Quarta-feira, 30 Março 2011 02: 22

Viscose (Rayon)

Classifique este artigo
(2 votos)

Adaptado da 3ª edição, Encyclopaedia of Occupational Health and Safety.

O rayon é uma fibra sintética produzida a partir da celulose (polpa de madeira) que foi tratada quimicamente. É usado sozinho ou em mistura com outras fibras sintéticas ou naturais para fazer tecidos fortes, altamente absorventes e macios, que podem ser tingidos com cores brilhantes e duradouras.

A fabricação do rayon teve sua origem na busca por uma seda artificial. Em 1664, Robert Hooke, um cientista britânico conhecido por suas observações de células vegetais, previu a possibilidade de duplicar a seda por meios artificiais; quase dois séculos depois, em 1855, as fibras eram feitas de uma mistura de galhos de amoreira e ácido nítrico. O primeiro processo comercial bem-sucedido foi desenvolvido em 1884 pelo inventor francês Hilaire de Chardonnet e, em 1891, os cientistas britânicos Cross e Bevan aperfeiçoaram o processo de viscose. Em 1895, o rayon estava sendo produzido comercialmente em pequena escala e seu uso cresceu rapidamente.

Métodos de produção

Rayon é feito por uma série de processos, dependendo do uso pretendido.

No processo de viscose, a celulose derivada da polpa de madeira é mergulhada em uma solução de hidróxido de sódio e o excesso de líquido é espremido por compressão para formar celulose alcalina. As impurezas são removidas e, depois de trituradas em pedaços semelhantes a migalhas brancas que envelhecem vários dias a temperatura controlada, a celulose alcalina triturada é transferida para outro tanque onde é tratada com bissulfureto de carbono para formar migalhas laranja-douradas de xantato de celulose. Estes são dissolvidos em hidróxido de sódio diluído para formar um líquido viscoso laranja chamado viscose. Diferentes lotes de viscose são misturados para obter uma qualidade uniforme. A mistura é filtrada e amadurecida por vários dias de armazenamento em temperatura e umidade rigidamente controladas. Em seguida, é extrudado através de bocais de metal com orifícios finos (fieiras) em um banho de cerca de 10% de ácido sulfúrico. Pode ser enrolado como um filamento contínuo (bolos) ou cortado nos comprimentos necessários e fiado como algodão ou lã. Viscose rayon é usado para fazer vestuário e tecidos pesados.

No processo de cupramónio, usada para fazer tecidos tipo seda e meias transparentes, a polpa de celulose dissolvida na solução de hidróxido de sódio é tratada com óxido de cobre e amônia. Os filamentos saem das fiandeiras para um funil giratório e são esticados até a finura necessária pela ação de um jato de água.

Nos processos de viscose e cupramônio, a celulose é reconstituída, mas o acetato e o triacetato são ésteres da celulose e são considerados por alguns como uma classe separada de fibra. Os tecidos de acetato são conhecidos por sua capacidade de obter cores brilhantes e de cair bem, características que os tornam particularmente desejáveis ​​para vestuário. Fibras curtas de acetato são usadas como enchimento em travesseiros, colchões e colchas. Os fios de triacetato têm muitas das mesmas propriedades do acetato, mas são particularmente favorecidos por sua capacidade de reter vincos e pregas nas roupas.

Perigos e sua prevenção

Os principais perigos no processo de viscose são as exposições a dissulfeto de carbono e sulfeto de hidrogênio. Ambos têm uma variedade de efeitos tóxicos dependendo da intensidade e duração da exposição e do(s) órgão(s) afetado(s); eles variam de fadiga e tontura, irritação respiratória e sintomas gastrointestinais a distúrbios neuropsiquiátricos profundos, distúrbios auditivos e visuais, inconsciência profunda e morte.

Além disso, com um ponto de inflamação abaixo de –30 °C e limites explosivos entre 1.0 e 50%, o dissulfeto de carbono apresenta alto risco de incêndio e explosão.

Os ácidos e álcalis usados ​​no processo são bastante diluídos, mas sempre há perigo de se preparar as diluições adequadas e respingar nos olhos. As migalhas alcalinas produzidas durante o processo de trituração podem irritar as mãos e os olhos dos trabalhadores, enquanto os vapores ácidos e o gás sulfídrico que emanam do banho giratório podem causar ceratoconjuntivite caracterizada por lacrimejamento excessivo, fotofobia e dor ocular intensa.

Manter as concentrações de dissulfeto de carbono e sulfeto de hidrogênio abaixo dos limites de exposição segura requer monitoramento diligente, como pode ser fornecido por um aparelho automático de registro contínuo. É aconselhável o fechamento completo do maquinário com LEV eficiente (com entradas no nível do piso, pois esses gases são mais pesados ​​que o ar). Os trabalhadores devem ser treinados em ações de emergência em caso de vazamentos e, além de receberem equipamentos de proteção individual adequados, os trabalhadores de manutenção e reparo devem ser cuidadosamente treinados e supervisionados para evitar níveis desnecessários de exposição.

Banheiros e instalações de lavagem são necessidades e não meras comodidades. A vigilância médica através de pré-colocação e exames médicos periódicos é desejável.

 

Voltar

Leia 6813 vezes Última modificação quarta-feira, 29 junho 2011 08: 17

" ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: A OIT não se responsabiliza pelo conteúdo apresentado neste portal da Web em qualquer idioma que não seja o inglês, que é o idioma usado para a produção inicial e revisão por pares do conteúdo original. Algumas estatísticas não foram atualizadas desde a produção da 4ª edição da Enciclopédia (1998)."

Conteúdo

Referências da Indústria de Produtos Têxteis

Repórter Têxtil Americano. 1969. (10 de julho).

Anthony, HM e GM Thomas. 1970. Tumores da bexiga urinária. J Natl Cancer Inst 45:879–95.

Arlidge, JT. 1892. A Higiene, Doenças e Mortalidade das Profissões. Londres: Percival and Co.

Beck, GJ, CA Doyle e EN Schachter. 1981. Tabagismo e função pulmonar. Am Rev Resp Dis 123:149–155.

—. 1982. Um estudo longitudinal da saúde respiratória em uma comunidade rural. Am Rev Resp Dis 125:375–381.

Beck, GJ, LR Maunder e EN Schachter. 1984. Pó de algodão e efeitos do fumo na função pulmonar em trabalhadores têxteis de algodão. Am J Epidemiologia 119:33–43.

Beck, GJ, EN Schachter, L Maunder e A Bouhuys. 1981. A relação da função pulmonar com o emprego subsequente e mortalidade em trabalhadores têxteis de algodão. Suplemento de peito 79:26S–29S.

Bouhuys, A. 1974. Respiração. Nova York: Grune & Stratton.

Bouhuys, A, GJ Beck e J Schoenberg. 1979. Epidemiologia da doença pulmonar ambiental. Yale J Biol Med 52:191–210.

Bouhuys, A, CA Mitchell, RSF Schilling e E Zuskin. 1973. Um estudo fisiológico da bissinose na América colonial. Trans New York Acad Sciences 35:537–546.

Bouhuys, A, JB Schoenberg, GJ Beck e RSF Schilling. 1977. Epidemiologia da doença pulmonar crônica em uma comunidade de fábrica de algodão. Pulmão 154:167–186.

Britten, RH, JJ Bloomfield e JC Goddard. 1933. Saúde dos Trabalhadores em Fábricas Têxteis. Boletim No. 207. Washington, DC: Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos.

Buiatti, E, A Barchielli, M Geddes, L Natasi, D Kriebel, M Franchini e G Scarselli. 1984. Fatores de risco na infertilidade masculina. Arch Environ Health 39:266–270.

Doig, AT. 1949. Outras doenças pulmonares devido à poeira. Postgrad Med J 25:639–649.

Departamento do Trabalho (DOL). 1945. Boletim Especial No. 18. Washington, DC: DOL, Divisão de Padrões Trabalhistas.

Dubrow, R e DM Gute. 1988. Mortalidade por causa específica entre trabalhadores têxteis do sexo masculino em Rhode Island. Am J Ind Med 13: 439–454.

Edwards, C, J Macartney, G Rooke e F Ward. 1975. A patologia do pulmão em bissinóticos. Thorax 30:612–623.

Estlander, T. 1988. Dermatoses alérgicas e doenças respiratórias de corantes reativos. Entre em contato com Dermat 18:290–297.

Eyeland, GM, GA Burkhart, TM Schnorr, FW Hornung, JM Fajen e ST Lee. 1992. Efeitos da exposição ao dissulfeto de carbono na concentração de colesterol de lipoproteína de baixa densidade e pressão arterial diastólica. Brit J Ind Med 49:287–293.

Fishwick, D, AM Fletcher, AC Pickering, R McNiven e EB Faragher. 1996. Função pulmonar em operativos de fábricas de fiação de algodão e fibras sintéticas de Lancashire. Occup Environ Med 53:46–50.

Forst, L e D Hryhorczuk. 1988. Síndrome ocupacional do túnel do tarso. Brit J Ind Med 45:277–278.

Fox, AJ, JBL Tombleson, A Watt e AG Wilkie. 1973a. Uma pesquisa de doenças respiratórias em operárias de algodão: Parte I. Sintomas e resultados do teste de ventilação. Brit J Ind Med 30:42-47.

—. 1973b. Uma pesquisa de doenças respiratórias em cooperativas de algodão: Parte II. Sintomas, estimativa de poeira e efeito do hábito de fumar. Brit J Ind Med 30:48-53.

Glindmeyer, HW, JJ Lefante, RN Jones, RJ Rando, HMA Kader e H Weill. 1991. Declínios relacionados à exposição na função pulmonar de trabalhadores têxteis de algodão. Am Rev Respir Dis 144:675–683.

Glindmeyer, HW, JJ Lefante, RN Jones, RJ Rando e H Weill. 1994. Pó de algodão e mudança entre turnos em FEV1 Am J Respir Crit Care Med 149:584–590.

Goldberg, MS e G Theriault. 1994a. Estudo de coorte retrospectivo de trabalhadores de uma fábrica de têxteis sintéticos em Quebec II. Am J Ind Med 25:909–922.

—. 1994b. Estudo de coorte retrospectivo de trabalhadores de uma fábrica de têxteis sintéticos em Quebec I. Am J Ind Med 25:889–907.

Grund, N. 1995. Considerações ambientais para produtos de impressão têxtil. Jornal da Sociedade de Tintureiros e Coloristas 111 (1/2):7–10.

Harris, TR, JA Merchant, KH Kilburn e JD Hamilton. 1972. Bissinose e doenças respiratórias em trabalhadores de fábricas de algodão. J Occup Med 14: 199–206.

Henderson, V e PE Enterline. 1973. Uma experiência incomum de mortalidade em trabalhadores têxteis de algodão. J Occup Med 15: 717–719.

Hernberg, S, T Partanen e CH Nordman. 1970. Doença cardíaca coronária entre trabalhadores expostos ao dissulfeto de carbono. Brit J Ind Med 27:313–325.

McKerrow, CB e RSF Schilling. 1961. Uma investigação piloto sobre a bissinose em duas fábricas de algodão nos Estados Unidos. JAMA 177:850–853.

McKerrow, CB, SA Roach, JC Gilson e RSF Schilling. 1962. O tamanho das partículas de pó de algodão causando bissinose: um estudo ambiental e fisiológico. Brit J Ind Med 19:1–8.

Merchant, JA e C Ortmeyer. 1981. Mortalidade de empregados de duas fábricas de algodão na Carolina do Norte. Suplemento de peito 79: 6S–11S.

Merchant, JA, JC Lumsdun, KH Kilburn, WM O'Fallon, JR Ujda, VH Germino e JD Hamilton. 1973. Estudos de dose-resposta em trabalhadores têxteis de algodão. J Occup Med 15:222–230.

Ministério do Comércio Internacional e Indústria (Japão). 1996. Formulário da Indústria Têxtil e de Vestuário da Ásia-Pacífico, 3 a 4 de junho de 1996. Tóquio: Ministério do Comércio Internacional e Indústria.

Molyneux, MKB e JBL Tombleson. 1970. Um estudo epidemiológico de sintomas respiratórios em moinhos de Lancashire, 1963–1966. Brit J Ind Med 27:225–234.

Moran, TJ. 1983. Enfisema e outras doenças pulmonares crônicas em trabalhadores têxteis: um estudo de autópsia de 18 anos. Arch Environ Health 38:267–276.

Murray, R, J Dingwall-Fordyce e RE Lane. 1957. Um surto de tosse do tecelão associado ao pó de semente de tamarindo. Brit J Ind Med 14:105–110.

Mustafa, KY, W Bos e AS Lakha. 1979. Bissinose em trabalhadores têxteis da Tanzânia. Pulmão 157:39–44.

Myles, SM e AH Roberts. 1985. Lesões nas mãos na indústria têxtil. J Hand Surg 10:293–296.

Neal, PA, R Schneiter e BH Caminita. 1942. Relatório sobre doença aguda entre fabricantes de colchões rurais usando algodão manchado de baixa qualidade. JAMA 119:1074–1082.

Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA). 1985. Regra Final para Exposição Ocupacional ao Pó de Algodão. Federal Register 50, 51120-51179 (13 de dezembro de 1985). 29 CFR 1910.1043. Washington, DC: OSHA.

Parik, JR. 1992. Bissinose em países em desenvolvimento. Brit J Ind Med 49:217–219.
Rachootin, P e J Olsen. 1983. O risco de infertilidade e concepção atrasada associada a exposições no local de trabalho dinamarquês. J Occup Med 25:394–402.

Ramazzini, B. 1964. Doenças dos Trabalhadores [De morbis artificum, 1713], traduzido por WC Wright. Nova York: Hafner Publishing Co.

Redlich, CA, WS Beckett, J Sparer, KW Barwick, CA Riely, H Miller, SL Sigal, SL Shalat e MR Cullen. 1988. Doença hepática associada à exposição ocupacional ao solvente dimetilformamida. Ann Int Med 108:680–686.

Riihimaki, V, H Kivisto, K Peltonen, E Helpio e A Aitio. 1992. Avaliação das exposições ao dissulfeto de carbono em trabalhadores da produção de viscose a partir de determinações de ácido 2-tiotiazolidina-4-carboxílico na urina. Am J Ind Med 22:85–97.

Roach, SA e RSF Schilling. 1960. Um estudo clínico e ambiental da bissinose na indústria algodoeira de Lancashire. Brit J Ind Med 17:1–9.

Rooke, GB. 1981a. A patologia da bissinose. Suplemento de peito 79:67S–71S.

—. 1981b. Indenização por bissinose na Grã-Bretanha. Suplemento de peito 79:124S–127S.

Sadhro, S, P Duhra e IS Foulds. 1989. Dermatite ocupacional do líquido Synocril Red 3b (CI Basic Red 22). Entre em contato com Dermat 21:316–320.

Schachter, EN, MC Kapp, GJ Beck, LR Maunder e TJ Witek. 1989. Efeitos do fumo e do pó de algodão em trabalhadores têxteis de algodão. Baú 95: 997–1003.

Schilling, RSF. 1956. Bissinose em algodão e outros trabalhadores têxteis. Lancet 1:261–267, 319–324.

—. 1981. Problemas mundiais de bissinose. Suplemento de peito 79:3S–5S.

Schilling, RSF e N Goodman. 1951. Doença cardiovascular em trabalhadores do algodão. Brit J Ind Med 8:77–87.

Seidenari, S, BM Mauzini e P Danese. 1991. Sensibilização de contato para corantes têxteis: Descrição de 100 indivíduos. Entre em contato com Dermat 24:253–258.

Siemiatycki, J, R Dewar, L Nadon e M Gerin. 1994. Fatores de risco ocupacionais para câncer de bexiga. Am J Epidemiol 140:1061–1080.

Silverman, DJ, LI Levin, RN Hoover e P Hartge. 1989. Riscos ocupacionais de câncer de bexiga nos Estados Unidos. I. Homens brancos. J Natl Cancer Inst 81:1472–1480.

Steenland, K, C Burnett e AM Osorio. 1987. Um estudo de controle de caso de câncer de bexiga usando diretórios de cidades como fonte de dados ocupacionais. Am J Epidemiol 126:247–257.

Sweetnam, PM, SWS Taylor e PC Elwood. 1986. Exposição ao dissulfeto de carbono e doença isquêmica do coração em uma fábrica de viscose rayon. Brit J Ind Med 44:220–227.

Tomás, RE. 1991. Relatório sobre uma conferência multidisciplinar sobre controle e prevenção de distúrbios de trauma cumulativo (CDT) ou trauma de movimento repetitivo (RMT) nas indústrias têxtil, de vestuário e de fibras. Am Ind Hyg Assoc J 52:A562.

Uragoda, CG. 1977. Uma investigação sobre a saúde dos trabalhadores da sumaúma. Brit J Ind Med 34:181–185.
Vigliani, EC, L Parmeggiani e C Sassi. 1954. Studio de un epidemio di bronquite asmatica fra gli operi di una tessiture di cotone. Med Lau 45:349–378.

Vobecky, J, G Devroede e J Caro. 1984. Risco de câncer do intestino grosso na fabricação de fibras sintéticas. Câncer 54:2537–2542.

Vobecky, J, G Devroede, J La Caille e A Waiter. 1979. Um grupo ocupacional com alto risco de câncer de intestino grosso. Gastroenterologia 76:657.

Wood, CH e SA Roach. 1964. Poeira nas salas de jogos: Um problema contínuo na indústria de fiação de algodão. Brit J Ind Med 21:180–186.

Zuskin, E, D Ivankovic, EN Schachter e TJ Witek. 1991. Um estudo de acompanhamento de dez anos de trabalhadores têxteis de algodão. Am Rev Respira Dis 143:301–305.