Quarta-feira, 30 Março 2011 01: 57

Produção e Descaroçamento de Algodão

Classifique este artigo
(13 votos)

Produção de Algodão

As práticas de produção de algodão começam após a colheita da safra anterior. As primeiras operações geralmente incluem talos de trituração, arrancando raízes e discando o solo. Fertilizantes e herbicidas geralmente são aplicados e incorporados ao solo antes que a terra seja acamada em preparação para irrigação ou plantio necessários. Uma vez que as características do solo e práticas anteriores de fertilização e cultivo podem causar uma ampla gama de níveis de fertilidade em solos de algodão, os programas de fertilidade devem ser baseados em análises de teste de solo. O controle de plantas daninhas é essencial para se obter alto rendimento e qualidade da fibra. A produtividade do algodão e a eficiência da colheita podem ser reduzidas em até 30% pelas ervas daninhas. Os herbicidas têm sido amplamente utilizados em muitos países para o controle de ervas daninhas desde o início da década de 1960. Os métodos de aplicação incluem tratamento pré-plantio para folhagem de ervas daninhas existentes, incorporação no solo pré-plantio e tratamento nos estágios de pré-emergência e pós-emergência.

Vários fatores que desempenham um papel importante na obtenção de um bom estande de plantas de algodão incluem preparo da cama de sementes, umidade do solo, temperatura do solo, qualidade da semente, infestação de doenças nas mudas, fungicidas e salinidade do solo. Plantar sementes de alta qualidade em um canteiro bem preparado é um fator chave para alcançar estandes precoces e uniformes de mudas vigorosas. As sementes de plantio de alta qualidade devem ter uma taxa de germinação de 50% ou mais em um teste frio. Em um teste frio/morno, o índice de vigor da semente deve ser 140 ou superior. Recomendam-se taxas de semeadura de 12 a 18 sementes/metro de linha para obter uma população de plantas de 14,000 a 20,000 plantas/hectare. Um sistema de dosagem de plantador adequado deve ser usado para garantir um espaçamento uniforme da semente, independentemente do tamanho da semente. As taxas de germinação de sementes e emergência de plântulas estão intimamente associadas a uma faixa de temperatura de 15 a 38 ºC.

Doenças de mudas no início da estação podem prejudicar estandes uniformes e resultar na necessidade de replantio. Importantes patógenos de doenças de mudas, como Pythium, Rizoctonia, Fusarium e Thielaviopsis pode reduzir os estandes de plantas e causar longos saltos entre as mudas. Só devem ser plantadas sementes devidamente tratadas com um ou mais fungicidas.

O algodão é semelhante a outras culturas no que diz respeito ao uso da água durante as diferentes fases de desenvolvimento da planta. O uso de água é geralmente inferior a 0.25 cm/dia ​​desde a emergência até o primeiro quadrado. Nesse período, a perda de umidade do solo por evaporação pode exceder a quantidade de água transpirada pela planta. O consumo de água aumenta acentuadamente à medida que aparecem as primeiras floradas e atinge um nível máximo de 1 cm/dia ​​durante a fase de pico da floração. A necessidade de água refere-se à quantidade total de água (chuva e irrigação) necessária para produzir uma cultura de algodão.

As populações de insetos podem ter um impacto importante na qualidade e no rendimento do algodão. O manejo populacional no início da estação é importante para promover um desenvolvimento frutífero/vegetativo equilibrado da cultura. Proteger as primeiras posições dos frutos é essencial para alcançar uma colheita lucrativa. Mais de 80% do rendimento é definido nas primeiras 3 a 4 semanas de frutificação. Durante o período de frutificação, os produtores devem inspecionar o algodão pelo menos duas vezes por semana para monitorar a atividade e os danos dos insetos.

Um programa de desfolhamento bem administrado reduz o lixo foliar que pode afetar adversamente a qualidade do algodão colhido. Os reguladores de crescimento, como o PIX, são desfolhadores úteis porque controlam o crescimento vegetativo e contribuem para a frutificação precoce.

Colheita

Dois tipos de equipamentos de colheita mecanizada são utilizados na colheita do algodão: a colhedora de fusos e a arrancadora de algodão. o seletor de eixo é uma colheitadeira de tipo seletivo que usa fusos cônicos e farpados para remover o algodão em caroço dos capulhos. Esta colheitadeira pode ser usada em um campo mais de uma vez para fornecer colheitas estratificadas. Por outro lado, o stripper de algodão é uma colheitadeira não seletiva ou única que remove não apenas as cápsulas bem abertas, mas também as cápsulas rachadas e fechadas, juntamente com as brocas e outros materiais estranhos.

As práticas agronômicas que produzem uma cultura uniforme de alta qualidade geralmente contribuem para uma boa eficiência da colheita. O campo deve ser bem drenado e as fileiras dispostas para o uso eficaz do maquinário. As extremidades das fileiras devem estar livres de ervas daninhas e grama, e devem ter uma borda de campo de 7.6 a 9 m para virar e alinhar as colhedoras com as fileiras. A borda também deve estar livre de ervas daninhas e grama. Disking cria condições adversas em tempo chuvoso, então o controle químico de ervas daninhas ou corte deve ser usado em seu lugar. A altura da planta não deve exceder cerca de 1.2 m para o algodão a ser colhido e cerca de 0.9 m para o algodão a ser descascado. A altura da planta pode ser controlada até certo ponto usando reguladores químicos de crescimento no estágio adequado de crescimento. Devem ser usadas práticas de produção que colocam o capulho inferior pelo menos 10 cm acima do solo. Práticas de cultivo como fertilização, cultivo e irrigação durante a estação de crescimento devem ser cuidadosamente manejadas para produzir uma colheita uniforme de algodão bem desenvolvido.

A desfolha química é uma prática de cultivo que induz a abscisão (queda) da folhagem. Desfolhantes podem ser aplicados para ajudar a minimizar a contaminação de folhas verdes e promover uma secagem mais rápida do orvalho da manhã no fiapo. Os desfolhantes não devem ser aplicados até que pelo menos 60% dos capulhos estejam abertos. Após a aplicação de um desfolhante, a cultura não deve ser colhida por pelo menos 7 a 14 dias (o período varia de acordo com os produtos químicos utilizados e as condições climáticas). Dessecantes químicos também podem ser usados ​​para preparar as plantas para a colheita. A dessecação é a rápida perda de água do tecido vegetal e subsequente morte do tecido. A folhagem morta permanece presa à planta.

A tendência atual na produção de algodão é para uma estação mais curta e colheita única. Produtos químicos que aceleram o processo de abertura das cápsulas são aplicados junto com o desfolhante ou logo após a queda das folhas. Esses produtos químicos permitem colheitas antecipadas e aumentam a porcentagem de cápsulas que estão prontas para serem colhidas durante a primeira colheita. Como esses produtos químicos têm a capacidade de abrir ou abrir parcialmente cápsulas imaturas, a qualidade da colheita pode ser severamente afetada (ou seja, o micronaire pode estar baixo) se os produtos químicos forem aplicados muito cedo.

Armazenamento

O teor de umidade do algodão antes e durante o armazenamento é crítico; o excesso de umidade faz com que o algodão armazenado superaqueça, resultando em descoloração do fiapo, menor germinação das sementes e possivelmente combustão espontânea. Algodão em caroço com teor de umidade acima de 12% não deve ser armazenado. Além disso, a temperatura interna dos módulos recém-construídos deve ser monitorada durante os primeiros 5 a 7 dias de armazenamento do algodão; os módulos que experimentam um aumento de 11 ºC ou estão acima de 49 ºC devem ser descaroçados imediatamente para evitar a possibilidade de grandes perdas.

Várias variáveis ​​afetam a qualidade da semente e da fibra durante o armazenamento do algodão em caroço. O teor de umidade é o mais importante. Outras variáveis ​​incluem duração do armazenamento, quantidade de matéria estranha com alta umidade, variação no teor de umidade em toda a massa armazenada, temperatura inicial do caroço do algodão, temperatura do caroço do algodão durante o armazenamento, fatores climáticos durante o armazenamento (temperatura, umidade relativa, chuva ) e proteção do algodão contra chuva e solo úmido. O amarelecimento é acelerado em altas temperaturas. Tanto o aumento da temperatura quanto a temperatura máxima são importantes. O aumento da temperatura está diretamente relacionado ao calor gerado pela atividade biológica.

processo de descaroçamento

Cerca de 80 milhões de fardos de algodão são produzidos anualmente em todo o mundo, dos quais cerca de 20 milhões são produzidos por cerca de 1,300 descaroçadores nos Estados Unidos. A principal função do descaroçador de algodão é separar o fiapo da semente, mas o descaroçador também deve ser equipado para remover uma grande porcentagem de matéria estranha do algodão que reduziria significativamente o valor do fiapo descaroçado. Um descaroçador deve ter dois objetivos: (1) produzir pluma de qualidade satisfatória para o mercado do produtor e (2) descaroçar o algodão com redução mínima na qualidade da fiação da fibra, para que o algodão atenda às demandas de seus usuários finais, o fiandeiro e o consumidor. Consequentemente, a preservação da qualidade durante o descaroçamento requer a seleção e operação adequadas de cada máquina em um sistema de descaroçamento. O manuseio mecânico e a secagem podem modificar as características naturais de qualidade do algodão. Na melhor das hipóteses, um descaroçador só pode preservar as características de qualidade inerentes ao algodão quando entra no descaroçador. Os parágrafos a seguir discutem brevemente a função dos principais equipamentos mecânicos e processos no gin.

Máquinas de algodão em caroço

O algodão é transportado de um reboque ou módulo para uma armadilha de capulhos verdes na descaroçadora, onde os capulhos verdes, pedras e outros materiais estranhos pesados ​​são removidos. O controle automático de alimentação fornece um fluxo uniforme e bem disperso de algodão para que o sistema de limpeza e secagem do descaroçador opere com mais eficiência. Algodão mal disperso pode passar pelo sistema de secagem em torrões, e apenas a superfície desse algodão será seca.

Na primeira etapa de secagem, o ar aquecido conduz o algodão pelas prateleiras por 10 a 15 segundos. A temperatura do ar de transporte é regulada para controlar a quantidade de secagem. Para evitar danos às fibras, a temperatura a que o algodão é exposto durante a operação normal nunca deve ultrapassar 177 ºC. Temperaturas acima de 150 ºC podem causar alterações físicas permanentes nas fibras do algodão. Os sensores de temperatura do secador devem estar localizados o mais próximo possível do ponto onde o algodão e o ar aquecido se encontram. Se o sensor de temperatura estiver localizado perto da saída do secador de torre, a temperatura do ponto de mistura pode ser de 55 a 110 ºC mais alta que a temperatura no sensor a jusante. A queda de temperatura a jusante resulta do efeito de resfriamento da evaporação e da perda de calor através das paredes do maquinário e da tubulação. A secagem continua enquanto o ar quente move o algodão em caroço para o limpador de cilindro, que consiste em 6 ou 7 cilindros com pontas giratórias que giram de 400 a 500 rpm. Esses cilindros esfregam o algodão sobre uma série de hastes de grade ou telas, agitam o algodão e permitem que materiais finos estranhos, como folhas, lixo e sujeira, passem pelas aberturas para descarte. Limpadores de cilindro quebram chumaços grandes e geralmente condicionam o algodão para limpeza e secagem adicionais. Taxas de processamento de cerca de 6 fardos por hora por metro de comprimento do cilindro são comuns.

A máquina de bastão remove materiais estranhos maiores, como brocas e bastões, do algodão. As máquinas de hastes usam a força centrífuga criada pelos cilindros da serra girando de 300 a 400 rpm para “lançar” o material estranho enquanto a fibra é mantida pela serra. O material estranho que é lançado do recuperador alimenta o sistema de manuseio de lixo. Taxas de processamento de 4.9 a 6.6 fardos/hr/m de comprimento do cilindro são comuns.

Descaroçamento (separação de fiapos e sementes)

Depois de passar por mais uma etapa de secagem e limpeza dos cilindros, o algodão é distribuído a cada barraca de descaroçamento pela esteira-distribuidora. Localizado acima do estande de descaroçamento, o extrator-alimentador dosa o algodão em caroço uniformemente para o estande de descaroçamento em taxas controláveis ​​e limpa o algodão em caroço como uma função secundária. O teor de umidade da fibra de algodão no avental do alimentador-extrator é crítico. A umidade deve ser baixa o suficiente para que materiais estranhos possam ser facilmente removidos da barraca de gim. No entanto, a umidade não deve ser tão baixa (abaixo de 5%) que resulte na quebra de fibras individuais à medida que são separadas da semente. Essa quebra causa uma redução apreciável tanto no comprimento da fibra quanto na quantidade de fiapos. Do ponto de vista da qualidade, o algodão com maior teor de fibras curtas produz desperdício excessivo na fábrica têxtil e é menos desejável. A quebra excessiva de fibras pode ser evitada mantendo um teor de umidade de fibra de 6 a 7% no avental do alimentador-extrator.

Dois tipos de gins são de uso comum - o saw gin e o roller gin. Em 1794, Eli Whitney inventou um gim que removia a fibra da semente por meio de pontas ou serras em um cilindro. Em 1796, Henry Ogden Holmes inventou um gin com serras e costelas; este gin substituiu o gin Whitney e tornou o descaroçamento um processo de fluxo contínuo, em vez de um processo em lote. Algodão (geralmente Gossypium hirsutum) entra no estande de descaroçamento por uma frente de descascador. As serras agarram o algodão e o puxam através de nervuras amplamente espaçadas, conhecidas como nervuras descascadoras. As mechas de algodão são puxadas das nervuras do descascador para o fundo da caixa do rolo. O processo real de descaroçamento - separação de fiapos e sementes - ocorre na caixa de rolos do estande de descaroçamento. A ação de descaroçamento é causada por um conjunto de serras girando entre as nervuras de descaroçamento. Os dentes da serra passam entre as nervuras no ponto de descaroçamento. Aqui, a borda dianteira dos dentes é aproximadamente paralela à nervura, e os dentes puxam as fibras da semente, que são muito grandes para passar entre as nervuras. O descaroçamento em taxas acima das recomendadas pelo fabricante pode causar redução da qualidade da fibra, danos às sementes e engasgos. As velocidades da serra do suporte de gim também são importantes. Altas velocidades tendem a aumentar o dano à fibra causado durante o descaroçamento.

Os descaroçadores do tipo rolo forneceram o primeiro meio auxiliado mecanicamente para separar algodão de fibra extralonga (Gossypium barbadense) fiapos da semente. O gin Churka, de origem desconhecida, consistia em dois rolos duros que corriam juntos na mesma velocidade superficial, arrancando a fibra da semente e produzindo cerca de 1 kg de fibra/dia. Em 1840, Fones McCarthy inventou um descaroçador de rolos mais eficiente que consistia em um rolo de descaroçamento de couro, uma faca estacionária presa firmemente contra o rolo e uma faca recíproca que puxava a semente do fiapo enquanto o fiapo era segurado pelo rolo e pela faca estacionária. No final da década de 1950, um descaroçador de rolos com faca rotativa foi desenvolvido pelo Departamento de Pesquisa Agrícola do Serviço de Pesquisa Agrícola dos EUA (USDA) Southwestern Cotton Ginning Research Laboratory, fabricantes de gim dos EUA e descaroçadores privados. Este gin é atualmente o único gin do tipo roller usado nos Estados Unidos.

Limpeza de fiapos

O algodão é transportado do estande de gim através de dutos de fiapos para os condensadores e transformado novamente em uma manta. A manta é removida do tambor do condensador e alimentada no limpador de fiapos do tipo serra. Dentro do limpador de fiapos, o algodão passa pelos rolos de alimentação e sobre a placa de alimentação, que aplica as fibras na serra do limpador de fiapos. A serra carrega o algodão sob as grades, que são auxiliadas pela força centrífuga e removem as sementes imaturas e corpos estranhos. É importante que a folga entre as pontas da serra e as barras da grade seja ajustada corretamente. As barras da grade devem ser retas com uma ponta afiada para evitar a redução da eficiência da limpeza e o aumento da perda de fiapos. Aumentar a taxa de alimentação do limpador de fiapos acima da taxa recomendada pelo fabricante diminuirá a eficiência da limpeza e aumentará a perda de fibra boa. O algodão descaroçador geralmente é limpo com produtos de limpeza não agressivos e não tipo serra para minimizar os danos à fibra.

Os limpadores de fiapos podem melhorar a qualidade do algodão removendo matérias estranhas. Em alguns casos, os limpadores de fiapos podem melhorar a cor de um algodão levemente manchado, misturando-o para produzir um grau branco. Eles também podem melhorar o grau de cor de um algodão manchado para manchado claro ou talvez grau de cor branca.

Embalagens

O algodão limpo é compactado em fardos, que devem ser cobertos para protegê-los de contaminação durante o transporte e armazenamento. São produzidos três tipos de fardos: plano modificado, densidade universal comprimida e densidade universal de gim. Esses fardos são embalados em densidades de 224 e 449 kg/m3 para os fardos modificados de densidade plana e universal, respectivamente. Na maioria das descaroçadoras, o algodão é embalado em uma prensa de “caixa dupla” em que a pluma é inicialmente compactada em uma caixa de prensa por um tramper mecânico ou hidráulico; então a caixa de pressão é girada e o fiapo é ainda mais comprimido para cerca de 320 ou 641 kg/m3 por prensas modificadas planas ou de densidade universal de gim, respectivamente. Os fardos planos modificados são recompactados para se tornarem fardos de densidade universal comprimida em uma operação posterior para atingir taxas de frete ideais. Em 1995, cerca de 98% dos fardos nos Estados Unidos eram fardos de densidade universal de descaroçamento.

Qualidade da fibra

A qualidade do algodão é afetada por todas as etapas da produção, incluindo a seleção da variedade, colheita e descaroçamento. Certas características de qualidade são altamente influenciadas pela genética, enquanto outras são determinadas principalmente pelas condições ambientais ou pelas práticas de colheita e descaroçamento. Problemas durante qualquer etapa da produção ou processamento podem causar danos irreversíveis à qualidade da fibra e reduzir os lucros do produtor, bem como do fabricante têxtil.

A qualidade da fibra é mais alta no dia em que uma cápsula de algodão é aberta. Intemperismo, colheita mecânica, manuseio, descaroçamento e fabricação podem diminuir a qualidade natural. Existem muitos fatores que indicam a qualidade geral da fibra de algodão. Os mais importantes incluem resistência, comprimento da fibra, teor de fibras curtas (fibras menores que 1.27 cm), uniformidade do comprimento, maturidade, finura, teor de impurezas, cor, fragmento de casca e teor de nep e viscosidade. O mercado geralmente reconhece esses fatores, embora nem todos sejam medidos em cada fardo.

O processo de descaroçamento pode afetar significativamente o comprimento da fibra, a uniformidade e o conteúdo de fragmentos de casca, lixo, fibras curtas e neps. As duas práticas de descaroçamento que têm maior impacto na qualidade são a regulação da umidade da fibra durante o descaroçamento e a limpeza e o grau de limpeza de fiapos do tipo serra usado.

A faixa de umidade recomendada para o descaroçamento é de 6 a 7%. Os limpadores de gim removem mais lixo em baixa umidade, mas não sem mais danos às fibras. A umidade mais alta da fibra preserva o comprimento da fibra, mas resulta em problemas de descaroçamento e limpeza deficiente, conforme ilustrado na figura 1. Se a secagem for aumentada para melhorar a remoção de impurezas, a qualidade do fio será reduzida. Embora a aparência do fio melhore com a secagem até certo ponto, devido ao aumento da remoção de matérias estranhas, o efeito do aumento do teor de fibras curtas supera os benefícios da remoção de matérias estranhas.

Figura 1. Compromisso de limpeza com descaroçamento de umidade para algodão

TEX030F2

A limpeza faz pouco para mudar a verdadeira cor da fibra, mas pentear as fibras e remover o lixo muda a cor percebida. Às vezes, a limpeza de fiapos pode misturar a fibra para que menos fardos sejam classificados como manchados ou com manchas leves. O descaroçamento não afeta a finura e a maturidade. Cada dispositivo mecânico ou pneumático usado durante a limpeza e descaroçamento aumenta o teor de nep, mas os limpadores de fiapos têm a influência mais pronunciada. O número de fragmentos de semente no fiapo descaroçado é afetado pela condição da semente e pela ação do descaroçamento. Os limpadores de fiapos diminuem o tamanho, mas não o número de fragmentos. A resistência do fio, a aparência do fio e a quebra da ponta da fiação são três elementos importantes da qualidade da fiação. Todos são afetados pela uniformidade do comprimento e, portanto, pela proporção de fibras curtas ou quebradas. Esses três elementos geralmente são melhor preservados quando o algodão é descaroçado com o mínimo de máquinas de secagem e limpeza.

As recomendações para a sequência e a quantidade de maquinários de descaroçamento para secar e limpar o algodão colhido no fuso foram elaboradas para obter um valor de fardo satisfatório e preservar a qualidade inerente do algodão. Em geral, eles foram seguidos e, portanto, confirmados na indústria algodoeira dos Estados Unidos por várias décadas. As recomendações consideram os prêmios e descontos do sistema de marketing, bem como a eficiência de limpeza e os danos às fibras resultantes de várias máquinas de gim. Algumas variações dessas recomendações são necessárias para condições especiais de colheita.

Quando o maquinário de descaroçamento é usado na sequência recomendada, 75 a 85% das matérias estranhas são geralmente removidas do algodão. Infelizmente, esse maquinário também remove pequenas quantidades de algodão de boa qualidade no processo de remoção de corpos estranhos, de modo que a quantidade de algodão comercializável é reduzida durante a limpeza. A limpeza do algodão é, portanto, um compromisso entre o nível de matéria estranha e a perda e dano da fibra.

Preocupações de segurança e saúde

A indústria de descaroçamento de algodão, como outras indústrias de processamento, tem muitos riscos. As informações dos pedidos de indenização dos trabalhadores indicam que o número de lesões é maior nas mãos/dedos, seguido por lesões nas costas/coluna, olhos, pés/dedos dos pés, braço/ombro, perna, tronco e cabeça. Embora a indústria tenha atuado na redução de riscos e na educação sobre segurança, a segurança do gim continua sendo uma grande preocupação. As razões para a preocupação incluem a alta frequência de acidentes e reclamações trabalhistas, o grande número de dias de trabalho perdidos e a gravidade dos acidentes. Os custos econômicos totais para lesões de gim e distúrbios de saúde incluem custos diretos (compensações médicas e outras) e custos indiretos (tempo perdido no trabalho, tempo de inatividade, perda de poder aquisitivo, custos mais altos de seguro para compensação de trabalhadores, perda de produtividade e muitos outros fatores de perda ). Os custos diretos são mais fáceis de determinar e muito mais baratos do que os custos indiretos.

Muitos regulamentos internacionais de segurança e saúde que afetam o descaroçamento de algodão são derivados da legislação dos EUA administrada pela Administração de Saúde e Segurança Ocupacional (OSHA) e pela Agência de Proteção Ambiental (EPA), que promulga regulamentos de pesticidas.

Outros regulamentos agrícolas também podem se aplicar a um gin, incluindo requisitos para emblemas de veículos lentos em reboques/tratores operando em vias públicas, provisões para estruturas de proteção contra capotamento em tratores operados por funcionários e provisões para instalações adequadas para trabalho temporário. Embora os gins sejam considerados empresas agrícolas e não sejam especificamente cobertos por muitos regulamentos, os descaroçadores provavelmente desejarão estar em conformidade com outros regulamentos, como os “Padrões para a indústria geral, parte 1910” da OSHA. Existem três padrões específicos da OSHA que os descaroçadores devem considerar: aqueles para incêndio e outros planos de emergência (29 CFR 1910.38a), saídas (29 CFR 1910.35-40) e exposição ocupacional ao ruído (29 CFR 1910.95). Os principais requisitos de saída são fornecidos em 29 CFR 1910.36 e 29 CFR 1910.37. Em outros países, onde os trabalhadores agrícolas estão incluídos na cobertura obrigatória, tal cumprimento será obrigatório. A conformidade com o ruído e outras normas de segurança e saúde é discutida em outra parte deste Enciclopédia.

Participação dos funcionários em programas de segurança

Os programas de controle de perdas mais eficazes são aqueles em que a administração motiva os funcionários a se preocuparem com a segurança. Essa motivação pode ser alcançada estabelecendo uma política de segurança que envolva os funcionários em cada elemento do programa, participando de treinamentos de segurança, dando um bom exemplo e fornecendo incentivos adequados aos funcionários.

Distúrbios de saúde ocupacional são reduzidos ao exigir que o EPI seja usado em áreas designadas e que os funcionários observem práticas de trabalho aceitáveis. Os EPIs auditivos (tampões ou abafadores) e respiratórios (máscara contra poeira) devem ser usados ​​sempre que trabalhar em áreas com alto nível de ruído ou poeira. Algumas pessoas são mais suscetíveis a ruídos e problemas respiratórios do que outras e, mesmo com EPI, devem ser realocadas para áreas de trabalho com menor nível de ruído ou poeira. Os riscos à saúde associados ao trabalho pesado e ao calor excessivo podem ser resolvidos por meio de treinamento, uso de equipamentos de manuseio de materiais, vestimenta adequada, ventilação e pausas do calor.

Todas as pessoas durante a operação do gim devem estar envolvidas na segurança do gim. Uma atmosfera de trabalho segura pode ser estabelecida quando todos estão motivados a participar plenamente do programa de controle de perdas.

 

Voltar

Leia 22491 vezes Última modificação em segunda-feira, 05 de setembro de 2011 23:43

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências da Indústria de Produtos Têxteis

Repórter Têxtil Americano. 1969. (10 de julho).

Anthony, HM e GM Thomas. 1970. Tumores da bexiga urinária. J Natl Cancer Inst 45:879–95.

Arlidge, JT. 1892. A Higiene, Doenças e Mortalidade das Profissões. Londres: Percival and Co.

Beck, GJ, CA Doyle e EN Schachter. 1981. Tabagismo e função pulmonar. Am Rev Resp Dis 123:149–155.

—. 1982. Um estudo longitudinal da saúde respiratória em uma comunidade rural. Am Rev Resp Dis 125:375–381.

Beck, GJ, LR Maunder e EN Schachter. 1984. Pó de algodão e efeitos do fumo na função pulmonar em trabalhadores têxteis de algodão. Am J Epidemiologia 119:33–43.

Beck, GJ, EN Schachter, L Maunder e A Bouhuys. 1981. A relação da função pulmonar com o emprego subsequente e mortalidade em trabalhadores têxteis de algodão. Suplemento de peito 79:26S–29S.

Bouhuys, A. 1974. Respiração. Nova York: Grune & Stratton.

Bouhuys, A, GJ Beck e J Schoenberg. 1979. Epidemiologia da doença pulmonar ambiental. Yale J Biol Med 52:191–210.

Bouhuys, A, CA Mitchell, RSF Schilling e E Zuskin. 1973. Um estudo fisiológico da bissinose na América colonial. Trans New York Acad Sciences 35:537–546.

Bouhuys, A, JB Schoenberg, GJ Beck e RSF Schilling. 1977. Epidemiologia da doença pulmonar crônica em uma comunidade de fábrica de algodão. Pulmão 154:167–186.

Britten, RH, JJ Bloomfield e JC Goddard. 1933. Saúde dos Trabalhadores em Fábricas Têxteis. Boletim No. 207. Washington, DC: Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos.

Buiatti, E, A Barchielli, M Geddes, L Natasi, D Kriebel, M Franchini e G Scarselli. 1984. Fatores de risco na infertilidade masculina. Arch Environ Health 39:266–270.

Doig, AT. 1949. Outras doenças pulmonares devido à poeira. Postgrad Med J 25:639–649.

Departamento do Trabalho (DOL). 1945. Boletim Especial No. 18. Washington, DC: DOL, Divisão de Padrões Trabalhistas.

Dubrow, R e DM Gute. 1988. Mortalidade por causa específica entre trabalhadores têxteis do sexo masculino em Rhode Island. Am J Ind Med 13: 439–454.

Edwards, C, J Macartney, G Rooke e F Ward. 1975. A patologia do pulmão em bissinóticos. Thorax 30:612–623.

Estlander, T. 1988. Dermatoses alérgicas e doenças respiratórias de corantes reativos. Entre em contato com Dermat 18:290–297.

Eyeland, GM, GA Burkhart, TM Schnorr, FW Hornung, JM Fajen e ST Lee. 1992. Efeitos da exposição ao dissulfeto de carbono na concentração de colesterol de lipoproteína de baixa densidade e pressão arterial diastólica. Brit J Ind Med 49:287–293.

Fishwick, D, AM Fletcher, AC Pickering, R McNiven e EB Faragher. 1996. Função pulmonar em operativos de fábricas de fiação de algodão e fibras sintéticas de Lancashire. Occup Environ Med 53:46–50.

Forst, L e D Hryhorczuk. 1988. Síndrome ocupacional do túnel do tarso. Brit J Ind Med 45:277–278.

Fox, AJ, JBL Tombleson, A Watt e AG Wilkie. 1973a. Uma pesquisa de doenças respiratórias em operárias de algodão: Parte I. Sintomas e resultados do teste de ventilação. Brit J Ind Med 30:42-47.

—. 1973b. Uma pesquisa de doenças respiratórias em cooperativas de algodão: Parte II. Sintomas, estimativa de poeira e efeito do hábito de fumar. Brit J Ind Med 30:48-53.

Glindmeyer, HW, JJ Lefante, RN Jones, RJ Rando, HMA Kader e H Weill. 1991. Declínios relacionados à exposição na função pulmonar de trabalhadores têxteis de algodão. Am Rev Respir Dis 144:675–683.

Glindmeyer, HW, JJ Lefante, RN Jones, RJ Rando e H Weill. 1994. Pó de algodão e mudança entre turnos em FEV1 Am J Respir Crit Care Med 149:584–590.

Goldberg, MS e G Theriault. 1994a. Estudo de coorte retrospectivo de trabalhadores de uma fábrica de têxteis sintéticos em Quebec II. Am J Ind Med 25:909–922.

—. 1994b. Estudo de coorte retrospectivo de trabalhadores de uma fábrica de têxteis sintéticos em Quebec I. Am J Ind Med 25:889–907.

Grund, N. 1995. Considerações ambientais para produtos de impressão têxtil. Jornal da Sociedade de Tintureiros e Coloristas 111 (1/2):7–10.

Harris, TR, JA Merchant, KH Kilburn e JD Hamilton. 1972. Bissinose e doenças respiratórias em trabalhadores de fábricas de algodão. J Occup Med 14: 199–206.

Henderson, V e PE Enterline. 1973. Uma experiência incomum de mortalidade em trabalhadores têxteis de algodão. J Occup Med 15: 717–719.

Hernberg, S, T Partanen e CH Nordman. 1970. Doença cardíaca coronária entre trabalhadores expostos ao dissulfeto de carbono. Brit J Ind Med 27:313–325.

McKerrow, CB e RSF Schilling. 1961. Uma investigação piloto sobre a bissinose em duas fábricas de algodão nos Estados Unidos. JAMA 177:850–853.

McKerrow, CB, SA Roach, JC Gilson e RSF Schilling. 1962. O tamanho das partículas de pó de algodão causando bissinose: um estudo ambiental e fisiológico. Brit J Ind Med 19:1–8.

Merchant, JA e C Ortmeyer. 1981. Mortalidade de empregados de duas fábricas de algodão na Carolina do Norte. Suplemento de peito 79: 6S–11S.

Merchant, JA, JC Lumsdun, KH Kilburn, WM O'Fallon, JR Ujda, VH Germino e JD Hamilton. 1973. Estudos de dose-resposta em trabalhadores têxteis de algodão. J Occup Med 15:222–230.

Ministério do Comércio Internacional e Indústria (Japão). 1996. Formulário da Indústria Têxtil e de Vestuário da Ásia-Pacífico, 3 a 4 de junho de 1996. Tóquio: Ministério do Comércio Internacional e Indústria.

Molyneux, MKB e JBL Tombleson. 1970. Um estudo epidemiológico de sintomas respiratórios em moinhos de Lancashire, 1963–1966. Brit J Ind Med 27:225–234.

Moran, TJ. 1983. Enfisema e outras doenças pulmonares crônicas em trabalhadores têxteis: um estudo de autópsia de 18 anos. Arch Environ Health 38:267–276.

Murray, R, J Dingwall-Fordyce e RE Lane. 1957. Um surto de tosse do tecelão associado ao pó de semente de tamarindo. Brit J Ind Med 14:105–110.

Mustafa, KY, W Bos e AS Lakha. 1979. Bissinose em trabalhadores têxteis da Tanzânia. Pulmão 157:39–44.

Myles, SM e AH Roberts. 1985. Lesões nas mãos na indústria têxtil. J Hand Surg 10:293–296.

Neal, PA, R Schneiter e BH Caminita. 1942. Relatório sobre doença aguda entre fabricantes de colchões rurais usando algodão manchado de baixa qualidade. JAMA 119:1074–1082.

Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA). 1985. Regra Final para Exposição Ocupacional ao Pó de Algodão. Federal Register 50, 51120-51179 (13 de dezembro de 1985). 29 CFR 1910.1043. Washington, DC: OSHA.

Parik, JR. 1992. Bissinose em países em desenvolvimento. Brit J Ind Med 49:217–219.
Rachootin, P e J Olsen. 1983. O risco de infertilidade e concepção atrasada associada a exposições no local de trabalho dinamarquês. J Occup Med 25:394–402.

Ramazzini, B. 1964. Doenças dos Trabalhadores [De morbis artificum, 1713], traduzido por WC Wright. Nova York: Hafner Publishing Co.

Redlich, CA, WS Beckett, J Sparer, KW Barwick, CA Riely, H Miller, SL Sigal, SL Shalat e MR Cullen. 1988. Doença hepática associada à exposição ocupacional ao solvente dimetilformamida. Ann Int Med 108:680–686.

Riihimaki, V, H Kivisto, K Peltonen, E Helpio e A Aitio. 1992. Avaliação das exposições ao dissulfeto de carbono em trabalhadores da produção de viscose a partir de determinações de ácido 2-tiotiazolidina-4-carboxílico na urina. Am J Ind Med 22:85–97.

Roach, SA e RSF Schilling. 1960. Um estudo clínico e ambiental da bissinose na indústria algodoeira de Lancashire. Brit J Ind Med 17:1–9.

Rooke, GB. 1981a. A patologia da bissinose. Suplemento de peito 79:67S–71S.

—. 1981b. Indenização por bissinose na Grã-Bretanha. Suplemento de peito 79:124S–127S.

Sadhro, S, P Duhra e IS Foulds. 1989. Dermatite ocupacional do líquido Synocril Red 3b (CI Basic Red 22). Entre em contato com Dermat 21:316–320.

Schachter, EN, MC Kapp, GJ Beck, LR Maunder e TJ Witek. 1989. Efeitos do fumo e do pó de algodão em trabalhadores têxteis de algodão. Baú 95: 997–1003.

Schilling, RSF. 1956. Bissinose em algodão e outros trabalhadores têxteis. Lancet 1:261–267, 319–324.

—. 1981. Problemas mundiais de bissinose. Suplemento de peito 79:3S–5S.

Schilling, RSF e N Goodman. 1951. Doença cardiovascular em trabalhadores do algodão. Brit J Ind Med 8:77–87.

Seidenari, S, BM Mauzini e P Danese. 1991. Sensibilização de contato para corantes têxteis: Descrição de 100 indivíduos. Entre em contato com Dermat 24:253–258.

Siemiatycki, J, R Dewar, L Nadon e M Gerin. 1994. Fatores de risco ocupacionais para câncer de bexiga. Am J Epidemiol 140:1061–1080.

Silverman, DJ, LI Levin, RN Hoover e P Hartge. 1989. Riscos ocupacionais de câncer de bexiga nos Estados Unidos. I. Homens brancos. J Natl Cancer Inst 81:1472–1480.

Steenland, K, C Burnett e AM Osorio. 1987. Um estudo de controle de caso de câncer de bexiga usando diretórios de cidades como fonte de dados ocupacionais. Am J Epidemiol 126:247–257.

Sweetnam, PM, SWS Taylor e PC Elwood. 1986. Exposição ao dissulfeto de carbono e doença isquêmica do coração em uma fábrica de viscose rayon. Brit J Ind Med 44:220–227.

Tomás, RE. 1991. Relatório sobre uma conferência multidisciplinar sobre controle e prevenção de distúrbios de trauma cumulativo (CDT) ou trauma de movimento repetitivo (RMT) nas indústrias têxtil, de vestuário e de fibras. Am Ind Hyg Assoc J 52:A562.

Uragoda, CG. 1977. Uma investigação sobre a saúde dos trabalhadores da sumaúma. Brit J Ind Med 34:181–185.
Vigliani, EC, L Parmeggiani e C Sassi. 1954. Studio de un epidemio di bronquite asmatica fra gli operi di una tessiture di cotone. Med Lau 45:349–378.

Vobecky, J, G Devroede e J Caro. 1984. Risco de câncer do intestino grosso na fabricação de fibras sintéticas. Câncer 54:2537–2542.

Vobecky, J, G Devroede, J La Caille e A Waiter. 1979. Um grupo ocupacional com alto risco de câncer de intestino grosso. Gastroenterologia 76:657.

Wood, CH e SA Roach. 1964. Poeira nas salas de jogos: Um problema contínuo na indústria de fiação de algodão. Brit J Ind Med 21:180–186.

Zuskin, E, D Ivankovic, EN Schachter e TJ Witek. 1991. Um estudo de acompanhamento de dez anos de trabalhadores têxteis de algodão. Am Rev Respira Dis 143:301–305.