Quarta-feira, 30 Março 2011 01: 45

A Indústria Têxtil: História e Saúde e Segurança

Classifique este artigo
(17 votos)

A Indústria Têxtil

O termo industria têxtil (do latim texere, para tecer) foi originalmente aplicada à tecelagem de tecidos a partir de fibras, mas agora inclui uma ampla gama de outros processos, como malharia, tufting, feltragem e assim por diante. Também foi ampliado para incluir a fabricação de fios de fibras naturais ou sintéticas, bem como o acabamento e tingimento de tecidos.

Fabricação de fios

Em eras pré-históricas, pelos de animais, plantas e sementes eram usados ​​para fazer fibras. A seda foi introduzida na China por volta de 2600 aC e, em meados do século 18 dC, surgiram as primeiras fibras sintéticas. Embora as fibras sintéticas feitas de celulose ou petroquímicas, sozinhas ou em combinações variadas com outras fibras sintéticas e/ou naturais, tenham visto uso cada vez mais amplo, elas não foram capazes de eclipsar totalmente os tecidos feitos de fibras naturais, como lã, algodão, linho e seda.

A seda é a única fibra natural formada em filamentos que podem ser torcidos juntos para fazer fios. As outras fibras naturais devem primeiro ser endireitadas, paralelas por penteação e depois esticadas em um fio contínuo por fiação. o eixo é a primeira ferramenta giratória; foi mecanizado pela primeira vez na Europa por volta de 1400 dC pela invenção da roda de fiar. O final do século 17 viu a invenção do girando jenny, que poderia operar vários fusos simultaneamente. Então, graças à invenção de Richard Arkwright do filatório em 1769 e a introdução de Samuel Crompton do mula, que permitia a um trabalhador operar 1,000 fusos ao mesmo tempo, a fabricação de fios passou de uma indústria caseira para as fábricas.

Confecção de tecido

A fabricação de tecido teve uma história semelhante. Desde suas origens na antiguidade, o tear manual tem sido a máquina de tecelagem básica. Melhorias mecânicas começaram nos tempos antigos com o desenvolvimento do atrapalhar, ao qual fios de urdidura alternativos são amarrados; no século XIII dC, o pedal de pé, que poderia operar vários conjuntos de liças, foi introduzido. Com a adição do sarrafo montado em quadro, que bate a trama ou enche os fios no lugar, o tear “mecanizado” tornou-se o instrumento de tecelagem predominante na Europa e, exceto nas culturas tradicionais onde os teares manuais originais persistiram, em todo o mundo.

A invenção de John Kay do lançadeira voadora em 1733, que permitia ao tecelão enviar automaticamente a lançadeira ao longo da largura do tear, foi o primeiro passo na mecanização da tecelagem. Edmund Cartwright desenvolveu o tear a vapor e em 1788, com James Watt, construiu a primeira fábrica têxtil movida a vapor na Inglaterra. Isso libertou as fábricas de sua dependência de máquinas movidas a água e permitiu que fossem construídas em qualquer lugar. Outro desenvolvimento significativo foi a cartão perfurado sistema, desenvolvido na França em 1801 por Joseph Marie Jacquard; isso permitiu a tecelagem automatizada de padrões. Os primeiros teares de madeira foram gradualmente substituídos por teares de aço e outros metais. Desde então, as mudanças tecnológicas se concentraram em torná-los maiores, mais rápidos e altamente automatizados.

Tingimento e impressão

Corantes naturais foram originalmente usados ​​para dar cor a fios e tecidos, mas com a descoberta de corantes de alcatrão de hulha no século 19 e o desenvolvimento de fibras sintéticas no século 20, os processos de tingimento se tornaram mais complicados. A impressão em bloco foi originalmente usada para colorir tecidos (a impressão em serigrafia de tecidos foi desenvolvida em meados de 1800), mas logo foi substituída pela impressão em rolo. Os rolos de cobre gravados foram usados ​​pela primeira vez na Inglaterra em 1785, seguidos de melhorias rápidas que permitiram a impressão de rolos em seis cores, todas em registro perfeito. A moderna impressão a rolo pode produzir mais de 180 m de tecido impresso em 16 ou mais cores em 1 minuto.

Acabamento

No início, os tecidos eram acabados escovando ou cortando a pelagem do tecido, enchendo ou dimensionando o tecido ou passando-o por rolos de calandra para produzir um efeito vidrado. Hoje, os tecidos são pré-encolhidos, mercerizado (fios e tecidos de algodão são tratados com soluções cáusticas para melhorar sua resistência e brilho) e tratados por uma variedade de processos de acabamento que, por exemplo, aumentam a resistência ao vinco, retenção de vincos e resistência à água, chama e mofo.

Tratamentos especiais produzem fibras de alto desempenho, assim chamado por causa de sua força extraordinária e resistência a temperaturas extremamente altas. Assim, a Aramida, fibra semelhante ao náilon, é mais forte que o aço, e o Kevlar, fibra produzida a partir da Aramida, é usado para fazer tecidos e roupas à prova de balas, resistentes tanto ao calor quanto a produtos químicos. Outras fibras sintéticas combinadas com carbono, boro, silício, alumínio e outros materiais são usadas para produzir materiais estruturais superfortes e leves usados ​​em aviões, naves espaciais, filtros e membranas resistentes a produtos químicos e equipamentos esportivos de proteção.

Do artesanato à indústria

A manufatura têxtil era originalmente um ofício manual praticado por fiandeiros e tecelões caseiros e pequenos grupos de artesãos habilidosos. Com os desenvolvimentos tecnológicos, surgiram grandes empresas têxteis economicamente importantes, principalmente no Reino Unido e nos países da Europa Ocidental. Os primeiros colonizadores da América do Norte trouxeram fábricas de tecidos para a Nova Inglaterra (Samuel Slater, que havia sido supervisor de uma fábrica na Inglaterra, construiu de memória uma fiação em Providence, Rhode Island, em 1790) e a invenção da máquina de Eli Whitney descaroçador de algodão, que poderia limpar o algodão colhido com grande velocidade, criou uma nova demanda por tecidos de algodão.

Isso foi acelerado pela comercialização do máquina de costura. No início do século 18, vários inventores produziram máquinas que costuravam tecidos. Na França, em 1830, Barthelemy Thimonnier recebeu a patente de sua máquina de costura; em 1841, quando 80 de suas máquinas estavam ocupadas costurando uniformes para o exército francês, sua fábrica foi destruída por alfaiates que viam suas máquinas como uma ameaça ao seu sustento. Mais ou menos nessa época, na Inglaterra, Walter Hunt desenvolveu uma máquina melhorada, mas abandonou o projeto porque sentiu que isso tiraria o trabalho de costureiras pobres. Em 1848, Elias Howe recebeu uma patente nos Estados Unidos para uma máquina muito parecida com a de Hunt, mas se envolveu em batalhas legais, que acabou vencendo, acusando muitos fabricantes de violação de sua patente. A invenção da máquina de costura moderna é creditada a Isaac Merritt Singer, que inventou o braço saliente, o calcador para segurar o tecido, uma roda para alimentar o tecido até a agulha e um pedal em vez de uma manivela, deixando ambos mãos livres para manobrar o tecido. Além de projetar e fabricar a máquina, ele criou a primeira empresa de eletrodomésticos de grande porte, que apresentava inovações como uma campanha publicitária, venda de máquinas a prestações e fornecimento de um contrato de serviço.

Assim, os avanços tecnológicos durante o século XVIII não foram apenas o ímpeto para a indústria têxtil moderna, mas podem ser creditados com a criação do sistema fabril e as profundas mudanças na vida familiar e comunitária que foram rotuladas como a Revolução Industrial. As mudanças continuam hoje à medida que grandes estabelecimentos têxteis se deslocam das antigas áreas industrializadas para novas regiões que prometem mão de obra e fontes de energia mais baratas, enquanto a concorrência promove desenvolvimentos tecnológicos contínuos, como automação controlada por computador para reduzir as necessidades de mão de obra e melhorar a qualidade. Enquanto isso, os políticos debatem cotas, tarifas e outras barreiras econômicas para fornecer e/ou reter vantagens competitivas para seus países. Assim, a indústria têxtil não apenas fornece produtos essenciais para a crescente população mundial; também exerce profunda influência no comércio internacional e nas economias das nações.

Preocupações de segurança e saúde

À medida que as máquinas se tornaram maiores, mais rápidas e mais complicadas, elas também introduziram novos perigos potenciais. À medida que os materiais e processos se tornaram mais complexos, eles infundiram no local de trabalho potenciais riscos à saúde. E como os trabalhadores tiveram que lidar com a mecanização e a demanda por aumento de produtividade, o estresse no trabalho, em grande parte não reconhecido ou ignorado, exerceu uma influência crescente em seu bem-estar. Talvez o maior efeito da Revolução Industrial tenha sido na vida da comunidade, pois os trabalhadores se mudaram do campo para as cidades, onde tiveram que lidar com todos os males da urbanização. Esses efeitos estão sendo vistos hoje à medida que as indústrias têxteis e outras se deslocam para países e regiões em desenvolvimento, exceto que as mudanças são mais rápidas.

Os perigos encontrados em diferentes segmentos da indústria estão resumidos nos outros artigos deste capítulo. Eles enfatizam a importância de uma boa limpeza e manutenção adequada de máquinas e equipamentos, a instalação de proteções e cercas eficazes para evitar o contato com partes móveis, o uso de ventilação de exaustão local (LEV) como complemento para uma boa ventilação geral e controle de temperatura e o fornecimento de equipamentos de proteção individual (EPI) e roupas adequadas sempre que um perigo não puder ser completamente controlado ou evitado por engenharia de projeto e/ou substituição de materiais menos perigosos. A educação repetida e o treinamento de trabalhadores em todos os níveis e a supervisão efetiva são temas recorrentes.

Preocupações ambientais

As preocupações ambientais levantadas pela indústria têxtil decorrem de duas fontes: os processos envolvidos na fabricação de têxteis e os perigos associados à forma como os produtos são usados.

Manufatura têxtil

Os principais problemas ambientais criados pelas fábricas têxteis são as substâncias tóxicas liberadas na atmosfera e nas águas residuais. Além dos agentes potencialmente tóxicos, os odores desagradáveis ​​costumam ser um problema, especialmente quando as fábricas de tingimento e impressão estão localizadas perto de áreas residenciais. Os exaustores de ventilação podem conter vapores de solventes, formaldeído, hidrocarbonetos, sulfeto de hidrogênio e compostos metálicos. Às vezes, os solventes podem ser capturados e destilados para reutilização. As partículas podem ser removidas por filtração. A depuração é eficaz para compostos voláteis solúveis em água, como o metanol, mas não funciona na impressão de pigmentos, onde os hidrocarbonetos constituem a maior parte das emissões. Inflamáveis ​​podem ser queimados, embora isso seja relativamente caro. A solução definitiva, no entanto, é o uso de materiais o mais próximo possível de serem livres de emissões. Isso se refere não apenas aos corantes, aglutinantes e agentes de reticulação usados ​​na impressão, mas também ao teor de formaldeído e monômero residual dos tecidos.

A contaminação de águas residuais por corantes não fixados é um sério problema ambiental, não apenas devido aos riscos potenciais à saúde humana e animal, mas também devido à descoloração que os torna altamente visíveis. No tingimento comum, a fixação de mais de 90% do corante pode ser alcançada, mas níveis de fixação de apenas 60% ou menos são comuns na impressão com corantes reativos. Isso significa que mais de um terço do corante reativo entra na água residual durante a lavagem do tecido impresso. Quantidades adicionais de corantes são introduzidas nas águas residuais durante a lavagem de telas, blanquetas de impressão e tambores.

Limites de descoloração de águas residuais foram estabelecidos em vários países, mas muitas vezes é muito difícil cumpri-los sem um sistema caro de purificação de águas residuais. Uma solução encontra-se na utilização de corantes com menor efeito contaminante e no desenvolvimento de corantes e espessantes sintéticos que aumentam o grau de fixação do corante, reduzindo assim a quantidade de excesso a ser lavado (Grund 1995).

Preocupações ambientais no uso de têxteis

Resíduos de formaldeído e alguns complexos de metais pesados ​​(a maioria destes são inertes) podem ser suficientes para causar irritação e sensibilização da pele em pessoas que usam tecidos tingidos.

O formaldeído e os solventes residuais em carpetes e tecidos usados ​​para estofamento e cortinas continuarão a vaporizar gradualmente por algum tempo. Em edifícios vedados, onde o sistema de ar condicionado recircula a maior parte do ar em vez de exauri-lo para o ambiente externo, essas substâncias podem atingir níveis altos o suficiente para produzir sintomas nos ocupantes do edifício, conforme discutido em outra parte deste enciclopédia.

Para garantir a segurança dos tecidos, a Marks and Spencer, varejista de roupas britânica/canadense, abriu o caminho ao estabelecer limites para o formaldeído nas roupas que compravam. Desde então, outros fabricantes de roupas, principalmente a Levi Strauss nos Estados Unidos, seguiram o exemplo. Em vários países, esses limites foram formalizados em leis (por exemplo, Dinamarca, Finlândia, Alemanha e Japão) e, em resposta à educação do consumidor, os fabricantes de tecidos aderiram voluntariamente a esses limites para poderem usar eco rótulos (veja a figura 1).

Figura 1. Rótulos ecológicos usados ​​para têxteis

TEX005F1

Conclusão

Os desenvolvimentos tecnológicos continuam a aumentar a gama de tecidos produzidos pela indústria têxtil e a aumentar a sua produtividade. É muito importante, no entanto, que esses desenvolvimentos sejam guiados também pelo imperativo de melhorar a saúde, a segurança e o bem-estar dos trabalhadores. Mas, mesmo assim, há o problema de implementar esses desenvolvimentos em empresas mais antigas, marginalmente viáveis ​​financeiramente e incapazes de fazer os investimentos necessários, bem como em áreas em desenvolvimento ávidas por novas indústrias, mesmo à custa da saúde e segurança do trabalhadores. Mesmo nessas circunstâncias, porém, muito pode ser alcançado pela educação e treinamento dos trabalhadores para minimizar os riscos aos quais eles podem estar expostos.

 

Voltar

Leia 20561 vezes Última modificação em sábado, 30 de julho de 2022 21:44

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências da Indústria de Produtos Têxteis

Repórter Têxtil Americano. 1969. (10 de julho).

Anthony, HM e GM Thomas. 1970. Tumores da bexiga urinária. J Natl Cancer Inst 45:879–95.

Arlidge, JT. 1892. A Higiene, Doenças e Mortalidade das Profissões. Londres: Percival and Co.

Beck, GJ, CA Doyle e EN Schachter. 1981. Tabagismo e função pulmonar. Am Rev Resp Dis 123:149–155.

—. 1982. Um estudo longitudinal da saúde respiratória em uma comunidade rural. Am Rev Resp Dis 125:375–381.

Beck, GJ, LR Maunder e EN Schachter. 1984. Pó de algodão e efeitos do fumo na função pulmonar em trabalhadores têxteis de algodão. Am J Epidemiologia 119:33–43.

Beck, GJ, EN Schachter, L Maunder e A Bouhuys. 1981. A relação da função pulmonar com o emprego subsequente e mortalidade em trabalhadores têxteis de algodão. Suplemento de peito 79:26S–29S.

Bouhuys, A. 1974. Respiração. Nova York: Grune & Stratton.

Bouhuys, A, GJ Beck e J Schoenberg. 1979. Epidemiologia da doença pulmonar ambiental. Yale J Biol Med 52:191–210.

Bouhuys, A, CA Mitchell, RSF Schilling e E Zuskin. 1973. Um estudo fisiológico da bissinose na América colonial. Trans New York Acad Sciences 35:537–546.

Bouhuys, A, JB Schoenberg, GJ Beck e RSF Schilling. 1977. Epidemiologia da doença pulmonar crônica em uma comunidade de fábrica de algodão. Pulmão 154:167–186.

Britten, RH, JJ Bloomfield e JC Goddard. 1933. Saúde dos Trabalhadores em Fábricas Têxteis. Boletim No. 207. Washington, DC: Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos.

Buiatti, E, A Barchielli, M Geddes, L Natasi, D Kriebel, M Franchini e G Scarselli. 1984. Fatores de risco na infertilidade masculina. Arch Environ Health 39:266–270.

Doig, AT. 1949. Outras doenças pulmonares devido à poeira. Postgrad Med J 25:639–649.

Departamento do Trabalho (DOL). 1945. Boletim Especial No. 18. Washington, DC: DOL, Divisão de Padrões Trabalhistas.

Dubrow, R e DM Gute. 1988. Mortalidade por causa específica entre trabalhadores têxteis do sexo masculino em Rhode Island. Am J Ind Med 13: 439–454.

Edwards, C, J Macartney, G Rooke e F Ward. 1975. A patologia do pulmão em bissinóticos. Thorax 30:612–623.

Estlander, T. 1988. Dermatoses alérgicas e doenças respiratórias de corantes reativos. Entre em contato com Dermat 18:290–297.

Eyeland, GM, GA Burkhart, TM Schnorr, FW Hornung, JM Fajen e ST Lee. 1992. Efeitos da exposição ao dissulfeto de carbono na concentração de colesterol de lipoproteína de baixa densidade e pressão arterial diastólica. Brit J Ind Med 49:287–293.

Fishwick, D, AM Fletcher, AC Pickering, R McNiven e EB Faragher. 1996. Função pulmonar em operativos de fábricas de fiação de algodão e fibras sintéticas de Lancashire. Occup Environ Med 53:46–50.

Forst, L e D Hryhorczuk. 1988. Síndrome ocupacional do túnel do tarso. Brit J Ind Med 45:277–278.

Fox, AJ, JBL Tombleson, A Watt e AG Wilkie. 1973a. Uma pesquisa de doenças respiratórias em operárias de algodão: Parte I. Sintomas e resultados do teste de ventilação. Brit J Ind Med 30:42-47.

—. 1973b. Uma pesquisa de doenças respiratórias em cooperativas de algodão: Parte II. Sintomas, estimativa de poeira e efeito do hábito de fumar. Brit J Ind Med 30:48-53.

Glindmeyer, HW, JJ Lefante, RN Jones, RJ Rando, HMA Kader e H Weill. 1991. Declínios relacionados à exposição na função pulmonar de trabalhadores têxteis de algodão. Am Rev Respir Dis 144:675–683.

Glindmeyer, HW, JJ Lefante, RN Jones, RJ Rando e H Weill. 1994. Pó de algodão e mudança entre turnos em FEV1 Am J Respir Crit Care Med 149:584–590.

Goldberg, MS e G Theriault. 1994a. Estudo de coorte retrospectivo de trabalhadores de uma fábrica de têxteis sintéticos em Quebec II. Am J Ind Med 25:909–922.

—. 1994b. Estudo de coorte retrospectivo de trabalhadores de uma fábrica de têxteis sintéticos em Quebec I. Am J Ind Med 25:889–907.

Grund, N. 1995. Considerações ambientais para produtos de impressão têxtil. Jornal da Sociedade de Tintureiros e Coloristas 111 (1/2):7–10.

Harris, TR, JA Merchant, KH Kilburn e JD Hamilton. 1972. Bissinose e doenças respiratórias em trabalhadores de fábricas de algodão. J Occup Med 14: 199–206.

Henderson, V e PE Enterline. 1973. Uma experiência incomum de mortalidade em trabalhadores têxteis de algodão. J Occup Med 15: 717–719.

Hernberg, S, T Partanen e CH Nordman. 1970. Doença cardíaca coronária entre trabalhadores expostos ao dissulfeto de carbono. Brit J Ind Med 27:313–325.

McKerrow, CB e RSF Schilling. 1961. Uma investigação piloto sobre a bissinose em duas fábricas de algodão nos Estados Unidos. JAMA 177:850–853.

McKerrow, CB, SA Roach, JC Gilson e RSF Schilling. 1962. O tamanho das partículas de pó de algodão causando bissinose: um estudo ambiental e fisiológico. Brit J Ind Med 19:1–8.

Merchant, JA e C Ortmeyer. 1981. Mortalidade de empregados de duas fábricas de algodão na Carolina do Norte. Suplemento de peito 79: 6S–11S.

Merchant, JA, JC Lumsdun, KH Kilburn, WM O'Fallon, JR Ujda, VH Germino e JD Hamilton. 1973. Estudos de dose-resposta em trabalhadores têxteis de algodão. J Occup Med 15:222–230.

Ministério do Comércio Internacional e Indústria (Japão). 1996. Formulário da Indústria Têxtil e de Vestuário da Ásia-Pacífico, 3 a 4 de junho de 1996. Tóquio: Ministério do Comércio Internacional e Indústria.

Molyneux, MKB e JBL Tombleson. 1970. Um estudo epidemiológico de sintomas respiratórios em moinhos de Lancashire, 1963–1966. Brit J Ind Med 27:225–234.

Moran, TJ. 1983. Enfisema e outras doenças pulmonares crônicas em trabalhadores têxteis: um estudo de autópsia de 18 anos. Arch Environ Health 38:267–276.

Murray, R, J Dingwall-Fordyce e RE Lane. 1957. Um surto de tosse do tecelão associado ao pó de semente de tamarindo. Brit J Ind Med 14:105–110.

Mustafa, KY, W Bos e AS Lakha. 1979. Bissinose em trabalhadores têxteis da Tanzânia. Pulmão 157:39–44.

Myles, SM e AH Roberts. 1985. Lesões nas mãos na indústria têxtil. J Hand Surg 10:293–296.

Neal, PA, R Schneiter e BH Caminita. 1942. Relatório sobre doença aguda entre fabricantes de colchões rurais usando algodão manchado de baixa qualidade. JAMA 119:1074–1082.

Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA). 1985. Regra Final para Exposição Ocupacional ao Pó de Algodão. Federal Register 50, 51120-51179 (13 de dezembro de 1985). 29 CFR 1910.1043. Washington, DC: OSHA.

Parik, JR. 1992. Bissinose em países em desenvolvimento. Brit J Ind Med 49:217–219.
Rachootin, P e J Olsen. 1983. O risco de infertilidade e concepção atrasada associada a exposições no local de trabalho dinamarquês. J Occup Med 25:394–402.

Ramazzini, B. 1964. Doenças dos Trabalhadores [De morbis artificum, 1713], traduzido por WC Wright. Nova York: Hafner Publishing Co.

Redlich, CA, WS Beckett, J Sparer, KW Barwick, CA Riely, H Miller, SL Sigal, SL Shalat e MR Cullen. 1988. Doença hepática associada à exposição ocupacional ao solvente dimetilformamida. Ann Int Med 108:680–686.

Riihimaki, V, H Kivisto, K Peltonen, E Helpio e A Aitio. 1992. Avaliação das exposições ao dissulfeto de carbono em trabalhadores da produção de viscose a partir de determinações de ácido 2-tiotiazolidina-4-carboxílico na urina. Am J Ind Med 22:85–97.

Roach, SA e RSF Schilling. 1960. Um estudo clínico e ambiental da bissinose na indústria algodoeira de Lancashire. Brit J Ind Med 17:1–9.

Rooke, GB. 1981a. A patologia da bissinose. Suplemento de peito 79:67S–71S.

—. 1981b. Indenização por bissinose na Grã-Bretanha. Suplemento de peito 79:124S–127S.

Sadhro, S, P Duhra e IS Foulds. 1989. Dermatite ocupacional do líquido Synocril Red 3b (CI Basic Red 22). Entre em contato com Dermat 21:316–320.

Schachter, EN, MC Kapp, GJ Beck, LR Maunder e TJ Witek. 1989. Efeitos do fumo e do pó de algodão em trabalhadores têxteis de algodão. Baú 95: 997–1003.

Schilling, RSF. 1956. Bissinose em algodão e outros trabalhadores têxteis. Lancet 1:261–267, 319–324.

—. 1981. Problemas mundiais de bissinose. Suplemento de peito 79:3S–5S.

Schilling, RSF e N Goodman. 1951. Doença cardiovascular em trabalhadores do algodão. Brit J Ind Med 8:77–87.

Seidenari, S, BM Mauzini e P Danese. 1991. Sensibilização de contato para corantes têxteis: Descrição de 100 indivíduos. Entre em contato com Dermat 24:253–258.

Siemiatycki, J, R Dewar, L Nadon e M Gerin. 1994. Fatores de risco ocupacionais para câncer de bexiga. Am J Epidemiol 140:1061–1080.

Silverman, DJ, LI Levin, RN Hoover e P Hartge. 1989. Riscos ocupacionais de câncer de bexiga nos Estados Unidos. I. Homens brancos. J Natl Cancer Inst 81:1472–1480.

Steenland, K, C Burnett e AM Osorio. 1987. Um estudo de controle de caso de câncer de bexiga usando diretórios de cidades como fonte de dados ocupacionais. Am J Epidemiol 126:247–257.

Sweetnam, PM, SWS Taylor e PC Elwood. 1986. Exposição ao dissulfeto de carbono e doença isquêmica do coração em uma fábrica de viscose rayon. Brit J Ind Med 44:220–227.

Tomás, RE. 1991. Relatório sobre uma conferência multidisciplinar sobre controle e prevenção de distúrbios de trauma cumulativo (CDT) ou trauma de movimento repetitivo (RMT) nas indústrias têxtil, de vestuário e de fibras. Am Ind Hyg Assoc J 52:A562.

Uragoda, CG. 1977. Uma investigação sobre a saúde dos trabalhadores da sumaúma. Brit J Ind Med 34:181–185.
Vigliani, EC, L Parmeggiani e C Sassi. 1954. Studio de un epidemio di bronquite asmatica fra gli operi di una tessiture di cotone. Med Lau 45:349–378.

Vobecky, J, G Devroede e J Caro. 1984. Risco de câncer do intestino grosso na fabricação de fibras sintéticas. Câncer 54:2537–2542.

Vobecky, J, G Devroede, J La Caille e A Waiter. 1979. Um grupo ocupacional com alto risco de câncer de intestino grosso. Gastroenterologia 76:657.

Wood, CH e SA Roach. 1964. Poeira nas salas de jogos: Um problema contínuo na indústria de fiação de algodão. Brit J Ind Med 21:180–186.

Zuskin, E, D Ivankovic, EN Schachter e TJ Witek. 1991. Um estudo de acompanhamento de dez anos de trabalhadores têxteis de algodão. Am Rev Respira Dis 143:301–305.