Domingo, março 13 2011 19: 03

Perfil Geral

Classifique este artigo
(Voto 1)

Em 1993, a produção mundial de eletricidade foi de 12.3 trilhões de quilowatts-hora (Nações Unidas, 1995). (Um quilowatt-hora é a quantidade de eletricidade necessária para acender dez lâmpadas de 100 watts por 1 hora.) Pode-se avaliar a magnitude desse esforço considerando os dados dos Estados Unidos, que sozinho produziu 25% da energia total. A indústria de energia elétrica dos EUA, uma mistura de entidades públicas e privadas, gerou 3.1 trilhões de quilowatts-hora em 1993, usando mais de 10,000 unidades geradoras (Departamento de Energia dos EUA, 1995). A parte dessa indústria que pertence a investidores privados emprega 430,000 pessoas em operação e manutenção elétrica, com receita anual de US$ 200 bilhões.

A eletricidade é gerada em usinas que utilizam combustíveis fósseis (petróleo, gás natural ou carvão) ou usam energia nuclear ou hidrelétrica. Em 1990, por exemplo, 75% da energia elétrica da França provinha de usinas nucleares. Em 1993, 62% da eletricidade gerada no mundo vinha de combustíveis fósseis, 19% de energia hidrelétrica e 18% de energia nuclear. Outras fontes reutilizáveis ​​de energia, como eólica, solar, geotérmica ou biomassa, representam apenas uma pequena proporção da produção elétrica mundial. Das estações de geração, a eletricidade é então transmitida através de redes ou redes interconectadas para sistemas de distribuição locais e até o consumidor.

A força de trabalho que torna tudo isso possível tende a ser majoritariamente masculina e possui alto grau de habilidade técnica e conhecimento do “sistema”. As tarefas que estes trabalhadores realizam são bastante diversas, tendo elementos em comum com as indústrias da construção, manufactura, manuseamento de materiais, transportes e comunicações. Os próximos artigos descrevem algumas dessas operações em detalhes. Os artigos sobre padrões de manutenção elétrica e preocupações ambientais também destacam as principais iniciativas regulatórias do governo dos EUA que afetam o setor de serviços públicos de eletricidade.

 

Voltar

Leia 3516 vezes Última modificação em terça-feira, 28 de junho de 2011 12:42

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências de Geração e Distribuição de Energia

Lamarre, L. 1995. Avaliando os riscos de poluentes atmosféricos perigosos para serviços públicos. EPRI Journal 20(1):6.

Conselho Nacional de Pesquisa da Academia Nacional de Ciências. 1996. Possíveis efeitos na saúde da exposição a campos elétricos e magnéticos residenciais. Washington, DC: National Academy Press.

Nações Unidas. 1995. 1993 Anuário de Estatísticas Energéticas. Nova York: Nações Unidas.

Instituto Urânio. 1988. A Segurança das Usinas Nucleares. Londres: Instituto de urânio.

Departamento de Energia dos Estados Unidos. 1995. Energia Elétrica Anual 1994. Vol. 1. Washington, DC: Departamento de Energia dos EUA, Administração de Informações sobre Energia, Escritório de Combustíveis de Carvão, Nuclear, Elétrico e Alternativo.

Departamento de Trabalho dos EUA, Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA). 1994. 29 CFR Parte 1910.269, Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Equipamento de Proteção Elétrica; Regra Final. Registro Federal, vol. 59.

Administração de Proteção Ambiental dos EUA (EPA). Relatório provisório sobre poluentes atmosféricos perigosos para serviços públicos. Washington, DC: EPA.

Wertheimer, N e E Leeper. 1979. Configurações de fiação elétrica e câncer infantil. Am J Epidemiol 109:273-284.