Quarta-feira, 30 Março 2011 01: 50

Tendências Globais na Indústria Têxtil

Classifique este artigo
(0 votos)

Os seres humanos dependem de roupas e alimentos para sobreviver desde que surgiram na Terra. A indústria de vestuário ou têxtil começou assim muito cedo na história humana. Enquanto as pessoas primitivas usavam as mãos para tecer e tricotar algodão ou lã em tecido ou pano, foi somente no final do século 18 e início do século 19 que a Revolução Industrial mudou a maneira de fazer roupas. As pessoas começaram a usar vários tipos de energia para fornecer energia. No entanto, as fibras de algodão, lã e celulose continuaram sendo as principais matérias-primas. Desde a Segunda Guerra Mundial, a produção de fibras sintéticas desenvolvidas pela indústria petroquímica aumentou tremendamente. O volume de consumo de fibras sintéticas de produtos têxteis mundiais em 1994 foi de 17.7 milhões de toneladas, 48.2% de todas as fibras, e espera-se que ultrapasse 50% após 2000 (ver figura 1).

Figura 1. Mudança na oferta de fibras na indústria têxtil antes de 1994 e projetada até 2004.

TEX090F5

De acordo com a pesquisa mundial de consumo de fibras de vestuário pela Organização para Agricultura e Alimentação (FAO), as taxas médias anuais de crescimento do consumo têxtil durante 1969-89, 1979-89 e 1984-89 foram de 2.9%, 2.3% e 3.7%, respectivamente. Com base na tendência anterior de consumo, crescimento populacional, crescimento do PIB per capita (produto interno bruto) e aumento do consumo de cada produto têxtil com aumento da renda, a demanda por produtos têxteis em 2000 e 2005 será de 42.2 milhões de toneladas e 46.9 milhões toneladas, respectivamente, conforme a figura 1. A tendência indica que há uma demanda consistentemente crescente por produtos têxteis, e que a indústria ainda empregará uma grande força de trabalho.

Outra grande mudança é a automação progressiva da tecelagem e malharia, que, combinada com o aumento dos custos trabalhistas, deslocou a indústria dos países desenvolvidos para os países em desenvolvimento. Embora a produção de produtos de fios e tecidos, bem como algumas fibras sintéticas a montante, tenha permanecido em países mais desenvolvidos, uma grande proporção da indústria de vestuário a jusante, intensiva em mão-de-obra, já se mudou para os países em desenvolvimento. A indústria têxtil e de confecções da região da Ásia-Pacífico responde por aproximadamente 70% da produção mundial; a tabela 1 indica uma mudança na tendência do emprego nessa região. Assim, a segurança e saúde ocupacional dos trabalhadores têxteis tornou-se uma questão importante nos países em desenvolvimento; a figura 2, a figura 3, a figura 4 e a figura 5 ilustram alguns processos da indústria têxtil como são executados no mundo em desenvolvimento.

Tabela 1. Número de empresas e empregados nas indústrias têxteis e de confecções de países e territórios selecionados na região da Ásia-Pacífico em 1985 e 1995.

Número de

Ano

Australia

China

Hong Kong

Índia

Indonésia

Republica da Coréia

Malaysia

Nova Zelândia

Paquistão

Empresas

1985
1995

2,535
4,503

45,500
47,412

13,114
6,808

13,435
13,508

1,929
2,182

12,310
14,262

376
238

2,803
2,547

1,357
1,452

Empregados (x10³)

1985
1995

96
88

4,396
9,170

375
139

1,753
1,675

432
912

684
510

58
76

31
21

NA
NA

 

Figura 2. Pentear

TEX090F1

Wilawan Juengprasert, Ministério da Saúde Pública, Tailândia

Figura 3. Cardação

TEX090F2

Wilawan Juengprasert, Ministério da Saúde Pública, Tailândia

Figura 4. Um selecionador moderno

TEX090F3

Wilawan Juengprasert, Ministério da Saúde Pública, Tailândia

Figura 5. Empenamento

TEX090F4

Wilawan Juengprasert, Ministério da Saúde Pública, Tailândia

 

Voltar

Leia 13934 vezes Última modificação na quinta-feira, 15 de setembro de 2011 às 18:59

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências da Indústria de Produtos Têxteis

Repórter Têxtil Americano. 1969. (10 de julho).

Anthony, HM e GM Thomas. 1970. Tumores da bexiga urinária. J Natl Cancer Inst 45:879–95.

Arlidge, JT. 1892. A Higiene, Doenças e Mortalidade das Profissões. Londres: Percival and Co.

Beck, GJ, CA Doyle e EN Schachter. 1981. Tabagismo e função pulmonar. Am Rev Resp Dis 123:149–155.

—. 1982. Um estudo longitudinal da saúde respiratória em uma comunidade rural. Am Rev Resp Dis 125:375–381.

Beck, GJ, LR Maunder e EN Schachter. 1984. Pó de algodão e efeitos do fumo na função pulmonar em trabalhadores têxteis de algodão. Am J Epidemiologia 119:33–43.

Beck, GJ, EN Schachter, L Maunder e A Bouhuys. 1981. A relação da função pulmonar com o emprego subsequente e mortalidade em trabalhadores têxteis de algodão. Suplemento de peito 79:26S–29S.

Bouhuys, A. 1974. Respiração. Nova York: Grune & Stratton.

Bouhuys, A, GJ Beck e J Schoenberg. 1979. Epidemiologia da doença pulmonar ambiental. Yale J Biol Med 52:191–210.

Bouhuys, A, CA Mitchell, RSF Schilling e E Zuskin. 1973. Um estudo fisiológico da bissinose na América colonial. Trans New York Acad Sciences 35:537–546.

Bouhuys, A, JB Schoenberg, GJ Beck e RSF Schilling. 1977. Epidemiologia da doença pulmonar crônica em uma comunidade de fábrica de algodão. Pulmão 154:167–186.

Britten, RH, JJ Bloomfield e JC Goddard. 1933. Saúde dos Trabalhadores em Fábricas Têxteis. Boletim No. 207. Washington, DC: Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos.

Buiatti, E, A Barchielli, M Geddes, L Natasi, D Kriebel, M Franchini e G Scarselli. 1984. Fatores de risco na infertilidade masculina. Arch Environ Health 39:266–270.

Doig, AT. 1949. Outras doenças pulmonares devido à poeira. Postgrad Med J 25:639–649.

Departamento do Trabalho (DOL). 1945. Boletim Especial No. 18. Washington, DC: DOL, Divisão de Padrões Trabalhistas.

Dubrow, R e DM Gute. 1988. Mortalidade por causa específica entre trabalhadores têxteis do sexo masculino em Rhode Island. Am J Ind Med 13: 439–454.

Edwards, C, J Macartney, G Rooke e F Ward. 1975. A patologia do pulmão em bissinóticos. Thorax 30:612–623.

Estlander, T. 1988. Dermatoses alérgicas e doenças respiratórias de corantes reativos. Entre em contato com Dermat 18:290–297.

Eyeland, GM, GA Burkhart, TM Schnorr, FW Hornung, JM Fajen e ST Lee. 1992. Efeitos da exposição ao dissulfeto de carbono na concentração de colesterol de lipoproteína de baixa densidade e pressão arterial diastólica. Brit J Ind Med 49:287–293.

Fishwick, D, AM Fletcher, AC Pickering, R McNiven e EB Faragher. 1996. Função pulmonar em operativos de fábricas de fiação de algodão e fibras sintéticas de Lancashire. Occup Environ Med 53:46–50.

Forst, L e D Hryhorczuk. 1988. Síndrome ocupacional do túnel do tarso. Brit J Ind Med 45:277–278.

Fox, AJ, JBL Tombleson, A Watt e AG Wilkie. 1973a. Uma pesquisa de doenças respiratórias em operárias de algodão: Parte I. Sintomas e resultados do teste de ventilação. Brit J Ind Med 30:42-47.

—. 1973b. Uma pesquisa de doenças respiratórias em cooperativas de algodão: Parte II. Sintomas, estimativa de poeira e efeito do hábito de fumar. Brit J Ind Med 30:48-53.

Glindmeyer, HW, JJ Lefante, RN Jones, RJ Rando, HMA Kader e H Weill. 1991. Declínios relacionados à exposição na função pulmonar de trabalhadores têxteis de algodão. Am Rev Respir Dis 144:675–683.

Glindmeyer, HW, JJ Lefante, RN Jones, RJ Rando e H Weill. 1994. Pó de algodão e mudança entre turnos em FEV1 Am J Respir Crit Care Med 149:584–590.

Goldberg, MS e G Theriault. 1994a. Estudo de coorte retrospectivo de trabalhadores de uma fábrica de têxteis sintéticos em Quebec II. Am J Ind Med 25:909–922.

—. 1994b. Estudo de coorte retrospectivo de trabalhadores de uma fábrica de têxteis sintéticos em Quebec I. Am J Ind Med 25:889–907.

Grund, N. 1995. Considerações ambientais para produtos de impressão têxtil. Jornal da Sociedade de Tintureiros e Coloristas 111 (1/2):7–10.

Harris, TR, JA Merchant, KH Kilburn e JD Hamilton. 1972. Bissinose e doenças respiratórias em trabalhadores de fábricas de algodão. J Occup Med 14: 199–206.

Henderson, V e PE Enterline. 1973. Uma experiência incomum de mortalidade em trabalhadores têxteis de algodão. J Occup Med 15: 717–719.

Hernberg, S, T Partanen e CH Nordman. 1970. Doença cardíaca coronária entre trabalhadores expostos ao dissulfeto de carbono. Brit J Ind Med 27:313–325.

McKerrow, CB e RSF Schilling. 1961. Uma investigação piloto sobre a bissinose em duas fábricas de algodão nos Estados Unidos. JAMA 177:850–853.

McKerrow, CB, SA Roach, JC Gilson e RSF Schilling. 1962. O tamanho das partículas de pó de algodão causando bissinose: um estudo ambiental e fisiológico. Brit J Ind Med 19:1–8.

Merchant, JA e C Ortmeyer. 1981. Mortalidade de empregados de duas fábricas de algodão na Carolina do Norte. Suplemento de peito 79: 6S–11S.

Merchant, JA, JC Lumsdun, KH Kilburn, WM O'Fallon, JR Ujda, VH Germino e JD Hamilton. 1973. Estudos de dose-resposta em trabalhadores têxteis de algodão. J Occup Med 15:222–230.

Ministério do Comércio Internacional e Indústria (Japão). 1996. Formulário da Indústria Têxtil e de Vestuário da Ásia-Pacífico, 3 a 4 de junho de 1996. Tóquio: Ministério do Comércio Internacional e Indústria.

Molyneux, MKB e JBL Tombleson. 1970. Um estudo epidemiológico de sintomas respiratórios em moinhos de Lancashire, 1963–1966. Brit J Ind Med 27:225–234.

Moran, TJ. 1983. Enfisema e outras doenças pulmonares crônicas em trabalhadores têxteis: um estudo de autópsia de 18 anos. Arch Environ Health 38:267–276.

Murray, R, J Dingwall-Fordyce e RE Lane. 1957. Um surto de tosse do tecelão associado ao pó de semente de tamarindo. Brit J Ind Med 14:105–110.

Mustafa, KY, W Bos e AS Lakha. 1979. Bissinose em trabalhadores têxteis da Tanzânia. Pulmão 157:39–44.

Myles, SM e AH Roberts. 1985. Lesões nas mãos na indústria têxtil. J Hand Surg 10:293–296.

Neal, PA, R Schneiter e BH Caminita. 1942. Relatório sobre doença aguda entre fabricantes de colchões rurais usando algodão manchado de baixa qualidade. JAMA 119:1074–1082.

Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA). 1985. Regra Final para Exposição Ocupacional ao Pó de Algodão. Federal Register 50, 51120-51179 (13 de dezembro de 1985). 29 CFR 1910.1043. Washington, DC: OSHA.

Parik, JR. 1992. Bissinose em países em desenvolvimento. Brit J Ind Med 49:217–219.
Rachootin, P e J Olsen. 1983. O risco de infertilidade e concepção atrasada associada a exposições no local de trabalho dinamarquês. J Occup Med 25:394–402.

Ramazzini, B. 1964. Doenças dos Trabalhadores [De morbis artificum, 1713], traduzido por WC Wright. Nova York: Hafner Publishing Co.

Redlich, CA, WS Beckett, J Sparer, KW Barwick, CA Riely, H Miller, SL Sigal, SL Shalat e MR Cullen. 1988. Doença hepática associada à exposição ocupacional ao solvente dimetilformamida. Ann Int Med 108:680–686.

Riihimaki, V, H Kivisto, K Peltonen, E Helpio e A Aitio. 1992. Avaliação das exposições ao dissulfeto de carbono em trabalhadores da produção de viscose a partir de determinações de ácido 2-tiotiazolidina-4-carboxílico na urina. Am J Ind Med 22:85–97.

Roach, SA e RSF Schilling. 1960. Um estudo clínico e ambiental da bissinose na indústria algodoeira de Lancashire. Brit J Ind Med 17:1–9.

Rooke, GB. 1981a. A patologia da bissinose. Suplemento de peito 79:67S–71S.

—. 1981b. Indenização por bissinose na Grã-Bretanha. Suplemento de peito 79:124S–127S.

Sadhro, S, P Duhra e IS Foulds. 1989. Dermatite ocupacional do líquido Synocril Red 3b (CI Basic Red 22). Entre em contato com Dermat 21:316–320.

Schachter, EN, MC Kapp, GJ Beck, LR Maunder e TJ Witek. 1989. Efeitos do fumo e do pó de algodão em trabalhadores têxteis de algodão. Baú 95: 997–1003.

Schilling, RSF. 1956. Bissinose em algodão e outros trabalhadores têxteis. Lancet 1:261–267, 319–324.

—. 1981. Problemas mundiais de bissinose. Suplemento de peito 79:3S–5S.

Schilling, RSF e N Goodman. 1951. Doença cardiovascular em trabalhadores do algodão. Brit J Ind Med 8:77–87.

Seidenari, S, BM Mauzini e P Danese. 1991. Sensibilização de contato para corantes têxteis: Descrição de 100 indivíduos. Entre em contato com Dermat 24:253–258.

Siemiatycki, J, R Dewar, L Nadon e M Gerin. 1994. Fatores de risco ocupacionais para câncer de bexiga. Am J Epidemiol 140:1061–1080.

Silverman, DJ, LI Levin, RN Hoover e P Hartge. 1989. Riscos ocupacionais de câncer de bexiga nos Estados Unidos. I. Homens brancos. J Natl Cancer Inst 81:1472–1480.

Steenland, K, C Burnett e AM Osorio. 1987. Um estudo de controle de caso de câncer de bexiga usando diretórios de cidades como fonte de dados ocupacionais. Am J Epidemiol 126:247–257.

Sweetnam, PM, SWS Taylor e PC Elwood. 1986. Exposição ao dissulfeto de carbono e doença isquêmica do coração em uma fábrica de viscose rayon. Brit J Ind Med 44:220–227.

Tomás, RE. 1991. Relatório sobre uma conferência multidisciplinar sobre controle e prevenção de distúrbios de trauma cumulativo (CDT) ou trauma de movimento repetitivo (RMT) nas indústrias têxtil, de vestuário e de fibras. Am Ind Hyg Assoc J 52:A562.

Uragoda, CG. 1977. Uma investigação sobre a saúde dos trabalhadores da sumaúma. Brit J Ind Med 34:181–185.
Vigliani, EC, L Parmeggiani e C Sassi. 1954. Studio de un epidemio di bronquite asmatica fra gli operi di una tessiture di cotone. Med Lau 45:349–378.

Vobecky, J, G Devroede e J Caro. 1984. Risco de câncer do intestino grosso na fabricação de fibras sintéticas. Câncer 54:2537–2542.

Vobecky, J, G Devroede, J La Caille e A Waiter. 1979. Um grupo ocupacional com alto risco de câncer de intestino grosso. Gastroenterologia 76:657.

Wood, CH e SA Roach. 1964. Poeira nas salas de jogos: Um problema contínuo na indústria de fiação de algodão. Brit J Ind Med 21:180–186.

Zuskin, E, D Ivankovic, EN Schachter e TJ Witek. 1991. Um estudo de acompanhamento de dez anos de trabalhadores têxteis de algodão. Am Rev Respira Dis 143:301–305.