raton, Flórida: CRC Press.

Meadows, R. 1995. Legado pecuário. Environ Health Persp 103:1096-1100.

MEYERS, JR. 1997. Lesões entre Trabalhadores Agrícolas nos Estados Unidos, 1993. DHHS (NIOSH) Publicação No. 97-115. Cincinnati, OH: NIOSH.

Mullan, RJ e LI Murthy. 1991. Eventos de saúde sentinela ocupacional: uma lista atualizada para reconhecimento médico e vigilância em saúde pública. Am J Ind Med 19:775-799.

Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH). 1993. Lesões entre Trabalhadores Agrícolas nos Estados Unidos. Cincinnati, OH: NIOSH.

—. 1994. Pedido de Assistência na Prevenção da Síndrome Tóxica da Poeira Orgânica. Washington, DC: GPO.

Institutos Nacionais de Saúde (NIH). 1988. Manual do Administrador Institucional para Cuidados e Uso de Animais de Laboratório. Washington, DC: GPO.

Conselho Nacional de Pesquisa (NRC). 1989. Agricultura Alternativa: Comitê sobre o Papel dos Métodos Alternativos de Agricultura na Produção Agrícola Moderna. Washington, DC: National Academy Press.

Conselho Nacional de Segurança. 1982. Fatos do acidente. Chicago, IL: Conselho Nacional de Segurança.

—. 1985. Pesca elétrica. Folha de dados NSC I-696-85. Chicago, IL: Conselho Nacional de Segurança.

Nesheim, MC, RE Austic e LE Card. 1979. Produção de Aves. Filadélfia, PA: Lea e Febiger.

Olenchock, S, J May, D Pratt, L Piacitelli e J Parker. 1990. Presença de endotoxinas em diferentes ambientes agrícolas. Am J Ind Med 18:279-284.

O'Toole, C. 1995. Alien Empire. Nova York: Harper Collins Publishers.

Orlic, M e RA Leng. 1992. Proposta Preliminar para Ajudar Bangladesh a Melhorar a Produtividade do Gado Ruminante e Reduzir as Emissões de Metano. Washington, DC: Agência de Proteção Ambiental dos EUA, Divisão de Mudança Global.

Panti, NK e SP Clark. 1991. Condições perigosas transitórias na criação de animais devido à liberação de gás de esterco durante a mistura do chorume. Engenharia Aplicada na Agricultura 7:478-484.

Platt, AE. 1995. A aquicultura impulsiona a pesca. In Vital Signs 1995: The Trends that Are Shaping our Future, editado por LR Brown, N Lenssen e H Kane. Nova York: WW Norton & Company.

Pursel, VG, CE Rexroad e RJ Wall. 1992. A biotecnologia de Barnyard pode em breve produzir novas terapêuticas médicas. Em Novas Culturas, Novos Usos, Novos Mercados: Produtos Industriais e Comerciais da Agricultura dos EUA: 1992 Anuário da Agricultura Washington, DC: USDA.

Ramaswami, NS e GL Narasimhan. 1982. Um caso para aumentar a força animal de tração. Kurushetra (India's Journal for Rural Development) 30:4.

Reynolds, SJ, KJ Donham, P Whitten, JA Merchant, LF Burmeister e WJ Popendorf. 1996. Uma avaliação longitudinal das relações dose-resposta para exposições ambientais e função pulmonar em trabalhadores da produção de suínos. Am J Ind Med 29:33-40.

Robertson, MH, IR Clarke, JD Coghlan e ON Gill. 1981. Leptospirose em criadores de trutas. Lancet: 2(8247)626-627.

Robertson, TD, SA Ribeiro, S Zodrow e JV Breman. 1994. Avaliação da Suplementação Estratégica de Alimentos para Gado como uma Oportunidade de Geração de Renda para Pequenos Produtores de Laticínios e Redução das Emissões de Metano em Bangladesh. Washington, DC: Agência de Proteção Ambiental dos EUA.

Rylander, R. 1994. Sintomas e mecanismos: Inflamação do pulmão. Am J Ind Med 25:19-24.

Rylander, R, KJ Donham, C Hjort, R Brouwer e D Heederik. 1989. Efeitos da exposição à poeira em instalações de confinamento de suínos: um relatório do grupo de trabalho. Scand J Work Environ Health 15:309-312.

Rylander, R e N Essle. 1990. Hiperatividade brônquica entre produtores de suínos e leiteiros. Am J Ind Med 17:66-69.

Rylander, R, Y Peterson e KJ Donman. 1990. Questionário avaliando a exposição à poeira orgânica. Am J Ind Med 17:121-128.

Rylander, R e R Jacobs. 1994. Poeiras Orgânicas: Exposição, Efeitos e Prevenção. Chicago, IL: Lewis Publishing.
Safina, C. 1995. Os peixes ameaçados do mundo. Sci Am 272:46-53.

Scherf, BD. 1995. Lista Mundial de Observação para Diversidade de Animais Domésticos. Roma: FAO.

Schmidt, MJ. 1997. Elefantes de trabalho. Sci Am 279:82-87.

Schmidt, JO. 1992. Alergia a insetos venenosos. Em The Hive and the Honey Bee, editado por JM Graham. Hamilton: DaDant & Sons.

Shumacher, MJ e NB Egen. 1995. Significado das abelhas africanizadas na saúde pública. Arch Int Med 155:2038-2043.

Sherson, D, I Hansen e T Sigsgaard. 1989. Sintomas respiratórios ocupacionalmente relacionados em trabalhadores do processamento de trutas. Alergia 44:336-341.

Stem, C, DD Joshi e M Orlic. 1995. Redução das Emissões de Metano de Ruminantes: Estudo de pré-viabilidade do Nepal. Washington, DC: Agência de Proteção Ambiental dos EUA, Divisão de Mudança Global.

Adoçar, JM. 1995. Tecnologia e aplicações de medição de odor: uma revisão de última geração. No Sétimo Simpósio Internacional sobre Resíduos Agrícolas e Processamento de Alimentos: Anais do 7º Simpósio Internacional, editado por CC Ross. Sociedade Americana de Engenharia Agrícola.

Tannahill, R. 1973. Food in History. Nova York: Stein and Day.

Thorne, PS, KJ Donham, J Dosman, P Jagielo, JA Merchant e S Von Essen. 1996. Saúde ocupacional. In Understanding the Impacts of Large-scale Swine Production, editado por KM Thu, D Mcmillan e J Venzke. Iowa City, IA: Universidade de Iowa.

Turner, F e PJ Nichols. 1995. Papel do epitélio na resposta das vias aéreas. Resumo da 19ª Conferência de Pesquisa sobre Algodão e Outras Poeiras Orgânicas, 6 a 7 de janeiro, San Antonio, TX.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 1996. Agricultura Urbana: Alimentos, Empregos e Cidades Sustentáveis. Nova York: PNUD.

Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). 1992. Manual de Campo de Gestão de Resíduos Agrícolas. Washington, DC: USDA Soil Conservation Service.

—. 1996a. Pecuária e Aves: Mercados e Comércio Mundiais. Circular Série FL&P 1-96. Washington DC: Serviço Agrícola Estrangeiro do USDA.

—. 1996b. Laticínios: Mercados e Comércio Mundiais. Série Circular FD 1-96. Washington DC: Serviço Agrícola Estrangeiro do USDA.

—. 1997. Produção e Valor de Aves, Resumo de 1996. Washington, DC: Serviço Nacional de Estatísticas Agrícolas.

van Hage-Hamsten, M, S Johansson e S Hogland. 1985. A alergia a ácaros de armazenamento é comum em uma população agrícola. Clin Allergy 15:555-564.

Vivian, J. 1986. Mantendo Abelhas. Charlotte, VT: Williamson Publishing.

Waller, J.A. 1992. Lesões a fazendeiros e famílias de fazendeiros em um estado leiteiro. J Occup Med 34:414-421.

Yang, N. 1995. Pesquisa e desenvolvimento de tração de búfalo para agricultura na China. Pecuária Asiática XX:20-24.

Zhou, C e JM Roseman. 1995. Lesões residuais relacionadas à agricultura: Prevalência, tipo e fatores associados entre operadores de fazendas do Alabama, 1990. Journal of Rural Health 11:251-258.

Zuehlke, RL, CF Mutel e KJ Donham. 1980. Doenças dos Trabalhadores Agrícolas. Iowa City, IA: Departamento de Medicina Preventiva e Saúde Ambiental, Universidade de Iowa.